Cisto dentígero

369 visualizações

Publicada em

Cisto dentígero

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
369
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cisto dentígero

  1. 1. 952 CISTO DENTÍGERO ASSOCIADO A DENTE ECTÓPICO – RELATO DE CASO CISTO DENTÍGERO ASSOCIADO A DENTE ECTÓPICO RELATO DE CASO DENTIGEROUS CYST ASSOCIATED WITH ECTOPIC TOOTH CASE REPORT Renata Moura Xavier DANTAS * Denis Damião COSTA ** Ítalo Cordeiro TOLEDO *** José Augusto Tuy de Britto de OLIVEIRA JUNIOR *** Rodrigo Tavares BONFIM **** Roberto ALMEIDA DE AZEVEDO ***** __________________________________ * Residente do primeiro ano do Serviço de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial do Hospital Santo Antônio OSID/ HGE/ UFBA. ** Cirurgião-Dentista graduado pela UFBA, interno do Serviço de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial do Hospital Santo Antônio OSID/ HGE/ UFBA. *** Residente do terceiro ano do Serviço de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial do Hospital Santo Antônio OSID/ HGE/ UFBA. **** Especialista em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial pelo Serviço de Residência do Hospital Santo Antônio OSID/ HGE/ UFBA. ***** Preceptor do Serviço de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial do Hospital Santo Antônio OSID/ HGE/ UFBA.
  2. 2. 953 CISTO DENTÍGERO ASSOCIADO A DENTE ECTÓPICO – RELATO DE CASO RESUMO O cisto dentígero ou folicular é considerado o tipo mais comum de cisto de desenvolvimento, envolve a coroa de um dente incluso de forma silenciosa, e apresenta potencial de expansão, erosão das corticais ósseas e deslocamento das unidades dentárias envolvidas. Este trabalho relata caso de paciente do gênero feminino, 37 anos de idade, comparecendo ao Ambulatório de Cirurgia e Traumatologia Buco Maxilo Facial do Hospital Santo Antônio – OSID/ HGE/ UFBA para avaliação da necessidade de extrações dos terceiros molares. Ao exame de imagem observou-se sinal sugestivo de cisto dentígero associado a coroa do elemento 48 retido. Foi realizada biópsia excisional, com confirmação microscópica do diagnóstico clínico prévio. Paciente em controle pós-operatorio de cinco meses, demonstrando radiograficamente neoformação óssea em região retromolar direita. O objetivo deste trabalho foi relatar através de um caso clínico o deslocamento dentário causado por um cisto dentígero na mandíbula, além de alertar a classe odontológica quanto à presença de dentes retidos com o desenvolvimento de lesões associadas. ABSTRACT The dentigerous or follicular kyst is considered the most common development kyst, it surrounds the crown of a impacted tooth silently and present expansion potencial, erosion of the cortical bones and dislocation of the dental unities involved. This paper reports a case of a female patient, thirty seven years old, arrived at the ambulatory of oral and maxillofacial surgery and traumatology of the Santo Antonio Hospital for evaluation of the need of extraction of the wisdom teeth. Radiografically it was observed suggestive signs of kyst lesion associated to the crown of the right mandibular wisdom teeth. The patient is at the fifth month of follow up, showing radiografically signs of new formation of bone at the right retromolar region. The aim of this paper is to present a case report of dental dislodgment caused by a dentigerous kyst at the mandible, and alert de odontology class about the relation of retained tooth and the development of associated lesions. Unitermos: Cisto, Cisto Dentígero, Biopsia. Uniterms: Cysts, Dentigerous Cyst, Biopsy.
