Levantamento de 2 anos de Actividade 
Dr. Pedro Henriques 
Interno da Especialidade de Cirurgia Geral 
Dr. Manuel Parreira...
Métodos do trabalho: 
Estudo retrospectivo das consultas de Pé Diabético desde 
Agosto de 2009 a Setembro de 2011. 
Cons...
Definição de Pé Diabético: 
Pé diabético: é a situação de infecção, ulceração e/ou 
também a destruição de tecidos profun...
Epidemiologia : 
380 milhões de diabéticos em 2025 
2-5% desenvolvem úlcera do pé anualmente 
Prevalência da ulceração ...
Objectivos da consulta do Pé 
Diabético: 
Criação de equipa multidisciplinar 
Educação dos pacientes e familiares quanto...
Epidemiologia : 
Atinge cerca de 15% da população diabética 
Atinge > 20 % da população com >60 anos 
A incidência anua...
Consulta Pé Diabético: 
Consulta multidisciplinar aberta desde Agosto de 2009 e 
que integra: 
Cirurgião Geral 
Interni...
Consulta Pé Diabético: 
Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
Consulta Pé Diabético : 
O nº total de doentes observados em consulta: 
Sexo ♀ = 98 ( 40%) 
Sexo ♂ = 147 ( 60 %) 
TOTA...
Consulta do Pé Diabético: 
Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
Consulta do pé diabético: 
Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
Consulta do pé diabético: 
Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
Entidades Clínicas do Pé Diabético: 
-Estudo de 119 doentes dos 124 que apresentam lesões : 
( 5 doentes excluídos ) 
Pé N...
Caracterização da população dos 
119 doentes com pé diabético: 
Pé Neuropático Pé Neuroisquémico 
Nº de doentes 63 56 
Ida...
PPéé NNeeuurrooppááttiiccoo PPéé 
NNeeuurrooiissqquuéémmiiccoo 
EEttiioollooggiiaa DDeeggeenneerreessccêênncciiaa 
aaxxoon...
Comparação do tipo de lesão na 
população com pé diabético: 
Tipo de lesão Pé neuropático Pé Neuroisquémico 
Superficial 4...
Feridas superficiais neuropáticas 
Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
Feridas profundas neuropática e 
neuroisquémica 
Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
Feridas profundas 
neuroisquémicas 
Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
Necrose em doente neuropático 
Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
Mal perfurante 
plantar típico 
Úlcera profunda por baixo 
desta calosidade 
Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
Ferida Neuropática 
Superficial 
Sem infecção 
Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
Ferida Necrótica 
Neuropática 
Infectada 
Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
Ferida Neuropática 
Profunda 
Sem necrose 
Infecção controlada 
Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
Ferida Neuropática 
Superficial 
Em vias de cura 
Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
Retalho cutâneo 
Doente neuropática com DM 
tipo 1 
Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
Factores de Risco para amputação : 
Neuropatia periférica 
Doença vascular periférica 
Microangiopatia (atinge a túnica...
Factores de Risco Sistémicos : 
Duração da Diabetes Mellitus superior a 10 anos 
Hiperglicemia 
Doença arterial perifér...
Factores de Risco Locais : 
Neuropatia periférica - ausência de dor ao trauma 
Deformação estrutural do pé congénita ou ...
Deformação 
Status pós-amputação 
digital 
Hallux valgus, Cavalgamento 
e ulcera superficial ante-pé 
Vilamoura, 19 de Nov...
Úlceras neuropáticas 
Típico: Mal perfurante Raro : Pé de Charcot 
Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
Outras lesões 
Calosidades Dedos em garra 
Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
Prevenção: 
1. Inspecção e exame frequente do pé em consulta 
multidisciplinar 
2. Avaliação do grau de risco 
3. Educação...
Calçado 
Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
Abordagem terapêutica: 
Terapêutica conservadora: 
Pensos 
Controlo metabólico 
Desbridamentos cirúrgicos 
Controlo d...
Abordagem terapêutica: 
Pé 
neuropático 
Pé 
neuroisquémico TOTAL 
Conservadora 51 (81%) 42 (75%) 93 (78,1%) 
Amputação mi...
Evolução do nº Amputações major 
a nível Nacional: 
 in Relatório Anual do Observatório da Diabetes em Portugal, 2010 
Vi...
Amputações dos M.Inferiores : 
Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
Evolução do nº de Amputações em 
Diabéticos: 
In Plano de Desempenho da ACES Sotavento, 2011 
Vilamoura, 19 de Novembro d...
Evolução do nº de Amputações 
major em Diabéticos: 
In Plano de Desempenho da ACES Sotavento, 2011 
Vilamoura, 19 de Nove...
