Melhores Praticas do Turismo Sustentável

1.793 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.793
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
73
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Melhores Praticas do Turismo Sustentável

  1. 1. MELHORES Práticas de Turismo Sustentável Coletânea dos cases vencedores do Prêmio Braztoa de Sustentabilidade. Edição 2012 Co-Realização: Realização:
  2. 2. Sustentabilidade, Centro Universitário Senac e Braztoa O Centro Universitário Senac, comprometido com a formação profissional e com o desenvolvimento do setor hoteleiro desde a sua criação, tem imenso prazer em participar desta publicação, a qual reúne casos bem-sucedidos de empresas que internalizaram os conceitos da sustentabilidade em seu negócio. Dentre os grandes desafios da sustentabilidade, está o envolvimento de toda a sociedade na busca de soluções que possam colaborar com um desenvolvimento que seja sustentável tanto nos aspectos econômicos como socioambientais. E é neste sentido que ações como estas contribuem para o crescimento do setor de forma responsável, reforçando também a importância da integração entre a academia e o ambiente dos negócios. Parabenizamos à Braztoa por mais uma importante iniciativa – o Prêmio Braztoa de Sustentabilidade – e a todos que participaram do desenvolvimento destas novas práticas que contribuem para o desenvolvimento do turismo e da hotelaria no País. Sidney Zaganin Latorre Reitor do Centro Universitário Senac 2 Sobre o Senac Para atender à demanda de formação profissional, o Senac São Paulo oferece cursos livres, técnicos e de ensino superior (graduação, extensão universitária e pós-graduação), presenciais ou a distância, em diferentes áreas do conhecimento. Já empresas públicas e privadas, têm à disposição o Atendimento Corporativo, com equipe especializada em desenvolver cursos sob medida para as necessidades das organizações. O Senac São Paulo oferece ainda o acesso à profissionalização, para a população economicamente desfavorecida, com a Política Senac de Concessão de Bolsas de Estudo. O programa, que já concedeu mais de 290 mil bolsas de estudo, contribui para a inclusão social e proporciona o desenvolvimento por meio da educação. Com tradição de 66 anos e programação distribuída em 55 unidades educacionais em todo o Estado de São Paulo, o Senac São Paulo conta também com três campi do Centro Universitário Senac e os hotéis-escola GRANDE HOTEL SÃO PEDRO e GRANDE HOTEL CAMPOS DO JORDÃO, além da Editora Senac São Paulo, que publica livros didáticos e de mercado. Mais informações: www.sp.senac.br. 3
  3. 3. Apresentação É com muito orgulho que apresentamos o Guia de Cases dos vencedores do Prêmio Braztoa de Sustentabilidade, uma ação inédita, promovida pela BRAZTOA, e que teve sua primeira edição em 2012, fazendo parte do Programa de Sustentabilidade da entidade. Estamos passando por um momento de grandes transformações, no Brasil e no mundo, sejam elas de ordem política, econômica ou social. Esse quadro produz impacto direto na relação entre as pessoas e no meio ambiente. No setor de Turismo a situação não é diferente: vivemos um momento de mudanças nas relações entre os integrantes de nossa cadeia produtiva e no próprio comportamento do consumidor, que apresenta novos hábitos em relação à forma de como comprar suas viagens, além de exigir produtos e serviços de qualidade, que atendam suas necessidades e não agridam o meio ambiente e cultura dos destinos. Atentos a este cenário, assumimos papel de vanguarda ao lançar, em 2011, o Programa Braztoa de Sustentabilidade, que visa levar conhecimento e incentivar as operadoras de turismo associadas e seus principais interlocutores a trabalharem com os recursos, de maneira ambientalmente responsável, socialmente justa e economicamente viável. Acreditamos que a essência da sustentabilidade está em compartilhar ideias e ações capazes de transformar a realidade em que estamos inseridos. Assim nasceu o Prêmio Braztoa de Sustentabilidade, que foi concedido às melhores iniciativas apresentadas. Parabenizamos os vencedores e temos a certeza que estes cases servirão de inspiração para outras empresas, trazendo ainda mais participantes para a edição 2013 do prêmio. Marco Ferraz Presidente Braztoa 4 Estamos em um grande momento. Nada como colocar em prática o que foi aprendido, testado e amadurecido através do Programa Braztoa de Sustentabilidade. Entregar essa publicação é questão de orgulho e realização. Para nós, da BRAZTOA, é essencial que a sustentabilidade faça parte do planejamento estratégico de toda a cadeia turística. Auxiliar que nossos associados implementem a gestão sustentável em suas empresas e engajar também os fornecedores, rede de distribuição, destinos e consumidor final, são alguns dos objetivos do Programa Braztoa de Sustentabilidade. Trilhamos um longo caminho até aqui. A primeira fase do Programa teve início com a parceria estabelecida entre a Braztoa e a Travelife, ONG holandesa que já dispunha de requisitos de sustentabilidade para operadoras de turismo da Europa. A partir de então, adaptamos estes requisitos para a realidade brasileira e, com o apoio de grandes parceiros, iniciamos a implementação destes junto a 20 associados nossos, através da realização de oficinas coletivas com este grupo na BRAZTOA e da consultoria realizada individualmente em cada uma dessas empresas. Feita a “lição de casa”, lançamos o Prêmio Braztoa de Sustentabilidade, no intuito de movimentar todo o trade de turismo, contribuindo para identificar e dar visibilidade a inúmeras ações e projetos de sustentabilidade que existem pelo Brasil. Premiados ou não, todos são vencedores. É muito gratificante ver o alcance que o Prêmio conquistou. Oferecemos a todos a oportunidade de conhecer estes casos de sucesso e convidamos a fazerem parte da segunda edição do Prêmio Braztoa de Sustentabilidade! Sobre a BRAZTOA Criada em 1989 e hoje consolidada como uma das mais importantes e representativas entidades do turismo brasileiro, com abrangência nacional, a Associação Brasileira das Operadoras de Turismo – BRAZTOA, congrega um grupo de 98 empresas, sendo 09 colaboradoras e empresas de representação de produtos e destinos e 89 operadoras de turismo – doméstico, emissivo e receptivo internacional. Somadas, respondem por estimados 90% das viagens comercializados no país. Ser reconhecida pelas operadoras de turismo, parceiros e setor turístico, nacional e internacional, como referência de competência e vanguarda na promoção de ações e parcerias para o setor empresarial. Visão Promover ações e parcerias que valorizem as atividades empresariais dos associados, apoiando o desenvolvimento do mercado turístico de forma sustentável. Buscar a responsabilidade econômica, social e ambiental; a flexibilidade; a inovação e a criatividade; a melhoria contínua; a ética e o profissionalismo; a valorização das relações humanas; e o comprometimento com o desenvolvimento do setor turístico. Valores Missão Entre os objetivos da entidade, está o de valorizar a atuação de seus associados em regime de mercado organizado, liberdade de iniciativa e lealdade de concorrência. Dessa forma, atua desenvolvendo ações institucionais, de fomento e de promoção e apoio à comercialização. A BRAZTOA possui em seu quadro social operadoras de turismo de diferentes perfis, que oferecem viagens para todos os continentes, com produtos segmentados, conforme foco de atuação ou o público atendido. Em 2012, os associados BRAZTOA apresentaram um faturamento de R$ 10,7 bilhões, o que representa um crescimento de 8,41% em relação a 2011. Para saber mais, acesse o Anuário BRAZTOA 2013 através do código QR abaixo, ou acesse www.braztoa.com.br Ana Carina Homa Assessora Socioambiental BRAZTOA 5
  4. 4. Programa Braztoa de Sustentabilidade A BRAZTOA, desde 2005, desenvolve suas atividades institucionais e apoia seus associados a atuar de forma mais sustentável. Em 2011, foi criado o Programa Braztoa de Sustentabilidade (PBS), cuja proposta é demonstrar os benefícios de incorporar a Sustentabilidade à gestão das empresas, dando ênfase aos três pilares: sociocultural, ambiental e, sobretudo, econômico. Além dos associados BRAZTOA, há o envolvimento da rede de fornecedores (meios de hospedagem, transporte, receptivos locais, entre outros), destinos turísticos, agências de viagem e consumidor final. Em 2 anos de atividades, o PBS tem desenvolvido uma importante rede de relacionamentos, destacando as parcerias internacionais com a Travelife (customizamos os requisitos criados para as operadoras europeias para a realidade brasileira) e com a Aliança Global para o Turismo Sustentável – iniciativa da Organização das Nações Unidas – ONU. Em 2012, os Requisitos Braztoa de Sustentabilidade foram implementados por 20 associados. No diagnóstico feito em dezembro de 2012, ao final da implementação, a média de atendimento aos requisitos evoluiu de 55,82% (situação em junho de 2012) para 74,12%. Este resultado significa, principalmente, a organização das ações de sustentabilidade que já estavam em andamento nas Operadoras, o aprimoramento da gestão, o entendimento e a reflexão sobre a priorização das ações de acordo com o desenvolvimento da sustentabilidade alinhado ao planejamento estratégico da empresa e à sensibilização para o fortalecimento do relacionamento com o mercado. Estas empresas, através da Consultoria Sextante, participaram de oficinas coletivas e individuais e desenvolveram uma política de sustentabilidade, objetivos, metas, indicadores e estão trabalhando num plano de ação que contempla cerca de 80 dos 143 requisitos do PBS. 6 Outra atividade de grande destaque no Programa é o Prêmio Braztoa de Sustentabilidade, que teve sua primeira edição em dezembro de 2012: uma iniciativa inédita para reconhecer as melhores práticas do mercado, contribuindo para a promoção do desenvolvimento sustentável do turismo brasileiro. As empresas finalistas do Prêmio Braztoa de Sustentabilidade passaram por um criterioso processo de avaliação e por uma comissão julgadora que contou com representantes da Organização Mundial do Turismo (OMT), Aliança Global para o Turismo Sustentável (UNEP / ONU), Rainforest Alliance, Panrotas, Mercado e Eventos, Brasilturis, Travelport, Ifaseg/Ace Seguros, Price Waterhouse Coopers, S.O.S Mata Atlântica, Travelife e Programa Caminhos Alternativos (Rádio CBN). 7
  5. 5. Sumário Cases vencedores do Prêmio Braztoa de Sustentabilidade Categoria Sustentabilidade em Turismo Hotel Blumenberg Categoria Ambiental Recanto Ecológico Rio da Prata Rio Quente Resorts Ambiental Viagens Categoria Sociocultural Pousada Lagoa do Cassange Grand Palladium Imbassaí Resort & Spa Venturas e Aventuras Categoria Econômica Hotel Fazenda Campo dos Sonhos Accor Hotel Blumenberg Categoria Sustentabilidade para Operadoras e Associadas BRAZTOA Ambiental Viagens CI Agaxtur Turismo Empresas que apoiam o desenvolvimento do turismo sustentável. Expediente | Braztoa Expediente | Senac Agradecimentos 8 10 10 11 17 18 24 28 32 33 36 42 47 48 52 59 60 61 62 67 72 76 77 79 9
  6. 6. Cases vencedores do Prêmio Braztoa de Sustentabilidade A BRAZTOA acredita que a essência da sustentabilidade está em compartilhar: sonhos, ideias e ações. A seguir, serão apresentados os cases vencedores do Prêmio Braztoa de Sustentabilidade – edição 2012. Os textos foram reproduzidos, na íntegra ou em partes, para que estas ações inspirem e sirvam de referência para novas ideias e iniciativas, em prol de um turismo mais sustentável. 1º lugar sustentabilidade em turismo Categoria sustentabilidade em turismo HOTEL blumenberg Iniciativa apresentada BENEFÍCIOS DA GESTÃO DA SUSTENTABILIDADE PELA NBR15401
