CARTAS
SEM MORAL NENHUMA
OBRAS DO MESMO AUCTOR
Inventario de Junho — I vol,
NO prelo :
Londres DiCaravilhosa— i vol.
a seguir:
Sabina Freire — come...
AC Teixeira-Gomes
FU>UWH
CARTAS
SEM MORAL NENHUMA
LISBOA
I-lVRAklA F.DITOHA
TAVARES CARDOSO & IRMAO
5, Largo dc Camões, 6
...
Porto — Imprensa Portuguesa — igo;
TJRA O MEU ^MIGO
LUIZ BOTELHO
I
Sevilha —Janeiro.
Meu querido amigo:
Varias foram as razões que de-
moraram tanto o meu agradecimen-
to á sua carta de n...
2
me acho privado de toda a leitura
aturada e escassamente posso cum-
prir com o que seja de imprescíndi-
vel obrigação es...
3
•distracções andaluzas se me teem
desvanecido as inquietadoras imagi-
nações e sinto-me hoje tão bem que
ouso até, para ...
4
roubando-me o beneficio que delias
haveria; para mim, melindres taes
nada significariam no presente caso.
Perscrutando b...
s
Ções incitam ao abandono do cami-
nho direito e isso sem que a bonda-
de se lhe embotasse ou, mais, sem
que se lhe liype...
6
cançar o austero diapasão das «per-
feitas harmonias», como descobrir ex-
pressões que nío enfastiam e, real-
mente alad...
7
V. acceita-me a intenção e con-
versaremos acerca do que se nos
deparar pelo caminho plano e sem
mais modelado da vida d...
II
Sevilha—Janeiro.
Eis o que me ia pela mal tem-
perada alma, vespera da minha sabi-
da de casa:
«N'este vil escaninho do...
IO
«Empapa-me o espirito a impres-
são — o terror — de que nunca mais
deixarei este buraco do niundo, lo-
gar sem interess...
11
deixaram de ser meus pares e, so-
bretudo, furtar-me á vulgaridade, á
miséria, de admirar incondicíonal-
mente a ambigu...
12
tenue, e ia-as pisando, contente de
mudar em escarro nojoso a inflores-
cencia nacarada—violeta e purpura;
carmim, viol...
13
s
upposto, portico da felicidade, ar*
chitectado na miragem da «parti-
da»..,
A iiora da partida, talvez na
Existência ...
14
pirito se alimpou dos requentados
azedumes. . .
Que lindíssima terra esta, excla-
mava eu, ainda na passagem da pon-
te...
IS
firme, começou a cahir a noite; mas
iavrava-se ainda na varzea, junto á
estrada e atraz dos bois os rapazes
entoavam, a...
i6
tas, no fundo dos valles, como um
luar mais denso. . . e d'esse perfu-
me se repassava o primeiro somno
da minha viagem...
I?
"
formas fabulosas, ou ajoelhando, co-
roo anjos vestidos de arminho, ou
tremendo dentro de immensos veos
de noivas, ou...
i8
sabor da aragem, em mil facetas ar-
dentes, até que, empecendo-lhes de
todo o brilho, as dunas principia-
ram a ondular...
Ill
Sevilha —Janeiro.
Eu quasi que tornei agora — se
bera que atravez de novo prisma —
aos meus primeiros amores, a esta
I...
20
Fatiei-lhe, por certo, em tempo,
da fabulosa paixão que Sevilha me
inspirou durante annos, paixão rija
e exigente a pon...
vedado designar-lhe o conjuncto e só
á força de ligar detalhes a outros
detalhes lograva reconstituir-lhe algu-
ma das inf...
22
Eu quereria soltar d'entre essas
aventuras alguns quadros da mais
tragica, d'aquella onde a minha al-
ma ia sossobrando...
23
ao amparo dos meus soífrimentos; e
c
omo, para satisfazer ao carinho de
om amor tão límpido que, em mim,
só podia guiar...
24
tialidade, de sadismo, algemado á
embruxada carne de umas bailarinas
desgorjadas e sovadas, mas cujo
suor e cujo sangue...
25
florescem — traçar o altivo, puro ja-
cto, do lirío branco que foi o cor-
po insexuado da minha — única1 —
«Rosario», d...
26
vos se sepultam no lodo da sacieda-
de; e—ao compassivo canto das
violas, o acariciar das dolentes me-
lodias que se te...
27
que me nao doa tanto o corrosivo
remorso de outras noites bem mais
criminosas, relembradas ao travo, que
mesmo agora me...
todo o sempre ficou perdida. De-
vastou-se a ferro e fogo a espessís-
sima floresta para que aos ouvidos
da nympha gracios...
IV
Sevilha—Janeiro.
Mas não divaguemos que muito
diverso d agora o meu objectivo,
quando toda a curiosidade de novo
s
& me...
30
• resvale da phantasia á realidade;
aqui, n'esia hora, até a sua affavel
presença me seria importuna. De
resto v. não i...
31
cidade. Porque de longe e de toda
a parte a immensa articulada machi-
na arremeda alguma phantasiada ga-
lera, levando ...
32
dá accesso ao «Pateo das larangei-
ras». A conservação d'aquella velha
torre, assim intacta nas suas arestas
vivas, e a...
33
imagens de santos, postas nas misu-
!as lavradas, ao abrigo de rendados
doceletes, embebem-se em profundas
e pias medit...
34
Ao simples relancear de olhos, no
rápido exame de certos arranjos bem
caracterisados, genuínos, da terra que
pisamos, e...