Complicações na Diabetes: 
Causas de Internamento em Diabéticos Algarve Continente 
DM c/ Manifestações Oftálmicas 10% 24%...
Amputações da Região do Algarve 2010 
A consulta do Pé do HDF efectuou 117 primeiras consultas 
no ano de 2010. 
Efectua...
Conclusão: 
O pé diabético é um problema de saúde pública 
A consulta tem vindo a aumentar progressivamente a 
sua área ...
Implicações da Troika na consulta 
de Pé Diabético!!! 
Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
$$$ 
Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
$$$ 
Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
Vias de Extinção? Médicos a mais? 
Médico e enfermeiro DEDICADO? 
Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
Comemoração 35 anos do SNS? 
Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
Esperança e trabalho 
Obrigado 
Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Consulta do pé diabético (pedro pc's conflicted copy 2011-11-18)teste

497 visualizações

Publicada em

Diabetic foot

Publicada em: Saúde e medicina
1 comentário
1 gostou
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
497
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
1
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Consulta do pé diabético (pedro pc's conflicted copy 2011-11-18)teste

  1. 1. Levantamento de 2 anos de Actividade Dr. Pedro Henriques Interno da Especialidade de Cirurgia Geral Dr. Manuel Parreira Assistente Graduado de Cirurgia Geral Hospital de Faro, E.P.E.
  2. 2. Métodos do trabalho: Estudo retrospectivo das consultas de Pé Diabético desde Agosto de 2009 a Setembro de 2011. Consulta dos processos clínicos dos doentes consultados neste período, divididos em quatro subgrupos de acordo com o risco (de 1 a 4 - Consenso Internacional) escolhendo-se um subgrupo de 119 doentes com lesões nos pés (úlcera/infecção) Nestes doentes com lesão diferenciou-se o Pé Neuropático e o Pé Neuroisquémico, com base nos testes com o monofilamento, diapasão a palpação dos pulsos periféricos e a medição do IPTB, ou da pressão sistólica registou-se o tipo de ferida, a eventual causa da lesão e utilizou-se a Classificação PEDIS (perfusão, extensão, profundidade, infeção e sensibilidade) Classificação do risco de Amputação de acordo com as características da lesão, levando em linha de conta que a lesão quando em presença de DAP e Infecção a taxa de amputação é a maior e na ausência das duas a menor, na presença de neuropatia Comparação dos resultados da consulta com as estatísticas nacionais. Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
  3. 3. Definição de Pé Diabético: Pé diabético: é a situação de infecção, ulceração e/ou também a destruição de tecidos profundos dos pés, associados com anormalidades neurológicas (paneuropatia) e vários graus de doença vascular periférica no membro inferior.” *DEFINIÇÃO DA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
  4. 4. Epidemiologia : 380 milhões de diabéticos em 2025 2-5% desenvolvem úlcera do pé anualmente Prevalência da ulceração de 4 a 25% 50% das amputações dos membros inferiores não traumáticas são em diabéticos 85% destas são precedidas de úlcera do pé Risco de amputação é 15 vezes maior no diabético International Consensus on the Diabetic Foot, IWGDF, IDF, 1999 Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
  5. 5. Objectivos da consulta do Pé Diabético: Criação de equipa multidisciplinar Educação dos pacientes e familiares quanto ao risco Sensibilização dos profissionais de saúde Identificação precoce das lesões de risco, isquémicas ou neuropáticas Tratamento eminentemente preventivo, evitando as complicações Classificar o paciente quanto ao grau de risco Propiciar melhores condições para reintegração do doente no ambiente familiar e social Contribuir para a optimização do leito hospitalar Redução das amputações em 50% Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
  6. 6. Epidemiologia : Atinge cerca de 15% da população diabética Atinge > 20 % da população com >60 anos A incidência anual de úlcera ou infecção é de 2 a 3% 2-3% dos doentes com pé diabético sofrem amputações pela coxa ou pela perna – amputação major. Passados 5 anos após a 1º amputação > 66 % são submetidos a nova amputação major. Doentes com > 65 anos tem > 60 % das amputações. Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
  7. 7. Consulta Pé Diabético: Consulta multidisciplinar aberta desde Agosto de 2009 e que integra: Cirurgião Geral Internista Consulta Nível 2 Enfermeiro Especialista Fisioterapeuta Ortopedista Objectivos: - avaliação doentes com patologia ulcerosa, isquémica ou com infecção e ou necrose - necessidade de desbridamento ou internamento Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