  3. 3. 954 CISTO DENTÍGERO ASSOCIADO A DENTE ECTÓPICO – RELATO DE CASO INTRODUÇÃO O cisto dentígero (CD), também descrito como cisto folicular, é uma patologia benigna, de desenvolvimento, originando através do acúmulo de fluido entre o remanescente do órgão do esmalte e a coroa dentária subjacente (DINKAR; DAWASAZ; SHENOY, 2007; MARZOLA, 2008 e SETTE-DIAS; ABDO; MESQUITA et al., 2008). Acredita-se que uma alteração do epitélio do órgão do esmalte, após a formação completa ou parcial da coroa dentária, numa fase em que o retículo estrelado deveria ser reabsorvido biologicamente, é o agente etiológico desencadeante (MARZOLA, 2005; MARZOLA; PEREIRA; TOLEDO-FILHO, 2007; MARZOLA, 2008 e MARZOLA; CARVALHO- FILHO; TOLEDO-FILHO, 2008). Trata-se de um cisto odontogênico associado a um dente de erupção tardia, retido e impactado, unido à coroa dental na junção amelocementária (MARZOLA, 2008; REGEZZI; SCIUBBA; JORDAN, 2008 e SILVEIRA; PEREIRA; AMADEI et al., 2009). Em ordem decrescente, terceiros molares inferiores, caninos superiores e terceiros molares superiores são as unidades mais acometidas (FERNANDES; SOUZA; MESQUITA et al., 2006 e MARZOLA, 2008). É uma lesão cística comum, rara na dentição decídua, prevalente na segunda e terceira décadas da vida, com predileção pelo gênero masculino, frequente na mandíbula (70% dos casos), solitária e assintomática, sendo descoberta em exame radiográfico de rotina (MARZOLA, 2005; KASABOGLU; BASAL; USUBUTUN, 2006; ALLAIS DE MAURETTE; MAURETTE; HAITER-NETO et al., 2007; GROSSMANN; MACHADO; XAVIER et al., 2007; MARZOLA; PEREIRA; TOLEDO-FILHO, 2007; MARZOLA, 2008; MARZOLA; CARVALHO-FILHO; TOLEDO-FILHO, 2008 e TORTORICI; AMODIO; MASSENTI et al., 2008). Estes cistos são rotineiramente diagnosticados através de radiografias panorâmicas de rotina, apesar da Tomografia Computadorizada Cone-Beam ser considerada o padrão ouro. Radiograficamente caracteriza- se por uma imagem radiolúcida, unilocular, bem circunscrita e, margem esclerótica, associada à coroa de um dente retido. Nos cistos infectados e naqueles de grande dimensão a imagem pode apresentar, respectivamente, limites mal definidos além do aspecto multilocular (SVERZUT; BARROS; BRENTEGANI et al., 2003; MOTAMEDI; TALESH, 2005; SANTOS; ANTUNES; AVELAR et al., 2007; MARZOLA, 2008; SAFIRA; PAIM; CARNEIRO-JÚNIOR et al., 2009; BLAYA; BLAYA; MENEZES et al., 2010; SILVA; PINHEIRO; RAUSCH, 2010 e MORAIS; SILVA; DANTAS et al., 2011). A literatura relata que o cisto dentígero por apresentar características radiográficas não específicas requer um diagnóstico diferencial com o ameloblastoma unilocular, tumor odontogênico ceratocístico (MARZOLA, 2008 e MORAIS; SILVA; DANTAS et al., 2011), fibroma ameloblástico (MARZOLA, 2008 e SETTE-DIAS; ABDO; MESQUITA, et al., 2008), tumor odontogênico adenomatóide e tumor de Pindborg (DUNSHE; BABENDERERDE; LÜTTGES et al., 2003; MARZOLA, 2008 e SAFIRA; PAIM; CARNEIRO-JÚNIOR et al., 2009).
