Xampu
São produtos químicos com a função de promover a limpeza dos
cabelos e couro cabeludo, remover o material sebáceo, r...
Xampu especial:
Anticaspa è piritionato de zinco (1-2%); sulfeto de selênio (2,5%);
cetoconazol (1%); enxofre (1 %); ácido...
Infantil è clientela exigente; não provocar irritação ocular; pH
neutro (pH da lágrima); cor e odor agradáveis; tensoativo...
v Hidrolisados de Proteína: colágeno, queratina, elastina,
caseína, seda, etc.
Concentração de Uso: 1 a 5 %.
Efeito: umect...
v Substâncias

emolientes:

lanolina e

derivados;

lecitina;

silicones; óleos vegetais (semente de uva, macadâmia, gérme...
Propriedades
Fundamentais
ü Ação detergente balanceada;
ü Inocuidade dermatológica;
ü Baixo poder irritante sobre mucosas;...
Composição básica dos xampus
ü Tensoativos: detergência, estabilidade da espuma, ação
sobreengordurante;
ü Espessante: vis...
Atividade e Valor de
Equilíbrio Hidrófilo-Lipófilo
(EHL) de Agentes
Tensoativos
Atividade
Antiespumante

A: partícula de g...
Tensoativo Aniônico
Ø Concentração utilizada: 25 a 40%.
ü Sais de Alquil Sulfato
v Lauril Sulfato de Sódio
0
_ +
CH3(CH2)1...
v Lauril Sulfato de Amônio
0
_
+
CH3(CH2)10CH2-0-S-0− NH4
0

è Boa detergência;
è Boa solubilidade;
è Menor sensibilidade ...
ü Sais de Alquil Éter Sulfato
v Lauril

Éter Sulfato de Sódio

0
? _ +
CH3(CH 2)10CH2-(0CH 2CH 2)n-0-S-0− Na
?
n=2a3
0

v
...
v Lauril Éter Sulfossuccinato de Sódio

è Boa solubilidade;

è Poder espumante;
è Estabilidade em pH ácido;
è Baixa irrita...
v Lauril Poliglicosídio – Plantarem 1200 (C12 - C16)

v Decil Poliglicosídio – Plantarem 2000 (C8 – C16)
è Bom poder espum...
Anfóteros
Principais funções dos anfóteros
Espessantes
ü Eletrólitos: mais usados NaCl e NH 4Cl.
Obs: NaCl até a concentração de soro fisiológico (0.9%) não
provoca ...
Formação de Micelas Esféricas

Formação de Micelas Bastonetes
Conservantes
ü Mais utilizados: Parabenos METILPARABENO
PROPILPARABENO
ü Concentração: 0,1 a 0,2%

Ajuste de pH
ü Faixa de...
Viscosidade dos Xampus
Xampus transparentes: 2000 a 5000 centipoise (cps);
Xampus perolados: viscosidade acima de 5000 cps...
Viscosímetro Brookfield
Viscosímetro Copo Ford: medir
tempo de escoamento.

Importante: O ajuste da viscosidade e pH devem...
Testes em Xampus
Finalidade:

medir a eficiência
dermatológica.

do

xampu

e

a

inocuidade

Testes para medir a eficiênc...
Teste sobre mechas de cabelo:
Impregnar com 1 g de sujeira sintética, mechas de cabelo limpas
com peso padronizado (Ex: 7 ...
Teste com Painel de Voluntários:
Teste de meia cabeça
Aplicar o shampoo em metade da cabeça, e verificar a
diferença entre...
SHAMPOO BASE
Componentes

Concentração

Lauril éter sulfato de Na

250 g

Cocoanfocarboxiglicinato de Na

20 g

Dietanolam...
SHAMPOO DE HAMAMÉLIS – CABELOS OLEOSOS
Componentes

Concentração

Lauril éter sulfato de Na

330 g

Cocoanfocarboxiglicina...
SHAMPOO DE ALGAS – CABELO NORMAL
Componentes

Concentração

Lauril éter sulfato de Na

250 g

Cocoanfocarboxiglicinato de ...
SHAMPOO DE LANOLINA – CABELO SECO
Componentes

Concentração

Lauril éter sulfato de Na

300 g

Cocoanfocarboxiglicinato de...
Rinses e Condicionadores
Formas cosméticas cuja finalidade principal é promover o
condicionamento dos cabelos após a lavag...
Tensoativos catiônicos
v Sais de Amônio Quaternário
1. Cloreto de Cetil trimetil Amônio
Nome comercial: Dehyquart
Genamin ...
Emolientes e Sobreengordurantes
Função: restaurar o conteúdo graxo necessário ao
(retirado pelo shampoo) e dar corpo ao cr...
Finalidade Cosmética dos Rinses
Ação Antiestática;
Sobreengordurante;
Emoliente.
pH adequado (pH ácido 3,5 a 4,5), fechame...
Mecanismo de Ação dos Quaternários de Amônio

