António Feliciano de Castilho (1800 – 1875)
ESCOLA LITERÁRIA: ROMANTISMO (FINAL DO SÉCULO XVIII – XIX)
Vida do Autor (1800)
Nasceu a 28 de janeiro, em Lisboa, Portugal. Numa casa da velha rua da Torre de S. Roque.
Segundo fil...
A velha rua da Torre de S. Roque
Casa onde nasceu Castilho. Hoje, a rua têm o nome de S. Pedro de Alcântara.
Mãe de Castilho
Domitília Máxima da Silva
Vida do Autor (1801 – 1809)
Passou sua infância em Lisboa e seus arredores, especificamente na casa dos azulejos, ou no bu...
Arredores de Lisboa
Segundo quartel do século XIX
A-da-Beja
Região de Lisboa, lugarejo à 13 Km ao norte de Lisboa.
Vida do Autor (1810 – 1816)
Entre 1810 e 1815 frequenta, com os irmãos Adriano e Augusto, a Real Escola Literária do Bairr...
António Feliciano de Castilho
Aos 17 anos de idade
Vida do Autor (1817 – 1826)
Passou o período universitário, na região de Coimbra. Tem ávida participação em récitas públic...
Lapa dos esteios, Coimbra
Margens do Rio Mondego
Vida do Autor (1827 – 1834)
Em meio à perseguições políticas e a violência generalizada da revolução de 1820 (até 1828), e...
A revolução de 1820 (até 1828)
Foram 8 anos durante os quais Portugal viveu tempos difíceis. E desta, sucedeu a Guerra Civ...
António Feliciano de Castilho
Aos 26 anos de idade
Vida do Autor (1835 – 1846)
Com o fim da Guerra Civil Portuguesa, D. Maria Isabel Baena, uma de suas leitoras, veio a casa...
Salão Literário no Primeiro Romantismo
Assembleia Literária (1835-1846)
Publicou tudo o que tinha preparado antes, reuniu e atualizou coletâneas, acedeu à influência das
revistas e jornais sobre...
António Feliciano de Castilho
Aos 36 anos de idade
Vida do Autor (1847 – 1855)
Preocupado com o analfabetismo da população portuguesa, partiu para Ponta Delgada, iniciou uma...
Método Português de Castilho
Vida do Autor (1856-1875)
Pretendendo alargar o uso a todo o mundo lusófono (português), em 1855 foi ao Brasil com o intui...
António Feliciano de Castilho com 74 anos
Visconde de Castilho
D. litogr., 1874
Colecção de estampas
BN E. 276 P.
Características da Escola Literária
Romantismo em Portugal
Durante o século XIX, Portugal participou de grandes transforma...
Segunda geração romântica portuguesa
- Mal do século;
- Excessos do subjetivismo e do emocionalismo românticos;
- Irracion...
Terceira geração romântica portuguesa
- Diluição das características românticas;
- Pré-realismo.
Principais autores:
- Joã...
Obras do Autor
Poesia Prosa
A Primavera. Lisboa, 1822 Quadros históricos de Portugal. Lisboa, 1838
A Noite do Castelo e Os...
Obras do Autor
Tradução Poética Ensaio
As Metamorfoses, de Ovídio. Lisboa, 1841 Conversação preambular. Lisboa, 1862
Tradu...
Obras do Autor
Didática
Felicidade pela agricultura. Lisboa, 1849
Felicidade pela instrução. Lisboa, 1854
Método Castilho ...
Poesia para crianças
Invocação à Deus antes de começar o
estudo
(António Feliciano de Castilho)
Tu, cujo amor em cânticos
...
Poema – Fábula
Quem poupa as árvores encontra
tesouros
(António Feliciano de Castilho)O vizinho Milão, que hoje é tão rico...
Já sou mulherzinha; / Já trago sombreiro;
Já bailo ao domingo / Co’as mais no terreiro.
Nos serões já canto, / Nas feiras ...
Fontes/Links
http://www.museusaopedro.org/autores/afc/bio.htm
http://www.portaldaliteratura.com/autores.php?autor=169
http...