  7. 7. No turismo, como em outras atividades, cada vez mais a sustentabilidade passa a ser imprescindível na rotina diária das atividades. Em Canela e região, a natureza, os eventos e atividades culturais são os grandes atrativos que cada vez mais motivam as pessoas a nos visitar. Também a questão ambiental no mundo, conforme avaliado na RIO+20, cada vez mais traz preocupações quanto ao legado que deixaremos para as futuras gerações. Avaliando o atual contexto, nos sentimos obrigados ao envolvimento responsável com o tema da sustentabilidade para garantir o futuro do nosso destino turístico bem como preservar a continuidade da empresa, colaboradores, parceiros e comunidade. Isso foi refletido na nossa Missão, Visão, Valores e na nossa Política de Sustentabilidade como pode ser constatado abaixo. Missão Oferecer serviços de hospedagem de ótima qualidade, com o compromisso de preservar o meio ambiente, respeitar a legislação e de valorizar a comunidade e a cultura locais, visando à satisfação contínua dos clientes, colaboradores, sócios, parceiros e comunidade. Visão Ser referência em serviços de hospedagem em Canela e reconhecida como uma empresa capaz de exceder as expectativas dos clientes, atuando com responsabilidade sociocultural, legal e ambiental. Valores Para seguirmos em busca da nossa missão e da nossa visão de forma sustentável e duradoura, adotamos os seguintes valores e princípios: • Hospitalidade; • Sustentabilidade; • Eficiência; • Compromisso com o cliente; • Qualidade dos produtos e serviços oferecidos; • Responsabilidades social, legal e ambiental; • Ações pautadas pela ética, moral, integridade e transparência; • Respeito e valorização das pessoas; • Criatividade, iniciativa, inovação, proatividade e comprometimento dos colaboradores; • Integração e apoio à comunidade. 12 Política de Sustentabilidade RESULTADOS OBTIDOS A Pousada Blumenberg tem como política promover a satisfação do cliente e o desenvolvimento sustentável da empresa em conjunto com a comunidade. Nossos princípios de gestão respeitam a ética e a legislação vigente. Apoiamos eventos e ações de geração de renda, trabalho e qualificação profissional visando à valorização sociocultural e ambiental da região. Buscamos racionalizar o uso de insumos como forma de preservar a natureza, minimizando eventuais impactos ambientais. Definimos procedimentos para a melhoria contínua da qualidade dos serviços e satisfação dos clientes, proprietários, colaboradores, fornecedores, parceiros e comunidade. A ação promovida pela empresa envolveu diretamente seu grupo de onze colaboradores e dois sócios-diretores. Somente neste ano, a empresa já atendeu mais de 5.800 clientes que pernoitaram no hotel e que tomaram conhecimento via site, mural, folder ou avisos, de pelo menos algumas ações, objetivos e resultados de sustentabilidade implantados. Nossas ações de apoio a projetos e eventos socioculturais e ambientais em Canela serviram para conscientizar e estimular nossa comunidade. Também pelo rádio, jornal e entidades, nossas comunidades das cidades de Canela (36.000 hab) e Gramado (32.000 hab) receberam informações sobre as nossas atividades e resultados obtidos. O ato da certificação na NBR 15401 repercutiu consideravelmente na imprensa local e estadual. A Rádio Gaúcha, maior audiência no RS, ficou repetindo a notícia diversas vezes ao dia durante mais de 10 dias pelos anúncios da Associação Riograndense de Transportadores Intermunicipais – RTI. Participamos também de eventos em Universidade e Feira Estadual de Turismo, em Porto Alegre, palestrando sobre os benefícios da gestão sustentável. A Fifa, com a qual temos contrato para o evento de 2014, ao ser informada sobre a certificação do hotel, respondeu congratulando-nos. Assim, para atender essa estratégia e política, foi concebido um sistema de gestão que procurou abranger a direção, gerência, colaboradores, parceiros, comunidade e clientes em ações que valorizam e promovem a sustentabilidade. Um sistema de gestão baseado na NBR 15401 – norma que apresenta requisitos de Gestão Hoteleira para a sustentabilidade – que organizou a empresa de forma a mapear todos os seus impactos ambientais, socioculturais e econômicos, objetivando eliminar e minimizar efeitos negativos e, ao mesmo tempo, e permanentemente, pesquisar oportunidades de melhorias, estipular metas e prazos de implementação almejando alcançar maior qualidade com sustentabilidade. O Hotel foi certificado nessa norma em 2012. 1º lugar – Categoria sustentabilidade em turismo HOTEL blumenberg Contexto e Justificativa da iniciativa Ambiental Procuramos adequar nossas atividades de modo a reduzir ou eliminar os impactos gerados: reduzimos a frequência das trocas de toalhas e roupas de cama dos hóspedes; passamos a priorizar o uso de produtos de limpeza biodegradáveis; incentivamos nossos hóspedes a se engajarem conosco na coleta seletiva já a partir do próprio apartamento, ajudando assim a reduzir o risco de contaminação; promovemos a destinação adequada dos resíduos; passamos a consumir apenas lenha reflorestada e registrada em nossa caldeira de água quente; implantamos o reuso de água da chuva nas descargas dos novos apartamentos; colocamos telas nas janelas, permitindo uma melhor ventilação e reduzindo o uso do ar-condicionado; usamos vidros duplos nas janelas dos novos apartamentos para melhorar o isolamento 13
  8. 8. Sociocultural DESCRIÇÃO DA AÇÃO Iniciamos ampliando os treinamentos dos colaboradores para o entendimento e engajamento nas ações de sustentabilidade e externamente passamos a participar de ações na comunidade, apoiando atividades dos mais diversos tipos: palestras na área da saúde e cultura, eventos e atividades religiosas, eventos culturais e de incentivo ao turismo, divulgação do artesanato local, participação em iniciativas empresariais de parcerias para o fortalecimento do turismo, participação no sindicato regional promovendo ações e atividades de interesse setorial e apoio a entidades carentes, participação em comissão empresarial na viabilização da implantação da Rota Panorâmica Canela – Três Coroas, que poderá ser um novo e mais curto acesso turístico ao município, que beneficiará os atrativos e moradores ali já estabelecidos e poderá representar um incremento no desenvolvimento de todo o município com o aumento do fluxo turístico em Canela. Destacamos ainda a participação no apoio a jovens carentes no desenvolvimento de atividades esportivas de competição em corridas de rua, rústicas e maratonas através do Instituto Hemítrias Salagil. Com o objetivo principal de promover o crescimento da empresa de forma sólida e profissionalizada, aceitamos o desafio de implantar a NBR 15401. Esta atitude, inicialmente muito complexa, logo facilitou a incorporação de processos de qualificação, proteção ambiental e responsabilidade social de forma organizada e sistematizada no processo de gestão da empresa. Assim, o processo de gestão sustentável tornou-se peça imprescindível na condução da empresa, mostrando sua rentabilidade e potencial de crescimento. Com base nas informações monitoradas e organizadas, pudemos formatar nosso Plano de Negócios projetando o almejado crescimento através de um projeto de ampliação das instalações do hotel. Assim, em 2011, conforme planejado, iniciamos a segunda parte do objetivo principal construindo um prédio acoplado que, concluído em agosto de 2012, dobrou a capacidade de atendimento de clientes e adicionou uma série de melhorias e ações sustentáveis, qualificando ainda mais os serviços oferecidos e ampliando sua receita financeira também conforme previsto. Econômica Podemos destacar como primordial e fundamental o aumento da receita da empresa, gerado pela implantação de soluções mais eficientes com a gestão sustentável, e pelo aumento do número de clientes, gerado pela melhora da imagem da empresa com as atitudes sustentáveis. Consequentemente, nossos colaboradores passaram a ser melhor remunerados, a empresa pode ampliar o número de UHs (unidades habitacionais) ofertadas, passamos a gerar mais empregos, adquirir mais insumos e planejar novos investimentos para otimizar ainda mais a gestão da empresa. Indiretamente, o recolhimento de mais tributos pela empresa beneficiou os governos, os fornecedores passaram a receber pedidos maiores e aumentamos nossa capacidade de apoiar financeiramente ações socioculturais da comunidade. 14 Nossa ação iniciou de forma intuitiva acreditando na empresa como unidade de negócio que, se organizada, gera benefícios e avança. Na sequência, percebemos que implantar a NBR 15401 era implantar a ferramenta que precisávamos para organizar e impulsionar a empresa de forma segura e sustentável a um futuro cada vez mais promissor. Com a norma da gestão sustentável incorporada ao sistema de administração da empresa, passamos a ter o domínio e a transparência de todos os processos, facilitando em muito a condução da empresa e a avaliação de suas capacidades e potenciais. A medição e o monitoramento de indicadores passaram a permitir projeções futuras que, inseridas no mercado turístico e cenário econômico nacional, foram transformadas em metas ambiciosas de crescimento dentro do nosso Plano de Negócios. Logo, fixamos os prazos e partimos para a concretização das metas de duplicação da capacidade de atendimento de turistas embasados em planejamento sólido gerado pelo sitema de gestão sustentável. Durante a construção, a empresa continuou atendendo normalmente, porém tendo sempre o cuidado de garantir a satisfação dos clientes sem a geração de incômodos por parte da obra civil. Concluída a obra de ampliação, a empresa gerou mais empregos, mais do que dobrou sua capacidade de atendimento, qualificou suas instalações e serviços, ampliou seus processos de sustentabilidade implantando outras tecnologias e sistemas, passou a buscar novos desafios na área cultural e social, melhorou sua receita financeira, dos seus colaboradores, dos seus parceiros e da comunidade. Na sequência deste processo de gestão sustentável implantado e cumpridas as obrigações assumidas, poderemos, em breve, estar planejando novas etapas no crescimento do hotel, mantendo vivo o objetivo inicial do crescimento e da sustentabilidade da empresa. 1º lugar – Categoria sustentabilidade em turismo HOTEL blumenberg térmico e acústico, reduzindo o consumo de energia do ar-condicionado; instalamos aparelhos de ar-condicionado com sistema inverter, que permite reduzir em até 40% o consumo de energia; passamos a adquirir somente móveis de madeiras reflorestadas; passamos a monitorar e estabelecer metas para o consumo de água, energia e lenha; instalamos sensores de presença para reduzir o consumo de energia, inicialmente substituímos lâmpadas incandescentes por econômicas e atualmente estamos usando as lâmpadas super led, que reduzem ainda mais o consumo de energia; diminuímos o uso de impressos e passamos a priorizar o formato eletrônico de divulgação; incentivamos os turistas a conviverem harmoniosamente com os nossos parques sem deixar resíduos, protegendo a flora e a fauna; instalamos economizadores de energia que desligam tudo quando se sai das novas unidades; montamos planilha de verificação periódica de vazamentos e de defeitos em equipamentos para evitar acidentes e desperdícios; na ampliação do hotel, já foi instalada rede para implantação de painéis solares de aquecimento de água; trocamos as tvs e monitores de tubo por tvs e monitores de led e lcd, reduzindo o consumo de energia e outras formas de redução de impactos. De um modo geral, passamos a monitorar, de forma permanente, todos os setores do hotel com vistas a encontrar soluções mais sustentáveis no uso e impacto dos recursos naturais. Abaixo, será feito um breve relato de algumas características das ações realizadas. Inovação O aspecto inovador da iniciativa é implantar um sistema de gestão que, por ser comprometido com a sustentabilidade, permite gerenciar o dia a dia da empresa com melhorias e ganhos constantes e, ao mesmo tempo, permite planejar e realizar um crescimento sólido apoiado em inovações tecnológicas e sistemáticas, que cada vez mais promovem e efetivam a sustentabilidade nas rotinas do cotidiano individual e coletivo na sociedade. 15