Formulação Básica
v
v
v
v
v
v

Agente antiestático;
Sobreengordurante;
Emulg...
Formulas Orientativas: Condicionadores “Rinse Off”
Condicionador “Leave On”
Xampus Condicionadores
Xampus onde associamos o efeito de limpeza do xampu, com o
efeito condicionante do rinse (brilho, m...
Resinas catiônicas: concentração utilizada: 0,5 a 2%.
Não reagem com os tensioativos aniônicos. Depositam-se no
fio por ad...
Silicones quaternizados: Trimetilsilanodimeticone.
Hidrolisado de proteína: concentração utilizada:
1 a 5% - PM 1000 a 10....
Resinas Catiônicas: aumentam a condutividade
cabelos diminuindo a eletricidade estática.

dos

É necessário verificar o ef...
Fórmulas orientativas:
145973060 aula-shampoo
145973060 aula-shampoo
145973060 aula-shampoo
145973060 aula-shampoo
145973060 aula-shampoo
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

145973060 aula-shampoo

445 visualizações

Publicada em

Aula de shampoos

Publicada em: Saúde e medicina, Negócios
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
445
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
24
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

145973060 aula-shampoo

  1. 1. Xampu São produtos químicos com a função de promover a limpeza dos cabelos e couro cabeludo, remover o material sebáceo, restos celulares, deixando os cabelos macios, brilhantes e penteáveis. Classificação ü Quanto à finalidade: Ø Xampu higiênico: destinado exclusivamente à higiene dos cabelos. De acordo com o tipo de cabelo, pode ser para cabelos oleosos, para cabelos secos ou para cabelos normais. Tipo de cabelo % detergente % sobreengordurante Seco 20 4 Normal 25 3 Oleoso 30 2
  2. 2. Xampu especial: Anticaspa è piritionato de zinco (1-2%); sulfeto de selênio (2,5%); cetoconazol (1%); enxofre (1 %); ácido undecilênico (1 a 10 %). Obs: Pode ocorrer transquelação do zinco do piritionato de zinco com metais como ferro ou cobre presentes como impurezas nas matérias primas, formando complexos altamente coloridos. Deve-se adicionar um sal de zinco solúvel (sulfato de zinco 0,5 %) para manter excesso de íon zinco na formulação. Alguns destes ativos anticaspa são insolúveis, exigindo alta viscosidade para mantê-los em suspensão.
  3. 3. Infantil è clientela exigente; não provocar irritação ocular; pH neutro (pH da lágrima); cor e odor agradáveis; tensoativos suaves. Xampu Condicionador: polímeros catiônicos, compatíveis com tensoativo aniônico. Xampu Com Aditivos: indicado para tratamento do couro cabeludo e cabelos danificados. v Extratos Vegetais: extratos glicerinados na conc. de 1-10 %. Obs: Extratos alcoólicos interferem na formação de espuma e viscosidade.
  4. 4. v Hidrolisados de Proteína: colágeno, queratina, elastina, caseína, seda, etc. Concentração de Uso: 1 a 5 %. Efeito: umectância e condicionamento. Efeito de hidrolisado de proteínas sobre cabelo danificado
  5. 5. v Substâncias emolientes: lanolina e derivados; lecitina; silicones; óleos vegetais (semente de uva, macadâmia, gérme de trigo, amêndoa, jojoba, etc..); álcoois graxos (álcool cetílico, estearílico, cetoestearílico, etc.); polietilenoglicóis – PEGs; vitaminas ??. ü Quanto à forma de apresentação: Ø Líquidos transparentes; Ø Emulsionados; Ø Géis; Ø Pós; Ø Aerossóis.
  6. 6. Propriedades Fundamentais ü Ação detergente balanceada; ü Inocuidade dermatológica; ü Baixo poder irritante sobre mucosas; ü Ação amaciante. Acessórias Fatores de natureza estética; relativos ao manuseio (fluidez controlada); aplicação (espuma, solubilidade frente a água dura – sais de cálcio e magnésio).