António Feliciano de Castilho
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

António Feliciano de Castilho

286 visualizações

Publicada em

Apresentação em slides da vida e obra do autor António Feliciano de Castilho (1800-1875) da escola literária do Romantismo Português Século XVIII-XIX

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
286
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

António Feliciano de Castilho

  1. 1. António Feliciano de Castilho (1800 – 1875) ESCOLA LITERÁRIA: ROMANTISMO (FINAL DO SÉCULO XVIII – XIX)
  2. 2. Vida do Autor (1800) Nasceu a 28 de janeiro, em Lisboa, Portugal. Numa casa da velha rua da Torre de S. Roque. Segundo filho e primeiro varão do médico José Feliciano de Castilho, e de Domitília Máxima da Silva. Matriz familiar de feição tradicionalista, devota e monárquica. Lísboa - 2º quartel do séc. XIX Lisbonne (vue prise du fort Almada) Aubert, pai, ca. 1830 Colecção de estampas, est. 2 BN EA. 273 (2) A.
  3. 3. A velha rua da Torre de S. Roque Casa onde nasceu Castilho. Hoje, a rua têm o nome de S. Pedro de Alcântara.
  4. 4. Mãe de Castilho Domitília Máxima da Silva
  5. 5. Vida do Autor (1801 – 1809) Passou sua infância em Lisboa e seus arredores, especificamente na casa dos azulejos, ou no bucólico lugar de A-da- Beja para onde a família se refugia por causa das invasões francesas comandadas por Junot. Aos 6 anos de idade, inicia a instrução primária na escola de meninos do mestre Eusébio. No inverno de 1806-1807, vítima de um violento contágio de sarampo, fica irreparavelmente cego. Casa dos Azulejos Quinta dos Azulejos (no Paço do Lumiar) tal como era ainda em 1862 Júlio de Castilho, 1862 In A Chave do Enigma, 1903 BN L. 10629//2 P.
  6. 6. Arredores de Lisboa Segundo quartel do século XIX
  7. 7. A-da-Beja Região de Lisboa, lugarejo à 13 Km ao norte de Lisboa.
  8. 8. Vida do Autor (1810 – 1816) Entre 1810 e 1815 frequenta, com os irmãos Adriano e Augusto, a Real Escola Literária do Bairro Alto, onde aprofunda os estudos de Latim e retórica. A partir de 1816, começa a frequentar o Mosteiro de Jesus, onde tem aulas de filosofia racional e moral. Em sua adolescência, tem uma admiração arcádica sob António Ribeiro dos Santos e Agostinho de Macedo, e datam os seus primeiros assomos poéticos, que permaneceram inéditos ou foram destruídos. Personificação neoclássica da Poesia Poesis picta in fornice imminet Parnaso Rafael Morgan, meados-finais séc. XVIII, grav. italiana Colecção de estampas BN E. 661 A.
  9. 9. António Feliciano de Castilho Aos 17 anos de idade
  10. 10. Vida do Autor (1817 – 1826) Passou o período universitário, na região de Coimbra. Tem ávida participação em récitas públicas (nas quais distribui folhetos), e outeiros estudantis, principalmente os da “sociedade dos amigos da primavera” na Lapa dos esteios à beira do Mondego. Polemiza em famosas disputas arcádicas entre bocagianos (ao qual se incluía) e filintistas. Faz grandes produções poéticas, ditadas ao seu irmão Augusto, com quem tem uma grande ligação e uma certa dependência. Região de Coimbra - 1º quartel do séc. XIX City of Coimbra Thomas Saint-Clair, 1815 Colecção de estampas BN E. 1586 V.
  11. 11. Lapa dos esteios, Coimbra
  12. 12. Margens do Rio Mondego
  13. 13. Vida do Autor (1827 – 1834) Em meio à perseguições políticas e a violência generalizada da revolução de 1820 (até 1828), em decorrência da Guerra Civil Portuguesa (1828-1834), António se refugiou em Castanheira do Vouga, serra do Caramulo e perto do Buçaco, durante a residência paroquial do irmão Augusto. O jovem poeta aprofunda o bucolismo poético e o platonismo amoroso no interior de uma choupana que batiza, “Templo das musas”. Seus estudos de registro romântico irão coloca- lo entre o neoclassicismo e o ultrarromantismo. Buçaco, região do Vouga Uma rua do Bussaco Alberto, 1879 In Portugal Pitoresco, V. I, p. 98 BN J. 1358 B.
