Antes acompanhado do_que_so

96 visualizações

Publicada em

Artigo publicado no Recanto das Letras na Área de Ciência e Tecnologia

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
96
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Antes acompanhado do_que_so

  1. 1. ANTES BEM ACOMPANHADO DO QUE SÓ: ADEUS AOS GÊNIOS E AOSINDIVIDUALISTASMoacir José Sales MedradoNos setores agropecuário e florestal modernos, tornar o sistema de produçãomais complexo dos pontos de vista do meio ambiente e da biodiversidade serácada vez mais um ato “clean”, um ato “up”, essencial para a busca do tãopropalado “sustainable development”. Admitamos que desenhar sistemas destanatureza – sistemas agroflorestais de alta complexidade biológica esustentáveis do ponto de vista socioeconômico, por exemplo - não é algo fácil enecessita não somente de conhecimentos sobre ciências agrárias (agronomia,engenharia agrícola, veterinária, zootecnia, engenharia florestal), mas tambémde ciências biológicas (botânica, ecologia, fisiologia, genética, microbiologia),de ciências sociais aplicadas (direito, administração e economia) e até mesmode engenharia de produção. Eis, portanto, uma nova atribuição para nossasUniversidades: formar profissionais com capacidade de trabalhar em equipe ede articular com outras áreas profissionais diferentes da sua.É importante sabermos que cada vez mais as empresas que absorverãonossos jovens profissionais, independentes de seu tamanho, não sesustentarão se não forem empresas que além de produzirem com qualidade ea preços competitivos estiverem "antenadas" no que exige a legislação (emalguns casos, não mais nacional mas também a internacional), no aumento dasexigências dos consumidores e no que pensam as organizações nãogovernamentais, em especial, aquelas ligadas ao meio ambiente. Por istoprecisam de assessoramento “complexo” e criarão seus gênios através deequipes onde os domínios do conhecimento de partes gerarão o verdadeirogênio comercialmente suportável. Digo isto porque gênios são escassos e poristo têm custo pouco suportável pela grande maioria ou quase totalidade dasempresas.Estamos adentrando em uma era onde será muito pequeno o espaço para osprofissionais que se acham “bam, bam, bans” de sua área de formaçãoprofissional e que acham que podem resolver tudo sozinho. Esta nova era será,sem dúvidas, a era dos humildes – eles terão “o reino dos céus”. Humildes nosentido de serem profissionais que captaram o sentido do novo mundo: Um
  2. 2. mundo onde predominam a abertura de mercado, a rapidez dastransformações científicas - em especial na área de biotecnologia, a velocidadecom que as mudanças se propagam e a democratização do acesso deempresários e profissionais e até mesmo de trabalhadores rurais à informaçãovia internet. Democratização esta, que levará ao meio rural, fatalmente o “e-commerce”, os chamados sistemas “marketplace” e os sistemas para “web”.Uma nova era que talvez estabeleça um sistema educacional do meio rural,envolvendo supletivos, ensino médio e universidades e que formemprofissionais que além das características antes citadas tenham umcomprometimento real com o campo evitando a simples transferência dosistema educacional urbano para o rural.Mas não serão apenas os perfis dos profissionais que sofrerão modificações. Agrande maioria de nossos prefeitos rurais também terá que se adaptar a umnovo tempo em que o velho conhecido setor primário não está mais só. Temospresenciado nas últimas décadas transformações radicais no campo. Estamosvivenciando a época da pluriatividade, da multifuncionalidade.Atualmente, observa-se um grande crescimento de atividades ligadas aossetores secundário e terciário na área rural - complementares à agropecuária.Também se observa a expansão daquelas ligadas à valorização da natureza,como é o caso do turismo rural, que já se mostra relevante no PIB de muitosmunicípios brasileiros e na formação da renda de muitas propriedades rurais.Deste modo, a cada dia, o mais importante passa a ser a interligação dourbano com o rural. Nesse sentido, inteligentes serão os prefeitos e osempresários que apesar de toda a modernização tecnológica atual, valorizaremos seus recursos naturais, a cultura, a biodiversidade, a qualidade de vida e ocapital humano e social do seu lugar.Mudanças são esperadas também no perfil de nossas empresas e empresáriosrurais. No meio rural, há tempo que as empresas deixaram de concentrar-seapenas nas atividades puramente agrícolas e passaram por uma expressivadiversificação de atividades. Sabemos que cada realidade rural ou urbana deveser entendida em sua particularidade e não estamos querendo advogar a idéia
  3. 3. do “novo rural”. Concordamos, também, com aqueles que entendem que é aintensa territorialidade que distingue o rural do urbano. No entanto, nãopodemos deixar de observar que até mesmo as políticas públicas orientadas apartir do governo e mesmo da sociedade, através de seu parlamento,encaminham para que o meio rural exerça mais funções e seja pluriativo; adespeito de toda contradição que existe atualmente entre os acadêmicos eentre as lideranças sociais.Estamos certo, portanto, de que nesse novo tempo, muitas empresas familiaresassumirão a figura de condomínio rural e muitas outras passarão detradicionais geradoras de produtos rurais, para fornecedoras de serviçosmultifuncionais, propulsoras do desenvolvimento regional ou territorial apoiadasem profissionais com formação adequada, inteligência emocional, visãoestratégica e, portanto, aptos a desenvolverem e/ou trabalharem em equipesde alta performance.

×