Escola do Campo, na relaçãoEscola do Campo, na relação
com o Campo e a Educação do-com o Campo e a Educação do-
no Campono...
Justificativa da Educação do CampoJustificativa da Educação do Campo
 Emerge em 1998 a partir da constatação daEmerge em ...
MITOS DA SOCIEDADE MODERNA INDUSTRIALIZADAMITOS DA SOCIEDADE MODERNA INDUSTRIALIZADA
(DUARTE, 1998)(DUARTE, 1998)
O distan...
Abril 8, 2008: “Revoltas e protestos mundiais sobre o acessoAbril 8, 2008: “Revoltas e protestos mundiais sobre o acesso
a...
Evolução do estado atual:Evolução do estado atual:
 O Sistema Convencional tem incrementado os rendimentos,O Sistema Conv...
Os benefícios não tem sido distribuídosOs benefícios não tem sido distribuídos
equitativamente.equitativamente.
Evolução ...
Evolução do estado atual:Evolução do estado atual:
O Sistema convencional tem afetado o meioO Sistema convencional tem af...
PARADIGMAPARADIGMA
• Educação ruralEducação rural
• OrigemOrigem
Surge a partir das primeirasSurge a partir das primeiras
...
PARADIGMAPARADIGMA
• Educação ruralEducação rural
• Concepção de campoConcepção de campo
- Visão reprodutivista,- Visão re...
PARADIGMAPARADIGMA
• Educação ruralEducação rural
• Concepção de EducaçãoConcepção de Educação
• Escolarização definidaEsc...
Trajetória da Educação do CampoTrajetória da Educação do Campo
 1997 - I ENERA –MST – Brasília- DF1997 - I ENERA –MST – B...
Trajetória da Educação do campoTrajetória da Educação do campo
 2004 -2004 - Referências para uma política nacional de Ed...
Trajetória da Educação do CampoTrajetória da Educação do Campo
 2009 -2009 - Dispõe sobre o atendimento da alimentação es...
Trajetória da Educação do CampoTrajetória da Educação do Campo
 2011 - RESOLUÇÃO MEC/ FNDE Nº 40,2011 - RESOLUÇÃO MEC/ FN...
““Não é possível superarNão é possível superar
um problema complexoum problema complexo
com o mesmo modo decom o mesmo mo...
ESCOLA DO CAMPOESCOLA DO CAMPO
PRIMEIROPRIMEIRO
A ideia do campo com escola: a Escola doA ideia do campo com escola: a Esc...
ESCOLA DO CAMPOESCOLA DO CAMPO
 SEGUNDOSEGUNDO
Pensar a escola do campo, no contexto da luta dosPensar a escola do campo,...
ESCOLA DO CAMPOESCOLA DO CAMPO
TERCEIROTERCEIRO
Formação dos intelectuais orgânicos daFormação dos intelectuais orgânicos ...
ESCOLA DO CAMPOESCOLA DO CAMPO
 QUARTOQUARTO
Apropriar-se do conhecimento cientifico acumuladoApropriar-se do conheciment...
ESCOLA DO CAMPOESCOLA DO CAMPO
 QUINTOQUINTO
 Superar a sala de aula como espaço único da educaçãoSuperar a sala de aula...
Prática de alporque. Aproxima ciência ePrática de alporque. Aproxima ciência e
saber de experiênciasaber de experiência
Crianças Sem Terra no piquinique enquanto lutam pelaCrianças Sem Terra no piquinique enquanto lutam pela
escola - PRescola...
Sistema Mandala de produçãoSistema Mandala de produção
Biblioteca da Escola do Campo Passos Maia – SCBiblioteca da Escola do Campo Passos Maia – SC
Escrevendo cartasEscrevendo c...
Biblioteca da Escola deBiblioteca da Escola de
AcampamentoAcampamento
Práticas pedagógicas vividas na Escola doPráticas pedagógicas vividas na Escola do
CampoCampo
Práticas pedagógicas vividas...
