Transporte ferroviário brasileiro

33.616 visualizações

Publicada em

Transporte Ferroviário Brasileiro, neste trabalho mostra a história dele no Brasil e sobre determinandos assuntos e situações da malha ferroviária brasileira e projetos e/ou construções futuros.

Publicada em: Educação
1 comentário
14 gostaram
Estatísticas
Notas
  • ”Alternativa tecnicamente melhor para Tocantins, Goiás, Minas e São Paulo de expansão e trajeto da ferrovia Norte Sul EF-151 / EF-267”
    Proposta de extensão do trajeto para linha ferroviária Norte Sul, que além de mais vantajosa com relação à proposta original, que está planejada para passar pelos extremos oeste mineiro, Limeira do Oeste e Iturama, e paulista em Santa Fé do Sul e Fernandópolis em locais de baixas demandas e fluxo de cargas, além de um custo e tempo muito maior para a implantação e operação a se somar aos vários anos paralisadas, ela é extremamente benéfica, econômica, de mais rápida utilização e tecnicamente mais conveniente principalmente para uma região importantíssima em Minas, o Triângulo Mineiro, que de sua divisa com Goiás no município de Itumbiara como Monte Alegre de Minas, Prata e Frutal, até adentrar ao centro norte de São Paulo na cidade de Colômbia, se irá restaurar, reaproveitar e revitalizar praticamente 100% das malhas paulistas e mineiras existentes rumo ao interior que hoje se encontram ociosas ou subutilizadas, além do fato de terminar exatamente no mesmo local, o município de Panorama, podendo eventualmente ser utilizada para os futuros trens regionais de passageiros entre São Paulo e Brasília, algo que se torna inviabilizado se for mantida a atual proposta original política, ou ainda por Araguari, Uberlândia, Uberaba, Ribeirão Preto, Campinas, Jundiaí e São Paulo atualmente servidas por uma ferrovia particular, que poderá ser revigorada, uma vez que hoje funciona de forma precária a F.C.A. antiga Mogiana que recentemente devolveu centenas de km de linhas e utiliza a bitola métrica e poderá instalar a mista e que finalmente poderá ter sua ligação consistente com São Paulo rumo ao porto, que é logisticamente mais conveniente, evitando que haja um trajeto inútil “passeio” pelo interior, e mais centenas de km de ferrovias paulistas tenham o mesmo destino das devolvidas pela FCA, ou seja o sucateamento.
    O texto complementar completo referente ao estado de SP pode ser visto em “Abrir os gargalos” na Revista Ferroviária, ou em São Paulo TREM jeito, onde consta um mapa ilustrativo.
    “Como conseguir 700 km de ferrovias a custo mínimo” de Paulo Roberto Filomeno
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
33.616
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
26
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
939
Comentários
1
Gostaram
14
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • The black cat
  • The black cat
  • The black cat
  • The black cat
  • The black cat
  • Transporte ferroviário brasileiro

    1. 1. POR MARCELO CORDEIRO TRANSPORTE FERROVIÁRIO BRASILEIRO
    2. 2. TRANSPORTE FERROVIÁRIO <ul><li>Ideal para o transporte de mercadorias pesadas e que necessitam percorrer longas distâncias; </li></ul><ul><li>Transporta grande quantidades de passageiros; </li></ul><ul><li>Mais barato e mais ágil do que o rodoviário; </li></ul>
    3. 3. <ul><li>Primeira ferrovia: </li></ul><ul><li>Barão de Mauá na década de 1854, com distância de 16,1 km; </li></ul>HISTÓRIA
