Novos professores nas escolas.

305 visualizações

Publicada em

Apresentação de um artigo sobre as vantagens que as escolas têm na receção de novos elementos.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
305
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Novos professores nas escolas.

  1. 1. A (des)vantagem da inexperiência* Formação e Supervisão de Professores Luis Miguel Ferreira julho 2014 1 *Recensão de “What can experienced teachers learn from newcomers? Newly qualified teachers as resource in Schools” Marit ulvik & Katil Langorgen University of Bergen, Bergen , Norway Recebido a 17 Fev 2011 e publicado em 09 Mar 2012
  2. 2. Resumo • Artigo otimista focado no melhor que traz os novos recursos humanos às escolas em contraste com a análise das falhas ou fraquezas do processo. • O estudo é baseado na aplicação de um questionário aberto a novos professores e seus “orientadores” bem como da análise de duas entrevistas. • Os novos professores e seus orientadores sinalizam inúmeras áreas onde os professores mais experientes podem beneficiar e aprender com os mais novos. 2
  3. 3. Introdução • Existem inúmeros estudos sobre os “problemas” associados à iniciação profissional dos novos professores. • Numa primeira fase do “ensino”, os novos professores frequentemente experimentam um choque com a prática que os coloca em “modo de sobrevivência”. (Fuller & Brown,1975; Smethem, 2007) • Mas revertendo essa problemática, pode-se questionar: • O que é que estes professores podem trazer de contributo? • Em que medida podem ser um recurso no local de trabalho? 3
  4. 4. Introdução • Stard & Prusak (2005) sugerem que a “experiência” por si só, não é importante, mas sim, como esta é percecionada pelos novos professores. • Assim, este estudo foca-se na própria perceção que estes novos professores têm da sua prática de ensino. (Dimensão de eficácia) • As metas atingidas pelos alunos destes professores é outra dimensão importante no estudo, contudo é “inapropriada” dado que os novos professores são avaliados à luz da perceção dos seus orientadores e não dos resultados dos alunos que lecionam. 4
  5. 5. Introdução • Este estudo é construído com base num estudo anterior onde se investigou a experiência de trabalho com novos professores. • Mas, o contributo deste estudo reside em saber mais acerca dos pontos fortes dos novos professores e como estes podem contribuir para as escolas onde lecionam. • Ambiciona-se assim encontrar também formas destes professores terem melhores “começos” e a esperança de melhorar as escolas. 5
  6. 6. Base de conceitos • A identidade profissional dos professores tende a ser, tanto positiva como negativamente, afetada pela experiencia em sala de aula e pela cultura de escola. • Os novos professores frequentemente tentam construir a sua identidade no que acreditam “que um professor deve ser”, mas após a experiência há uma separação de dimensões da sua identidade: como professor e como pessoa. • Somethem (2007) sulinhou que é vital que eles não percam de vista a imagem do professor que desejam ser. 6
  7. 7. O Estudo • O estudo foi realizado em 2008 a novos professores e aos seus orientadores numa escola secundária (estudantes de 15 a 18 anos) na Noruega. • Os professores não são designados de ‘novatos’ por não terem quaisquer distinções no trabalho que desenvolvem comparativamente aos restantes colegas. • Os Orientadores (Mentores) são voluntários num programa nacional governamental designado por “Mentoring Newly Qualified Teachers”. 7
  8. 8. A Amostra e Procedimentos • Os dados foram recolhidos durante um importante seminário anual para os novos professores e orientadores em colaboração com outras instituições de ensino. • Foram recolhidos dados por questionário a 80 novos professores e 40 orientadores. • Após a aplicação do questionário, os participantes foram divididos em grupos de 4 a 6 pessoas, com separação entre professores e orientadores, que integraram as sessões de discussão. Nesta sessão foram discutidas as respostas individuais e mais tarde em sessão plenária alguns grupos apresentaram os resultados. • Aproximadamente uma semana depois, foram realizadas entrevistas semiestruturadas a dois novos professores de diferentes escolas. 8
  9. 9. Metodologia e Análise • Com a realização da investigação a uma pequena amostra de professores foi considerada a realização de análise qualitativa. • Os instrumentos utilizados foram questionários de perguntas abertas( exceto uma questão) estruturado com um grupo de questões para os novos professores e outro grupo para os orientadores. • Aos novos professores foi pedido para listarem por ordem de importância i) as áreas de experiencias positivas e ii) sobre aquelas que entenderam ter maior contribuição que os professores mais experientes. • Também lhes foi perguntado o que a escola fez para usar como recursos e a perceção e mudança efetuada. 9