Práticas curriculares vividas na Escola doPráticas curriculares vividas na Escola do
CampoCampo
Práticas curriculares vivi...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Palestra dr. marcos genhke

493 visualizações

Publicada em

Palestra do Dr. Marcos Genhke

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
493
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
28
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
23
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Creditos, asistencia tecnica, desarrollode infraestructure, etc ha beneficiado principalmente a los productores de gran escala ha espensas de los pequeños y medianos productores
  • Palestra dr. marcos genhke

    1. 1. Escola do Campo, na relaçãoEscola do Campo, na relação com o Campo e a Educação do-com o Campo e a Educação do- no Campono Campo O que considerar? ComoO que considerar? Como construir e reconstruir?construir e reconstruir? Marcos Gehrke - UNICENTROMarcos Gehrke - UNICENTRO Pelotas, Agosto de 2013Pelotas, Agosto de 2013
    2. 2. Justificativa da Educação do CampoJustificativa da Educação do Campo  Emerge em 1998 a partir da constatação daEmerge em 1998 a partir da constatação da ausência do estado brasileiro nas políticasausência do estado brasileiro nas políticas para o CAMPO, por isso o lema “ Por umapara o CAMPO, por isso o lema “ Por uma educação do campo”.educação do campo”.  Nasce ligada ao movimento do campo,Nasce ligada ao movimento do campo, projeto de campo dos movimentos sociais,projeto de campo dos movimentos sociais, luta por direitos, anuncia transformaçãoluta por direitos, anuncia transformação social.social.  Suas raízes são a CONTINUIDADE eSuas raízes são a CONTINUIDADE e RUPTURA com a Educação Popular – aRUPTURA com a Educação Popular – a Pedagogia do Movimento – a PedagogiaPedagogia do Movimento – a Pedagogia  Emerge em 1998 a partir da constatação daEmerge em 1998 a partir da constatação da ausência do estado brasileiro nas políticasausência do estado brasileiro nas políticas para o CAMPO, por isso o lema “ Por umapara o CAMPO, por isso o lema “ Por uma educação do campo”.educação do campo”.  Nasce ligada ao movimento do campo,Nasce ligada ao movimento do campo, projeto de campo dos movimentos sociais,projeto de campo dos movimentos sociais, luta por direitos, anuncia transformaçãoluta por direitos, anuncia transformação social.social.  Suas raízes são a CONTINUIDADE eSuas raízes são a CONTINUIDADE e RUPTURA com a Educação Popular – aRUPTURA com a Educação Popular – a Pedagogia do Movimento – a PedagogiaPedagogia do Movimento – a Pedagogia
    3. 3. MITOS DA SOCIEDADE MODERNA INDUSTRIALIZADAMITOS DA SOCIEDADE MODERNA INDUSTRIALIZADA (DUARTE, 1998)(DUARTE, 1998) O distanciamento e estranhamento entre sociedade e a natureza – mito da natureza infinita - crise ecológica.
    4. 4. Abril 8, 2008: “Revoltas e protestos mundiais sobre o acessoAbril 8, 2008: “Revoltas e protestos mundiais sobre o acesso aos alimentos”aos alimentos”
    5. 5. Evolução do estado atual:Evolução do estado atual:  O Sistema Convencional tem incrementado os rendimentos,O Sistema Convencional tem incrementado os rendimentos, porém não tem eliminado aporém não tem eliminado a fome e pobreza.fome e pobreza.