  7. 7. Composição básica dos xampus ü Tensoativos: detergência, estabilidade da espuma, ação sobreengordurante; ü Espessante: viscosidade; ü Aditivos: efeitos especiais (perolantes, anticaspa, emolientes, formadores de filme, etc..); ü Conservantes; ü Corantes e essências; ü Veículo: água purificada. Tensoativos São substâncias que alteram a tensão superficial ou interfacial dos líquidos. Aniônicos, Catiônicos, Não Iônicos e Anfóteros. Corpo lipofílico Corpo hidrofílico
  8. 8. Atividade e Valor de Equilíbrio Hidrófilo-Lipófilo (EHL) de Agentes Tensoativos Atividade Antiespumante A: partícula de gordura e sujeira aderida ao cabelo; B: tensoativo envolvendo a sujeira e removendo-a do cabelo. 1 a 3 Emulsificante A/O Princípio de ação de um tensoativo detergente na limpeza do cabelo EHL 3 a 6 Molhante 7 a 9 Emulsificante O/A 8 a 18 Detergente 13 a 16 Solubilizante 15 a 20
  9. 9. Tensoativo Aniônico Ø Concentração utilizada: 25 a 40%. ü Sais de Alquil Sulfato v Lauril Sulfato de Sódio 0 _ + CH3(CH2)10CH2-0-S-0− Na 0 è è è è Boa detergência; Boa solubilidade; Sensibilidade a eletrólitos e temperatura (turvação); Etoxilação diminui a irritabilidade.
  10. 10. v Lauril Sulfato de Amônio 0 _ + CH3(CH2)10CH2-0-S-0− NH4 0 è Boa detergência; è Boa solubilidade; è Menor sensibilidade a eletrólitos e temperatura; è Liberação de amônia em pH ácido. v Lauril Sulfato de Trietanolamina 0 CH2CH2OH _ + CH3(CH2)10 CH2-0-S-0− NH-CH2CH2OH 0 CH2CH2OH è Boa solubilidade; è Menor Detergência.
  11. 11. ü Sais de Alquil Éter Sulfato v Lauril Éter Sulfato de Sódio 0 ? _ + CH3(CH 2)10CH2-(0CH 2CH 2)n-0-S-0− Na ? n=2a3 0 v è Boa detergência; è Boa solubilidade; è Espessamento com eletrólitos; è Etoxilação diminui a irritabilidade. Lauril Éter Sulfato de Amônio 0 ? _ + CH3(CH 2)10CH2-(0CH 2CH 2)n-0-S-0− NH 4 ? n=2a3 0 è Menor detergência; è Boa solubilidade; è Liberação de amônia.
  12. 12. v Lauril Éter Sulfossuccinato de Sódio è Boa solubilidade; è Poder espumante; è Estabilidade em pH ácido; è Baixa irritabilidade.
  13. 13. v Lauril Poliglicosídio – Plantarem 1200 (C12 - C16) v Decil Poliglicosídio – Plantarem 2000 (C8 – C16) è Bom poder espumante e bom efeito de limpeza; è Efeito estabilizador da espuma; è Aumento da viscosidade quando associado aos aniônicos; è Diminuição da irritabilidade dos aniônicos; è Excelente compatibilidade dermatológica; è Isento de oxido de etileno; è Elevada biodegradabilidade.
  14. 14. Anfóteros
  15. 15. Principais funções dos anfóteros
  16. 16. Espessantes ü Eletrólitos: mais usados NaCl e NH 4Cl. Obs: NaCl até a concentração de soro fisiológico (0.9%) não provoca dados ao cabelo ou couro cabeludo. ü Atuam na formação de micelas do tensoativo formando micelas maiores e cilíndricas. Excesso de sal è gera multidão de micelas cilíndricas com resultante separação levando a uma fase líquida rica em tensoativo e uma fase aquosa com sal. Viscosidade Concentração de eletrólitos
  17. 17. Formação de Micelas Esféricas Formação de Micelas Bastonetes
  18. 18. Conservantes ü Mais utilizados: Parabenos METILPARABENO PROPILPARABENO ü Concentração: 0,1 a 0,2% Ajuste de pH ü Faixa de pH dos shampoos: 5,0 a 7,0 ü Ácidos utilizados Ácido cítrico Ácido lático Ácido fosfórico
  19. 19. Viscosidade dos Xampus Xampus transparentes: 2000 a 5000 centipoise (cps); Xampus perolados: viscosidade acima de 5000 cps. ü Polímeros: Carboxi metil celulose; Hidroxi propil celulose; Hidroxi propil metil celulose; Polivinilpirrolidona. ü Concentração de uso 0,5 a 2%. ü Medida da viscosidade: Viscosímetro Brookfield; Viscosímetro Copo Ford.
