Tribos urbanas

2.482 visualizações

Publicada em

As TRIBOS URBANAS também chamadas de subculturas ou subsociedades (ou metropolitanas ou regionais) são constituídas de microgrupos que têm como objetivo principal estabelecer redes de amigos com base em interesses comuns.
Essas agregações apresentam uma conformidade de pensamentos, hábitos e maneiras de se vestir.

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.482
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
62
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
134
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Tribos urbanas

  1. 1. TRIBOS URBANAS
  2. 2. Homem Caraterísticas genéticas próprias Ex: inacabamento biológico neotenia A natureza inata do ser humano pode ser fortemente influenciada por uma natureza adquirida culturalmente. Construção social Predisposição natural para a sociabilidade (após o nascimento, o bebé construirá mecanismos para interagir com o meio e, especificamente com o contexto social ) O que define os nossos comportamentos está simplesmente predeterminado? É a cultura a responsável por ditar as regras da nossa atuação no mundo?
  3. 3. Genética ou Cultura? O nosso código genético poderá ser melhorado ou reprimido pelo ambiente (moral, ético, político…) em que o indivíduo se desenvolve. A aquisição de comportamentos e capacidades próprias do ser humano só se verifica se as crianças viverem em sociedades humanas A inteligência humana, que se pressupõe que seja uma estrutura genética específica, resulta do contacto social O Homem não é apenas um ser social, mas também cultural!
  4. 4. Ser humano – animal gregário O indivíduo vai estruturar a vida individual de acordo com a organização social - Adquire padrões culturais Aquele que os siga, terá uma adaptação ao contexto social facilitada Aquele que deles se afaste, diversas pressões, sofrerá, por parte da sociedade Globalização Tendência para a uniformização e individualismo dos seus elementos Tribos Urbanasesforço de diferenciação dos jovens Pequenos grupos em que os elementos se unem pelos princípios, ideais, gostos musicais ou estéticos que têm em comum e que sentem grande vontade em expressar e tornar visíveis na adolescência.
  5. 5. As TRIBOS URBANAS • também chamadas de subculturas ou subsociedades (ou metropolitanas ou regionais) são constituídas de microgrupos que têm como objetivo principal estabelecer redes de amigos com base em interesses comuns. • Essas agregações apresentam uma conformidade de pensamentos, hábitos e maneiras de se vestir.
  6. 6. • A expressão "tribo urbana" foi criada pelo sociólogo francês Michel Maffesoli, que começou usá-la nos seus artigos a partir de 1985. • A expressão ganha força três anos depois com a publicação do seu livro O Tempo das Tribos: O declínio do individualismo nas sociedades de massa.
  7. 7. • Segundo Michel Maffesoli, o fenômeno das tribos urbanas se constitui nas • "diversas redes, grupos de afinidades e de interesse, laços de vizinhança que estruturam nossas megalópoles. Seja ele qual for, o que está em jogo é a potência contra o poder, mesmo que aquela não possa avançar senão mascarada para não ser esmagada por este".
  8. 8. POR QUE NOS AGRUPAMOS? • Isto acontece porque desejamos ser aceitos pelas pessoas que nos cercam, a quem consideramos importantes. • Na verdade, a pressão do grupo é muito forte e determinante na adolescência, maior que qualquer outra influência de outras pessoas, como pais, professores, etc.
  9. 9. AS DUAS GRANDES PRESSÕES 1 - A INFERIORIDADE Quando nos sentimos inferiores temos receio de não sermos aceitos e de sermos ridicularizados. Sendo assim, preferimos ceder e nos entregar às pressões e idéias do grupo para sentirmos segurança, aceitação e fugirmos de um possível deboche.
  10. 10. 2 - O MEDO DA REJEIÇÃO Existem vários medos que os pais, professores, orientadores, enfim, os que se relacionam com adolescentes, precisam tomar conhecimento, entender e saber como ajudá-los. Apesar de todos nós adultos termos passado pela adolescência, a maioria de nós se esquece e perde a noção do sofrimento que essas áreas causam aos “ADOLESCENTES".
