Aula inaugural saude da criança

3.517 visualizações

Publicada em

Aula inaugural

Publicada em: Ciências
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.517
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
97
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula inaugural saude da criança

  1. 1. Plano de Curso  CURSO:ENFERMAGEM  CH Total:180CH Teórica:100CH Prática:80  CRÉDITOS:9
  2. 2. Ementa  Aplicação da metodologia científica na assistência de enfermagem ao recém-nascido normal e de alto rico. Fundamentação teórica no estudo do crescimento e desenvolvimento infantil. Assistência de enfermagem à criança portadora de patologias clínicas e cirúrgicas. Abordagem de enfermagem social e familiar da criança e do adolescente.
  3. 3. II. OBJETIVOS  Proporcionar ao aluno suporte teórico-prático relativos a sistematização da assistência de enfermagem nos cuidados com o neonato, com a criança e com o adolescente nas patologias clínicas e cirúrgicas
  4. 4. Conteúdo Programático  UNIDADE I: O Recém-Nascido  RN normal: características; assistência de enfermagem;  Assistência de enfermagem ao Neonato de risco na UTI neonatal:Anormalidades e Patologias do recém-nascido, aspectos clínicos e cirúrgicos.  Aleitamento materno e alimentação complementar após o 6º mês de vida  UNIDADE II: Assistência Integral à criança e ao adolescente  1-Papel do Enfermeiro na assistência de enfermagem a criança e ao adolescente, princípios da comunicação   2- Crescimento e desenvolvimento infantil (definição de termos, fatores que interferem nos períodos de crescimento: lactente, pré-escolar, escolar e adolescente, características e assistência de enfermagem);
  5. 5.  UNIDADE III: A criança Portadora de Patologias Clínicas e CirúrgicasAssistência de enfermagem a criança portadora de patologias clínicas e cirúrgicas: distúrbios hemorrágicos,gastrointestinais,genitourinários, imunológicos, respiratórios e cardiológicos;  Assistência de enfermagem à criança hospitalizada e gravemente enferma – abordagem psicológica a criança e a família.
  6. 6. Descrição da Média Final  (AV1) + (2 x AV2) / 3 = Média Final, que deverá ser igual ou superior a 7,0.Caso o aluno não atinja a média, poderá fazer uma AV Final. A média para aprovação, nesse segundo caso, deverá ser igual ou superior a 5,0.
  7. 7. Bibliografia  WONG, D. L. Enfermagem Pediátrica: elementos essenciais à intervenção efetiva. 5ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara- Koogan, 2003.SILVA, Aldeído Simões da. Manual de Neonatologia, MEDSI, 2002.TANAKA, O.Y.; MELO, C.Avaliação de Programas de Saúde do Adolescente. São Paulo: EDUPS, 2002.  TAMEZ, R. N.; SILVA, M. J. P. Enfermagem na UTI Neonatal: Assistência ao recém-nascido de alto risco. 3ª ed. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan, 2006
  8. 8. Aspectos Importantes - Ana Érica SSaallaa ddee AAuullaa •PPoonnttuuaalliiddaaddee;; •AA cchhaammaaddaa sseerráá rreeaalliizzaaddaa ssoommeennttee nnoo iinníícciioo ddaa aauullaa.. SSeerráá rreeggiissttrraaddaa aa pprreesseennççaa ddooss aattrraassaaddooss aaoo ffiinnaall ddaa aauullaa;; •DDeevveerráá hhaavveerr iinntteerraaççããoo eennttrree pprrooffeessssoorr ee aalluunnoo aa ffiimm ddee ffaacciilliittaarr oo pprroocceessssoo eennssiinnoo xx aapprreennddiizzaaggeemm;; •OOss ccoonntteeúúddooss sseerrããoo ddaaddooss uuttiilliizzaannddoo ccoommoo rreeccuurrssoo oo ddaattaa sshhooww.. AA ccóóppiiaa sseerráá ddiissppoonniibbiilliizzaaddaa aappóóss aa aauullaa ee ddiissppoonniibbiilliizzaaddaa nnoo sseettoorr ddee xxéérrooxx..
  9. 9.  Aulas práticas:  Serão realizadas no laboratório dividindo-se a turma.  O grupo que ficar em sala fará um estudo dirigido com o objetivo de fixar o conteúdo. Essa será a freqüência e só receberei no horário da aula;  O uso do jaleco é indispensável;  O bom comportamento, a participação e o zelo pelos materiais do laboratório fazem parte da avaliação de prática;  Não haverá aula de revisão prática. O aluno deverá procurar a monitoria e realizar as práticas em tempo hábil e não somente na época de avaliações.
  10. 10.  Estágio Hospitalar  Serão realizados nas unidades conveniadas;  O aluno deverá ser pontual e assíduo  Roupa branca composta e sapato fechado;  Comportamento ético;  Levar bloco de anotações e material para verificação de sinais vitais;  Deve levar diariamente o guia de estágio.  Comunicar intercorrências de estágio ao supervisor de estágio.
  11. 11.  Avaliações  AV1 – prova escrita  AV2 - prova escrita  + nota de estágio.
  12. 12. ENFERMAGEM PEDIATRICA  Perspectivas da enfermagem pediátrica;  Mortalidade;  O maior declínio nas taxas de óbito durante a infância: Doenças intestinais,doenças infecciosas,condições perinatais, neoplasias e os TRAUMAS  Morbidade.
  13. 13. FILOSOSOFIA DO CUIDADO “Diagnostico e tratamento das respostas humanas aos problemas de saúde reais ou potenciais”  Cuidados centrado na família;  Cuidados atraumaticos: cuidados terapêuticos, qualidade do serviço, pessoal, intervenções, desconforto psicológico, desconforto físico. META  Prevenir ou minimizar a separação da criança de sua família;  Prevenir ou minimizar a lesão corporal e a dor;
  14. 14. O PAPEL DA ENFERMEIRA PEDIATRICA  Relacionamento terapêutico;  Atenção a família: rotina do serviço de saúde,tratamentos e procedimentos, cuidados a criança;  Prevenção de doenças/ Promoção da saúde;  Educação em saúde;  Suporte /Aconselhamento;
  15. 15. O PAPEL DA ENFERMEIRA PEDIATRICA  Pesquisa;  Planejamento da Atenção à Saúde  Funções de restauração;  Coordenação;  Tomada de decisão ética.
  16. 16. Aspectos Atuais da Neonatologia Na instalação de uma unidade de atendimento ao RN e gestante tem-se seguindo o modelo de 'Sistema de Regionais Integrado e Hierarquizado'. Este modelo tem implícito a assistência integral à gestante e ao RN, sendo que a atenção é efetuada dentro do nível hierárquico em que o caso for indicado. No caso de maternidades, o sistema prevê três níveis com um adequado sistema de referência e contra-referência entre eles, a saber:
  17. 17.  PRIMÁRIO: será feito o acompanhamento de gestante e RN de baixo risco, identificando e encaminhado os casos de maior risco para os próximos níveis de assistência mais complexa.  SECUNDÁRIO: acompanhará gestantes e RN de baixo e médio risco, selecionando e encaminhado casos de maior risco para os Centros mais habilitados para o seu atendimento  TERCIÁRIO: destinado ao atendimentos de gestante e RN de alto risco e de internação de RN com algumas patologias, transportados de outras unidades para a Unidade de Tratamento Intensivo Neonatal (UTIN )

×