OEA – OPERADOR ECONÔMICO AUTORIZADO
Em consonância com as necessidades de segurança e controles aduaneiros do Brasil, foi
...
base nos critérios acima relacionados, inclui os operadores que optarem pela conjunta do OEA
Segurança e Cumprimento denom...
Por:
Vanessa Ventura
Advogada, especialista em Direito Tributário, com atuação na área de Comércio Exterior, é
Auditoria I...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Artigo Operador Economico Autorizado (OEA) por Vanessa Ventura - Revista Sem Fronteiras Ed. Dez14

564 visualizações

Publicada em

Conteúdo referente ao Operador Economico Autorizado (OEA) publicado na Revista Sem Fronteiras edição de Dezembro de 2014, artigo este elaborado por Vanessa Ventura, Diretora de Operações na M2V Consultoria e Auditoria, Advogada, especialista em Direito Tributário, com atuação na área de Comércio Exterior, e Auditoria Internacional BASC.

Publicada em: Negócios
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
564
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Artigo Operador Economico Autorizado (OEA) por Vanessa Ventura - Revista Sem Fronteiras Ed. Dez14

  1. 1. OEA – OPERADOR ECONÔMICO AUTORIZADO Em consonância com as necessidades de segurança e controles aduaneiros do Brasil, foi instituído o Programa Brasileiro de Operador Econômico Autorizado (OEA) através da publicação da Instrução Normativa RFB nº 1521, de 04 de dezembro de 2014, segundo a qual é considerado Operador Econômico o interveniente em operação de comércio exterior envolvido em movimentação internacional de mercadorias, mediante o cumprimento voluntário de critérios de segurança específicos e aplicados à cadeia logística e/ou das obrigações tributárias e aduaneiras. Neste aspecto, entende-se por interveniente o importador ou o exportador, o depositário de mercadoria sob controle aduaneiro, o operador portuário ou aeroportuário, o transportador, o despachante aduaneiro e o agente de carga, os quais podem solicitar sua inclusão ao programa, garantindo a segurança e agilização do fluxo do comércio internacional mediante a adoção de padrões internacionais de segurança, beneficiando-se de Acordos de Reconhecimento Mútuo que atendam ao interesse nacional, além de elevar o nível de confiança no seu relacionamento com a Receita Federal do Brasil. Pautado nas melhores práticas de segurança existentes no mundo, o Programa Brasileiro de Operador Econômico Autorizado pretende melhorar a posição do Brasil no comércio internacional, além de favorecer as relações econômicas, através das exportações. O Programa foi anunciado durante a 72ª Reunião do Comitê da Organização Mundial das Aduanas (OMA), em Recife, momento em que as empresas Embraer, DHL Global Forwarding, Aeroportos Brasil Viracopos SA, 3M do Brasil e CNH Industrial Latin America Ltda. receberam a certificação de Operador Econômico Autorizado (OEA), pelo fato de os atos do projeto piloto com elas realizado terem sido incorporados ao Programa Brasileiro de OEA. A implantação do programa está sendo realizada em 03 (três) etapas: OEA – Segurança (OEA-S): relacionado ao cumprimento de critérios ligados à segurança da cadeia logística de comércio exterior, tem foco no fluxo de exportação, ora implantado; OEA – Conformidade (OEA-C): relacionado ao cumprimento de obrigações aduaneiras e tributárias, tem foco no fluxo de importações, abrange a ampliação e revisão do Despacho Aduaneiro Expresso Linha Azul e tem previsão de implantação em dezembro de 2015. Com
  2. 2. base nos critérios acima relacionados, inclui os operadores que optarem pela conjunta do OEA Segurança e Cumprimento denominado OEA – Pleno (OEA-P); OEA – Integrado: visa a agilização e, sobretudo, a integração dos procedimentos de comércio exterior através da incorporação de outros órgãos estatais como ANVISA e VIGIAGRO. A certificação, seja em qual modalidade for, genericamente, compreende 05 (cinco) etapas: (i) autoavaliação pelo solicitante; (ii) formalização da solicitação de certificação; (iii) exame de admissibilidade da solicitação; (iv) análise da conformidade de acordo com os critérios de elegibilidade e os específicos da modalidade da certificação requerida; (v) respectiva entrega do certificado, em reconhecimento à parceria Aduana-Empresa. O prazo de análise de certificação é de 90 (noventa) dias, prorrogável por igual período mediante justificativa, sendo o mesmo suspenso em caso de necessidade de atendimento de eventuais exigências por parte da Receita Federal do Brasil. De caráter voluntário, a não adesão por parte dos intervenientes não implica impedimento ou limitação na atuação do interveniente em operações de comércio exterior, no entanto, os benefícios concedidos restringem-se aos operadores certificados, os quais atendem os requisitos e critérios instituídos pela normativa publicada. Transcorridas as etapas da certificação, esta se materializará mediante publicação de Despacho Decisório no Diário Oficial da União, em caráter precário e por prazo de validade indeterminado. Destaca-se que, apesar de o Despacho ser emitido no número da inscrição do CNPJ do estabelecimento matriz da solicitante, é extensivo a todos os estabelecimentos da requerente, sendo todos beneficiados em qualquer local alfandegado do território aduaneiro. Uma inovação quanto a esse programa, é a criação de um Fórum Consultivo direcionado, com o objetivo de constituir canal permanente de comunicação entre os Operadores Econômicos Autorizados e a Receita Federal do Brasil, precipuamente, para saneamento de dúvidas. Isso tudo visa fortalecer o Programa, que trará ganhos significativos para o Brasil, a serem identificados já a partir de 2017. Sem dúvida, estamos diante um marco nacional, como ressaltou Soraya Rosar, gerente-executiva de Negociações Internacionais da Confederação Nacional das Indústrias (CNI), no lançamento do Programa, dada a criação de um diferencial para o futuro do comércio internacional brasileiro.
  3. 3. Por: Vanessa Ventura Advogada, especialista em Direito Tributário, com atuação na área de Comércio Exterior, é Auditoria Internacional BASC. Fonte: Revista Sem Fronteiras edição de Dezembro de 2014, Ano XVI, Número 502.

×