ILUMINISMO

272 visualizações

Publicada em

AULA DA PROFESSORA KATIA PARA OS 2º ANOS DO ENSINO MÉDIO

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
272
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

ILUMINISMO

  1. 1. O ILUMINISMO “Só haverá liberdade quando o último rei for enforcado com as tripas do último padre” Voltaire
  2. 2. Relembrando: Com a queda do feudalismo (observar o particularismo feudal) => ANTIGO REGIME (séc. XV ao séc. XVIII) => aliança REI + BURGUESIA Poder Político: nobreza / Poder Econômico: Burguesia Política Econômica: Mercantilismo => Conjunto de normas e práticas comerciais, exemplo Pacto Colonial
  3. 3. O ILUMINISMO – Século XVIII => século das luzes “Conjunto de ideias em sintonia com a necessidade burguesa de superar as barreiras sobreviventes da antiga ordem feudal, encarnada agora no absolutismo e nas práticas sócio-econômicas do Estado Moderno” O que pretendiam abolir? Absolutismo (Teoria do Direito Divino) e o Mercantilismo O que almejavam? O desenvolvimento da economia capitalista
  4. 4. -O pensamento iluminista encontra sua origem no século XVII, quando os pensadores René Decartes, John Locke e Isaac Newton produziram uma verdadeira revolução científica. -René Decartes: a razão é a única fonte de chegar ao conhecimento verdadeiro dos fatos. -Isaac Newton: os acontecimentos da natureza são regidos por leis universais que governam e explicam os fenômenos naturais, sem a participação direta das forças divinas.
  5. 5. BASE DO PENSAMENTO ILUMINISTA => A razão humana é guia do conhecimento e da ação do homem. O mundo está em contínu progresso, guiado pelo desenvolvimento da razão humana. Nunca devemos admitir senão aquilo que a razão nos mostra como evidente; em caso algum podemos aceitar o que nos é imposto pela nossa imaginação ou pelos nossos sentidos.” Descartes, Meditações Metafísicas, 1640
  6. 6. Principais representantes do Iluminismo LIBERALISMO POLÍTICO
  7. 7. JHON LOCKE (ING): (1632-1704) => Precursor do Iluminismo (considerado o “Pai” do Iluminismo). Obra: Segundo Tratado do Governo Civil Os homens nascem livres e racionais e são iguais, independentes e governados pela razão. Todo homem possui alguns direitos naturais e inalienáveis: liberdade, propriedade privada e a resistência contra governos tirânicos. Os governos existem para preservar esses direitos. Propunha, em substituição ao absolutismo, uma relação “contratual” entre governantes e governados, tendo suas bases estabelecidas por um conjunto de leis escritas: a Constituição. Esboçou a divisão do poder
  8. 8. BARÃO DE MONTESQUIEU (1689-1755) – OBRA => O Espírito das Leis Desenvolveu a teoria da separação dos poderes em Judiciário, executivo e legislativo. Cada um dos poderes deveria agir de forma a limitar a força dos outros dois, estabelecendo-se um relacionamento equilibrado e harmônico. Na França do século XVIII, a teoria da separação dos poderes significava a restrição dos poderes do rei, mas Montesquieu, da mesma forma que Voltaire, possuía uma atitude de desprezo pelo povo, que ele classificava de “ralé”. Assim, defendeu o liberalismo político, mas estava muito longe de ser um democrata na acepção plena do termo.
  9. 9. •Voltaire: (1694-1778) • OBRA => Cartas Inglesas Sua principal arma nos ataques dirigidos à nobreza e à administração real era a sátira. Era favorável ao regime monárquico, desde que ele se mostrasse sensível aos interesses e direitos da burguesia. O monarca deveria ser esclarecido => Déspota Esclarecido “O povo precisa de uma canga” “Posso não concordar com nenhuma das palavras que você diz, mas defenderei até a morte o direito de você dizê-las.”
  10. 10. JEAN JACQUES ROUSSEAU (1712-1778) OBRA => Contrato Social A propriedade privada foi quem introduziu a desigualdade entre os homens Representou o pensamento das camadas populares da época. Propunha a limitação da propriedade.
  11. 11. Na escola fisiocrata: François Quesnay Criticava a intervenção do Estado na economia. Seu lema era laissez faire, laissez passer (deixai fazer, deixai passar ... que o mundo caminha por si só) Para os fisiocratas a terra era a única fonte de riqueza, daí a importância maior da agricultura dentro da economia Teorias para a economia
  12. 12. Na escola do liberalismo econômico: Adam Smith: o Estado não deveria intervir na vida econômica, uma vez que desviaria os capitais do emprego mais produtivo, para o qual seriam espontaneamente dirigidos. Desenvolveu a teoria de que uma “mão invisível” dirigia a economia Defendia que a verdadeira fonte de riqueza era o trabalho (a divisão do trabalho A economia deveria ser dirigida pelo livre jogo da oferta e da procura de mercado (Laissez-faire). Teorias para a economia
  13. 13. Teorias para a sociedade liberal •Denis Diderot e Jean Le Rond D’Alembert foram os principais organizadores de uma ENCICLOPÉDIA de 33 volumes, 130 colaboradores, na qual pretendiam reunir os principais conhecimentos da época nos campos artístico, científico e filosófico.
  14. 14. As luzes da razão A enciclopédia que iluminava. A enciclopédia abordava todos os assuntos e divulgava as ideias filosóficas e políticas do Iluminismo.
  15. 15. Despotismo Esclarecido Os governantes absolutistas de alguns países europeus adotaram certos princípios do Iluminismo, promovendo em seus estados uma série de reformas nos campos social e econômico. Esses governantes ficaram conhecidos como déspotas esclarecidos. Déspotas esclarecidos – de modo geral, a palavra déspota refere-se a “ditador”, mas no nosso estudo ela designa o “monarca absolutista”. E, por mostrarem-se receptivos a certos princípios do Iluminismo, ficaram conhecidos através dessa expressão.
  16. 16. “A Humanidade só estará livre no dia em que o último Rei morrer enforcado nas tripas do último padre.” Dennis Diderot Representa o Conflito do 3º Estado (Burguesia) contra os privilégios do 1º (Clero) e 2º (Nobreza) Estados.

×