  9. 9. HOTEL blumenberg Sensibilização dos participantes O Sebrae apresentou a NBR15401 aos proprietários que enxergaram nela uma oportunidade de inovação e melhoria. Definido o objetivo de implantar o novo sistema de gestão e com a convicção dos sócios-proprietários de que a implantação do processo sustentável só seria viável com a participação, entendimento e envolvimento de todo corpo funcional, foi planejada a estratégia da ação. Assim, ao implantar o sistema de gestão, houve a preocupação de paralelamente também promover a participação em cursos, palestras e treinamentos internos envolvendo o tema da sustentabilidade para sensibilizar todo o corpo funcional. Na sequência, os hóspedes, fornecedores, parceiros e comunidade também passaram a ser alvo de informações relativas à sustentabilidade. Parcerias O processo inicial de implantação do sistema de gestão sustentável foi parcialmente subsidiado pelo Sebrae e Ministério do Turismo, com o fornecimento de consultorias, cursos e treinamentos. Para atender outras demandas e carências não abrangidas pelo susbsídio, contratamos serviços de empresas de consultoria, Sindicato da Hotelaria e Associação Comercial. Educação para um turismo sustentável Na implantação do processo, tivemos a participação de toda nossa equipe, diversos consultores/instrutores específicos e esporádicos e um consultor dedicado, que nos auxiliou durante todo o processo de implantação. Os poucos recursos materiais necessários foram usados na parte organizacional da empresa e os investimentos financeiros foram feitos para corrigir deficiências, implantar novas soluções, treinar pessoas, susbtituir equipamentos defasados e modernizar a empresa. O valor total investido não chegou a 4% do faturamento e o recurso tecnológico necessário foi o conjunto já existente. 16 Os participantes diretos da equipe da empresa são periodicamente resensibilizados em cursos, palestras e reuniões. Também os novos colaboradores são treinados da mesma forma para o entendimento e prática da sustentabilidade nas rotinas dos processos. Através do nosso site, murais, cartazes, avisos, folders e outros impressos, levamos ao conhecimento dos nossos clientes atitudes e informações sobre nossas e outras práticas sustentáveis, procurando sensibilizá-los a também adotarem atitudes sustentáveis. Para divulgar a sustentabilidade para a comunidade, conseguimos estabelecer ainda parcerias com a rádio fm local, onde participamos mensalmente com comentários sobre hospitalidade e turismo sustentável, e em outra parceria com um jornal local, temos uma coluna quinzenal disponível para divulgarmos exclusivamente temas ligados diretamente à sustentabilidade em um terço de página. Com a conclusão do processo de certificação, passamos a ser referência para o próprio Sebrae, que tem nos trazido a visita de grupos de empresários de São Paulo e outros estados para saber mais sobre a implantação da gestão sustentável. Individualmente também temos recebido visitas e consultas sobre as dificuldades e vantagens da iniciativa. Fomos convidados a palestrar na universidade, alunos fazem seus trabalhos usando o hotel como referência, em feira de turismo e entidades locais propiciando, assim, também outras formas de educar para a sustentabilidade. Categoria ambiental 1º lugar recanto ecológico rio da prata 2º lugar Rio quente resorts 3º lugar ambiental viagens Comunicação da iniciativa Internamente, usamos documentos diversos como atas de reuniões, polígrafos, cópias, documentos eletrônicos, cartazes, murais, avisos, fotos, reportagens e impressos. Externamente, informamos a realização da iniciativa por palestras, comentários em rádio, texto em jornal, site e folders. 17
  10. 10. lugar ambiental A Fazenda Cabeceira do Prata, na qual está situado o atrativo de ecoturismo Recanto Ecológico Rio da Prata, está localizada no município de Jardim, Sudoeste do estado de Mato Grosso do Sul, distante 36 km da cidade de Jardim, 49 km de Bonito e 270 km de Campo Grande, a capital do Estado. Fica nos limites da região da Serra da Bodoquena, dentro do Corredor de Biodiversidade Miranda – Serra da Bodoquena, região que faz parte da zona núcleo da Reserva da Biosfera do Pantanal, ou seja, são áreas prioritárias para a conservação de biodiversidade dos biomas do Cerrado e Pantanal. Em 1979, a fazenda foi comprada por Eduardo Folley Coelho com objetivos de lazer e pecuária. Desde a aquisição da fazenda, foram adotadas medidas para conservação ambiental, como manejo adequado do solo, visando à prevenção de erosão, manejo da pastagem sem o uso de queimadas, construção de curvas de nível e açudes e início da recuperação das áreas de mata ciliar por meio do plantio de árvores nativas. Nessa nova etapa, não foram derrubadas nenhuma árvore para a construção de cerca e instalações. Só se utilizaram postes de madeira já cortados e refugados pelo proprietário anterior, árvores caídas, e também madeira de outras propriedades da família. recanto ecológico rio da prata Iniciativa apresentada O MODELO DE ECOTURISMO SUSTENTÁVEL DO RECANTO ECOLÓGICO RIO DA PRATA (JARDIM, MS). 1º lugar – Categoria ambiental 1º Contexto e Justificativa da iniciativa Em 1995, Eduardo participou de uma Oficina de Capacitação para o Ecoturismo (parceria Senac/Conservação Internacional), quando obteve informações sobre a criação de Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPNs) e sua utilização para o ecoturismo. No mesmo ano, teve início à atividade ecoturística na Fazenda Cabeceira do Prata, sob o nome fantasia de Recanto Ecológico Rio da Prata, para a qual foram estabelecidas uma série de diretrizes de ação visando o desenvolvimento de um modelo de ecoturismo sustentável. A decisão de iniciar a visitação turística foi resultado de uma combinação de fatores: a paixão pelas atividades ao ar livre e pela natureza; vontade de empreender e criar um negócio de valor; ter uma fonte alternativa de renda para a fazenda; ter uma atividade que promovesse a conservação ambiental; satisfação pessoal de fazer uma atividade agradável, e que no futuro pudesse ser administrada pelas duas filhas da família; percepção de que a visitação turística da região encontrava-se em fase inicial. A visitação turística foi iniciada em 1995 e consiste em uma trilha pelas matas ciliares dos rios da Prata e Olho d’Água, chegando até a nascente do rio Olho d’Água, local de rara beleza, a partir do qual um grupo de no máximo nove pessoas desce flutuando um trecho de cerca de dois mil metros de águas cristalinas, equipadas com máscaras, snorkel, botas e roupas de neoprene. A propriedade ainda oferece mergulho com cilindro, passeio a cavalo e um roteiro para a observação de aves. O limite diário de visitantes no passeio de flutuação é de 150 pessoas, preconizado pela Licença Ambiental do empreendimento. Todos os grupos são conduzidos por guias credenciados pelo Ministério do Turismo, pertencentes às comunidades locais, treinados para passar segurança e informações ambientais durante a atividade. A infraestrutura principal é formada pela sede da fazenda onde se localizam recepção, restaurante, bar, cozinha, escritório administrativo, loja de artesanato regional, sala de equipamentos e área de descanso para os visitantes. Não há hospedagem no local. Visando garantir perpetuamente a conservação das nascentes do rio Olho D’Água, localizadas inteiramente dentro da fazenda, em 27 de abril de 1999 foi criada oficialmente a Reserva Particular Patrimônio Natural Fazenda Cabeceira do Prata, protegendo 307,53 hectares (21,5% da área total da Fazenda), englobando toda a mata ciliar e o rio Olho D’Água desde a sua nascente até a sua foz no Rio da Prata. A Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) é uma categoria de unidade de conservação da legislação ambiental brasileira, que permite a proteção perpétua de uma área sem a necessidade de desapropriação, sendo criada por iniciativa do proprietário. 19
  11. 11. Além do ecoturismo, são desenvolvidos levantamentos e pesquisas sobre espécies vegetais e animais, seu comportamento e sua relação com o rio e nascentes localizadas na Reserva, bem como o controle e monitoramento dos impactos ambientais decorrentes da atividade ecoturística. Os proprietários possuem grande envolvimento com os problemas socioambientais da região, participando e patrocinando projetos e organizações não governamentais que atuam nestas áreas, promovendo capacitação técnica para seus colaboradores e fomentando a divulgação de práticas sustentáveis. Através da adoção de uma série de diretrizes primordiais de ação, que se procura seguir para orientar o desenvolvimento do empreendimento, o Recanto Ecológico Rio da Prata criou um modelo sustentável de ecoturismo e tem buscado atingir um grau de excelência na operação, resultando em um produto turístico de qualidade significativa. A Missão do empreendimento é: proporcionar ao visitante uma experiência de interação com a natureza, por meio de passeios de ecoturismo focados em inovação, com critérios de segurança, conservação ambiental e desenvolvimento sustentável da região. RESULTADOS OBTIDOS O Recanto Ecológico Rio da Prata desde o início da sua operação já atendeu mais de 345 mil turistas das mais diversas regiões do Brasil e de outros países, além de mostrar seu estudo de caso para visitas técnicas e caravanas de outros destinos com empresários interessados em conhecer o modelo de negócio do empreendimento. Ainda recebemos os alunos de escolas públicas da cidade de Jardim e região que visitam os projetos ambientais do atrativo de forma gratuita a título de aprendizado. As atividades turísticas e ações ambientais do Recanto Ecológico Rio da Prata são divulgadas utilizando-se de diversas mídias, sendo que atualmente a internet é uma das mais procuradas por turistas e outros interessados. O site do empreendimento é rico em informações (www.riodaprata.com.br), há seções de “Sustentabilidade, Pesquisas, Política de Segurança” na qual é possível fazer download dos trabalhos científicos e técnicos realizados na RPPN Fazenda Cabeceira do Prata, inclusive do documento completo do seu Plano de Manejo. IMPACTOS OBTIDOS Ambientais O empreendimento possui um viveiro de mudas de árvores nativas com capacidade para produção de 60.000 mudas/ano de 49 espécies para plantio dentro da RPPN e reflorestamento em diversas áreas da fazenda e de outras propriedades na região, através de doações. Além disto, é realizada coleta periódica de sementes na RPPN e em outras áreas da fazenda, visando preservar e proteger a diversidade botânica da região. A atividade da pecuária na fazenda é realizada através de um sistema de manejo ecológico, conhecido como “Sistema Manejão”. Este sistema prioriza o uso de técnicas simples, baseadas no funcionamento dos sistemas naturais, para prevenção de impactos ambientais. Também está sendo implantado o Sistema Silvipastoril, com árvores nativas, e o programa de Boas Práticas Agropecuárias. 