  8. 8. Consulta Pé Diabético: Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
  9. 9. Consulta Pé Diabético : O nº total de doentes observados em consulta: Sexo ♀ = 98 ( 40%) Sexo ♂ = 147 ( 60 %) TOTAL (n) = 245 doentes Diabéticos tipo 1 – 35 ( 14, 6%) Diabéticos tipo 2 -210 ( 84,95%) Idade dos doentes seguidos em consulta:  A idade mais baixa é de 18 anos e a mais elevada é de 95 anos  A média da idade é de 63 ± 13,5 anos Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
  10. 10. Consulta do Pé Diabético: Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
  11. 11. Consulta do pé diabético: Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
  12. 12. Consulta do pé diabético: Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
  13. 13. Entidades Clínicas do Pé Diabético: -Estudo de 119 doentes dos 124 que apresentam lesões : ( 5 doentes excluídos ) Pé Neuropático 53%( n=63) Quente Pé Neuroisquémico 47 %(n=56) Frio Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
  14. 14. Caracterização da população dos 119 doentes com pé diabético: Pé Neuropático Pé Neuroisquémico Nº de doentes 63 56 Idade Média 61,8 anos 69,5 anos Mulher 30,2% 35,7% Homem 69,8% 64,3% DM tipo 1 14,3 % 7% DM tipo 2 85,7% 93% Duração diabetes 15 anos 17 anos Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
  15. 15. PPéé NNeeuurrooppááttiiccoo PPéé NNeeuurrooiissqquuéémmiiccoo EEttiioollooggiiaa DDeeggeenneerreessccêênncciiaa aaxxoonnaall tteerrmmiinnaall ee bbiillaatteerraall OOcclluussããoo,, eesstteennoossee aarrtteerriiaall PPuullssooss ((TT..PP.. ee PPeeddiioossoo)) 11 oouu 22 ppuullssooss ppaallppáávveeiiss AAuusseenntteess PPeellee SSeeccaa ((aanniiddrroossee)) ee ddeessccaammaattiivvaa ((ppaarraalliissiiaa SSNNSS)) FFiinnaa,, vviioolláácceeaa,, ppaalliiddeezz,, rroossáácceeaass cciiaannóóttiiccaass SSeennssiibbiilliiddaaddee:: -- PPrreessssããoo -- VViibbrraattóórriiaa AAuussêênncciiaa nnoo hhaalllluuxx AAuussêênncciiaa nnoo mmaallééoolloo eexxtteerrnnoo PPrreesseennttee oouu aauusseennttee PPrreesseennttee oouu aauusseennttee CCoommpplliiccaaççããoo ÚÚllcceerraa nneeuurrooppááttiiccaa,, iinnddoolloorr,, zzoonnaass ddee hhiippeerrpprreessssããoo ssoobbrree oo ppéé ÚÚllcceerraa nneeccrróóttiiccaa,, ddoolloorroossaa;; ddoorrssoo ddoo hhaalllluuxx,, jjooaanneettee SSaassttrree,, ccaallccaannhhaarr Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
  16. 16. Comparação do tipo de lesão na população com pé diabético: Tipo de lesão Pé neuropático Pé Neuroisquémico Superficial 43 32 Profundo com tendão/osso 16 12 Necrose 4 12 Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
  17. 17. Feridas superficiais neuropáticas Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
  18. 18. Feridas profundas neuropática e neuroisquémica Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
  19. 19. Feridas profundas neuroisquémicas Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
  20. 20. Necrose em doente neuropático Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
  21. 21. Mal perfurante plantar típico Úlcera profunda por baixo desta calosidade Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
  22. 22. Ferida Neuropática Superficial Sem infecção Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
  23. 23. Ferida Necrótica Neuropática Infectada Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
  24. 24. Ferida Neuropática Profunda Sem necrose Infecção controlada Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
  25. 25. Ferida Neuropática Superficial Em vias de cura Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
  26. 26. Retalho cutâneo Doente neuropática com DM tipo 1 Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
  27. 27. Factores de Risco para amputação : Neuropatia periférica Doença vascular periférica Microangiopatia (atinge a túnica média) Macroangiopatia Deformação do pé Trauma Infecção Hiperglicemia Idade do doente e duração da diabetes “2 ou mais factores de risco levam ao aparecimento da lesão, é multifactorial” Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
  28. 28. Factores de Risco Sistémicos : Duração da Diabetes Mellitus superior a 10 anos Hiperglicemia Doença arterial periférica, mais frequente no diabético e quando presente deve ser tratada precocemente Amaurose ou diminuição da acuidade visual Nefropatia diabética Idade superior a 60 anos Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