35
relancear de olhos e rápido exame
do interior do templo, bem veríamos
t
JUe
este só poderia ser obra da de-
voção hespa...
36
refulgir as prestigiosas scenas bíblicas
em pompas veridícamente orientaes,
mercê das gemmas com que se en-
feitam aque...
37
florescência extravagante dos após-
tolos sahindo, a meio corpo, dos cá-
lices de fabulosos lirios; aos monstros
mythol...
38
miudinhas ri e vive em scenas sem-
pre diversas, mas como que dispos-
tas 11a mesma incendida realidade, por
combinaçõe...
39
1(
V—se elle o tivesse que a dôr o
não baldasse!. ..
Logo acudiríamos ás pinturas, ao
S'gante S. Christovam que as dime...
4o
bar pállido que eu vejo, nem sei por-
que, mais erguidas peia noite fóra ir
seguindo a rotação tia lua, se um raio
furt...
41
obra-prima, o quadro, celebrado, «del-
ia gamba ».
Do «Murillo» não direi hoje coisa
alguma que a sua lembrança, agora,...
42
pertos, dos píncaros do Durer para
as cumiadas dos Van Eyck (!) e per-
manece sempre, imperiosamente, abso-
luta obra-p...
43
dro Roldan», cuja obra capitai res-
plandece n'esta mesma basilica, mas
a
° fundo da despropositada capeila
do <Sagrari...
44
nascença, invertida sobre columnelos
que dividem as paredes em quadros
graciosamente ornados e veem nas-
cer aos lados ...
45
afamada de «JoSo de Arfe», nome
consagrado, summidade, que levan-
tou ao zenith a ourivesaria; e, de
todos os lados, to...
46
gam em pregas hirtas sob a lepra
d'oiro oculosa de infinitas gemmas;
outros tecidos de incalculável vetus-
tez, teias p...
47
ventada especie de tartarugas; sen-
daes multicores, de imponderável se-
da, que um sopro de creauça agita e
desfralda,...
48
drou; eu não tenho o génio neces-
sário para as descrever. . .
Registrados que fossem estes pri-
mários retalhos e solt...
49
E, já de vez para os passeios
contemplativos, voltaríamos a miúdo
errar
, descançar, viver, na magestade
da
s assombros...
So
de uma luz propicia: haverá n'ellas
transparências astraes e horrores de
poentes e uma vida mysteriosa que
agite em cam...
5i
microscópica, que gorgulha no córo,
er
>grossará e tomar nos ha posse da
imaginação; pela «sacristia nova»
acc
ommetter...
52
da lua, decantado nos olhos de ame-
thista d'algum Salomao fulvo que se
estadeie nas vidraças, lhe vier afagar
as palma...
V
Sevilha —Janeiro.
Por pouco me não engasgo com a
inchada exposição de bellezas atraz
especificadas, no recheio da cathed...
54
droga lhe chegar ao estoniago sem
nausea...
Que, afinal, eu fui «descriptor»
puxado pelas minhas excellentes in-
tençõe...
55
praça de toiros, e apenas conse-
guem— na obra da civilisaçâo — ibe*
risar a syphilis.
Hem prevenido desejaria eu con-
...
56
conviria servir-se d'esta vísinhança
afagosa para efieituar sortidas contra
a envolvente estupidez e, fora das
suas red...
57
1 e
<is revelações plásticas e á força
c
'c
lhes assentarem nos peitos as
111
arcas das ferraduras conseguem por
Vezes
...
58
dar aos boléos com o desgraçado
Miguel Angelo, só porque certos
phantasistas obnoxios abriram coróa
nos phalus de canta...
59
*
* *
Sevilha é um muito completo e
bem commentado livro d'arte, lumi-
noso em todas as suas paginas, de
fácil comprehe...
óo
e esmaltada qual a ampliação de
um amuleto- ritual dos sacerdotes de
cKarnak»; e as rajadas de harmo-
nias trazidas das...
6i
c> aqui, iliinjitadaraente variado e
attrahentc, emmaranhando-se ainda
n
as mesmas circumvoluções traçadas
pelos moiros...
62
teza das ruas e dao ao transeunte o
risonho espectáculo dos seus vistosos
quadros, íacil é povoal*os convenien-
temente...
63
lrn
prime a dignidade propria do sa-
cerdócio a quem as executa com pai-
E uma arte capaz de ennobre-
cer
scenas trivia...
64
— só accrescentou diversidade e bri-
lho, sem prejuízo do mimo, de uma
certa graça melindrosa que é pecu-
liar a esta a...
65
^■r
n pequenina e arruinada capei-
la, agora ao abandono, da «Casa de
las dueiias» o frontal do altar é de
0)ro
fiavesc...
66
necropoles; os supremos monumen-
tos sarracenos ficaram encravados no
seu solo. a par das graciosas cons-
trucções bysa...
<5;
a
renascença hespanliola tomou cara-
cter e moldes particulares, divulgan-
do-se nos requintes dornamentação
inconfund...
68
zar», nos platerescos lavores do «pa-
lácio municipal» e nas infinitas divi-
sões d'esse inexploravel universo, a
cathe...
6g
tre Dom Emilio; pois sejam elles
mais uma «palma de homenagem s
que a minha adiniraç3o depõe no
pantheon das glorias he...
7°
mos sevilhanos pouco lucram. Insen-
síveis á ineítaçSo instante para in-
vestigar de suas curiosidades histó-
ricas nas...
7'
E porque os não havemos de
considerar libertos da tradição im-
portuna?
Tal velhinho teso e secco como
boneco de sabugo...