20 Socioculturais O sítio turístico tem recebido e apoiado pesquisadores interessados em desenvolver projetos na fazenda, de forma a complementar as informações ambientais já conhecidas para a área. Além destes projetos oficiais, é realizada a catalogação de fauna e flora ocorrentes na área, utilizando estas informações para fins turísticos, educacionais e científicos. O local recebe também missões de profissionais de turismo e visitas técnicas de estudantes universitários e cursos profissionalizantes de áreas afins, provenientes de várias regiões do país, divulgando, apoiando e incentivando a adoção de práticas condizentes com o turismo sustentável. Entre estas entidades, destacam-se o Sebrae e o Senac. Outra forma de alcançar a sustentabilidade é procurar, sempre que possível, envolver pessoas da comunidade no processo turístico, incentivando o comércio local. Para isso, prioriza-se a aquisição de bens, produtos e serviços nos estabelecimentos de Jardim, Bonito e região, ainda que a custos mais elevados, e também a contratação de mão de obra local. Como exemplo, pode-se citar que, atualmente, todo o artesanato comercializado no Recanto Ecológico Rio da Prata é produzido em Bonito e cidades vizinhas, e todos os colaboradores fixos da operação são do Estado de Mato Grosso do Sul (em sua grande maioria do município de Jardim e cidades vizinhas). Merece destaque o fator de geração de empregos claramente demonstrado por este sítio turístico. Antes da implantação do turismo, a propriedade possuía apenas 2 colaboradores. Atualmente, a operação ecoturística emprega 43 trabalhadores fixos, com remunerações acima da média praticada na região. Nos períodos de feriados e alta temporada, este número aumenta com a contratação de diaristas e estagiários. Além disto, um grande número de pessoas é beneficiado pela atividade na forma de empregos indiretos nas agências de turismo, hotéis, guias de turismo, empresas de transporte, fornecedores, entre outros. Atualmente, encontram-se credenciados para operarem com o sítio turístico: 55 guias de turismo (profissionais autônomos), 34 agências de turismo de Bonito, 1 agência de turismo de Jardim e diversos fornecedores, como supermercados locais, lojas de material de construção, lojas de produtos veterinários etc. Colaboradores e/ou prestadores de serviços recebem apoio logístico e financeiro do Recanto Ecológico Rio da Prata para frequentar cursos e eventos, visando sua qualificação profissional. O empreendimento também patrocina treinamentos realizados nos municípios de inserção e tem política de estágio para estudantes de curso superior e programa de 1º emprego, com a finalidade de inserir no mercado de trabalho jovens formandos, incentivando o seu aperfeiçoamento profissional. O Recanto Ecológico Rio da Prata foi um dos pioneiros na criação de minicursos de capacitação e reciclagem para os prestadores de serviços diretamente ligados ao setor turístico: guias de turismo, atendentes das agências locais e motoristas de vans e ônibus de transporte turístico. Estes minicursos consistem de um treinamento específico com apostilas próprias, garantindo e padronizando a informação do produto turístico e de segurança para os grupos de visitantes. No caso específico do guia de turismo, este só é credenciado a trabalhar no sítio turístico se participar deste treinamento e das reciclagens anuais. Estes encontros têm como objetivo secundário integrar e confraternizar os prestadores de serviços. O empreendimento também possui uma área de lazer para os colaboradores e prestadores de serviços com mesa de sinuca e pebolim, além de refeitórios e banheiros separados dos utilizados por turistas. Prestadores de serviços como guias e motoristas têm cortesia de bebidas e refeição no passeio. 1º lugar – Categoria ambiental recanto ecológico rio da prata O gerenciamento do passeio é feito pelo proprietário e sua família, com recursos próprios, sendo que o grande mérito da fazenda é sustentar-se economicamente de forma ambientalmente correta, confirmando a viabilidade de se conciliar numa mesma propriedade a pecuária, o ecoturismo e a conservação ambiental. Por mostrar-se viável, este modelo tem motivado diversos outros proprietários rurais a direcionarem suas atividades de maneira sustentável ambientalmente. Econômicos A principal característica que destaca a Fazenda Cabeceira do Prata, local no qual está inserido o atrativo Recanto Ecológico Rio da Prata, de outras propriedades e sítios turísticos da região é a comprovação da viabilidade econômica da exploração pecuária associada ao ecoturismo e conservação ambiental. Este sucesso é fundamental e está motivando outros proprietários a ampliar suas áreas naturais, visto a viabilidade do ganho econômico por meio do uso ecoturístico das áreas florestadas de suas propriedades, até então consideradas sem valor ou como fonte de prejuízo. O envolvimento direto dos proprietários do empreendimento, tanto com as atividades de ecoturismo como com a pecuária, está servindo de ponte entre os fazendeiros e ambientalistas, duas classes que, devido a interesses muitas vezes antagônicos, têm uma histórica dificuldade de relacionamento. 21
  12. 12. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Desde o início da operação turística em 1995, os proprietários decidiram que iriam trabalhar seguindo padrões de sustentabilidade, pois queriam oferecer um produto turístico de qualidade ambiental significativa. Assim, uma série de diretrizes de sustentabilidade foi estabelecida para orientar todo o desenvolvimento da propriedade, segue abaixo: 1. Criação de RPPN - Reserva Particular do Patrimônio Natural, para proteção de áreas relevantes e biodiversidade (RPPN Fazenda Cabeceira do Prata desde 1999); 2. Estimular conduta consciente em ambientes naturais, por meio da prática da atividade turística de baixo impacto ambiental; 3. Uso responsável de recursos naturais e busca constante de minimização dos possíveis impactos ambientais e sociais negativos decorrentes da atividade turística; 4. Monitoramento de impacto ambiental das atividades turísticas; 5. Uso do ecoturismo como ferramenta para sensibilização ambiental; 10. Produção própria de parte dos alimentos oferecidos aos visitantes como: doces artesanais, queijos, verduras orgânicas, pães e ovos; 11. Minhocário para compostagem e ajuda na adubação natural do solo; 12. Implementação das Boas Práticas na Agropecuária; 13. Viveiro de mudas de árvores nativas; 14. Proibição de caça, pesca, corte de madeira e criação de animais domésticos e silvestres; 15. Destinação adequada de resíduos sólidos (reciclagem e compostagem) e efluentes líquidos; 16. Critérios e procedimentos para o credenciamento de guias de turismo e agências; 17. Capacitação de funcionários, guias de turismo credenciados e prestadores de serviços; 18. Apoio a ONGs, projetos sociais e associações de classe da região; 19. Troca de experiências com outros sítios turísticos visando o aperfeiçoamento do destino; 20. Buscar a realização dos passeios com segurança através do atendimento à norma de Gestão de Segurança ABNT NBR 15331:2005 e normas corretivas, para as modalidades de Turismo de Aventura oferecidas; 21. Melhoria contínua da qualidade dos serviços, bem como das instalações e infraestruturas; 22. Autenticidade nas ações comerciais e no crescimento institucional. Inovação As práticas adotadas na busca de um caminho sustentável para a atividade como a reciclagem dos resíduos sólidos, a produção de horta orgânica, viveiro de mudas, a criação de uma RPPN na propriedade, o monitoramento ambiental, visitação de mínimo impacto ambiental, capacitação profissional, sistema de gestão de segurança certificado e participação em associações de classe e ambientais diferenciam a operação turística do Recanto Ecológico Rio da Prata dos modelos tradicionais, sendo assim consideradas como inovações. Sensibilização dos participantes Uma das metas do empreendimento é a prática da Educação Ambiental, despertando nos visitantes e estudantes a consciência da sua responsabilidade sobre o meio ambiente. Para efetivar este aprendizado e atingir esta meta, o Recanto Ecológico Rio da Prata recebe gratuitamente alunos da rede pública da região, através de parcerias com as escolas e com os guias de turismo. Além disto, frequentemente alunos do Ensino Fundamental e Médio de outras regiões do Brasil visitam o empreendimento para desenvolver programas de Estudos de Meio, através de visitas pagas. Parcerias O Recanto Ecológico Rio da Prata é parceiro e apoia as seguintes instituições: Instituto das Águas da Serra da Bodoquena – IASB; Centro de Reabilitação de Animais Silvestres – CRAS; Conservação Internacional – CI; Associação das RPPNs do MS – REPAMS; Ministério do Turismo; SEBRAE; Associação Brasileira das Empresas de Ecoturismo e Turismo de Aventura – ABETA. Educação para um turismo mais sustentável Práticas ambientais fazem parte da rotina dos colaboradores. Exemplos destas ações são a separação e destinação dos resíduos produzidos na propriedade. Resíduos orgânicos são transformados em adubo, que abastecem a horta orgânica da propriedade. Parte da renda obtida com a visitação é direcionada para a pesquisa científica e a educação ambiental, O trabalho de conscientização também é feito através da divulgação das ações ambientais desenvolvidas pelo empreendimento, principalmente pelo site e blog do passeio na Internet. (www.riodaprata.com.br e bonitopantanal. blogspot.com). 1º lugar – Categoria ambiental recanto ecológico rio da prata Regionalmente, observa-se o aumento do nível educacional e técnico da comunidade, motivado pelas novas exigências do mercado turístico da região, sendo que o empreendimento foi uma das primeiras fazendas a perceber a importância econômica e ambiental deste segmento. Seu modelo de gestão está sendo aplicado em pelo menos mais dois sítios turísticos da região (Estância Mimosa Ecoturismo e Lagoa Misteriosa), alcançando os mesmos objetivos. Comunicação da iniciativa Os funcionários e proprietários participam frequentemente de feiras e outros eventos de temática turística e ambiental para apresentar palestras sobre o sucesso obtido com este modelo. Outra forma de divulgação externa é a participação em eventos comerciais e científicos em nível estadual, nacional e internacional, em forma de palestras e resumos de pesquisas realizadas, como ABETA Summit (SP), Congresso Nacional de Ecoturismo, Feira Regional de Turismo Rural do Nordeste – Ruraltur (PB), Salão de Turismo – Roteiros do Brasil (SP), Seminário Técnico Destino Aventura Segura (MS), Encontro Brasileiro de Observação de Aves – AVISTAR (SP), Congresso Internacional de Biologia Tropical (MS), Seminário de Agroecologia de Mato Grosso do Sul, ocasiões nas quais foram apresentadas as práticas realizadas no sítio turístico. 6. Prioridade na contratação de mão de obra local; 7. Valorização dos aspectos culturais e sociais da região; 8. Venda de artesanato somente de produção regional, para valorizar a cultura local; 9. Apoio a projetos de pesquisa científica e visitas técnicas; 22 23
  13. 13. lugar ambiental Imerso em 49 hectares de fauna e flora exuberantes, bosques e vegetação nativa, totalmente preservada, o Grupo Rio Quente é um paraíso ecológico no Centro-Oeste do Brasil. Além de seu cenário paradisíaco, o complexo ganhou fama mundial pela pureza de suas águas, constantemente renovadas, devido ao grande volume que brota das fontes termais (dezoito nascentes) – mais de 5 milhões de litros por hora de água quente a cerca de 37,5º. É o maior volume de água quente do mundo. Enxergando a importância de garantir estas belezas naturais às futuras gerações, o Grupo Rio Quente fez nascer o Programa Rio Quente Sustentável. O programa, que começou em 2010, compreende subprogramas que contemplam atividades socioambientais direcionadas aos associados – como chamamos nossos colaboradores, clientes, comunidade e fornecedores. 2º lugar – Categoria ambiental 2º Contexto e Justificativa da iniciativa A base de sustentação de todas as atividades do Programa Rio Quente Sustentável é a Política Ambiental formulada pela alta direção para nortear e direcionar o foco estratégico das ações de sustentabilidade do grupo: RIO QUENTE RESORTS Localizado em meio à natureza exuberante do Brasil, em Rio Quente – Goiás, o Grupo Rio Quente atua nos segmentos de hospitalidade e entretenimento. Consciente de sua responsabilidade econômica, social e ambiental, implementa ações de melhoria contínua em suas atividades, produtos e serviços e atua visando à conscientização e à sensibilização de seus públicos frente às questões ambientais. Para isso, reitera seu compromisso no atendimento à legislação, com a prevenção e redução de qualquer possível impacto ambiental. Iniciativa apresentada programa rio quente sustentável 24 25