    4. 4. Companhia Inauguração do 1º trecho 1ª ferrovia Estrada de Ferro Recife ao São Francisco 8 de fevereiro de 1858 Pernambuco Estrada de Ferro Bahia ao São Francisco 28 de junho de 1860 Bahia São Paulo Railway 16 de fevereiro de 1867 São Paulo Companhia Baiana de Navegação 25 de março de 1868 Alagoas Estrada de Ferro de Baturité 14 de setembro de 1873 Ceará The Porto Alegre & New Hamburg Brazilian Railway Company 15 de abril de 1874 Rio Grande do Sul Estrada de Ferro Leopoldina 8 de outubro de 1874 Minas Gerais Estrada de Ferro Carangola 13 de junho de 1879 Espírito Santo
    5. 5. HISTÓRIA <ul><li>Evolução da rede ferroviária 1854 -1922 brasileira: </li></ul>Ano Extensão (km) 1854 16,1 1873 1011,7 1884 6116,0 1888 9.200 1889 9.538 1922 29.000 1940 34.207 1953 37.200
    6. 6. DECLÍNIO DA FERROVIA BRASILEIRA <ul><li>Na década de 1950, com chegada do modal rodoviário, as deficiências da rede ferroviária foram cada vez mais maiores, sendo que muitas companhias foram estatizadas para evitar uma série de falências. </li></ul><ul><li>A Era Estatal </li></ul><ul><li>Os Estados brasileiros unificou administrativamente em 1957 as ferrovias criando a Rede Ferroviária Federal (RFFSA), unificando 42 ferrovias, criando um sistema regional composto por 22 estradas de ferro. </li></ul><ul><li>São Paulo ficaram de fora da RFFSA, formando em 1971 a estatal Fepasa. </li></ul>
    7. 7. DECLÍNIO DA FERROVIA BRASILEIRA <ul><li>Crises do petróleo e econômica da década de 1980; </li></ul><ul><li>Investimentos em ferrovias foram sendo diminuídos, causando o sucateamento parcial de algumas ferrovias; </li></ul><ul><li>As dívidas da RFFSA e Fepasa não paravam de crescer e o governo decidiu pela concessão do transporte ferroviário de cargas à iniciativa privada; </li></ul><ul><li>Em 1992 a RFFSA entrou em liquidação. </li></ul>
    8. 9. NOVO DOMÍNIO DA FERROVIA <ul><li>Privatização </li></ul><ul><li>As linhas da RFFSA juntamente com a Fepasa foram divididas por várias empresas: </li></ul><ul><ul><li>América Latina Logística; </li></ul></ul><ul><ul><li>Novoeste; </li></ul></ul><ul><ul><li>Companhia Ferroviária do Nordeste; </li></ul></ul><ul><ul><li>Ferrovia Centro Atlântica; </li></ul></ul><ul><ul><li>Ferrovia Teresa Cristina; </li></ul></ul><ul><ul><li>MRS Logística. </li></ul></ul>
    9. 10. NOVO DOMÍNIO DA FERROVIA <ul><li>Em 2007, a Rede RFSSA é extinta oficialmente; </li></ul><ul><li>Atualmente o transporte de cargas entra uma boa fase, recuperando-se parcialmente das perdas durante o fim da era estatal. </li></ul>
    10. 11. TRANSPORTE FERROVIÁRIO <ul><li>A rede ferroviária brasileira possui 29.706 quilômetros de extensão (1121 eletrificados), espalhados por 22 (e o Distrito Federal) dos 26 estados brasileiros, sendo um dos últimos no ranking mundial, e o último comparados com: </li></ul><ul><ul><li>Rússia; </li></ul></ul><ul><ul><li>Canadá; </li></ul></ul><ul><ul><li>EUA; </li></ul></ul><ul><ul><li>Austrália; </li></ul></ul><ul><ul><li>México; </li></ul></ul>NO BRASIL
    11. 13. CARACTERÍSTICAS DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS <ul><li>Responsável por 24% do transporte de cargas; </li></ul><ul><li>São cargas típicas do modal ferroviário: </li></ul><ul><ul><li>Produtos Siderúrgicos; </li></ul></ul><ul><ul><li>Grãos; </li></ul></ul><ul><ul><li>Minério de Ferro; </li></ul></ul><ul><ul><li>Cimento e Cal; </li></ul></ul><ul><ul><li>Adubos e Fertilizantes; </li></ul></ul><ul><ul><li>Derivados de Petróleo; </li></ul></ul><ul><ul><li>Calcário; </li></ul></ul><ul><ul><li>Carvão Mineral e Clinquer; </li></ul></ul><ul><ul><li>Contêineres. </li></ul></ul>