    6. 6. Os benefícios não tem sido distribuídosOs benefícios não tem sido distribuídos equitativamente.equitativamente. Evolução do estado atual:
    7. 7. Evolução do estado atual:Evolução do estado atual: O Sistema convencional tem afetado o meioO Sistema convencional tem afetado o meio ambiente.ambiente. Zonas anóxicas (zonas mortas)Zonas anóxicas (zonas mortas) Emisões de gases de do efeito estufaEmisões de gases de do efeito estufa Perda da biodiversidadePerda da biodiversidade Contaminação da águaContaminação da água
    8. 8. PARADIGMAPARADIGMA • Educação ruralEducação rural • OrigemOrigem Surge a partir das primeirasSurge a partir das primeiras décadas do século XX, adécadas do século XX, a partir do pensamentopartir do pensamento latifundista empresarial,latifundista empresarial, visando a preparação paravisando a preparação para o trabalho noo trabalho no desenvolvimento dadesenvolvimento da agricultura. Tem-se comoagricultura. Tem-se como marco o I Congresso demarco o I Congresso de agricultura do Nordesteagricultura do Nordeste em 1923.em 1923. • Educação do CampoEducação do Campo • OrigemOrigem Surge a partir da luta eSurge a partir da luta e articulação dosarticulação dos movimentos sociais , emmovimentos sociais , em especial a partir de 1997,especial a partir de 1997, no I Encontro deno I Encontro de Educadores da ReformaEducadores da Reforma Agrária. O conceitoAgrária. O conceito começou a ser cunhadocomeçou a ser cunhado na I Conferência Nacionalna I Conferência Nacional por uma Educação Básicapor uma Educação Básica do Campo, em 1998.do Campo, em 1998.
    9. 9. PARADIGMAPARADIGMA • Educação ruralEducação rural • Concepção de campoConcepção de campo - Visão reprodutivista,- Visão reprodutivista, onde o campo éonde o campo é pensado apenas comopensado apenas como espaço de produçãoespaço de produção econômica, a partir doseconômica, a partir dos interesses do capitalinteresses do capital - Exclui os que não seExclui os que não se incluem na lógica daincluem na lógica da produtividadeprodutividade • Educação do CampoEducação do Campo • Concepção de campoConcepção de campo – O campo é concebidoO campo é concebido como espaço de vidacomo espaço de vida e resistência dose resistência dos camponeses quecamponeses que lutam para teremlutam para terem acesso eacesso e permanecerem napermanecerem na terra. É espaço daterra. É espaço da produção cultural, deprodução cultural, de construção deconstrução de identidadesidentidades
    10. 10. PARADIGMAPARADIGMA • Educação ruralEducação rural • Concepção de EducaçãoConcepção de Educação • Escolarização definidaEscolarização definida pelas necessidades dopelas necessidades do mercado de trabalho.mercado de trabalho. • Educação pensada aEducação pensada a partir do mundopartir do mundo urbanourbano • A educação retrata oA educação retrata o campo a partir do olharcampo a partir do olhar do capital e seusdo capital e seus sujeitos de formasujeitos de forma estereotipada,estereotipada, inferiorizadainferiorizada • Educação do CampoEducação do Campo • Concepção de EducaçãoConcepção de Educação • Construído pelos eConstruído pelos e com os sujeitos docom os sujeitos do campo, onde acampo, onde a educação éeducação é compreendida comocompreendida como formação humana,formação humana, como direito.como direito. • Educação pensada aEducação pensada a partir da especificidadepartir da especificidade e do contexto doe do contexto do campo e de seuscampo e de seus sujeitossujeitos
