5 grandes teorias sobre liderança

26.230 visualizações

Publicada em

São apresentadas as 5 Grandes teorias sobre liderança em torno das quais se desenvolveu pensamento sobre esta matéria no século XX

Publicada em: Educação
1 comentário
31 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
26.230
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
203
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
1
Gostaram
31
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

5 grandes teorias sobre liderança

  1. 1. ncia evivê Físic a l ona oci ntos Em cioname a • Traços de carácter • Comportamental Espiritual • Poder de influência Significado e Contributo • Situacional • Integradora R el Sobr 5 Grandes teorias sobre liderança Intelectual Crescimento e Desenvolvimento
  2. 2. Índice Tema Página Teoria do grande homem 5 Teoria dos traços de carácter 6 Teorias situacionais 7 Teorias da pessoa e a situação 8 Teorias psicanalíticas 9 Teorias humanísticas 10 Teorias do papel do líder 11 Teoria do encaminhamento para os objectivos 13 2
  3. 3. Índice Tema Página Teoria da contingência 14 Liderança cognitiva: o grande homem do século XX 15 Teorias e modelos de processos interactivos 17 A influência do poder 18 Atribuição, processamento de informação e sistemas abertos 21 Integrativa: transformacional com base em valores 22 Liderança carismática 25 Liderança baseada na competência 26 3
  4. 4. Índice Tema Página Liderança com ambições e visionária 27 Liderança estratégica e de gestão 29 Liderança baseada em resultados 32 O líder como professor 35 A liderança enquanto arte de representação 36 Liderança cultural e holística 37 Liderança como serviço 39 Liderança espiritual 40 4
  5. 5. Teoria do grande homem • A história e as instituições são moldadas pela liderança de grandes homens e mulheres (Moisés, Mohammed, Joana D’Arc Washington, Gandhi, Churchill, etc.). • Dowd (1936) diz que “a chamada liderança das massas não existe. Os indivíduos, em qualquer sociedade, são diferentes na inteligência, na energia e na força moral e, independentemente da direcção que as massas sejam influenciadas a tomas, serão sempre lideradas por uma elite superior minoritária”. 5
  6. 6. Teoria dos traços de carácter • O líder está dotado de traços especiais e de outras características que o distinguem dos seus seguidores. • A investigação das teorias dos traços de carácter levantou as duas seguintes questões: 1. Que traços de carácter distinguem os líderes das outras pessoas? 2. Qual é a amplitude dessas diferenças? 6
  7. 7. Teorias situacionais • A liderança é o resultado das exigências situacionais. • São factores situacionais e não de linhagem que determinam a emergência do líder. • O surgimento de um grande líder é o resultado do tempo, do lugar e das circunstâncias. 7
  8. 8. Teorias da pessoa e a situação • As teorias da Pessoa e a Situação representam uma combinação das teorias do Grande Homem, dos Traços de Carácter e da Liderança Situacional. • De acordo com as investigações realizadas, a análise da liderança deve incluir os aspectos afectivos, intelectuais e de acção, bem como as condições específicas em que o indivíduo actua. • Estas condições incluem 1- Traços de personalidade; 2- Natureza do grupo e dos seus membros; 3acontecimentos que o grupo enfrenta. 8
  9. 9. Teorias psicanalíticas • O líder funcionaria como uma figura paternal: fonte de amor e de medo, investido do superego, uma escapatória emocional para as frustrações dos seguidores e para a sua agressividade destrutiva. 9
  10. 10. Teorias humanísticas • • • As Teorias Humanísticas ocupam-se do desenvolvimento do indivíduo em organizações eficazes e coesas. Os que sustentam esta perspectiva teórica acreditam que o ser humano é, por natureza, um ser motivado, e que as organizações tendem, naturalmente, a ser estruturadas e controladas. A liderança tem a função de modificar os constrangimentos organizacionais, para criar as condições que permitam aos indivíduos alcançar o desenvolvimento máximo do seu potencial e a dar o seu melhor contributo à organização. 10
  11. 11. Teorias do papel do líder • São as características do indivíduo e as exigências da situação que ao interagirem entre si vão permitir que só um ou poucos indivíduos se destaquem como líderes. • Os grupos estruturam-se com base nas interacções dos seus membros e organizam-se de acordo com os diferentes papéis e posições. • A liderança é um dos papéis diferenciados, e a pessoa que ocupa essa posição deverá comportar-se de tal forma que se distinga dos demais membros do grupo. • Os lideres comportam-se de acordo com a percepção que têm do seu papel e de acordo com o que os outros esperam que ele faça. 11
  12. 12. Teorias do papel do líder • Mintzberg articulou os seguintes papéis da liderança: • Figura de Proa, Líder, Agente de Ligação, Monitor, Disseminador, Porta-voz, Empreendedor, Mediador de Conflitos, Gestor de Recursos e Negociador. 12
  13. 13. Teoria do encaminhamento para os objectivos • Os líderes conseguem mudanças duradouras nos seus seguidores ao mostrar-lhes os encaminhamentos que determinarão as compensações. • Deixam também claros, por outro lado, os objectivos, ao mesmo tempo que encorajam os seguidores a ter um bom desempenho. • Os factores situacionais têm uma influência determinante na forma como os líderes estabelecem as regras do jogo. 13