73
As damas, em sua apregoada
formosura, tão pouco plagiam os
modelos que lhes legaram, á laia
de figurinos, os mestres da...
73
verruga ferrea, desvio de blindagem,
ou quando menos insignia, distincti-
ve de petrecho guerreiro. Era mu-
lher apropr...
74
Verdadeiramente os nossos patrí-
cios bem fazem em impregnar o sen-
lido de volições didácticas, todas ade-
quadas ao c...
. ■ - . - • . - • . - - . ~
VI
Cadix — Fevereiro.
*
Deixei me ficar, esquecido, todo
o mez de janeiro em Sevilha níSo
a pa...
7ô
As manhas na cathedral ou no
museu; as tardes nas «Delicias» —
jardim rescendente, paraizo de ma-
foma que a tarde povo...
77
so na desformidade das suas ruínas,
cuja grandeza se abalou, por certo,
n'algum estremecimento da terra. É
uma povoação...
7»
vilha era tépida que nem de prima-
vera; perto da estação cantava-se e
bailava-se. O comboio silvou, festivo,
e metteu ...
79
preza que se raciocina gostosa-
mente.
Fóra de portas as ruínas da
«Cartuxa s vastíssimas e confusas.
Todo o claustro g...
So
das extensas salinas de «Puerto de
Santa Maria», especie de Memphis
com as pyramides caiadas, e «Puerto
Real», povoação...
Si
tanto o apreciável recurso de explo-
rar dia e noite as ruas tortuosas que
se enredam ao redor da cathedral:
o bairro d...
82
te que ri3o é elle, o burro, sempre
a benzer o ar com as mSosinhas gor-
das, faiscantes de joalheria falsa e a
ajuntar ...
S3
cujo regimen está condemnada a do-
lorida esposa, elle a consolou met-
tendo-lhe nos lábios o bico hirsuto
duma têta es...
1
VII
A BORDO DO «MONTSEKRAT»
f JHrr
-,
Fevereiro, 8,
Merecerá a pena de narrar a pe-
quenina aventura, legitimamente hes-...
86
— «A las diez en punto, Caballe-
ro, e sepa v. que el vaporcillo es
gratis»_ dissera-me ao escriptorio da
companhia um ...
«7
cusei-me ao pagamento e com tanta
pachorra o fiz e em tão acertados
termos, protestando voltar a terra
para averiguar d...
88
do-me ficar no rebocador com geito
de querer voltar a Cadíx, o quarto
comparsa veiu para mim, tio insi-
nuante como aff...
8g
missario da polícia gaditana o qual
carrancudissimamente exigia provas
certas da minha identidade.
—«Pues tiene v., cab...
90
Fevereiro, 9.
O tempo que vinha calmo mu-
dou de tarde e embora o ceo sere-
no, apenas muito esgaseado para o
lado do n...
91
arremettidas impetuosas, de lhe pôr
a quilha ao ar. . .
Refiectía-se o movimento dentro
do barco. No meu camarote mexe-...
92
nhãs e os contornos de tudo quan-
to me cercava.
De repente o barco teve um es-
tremecimento convulsivo, obrigando
o la...
93
pultar, inteiro, nas ondas, a ex-
pôr-me, nu, ás gélidas punções de
uma tesoura aberta, ou das puas do
cristal estalado...
94
mente orchestrados, a musica da de-
vastação e da ruína. . .
Na sala de jantar desabavam ri-
mas, torres, de pratos sob...
95
corno que escutando o vascolejar da
agua que ainda lhe ficara dentro...
Então duas portas bateram ao mes-
mo tempo, no ...
96
mente o regimen que regulava os
movimentos do barco, cujo eixo, ago-
ra, cortava perpendicularmente o eixo
das vagas, E...
97
no referver d'aquelle embate de ele-
mentos insensíveis. O que era que
assim se lamentava tão doridamen-
te?. . ,
Ao at...
98
segredadas á cabeceira do meu lei-
to. . . E, se realmente existem se-
reias, mulheres cruzadas de peixes,
folgando cm ...
99
Feverfiro, IO.
— f Amphitrite, és tu?. . .> — mur-
murava eu, no desfecho de um delei-
toso sonho submarino, para o cre...
IOO
ziveis que viessem completar a feli-
cidade da hora presente.
Toda uma riquíssima série deri-
vou da palavra «Montserr...
101
Muitos outros mosteiros da Cata-
lunha vieram apoz este expôr ali os
seus melhores trechos: grutas circula-
res em que...
102
«Poblet# e «Santas Creus», foram
também fortalezas, pantheons e alca-
çares reaes, por onde eu peregrinei
toda uma lua...
103
«monte de trigo cercado de açuce-
nas»; ventre morno, minheiro, com
efifluencias de pão quente, para ser
beijado c mor...
104
caminho do mosteiro de «Santa Ma-
ria da Victoria».
Comecei a divisar por entre os
alamos da estrada as agulhas da
«Ba...
10
5
bre oiro, frágeis relevos preciosos
subtilisados por mudanças successi-
vas de effeítos fulgurantes..,
Não me puz a d...
io6
numento: sombra mossiça ouriçada
de sombras agudas, tomando á clari-
dade incerta das estrellas relevos de
um instante...
io;
coisas, nias passa-as á alma que as
transfigura e, luar ainda mais doce,,
mais fecundo, mais intimo, as devol-
ve, rep...
ioS
gondolas que vSo mollemente direi-
to ao Lido, ao agasalho das quaes
a luxuria se exacerba divinamente. . .
Mas essa n...