    11. 11. Trajetória da Educação do CampoTrajetória da Educação do Campo  1997 - I ENERA –MST – Brasília- DF1997 - I ENERA –MST – Brasília- DF  1998 - I Conferência Nacional Por uma Educação Básica do Campo –1998 - I Conferência Nacional Por uma Educação Básica do Campo – MST,UNICEF,UNESCO, CNBB E UnB – Luziânia-G0.MST,UNICEF,UNESCO, CNBB E UnB – Luziânia-G0.  1998 -1998 - Programa Nacional de Educação na Reforma AgráriaPrograma Nacional de Educação na Reforma Agrária (PRONERA)(PRONERA). PORTARIA n° 10 de 16 de abril de 1998. Publicada no DOU. PORTARIA n° 10 de 16 de abril de 1998. Publicada no DOU n° 77, de 24.04.1998 e no Boletim de Serviço n° 17, de 27.04.1998.n° 77, de 24.04.1998 e no Boletim de Serviço n° 17, de 27.04.1998. 2001 -2001 - Diretrizes Operacionais para a Educação Básica nas Escolas doDiretrizes Operacionais para a Educação Básica nas Escolas do CampoCampo. Parecer CNE/CEB nº 36/2001: Brasília: CNE, 4 de dezembro de. Parecer CNE/CEB nº 36/2001: Brasília: CNE, 4 de dezembro de 2001.2001.  2002, novembro – 1º Seminário Nacional Por uma Educação do Campo –2002, novembro – 1º Seminário Nacional Por uma Educação do Campo – Brasília-DFBrasília-DF 2003 – MEC – Criação do GPT de Educação do Campo2003 – MEC – Criação do GPT de Educação do Campo No Paraná Criação da Coordenação de Educação do Campo na SEEDNo Paraná Criação da Coordenação de Educação do Campo na SEED
    12. 12. Trajetória da Educação do campoTrajetória da Educação do campo  2004 -2004 - Referências para uma política nacional de Educação doReferências para uma política nacional de Educação do CampoCampo: Caderno de Subsídios.: Caderno de Subsídios.  2004 – Mudanças no Ministério da Educação – criação da SECAD e2004 – Mudanças no Ministério da Educação – criação da SECAD e Coordenação de educação do CampoCoordenação de educação do Campo  2004 – II Conferência Nacional Por uma Educação Básica do Campo2004 – II Conferência Nacional Por uma Educação Básica do Campo  Tema: Por uma Política Pública de Educação do CampoTema: Por uma Política Pública de Educação do Campo  2005 – I Encontro Nacional dos Pesquisadores em Educação do2005 – I Encontro Nacional dos Pesquisadores em Educação do CampoCampo  2006 -2006 - Reconhece os dias letivos da alternânciaReconhece os dias letivos da alternância.. ParecerParecer CNE/CEB nº 1/2006. Brasília, DF: 2006.CNE/CEB nº 1/2006. Brasília, DF: 2006.  2008 -2008 - Projeto Base do Programa Escola Ativa.Projeto Base do Programa Escola Ativa. Brasília: MEC/SEBrasília: MEC/SE CADI, 2008.CADI, 2008. 2008 -2008 - Diretrizes complementares, normas e princípios para oDiretrizes complementares, normas e princípios para o desenvolvimento de políticas públicas de atendimento dadesenvolvimento de políticas públicas de atendimento da Educação Básica do CampoEducação Básica do Campo. Resolução CNE/CEB nº 02, de. Resolução CNE/CEB nº 02, de 28/04/2008.28/04/2008.
    13. 13. Trajetória da Educação do CampoTrajetória da Educação do Campo  2009 -2009 - Dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar aosDispõe sobre o atendimento da alimentação escolar aos alunos da educação básica no Programa Nacional de Alimentaçãoalunos da educação básica no Programa Nacional de Alimentação Escolar - PNAEEscolar - PNAE.. Resolução CD/FNDE Nº 38, de 16/07/2009. Brasília:Resolução CD/FNDE Nº 38, de 16/07/2009. Brasília: MEC/CD/FNDE, 2009.MEC/CD/FNDE, 2009.  2010 - Reconhece a Educação do Campo como modalidade2010 - Reconhece a Educação do Campo como modalidade específica e define a identidade da escola do campoespecífica e define a identidade da escola do campo. Resolução. Resolução CNE/CEB nº 4/2010. Brasília: CNE/CEB, 2010.CNE/CEB nº 4/2010. Brasília: CNE/CEB, 2010.  2010 -2010 - Define Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para aDefine Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação BásicaEducação Básica. (Seção IV Educação Básica do Campo. (Seção IV Educação Básica do Campo).). Resolução Nº 4/2010, de 13/072010. Brasília: MEC, 2010.Resolução Nº 4/2010, de 13/072010. Brasília: MEC, 2010.  2010 -2010 - Dispõe sobre a política de educação do campo e oDispõe sobre a política de educação do campo e o Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária - PRONERAPrograma Nacional de Educação na Reforma Agrária - PRONERA.. Decreto nº 7.352, de 04 de novembro de 2010.Decreto nº 7.352, de 04 de novembro de 2010.  2010 -2010 - Lei n.º 12.244Lei n.º 12.244: Dispõe sobre a universalização das bibliotecas: Dispõe sobre a universalização das bibliotecas nas instituições de ensino do País. Brasília: Congresso Nacional,nas instituições de ensino do País. Brasília: Congresso Nacional, 2010.2010.