  11. 11. TIPO DE MEDOS • não fazer parte de determinada turma • não ser popular no grupo • ficar sem namorado (a) • não ser convidado (a) para festinhas • não demonstrar esperteza
  12. 12. TIPO DE MEDOS • ser careta • ser pouco inteligente, não saber das coisas • não ter um visual legal • não vir de uma família de posição financeira favorável • ficar por fora ao rejeitar droga, fumo, sexo.
  13. 13. TRIBOS URBANAS • Uns se unem pelo gosto musical. • Outros, pela paixão por um esporte ou pelas afinidades culturais. • Uma vez juntos, adotam um dialeto próprio, incorporam roupas, acessórios e passam a ter estilos de vida semelhantes. • Emos, punks, góticos, patricinhas.... • São diversas tribos que compõem o espaço urbano e se destacam em meio à heterogeneidade das grandes metrópoles. • Quem faz parte de uma delas, jamais será um rosto desconhecido na multidão.
  14. 14. TRIBOS URBANAS • A fragilidade da identidade destes movimentos repousa em apenas três elementos comuns: • 1) Estética – roupas, gestos, maquiagens, tatuagens, modificações físicas, gírias, artes e, principalmente, músicas; • 2) Ambiente – local ou cenário onde se reúnem; fazer parte de uma tribo está relacionado com estar com pessoas da mesma tribo; • 3) Atitude – Escolha de riscos, inclusive no esporte, na agressividade, na briga de rua, no uso de droga, no sexo alternativo etc.
  15. 15. Tribos Urbanas Vantagens Desvantagens Estruturação da identidade pessoal “Encontrar oportunidade de legitimar os próprios sentimentos e visões do mundo, norteados pela intensa identificação, compreensão, aceitação pelo grupo” (Marques, 1996). “algumas tribos são temidas pelos comportamentos violentos, habitualmente associados a uma baixa tolerância do “diferente”” Demonstra isso, muitas vezes, com recorrência à violência A tribo foge do padrão cultural a que a sociedade está habituada Alguma reprovação da sociedade atual O indivíduo integrante sente que a sua tribo é capaz de enfrentar o diferente
  16. 16. Porque é que o indivíduo sente necessidade de se agrupar numa tribo? Não dispõe de algo que necessita na sociedade a que pertente • Deixa-se de partir do individualismo • Começa-se a partir de “um inconsciente que governa, e de uma necessidade de identificação” Sociedade pós-moderna Dotada de toda uma gama de complexidade que define novos padrões para um comportamento muito particular Recorre a um pequeno grupo de elementos que com ele se assemelhem e que, em grupo, o ajudem a solucionar a sua necessidade. Indivíduo
  17. 17. Tribos - importante fator no processo de individuação? “Demarcação de cada um relativamente ao mundo e aos que o rodeiam” Desenvolve-se num contexto de referências sociais (grupos, estilos de vida, valores, símbolos) que levam o indivíduo a identificar-se com uma determinada Cultura. “é movido pela condição de desamparo, a adequação a uma tribo torna-se uma garantia da sobrevivência do próprio ego e uma maneira de lidar com o próprio desamparo”. Sujeito Contemporâneo As tribos ajudam o indivíduo a criar uma identidade cultural Existem particularidades que nos permitem identificá-las, existem essencialmente 3 elementos que identificam os “sistemas semióticos” imagem estética práticas de lazer estilo musical
  18. 18. Nos grandes centros urbanos, o tribalismo se tornou uma das formas de expressão dos novos tipos de sociabilidade. Exemplos desses novos grupos são os punks, os skinheads, as torcidas organizadas de futebol e as gangues da periferia urbana.