    12. 14. TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS
    13. 15. CUSTO DE TRANSPORTE
    14. 16. POR QUE O BRASIL ADOTOU A UTILIZAÇÃO DAS RODOVIAS AO INVÉS DE FERROVIAS ? <ul><li>Entre 1870 e 1920, o Brasil viveu a “Era das ferrovias”, o crescimento médio das ferrovias era de 6.000 km por década, Até a década de 1950. </li></ul><ul><li>Juscelino Kubitschek preferiu investir nas rodovias ao invés das ferrovias, devido ao interesse político que existia na época em trazer a indústria automobilística para o País. </li></ul><ul><li>Crescimento desorganizado: </li></ul><ul><ul><li>Malhas diferentes de uma região para outra, dificultando a ligação; </li></ul></ul><ul><ul><li>Pequenas ferrovias dispersas e isoladas foram construídas por todo o território nacional, em pouco tempo entrava em falência; </li></ul></ul>
    15. 17. INVESTIMENTO NA ÁREA <ul><li>Nos últimos anos, o governo federal fez a criação do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). </li></ul><ul><li>Será priorizada o transporte ferroviário, com R$ 43,9 bilhões até 2014 e R$ 2,1 bi após. </li></ul><ul><li>Com essas melhorias, puderam gerar: </li></ul><ul><ul><li>Aumento do transporte de cargas e passageiros em 60%; </li></ul></ul><ul><ul><li>Empregos de cerca de 36.000 funcionários diretos e indiretos; </li></ul></ul><ul><ul><li>Aumento de 94% da produtividade dos vagões(milhões TKU / vagão). </li></ul></ul>
    16. 18. SITUAÇÃO DO BRASIL EM RELAÇÃO AOS OUTROS PAÍSES TRATANDO-SE DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO <ul><li>Fonte: Eixos do Desenvolvimento Brasileiro – Transporte Ferroviário de Cargas – IPEA (2010) </li></ul>
    17. 19. SITUAÇÃO DO BRASIL TRATANDO-SE DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO <ul><li>Fonte: Eixos do Desenvolvimento Brasileiro – Transporte Ferroviário de Cargas – IPEA (2010) </li></ul>
    18. 20. SITUAÇÃO DO BRASIL TRATANDO-SE DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO <ul><li>Fonte: Eixos do Desenvolvimento Brasileiro – Transporte Ferroviário de Cargas – IPEA (2010) </li></ul>
    19. 21. SITUAÇÃO DO BRASIL TRATANDO-SE DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO <ul><li>Fonte: Eixos do Desenvolvimento Brasileiro – Transporte Ferroviário de Cargas – IPEA (2010) </li></ul>
    20. 22. SITUAÇÃO DO BRASIL SE TRATANDO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO <ul><li>Fonte: Eixos do Desenvolvimento Brasileiro – Transporte Ferroviário de Cargas – IPEA (2010) </li></ul>
    21. 23. SITUAÇÃO DO BRASIL TRATANDO-SE DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO <ul><li>Fonte: Eixos do Desenvolvimento Brasileiro – Transporte Ferroviário de Cargas – IPEA (2010) </li></ul>
    22. 24. PROJETOS <ul><li>Ferrovias em construção ou projeto </li></ul><ul><ul><li>Volta dos trilhos – Revitalização; </li></ul></ul><ul><ul><li>Trem de Alta velocidade (TAV) – Em projeto; </li></ul></ul><ul><ul><li>Ferrovia Norte-Sul (EF-151, EF-267) – Em construção; </li></ul></ul><ul><ul><li>Ferrovia Centro-Oeste (EF-354) – Em projeto; </li></ul></ul><ul><ul><li>Ferrovia Leste-Oeste (EF-334) - Em construção; </li></ul></ul><ul><ul><li>Nova Transnordestina - Concessão da Transnordestina Logística S.A, Em construção; </li></ul></ul><ul><ul><li>Uruaçu - Vilhena (EF-246) - Em projeto; </li></ul></ul><ul><ul><li>Heval d’Oeste – Itajaí (EF-280) - Em projeto; </li></ul></ul><ul><ul><li>Litorânea Sul (EF-451) - Em projeto. </li></ul></ul>
    23. 25. Projeto Volta dos trilhos (Revitalização)