    14. 14. Trajetória da Educação do CampoTrajetória da Educação do Campo  2011 - RESOLUÇÃO MEC/ FNDE Nº 40,2011 - RESOLUÇÃO MEC/ FNDE Nº 40, DE 26 DE JULHO DE 2011. Dispõe sobre oDE 26 DE JULHO DE 2011. Dispõe sobre o Programa Nacional do Livro Didático doPrograma Nacional do Livro Didático do Campo (PNLD Campo) para as escolas doCampo (PNLD Campo) para as escolas do campo.campo.  2012 – Programa Nacional de Educação do2012 – Programa Nacional de Educação do campo – PRONACAMPO e PRONATEC-campo – PRONACAMPO e PRONATEC- CAMPOCAMPO  ......
    15. 15. ““Não é possível superarNão é possível superar um problema complexoum problema complexo com o mesmo modo decom o mesmo modo de pensamento que o geroupensamento que o gerou .” Abert Einstein.” Abert Einstein COMO superar a escola e PENSAR A ESCOLA DO CAMPO!
    16. 16. ESCOLA DO CAMPOESCOLA DO CAMPO PRIMEIROPRIMEIRO A ideia do campo com escola: a Escola doA ideia do campo com escola: a Escola do Campo – Escola de Assentamento, EscolaCampo – Escola de Assentamento, Escola de Acampamento, Escola Indígena, Escolade Acampamento, Escola Indígena, Escola de Reassentamento, Escola do Quilombo,de Reassentamento, Escola do Quilombo, Escola da comunidade familiar, EscolaEscola da comunidade familiar, Escola Ribeirinha, Escola do Faxinal, EscolaRibeirinha, Escola do Faxinal, Escola Agrícola, Escolas Família Agrícola, CasasAgrícola, Escolas Família Agrícola, Casas Familiares Rurais, Escola da Ilha...Familiares Rurais, Escola da Ilha... QUE ESCOLA...QUE ESCOLA...