VIII
Santa Cruz de Tenerife
Março.
Cheguei a amimar o projecto de
vêr miudamente todas quantas ilhas
ha n'este archipelago...
I IO
vou aonde forem carruagens e d'este
modo limito as minhas digressões á
«Grande Canaria» e a «Tenerife».
Eu nSo sou d'...
I [ I
principio deparava, tinha-as quasi na
conta de offensas pcssoaes. ..
O clima foi-me d'csta vez bafo
*
lustral nos me...
112
softrimentos e, á custa de penosos,
mal encobertos esforços, alardeiam
sorrisos de felicidade, entristece o fo-
rastei...
ii3
Comem á meza na minha frente
e eu não me canço de perscrutar
os
olhos da creança, que teem as
íris de aventurina c sci...
114
recordaçOes, . . Ali não ha «Pico»
nem «Valle d'Orotava» mas sítios
como «San Mateo», serra armada
em pequenos calvári...
US
ao ar livre encanta, quando não é
indispensável, á mingua de melhor
excitante, na vida acanhada das
ilhas pequenas. . ,...
116
terra dentro cortando o mais tene-
broso vaile que os meus olhos vi-
ram. É uma região formada de es*
coreas mineraes ...
i'7
gulho negro, amplo bastante a per-
mittir passagem ao Amazonas, aguar-
da os enxurros que as serras lhe en-
viam com f...
nS
chado, como a arena de um circo,
em serras sobrepostas cujos cimos
as nuvens occultam.
Lembrar-Me-hei também, decerto,
...
119
quem quer, e paga quem quer por-
que ali — embora s Doria Pino» pros-
pere— ninguém pede ou presta con-
tas; e lembrar...
IX
Funchal — Abril.
O «Aline Woermann», o sujo
•
vapor que me trouxe das Cariarias
á Madeira, approximou-se de terra
emqua...
122
tornos, absorvendo tudo no seu ni-
velado plano ascendente, appareceu-
me tal a convencionada antithese
das ilhas clás...
123
respeitáveis c vem trilhar nos, a des-
peito de tudo, a esthesia que hon-
ramos. . ,
Mas como chega depressa a re-
con...
124
o alto ceo leitoso côa do sol que
se não vê; as verduras mossiças da
serra alliviando-sc da espessura em
verduras mais...
do fico no «Funchal» a descançar
dos meus continuados passeios pela
serra.
Dentro da cidade não lia local
mais adequado a ...
126
feliz que levo n'esta ilha selvagem:
o local é egualmente propicio para
fugazes devaneios c evocações affe-
ctuosas.
E...
do í Monte», obrigado ponto de
partida para quasi todas as excur-
sões na serra.
É já unia elevação grande, o
«Montei, e o...
128
d'encontro aos broqueis espelhados
dos tanques d'agua...
Todos estes elementos de discór-
dia, aquietados á paragem do...
I2Ç)
çacia estreita, onde ha traços quasi
vertícaes cuja passagem provoca an-
gustias de queda mortal...
Os meus primeiros...
de composição alpestre — ate aos
prados da «Camacha», campina, em
planos curtos de relva, quebrada
por sebes de vimeiros.
...
I3i
agrestes, apertadas ravinas, nos en-
curvamentos pittorescos por onde se
esquiva, plagia agradavelmente a es-
trada de...
r32
chas bravias, a guarda d'aquella ma-
ravilhosa alfaia, cujo desenho e co-
lorido somente se explicariam nas
combinaçõe...
133
gor geométrico das .suas manchas e
movimento algum traduzia o gorgu-
ihar do homem n'aquelle fundo ma-
tizado onde a i...
134
Calculo que um niez chegará,
escassamente, para tudo isto, pois
a ilha é extensa, eu ando a pc e
os caminhos sSo de ca...
135
ser um a Castle» conduzindo tropas
frescas para o iCabo», vein ata*
lhar-me a febre epistolar.
Vou deixal-o, por agora...
•3^
beberageus venenosas—que sob o
rotulo de «Madeira genuíno velho»
os taberneiros lhes ministraram —
distribuindo pontap...
137
mente a melhor nas suas conten-
das, n'esse empenho tao accesos
como indiferentes a tudo quanto
lhes vae por casa e se...
US
se ergue das abobadas do abside.
É um arranjo de linhas e de eôr
altamente pittoresco.
A construcçfto ampara-se a gi-
g...
Funchal — Abml-
Não eram fallazes as promessas
do meu creado e guia Gregorio e
pela primeira vez tias minhas pere-
grinaçõ...
140
Levei quinze dias dineffavel rego-
sijo contemplativo ena «Sant'Anna»
a filtrar a alma por sitios. tão altos,
tão lumi...
i4t
maltadas, nas profundíssimas cavida-
des dos valles, pelo rasgSo de uma
nuvem opaca, ou, deslocada no cai-
xilho movei...
14~
Ao cahir da tarde o sol obliquo
ardia nas poças dc agua tão violen-
tamente que encandeava c mais in-
tensa do que á e...
143
ma já perceptível do campanario
de «Sant'Anna» obscureceu-se es-
pantosamente o ceo e despejou
agua a cantaros. Para m...
144
ajardinado, está a construcçSo in-
gleza que recebe os forasteiros por
favor especial e ajuste c aviso an-
tecipados.
...
145
permanência ali; tempos vários, fres-
cos, de ventos e nevoeiros e muita
nuvem a empannar o ceo de for-
nias em perpet...
146
mar, pequenos canteiros de verdura,
sobrepostos em cadeia d'alcatruzes,
por sitios cujo accesso se deve re-
putar empr...