  4. 4. 955 CISTO DENTÍGERO ASSOCIADO A DENTE ECTÓPICO – RELATO DE CASO Baseado na relação cisto/coroa dentária e para melhor didática, as variações radiográficas foram classificadas em central, lateral e circunferencial (NEVILLE; DAMM; ALLEN et al., 2004). O termo extrafolicular, poderá ser empregado quando o retículo solta-se da coroa dental, individualizando-se (MARZOLA, 2005 e MARZOLA, 2008). Microscopicamente, o cisto dentígero, apresenta uma cápsula de tecido conjuntivo fibroso arranjado frouxamente com pequenas ilhas ou cordões de epitélio odontogênico, além de infiltrado inflamatório mononuclear. O epitélio de revestimento é em geral do tipo pavimentoso estratificado não ceratinizado, com duas a quatro camadas de células epiteliais cúbicas, tendo na interface epitélio-conjuntivo plano (NEVILLE; DAMM; ALLEN et al., 2004; DAMATSU; KUMAMOTO; OOYA et al., 2005; MARZOLA, 2008 e SILVEIRA; PEREIRA; AMADEI et al., 2009). Acredita-se que a pressão do líquido acumulado no lúmen cístico pode levar unidades dentárias adjacentes ou a própria unidade afetada a percorrer pequenas ou grandes distâncias, desencadeando um irrompimento ectópico, impacção dentária, reabsorção radicular, assimetria facial e, malignização da lesão (MARZOLA, 2005; MEZZOMO; DALL`IGNA; CHEVARRIA et al., 2005; MARZOLA; PEREIRA; TOLEDO-FILHO, 2007; MARZOLA, 2008 e MARZOLA; CARVALHO-FILHO; TOLEDO-FILHO, 2008). O tratamento do cisto dentígero é determinado sempre pelo tamanho da lesão e, em lesões pequenas opta-se pela sua enucleação. Em lesões grandes pela marsupialização ou ainda uma descompressão e, se necessário, realiza-se enucleação secundária (NEVILLE; DAMM; ALLEN et al., 2004; FUJII; KAWAKAMI; HYOMOTO et al., 2008 e POZZER; JAIMES; CHAVES-NETTO et al., 2009). A manutenção da unidade dentária envolvida é indicada quando o seu irrompimento é viável, necessitando muitas vezes de tratamento ortodôntico (NEVILLE; DAMM; ALLEN, et al., 2004). O prognostico relacionado a muitos cistos dentígeros é excelente e, raramente há recidiva após a remoção completa da lesão (MEZZOMO; DALL`IGNA; CHEVARRIA et al., 2005; MARZOLA, 2008 e MARZOLA; CARVALHO-FILHO; TOLEDO-FILHO, 2008). O objetivo do presente trabalho foi relatar um caso clínico de deslocamento dentário causado por um cisto dentígero na mandíbula, além de alertar a classe odontológica quanto à importância da observação clinica/radiográfica de dentes retidos e sua possível associação ao desenvolvimento de lesões. RELATO DE CASO CLÍNICO Paciente leucoderma, 37 anos de idade, gênero feminino, assintomática, compareceu ao Ambulatório de Cirurgia e Traumatologia Buco Maxilo Facial do Hospital Santo Antônio – OSID/ HGE/ UFBA para avaliação da necessidade de extração dos terceiros molares. Ao exame clínico intra-oral não havia qualquer aumento de volume ou alteração na coloração da mucosa das áreas referidas e, apenas a ausência dos terceiros molares superiores e inferiores.