  14. 14. A revolução de 1820 (até 1828) Foram 8 anos durante os quais Portugal viveu tempos difíceis. E desta, sucedeu a Guerra Civil Portuguesa (1828-1834)
  15. 15. António Feliciano de Castilho Aos 26 anos de idade
  16. 16. Vida do Autor (1835 – 1846) Com o fim da Guerra Civil Portuguesa, D. Maria Isabel Baena, uma de suas leitoras, veio a casar com o poeta, realizando-se o casamento em 29 de julho de 1834, mas este pouco durou, pois ela faleceu, sem filhos, a 1 de fevereiro de 1837. Logo após, António pretendia substituir os outeiros pelos salões, reativar uma imagem pública de notoriedade, atualizar a uma participação política, cuja realidade estivera afastado, torna-se representante ativo e consagrado de uma mentalidade e de uma cultura que procuram predomínio, adere à Maçonaria. Biografia maçónica de A. F. Castilho Biographia Maçonica dos JJ. Da Resp. L. Regão N. 338 Ao O. de Lisboa..., por Affonso d'Albuquerque Frontispício de ms., 1842 In Diário de Lisboa, 1962 BN J. 4479 M.
  17. 17. Salão Literário no Primeiro Romantismo Assembleia Literária (1835-1846)
  18. 18. Publicou tudo o que tinha preparado antes, reuniu e atualizou coletâneas, acedeu à influência das revistas e jornais sobre um novo público, sem esquecer a sua veia ininterrupta de tradutor. Nesta fase, Castilho empenhou-se num projeto visando divulgar a história de Portugal, com uma publicação em fascículos intitulada Quadros históricos de Portugal. Para tal, a sociedade propagadora dos conhecimentos úteis, que fundara o jornal literário O Panorama, publicou em 1839 oito fascículos da obra, em que Alexandre Herculano também colaborou ao escrever o último quadro. No ano de 1840 acompanhou o seu irmão Augusto à ilha da Madeira, onde este afetado por tuberculose, procurava alívio para a doença. O tratamento não resultou, e Augusto faleceu a 31 de dezembro desse ano. No mesmo ano, António casou-se com Ana Carlota Xavier Vidal, natural da ilha da Madeira. Deste casamento, que duraria até 1871, ano em que faleceu a esposa, resultaram 7 filhos: Júlio de Castilho, 2º Visconde de Castilho, memorialista e continuador da obra literária paterna; Augusto Vidal de Castilho Barreto e Noronha; Emílio de Castilho; Manuel Vidal de Castilho; Eugênio de Castilho; Ida de Castilho e Cristina de Castilho (Gêmeas).
  19. 19. António Feliciano de Castilho Aos 36 anos de idade
  20. 20. Vida do Autor (1847 – 1855) Preocupado com o analfabetismo da população portuguesa, partiu para Ponta Delgada, iniciou uma cruzada que só terminará, contudo sem sucesso, no Rio de Janeiro: O Famoso Método Castilho encontra ambiente na população rural da ilha de S. Miguel, completando a atividade de pedagogo com propostas de associação mutualista e de educação sócio profissional. Regressou o poeta ao continente, entre polêmicas e batalhas - por vezes verbalmente violentas -, a sua obra pedagógica procura projetar a sua influência paternalista. Ponta Delgada - meados do século XIX Um vista da doca [Ponta Delgada] Abranches, 1857 Colecção de estampas BN E. 3941 P.