  19. 19. Tribos Urbanas Comportamentos de risco são associados às tribos. Ex: substâncias ilícitas; violência; automutilação; promiscuidade sexual. “A integração do indivíduo num destes grupos pode não acarretar alarmismo” Ex: Hip-Hop, se a sua ideologia for seguida. Existem hip-hoppers que se apoderem da segurança que a tribo lhe confere para defender o mundo das drogas, prostituição e armas. No entanto… Tribos constituem repercussões a nível da estruturação da personalidade do adolescente. Preocupação: se o “indivíduo inserido perde a identidade diante do grupo” A tribo urbana poderá conferir benefícios sociais ao indivíduo. Principalmente: se o jovem se encontra em constante busca pelo seu espaço. Tudo depende dos elementos e, consequentemente, das práticas do grupo.
  20. 20. QUE TIPOS DE TRIBOS VC IDENTIFICA, ATUALMENTE? • QUAIS SUAS CARACTERÍSTICAS? • ATIVIDADES? • ESTILO MUSICAL? • MODO DE VESTIR? • LOCAL QUE FREQUENTA? • TIPO DE LAZER • RESPONDER EM GRUPO
  21. 21. • Torcidas uniformizadas • Skinheads • Emos • Góticos • punks • Funk • GLBTS • Hiphop • afrodescendentes
  22. 22. • Patricinhas • Pitboys • Baladeiros • Indies (nerds – TI) • “cosplay” • RPGistas • Skatistas • Surfistas • games
  23. 23. TRIBO DOS EMOS
  24. 24. EMOS • Sentimentalistas ao extremo, • curtem o emocore (vertente do punk que mescla som pesado com letras românticas) • adoram trocar elogios, abraços e carinhos em público. • São totalmente contra qualquer forma de violência ou preconceito • praticam a tolerância sexual.
  25. 25. EMOS • Visual: Cabelos lisos com enormes franjas usadas somente de um lado, lápis no olho, unhas pintadas, roupas pretas com figuras infantis (ursinhos, lacinhos, hello-kitties etc), broches em bonés e mochilas. • Grupos musicais: NXZERO, GLÓRIA, RESTART
  26. 26. TRIBO DOS GÓTICOS
  27. 27. GÓTICOS • Apreciadores de coisas mórbidas, gostam de freqüentar cemitérios e têm um interesse especial por músicas melancólicas, literatura, artes plásticas e cinema. • Visual: Vestem-se de preto, têm o rosto pálido, usam maquiagens carregadas e correntes com crucifixos
  28. 28. TRIBO DOS PUNKS
  29. 29. PUNKS • Críticos e contestadores, identificam-se com o anarquismo e sustentam valores como anti- machismo, anti-homofobia, anti-nazismo, amor livre, anti-lideranças, liberdade individual, autodidatismo e cosmopolismo. • Visual: Coturno, cabelos arrepiados (estilo moicano), jaquetas de couro com rebite e muitos piercings pelo corpo.
  30. 30. TRIBO DOS INDIES
  31. 31. INDIES • Alternativos, curtem músicas que falam da complexidade dos relacionamentos humanos, problemas de adaptação à sociedade, timidez e do dia-a-dia urbano da juventude contemporânea. • Ex: Realização de Wave
  32. 32. INDIES • Visual: Costeletas, franjas, tênis xadrez, paletós, blazers e skinny jeans compõem o visual dos alternativos. • Óculos de acetato, mais conhecido como "aro grosso", também complementa o estilo.
  33. 33. TRIBO DOS BALADEIROS
  34. 34. TRIBO DOS BALADEIROS • O que os baladeiros falam das baladas ? • A balada é uma etapa importante para a vida. As avós, aquelas menos antenadas – que não têm mais netos adolescentes – certamente diriam que estamos perdidos.
  35. 35. BALADEIROS • “Balada é algo que precisamos para poder continuar neste mundo muito doido. É na balada que descarregamos nossos cansaços, nossos desgostos, nossas frustrações. Se a madrugada é fria, nos aquecemos, e se é quente, pegamos fogo. É um dos nossos momentos lights da vida”.
