Utilização Criativa da Música  no Ensino das Línguas  nos 2º e 3º Ciclos do Ensino Básico <ul><li>Ana Isabel Magrinho </li...
 
Associação Educativa    As Forças da Natureza para o Desenvolvimento de Criatividade   LÍNGUA PORTUGUESA  6º ANO  PLANIFIC...
Associação Educativa    As Forças da Natureza para o Desenvolvimento de Criatividade   LÍNGUA PORTUGUESA  6º ANO  PLANIFIC...
 
 
Minha Terra , Florbela Espanca  <ul><li>Ó minha terra na planície rasa, Branca de sol e cal e de luar, Minha terra que nun...
Fúria Nas Trevas, O Vento  <ul><li>Fúria nas trevas o vento   Num grande som de alongar,   Não há no meu pensamento   Senã...
  <ul><li>A alma do homem  É como a água:  do céu vem,  ao céu sobe,  E de novo,  </li></ul><ul><li>tem que descer à terra...
Estrada de Fogo <ul><li>Pedra a pedra a estrada antiga  sobe a colina, passa diante  de musgosos muros e desce  para nenhu...
CERTIFICADO Certifica-se  que _______________________ da Turma  ________ adquiriu  o  estatuto  de  POETA,  por ter partic...
CERTIFICADO Certifica-se  que _______________________ da Turma  ________ adquiriu  o estatuto de  POETISA,  por ter partic...
<ul><li>Eu sou Especial. Em todo o Mundo não existe mais ninguém como eu. </li></ul><ul><li>Desde o início dos tempos, nun...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

As Forças da Natureza

1.004 visualizações

Publicada em

Unidade Didáctica de introdução ao Texto Lírico (Língua Portuguesa - 6º ano)

Publicada em: Educação, Negócios, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.004
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