147
pela firmeza da voz — o Gregorio
replicou:
— * Voltar aqui não se pode.,.
Isso que o senhor sente é falta de
costume, ...
14-S
Algo socarrão o Gregorio com*
mentava:
— * São muito caridosas aquellas
senhoras... qual d'ellas a melhor!..,
A desde...
149
de rosa. Uma cara que sorri, intrin-
secamente luminosa, mas de expres-
são ambígua, inquietadora ate. Ves-
tido com a...
ISO
— i EntSo ?!»
— i Pois en penso que esta gen-
te enfastiada que se põe a correr
mundo corn tanta fadiga e tanta des-
p...
i5i
o telegraphista é prolifico, o phar-
maceutic© irrascivel, o confeiteiro
desdenhoso, o sapateiro brigão, o
latoeiro po...
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Cartas sem Moral Nenhuma
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Cartas sem Moral Nenhuma

289 visualizações

Publicada em

Obra de Manuel Teixeira Gomes, 1903

Publicada em: Arte e fotografia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
289
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
16
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cartas sem Moral Nenhuma

  1. 1. CARTAS SEM MORAL NENHUMA
  2. 2. OBRAS DO MESMO AUCTOR Inventario de Junho — I vol, NO prelo : Londres DiCaravilhosa— i vol. a seguir: Sabina Freire — comedia.
  3. 3. AC Teixeira-Gomes FU>UWH CARTAS SEM MORAL NENHUMA LISBOA I-lVRAklA F.DITOHA TAVARES CARDOSO & IRMAO 5, Largo dc Camões, 6 1903
  4. 4. Porto — Imprensa Portuguesa — igo;
  5. 5. TJRA O MEU ^MIGO LUIZ BOTELHO
  6. 6. I Sevilha —Janeiro. Meu querido amigo: Varias foram as razões que de- moraram tanto o meu agradecimen- to á sua carta de novembro, avul- tando entre ellas o serio estorvo que nasce de uma doença de olhos, bas- tante, penso, a antecipar-me na cer- teza do seu perdilo e que me dis- pensa de enumerar as outras. Não é grave o mal, mas imper- tinente, e já lá Vao dois mezes que 1
  7. 7. 2 me acho privado de toda a leitura aturada e escassamente posso cum- prir com o que seja de imprescíndi- vel obrigação escrever. Tudo seria coisa nenhuma sem o cfieito moral da moléstia, o qual de- veras me apoquenta. Tenho arreca- dado por estes olhos tanta impres- são valiosa, e deve-lhes tanto e tan- to, a minha* alma, a esses dois infa- tigáveis transmissores de tudo quan- to o mundo exterior resume de mo- vimento, côr ou forma, que um se- creto presagio, uma suspeita de cas- tigo não cessa de me remorder no pensamento: não sejam estes os avi- sos precursores de outra penalidade mais forte, correspondente ao meu tão fundo sensualismo. Vou porém melhor. Com estas
  8. 8. 3 •distracções andaluzas se me teem desvanecido as inquietadoras imagi- nações e sinto-me hoje tão bem que ouso até, para conversar com os meus amigos, valer-me d'esta escri- pta aborrecida, sim, mas que se eu me ativesse exclusivamente ao pra- zer que d'ella aufiro quando se tra- ta d'elles, me tomaria todo o meu tempo. O que é para surprehender, e bem se pôde taxar de extravagân- cia, dada a minha quasi mania epis- tolar, é o pouquíssimo que eu lhe escrevo, a v., talvez o mais estreme- , • eido dos meus amigos, e cm quem penso com tanta constância. E isso não provem de julgar cu que as ex- cessivas occupações da sua vida lhe empecerão a rapidez nas respostas,
  9. 9. 4 roubando-me o beneficio que delias haveria; para mim, melindres taes nada significariam no presente caso. Perscrutando bem vejo que tudo se origina da natureza dos pensamentos que a sua lembrança forçosamente me suggere e que são mais graves, mais penetrantes, mais em harmonia com a consciência do nosso destino e sempre fugindo á esphera dos con- ceitos «espirituosos» ou vãos, onde a minha intclligencia se ageita tanto a meu gosto. Sem o representar calçando o cothurno do «imperativo categórico» nem pellando-se ao sopro ardente da «Ethica» acostumei-me a vêr em v. um exemplo de incorruptível tenaci- dade e rectidão intransigente, capaz de resistir a quantas afagosas tenta-
  10. 10. s Ções incitam ao abandono do cami- nho direito e isso sem que a bonda- de se lhe embotasse ou, mais, sem que se lhe liypertrophiasse o egois* mo i e, ainda, sem prejuízo d'esses thesouros dc indulgência que o meu amigo tão liberalmente accnmula em proveito dos outros. Scr-lhehia difficil, caro amigo, mesmo á luz de bem deduzidas di- lucidaçQes, avaliar até que profundi- dade v. influiu na reconstituição da minha alma e porque, d'esta, a par- to sã seja seu reflexo.. , Como escrever-Ihe pois no tom oco que afina toda a correspondeu" cia «agradavel», urdindo-a cm gra- cejos comesinhamente inspirados no convencional scepticismo de que se usa e abusa tantof e, procurando al-
  11. 11. 6 cançar o austero diapasão das «per- feitas harmonias», como descobrir ex- pressões que nío enfastiam e, real- mente alado, provar que ha enver- gadura bastante a accommetter — es- perançoso— as máximas alturas, ali- jado da conspicuidade e purificado de todo o fartum do Pedantismo?... Desejaria quando projecto escre- ver-lhe, querido amigo, dar ás mi- nhas cartas o cunho irrefragavel do que 6 infrangivelmcnte bcllo; mas jóias de um tão puro quilate não lh'as posso cu offerecer e seria bal- dada a pretenção de prender á rea- lidade aquillo que íluctua livremente no sonho, e só ali. . . Tal o obstáculo, agora posto de lado, para cumprir com o que seja dever restricto.