  29. 29. Factores de Risco Locais : Neuropatia periférica - ausência de dor ao trauma Deformação estrutural do pé congénita ou adquirida (neuropatia motora e atrofia da musculatura intrínseca, alteração da biomecânica do pé com dedos em garra e em martelo e aumento da pressão na cabeça dos MT, falanges, tornozelo equino) Trauma e sapatos inadequados: factor desencadeante Calosidades resultantes da sobrecarga Antecedentes de úlcera ou amputação Mecanismo de pressão plantar exagerada levam a deslocação das almofadas plantares, pressão áreas ósseas Limitação da mobilidade articular por glicolização do colagénio (encurtamento dos tendões, ligamentos e cápsulas articulares assim como a fascia plantar espessada) Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
  30. 30. Deformação Status pós-amputação digital Hallux valgus, Cavalgamento e ulcera superficial ante-pé Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
  31. 31. Úlceras neuropáticas Típico: Mal perfurante Raro : Pé de Charcot Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
  32. 32. Outras lesões Calosidades Dedos em garra Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
  33. 33. Prevenção: 1. Inspecção e exame frequente do pé em consulta multidisciplinar 2. Avaliação do grau de risco 3. Educação do doente e familiares e dos profissionais de saúde 4. Utilização de calçado apropriado 5. Tratamento da patologia não ulcerativa no doente de risco “Mais que tratar do pé diabético há que cuidar dos pés dos diabéticos” Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
  34. 34. Calçado Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
  35. 35. Abordagem terapêutica: Terapêutica conservadora: Pensos Controlo metabólico Desbridamentos cirúrgicos Controlo da infecção Tratamento cirúrgico : Amputações  minor :  Dedos  Transmetatársicas  Lisfranc  Chopart  major:  Amputação de Syme  Transtibial e femoral, vulgo abaixo do joelho e da coxa ou acima do joelho Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
  36. 36. Abordagem terapêutica: Pé neuropático Pé neuroisquémico TOTAL Conservadora 51 (81%) 42 (75%) 93 (78,1%) Amputação minor 9 (14,3%) 6(10,7%) 15 (12,6%) Amputação major 3 (4,7%) 8(14,3%) 11 (9,2%) Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
  37. 37. Evolução do nº Amputações major a nível Nacional:  in Relatório Anual do Observatório da Diabetes em Portugal, 2010 Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
  38. 38. Amputações dos M.Inferiores : Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
  39. 39. Evolução do nº de Amputações em Diabéticos: In Plano de Desempenho da ACES Sotavento, 2011 Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
  40. 40. Evolução do nº de Amputações major em Diabéticos: In Plano de Desempenho da ACES Sotavento, 2011 Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
  41. 41. Complicações na Diabetes: Causas de Internamento em Diabéticos Algarve Continente DM c/ Manifestações Oftálmicas 10% 24% DM c/ Alterações Circulatórias Periféricas 26% 18% DM c/ Cetoacidose 19% 13% Doentes Saídos por Pé Diabético por 100.000 habitantes 23,5 18,5 Amputação Minor por 100.000 habitantes 3,5 7,5 Amputação Major por 100.000 habitantes 12,2 8,5 Doseamento de HbA1c - Média por Utente USF 8,3 7,8 Diabéticos com registo de observação do pé USF 52% 68,6% Total de Amputações Minor e Major 68 1620 DGS 2009 Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
  42. 42. Amputações da Região do Algarve 2010 A consulta do Pé do HDF efectuou 117 primeiras consultas no ano de 2010. Efectuaram-se 343 consultas no total dos quais 70 doentes acabaram por ser amputados. Nas consultas de diabetes das USF só 52% dos doentes é que tinham registo de observação do pé em 2010. Fontes: GDH e Consulta Externa do Hospital de Faro Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
  43. 43. Conclusão: O pé diabético é um problema de saúde pública A consulta tem vindo a aumentar progressivamente a sua área de intervenção O reconhecimento cada vez mais precoce dos pés em risco vai diminuir a amputação major Amputar também significa tratar a patologia diabética; a amputação não é sempre negativa O esforço DE TODOS, sem qualquer dúvida, visa diminuir a taxa de amputações major Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
  44. 44. Implicações da Troika na consulta de Pé Diabético!!! Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
  45. 45. $$$ Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
  46. 46. $$$ Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
  47. 47. Vias de Extinção? Médicos a mais? Médico e enfermeiro DEDICADO? Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
  48. 48. Comemoração 35 anos do SNS? Vilamoura, 19 de Novembro de 2011
  49. 49. Esperança e trabalho Obrigado Vilamoura, 19 de Novembro de 2011

×