  5. 5. 956 CISTO DENTÍGERO ASSOCIADO A DENTE ECTÓPICO – RELATO DE CASO Ao exame de imagem observou-se sinal sugestivo de lesão hipodensa, circunscrita, de limites definidos, envolvendo a coroa da unidade 48 retida, com seu deslocamento com ápice radicular voltado para o ramo mandibular, proximidade e deslocamento inferior do nervo alveolar inferior e, ausência de expansão das corticais ósseas, além da reabsorção radicular dos dentes adjacentes (Fig. 1). Foi realizada biópsia excisional, sob anestesia local, por enucleação da lesão e extração da unidade 48 envolvida (Fig. 2), com o encaminhamento da paciente para tratamento endodôntico da unidade 47. A peça foi encaminhada para exame no CEAP – Centro de Estudo de Anatomia Patológica Ltda. – Salvador/BA, N. Exame: B/000613/11 (Fig. 3), com confirmação microscópica de cisto dentígero. Paciente em controle pós-operatório de cinco meses, demonstrando radiograficamente neoformação óssea satisfatória na região retromolar direita (Fig. 4). A paciente segue em acompanhamento, sem outras queixas. Fig. 1 – Corte sagital de tomografia computadoriza, evidenciando posicionamento ectópico da unidade 48, associada à imagem sugestiva de cisto dentígero.
  6. 6. 957 CISTO DENTÍGERO ASSOCIADO A DENTE ECTÓPICO – RELATO DE CASO Fig. 2 – Loja cirúrgica demonstrando a lesão com envolvimento da unidade 48. Fig. 3 – Peça cirúrgica enviada para exame microscópico.
  7. 7. 958 CISTO DENTÍGERO ASSOCIADO A DENTE ECTÓPICO – RELATO DE CASO Fig. 4 – Radiografia panorâmica de 5 meses de pós operatório, mostrando neoformação óssea na região retromolar direita. DISCUSSÃO O Cisto Dentígero corresponde ao cisto odontogênico de desenvolvimento mais comum, sendo o segundo cisto odontogênico mais prevalente, perdendo somente para o cisto radicular (SVERZUT; BARROS; BRENTEGANI et al., 2003; SANTOS; ANTUNES; AVELAR et al., 2007; MARZOLA, 2008; BLAYA; BLAYA; MENEZES et al., 2010; SILVA; PINHEIRO; RAUSCH, 2010 e MORAIS; SILVA; DANTAS et al., 2011). Foi realizada uma revisão da literatura de terceiros molares inferiores ectópicos, descritos nas bases de dados Pubmed e Medline, nos últimos 24 anos, sendo notado que dos 11 casos estudados 8 estavam associados a uma imagem radiolúcida em torno da coroa, descritos como cisto dentígero (MARZOLA, 2008 e WANG et al., 2008). Foi também relatado que esses cistos odontogênicos têm predileção pelo gênero masculino, além de acometer mais a região anterior da maxila e posterior da mandíbula numa proporção de 1,5:1 (MARZOLA, 2008 e SILVA; PINHEIRO; RAUSCH, 2010). Há outros relatos na literatura de maior frequência na mandíbula, corroborando com o caso descrito
