Síndrome de Angelman

1.671 visualizações

Publicada em

Seminário sobre a Síndrome de Angelman

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.671
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
28
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Síndrome de Angelman

  1. 1. SÍNDROME DE ANGELMAN ERICA SAYURI MARCO AURÉLIO
  2. 2. Histórico  Em 1965 o pediatra britânico Harry Angelman, descreveu três crianças, não-consangüíneas, com retardo mental que apresentavam aparência similar, perfil comportamental peculiar caracterizado por episódios de riso imotivado, movimentos em abalo (robot-like) e crises epilépticas.
  3. 3. Histórico  Bower & Jeavons, em 1967, ao descreverem dois casos similares aos relatados por ANGELMAN (1965), enfatizaram o comportamento alegre dos mesmos e sugeriram o termo “happy puppet syndrome”. Esta denominação foi logo aceita e amplamente utilizada devido ao seu significado evocativo, entretanto o termo “Síndrome de Angelman” (SA) foi adotado, posteriormente, por não ter caráter depreciativo (Williams & Frias, 1982).
  4. 4. O que é?  A Síndrome de Angelman (S.A) é um distúrbio neurológico que causa retardo mental, alterações do comportamento e algumas características físicas distintivas. Estima-se atualmente que uma em cada quinze ou vinte mil crianças são afetadas por esta doença.
  5. 5. Características  Atraso na aquisição motora (sentar, andar etc.)  Ausência da fala;  Falta de atenção e hiperatividade;  Andar desequilibrado, com pernas afastadas e esticadas;  Natureza afetiva e risos freqüentes;  Sono entrecortado e difícil;  Redução do tamanho da cabeça e achatamento de sua porção posterior;
  6. 6. Características  Características faciais distintivas: boca grande com protusão da língua, queixo proeminente, lábio superior fino, dentes espaçados;  Redução da pigmentação cutânea, com pele mais clara do que o padrão familiar e maior frequência de cabelos finos e loiros e olhos claros;  Estrabismo (40% dos casos) e mais raramente (10%) desvio na coluna (escoliose);  Crises epiléticas.
  7. 7. Causas  deleção ( perda) de material genético do cromossomo 15 materno (70%dos casos);  dissomia uniparental paterna (presença de dois cromossomos 15 paternos) (3-5%);  mutações do gene UBE3A (8%);  defeitos no centro de imprinting (5%);  mecanismos ainda não identificados ( 10-15%).
  8. 8. Cromossomo 15  A região 15q11-13, deletada no cromossomo materno da maioria dos pacientes com AS, contém uma série de genes sujeitos à impressão genômica materna ou paterna. Quando essa região está ausente (deletada) no cromossomo paterno, origina a síndrome de Prader-Willi. A ausência da mesma região no cromossomo materno causa a síndrome de Angelman, cujas consequências no desenvolvimento mental e funcional são bem mais graves.
  9. 9. Tratamento  Não há cura para a Síndrome de Angelman.  A epilepsia pode ser controlada através do uso de medicação;  A fisioterapia;  Terapia ocupacional;  Terapias de comunicação e Fonoaudiologia também são essenciais para se trabalhar a fala.  A hidroterapia e musicoterapia;  Modificação da conduta tanto em casa, quanto na escola;  A compreensão e paciência dos familiares é essencial.
  10. 10. James O filho de Collin Farrell se chama James e tem 10 anos. Ele é filho do ator coma modelo Kim Bordenave e o ator garante que o filho é um garoto incrível, como toda criança com síndrome. “Farrell acredita que o filho foi fundamental para ele largar as drogas e álcool”.
  11. 11. Referências Síndrome de Angelman. Disponível em:<http://angelman.org.br/>. Acesso em 9 jun 2014. A patogênese genética e molecular da síndrome de Angelman. Disponível em:<www.radarciencia.org/sindrome-de- angelman.pdf. Acesso em 10 jun 2014.

×