  20. 20. Viscosímetro Brookfield Viscosímetro Copo Ford: medir tempo de escoamento. Importante: O ajuste da viscosidade e pH devem ser feitos com todos os componentes incorporados na formulação.
  21. 21. Testes em Xampus Finalidade: medir a eficiência dermatológica. do xampu e a inocuidade Testes para medir a eficiência do xampu Poder espumante: medir a quantidade e o tempo de duração da espuma (Teste Simples). Ex: 25 mL da solução em coluna de vidro de 100 mL (proveta). Agitar girando a coluna 5 vezes, e ler a altura da espuma imediatamente e após 5 minutos. Poder de limpeza: medir o poder de desengraxamento do xampu. Sujeira sintética: 95 ml de dioxano, 2,5 g de lanolina anidra, 2,5 ml de vaselina líquida.
  22. 22. Teste sobre mechas de cabelo: Impregnar com 1 g de sujeira sintética, mechas de cabelo limpas com peso padronizado (Ex: 7 cm de comprimento e peso de 2.5 g). Lavar com uma quantidade padronizado do shampoo a ser testado (Ex: 4g / 1000 mL) em balão de vidro por 5 minutos. Enxaguar com água sobre um tamis. Secar com ar quente. Após 30 minutos pesar e verificar mudança de peso. Efeito sobre os cabelos: Teste com mechas de cabelo ou voluntários. Teste com Mechas: Utilizar mechas de cabelo, algodão ou lã e verificar a facilidade de pentear as mechas úmidas e secas.
  23. 23. Teste com Painel de Voluntários: Teste de meia cabeça Aplicar o shampoo em metade da cabeça, e verificar a diferença entre os dois lados. Todos os testes devem ser feitos com água purificada, da torneira e água dura (sais de cálcio e magnésio). Testes de Segurança de Uso: Testes de inocuidade dermatológica: Irritação Dérmica; Irritação Ocular.
  24. 24. SHAMPOO BASE Componentes Concentração Lauril éter sulfato de Na 250 g Cocoanfocarboxiglicinato de Na 20 g Dietanolamina de ác graxo de coco 40 g Metilparabeno 2g Cloreto de sódio 8g Água destilada q.s.p. 1000 ml SHAMPOO GEL Componentes Concentração Lauril éter sulfato de Na 200 g Lauril sulfato de trietanolamina 50 g Dietanolamina de ác graxo de coco 20 g Hidroxietilcelulose 10 g Metilparabeno 2g Água destilada q.s.p. 1000 ml
  25. 25. SHAMPOO DE HAMAMÉLIS – CABELOS OLEOSOS Componentes Concentração Lauril éter sulfato de Na 330 g Cocoanfocarboxiglicinato de sódio 20 g Dietanolamina de ác graxo de coco 30 g Hidrolisado de proteína 30 g Ext glicólico de hamamélis 3 ml Metilparabeno 2g Essência 4 ml Cloreto de sódio 9g Água destilada q.s.p. 1000 ml
  26. 26. SHAMPOO DE ALGAS – CABELO NORMAL Componentes Concentração Lauril éter sulfato de Na 250 g Cocoanfocarboxiglicinato de sódio 20 g Dietanolamina de ác graxo de coco 30 g Hidrolisado de proteína 30 g Ext glicólico de àlgas 3 ml Metilparabeno 2g Essência 6 ml Poliglicol poliamina 30 g Cloreto de sódio 8g Água destilada q.s.p. 1000 ml
  27. 27. SHAMPOO DE LANOLINA – CABELO SECO Componentes Concentração Lauril éter sulfato de Na 300 g Cocoanfocarboxiglicinato de sódio 20 g Dietanolamina de ác graxo de coco 30 g Hidrolisado de proteína 30 g PEG-7-gliceril-ác graxo de coco 5g Lanolina etoxilada 10 g Metilparabeno 2g Essência 2 ml Poliglicol poliamina 30 g Cloreto de sódio 4g Água destilada q.s.p. 1000 ml
  28. 28. Rinses e Condicionadores Formas cosméticas cuja finalidade principal é promover o condicionamento dos cabelos após a lavagem com shampoo. Tipo de Formulação: Os rinses e condicionadores tradicionais são emulsões com alto teor de água (85 %) com tensoativos catiônicos e emolientes. Classificação dos rinses Comuns: uso diário. Complemento do antiestática e sobreengordurante. xampu. Atividade Especiais: além da atividade antiestática e sobreengordurante, promovem o tratamento dos cabelos danificados e couro cabeludo. Possuem aditivos especiais. São chamados de condicionadores, bálsamos, etc.