    17. 17. ESCOLA DO CAMPOESCOLA DO CAMPO  SEGUNDOSEGUNDO Pensar a escola do campo, no contexto da luta dosPensar a escola do campo, no contexto da luta dos movimentos sociais – relação escola e luta;movimentos sociais – relação escola e luta; Garantir o acesso ao conhecimento e aGarantir o acesso ao conhecimento e a escolarização dos sujeitos do campo;escolarização dos sujeitos do campo; Fazer da escola um espaço de formação humana,Fazer da escola um espaço de formação humana, omnilateral, articulandoomnilateral, articulando trabalho, ciência, cultura etrabalho, ciência, cultura e vidavida;;
    18. 18. ESCOLA DO CAMPOESCOLA DO CAMPO TERCEIROTERCEIRO Formação dos intelectuais orgânicos daFormação dos intelectuais orgânicos da classe trabalhadora;classe trabalhadora; Isso implica o exercício da intelectualidade,Isso implica o exercício da intelectualidade, formação critica e organizativa do conjuntoformação critica e organizativa do conjunto dos intelectuais –dos intelectuais – auto-organizaçãoauto-organização –– trabalho coletivo – processos de avaliaçãotrabalho coletivo – processos de avaliação e critica e autocrítica;e critica e autocrítica;
    19. 19. ESCOLA DO CAMPOESCOLA DO CAMPO  QUARTOQUARTO Apropriar-se do conhecimento cientifico acumuladoApropriar-se do conhecimento cientifico acumulado pela humanidade, reconhecendo que ele não épela humanidade, reconhecendo que ele não é neutro e precisa ser pensado na lógica da classeneutro e precisa ser pensado na lógica da classe trabalhadora;trabalhadora; Colocar em relação na escola o conhecimentoColocar em relação na escola o conhecimento cotidiano – conhecimento cientifico e ocotidiano – conhecimento cientifico e o conhecimento escolar. Ajudar os estudantesconhecimento escolar. Ajudar os estudantes (intelectuais) a pensar saídas para problemas dos(intelectuais) a pensar saídas para problemas dos trabalhadores locais e nacionais.trabalhadores locais e nacionais.
    20. 20. ESCOLA DO CAMPOESCOLA DO CAMPO  QUINTOQUINTO  Superar a sala de aula como espaço único da educaçãoSuperar a sala de aula como espaço único da educação escolar;escolar;  A pesquisa da realidade como base da organização doA pesquisa da realidade como base da organização do currículo – diagnósticos – inventários da realidade –currículo – diagnósticos – inventários da realidade – pesquisa sócio- antropológica...pesquisa sócio- antropológica...  A escola não é apenas uma coisa, é relação entreA escola não é apenas uma coisa, é relação entre estudantes, professores, diretores, pais...essas relações éestudantes, professores, diretores, pais...essas relações é que devem ser nosso foco e não apenas as consequênciasque devem ser nosso foco e não apenas as consequências delas.delas.  Relações básicas como: 1- Habilidade de trabalharRelações básicas como: 1- Habilidade de trabalhar coletivamente, que se cria somente trabalhandocoletivamente, que se cria somente trabalhando coletivamente; 2. Aprender a dirigir e ser dirigido; 3.coletivamente; 2. Aprender a dirigir e ser dirigido; 3. Habilidade de abraçar organizadamente cada tarefa; 4.Habilidade de abraçar organizadamente cada tarefa; 4.
    21. 21. Prática de alporque. Aproxima ciência ePrática de alporque. Aproxima ciência e saber de experiênciasaber de experiência
    22. 22. Crianças Sem Terra no piquinique enquanto lutam pelaCrianças Sem Terra no piquinique enquanto lutam pela escola - PRescola - PR
    23. 23. Sistema Mandala de produçãoSistema Mandala de produção
    24. 24. Biblioteca da Escola do Campo Passos Maia – SCBiblioteca da Escola do Campo Passos Maia – SC Escrevendo cartasEscrevendo cartas
    25. 25. Biblioteca da Escola deBiblioteca da Escola de AcampamentoAcampamento