As Forças da Natureza

  1. 1. Utilização Criativa da Música no Ensino das Línguas nos 2º e 3º Ciclos do Ensino Básico <ul><li>Ana Isabel Magrinho </li></ul><ul><li>Isabel Almeida Santos </li></ul><ul><li>Margarida Calheiros da Silva </li></ul><ul><li>Sandra Faria Antunes </li></ul>Associação Educativa para o Desenvolvimento da Criatividade Rita Maia e Silva 13 a 17 de Julho de 2009
  2. 3. Associação Educativa As Forças da Natureza para o Desenvolvimento de Criatividade LÍNGUA PORTUGUESA 6º ANO PLANIFICAÇÂO DA UNIDADE
  3. 4. Associação Educativa As Forças da Natureza para o Desenvolvimento de Criatividade LÍNGUA PORTUGUESA 6º ANO PLANIFICAÇÂO DA UNIDADE
  4. 7. Minha Terra , Florbela Espanca <ul><li>Ó minha terra na planície rasa, Branca de sol e cal e de luar, Minha terra que nunca viu o mar Onde tenho o meu pão e a minha casa... Minha terra de tardes sem uma asa, Sem um bater de folha... a dormitar... Meu anel de rubis a flamejar, Minha terra mourisca a arder em brasa! </li></ul>Minha terra onde meu irmão nasceu... Aonde a mãe que eu tive e que morreu, Foi moça e loira, amou e foi amada... Truz... truz... truz... Eu não tenho onde me acoite, Sou um pobre de longe, é quase noite... Terra, quero dormir... dá-me pousada! Charneca em Flor , Florbela Espanca
  5. 8. Fúria Nas Trevas, O Vento <ul><li>Fúria nas trevas o vento Num grande som de alongar, Não há no meu pensamento Senão não poder parar. </li></ul><ul><li>Parece que a alma tem Treva onde sopre a crescer Uma loucura que vem De querer compreender. Raiva nas trevas o vento Sem se poder libertar. Estou preso ao meu pensamento Como o vento preso ao ar. </li></ul>Cancioneiro , Fernando Pessoa
  6. 9.   <ul><li>A alma do homem É como a água: do céu vem, ao céu sobe, E de novo, </li></ul><ul><li>tem que descer à terra, em mudança eterna. </li></ul>Corre do alto, rochedo a pino, o veio puro… Então em belo pó de ondas de névoa… desce à rocha lisa, e, acolhido de manso vai, tudo velando. em baixo murmúrio, lá para as profundas. O Canto dos Espíritos sobre as Águas   Erguem-se penhascos de encontro à queda… — Vai, 'spúmando em raiva, degrau em degrau para o abismo. No leito baixo desliza ao longo do vale relvado, e, no lago manso pascem seu rosto os astros todos… Vento é da vaga o belo amante; Vento mistura do fundo ao cimo Ondas 'spumantes. Alma do Homem, És bem como a água! Destino do homem, És bem como o vento! Poemas , O Johann Wolgang Von Goethe  
  7. 10. Estrada de Fogo <ul><li>Pedra a pedra a estrada antiga sobe a colina, passa diante de musgosos muros e desce para nenhum sopé; encurva, na abstracta encruzilhada; apaga-se, na realidade. Morre como o rastilho do fogo, que de campo em campo aberto </li></ul>seguia, e ao bater na mágica cancela dobrava a chama, para uma respiração, e deixava o caminho do portal incólume e iniciado. Três Rostos – Ecos, Fiama Hasse Pais Brandão
  8. 11. CERTIFICADO Certifica-se que _______________________ da Turma ________ adquiriu o estatuto de POETA, por ter participado, com interesse e empenho, no Projecto “AS FORÇAS DA NATUREZA” . Local: Sala de Aula Lisboa, ___________ de 2009 _________________________ (A Professora de Língua Portuguesa)
  9. 12. CERTIFICADO Certifica-se que _______________________ da Turma ________ adquiriu o estatuto de POETISA, por ter participado, com interesse e empenho, no Projecto “AS FORÇAS DA NATUREZA” . Local: Sala de Aula Lisboa, ___________ de 2009 _________________________ (A Professora de Língua Portuguesa)
  10. 13. <ul><li>Eu sou Especial. Em todo o Mundo não existe mais ninguém como eu. </li></ul><ul><li>Desde o início dos tempos, nunca existiu nenhuma pessoa como eu. Ninguém teve o meu sorriso, o meu nariz, o meu cabelo, a minha voz. Eu sou Especial. </li></ul><ul><li>Não se consegue encontrar ninguém com o meu tipo de letra. </li></ul><ul><li>Ninguém em lado nenhum tem os meus gostos –por comida ou música ou arte. </li></ul><ul><li>Ninguém vê as coisas como eu. </li></ul><ul><li>Em todos os tempos nunca existiu ninguém que sorrisse como eu, ninguém que chorasse como eu. </li></ul><ul><li>E o que me faz rir e chorar nunca provocou idênticos sorrisos ou lágrimas em mais ninguém, nunca. </li></ul><ul><li>Ninguém reage a uma situação como eu reajo. Eu sou Especial. </li></ul><ul><li>Eu sou o único em toda a criação com este conjunto de capacidades. Oh… haverá sempre alguém que é melhor do que eu nas coisas em que sou bom, mas ninguém em todo o universo consegue atingir a qualidade do meu talento, ideias, capacidades e sentimentos. Como uma sala cheia de instrumentos musicais, alguns conseguem atingir a excelência sozinhos, mas nenhum consegue atingir a sinfonia do som quando tocados ao mesmo tempo. Eu sou uma sinfonia. </li></ul><ul><li>Ao longo de toda a eternidade ninguém olha, fala, anda, pensa ou faz como eu. Eu sou Especial. Sou raro. </li></ul><ul><li>E em raridade existe imenso valor. </li></ul><ul><li>Porque é grande e raro o meu valor, não preciso de imitar outros. Eu aceitarei –Sim, celebrarei– as minhas diferenças. </li></ul><ul><li>Eu sou Especial. E começo a entender que não é por acidente que sou especial. Começo a ver que sou especial por uma questão muito simples: deve haver um trabalho só para mim que mais ninguém consegue fazer tão bem quanto Eu. De todas as combinações, apenas um é qualificado, apenas um tem a combinação certa para o fazer. </li></ul><ul><li>E esse sou Eu. Porque… Eu sou Especial. </li></ul>

×