  21. 21. Método Português de Castilho
  22. 22. Vida do Autor (1856-1875) Pretendendo alargar o uso a todo o mundo lusófono (português), em 1855 foi ao Brasil com o intuito de propagar o seu método. Foi recebido pelo imperador D. Pedro II do Brasil, a quem dedicou o seu drama Camões, e de quem ficou sempre amigo, até a morte. Voltou nesse mesmo ano. Quando D Pedro V criou em 1858 as cadeiras do Curso Superior de Letras de Lisboa, ofereceu a Castilho a Cadeira de Literatura Portuguesa, mas ele recusou. Em 1866 deslocou-se a Paris em companhia de seu irmão, José Feliciano de Castilho, onde foi apresentado a Alexandre Dumas, de quem era um admirador apaixonado. É desta época o período mais fecundo de sua produção literária, e em que consolidou a sua reputação como o escritor do regime cuja aprovação era necessária para o sucesso literário em Portugal. O título de 1º Visconde de Castilho foi-lhe concedido em vida por decreto de 25 de Maio de 1870. Faleceu em Lisboa a 18 de Junho de 1875. Na comemoração ao centenário do seu nascimento, foi colocada uma lápide no prédio da velha rua da Torre de S. Roque (Hoje, rua de S. Pedro de Alcântara) - onde nasceu -, em 28 de janeiro de 1900.
  23. 23. António Feliciano de Castilho com 74 anos Visconde de Castilho D. litogr., 1874 Colecção de estampas BN E. 276 P.
  24. 24. Características da Escola Literária Romantismo em Portugal Durante o século XIX, Portugal participou de grandes transformações políticas europeias. Nesse período as primeiras manifestações pré-românticas aconteceram, mas o Romantismo só teve início no final dos anos 20. O introdutor do Romantismo em Portugal é Almeida Garrett, essa nova escola dominará até a década de 60. Conforme se sucederam as gerações dos autores o Romantismo foi evoluindo, isso se deu em três momentos: Primeira geração romântica portuguesa - Sobrevivência de características neoclássicas; - Nacionalismo; - Historicismo, medievalismo. Principais autores - Almeida Garret - Alexandre Herculano - António Feliciano de Castilho
  25. 25. Segunda geração romântica portuguesa - Mal do século; - Excessos do subjetivismo e do emocionalismo românticos; - Irracionalismo; - Escapismo, fantasia; - Pessimismo. Principais autores - Camilo Castelo Branco - Soares Passos
  26. 26. Terceira geração romântica portuguesa - Diluição das características românticas; - Pré-realismo. Principais autores: - João de Deus - Júlio Diniz
  27. 27. Obras do Autor Poesia Prosa A Primavera. Lisboa, 1822 Quadros históricos de Portugal. Lisboa, 1838 A Noite do Castelo e Os Ciúmes do Bardo. O Presbitério da Montanha. Lisboa, 1846 Lisboa, 1836 A Primavera. 2ª edição. Lisboa, 1837 Escavações Poéticas. Lisboa, 1844
  28. 28. Obras do Autor Tradução Poética Ensaio As Metamorfoses, de Ovídio. Lisboa, 1841 Conversação preambular. Lisboa, 1862 Tradução de Teatro Crítica Literária, Carta ao Editor. Lisboa, 1865 Fausto, de Goethe. Lisboa, 1872 Crônica Jornalística Os três últimos dias de um sentenciado. Lisboa, 1842 Cárcere privado. Lisboa, 1844 Segundo fogo da Madalena. Lisboa, 1844
  29. 29. Obras do Autor Didática Felicidade pela agricultura. Lisboa, 1849 Felicidade pela instrução. Lisboa, 1854 Método Castilho para o ensino rápido e aprazível do ler impresso, manuscrito, e numeração, e do escrever. 2ª edição. Lisboa, 1853 Textos de Intervenção Epístola ao usurpador ex-infante Miguel. Lisboa, 1834 Eco da voz portuguesa por terras de santa cruz. Lisboa, 1847
  30. 30. Poesia para crianças Invocação à Deus antes de começar o estudo (António Feliciano de Castilho) Tu, cujo amor em cânticos Celebram sem cessar O mundo dos espíritos, O céu, a terra, o mar! Senhor, acolhe as súplicas De pobres filhos teus! Melhora-nos! ilustra-nos! Ampara-nos, oh Deus! À luz disseste. Faça-se! E a noite em luz se fez: Dissipe igual prodígio A sombra em que nos vês! Nas trevas da ignorância Não medra o santo amor. Ilustra-nos! melhora-nos! Senhor! Senhor! Senhor!