  14. 14. Teoria da contingência • A eficácia de um líder, orientado para a tarefa ou para as relações, depende da situação. • Os programas de formação em liderança, desenvolvidos a partir desta teoria, ajudam o líder a identificar a sua orientação e a ajustar-se às situações. 14
  15. 15. Liderança cognitiva: o grande homem do século XX • Os líderes são “pessoas que, pela palavra ou pelo exemplo pessoal, influenciam de forma marcante os comportamentos, pensamentos e/ou sentimentos de um número significativo de outros seres humanos”. • O facto de compreender melhor do que ninguém a natureza humana do líder e dos seus seguidores, dálhe um conhecimento profundo da natureza da liderança. 15
  16. 16. Liderança cognitiva: o grande homem do século XX • A investigação de Collins conclui que a diferença entre organizações que produzem, de forma sustentada, excelentes resultados, e as que não atingem essa dimensão, está em que as grandes organizações são lideradas pelo que ele chama de Líderes de Nivel 5 – aqueles que apresentam uma combinação paradoxal de humildade e tremenda determinação. 16
  17. 17. Teorias e modelos de processos interactivos • A liderança é um processo interactivo, ilustrado por múltiplos exemplos que incluem as teorias da estrutura de iniciação dos líderes, da relação entre a inteligência do líder e o desempenho do seu grupo, da relação do líder com cada indivíduo, mais do que com o grupo, e da interacção social como forma ded permuta ou contingência comportamental. 17
  18. 18. A influência do poder • A abordagem da liderança na óptica da influência do poder inclui a liderança participativa. • A investigação sobre a influência do poder avalia a quantidade de poder que o líder concentra e exerce. • Esta abordagem pressupõe a existência de causalidade unidirecional. • A liderança participativa focaliza-se na partilha do poder e na valorização dos colaboradores e seguidores. 18
  19. 19. A influência do poder • Vroom & Yetton propõem uma teoria prescritiva da liderança que assume que os líderes são directivos e os subordinados são seguidores passivos. • Contudo, quando os subordinados detêm mais conhecimentos, o seu papel deverá ser mais participativo. 19
  20. 20. A influência do poder • Gardner acredita que “a Liderança é um processo de persuasão ou de exemplo, segundo o qual um indivíduo – ou equipa de liderança – induz um grupo a perseguir os objectivos do líder ou partilhados pelo líder e os seus seguidores. • Defende que a liderança é o papel que alguém tem que desempenhar; • São os líderes que desempenham esse papel integral no sistema a que presidem. 20
  21. 21. Atribuição, processamento de informação e sistemas abertos • A liderança é uma realidade construída socialmente. • Segundo Mitchell “ a atribuição da liderança por observadores e membros de uma equipa é distorcida pelas suas realidades sociais”. • Além disso, as variáveis individuais, processuais, estruturais e ambientais constituem fenómenos com causalidades mútuas, nos estudos de liderança; significa isto que é difícil distinguir, entre estras variáveis, quais são causa e quais são efeito. 21
  22. 22. Integrativa: transformacional com base em valores • Segundo Burns, a liderança transformacional é um processo em que “os líderes e os seus seguidores se estimulam, reciprocamente para ascender a níveis mais elevados de moralidade e motivação”. • Parte-se do princípio de que os seguidores ultrapassam os interesses individuais em benefício do grupo, preocupando-se com objectivos de longo prazo e tomam consciência do que é importante. 22
  23. 23. Integrativa: transformacional com base em valores • Segundo Bennis, os líderes desempenham com eficácia três funções: alinhamento, criação e valorização dos colaboradores. • Os líderes transformam as organizações ao alinhar os seus recursos humanos e outros recursos, ao criar uma cultura organizacional que promova a livre expressão das ideias e ao valorizar os colaboradores para dar o seu contributo à organização. • Bennis é conhecido pela distinção que faz entre gestão e liderança. 23
  24. 24. Integrativa: transformacional com base em valores • Podemos resumir os seus pontos de vista, com as suas próprias palavras: • “Os líderes são pessoas que fazem as coisas certas; os gestores são pessoas que fazem bem as coisas” 24
  25. 25. Liderança carismática • A liderança carismática pressupõe que os lideres possuem qualidades excepcionais na óptica dos seus subordinados. • A influência de um líder não assenta na autoridade ou na tradição, mas sim na percepção dos seus seguidores. • As explicações da liderança carismática baseiam-se na atribuição, em observações objectivas, na teoria do autoconceito, na psicanálise e no contágio social. 25
  26. 26. Liderança baseada na competência • Podemos aprender e melhorar as competências críticas que permitem prever as diferenças entre pessoas com um desempenho excepcional (os líderes) e as pessoas com um desempenho médio. 26
  27. 27. Liderança com ambições e visionária • Segundo Kouzes e Posner, os lideres “inflamam” a paixão dos subordinados e são como uma bússola pela qual se orientam os seguidores. • Os autores definem liderança como “a arte de mobilizar os outros para lutar por aspirações partilhadas”. • A ênfase reside no desejo dos seguidores em dar o seu contributo e na capacidade do líder para motivar as pessoas para a acção. 27