    26. 26. Práticas pedagógicas vividas na Escola doPráticas pedagógicas vividas na Escola do CampoCampo Práticas pedagógicas vividas na Escola doPráticas pedagógicas vividas na Escola do CampoCampo • Classes intermediárias para superar reprovação;Classes intermediárias para superar reprovação; • Dossiê de acompanhamento e avaliação de educandos (SC, RS, PR);Dossiê de acompanhamento e avaliação de educandos (SC, RS, PR); • Escolas organizadas em ciclo de formação humana (Escola ItineranteEscolas organizadas em ciclo de formação humana (Escola Itinerante do MST);do MST); • Pareceres descritivos (Escola Itinerante MST);Pareceres descritivos (Escola Itinerante MST); • Conselho de classe participativo (Escolas itinerantes do MST);Conselho de classe participativo (Escolas itinerantes do MST); • Trabalho com hortas, mandalas, proteção de fontes e rios;Trabalho com hortas, mandalas, proteção de fontes e rios; • Feiras de troca de sementes;Feiras de troca de sementes; • Feiras de comercialização da produção pelos jovens (Arapoti PR);Feiras de comercialização da produção pelos jovens (Arapoti PR); • Troca de cartas entre escolas, turmas, cidades, estados;Troca de cartas entre escolas, turmas, cidades, estados; • Sistematização de práticas pedagógicas dos educadores;Sistematização de práticas pedagógicas dos educadores; • Produção do Jornal Escolar (Passos Maia SC, Rio Bonito do IguaçuProdução do Jornal Escolar (Passos Maia SC, Rio Bonito do Iguaçu PR);PR); • Organização das bibliotecas escolares, rádios comunitárias nas escolasOrganização das bibliotecas escolares, rádios comunitárias nas escolas do campo;do campo; • Classes intermediárias para superar reprovação;Classes intermediárias para superar reprovação; • Dossiê de acompanhamento e avaliação de educandos (SC, RS, PR);Dossiê de acompanhamento e avaliação de educandos (SC, RS, PR); • Escolas organizadas em ciclo de formação humana (Escola ItineranteEscolas organizadas em ciclo de formação humana (Escola Itinerante do MST);do MST); • Pareceres descritivos (Escola Itinerante MST);Pareceres descritivos (Escola Itinerante MST); • Conselho de classe participativo (Escolas itinerantes do MST);Conselho de classe participativo (Escolas itinerantes do MST); • Trabalho com hortas, mandalas, proteção de fontes e rios;Trabalho com hortas, mandalas, proteção de fontes e rios; • Feiras de troca de sementes;Feiras de troca de sementes; • Feiras de comercialização da produção pelos jovens (Arapoti PR);Feiras de comercialização da produção pelos jovens (Arapoti PR); • Troca de cartas entre escolas, turmas, cidades, estados;Troca de cartas entre escolas, turmas, cidades, estados; • Sistematização de práticas pedagógicas dos educadores;Sistematização de práticas pedagógicas dos educadores; • Produção do Jornal Escolar (Passos Maia SC, Rio Bonito do IguaçuProdução do Jornal Escolar (Passos Maia SC, Rio Bonito do Iguaçu PR);PR); • Organização das bibliotecas escolares, rádios comunitárias nas escolasOrganização das bibliotecas escolares, rádios comunitárias nas escolas do campo;do campo;
    27. 27. Práticas curriculares vividas na Escola doPráticas curriculares vividas na Escola do CampoCampo Práticas curriculares vividas na Escola doPráticas curriculares vividas na Escola do CampoCampo • Alternância com experiência pedagógica possívelAlternância com experiência pedagógica possível no campo;no campo; • Festa da colheita;Festa da colheita; • Seminários de Literatura;Seminários de Literatura; • Parques Infantis no campo (Francisco Beltrão PR);Parques Infantis no campo (Francisco Beltrão PR); • Conselhos Municipais de Educação e ConselhosConselhos Municipais de Educação e Conselhos Escolares;Escolares; ...VOCÊ...NÓS......VOCÊ...NÓS... ... O que estamos fazendo e ainda podemos fazer...... O que estamos fazendo e ainda podemos fazer... • Alternância com experiência pedagógica possívelAlternância com experiência pedagógica possível no campo;no campo; • Festa da colheita;Festa da colheita; • Seminários de Literatura;Seminários de Literatura; • Parques Infantis no campo (Francisco Beltrão PR);Parques Infantis no campo (Francisco Beltrão PR); • Conselhos Municipais de Educação e ConselhosConselhos Municipais de Educação e Conselhos Escolares;Escolares; ...VOCÊ...NÓS......VOCÊ...NÓS... ... O que estamos fazendo e ainda podemos fazer...... O que estamos fazendo e ainda podemos fazer...

    ×