  8. 8. 959 CISTO DENTÍGERO ASSOCIADO A DENTE ECTÓPICO – RELATO DE CASO (FERNANDES; SOUZA; MESQUITA et al., 2006; MARZOLA, 2008; BLAYA; BLAYA; MENEZES et al., 2010; SILVA; PINHEIRO; RAUSCH, 2010 e MORAIS; SILVA; DANTAS et al., 2011). Alguns autores acreditam que o Cisto Dentígero é diagnosticado principalmente entre a segunda e terceira década da vida, devido ser a faixa etária de maior acompanhamento odontológico, principalmente através de radiografias de rotina como as panorâmicas (MARZOLA, 2008; SETTE-DIAS; ABDO; MESQUITA et al., 2008; MARZOLA, 2008; BLAYA; BLAYA; MENEZES et al., 2010; SILVA; PINHEIRO; RAUSCH, 2010 e MORAIS; SILVA; DANTAS et al., 2011). Estudos afirmam que o diagnóstico sobressai até a quarta década de vida, estando nossa paciente dentro dessa média de idade (FERNANDES; SOUZA; MESQUITA et al., 2006 e MARZOLA, 2008). Caracteriza-se por ter um caráter assintomático e pouco agressivo (FERNANDES; SOUZA; MESQUITA et al., 2006; MARZOLA, 2008; SETTE-DIAS; ABDO; MESQUITA et al., 2008 e SILVA; PINHEIRO; RAUSCH, 2010) porém, sabe-se que têm o potencial de se tornarem muito grandes e causarem expansão e erosão da cortical, além de movimentações dentárias, reabsorção radicular e maloclusão (SETTE-DIAS; ABDO; MESQUITA et al., 2008; MARZOLA, 2008; SILVA; PINHEIRO; RAUSCH, 2010 e MORAIS; SILVA; DANTAS et al., 2011). Apesar de assintomático, o cisto relatado no caso clínico tinha perfil de agressividade, com deslocamento do terceiro molar envolvido para uma posição ectópica. Manifesta-se geralmente de forma solitária como no caso estudado, entretanto quando múltiplos ou bilaterais podem estar associados à síndrome de Maroteaux-Lamy (mucopolissacarídeo tipo VI), displasia cleidocraniana (MORAIS; SILVA; DANTAS et al., 2011) e, em pacientes que fazem uso da ciclosporinas (SETTE-DIAS; ABDO; MESQUITA et al., 2008). Exames imaginológicos avançados, como a tomografia computadorizada, são indicados para cistos de maior extensão, a fim de uma melhor precisão dos limites das lesões, além da análise das estruturas anatômicas associadas (MARZOLA, 2008 e BLAYA; BLAYA; MENEZES et al., 2010). Os cistos maiores, que envolvem grande perda óssea, com possibilidade de desencadear fratura patológica, danos às estruturas anatômicas, como ápices de dentes vitais, seio maxilar ou do nervo alveolar inferior, ou ainda com chances de irrompimento do dente envolvido, são, com frequência, tratados por inserção de um dreno cirúrgico ou ainda por marsupialização (MARZOLA, 2008; SETTE-DIAS; ABDO; MESQUITA et al., 2008; MARZOLA, 2008; BLAYA; BLAYA; MENEZES et al., 2010; SILVA; PINHEIRO; RAUSCH, 2010 e MORAIS; SILVA; DANTAS et al., 2011). O tratamento definitivo mais adotado consiste na enucleação cuidadosa do componente de tecido mole, com remoção da unidade dentária associada (MARZOLA, 2008; SETTE-DIAS; ABDO; MESQUITA et al., 2008; BLAYA; BLAYA; MENEZES et al., 2010; SILVA; PINHEIRO; RAUSCH, 2010 e MORAIS; SILVA; DANTAS et al., 2011). Concordando com a literatura, no caso descrito a lesão ainda apresentava-se em tamanho
  9. 9. 960 CISTO DENTÍGERO ASSOCIADO A DENTE ECTÓPICO – RELATO DE CASO aceitável, optando-se pela sua enucleação, sob anestesia por bloqueio regional dos nervos alveolar inferior, lingual e bucal, diminuindo ainda mais as chances de recidiva. Caso de um cisto dentígero em criança de 11 anos de idade é apresentado, sendo realizada a enucleação e extração das unidades envolvidas, além da simultânea implantação de biomaterial com membrana reabsorvível de osso liofilizado (MARZOLA; PEREIRA; TOLEDO-FILHO, 2007 e