    24. 26. PROJETO VOLTA DOS TRILHOS (REVITALIZAÇÃO) <ul><li>Construir pequenos trechos de linha férrea, que liguem a linha principal a locais de produção; </li></ul><ul><li>Revitalização (modernização e reconstrução) da malha ferroviária já existente. </li></ul>
    25. 27. Rio de Janeiro – São Paulo - Campinas PROJETO TAV BRASIL
    26. 28. TREM DE ALTA VELOCIDADE (TAV) <ul><li>Linhas e sistemas projetados, construídos e implantados para operação de trens capazes de desenvolver velocidades iguais ou superiores a 300 km/h. </li></ul>
    27. 29. TREM DE ALTA VELOCIDADE (TAV) <ul><li>Ligará as cidades do Rio de Janeiro e de São Paulo, com um trecho adicional até Campinas (SP). </li></ul><ul><li>Terá um percurso total de 511 km. </li></ul><ul><li>A previsão é de que o trem percorra o trajeto entre Rio e São Paulo em cerca de 1h30. </li></ul><ul><li>Custará R$ 33 bilhões, mas poderá chegar a R$ 50 bilhões. </li></ul><ul><li>Conclusão do projeto prevista para 2014. </li></ul>
    28. 31. VANTAGENS DO TREM DE ALTA VELOCIDADE (TAV) <ul><li>Redução de gargalos dos sistemas aéreos, rodoviário (automóveis e ônibus); </li></ul><ul><li>Contribuição para redução dos níveis de congestionamento, do número de acidentes em rodovias e áreas urbanas; </li></ul><ul><li>Área de indução de desenvolvimento regional, com intensa geração de empregos diretos e indiretos; </li></ul><ul><li>Redução da emissão de gases poluentes; </li></ul><ul><li>Redução dos tempos de viagem. </li></ul>
    29. 32. TREM DE ALTA VELOCIDADE (TAV) <ul><li>O projeto de implantação do TAV Brasil, coloca o país em linha com as principais nações do mundo no que se refere a um sistema de transporte de passageiros: </li></ul><ul><li>Moderno; </li></ul><ul><li>Seguro; </li></ul><ul><li>Eficiente. </li></ul>
    30. 33. FERROVIA TRANSCONTINENTAL <ul><ul><li>Ferrovia Norte-Sul (EF-151, EF-267); </li></ul></ul><ul><ul><li>Ferrovia Centro-Oeste (EF-354); </li></ul></ul><ul><ul><li>Ferrovia Leste-Oeste (EF-334); </li></ul></ul>
    31. 34. FERROVIA NORTE-SUL (EF-151, EF-267)
    32. 35. FERROVIA NORTE-SUL (EF-151, EF-267) <ul><li>Ferrovia Norte-Sul terá, quando concluída, 3.100 quilômetros de extensão. </li></ul><ul><li>Passará os estados de Pará, Maranhão, Tocantins, Goiás, Minas Gerais, São Paulo e Mato Grosso do Sul. </li></ul><ul><li>Está quase concluída, últimos trecho a ser construído: Belém (PA) - Açailândia (MA) – 493 km e Estrela D'Oeste (SP) - Panorama (SP) – 690 km </li></ul><ul><li>Área de influência: cerca de 1,8 milhão de km² propícios à agricultura, pecuária, além de algumas das maiores reservas minerais do país. </li></ul>
    33. 36. FERROVIA NORTE-SUL (EF-151, EF-267) <ul><li>OBJETIVOS DO PROJETO: </li></ul><ul><li>Implementar um eixo de transporte entre as regiões Norte e Sul do país que constitua: </li></ul><ul><ul><li>Uma alternativa mais econômica para os fluxos de longa distância hoje existentes; </li></ul></ul><ul><ul><li>Uma logística exportadora competitiva através do Porto de Itaqui (MA); </li></ul></ul><ul><ul><li>Um empreendimento indutor da ocupação econômica do cerrado brasileiro. </li></ul></ul>
    34. 37. FERROVIA NORTE-SUL (EF-151, EF-267) <ul><li>Principais mercadorias transportadas: </li></ul><ul><ul><ul><li>Grãos e farelos; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Óleo de soja; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Adubos e fertilizante; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Álcool; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Derivados de pet; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Açúcar; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Algodão; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Cimento; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Carga geral. </li></ul></ul></ul>