  12. 12. 7 V. acceita-me a intenção e con- versaremos acerca do que se nos deparar pelo caminho plano e sem mais modelado da vida de sem- pre ..,
  13. 13. II Sevilha—Janeiro. Eis o que me ia pela mal tem- perada alma, vespera da minha sabi- da de casa: «N'este vil escaninho do mundo, que a arte não alumiou nem alu- miará nunca, e onde o indígena se fortifica com as vaidades do dinhei- ro guardado, ou da usura gadanho- sa i a ellas se restringe, e d'ellas ti- ra a única razão de ser, dias tenho cu, na verdade, deliciosamente tris- tes, mas o morno dia de hoje é ex- cedente de amargura!
  14. 14. IO «Empapa-me o espirito a impres- são — o terror — de que nunca mais deixarei este buraco do niundo, lo- gar sem interesse para ninguém, lon- ge da tangente de toda a civilisa- ção. Que peregrino acaso, que nau- frágio, que desventura, poderia tra- zer aqui a qualquer das mulheres que eu amo, tao dispersas e absor- tas no que a vida oíferece de me- lhor; e onde estão esses senhoris re- tratos de Piero delia Francesca, ou essa orgulhosa cathedral deslumbran- te, em cuja vista a solidão se recon- forta?. . . t Convém renunciar a toda a sympathia, a todo o amor! Ou an- tes, sem disfarce, empedernir-me no isolamento, varrer da memoria tudo quanto lembra essas creaturas que
  15. 15. 11 deixaram de ser meus pares e, so- bretudo, furtar-me á vulgaridade, á miséria, de admirar incondicíonal- mente a ambigua primazia de enti- dades cuja existência é superior só, talvez, porque palpita nas regiões privilegiadas, invejadas, para mim, pouco a pouco, pela distancia, pela ausência, phantasmagoricas... » Achava-me na praia esbaguando d este modo os meus tormentos e 0 ar que respirava, arrefecido pelo mar, tfio inebriante, de ordinário, tSo proprio para alagar o coração de es- perança, resequia-me o peito. Mal- dosamente corria sobre as delica- das medusas, cuja rara estructura marchetava a areia de tâo capricho- sos moldes, como nunca em Mura- no artista algum soprou no vidro
  16. 16. 12 tenue, e ia-as pisando, contente de mudar em escarro nojoso a inflores- cencia nacarada—violeta e purpura; carmim, violeta e rosa — d'aquellas mimosas formas, imagens das mi- nhas phantasias, ali, obscuramente abandonadas á mercê do tacão de um bruto 1. . . Em balde se me torvava a con- sciência clara com o que pungia de injusto e de perverso n'estas imagi- nações. 1 ão feliz sempre na minha vida, tão intensamente feliz, e só por haver penado cem dias escassos n'es- se meio hostil, falho de suggestões afinal tão leves de prescindir, em- bora figuradas urgentíssimas, tudo se me cortava em infinitas avenidas de resentimento e de tédio ao fundo das quaes luzia teimoso, o festivo,
  17. 17. 13 s upposto, portico da felicidade, ar* chitectado na miragem da «parti- da».., A iiora da partida, talvez na Existência o mais delicioso, esquisito momento, onde tudo é alacridade, g°so. esperança... Fugir a todas as Pnsões, mesmo ás mais doces, sup- por que um instante basta para bor- rar todo o usado scenario da vida actual e que outra vida começa, en- redada de incertezas, sim, mas peja- da de larguíssimas promessas, de in* qutetadorâs visões, de fructuosas chi- meras, nada que se compare a esse momento de alvorada, tanto mais in- cit.uite quanto mais a miúdo repeti- do' a cujo feiticeiro rejuvenescimento a alma se dilata illimitadamente. . . í uz-mc a caminho e logo o es-
  18. 18. 14 pirito se alimpou dos requentados azedumes. . . Que lindíssima terra esta, excla- mava eu, ainda na passagem da pon- te, e o que temos nós a invejar á Sicilia do Theocrito e mesmo ao panorama voluptuoso da Bahia de Baias? E assim era que n'aquelle momento, a minha de ordinário tão embellezadora paysagem algarvia se idealisava, graças á magnificência do poente. O ceo alaranjado empanavq- se de escumilhas doiradas com fran- jas de purpura, e pelo setim do rio corriam, leves, para a barra, as ve- las côr de açafrão, cruzando outras, brancas de cal e curvas, que corta- vam o ar com o movimento sereno de azas livres no espaço. Já fóra da ria, ao entrar na terra