MARZOLA, 2008). CONCLUSÕES Os cistos dentígeros apesar de ser considerada uma patologia pouco agressiva e, manifestar-se com ausência de sintomas, apresentam potencial para atingir maiores proporções causando deslocamentos dentários importantes. Na maioria dos casos a enucleação é considerada o tratamento de escolha. É essencial a realização de exame microscópico para o diagnóstico diferencial, descartando os demais tipos de lesões com características semelhantes, além do controle radiográfico periódico. Acompanhamento odontológico anual, através de radiografia panorâmica faz-se necessário na investigação de presença de desenvolvimento de lesões associadas a dentes retidos, sobretudo terceiros molares. REFERÊNCIAS * ALLAIS DE MAURETTE, M. E.; MAURETTE, P. E. O.; HAITER-NETO, F. et al., Tratamiento de quiste dentígero bilateral mandibular por medio de dos tipos de tratamientos: Relato de caso clínico y comparación entre las técnicas. Acta odontol. venez., Caracas., v. 45, n. 1, p. 109-12, jan.,/jun., 2007. BLAYA, D. A.; BLAYA, M. G.; MENEZES J. D. S. et al., Cisto Dentígero Mandibular Tratados com Marsupialização e Enucleação: Relato de Dois Casos. Rev. brasil. Cirurgia Buco-Maxilo-Fac., Campo Belo, SP., v. 10, n. 2, p. 99–104, out.,/dez., 2010. DINKAR, A. D.; DAWASAZ, A. A.; SHENOY, S. Dentigerous cyst associated with multiple mesiodens: A case report. J. Indian Soc. Pedod. Prev. Dent., Chandigarh., v. 25, n. 6, p. 56-9, mar., 2007. DUNSHE, A.; BABENDERERDE, O.; LÜTTGES, J. et al., Dentigerous cyst versus unicystic ameloblastoma – Differential diagnosis in routine histology. J. oral Pathol. Med., Copenhagen., v. 32, n.8, p. 486-91, sep., 2003. DAMATSU, M.; KUMAMOTO, H.; OOYA, K. et al., Apoptosis-related factors in the epithelial components of dental follicles and dentigerous cysts associated with impacted third molars of the mandible. Oral Surg. Oral Med. Oral Pathol. Oral Radiol. Endod., St. Louis., v. 99, n. 1, 17-23, jan., 2005. _____________________________________ * De acordo com as normas da ABNT.
  10. 10. 961 CISTO DENTÍGERO ASSOCIADO A DENTE ECTÓPICO – RELATO DE CASO FERNANDES, A. M.; SOUZA, A.; MESQUITA, R. et al., Análise das características clínico-histopatológicas do cisto dentígero: estudo retrospectivo de 10 anos. Cienc. Odontol. bras., São Paulo, SP., v. 9, n. 2, p. 56-60, abr.,/jun., 2006. FUJII, R.; KAWAKAMI, M.; HYOMOTO, M. et al., Panoramic findings for predicting eruption of mandibular premolars associated with dentigerous cyst after marsupialization. J. oral Maxillofac. Surg., Philadelphia., v. 66, n. 2, p. 272-6, feb., 2008. GROSSMANN, S. M.; MACHADO, V. A.; XAVIER, G. M. et al., Demographic profile of odontogenic and selected nonodontogenic cysts in a Brazilian population. Oral Surg. Oral Med. Oral Pathol. Oral Radiol. Endod., St. Louis., v. 104, n. 6, p. 35-41, dec., 2007. KASABOGLU, O.; BASAL, Z.; USUBUTUN, A. Glandular odontogenic cyst presenting as a dentigerous cyst: a case report. J. oral Maxillofac. Surg., Philadelphia., v. 64, n. 4, p. 731-3, apr., 2006. MARZOLA, C.; CARVALHO FILHO, C.; TOLEDO FILHO, J. L. Cistos dentígeros