  31. 31. Poema – Fábula Quem poupa as árvores encontra tesouros (António Feliciano de Castilho)O vizinho Milão, que hoje é tão rico, Não tinha mais que uma árvore, e de terra Só quanto aquela sombra lhe cobria. — “Corta-a, Milão, diziam-lhe os pastores. Alegras teu campinho e terás lenha Para aquecer a choça um meio inverno.” — “Eu! Respondia-o triste, eu pôr machado Na boa da minha árvore? primeiro Me falte lume alheio o inverno todo, Que eu mate a que a meu pai já dava sestas; A que de meu avô me foi mandada, Que a mão pôs para si; e a que nos braços Me embalou tanta vez sendo menino. Os deuses a existência lhe dilatem Que assim lhe quero eu muito, e o meu campinho Produza o que puder, que eu sou contente.” Sorriam-se os pastores; o carvalho Cada vez mais as sombras estendia, E Milão de ano em ano ia a mais pobre. Lembrou-se um dia em bem, que uma videira Plantada a par com o tronco, o enfeitaria, E os cachos pendurados pela copa Lhe dariam também sua vindima: E eis que ao abrir a cova, acha um tesouro! Desde então ficou rico, e diz-me sempre, Que os deuses imortais lh’o hão dado o prêmio, Por amar suas árvores. É ele Quem m’as ensina amar, são dele os versos, Com que ao bosque de Pã cantei louvores.
  32. 32. Já sou mulherzinha; / Já trago sombreiro; Já bailo ao domingo / Co’as mais no terreiro. Nos serões já canto, / Nas feiras já feiro, Já não me dá beijos / Qualquer passageiro. Já não sou Anita, / Como era primeiro, Sou a senhora Ana, / Que mora no outeiro. Já tenho treze anos, / Que os fiz por Janeiro: Madrinha, casai-me, / Com Pedro gaiteiro. Não quero o sargento, / Que é muito guerreiro, De barbas mui feras, / E olhar sobranceiro. O mineiro é velho; / Não quero o mineiro: Mais valem treze anos / Que todo o dinheiro. Marido pretendo / De humor galhofeiro, Que viva por festas, / Que brilhe em terreiro. Já não sou Anita, / Sou a Ana do outeiro; Madrinha, casai-me, / Com Pedro gaiteiro. Que todos acorram / Por vê-lo primeiro; E todas perguntem / Se ainda é solteiro. E eu sempre com ele, / Romeira e romeiro, Vivendo de bodas, / Bailando ao pandeiro. Ai, vida de gostos! / Ai céu verdadeiro! Ai Páscoa florida, / Que dura ano inteiro! Da parte, madrinha, / De Deus vos requeiro; Casai-me hoje mesmo / Com Pedro Gaiteiro. Casai-me hoje mesmo / Com Pedro Gaiteiro. hoje mesmo / Com Pedro Gaiteiro. Com Pedro Gaiteiro. Os treze anos Cantilena (António Feliciano de Castilho)
  33. 33. Fontes/Links http://www.museusaopedro.org/autores/afc/bio.htm http://www.portaldaliteratura.com/autores.php?autor=169 http://tertuliabibliofila.blogspot.com.br/2010/11/antonio-feliciano-de-castilho.html http://www.consciencia.org/antonio-feliciano-de-castilho-vida-e-obras http://purl.pt/95/1/ http://auladeliteraturaportuguesa.blogspot.com.br/2009/11/antonio-feliciano-de-castilho.html http://www.brasilescola.com/literatura/caracteristicas-romantismo.htm http://aprovadonovestibular.com/romantismo-caracteristicas-autores.html http://www.brasilescola.com/literatura/o-romantismo-portugal.htm https://www.youtube.com/watch?v=9mccmguECE4 http://josemariaalves.blogspot.com.br/2009/12/poesia-para-criancas-66-antonio.html?m=1 https://peregrinacultural.wordpress.com/2010/10/13/poema-fabula-de-antonio-feliciano-de-castilho/ http://viciodapoesia.com/tag/antonio-feliciano-de-castilho/

×