  28. 28. Liderança com ambições e visionária • Os líderes dão resposta às necessidades dos clientes, criam visão, transmitem energia aos colaboradores e, actuam em ambientes caóticos a um ritmo acelerado. • A liderança consiste em articular visões, incorporar valores e criar um ambiente favorável à concretização dos projectos. 28
  29. 29. Liderança estratégica e de gestão • A liderança procura a integração de associados externos e internos. • Drucker sublinha três componentes nesta integração: financeira, de desempenho e pessoal. • Parta este autor os líderes são responsáveis pelo desempenho das suas organizações e pela comunidade em geral. • Os líderes desempenham papéis e estão dotados de características especiais. 29
  30. 30. Liderança estratégica e de gestão • Segundo Kotter, os líderes sabem comunicar visão e orientação, alinhar as pessoas e motivá-las; são, além disso, fonte de inspiração e são capazes de transmitir energia aos seguidores. • Por outro lado, os líderes são agentes de mudança e valorizam os colaboradores. • A liderança é um processo de dar sentido (uma orientação com significado) ao esforço colectivo e, faz com que se desenvolva voluntariamente um esforço para concretizar objectivos. 30
  31. 31. Liderança estratégica e de gestão • Além disso, a liderança de gestão eficaz gera trabalho de gestão eficaz. • Para estes autores a liderança depende necessariamente do tempo e do lugar, dos indivíduos e das situações. 31
  32. 32. Liderança baseada em resultados • Ulrich propõe um modelo de liderança baseado na “descrição dos diferentes resultados que os líderes produzem” e associa os resultados ao carácter. • Os líderes têm carácter moral, integridade e energia, assim como conhecimentos técnicos e pensamento estratégico. • Por outro lado, os líderes mostram comportamentos eficazes que se traduzem no sucesso das organizações. 32
  33. 33. Liderança baseada em resultados • Como os resultados da liderança são quantificáveis, também podem ser ensinados e aprendidos. • Nohria e outros analisaram no “Evergreen Project” mais de 200 práticas de gestão, durante um período de 10 anos, para determinar aquelas que proporcionavam resultados francamente superiores. • As quatro práticas básicas são estratégia, execução, cultura e estrutura. 33
  34. 34. Liderança baseada em resultados Nas empresas que apresentavam resultados excepcionais verificava-se, igualmente a existência de duas das seguintes práticas secundárias: talento, inovação, liderança e fusões e aquisições. 34
  35. 35. O líder como professor • Os líderes são professores. • Os líderes determinam “de que ponto de vista é que querem ensinar algo”. • A liderança é uma questão de motivação de pessoas, com recurso a histórias que se lhes contam. • Tichy sustenta que a liderança eficaz é equivalente ao ensino eficaz. 35
  36. 36. A liderança enquanto arte de representação • A liderança é discreta, no sentido de que os líderes não exibem publicamente as suas actividades de liderança (exemplo: a motivação, o exemplo ou o coaching, etc). • Uma metáfora comum para descrever a liderança enquanto arte de representação é a do regente de orquestra ou de um conjunto de jazz. 36
  37. 37. Liderança cultural e holística • A liderança é a capacidade para iniciar processos de mudança, independentemente da cultura, que sejam mais adaptáveis. • A liderança é a capacidade para atrair parceiros importantes, para criar seguidores e para valorizar as pessoas. • A abordagem holística de Wheatley parte do princípio de que a liderança está em função dos contextos e dos sistemas. 37
  38. 38. Liderança cultural e holística • Os líderes criam relações sinérgicas entre os indivíduos , as organizações e o meio ambiente. • Os líderes promovem a organização como processo de aprendizagem, através da prática das cinco formas de disciplina. • Segundo Senge, os líderes desempenham simultaneamente o papel de arquitectos, do administrador e do professor. 38
  39. 39. Liderança como serviço • A liderança como serviço significa que o líder é, antes de mais, alguém que presta um serviço àqueles que guia, - empregados, clientes e sociedade. • O perfil de um líder com sentido de serviço inclui capacidade de escuta, empatia, capacidade para cuidar dos outros, capacidade de se aperceber dos problemas, dotes persuasivos, inteligência abstracta, capacidade de previsão, capacidade para administrar, interesse pelo crescimento dos outros e por fomentar o desenvolvimento da sociedade. 39
  40. 40. Liderança espiritual • A liderança está mais interessada no espírito das pessoas do que no controlo da acção. • Fairholm entende a liderança como uma ligação a outras pessoas. • Diz mesmo que, “dado que os líderes assumem o compromisso de cuidar da pessoa como um todo, deverão incluir o cuidado espiritual na sua prática… Os líderes do novo século deverão em primeiro lugar cuidar de si próprios com todo o empenho e, de seguida, ajudar os seus seguidores a fazer o mesmo.” 40
  41. 41. Liderança espiritual • A influência do líder advém do seu conhecimento da cultura organizacional, dos costumes, dos valores e das tradições. 41

×