  36. 36. TRIBO DOS FUNKS E HIP HOPS
  37. 37. FUNKS E HIP HOPS
  38. 38. Tribo do Hip-Hop Também conhecida por Tribo rapper Mc (Mestre de Cerimónias) Cultura artística que teve início, durante a década de 70, nos subúrbios negros e latinos de Nova Iorque. Enfrentavam diversos problemas de ordem social: pobreza, violência, racismo, tráfico de drogas, carência de infraestruturas e de educação, etc. Entravam num sistema de gangues que se confrontavam violentamente lutando pelo domínio territorial. Habitados por imigrantes oriundos da Jamaica, e por lá existiam festas de rua com equipamentos sonoros ou carros chamados de Sound System Nascem diferentes manifestações artísticas de rua Os gangues encontraram uma maneira de canalizar a violência em que viviam submersas.
  39. 39. Identificar um hip-hopper Rap Graffiti Break LOCAIS Estações de metrô, algumas ruas sem muito movimento e parques. ESTILO Calças e blusas largas, bonés, bandanas, tênis super largos, correntes chamativas …
  40. 40. Ideologia do Hip-Hop Lutar contra:  Injustiças políticas, económicas e sociais;  Quebrar o preconceito;  Reduzir os efeitos das desigualdades sociais;  Tentar acabar com o racismo. Mudar uma comunidade através da arte! Forma de reação aos conflitos sociais e à violência sofrida pelas classes urbanas mais desfavorecidas da época. Veio a revelar-se uma importante ferramenta de integração social e de combate à violência! Ultrapassou barreiras raciais, sociais e culturais, e ainda que tenha tido maior expressão nos bairros e zonas menos favorecidas, a sua música e dança é apreciada pela generalidade dos jovens. O mais vulgar é que o jovem se aproprie apenas momentaneamente de alguns elementos estéticos, mesmo não se interessando pelos seus códigos ou razões existenciais. Ideologia na Atualidade HIP HOP
  41. 41. TRIBOS DAS TORCIDAS ORGANIZADAS • São grupos de torcedores esportivos, principalmente de futebol, que podem gerar onda de violência extrema. • Necessidade de criação do Estatuto do Torcedor.
  42. 42. TORCIDAS ORGANIZADAS
  43. 43. TORCIDAS ORGANIZADAS
  44. 44. TORCIDAS ORGANIZADAS
  45. 45. TORCIDAS ORGANIZADAS
  46. 46. TORCIDAS ORGANIZADAS Evangélicas
  47. 47. Tribos dos "PITBOYS" • O pitboy é um estereótipo ligado a indíviduos do sexo masculino, de grande porte físico e que habitualmente se envolvem em brigas. Dentre os elementos comuns ao estereótipo, estão o de frequentar academias de musculação e praticar artes marciais como o jiu-jitsu, bem como, ao que o próprio nome indica, possuidor cachorro da raça pitbull.
  48. 48. "COSPLAY" • espécie de abreviação para "costume play" (costume = roupa / traje / fantasia e play = atuar). Ou seja, o cosplayer se caracteriza como um personagem de algum livro, mangá, jogo ou filme que queira homenagear; • representa a personalidade deste; e em alguns eventos pode até mesmo competir com outros cosplayers em concursos, embora o grande barato e diversão sejam a exposição e o contato social gerado dentro do ambiente. • Um dos principais objetivos desse passatempo é fazer amigos. É uma atividade da qual podem participar e divertir-se crianças, adolescentes e adultos de todas as idades, sexo e condição social. • Alguns cosplayers chegam a gastar entre R$ 100,00 (36 €) e R$ 1.000,00 (360 €), às vezes mais, em roupas e acessórios, e levam a coisa a sério. • Um passatempo como outro qualquer, porém com a singularidade de permitir o participante tornar-se seu personagem favorito por um dia.
  49. 49.  O fenómeno das tribos urbanas é interessante e dinâmico .  As mais recentes são efémeras pela sua aparência superficial, dado que dão apenas importância à questão estética e não apresentam uma ideologia forte como a do hip-hop, por exemplo, que já existe há décadas e tem vindo a apaixonar gerações.

×