  19. 19. IS firme, começou a cahir a noite; mas iavrava-se ainda na varzea, junto á estrada e atraz dos bois os rapazes entoavam, alto, as lamentações do fado, n'um rythmo apressado e rús- tico. Nenhum outro ruido perturbava o adormecer dos campos. No povoa- do proximo, á minha passagem e a meio da rua, ateiou-se um fogareiro e m alas; alguém o tomou nas m5os, a altura do rosto, correndo, e as la- baredas cresceram na escuridilo, em madeixas de cabelleira solta. A noite esfriou perto de Silves com o despontar da lua, cuja luz desmaiada, curta, reintegrava os tor- reões da cidade na sua lendaria ar- rogância, Tudo rescendia á flor das amendoeiras, que branquejavam, jun-
  20. 20. i6 tas, no fundo dos valles, como um luar mais denso. . . e d'esse perfu- me se repassava o primeiro somno da minha viagem... O dia seguinte foi de alegria sem mescla, a alma presa no contenta- mento de viver, só por viver e toda attenta, ao goso do «momento pre- sente liberto dos puxões do pas- sado importuno e do aventar des- assocegado do futuro. Eu ia correndo o littoral algarvio que é um ininterrompido jardim, mui- to povoado de gente e de arvoredo; as amendoeiras, agora, na realidade do sol, attrahiam de novo as mi- nhas imagens, que n'cllas pousavam de envolta com as abelhas. Havia-as tao fechadas em flores que perdiam a sua fornia de arvores e plagiavam
  21. 21. I? " formas fabulosas, ou ajoelhando, co- roo anjos vestidos de arminho, ou tremendo dentro de immensos veos de noivas, ou arremettendo, de pé, a rooda dos ursos brancos, ou cor- rendo sobre os esgalhos curvos,— despropositados aranhiços de flores rosadas.. , Mas os tons, do branco de neve, pulchro, até ao vermelho cereja, nos tjnaes aquella absurda effloresccncia disparava a sua pyrotechnia chroma- fica, arrebatavam, e a retina, gulosa, provia-se de festões e grinaldas para 0s sonhos de grande magica. De ver. me quando, atravez "dos helices cm que as figueiras da Bar- baria se armam pelas sebes da es- trada, accendiam-se vastos espelhos de mar, onde a luz se quebrava ao a
  22. 22. i8 sabor da aragem, em mil facetas ar- dentes, até que, empecendo-lhes de todo o brilho, as dunas principia- ram a ondular, miseravelmente... Do lado de terra, pouco a pou- co as serras altas foram-se coando pelo azul do ceo; as colinas nivela- ram-se; por fim as arvores faltaram: a estrada rastejou, em lanços rnono- tonos, na campina lavrada, como um risco de giz na ardósia limpa. Alar- gou-se o terreno em planície areno- sa, malhada com o azebre dos hor- tejos definhados onde o hálito do mar se sentia arrefecer e, á vista de Ayâmonte, um leve aperto do cora- ção dizia-me já que a saudade da paysagem familiar e amada começa- va ali. . .
  23. 23. Ill Sevilha —Janeiro. Eu quasi que tornei agora — se bera que atravez de novo prisma — aos meus primeiros amores, a esta Ilespanha carnal e grosseira mas de cujo poderio e riqueza passada ao menos se conservam mil maravilho- sas memorias. O mundo inteiro deu para aqui, no decorrer de séculos, os primores da sua arte, que as ca- thedraes arrecadaram, conservando-os ciosamente até hoje na pureza da sua hora primitiva.
  24. 24. 20 Fatiei-lhe, por certo, em tempo, da fabulosa paixão que Sevilha me inspirou durante annos, paixão rija e exigente a ponto de me não con- sentir nem velleidades de resistência á necessidade forçosa de a vir vêr a miúdo. Aos frequentes rebates da saudade me punha eu logo a ca- minho d'esta alliciadora terra e era sentindo esse mesmo alvoroço, essa mesma perturbação, que nos causa a presença da mulher appstecida que eu me aproximava d'ella. Era uma entidade cuja vida se traduzia para mim nas embellezado- ras manifestações da alegria e da lascívia, e que se me figurava sem- pre envolta num manto por tal fór- ma opulento e de uma tão soberana magnificência, que á minha visão era
  25. 25. vedado designar-lhe o conjuncto e só á força de ligar detalhes a outros detalhes lograva reconstituir-lhe algu- ma das infinitas pregas. Ao calor da soberba mocidade que acertei de conservar até tarde se me exacerbava a embriaguez da paixão, cegando-me para o que não fosse elemento de belleza e de pra- zer a ajuntar ao sentimento já en- thesourado de uma perfeição acabada e só aqui existente. Mas, força é confessai-o, essa in- gente fogueira do enthusiasmo esmo- receu e consumiu-se, e hoje recordo com a desvalida saudade de tudo o que se não repete na mesma vida, os trechos mais turbulentos da vida de aventuras— que as tive — aqui pas- sada.