em crianças. Rev. Odont. – ATO (on line)., São Paulo, SP., v. 8, n. 12, p. 701-75, dez., 2008. MARZOLA, C. Fundamentos em Cirurgia Buco Maxilo Facial. São Paulo: Ed. Big Forms, 6 vols., 2008. MARZOLA, C. Fundamentos em Cirurgia Buco Maxilo Facial. CDR. Bauru: Ed. Independente, 2005. MARZOLA, C.; PEREIRA, M. C.; TOLEDO-FILHO, J. L. Cistos dentígeros em crianças. Rev. Odont. – ATO (on line)., São Paulo, SP., v. 7, n. 4, p. 272- 83, abr., 2007. MEZZOMO, F. S.; DALL`IGNA, C. M.; CHEVARRIA, M. G. et al., Conseqüências ortodônticas do cisto dentígero. Ortodon. gaúcha, Porto Alegre, RS., v. 9, n. 1, p. 52-60, jan.,/jun., 2005. MORAIS, H. H. A.; SILVA, T. F. A.; DANTAS, R. M. M. et al., Cisto dentígero bilateral em mandíbula: Relato de caso. Rev. Cir. Traumatol. Buco-Maxilo- Fac., Camaragibe, PE., v. 11, n. 1, p. 9-12, jan.,/mar., 2011. MOTAMEDI, M. H.; TALESH, K. T. Management of extensive dentigerous cysts. Br. dent. J., London., v. 198, n. 4, p. 203-6, feb., 2005. NEVILLE, B. W. et al., Patologia oral e maxilofacial. 2a ed., São Paulo: Ed. Guanabara/Koogan, 2004. POZZER, L.; JAIMES, M.; CHAVES-NETTO, H. D. M. et al., Cistos Odontogênicos em crianças: análise de descompressão cirúrgica em dois casos. Rev. Cir. Traumatol. Bucomaxilofac., Camarajibe, PE., v. 9, n. 2, p. 17-22, abr.,/jun., 2009. REGEZZI, J. A.; SCIUBBA, J. J.; JORDAN, R. C. K. Oral pathology: clinical pathologic correlations. 5a ed., St. Louis: Ed. Saunders Elsevier, 2008. SAFIRA, L. C; PAIM, J. M; CARNEIRO-JÚNIOR, B. et al., Cisto dentígero em mandíbula: relato de caso clínico. Rev. Ci. méd. biol., Salvador, BA., v. 8, n. 2, p. 225-9, mai.,/ago., 2009. SANTOS, T. S.; ANTUNES, A. A.; AVELAR, R. L. et al., Cistos odontogênicos: estudo epidemiológico de 72 Casos. Rev. brasil. Cir. Cab. Pesc., São Paulo, SP., v. 36, n. 1, p.30-2, jan.,/mar., 2007.
  11. 11. 962 CISTO DENTÍGERO ASSOCIADO A DENTE ECTÓPICO – RELATO DE CASO SETTE-DIAS, A. C.; ABDO, E. M.; MESQUITA, R. S. et al., Cisto dentígero sequencial: Relato de caso. Robrac., Goiania, GO., v. 17, n. 44, p. 133-7, dez., 2008. SILVA, M. A.; PINHEIRO, T. N.; RAUSCH F. Z. Cisto dentígero: revisão de literatura e relato de caso. Rev. UNINGA. Maringá, PR., v. 25, n. 25, p. 145- 59, jul.,/set., 2010. SILVEIRA, V. A. S.; PEREIRA, A. C.; AMADEI, S. U. et al., Cisto dentígero inflamatório relacionado a dente permanente: considerações etiopatológicas, Rev. Odontol UNESP., São Paulo, SP., v. 38, n. 3, p. 143-7, mai.,/jun., 2009. SVERZUT, C. E.; BARROS, V. M. R.; BRENTEGANI, L. G. et al., Descompressão e enucleação de cisto dentígero mandibular, Rev. Ass. paul. Cirurg. Dent., São Paulo, SP., v. 57, n. 4, p. 299-302, out.,/dez., 2003. TORTORICI, S.; AMODIO, E.; MASSENTI, M. F. et al., Prevalence and distribution of odontogenic cysts in Sicily: 1986-2005. J. oral Sci., Copenhagen., v. 50, n. 1, p. 15-18, mar., 2008. WANG, C. C.; KOK, S. H.; HOU, L. T. et al., Ectopic mandibular third molar in the ramus region: report of a case and literature review, Oral Surg. Oral Med. Oral Pathol. Endod. Oral Radiol., St. Louis., v. 105, n. 2, p. 155-61, feb., 2008. o0o

×