    35. 38. FERROVIA NORTE-SUL (EF-151, EF-267)
    36. 39. FERROVIA NORTE-SUL (EF-151, EF-267)
    37. 40. FERROVIA NORTE-SUL (EF-151, EF-267)
    38. 41. FERROVIA NORTE-SUL (EF-151, EF-267)
    39. 42. VÍDEO FERROVIA NORTE-SUL EXTENSÃO SUL
    40. 43. FERROVIA INTEGRAÇÃO CENTRO OESTE (FICO) - (EF-354)
    41. 44. FERROVIA INTEGRAÇÃO CENTRO OESTE (FICO) - (EF-354) <ul><ul><li>Estados por onde vai passar o FICO: Goiás, Mato Grosso, Rondônia. </li></ul></ul><ul><ul><li>A construção de 1.638 quilômetros de ferrovia entre Campinorte/GO e Vilhena/RO. </li></ul></ul><ul><ul><li>Trecho total: 1.638 km. </li></ul></ul><ul><ul><li>Investimento total previsto: R$ 6,4 bilhões. </li></ul></ul><ul><ul><li>Se interligará com a ferrovia Norte-Sul. </li></ul></ul>
    42. 45. FERROVIA INTEGRAÇÃO CENTRO OESTE (FICO) - (EF-354) <ul><li>OBJETIVOS DO PROJETO: </li></ul><ul><ul><li>Contemplará uma das regiões mais prósperas na produção de grãos e carne. </li></ul></ul><ul><ul><li>Dará novo impulso para o desenvolvimento dos estados de Mato Grosso, Rondônia e o sul dos estados do Pará e Amazonas. </li></ul></ul><ul><ul><li>Aumento da produção de grãos, açúcar, álcool e carne, redução dos custos no transporte de cargas, com acesso mais rápido a vários portos. </li></ul></ul><ul><ul><li>Deverá atrair grandes projetos e investimentos da iniciativa privada e, por conseguinte, gerar empregos, renda e melhoria da qualidade de vida para os habitantes. </li></ul></ul>
    43. 46. VÍDEO FICO - FERROVIA DE INTEGRAÇÃO CENTRO-OESTE
    44. 47. FERROVIA LESTE-OESTE (EF-334)
    45. 48. FERROVIA LESTE-OESTE (EF-334) <ul><li>Ligará Ilhéus (BA) a Figueiropólis no estado do Tocantins, cortando toda a Bahia no sentido Leste-Oeste. </li></ul><ul><li>Extensão de 1.400 quilômetros. </li></ul><ul><li>Geração de cerca de 30 mil empregos diretos e indiretos. </li></ul><ul><li>A estimativa é de R$ 6 bilhões (valor total) e de aproximadamente R$ 4,2 bilhões no trecho baiano. </li></ul>
    46. 49. FERROVIA LESTE-OESTE (EF-334) <ul><li>Área de influência da ferrovia: </li></ul><ul><li>Trecho na Bahia = 1.100 km </li></ul><ul><li>Municípios: Guanambi, Malhada, Palmas de Monte Alto, Barreiras, Bom Jesus da Lapa, Carinhanha, Riacho de Santana, Serra do Ramalho, Brumado, Caetité, Ibiassucê, Lagoa Real, Pindaí, Ilhéus. </li></ul>
    47. 50. FERROVIA LESTE-OESTE (EF-334) <ul><li>As vantagens da construção para o Estado da Bahia: </li></ul><ul><li>Redução de custos do transporte de insumos e produtos diversos; </li></ul><ul><li>Aumento da competitividade dos produtos do agronegócio; </li></ul><ul><li>A possibilidade de implantação de novos pólos agroindustriais e de exploração de minérios aproveitando sua conexão com a malha ferroviária nacional. </li></ul>
    48. 51. FERROVIA LESTE-OESTE (EF-334) <ul><li>Área de influência da ferrovia: </li></ul><ul><li>Trecho no Tocantins = 400 km </li></ul><ul><li>Municípios: Alvorada, Arraias, Aurora do Tocantins, Combinado, Conceição do Tocantins, Figueirópolis, Gurupi, Lavandeira, Novo Alegre, Paraná, Peixe, Ponte Alta do Bom Jesus, Sucupira, Taguatinga e Taipas do Tocantins, além de Campos Belos (GO). </li></ul>
    49. 52. FERROVIA LESTE-OESTE (EF-334) <ul><li>Fonte: VALEC (2011) </li></ul>
    50. 53. VÍDEO FERROVIA OESTE-LESTE

    ×