  14. 14. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Parcerias Comunicação da iniciativa Os resultados obtidos afetam todas as pessoas que trabalham na empresa ou efetuam serviços em seu nome, toda comunidade e cadeia de fornecedores, que somam aproximadamente 6.000 pessoas. As atividades do Programa Rio Quente Sustentável foram concebidas com o objetivo de fomentar a sustentabilidade em toda a cadeia de valor do Grupo Rio Quente. As parcerias foram fundamentais para o sucesso do projeto. Grandes resultados foram alcançados junto à Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Departamento Nacional de Produção Mineral, IBAMA, Governo Municipal, Secretaria Municipal de Meio Ambiente, escolas municipais e estaduais presentes na comunidade, troca de experiências entre profissionais renomados, entre outros parceiros e fornecedores que gentilmente contribuíram e patrocinaram os eventos de cunho ambiental realizados pelo Grupo Rio Quente. A comunicação do andamento desse programa pode ser avaliada em duas dimensões: Eles podem ser avaliados em três dimensões: Ambientais – economia do recursos naturais, redução da poluição atmosférica, reaproveitamento de resíduos, preservação do manancial termal. Socioculturais – fortalecimento da consciência ecológica, formação de futuros talentos, engajamento da sociedade nas ações ambientais desenvolvidas. Econômicos – fortalecimento da marca, empatia e fidelização de clientes, aumento de vendas entre consumidores que incluem a sustentabilidade como fator de decisão de compra. Esses resultados estão gerando indicadores que servirão de termômetro para avaliar o desempenho das atividades e seus resultados conquistados, inclusive os intangíveis. 26 O objetivo do programa é gerenciar aspectos e impactos ambientais provenientes das atividades ministradas pelo empreendimento, buscando resultados tangíveis, através da preservação e economia de recursos naturais, e resultados intangíveis, como a valorização da marca e o aumento de credibilidade no mercado, além do fortalecimento da cultura ambiental juntos aos stakeholders da organização. Serão descritos, abaixo, alguns aspectos das ações realizadas. Inovação O aspecto inovador dessa iniciativa reside na promoção do engajamento dos stakeholders, mostrando que nesta relação todos ganham, o município, a comunidade, as empresas e comércios, fornecedores e o meio ambiente. Sensibilização dos participantes A sensibilização dos participantes do programa foi realizada através de dois programas: Programa de Educação para Sustentabilidade e Programa de Comunicação Social. Comunicação externa – é realizada através de releases enviados pela Assessoria de Comunicação aos diversos meios de comunicação, e distribuição do Guia de Sustentabilidade Rio Quente Resorts para clientes, fornecedores, mídias e públicos de interesse. Comunicação interna – é realizada através de e-mails internos, intranet e murais fixados em pontos estratégicos. 2º lugar – Categoria ambiental rio quente resorts RESULTADOS OBTIDOS Educação para um turismo mais sustentável Para fazer nascer este projeto, o Grupo Rio Quente instituiu em 2010 a Assessoria em Meio Ambiente, departamento composto por 09 associados responsáveis pelo Sistema de Gestão Ambiental do empreendimento. Esta equipe desenvolve suas atividades através do gerenciamento de 900 mil reais destinados anualmente para este departamento fomentar novas tecnologias e práticas sustentáveis. E a conscientização necessária para que todo programa de turismo sustentável seja efetivado é realizada através de campanhas educativas listadas no Programa Educação para a Sustentabilidade. 27
  15. 15. lugar ambiental Apresentamos aqui o histórico de ações pela sustentabilidade desenvolvidas pela Ambiental durante seus 25 anos de atuação, visando contextualizar o pioneirismo pela sustentabilidade da atividade turística no Brasil. Assim, as Ações a serem citadas foram assim classificadas por sua execução em parceria com Destinos e Fornecedores, visando influenciar a experiência do cliente Ambiental durante sua estadia no destino final e influenciando de forma positiva o desenvolvimento social local nos destinos receptivos. A Ambiental iniciou suas atividades a partir de viagens de Estudo de Meio ou viagens pedagógicas, onde formatou sua operação aos Destinos de Natureza e atrativos culturais e naturais de reconhecido valor ao turismo e para o desenvolvimento de estudos e pesquisas. Foi esse nicho que nos aproximou do contexto da preservação, sustentabilidade e uso sustentável de recursos naturais, além da conscientização trabalhada nas viagens sobre comportamento, consumo e experiências vivenciais através do contato com a natureza, diferentes culturas, comunidades, realidades etc... 3º lugar – Categoria ambiental 3º Contexto e Justificativa da iniciativa Hoje nossos colaboradores são conhecidos como Especialistas Ambiental Viagens, principalmente pela proximidade que possuem com os contextos locais nos destinos ofertados. Estamos atuando com participação ativa dos nossos diretores e somos reconhecidos pelo mercado nos três segmentos trabalhados: Viagens de Lazer, Incentivo e Estudo do Meio. ambiental viagens Iniciativa apresentada Ações pelo incentivo ao desenvolvimento da Sustentabilidade no Turismo através de Viagens de Estudo do Meio da Ambiental, Formação do Trade e de Conscientização de Consumidores Responsáveis 28 29
  16. 16. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Inovação – Doação do conteúdo de 1 Biblioteca em Livros para a Comunidade (Amazônia). A Ambiental desenvolve, juntamente com o corpo de professores, nossos roteiros personalizados para escolas, colégios e universidades em São Paulo e região, para empreender trabalhos com os alunos de acordo com a grade escolar (matérias e conteúdo), adaptando a viagem, visitas e atrativos dos destinos escolhidos ao formato educacional com foco no meio ambiente, geografia e geologia, além de história e cultura local e trabalho de desenvolvimento interpessoal e comportamental com o grupo de viagem, trabalho conhecido como Viagens de Estudo do Meio. Trabalhar o conteúdo das viagens juntamente com o corpo docente do colégio, projetando uma parceria pelo desenvolvimento dos jovens alunos e criando uma relação de cumplicidade entre colégio e operadora de viagens, que visa conquistar a confiança dos pais e alunos e garantir a sustentabilidade das viagens em diferentes gerações. Outra visão é a responsabilidade empregada no contato com o destino, onde o processo de escolha e de relação com fornecedores, guias e comunidade local passou a ser transparente e ter o envolvimento dos representantes dos colégios, que assimilaram o sentimento de responsabilidade pela realidade local no destino e incorporaram esse aprendizado vivencial para o grupo de viagem. – Plantio de Mudas com o Instituto IASB divulgado nos Relatórios do Instituto (além do apoio financeiro ao Instituto mantido pela Ambiental e outros parceiros). – 25 anos de operação com Viagens de Estudo do Meio, sendo 12 anos de operação do Roteiro Vivencial Amazônico. – Escolas Trabalhadas: Colégio Santa Cruz: Amazônia, Pantanal e Bonito; Lagamar; Foz do Iguaçu, Peru, Mexico, Patagônia. Colégio Bandeirantes: Pantanal e Bonito. Escola Carlitos: Cidades Históricas. Escola Americana do Rio de Janeiro: Amazônia. Escola Pacaembu: Saco do Mamanguá. Instituto Sangari do Brasil: Pantanal e Bonito. Austin College: Amazônia, Jalapão, Petar e Lagamar Pio XII: Santos. Albert Sabin: Bonito. IMPACTOS OBTIDOS Ambientais Trabalho de conscientização ambiental com os alunos e diminuição dos impactos da viagem, com o plantio de mudas nativas no destino de Bonito. Socioculturais Conscientização dos jovens pela construção de sua cidadania e quebra de preconceitos de diferenças culturais, além de suporte ao desenvolvimento social das comunidades visitadas. Econômicos Suporte à economia local do turismo nas comunidades e nos destinos visitados e contribuição ao Instituto IASB. 30 Para justificar a importância desse trabalho, tanto para o desenvolvimento dos alunos como economicamente para a comunidade inserida, foram selecionadas duas viagens com caráter pedagógico: Destino Bonito, com a conscientização ambiental; e Destino Amazônia – troca vivencial de turismo de base comunitária. A viagem de Bonito, além de contar com os passeios lúdicos, é acompanhada por um guia especialista na interpretação da natureza, fauna e flora local, que é o meio utilizado para facilitar as descobertas e a sensibilização do grupo de estudantes para compreender o conteúdo inserido no contexto da viagem, que também é acompanhada por um líder do grupo, professor ou coordenador – que conecta a viagem à matéria escolar propriamente dita. O Roteiro da Amazônia aborda o conteúdo socioambiental de forma interativa, e assim contribui para uma vivência experimental com a doação de Livros à Biblioteca Local (biblioteca idealizada pelo programa de Estudo de Meio, em parceria com o Colégio Santa Cruz para suporte ao desenvolvimento da comunidade dos povos amazônicos visitados) e visitação às comunidades locais, com aprendizado cultural e conhecimento dos seus meios econômicos de vida, baseados em atividades extrativistas sustentáveis, que contribuem para a construção da cidadania, quebrando preconceitos em torno da diferença de culturas. Sensibilização dos participantes Existe a aproximação dos especialistas Ambiental, com forte participação da diretoria da operadora, no contato com o grupo de representantes dos colégios, normalmente no formato de visitas presenciais. Cria-se uma relação de confiança com a escola, que é passada aos pais e alunos, e que tem por objetivo manter o trabalho iniciado pela formação dos alunos em viagens de Estudo do Meio por diferentes anos. No destino, são acionados parceiros locais, de acordo com o roteiro desenvolvido, que passam a ser os agentes de sensibilização do grupo de viagem. Participação Forte participação do corpo docente dos colégios, fornecedores e guias especialistas nos destinos trabalhados. Educação para um turismo mais sustentável A Viagem de Bonito conta com a visitação na UPL – Unidade Processamento de Lixo, que conscientiza os alunos de um trabalho desenvolvido pela comunidade local pela sustentabilidade do destino, e insere a participação da Operadora de Viagens no suporte a essa iniciativa (parceria com a Ambiental para a estruturação da UPL – a ser apresentada como uma próxima iniciativa). E também existe a proposta de plantio de mudas nativas em parceria com o IASB – Instituto das Águas da Serra de Bodoquena, com o Projeto Plante Bonito, e com o trabalho de educação ambiental desenvolvido no próprio instituto durante a visitação do grupo. No Roteiro da Amazônia, aborda o conteúdo socioambiental de forma interativa e assim contribui para uma vivência experimental com a doação de Livros à Biblioteca Local (biblioteca idealizada pelo programa de Estudo de Meio, em parceria com o Colégio Santa Cruz para suporte ao desenvolvimento da comunidade dos povos amazônicos visitados) e visitação às comunidades locais com aprendizado cultural e conhecimento dos seus meios econômicos de vida, baseados em atividades extrativistas sustentáveis. 3º lugar – categoria ambiental ambiental viagens RESULTADOS OBTIDOS Comunicação da iniciativa Internamente, é discutido a formatação do produto entre a Equipe Ambiental em reuniões presenciais. Existe também a aproximação dos especialistas Ambiental, com forte participação da diretoria da operadora, no contato com o grupo de representantes dos colégios, normalmente no formato de visitas presenciais. Criase uma relação de confiança com a escola, que é passada aos pais e alunos e que tem por objetivo manter o trabalho iniciado pela formação dos alunos em viagens de Estudo do Meio por diferentes anos. No destino, são acionados parceiros locais, de acordo com o roteiro desenvolvido, que passam a ser os agentes de sensibilização do grupo de viagem. Os lugares das viagens escolhidas como exemplo são: Destino Bonito, com a conscientização ambiental; e Destino Amazônia – troca vivencial de turismo de base comunitária. 31
  17. 17. Categoria sociocultural 1º lugar sociocultural 1º lugar pousada lagoa do cassange 2º lugar grand palladium imbassaí resort & spa 3º lugar venturaS e aventuras pousada lagoa do cassange Iniciativa apresentada gestão sustentável