  29. 29. Tensoativos catiônicos v Sais de Amônio Quaternário 1. Cloreto de Cetil trimetil Amônio Nome comercial: Dehyquart Genamin C1650. A, Nasaquat 32-50A, 2. Cloreto de Estearil Dimetil Benzil Amônio Nome comercial: Dehyquart SDB, Nasaquat SDB 25 W. 3. Mistura de Álcool Estearílico/Metosulfato Berrenil Trimetilamônio Nome comercial: Incroquat Behenyl TMS. Principal Função: atividade antiestática e apresentam elevada substantividade (prolongamento da ação). Os tensoativos catiônicos são irritantes, devem ser usados em baixa concentração ( 3%).
  30. 30. Emolientes e Sobreengordurantes Função: restaurar o conteúdo graxo necessário ao (retirado pelo shampoo) e dar corpo ao creme. Álcoois graxos: concentração utilizada: 4%. 1. Álcool cetílico Nome comercial: Cetax 16, Alkol 16. 2. Álcool Estearílico. 3. Álcool Cetoestearílico. Nome comercial: Lanete S, Cetax 50, Alkol 16/18. 4. Silicones: Dimeticone, Dimeticone Copoliol. 5. Lanolina e derivados. cabelo
  31. 31. Finalidade Cosmética dos Rinses Ação Antiestática; Sobreengordurante; Emoliente. pH adequado (pH ácido 3,5 a 4,5), fechamento da cutícula do cabelo Æ aumento do brilho. Mecanismo de Acão: neutralização das cargas negativas geradas sobre os grupos funcionais da queratina, após a lavagem com xampu (aniônico), diminuindo a repulsão entre os fios do cabelo, facilitando o pentear.
  32. 32. Mecanismo de Ação dos Quaternários de Amônio Formulação Básica v v v v v v Agente antiestático; Sobreengordurante; Emulgente (não iônico); Perfume; Corante; Água Purificada.
  33. 33. Formulas Orientativas: Condicionadores “Rinse Off”
  34. 34. Condicionador “Leave On”
  35. 35. Xampus Condicionadores Xampus onde associamos o efeito de limpeza do xampu, com o efeito condicionante do rinse (brilho, maciez e facilidade de pentear). v Agentes Condicionadores: Detergentes anfóteros: em pH ácido têm caráter CATIÔNICO. v Material Graxo (emulsionado no shampoo): álcool graxo, ácidos graxos, lanolina e derivados, silicones (dimeticone copoliol, óleos vegetais (germen de trigo, semente de uva, jojoba, amêndoa), etc. v Compostos quaternários: sais de amônio quaternário são incompatíveis com tensoativos aniônicos.
  36. 36. Resinas catiônicas: concentração utilizada: 0,5 a 2%. Não reagem com os tensioativos aniônicos. Depositam-se no fio por adsorção (substantividade), porém não devem se acumular (cumulatividade) evitando sensação de engraxamento. Mecanismo de ação de polímeros catiônicos
  37. 37. Silicones quaternizados: Trimetilsilanodimeticone. Hidrolisado de proteína: concentração utilizada: 1 a 5% - PM 1000 a 10.000. Tipo: colágeno, leite, seda, queratina, etc. São adsorvidos pelo cabelo formando filme protetor necessário tempo de contato. Quanto mais danificado o cabelo maior a adsorção. Tensioativos não iônicos: Concentração utilizada: 0,5% Ação: sobreengordurante PEG 7M PEG 14M PEG 45M PEG 90M n = 7000 n = 14000 n = 45000 n = 90000 H (OCH2CH2)n OH
  38. 38. Resinas Catiônicas: aumentam a condutividade cabelos diminuindo a eletricidade estática. dos É necessário verificar o efeito das resinas: Teste com mechas, lava-se repetidas vezes as mesmas, com o xampu condicionador, e verifica-se o aumento de peso após cada lavagem. Tensioativos aniônicos e eletrólitos interferem na adsorção das resinas catiônicas.
  39. 39. Fórmulas orientativas:

×