Marco Antonio
Acadêmico de Enfermagem
 Há evidências de que a tuberculose
acometa a humanidade há mais de
5.000 anos.
 A causa não era divina. Denominou a
doença como Tísica.
 A Tísica passa a ser conhecida e citada.
 Criação das condições de profilaxia da
doença;
 Isolamento;
 Desigualdade social;
 Associação com a AIDS;
 Desorganização dos serviços de saúde;
 A tuberculose (TB) é uma doença
infecciosa e transmissível que afeta
prioritariamente os pulmões. A doença é
curável.
 ...
 Tosse seca ou produtiva a mais de 3
semanas.
 Podem também surgir sinais de
sangramento do aparelho respiratório.
 Feb...
 Coleta de escarro para baciloscopia
 Colher amostra em jejum, depois de
enxaguar a boca com água. Deve-se
tossir e esca...
 Pode-se também realizar sorologia, para
verificação de anticorpos anti BK.
Isso baseia-se no fato de que a
Infecção pelo BK produz uma
reação
De hipersensibilidade a certos
componentes antigênicos,...
 Ocorre por via respiratória, pela
inalação de aerossóis produzidos pela
tosse, fala ou espirro de um doente com
TB ativa...
 Tomada Assistida.
 O tratamento da tuberculose dura no
mínimo seis meses e, nesse período o
estabelecimento de vínculo ...
 O paciente deve ser orientado, de
forma clara, quanto às características
da tuberculose e do tratamento a que
será subme...
 A principal prevenção é por meio de
vacinação.
 A vacinação visa proteger pessoas não
infectadas de adoecerem por TB, c...
 Utilizar lenço descartável para higiene
nasal;
 Cobrir nariz e boca quando espirrar ou
tossir;
 Higienizar as mãos apó...
 Bacillus Calmette-Guérin
 Foi administrado Pela 1° vez em
humanos em 1921.
 Não é capaz de evitar a infecção
tuberculo...
 Os Recém-nascidos filhos de mães
soropositivas ou com AIDS devem ser
vacinados, desde que sejam não
reatoras à prova tub...
 O SUS, sob a coordenação do Ministério
da Saúde, desenvolve um programa de
controle de TB de natureza contínua,
que padr...
 Dinâmica das doenças infecciosas e
parasitárias.José Rodrigues Coura – 2°
ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,
2013
 h...
Tuberculose
Tuberculose
Tuberculose
Tuberculose
Tuberculose
Tuberculose
Tuberculose
Tuberculose
Tuberculose
Tuberculose
Tuberculose
Tuberculose
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Tuberculose

631 visualizações

Publicada em

Palestra tuberculose, educação em enfermagem.

Publicada em: Educação
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
631
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
50
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Amostras de tecidos humanos obtidos de múmias egípcias revelam que a TB já comprometia o homem 3.500 anos a.C.
    A TB tornou-se epidêmica , principalmente, por meio dos aglomerados urbanos e da desnutrição, passando a ser uma das principais causas de morte.
  • Estudos
  • Descobriu o bacilo,
  • A Mycobacterium Tuberculosis é encontrada no gado, e através da pasteurização reduziu-se a contaminação.
  • Importante descoberta para tratamento das doenças bacterianas.
  • Principalmente aos fatores
  • Tuberculose

    1. 1. Marco Antonio Acadêmico de Enfermagem
    2. 2.  Há evidências de que a tuberculose acometa a humanidade há mais de 5.000 anos.
    3. 3.  A causa não era divina. Denominou a doença como Tísica.
    4. 4.  A Tísica passa a ser conhecida e citada.
    5. 5.  Criação das condições de profilaxia da doença;  Isolamento;
    6. 6.  Desigualdade social;  Associação com a AIDS;  Desorganização dos serviços de saúde;
    7. 7.  A tuberculose (TB) é uma doença infecciosa e transmissível que afeta prioritariamente os pulmões. A doença é curável.  Causada pelo Mycobacterium Tuberculosis.
    8. 8.  Tosse seca ou produtiva a mais de 3 semanas.  Podem também surgir sinais de sangramento do aparelho respiratório.  Febre, emagrecimento sudorese também pode estar presente.
    9. 9.  Coleta de escarro para baciloscopia  Colher amostra em jejum, depois de enxaguar a boca com água. Deve-se tossir e escarrar, não apenas cuspir no recipiente.
    10. 10.  Pode-se também realizar sorologia, para verificação de anticorpos anti BK.
    11. 11. Isso baseia-se no fato de que a Infecção pelo BK produz uma reação De hipersensibilidade a certos componentes antigênicos, Neste caso a tuberculina Dose 0,1ml
    12. 12.  Ocorre por via respiratória, pela inalação de aerossóis produzidos pela tosse, fala ou espirro de um doente com TB ativa de vias aéreas.  Após 15 dias de tratamento o paciente é considerado não infectante.
    13. 13.  Tomada Assistida.  O tratamento da tuberculose dura no mínimo seis meses e, nesse período o estabelecimento de vínculo entre profissional de saúde e usuário é fundamental para que haja adesão do paciente ao tratamento e assim reduzir as chances de abandono para se alcançar a cura.
    14. 14.  O paciente deve ser orientado, de forma clara, quanto às características da tuberculose e do tratamento a que será submetido.  Equipe multidisciplinar (Enfermeiros, auxiliares e técnicos de enfermagem, Médicos, Psicólogo, Assistente social e Agentes Comunitários).
    15. 15.  A principal prevenção é por meio de vacinação.  A vacinação visa proteger pessoas não infectadas de adoecerem por TB, caso venham a se infectar com o BK.
    16. 16.  Utilizar lenço descartável para higiene nasal;  Cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir;  Higienizar as mãos após tossir ou espirrar e/ou após coleta de escarro;
    17. 17.  Bacillus Calmette-Guérin  Foi administrado Pela 1° vez em humanos em 1921.  Não é capaz de evitar a infecção tuberculosa, mas tem grande poder protetor contra manifestações graves.  Braço direito.  Todas as crianças menores de 1 ano devem ser vacinadas
    18. 18.  Os Recém-nascidos filhos de mães soropositivas ou com AIDS devem ser vacinados, desde que sejam não reatoras à prova tuberculínica.
    19. 19.  O SUS, sob a coordenação do Ministério da Saúde, desenvolve um programa de controle de TB de natureza contínua, que padroniza as ações desde o diagnóstico até os esquemas de tratamento e critérios de alta.
    20. 20.  Dinâmica das doenças infecciosas e parasitárias.José Rodrigues Coura – 2° ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2013  http://portalsaude.saude.gov.br/  Tratamento diretamente observado da TB na atenção básica – Protocolos de Enfermagem. Brasília 2011 Ministério da Saúde.

    ×