  18. 18. DESCRIÇÃO DA AÇÃO A Pousada Lagoa do Cassange, fundada em 1995, é um meio de hospedagem situado na Península de Maraú–BA. Num ambiente de elevada beleza cênica cercada de diferentes ecossistemas, tais como recifes de corais, mangues, lagoas etc, vem se destacando pela qualidade dos serviços prestados. Desde o início das operações, desenvolvemos práticas sustentáveis nas áreas ambientais, sociais e econômicas. Com a implantação do Sistema de Gestão Sustentável (SGS), Pousada Lagoa do Cassange em 2011, o empreendimento sentiu muito forte o impacto positivo que isso nos trouxe. Inovação Conseguimos a certificação pela norma 15401 e a medalha de prata pelo Travel Life, além de melhorias no atendimento dos nossos clientes, no desenvolvimento dos colaboradores, fornecedores e da comunidade, valorizando a cultura, mão de obra, serviços e produtos locais, tudo isso minimizando a degradação ambiental, além de todas as ações serem planejadas, monitoradas e divulgadas. RESULTADOS OBTIDOS Aproximadamente 2.500 turistas se hospedam anualmente na Pousada Lagoa do Cassange. 30 crianças estudam no jardim de infância. 250 pessoas anuais que usam o centro de informática. 20 pessoas que participam da coleta de lixo na praia. IMPACTOS OBTIDOS Ambientais Redução do consumo de água, insumos e energia através da instalação de descarga econômica, redutores de vazão nas torneiras, a troca da roupa de cama de cada 2 para 3 dias, melhoraria dos avisos e treinamento da equipe para tornar troca de toalhas menos frequente. Manutenção das fossas e uso de “bio tablets” para controle biológico. Destinação correta para o óleo de cozinha armazenado. Priorização do uso de produtos biodegradáveis. Utilização de aparelhos com selo PROCEL A, lâmpadas econômicas, aquecimento do chuveiro de água solar e procedimento de checagem de uso de energia (desligar luzes e aparelhos que não estão sendo usados). Socioculturais 100% dos trabalhadores são da comunidade. Resgate e valorização da cultura local e geração de renda para a comunidade com exposição e venda de artesanato na recepção. Proteção infanto-juvenil, através da participação da campanha com exploração sexual infantil da ABIH e da Freeway. Preservação de Saúde dos colaboradores e pessoas da comunidade através de comboios médicos, financiamento para exames e procedimentos médicos. Jardim de infância para 30 crianças da comunidade, Telecentro com acesso à internet gratuito e cursos profissionalizantes. O aspecto inovador da nossa iniciativa é a satisfação dos turistas, a satisfação dos colaboradores e a satisfação da empresa. Dentre as diversas práticas inovadoras adotadas pela Lagoa do Cassange, algumas que merecem destaque são: contratação de 100% dos colaboradores da região; manter a ONG Instituto Promar, que investe no projeto da escola comunitária Jardim das Bromélias, que atende 30 crianças da comunidade; o Projeto de inclusão digital (CDC – Cassange) que dá cursos e acesso à internet gratuito para qualquer pessoa da comunidade; a realização do Projeto Aprender para Preservar que, de 2004 a 2009, formou 23 pessoas no ensino fundamental e médio; a separação do lixo reciclável que, em parceria com a ONG Aquere, de Barra Grande, já tirou várias toneladas do lixão da península; forte pesquisa de satisfação dos clientes. Com isso, temos o retorno que o turista gosta, tornando-o mais consciente. Sensibilização dos participantes Através de cursos, palestras, reuniões, exibição de filmes, a Pousada sensibiliza todos os atores envolvidos no processo sobre as práticas sustentáveis. Educação para um turismo mais sustentável A educação para um turismo sustentável ocorre por meio de visitas, reuniões e trocas de experiências com a comunidade do entorno. Com a divulgação da política de sustentabilidade e as práticas sustentáveis do empreendimento, sendo nossos colaboradores treinados e os fornecedores informados, o turista que se hospeda conosco, ao final de sua estadia, torna-se mais consciente e sensibilizado de que pequenas mudanças no hábito de vida podem ajudar o meio ambiente e a sociedade. Outro aspecto que merece destaque é a visita de estudantes da rede pública de ensino para conhecer nossas práticas como coleta de água da chuva, placas solares para iluminação e aquecimento de água, reciclagem de lixo e usos de artesanato local. 1º lugar – Categoria sociocultural pousada lagoa do cassange Contexto e Justificativa da iniciativa Comunicação da iniciativa Toda a comunicação com os clientes ocorre através de pastas com descritivos da política, da missão e das práticas sustentáveis nos quartos, no site da pousada e no quadro de avisos na recepção. A comunicação com os colaboradores é feita através de cartazes colocados em lugares estratégicos dentro da empresa. Já com as partes interessadas, a comunicação é feita por jornal mural em local de fácil visualização. Participação Parceria com empresas, escolas e ONGs como, por exemplo, a coleta seletiva de lixo com a ONG Aquere, de Barra Grande. Econômicos Com a implantação e monitoramento de índices de controles do consumo de água e energia, houve uma significativa economia nestes gastos. No monitoramento dos índices de lixo reciclável, foi possível ganhos com a implantação do sistema de compras que diminuiu o custo do produto e a produção de lixo. Com a adoção das práticas sustentáveis e de monitoramento na pousada, houve uma grande diminuição no desperdício do uso dos recursos naturais, gerando mais receita para o empreendimento. 34 35
  19. 19. lugar sociocultural Os esforços empreendidos pelo Grand Palladium podem ser resumidamente representados pela visão da Responsabilidade Socioambiental enquanto um conjunto de ações relacionado aos valores estratégicos da empresa. Vale ressaltar que, distante de uma visão ingênua ou unicamente filantrópica, existe a percepção de que a valorização da Responsabilidade Socioambiental, além de permitir o desenvolvimento de ações com alto potencial de impactos positivos, termina por beneficiar a empresa em diversos aspectos, dentre os quais a agregação de valor à imagem perante seus diversos públicos, ativo considerado intangível, mas reconhecidamente de grande repercussão na esfera empresarial na atualidade. No contexto da Sustentabilidade Turística, os pressupostos orientadores das ações têm por objetivo amplo contribuir de forma efetiva e duradoura com o fomento do turismo responsável/produtivo, do ponto de vista econômico; justo, do ponto de vista social; e correto, do ponto de vista ambiental. grand palladium imbassaí resort & spa Iniciativa apresentada No domínio das relações com os públicos de interesse e orientações aos colaboradores, diversas iniciativas vêm sendo tomadas no sentido de concretizar as ideias e princípios da sustentabilidade em boas práticas , que vêm sendo utilizadas desde o período de construção do empreendimento, a exemplo da consideração da Educação Ambiental como tema transversal, capacitações e treinamentos, adoção de medidas de preservação do meio ambiente, de valorização de fornecedores comprometidos com a preservação ambiental, soluções tecnológicas e de controle de consumo de recursos naturais, projetos de inclusão socioprofissional da população e valorização da cultura local. 2º lugar – Categoria sociocultural 2º Contexto e Justificativa da iniciativa No contexto mais geral, adota-se como referências aquelas utilizadas nas Políticas Públicas difundidas pelo Ministério do Turismo, onde o conceito de sustentabilidade turística é assumido como um princípio que defende a integração e articulação de quatro dimensões na prática das atividades turísticas, ambiental, econômica, sociocultural e política. Entende-se que o potencial de contribuição para esta sustentabilidade está intrinsecamente relacionado à observação das relações de interdependência e complementaridade de tais dimensões. Com efeito, a operacionalização daqueles princípios impõe uma visão sistêmica e multidimensional da realidade, sob pena de, independentemente da amplitude de esforços e recursos, promover ações reducionistas e parciais, de baixo impacto e efetividade. A prática de Responsabilidade Socioambiental do Grand Palladium Imbassaí: uma estratégia empresarial em prol da Sustentabilidade Turística. 36 37
  20. 20. Sendo assim, o engajamento das empresas em prol da sustentabilidade dos produtos turísticos pode ser também considerado uma estratégia empresarial, inscrevendo-se no mundo do diferencial competitivo e, até mesmo, de sobrevivência. Estes foram os pressupostos que ofereceram as bases conceituais para a decisão da empresa UHT Investimentos, Participações e Empreendimentos Hoteleiros Ltda. criar o Instituto Imbassaí, organização não governamental sem fins lucrativos, desde 2010 reconhecida de utilidade pública municipal, o qual tem o papel de funcionar como unidade operacional das ações em prol da Sustentabilidade Turística e de Responsabilidade Socioambiental. Tal decisão foi apoiada principalmente na percepção da importância e complexidade dos temas e, consequentemente, da necessidade de criação de estruturas operacionais que, embora estrategicamente relacionadas à gestão da empresa, pudessem se dedicar integralmente a responder às demandas e objetivos específicos inerentes, os quais evidentemente não representam a atividade fim da empresa. A atuação do Instituto Imbassaí é considerada como a estratégia assumida pelo Grand Palladium Imbassaí, que permite a concretização de grande parte das contribuições em prol da Sustentabilidade Turística do entorno do empreendimento. 38 O Grand Palladium Imbassaí encontra-se nas proximidades da localidade de Imbassaí, Município de Mata de São João, situado ao norte do Estado da Bahia. O resort foi instalado no empreendimento Reserva Imbassaí, um complexo integrado que abrange hotéis, condomínios residenciais e equipamentos de lazer, que está sendo implantado por etapas. O Grand Palladium é o primeiro de três hotéis planejados naquele espaço. Para efeito de planejamento turístico, a área está incluída na Zona Turística Costa dos Coqueiros, que reúne extensões de orla marítima de sete municípios, dentre eles o de Mata de São João. São 193 quilômetros de extensão, ocupados basicamente por localidades de pequeno porte, onde se encontra uma grande diversidade de ecossistemas: restingas, dunas, coqueirais, remanescentes de Mata Atlântica, manguezais, recifes de coral, diversos rios e lagoas, além de se constituírem no habitat de uma variedade de espécies vegetais e animais. Cabe destacar ainda que se trata de um ambiente de grande beleza cênica. Historicamente, registra-se a ocupação destas terras pelos índios Tupinambás, Tupis e Massarandupiós, cerca de 300 a 400 anos antes da chegada dos portugueses ao Brasil. Ao longo do tempo, a estrutura produtiva local foi se consolidando como complementar à economia açucareira em expansão na Zona do Recôncavo da Bahia. Pecuária, agricultura de subsistência, extrativismo e a cultura de coco-da-baía predominaram durante muito tempo como base da economia regional, juntamente com a pesca e o artesanato, refletindo em última instância os saberes e fazeres da miscigenação do índio, dos portugueses e dos escravos africanos que nesta área foram instalados. O ciclo de desenvolvimento turístico desta área remonta a década de 1970, com a implantação do primeiro resort da região, o Ecoresort Praia do Forte, instalado na localidade com mesmo nome. Anteriormente, as atividades turísticas desenvolvidas atendiam a um público regional, tinham um caráter sazonal, impactos ambientais e socioculturais controláveis e previsíveis, tendo como atividades econômicas prioritárias a agricultura de subsistência e atividades extrativistas. Na década de 1990, houve um incremento das atividades turísticas, tendo como principal articulador o Poder Público Estadual (Políticas Públicas, Investimentos e Incentivos Fiscais), visando