  10. 10. Questionário: Novos Professores 1. Please list in order of importance five areas in which you have had positive experiences as a new teacher. 2. Which areas have you especially mastered in your work? • communication with pupils • relations with colleagues • teaching • contact with parents • other 3. Are there some areas in which you feel that you can contribute to a greater degree thanmore experienced teachers could? Yes/no • If yes, which areas? • If no, can you elaborate? 4. How has the school made use of your resources? 5. How have your assumptions about your work developed or changed during your first year? • If there has been a change, what is the reason for that? 10
  11. 11. Questionário: Orientadores 1. Please list in order of importance five areas in which you have had positive experiences with the new teacher/s you have mentored. 2. In which areas do you find that the new teachers master their work particularly well? • communication with pupils • relations with colleagues • teaching • contact with parents • other 3. Are there some areas in which new teachers can contribute to a greater degree than moreexperienced teachers could? • Yes/No. • If yes, which areas? • If no, can you elaborate? 4. How has the school made use of the new teachers’ resources? 5. How have their assumptions developed or changed during their first year? If there has been a change, what do you see as the reason for that? 11
  12. 12. Resultados Como os novos professores gerem o seu trabalho • Em primeiro lugar o gosto de estarem com os seus alunos e ensinarem as matérias. • Boa comunicação com os alunos e maior dificuldade nos relacionamentos apesar de terem afirmado ter recebido apoio. • Fazer parte da comunidade assumindo a associação e cooperação com outros de uma forma positiva. A cooperação aparece como a situação mais simétrica do que na orientação. • Os orientadores assumem a influencia dos novos professores pelo seu conhecimento, novas ideias e desafio no que é a cultura da escolar. • Sugestão de desenvolvimento e aprendizagem pelos novos professores. 12
  13. 13. A sua contribuição • Novas ideias e entusiasmo • Competências digitais • Compreensão das gerações mais novas (elementos comuns de compressão) 13
  14. 14. Novos professores como recursos na escola • A responsabilidade pela sua escolha • O desafio inicial: as turmas difíceis, participação em diversos grupos de trabalho e terem um horário muito preenchido. • Apesar disto, estes fatores revelam-se meios de reconhecimento como professores completos e percecionam-se como fontes de confiança e responsabilidade. 14
  15. 15. Mudança ou desenvolvimento de perceções • A última pergunta revela a mudança da perceção inicial dos novos professores. • Assim, mencionam-se como elementos como muito trabalho, burocracia e com desafios não relacionados com as suas matérias. • Admitem que o trabalho é mais complexo do que imaginaram inicialmente mas, como lado positivo, consideram que ao ensinar “desenvolvem-se pela diversidade da função”. • Referem ser agradável e divertido o trabalho com os mais novos. • De notar que muitos orientadores acharam difícil responder a esta pergunta por acharem que o pelo seu papel é mais direcionado para suporte e acompanhamento. 15
  16. 16. Discussão dos resultados Novos professores como recurso • A pesquisa sugere que existe algo de significativo e relevante a aprender com os novos professores mas que não é refletido na prática. • A sobrecarga de trabalho inicial deixa pouco espaço para o desenvolvimento pessoal que, a longo prazo, os torna mais “tradicionais”. • É importante serem reconhecidos como qualificados para as funções mas, o serem novos é trabalhoso, reconhecendo “existindo muito para aprender”! 16
  17. 17. Discussão dos resultados O que pode ser aprendido dos novos professores? • Novas ideias e perspetivas • Entusiasmo e flexibilidade • Competência digital • Compreensão e comunicação com os alunos 17 O que pode ser aprendido porque são mais novos? O que pode ser aprendido porque são novos na escola?
  18. 18. Discussão dos resultados Porque razão não são usados como recursos? • Falta de tempo/Pressão aliada ao aumento do trabalho na escola • Cultura de escola individualista • Os professores mais experientes não acreditam existir nada a aprender com os novos professores por estes não conhecerem a realidade e não terem a experiencia. 18
  19. 19. Limitações do estudo • Estudo foi realizado em pequena escala • Contexto limitado • Estudo de outros fatores que afetam os novos professores: • Liderança, orientação, cooperação, autonomia e nível dos alunos. 19
  20. 20. Sumário e Conclusões • O estudo revela que os novos professores não são usados como recurso positivo mesmo sabendo que os professores mais experientes podem aprender com eles. • Como recomendação do estudo, a atribuição aos novos professor de mais tarefas ligadas à prática de ensino, e para além do apoio dado, saber dos benefícios que estes trazem para os outros colegas e alunos. • Quando as escolas recebem novos elementos, recebem também uma oportunidade de desenvolvimento, quer individualmente quer para a escola como um todo. 20

×