principalmente à dinamização das economias locais. O turismo chega a esta região como mais uma atividade econômica, apoiada em uma proposta de novo ordenamento territorial, encontrando uma riqueza e diversidade de recursos naturais, históricos, culturais e uma dinâmica socioeconômica heterogênea, mas com alguns pontos em comum: alto desemprego formal, baixos indicadores sociais, reduzida pressão antrópica, caracterizando um quadro regional empobrecido, sem infraestruturas e serviços de suporte às atividades turísticas. Após mais de duas décadas de utilização intensiva, este espaço encontra-se visivelmente alterado, em termos de funções, usos, costumes, balizado pelo surgimento de aglomerados urbanos, crescimento dos já existentes, intensa atividade imobiliária e fluxo turístico crescente. De uma organização territorial, pautada em pequenas comunidades voltadas a atividades tradicionalmente desenvolvidas principalmente em torno da agricultura de subsistência e pesca, passou-se em um período de tempo relativamente curto a um novo arranjo direcionado às atividades turísticas, com uma nítida concentração dos investimentos privados no setor de hospedagem, com predomínio de resorts e condomínios de segunda residência. Os impactos que seguiram este movimento têm, evidentemente, características positivas e negativas, apresentando também no seu bojo, desafios que se configuram na ultrapassagem das constatações e críticas em busca de alternativas de enfrentamento das problemáticas de uma realidade estabelecida e dinâmica. As práticas desenvolvidas pelo Instituto Imbassaí, entidade criada e mantida pelo Grand Palladium, inseremse neste contexto, na perspectiva de contribuir para o desenvolvimento turístico em bases sustentáveis, a partir de ações de Responsabilidade Socioambiental do Empreendimento. RESULTADOS OBTIDOS Com ações realizadas desde 2005, o Instituto obteve excelentes resultados no processo de capacitação e treinamento de jovens para trabalhar no turismo. Por meio das parcerias com Senac, Sebrae, entre outras parcerias, foi desenvolvido um leque extenso de projetos de capacitação para profissionais na área de turismo. IMPACTOS OBTIDOS Considerando os três programas que conformam as práticas do Instituto Imbassaí, existem impactos específicos relacionados aos resultados obtidos e já apresentados. No contexto geral, ressaltam-se os seguintes impactos: 2º lugar – Categoria sociocultural grand palladium imbassaí resort & spa A importância de pensar e planejar as atividades turísticas, considerando a sustentabilidade das ações, é justificável sob diversas óticas, que vão desde aspectos éticos e humanísticos até aqueles vinculados aos interesses empresariais. A título de exemplo, pode-se citar os prejuízos de priorização da dimensão econômica facilmente observados, como o esgotamento dos recursos naturais, a descaracterização do patrimônio cultural e a desestruturação social, que por sua vez, invariavelmente, impacta na qualidade do destino turístico, trazendo consequentemente prejuízo a todos os envolvidos. Ainda neste campo, não se pode esquecer a elevação da competitividade entre os destinos turísticos causada pela ampliação do número e qualificação destes no âmbito mundial. Este movimento acompanha a mudança de perfil dos turistas, que estão se tornando cada vez mais exigentes quanto à qualidade, benefício e significado de suas experiências. Ambientais Fortalecimento da consciência socioambiental coletiva e individual dos participantes dos projetos; preservação ambiental do entorno do empreendimento. Socioculturais Fortalecimento cultural; ampliação do capital social local; aproximação das demandas turísticas com atividades culturalmente estabelecidas; diminuição dos índices de pobreza e exclusão social; proteção de jovens em situação de exclusão contra ameaças de riscos sociais; fortalecimento da imagem institucional do mantenedor do Instituto (o Grand Palladium Imbassaí); potencialização da satisfação dos visitantes. Econômicos Elevação da renda mensal de participantes dos projetos; otimização dos custos operacionais do Resort; inclusão socioprofissional de jovens especificamente e da população. 39
  21. 21. Sensibilização dos participantes Com o objetivo de contribuir com a sustentabilidade turística do Empreendimento Grand Palladium Imbassaí e do seu entorno, o projeto Instituto Imbassaí foi constituído como uma organização não governamental, voltada à execução de ações de Responsabilidade Socioambiental, fundamentadas nos princípios da sustentabilidade turística e concretizadas em programas e projetos idealizados de acordo com as premissas de participação social efetiva, legitimidade e adequação ao contexto, representativas em última análise do consenso das expectativas, objetivos e interesses das instâncias envolvidas. Pautada nas fases que caracterizam a atuação do Instituto Imbassaí, entende-se que essa sensibilização ocorreu de forma variada a depender do contexto motivador e do público a que se refere. Desta forma, pensando na implantação da iniciativa, entende-se que a predisposição dos dirigentes das empresas fundadoras, em realizar um trabalho que trouxesse resultados concretos e significativos, gerou uma ambiência favorável à instalação de processos participativos e motivadores que até hoje contribuem para o enfrentamento dos desafios, a continuidade e ampliação das ações e objetivos, indo muito além dos compromissos legais que motivaram inicialmente a criação do Instituto Imbassaí. Inovação Considerando o conjunto das ações desenvolvidas pelo Instituto Imbassaí como a iniciativa aqui apresentada, consideram-se dois principais aspectos que podem ser relacionados à inovação. O ineditismo, pelo menos no contexto brasileiro, de uma experiência nestes moldes envolvendo a prática de um estabelecimento turístico e a busca da sustentabilidade é um destes aspectos. A forma de abordagem e a concepção das premissas e princípios fundamentadores são outros aspectos que, em uma análise autoavaliativa, permite afirmar tratar-se de uma prática com possibilidade de inscrever-se no rol de experiências viáveis de concretização dos princípios da sustentabilidade turística. O aspecto inovador está fundamentado justamente nesta possibilidade, desde quando é amplamente reconhecida a dificuldade e complexidade que caracterizam a viabilização efetiva daqueles princípios. 40 No contexto dos públicos-alvos, considera-se que o princípio da legitimidade e adequação das ações tem contribuído significativamente para o envolvimento e percepção de todos os participantes enquanto sujeitos da história que está sendo criada. Participação Diante do reconhecimento da complexidade e multidimensionalidade que envolvem a sustentabilidade turística, as articulações interinstitucionais, que promovem a otimização de recursos e de competências, e o compartilhamento de responsabilidades são considerados em todas as ações realizadas pelo Instituto Imbassaí como diretrizes estratégicas para que, em última análise, sejam possíveis intervenções capazes de provocar impactos significativos e garantir a legitimidade e adequação das ações. Neste sentido, a participação de organizações comunitárias e lideranças locais – enquanto interlocutores – de instituições com reconhecida competência nas suas áreas de atuação – como Sebrae, Senac, Senar, contribuindo na abordagem de conhecimentos específicos – e de instituições públicas que reforçam a legitimidade das ações, como é o caso do Ministério do Trabalho e Emprego que homologou os cursos elaborados pelo Instituto para o Programa Jovem Aprendiz – têm permitido a ampliação crescente do leque de ações e consequentemente dos impactos obtidos. Vale também ressaltar o apoio financeiro destacado pelo Banco Santander à execução do Projeto Capturismo. 2º lugar – Categoria sociocultural grand palladium imbassaí resort & spa DESCRIÇÃO DA AÇÃO Educação para sustentabilidade A premissa de fortalecimento do Capital Social assumida e o reconhecimento dos significativos impactos do comportamento do turista e do trabalhador, no contexto da sustentabilidade, posicionam a Educação para a Sustentabilidade Turística enquanto tema transversal a todas as ações realizadas pelo Instituto Imbassaí. Neste sentido, observa-se uma carência relacionada a material didático para abordagem do tema, fato que tem promovido uma especial atenção ao desenvolvimento de ferramentas capazes de propiciar a apropriação de conhecimentos, aqui entendida como forma de aprendizagem que permita a ancoragem de novos conhecimentos nas estruturas cognitivas pré-existentes do sujeito, favorecendo a sua internalização e consequente aplicabilidade. Neste sentido, já foi desenvolvido e validado o Jogo Didático Turismo de Valor, que tem por objetivo primordial promover a apropriação do conceito de sustentabilidade turística e está em fase de elaboração o Kit Pedagógico Educação para a Sustentabilidade Turística, que reunirá diversas ferramentas para se trabalhar o tema, tendo como públicos-alvos: comunidades, integrantes dos projetos, trabalhadores da hotelaria e turistas. 41
  22. 22. lugar sociocultural O contexto em que se insere a iniciativa do turismo em parceria com a comunidade local surge em seu histórico com a demanda latente de turistas na região do Vale do Pati, antes mesmo da implantação da unidade de conservação, o Parque Nacional. Os visitantes acampavam nos quintais dos moradores locais e, em consequência, começaram os pequenos serviços como café da manhã e alimentos para os lanches de trilha durante o trekking no vale, o que indicava a aptidão espontânea dessas pessoas em receber os visitantes. Posteriormente, a hospedagem começou a ser realizada dentro das casas dos moradores nativos. No entanto, a estrutura oferecida era extremamente precária, com a utilização de couro de animais para isolantes térmicos, não haviam colchões e banheiros, o pernoite era realizado simplesmente em um espaço da casa e o rendimento era muito pequeno, forçando que outras atividades econômicas tivessem maior representatividade no sustento das famílias, como as roças e criações de animais. venturas e aventuras Iniciativa apresentada Turismo em parceria com a comunidade local: uma estratégia de desenvolvimento sustentável na região do Vale do Pati – Parque Nacional da Chapada Diamantina/BA. 42 Em 1985, foi decretado o Parque Nacional da Chapada Diamantina (PARNA), uma Unidade de Conservação (UC) de proteção integral, considerada no Artigo 2 dos regulamentos dos Parques Nacionais Brasileiros (Decreto Nº. 84.017 de 21 de setembro de 1979) como uma área que possui “um ou mais ecossistemas totalmente inalterados ou parcialmente alterados pela ação do homem, nos quais as espécies vegetais e animais, os sítios geomorfológicos e os habitats, oferecem interesse especial do ponto de vista científico, cultural, educativo, recreativo, ou onde existem paisagens naturais de grande valor cênico”. 3º lugar – Categoria sociocultural 3º Contexto e Justificativa da iniciativa A região do Vale do Pati, dentro do território demarcado do PARNA, destaca-se na definição por seus aspectos culturais – referentes ao histórico do declínio do garimpo e posteriormente também das plantações de café e os reflexos no ambiente sociocultural dos moradores de uma região isolada pelas montanhas – e de paisagens naturais de grande valor cênico, marcado profundamente pelo cenário das montanhas da Serra do Sincorá. O aumento da quantidade de visitantes, influenciado em grande parte pela implantação do Parque Nacional, é o indicador da troca de sucesso que se estabeleceu entre moradores, não apenas no Vale do Pati, mas no destino Chapada Diamantina. As hospedagens começam a ser percebidas como a estruturação necessária para a utilização do trekking em um roteiro organizado e com gestão socioambiental e de segurança pelas agências pioneiras. Com a implantação da UC e as regras do Plano de Manejo do Parque Nacional, a permanência das pessoas dentro desse território ficou conciliada à não utilização predatória dos recursos naturais, o que colocou um ponto final nas atividades agropecuárias. Nesse contexto, o ecoturismo se destaca como estratégia de geração de renda e surge o envolvimento entre a demanda de turistas, o agenciamento e os serviços. 43
  23. 23. Nesse sentido, são adotadas as condutas de incentivo à estruturação, com a compra de colchões, travesseiros, enxovais e outros itens para as acomodações. O preço da hospedagem foi determinado de acordo com o mercado das cidades próximas, referente a um serviço simples de quartos coletivos, mas o suficiente para se tornar a principal fonte de renda das famílias com uma qualidade de vida ainda melhor em comparativo às outras atividades que eram desenvolvidas e sem a dependência das estações de seca e cheia das plantações, em um ambiente ecologicamente frágil e que sofre com queimadas. No que tange às queimadas na Chapada Diamantina, também se caracteriza nesse aspecto a relevância da iniciativa enquanto planejadora de mínimo impacto no ambiente natural, pela importância de não utilizar acampamentos na região do Vale do Pati que podem iniciar o fogo na vegetação seca e causar grandes perdas em queimadas incontroláveis na região montanhosa e de difícil acesso. Além da hospedagem, também são realizadas as refeições de café da manhã e jantar nas casas dos moradores e comprados os itens para o lanche de trilha durante o dia de caminhada no trekking. São tomados cuidados em utilizar a capacidade de abastecimento mínima no Vale do Pati, que é realizado com o transporte por mulas entre as casas e as cidades próximas, ou seja, são comprados itens para lanches dentro do vale em uma certa quantidade, pois também são levados outros itens desde as cidades para não ser necessário que exista um superabastecimento nas casas. RESULTADOS OBTIDOS IMPACTOS OBTIDOS DESCRIÇÃO DA AÇÃO Os resultados que podem ser destacados são referentes à satisfação do cliente na interação com os nativos. São constantemente mencionados apenas aspectos positivos em relação à alimentação durante o roteiro, que se torna muito melhor e farta ao ser provida pelos nativos do que seria em um sistema de trekking com acampamento. Também, de acordo com as condições simples de atendimento, os clientes podem ser considerados satisfeitos com a hospedagem. Ambientais Inovação Evita o impacto no ambiente natural advindo de acampamentos principalmente relacionado às queimadas e lixo; o contato entre nativos e turistas aumenta e dissemina a informação sobre a importância da preservação e torna os moradores relevantes fiscalizadores das condutas dentro do parque nacional; evita que os moradores desenvolvam outras atividades econômicas para seu sustento, que muitas vezes são predatórias e/ ou poluidoras. A inovação se trata do caso de sucesso no desenvolvimento do turismo em bases sustentáveis dentro de um Parque Nacional. As comunidades tradicionais são respeitadas em seu direito de permanecer onde estão suas raízes culturais, possuem uma atividade econômica mais rentável, aliada à necessidade de conservação da área protegida, e melhoraram suas condições de vida. Outro resultado importante é justamente a melhoria na qualidade de vida da comunidade tradicional, em que o turismo provê uma economia melhor e com menos consumo de tempo e energia que as plantações, além de não depender das estações de cheia e seca para a produção. Esses elementos contribuem para a imagem do destino enquanto promotor de uma experiência turística com verdadeira visão socioambiental e gestão sustentável, o que estimula o aumento no fluxo turístico, sem perder de vista as capacidades de carga e redução dos impactos negativos. Socioculturais Trabalho sem sazonalidade, ou seja, sem a dependência das estações de cheia e seca para a produção de rendimentos; permissão de residência em seu território de origem cultural, uma vez que, após tornar-se UC, podem surgir conflitos sobre as condições de sobrevivência e geração de renda que sejam compatíveis com o Plano de Manejo de PARNA; troca de valores culturais entre turistas e nativos, o que provoca a cultura de paz e igualdade e dissemina os princípios éticos da sustentabilidade. Econômicos Geração de maior renda aos moradores locais; aumento no fluxo turístico do ecoturismo verdadeiro, que preserva o ambiente natural, valoriza culturas e gera renda; valorização da imagem do destino. Neste sentido, é central no sucesso que a iniciativa apresenta. A partir do momento em que as comunidades tradicionais são respeitados em seu direito de permanecer onde estão suas raízes culturais, aliada à necessidade de conservação, chega-se a um fluxo de atividades positivas e beneficiadoras e as práticas sustentáveis se mostram extremamente viáveis. 3º lugar – Categoria sociocultural venturas e aventuras A agência Venturas assume sua responsabilidade nesse contexto juntamente a outras empresas pioneiras em desenvolver o turismo no Vale do Pati em bases sustentáveis. Uma vez que a partir dessa transformação para o turismo, se tornam necessários os investimentos na estruturação e apoio aos moradores locais para que possam oferecer os serviços turísticos. Sensibilização dos participantes A sensibilização ocorre natural e gradualmente. Um conjunto de observação da necessidade do mercado e altruísmo ecossocial. Como exemplo, temos as compras custeadas pela empresa e abatimento de acordo com a chegada de hóspedes em suas casas. Esse é um exemplo de comprometimento entre ambas as partes e faz o nativo perceber que não está sozinho nesse investimento. Com essas fontes de renda, o processo do turismo em bases sustentáveis no Vale do Pati se completa ao fomentar as práticas de preservação do ambiente natural, geração de renda e emprego, viabilidade às comunidades tradicionais em residir no seu território sociocultural e a experiência turística valorizada pela cultura e ambiente natural preservado. 44 45
  24. 24. venturas e aventuras Participação O Vale do Pati é atualmente operado por diversas outras empresas. Uma parceria significante com o governo, mas relativamente atual e não de base, é o programa de “Luz para Todos” que levou placas solares para essas casas para iluminar as áreas comuns (sala, cozinha e refeitório). Os quartos continuam com iluminação à vela e os banhos sem aquecimento. O treinamento e incentivos do Sebrae estão mais relacionados à comercialização, especialização e apoio em feiras/eventos, o que atinge as empresas e, indiretamente, os nativos. As parcerias são prioritariamente entre os moradores nativos do Vale do Pati e as agências de turismo que operam o roteiro de trekking na região. A relação de distribuição da demanda entre as casas e o pagamento pelos serviços prestados ocorre de forma satisfatória. Essa administração conjunta, entre agências e moradores locais, gera as vantagens que tornam essa iniciativa de sucesso, quais sejam: uma melhor qualidade de vida aos moradores locais por meio de uma atividade econômica não predatória; empoderamento da comunidade local em melhorias para a qualidade no atendimento ao turista por meio do sistema de investimentos por troca com serviços; ambiente natural conservado em consonância com as regras estabelecidas pelos órgãos federais, de acordo com o Plano de Manejo do Parque Nacional; e o valor cultural agregado à atividade de turismo, o que contribui para a experiência turística positiva no destino e promove ainda benefícios para as agências parceiras que possuem um produto de turismo em base sustentável para atender às demandas do mercado. 46 Educação para um turismo mais sustentável Categoria Essa atmosfera de cooperação e trabalho com objetivos em comum gera a educação para a sustentabilidade e comportamentos éticos na sociedade. A contribuição em termos de educação ambiental, também prevista no ecoturismo, ocorre justamente nessas trocas culturais de simplicidade e aceitação de diferenças. econômica Comunicação da iniciativa Principalmente ocorre por meio dos guias de turismo que estão em contato direto com os moradores locais e utilizam os serviços prestados. Existem a comunicação entre a empresa e os nativos e entre a empresa e os clientes, que incluem as fichas de avaliação como forma de comunicação sobre a experiência e sobre sugestões de gestão da atividade. A primeira parte da comunicação sobre a iniciativa ocorre no momento da venda do destino e roteiros do trekking no Vale do Pati. Sua importância enquanto o terceiro melhor trekking do mundo e melhor do Brasil (premiado diversas vezes por revistas de turismo como Viagem e Turismo, além do prêmio de melhor Roteiro Turístico Segmentado no 5º Salão do Turismo, pelo MTur) expressa a relevância de um planejamento em bases sustentáveis. Os meios de comunicação mencionados contribuem para a propaganda do roteiro e também ressaltam as medidas que foram tomadas para que esse roteiro se tornasse uma referência. 1º lugar hotel fazenda campo dos sonhos 2º lugar accor 3º lugar HOTEL blumenberg
  25. 25. lugar econômica hotel fazenda campo dos sonhos O Campo dos Sonhos ganhou grande destaque a partir de 2005, quando iniciou um trabalho pioneiro, juntamente com o Ministério do Turismo, sobre acessibilidade em turismo de aventura, tendo adaptado todo o local e atividades de lazer para receber pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida. O Projeto denominado Aventureiros Especiais desenvolveu vários manuais para a realização da disseminação do conhecimento, dentre eles: Manual do Gestor, O Bem Atender no Turismo Adaptado e Cartilha de Turismo de Aventura Especial. O Campo dos Sonhos participou diretamente na elaboração dos materiais didáticos, além de vários trabalhos de conclusão de cursos desenvolvidos por acadêmicos com foco nos trabalhos desenvolvidos no local quanto à sustentabilidade e acessibilidade. Por consequência desses trabalhos, a empresa recebeu em 2008 o Prêmio Sentidos como o melhor Projeto de Inclusão Social do país. Também em 2008 venceu o Prêmio Superação Empresarial - MPE Brasil, no Estado de São Paulo, na categoria Serviços de Turismo, tendo ficado entre os 4 finalistas da etapa nacional do MPE Brasil. Em 2010, recebeu a certificação em Sistema de Gestão de Segurança em conformidade com a norma ABNT NBR 15.331 com a chancela do INMETRO. Também foi a primeira empresa do país a ser certificada pela ABNT em Acessibilidade em Edificações Hoteleiras, seguindo a norma ABNT NBR 9050. 1º lugar – categoria econômica 1º Contexto e Justificativa da iniciativa A empresa utiliza as boas práticas de gestão pela qualidade desde sua fundação, tendo como base os conceitos econômicos e sociais formadores do turismo sustentável. Em 2011, recebeu o Prêmio de Hotel Sustentável do ano pelo Guia 4 Rodas Brasil, onde a avaliação das práticas de sustentabilidade aliada aos trabalhos de acessibilidade e inclusão social foram pontos decisivos para a premiação. Também em 2011, o empreendimento participou do MPE Brasil e foi vencedor, pela segunda vez, do Prêmio de Melhor Serviço de Turismo do Estado de São Paulo e conquistou também a categoria de empresa Destaque de Responsabilidade Social. Iniciativa apresentada Acessibilidade e Sustentabilidade no Turismo – Influenciando o desenvolvimento de um destino turístico. 48 Quando a empresa introduz a responsabilidade social no contexto do negócio, a princípio parece ser uma atuação filantrópica, no entanto, cada passo tomado nessa área contribui de maneira decisiva para que a empresa encontre na sociedade diversos mecanismos que levam a melhorias na competitividade, qualidade, gestão, inovação e sustentabilidade. Inúmeros exemplos de decisões de responsabilidade social que tomamos como o da contratação de colaboradores que residem próximos da empresa, resultando em menor rotatividade de mão de obra e, portanto, além do resultado social, gerando também um resultado econômico. Isto nos fez acreditar que toda ação de responsabilidade social gera resultados positivos para a empresa. 49

×