  26. 26. 22 Eu quereria soltar d'entre essas aventuras alguns quadros da mais tragica, d'aquella onde a minha al- ma ia sossobrando c pintar-lhc a encantadora figura de uma creança ambiciosa e intellígente, que fez de mim o seu idolo e me levantou na febre do seu amor ás cumiadas da adoração que só o génio merece; depois, quando esclarecido na expe- riência e amesquinhado o ideal de que eu fôra a miragem, coiitar-lhe os tormentos nos quaes essa capri- chosa e cruel menina me fez expiar a perda da sua illusão. E contar- lhe mais como fui eu proprio quem lhe sopeou a imaginação e, no te- mor da queda irreparável, a chamei á realidade d'esta vida por um ca- minho cujas asperezas se amaciavam
  27. 27. 23 ao amparo dos meus soífrimentos; e c omo, para satisfazer ao carinho de om amor tão límpido que, em mim, só podia guiar-se pela probidade, fui e u quem lhe arrancou do coração a s ultimas raizes do seu amor, mau grado o receio de que, ao penoso esforço, se me afundasse a intelligen- cia e a vidai. .. Mas não se morre de paixões si- tnilhantes e tal qual os heroes do romantismo me metti eu pelas cafur- nas da crapula e da devassidão, á busca — e com êxito — do esqueci- mento por onde restituísse nova- mente ao espirito a descuidada in- diflerença da mocidade. Dizer-lhe então, meu amigo, as noites sensuaes de Sevilha, essas noites de cruciante deboche, de bes-
  28. 28. 24 tialidade, de sadismo, algemado á embruxada carne de umas bailarinas desgorjadas e sovadas, mas cujo suor e cujo sangue me eram suaves e deleitosos, como no abrazamento da sede o sumo de sazonados fru- ctos; de umas bailarinas que resus- citavam da suffocação do meu cor- po, do apolear mortal dos meus bra- ços, para os moventes frisos em que desdobravam as suas danças en- gendradas nos mysterios infames de n3o sei que lascivos e olvidados ri- tos ou que infernaes liturgias, e se faziam assim cada vez mais deseja- das, mais appetecidas, mais necessá- rias; e d'entre ellas — como num canteiro de flexuosas papouias le- vantinas, dobradas ao peso dos tú- midos novellos purpúreos em que
  29. 29. 25 florescem — traçar o altivo, puro ja- cto, do lirío branco que foi o cor- po insexuado da minha — única1 — «Rosario», dulcíssima caçoila de per- fumes onde se acoitava a alma en- xovalhada da rameira — como em adorado relicário um gaz mepliitico — corpo, que eu comprei, á viva força violado—o impudor da alma o2o sujeitara ainda o pejo da sua carne — corpo mimoso e cheio como u rosa de cem folhas, por onde me integrei nas beatitudes de um altís- simo gozo; descrever-ihe a consum- PÇSo d'essas noites ao ardor d'utna pungente febre que, gulosa, nos phos- phorecia em lúbricas faiscas no olhar, °u, languorescente, o encarvoava de vazias negridões, quando aos arran- cos dos derradeiros espasmos os ner-
  30. 30. 26 vos se sepultam no lodo da sacieda- de; e—ao compassivo canto das violas, o acariciar das dolentes me- lodias que se tecem em brandas teias de arpejos abafados—as noites desveladas, noites sem descanço, no agoniar das quaes se nos rompem os nervos retezados, com o desfalle- cer da consciência e o torvar do cerebro nos veos da incerteza gemea da loucura, noites angustiadas, que nos vomitam para o dia, desampa- rados espectros—já á luz frouxa dos primeiros alvores, quando a manha oscilla levemente no céo e se adean- ta ás revessas, trazida na immensa aza d'um cysne branco... Mas deixe-me cobrir de cinzas o rosto e a cabeça e, arrepellando-me, bater com fúria n'estes peitos, para
  31. 31. 27 que me nao doa tanto o corrosivo remorso de outras noites bem mais criminosas, relembradas ao travo, que mesmo agora me amaruja, de uns innocentes corações vilmente desflo- rados; noites singulares, noites de exaltação e de iniquidade, noites de toda a noite mas breves, mas arden- tes, das quaes uma só bastava á polluçSo da mais pura das almas Puras, sorvendo-lhe a candidez e a castidade para a despenhar na de- pravação e na infamia já amortalha- da nas dobras lívidas do fastio,. á violência de unia só noite mais effi- caz do que o rondar de vidas intei- ras, quando atravez do corpo tres- passado nas mil púas do delicioso cilicio da luxuria se vae para todo ° sempre eivar uma alma que para
  32. 32. todo o sempre ficou perdida. De- vastou-se a ferro e fogo a espessís- sima floresta para que aos ouvidos da nympha graciosa e scismadora que a habita, chegue o dobre de finados, eternamente retumbando no bronze do nosso egoismo. Pois muito embora — que basta de imposturai—eu desejaria reviver os horrores voluptuosos de todas es- sas noites. . .
  33. 33. IV Sevilha—Janeiro. Mas não divaguemos que muito diverso d agora o meu objectivo, quando toda a curiosidade de novo s & me concentra nas figurações ex- cellentes onde se materialisou a ins- piração de tanto artista esquadrinha- dor e requintado. li para melhor resumir, fugindo :i dispersão saborosa e habitual em quem recorda, imagino momentanea- mente que lhe devia dirigir os pas- sos — peregrino prazer quando não
  34. 34. 30 • resvale da phantasia á realidade; aqui, n'esia hora, até a sua affavel presença me seria importuna. De resto v. não ignora que, se acontece porem-se dois amigos a correr mun- do de conserva, breve se lhes mu- dará a afieição em odio.—Imagino pois que o devia encaminhar nos gi- ros d'este attrahente labyrintho, c d'eile delinearei o breve roteiro. A cathedral é aquella acrea ma- china gothica, abrolhada de vazados corucheos que, amparando-se á es- quinada torre arabe, mais tarde se fortificou nos envolventes baluartes da renascença— cujas macissas su- perficies a arte platcresca cobriu de escudos e medalhões — se avista de muito longe, movente e recortada, ao de cima da fluctuantc casaria da
  35. 35. 31 cidade. Porque de longe e de toda a parte a immensa articulada machi- na arremeda alguma phantasiada ga- lera, levando a «Giralda» por mas- tro á pôpa, navegando em mar coa- lhado de bateis. Ali o conduziria eu, caro amigo, como se fossemos cumprir voto de peregrinação piedosa, tao depressa nos encontrássemos em «Sevilha» é ali tornaríamos todos os dias, tenha-o por certo, mesmo quando houvésse- mos de permanecer mezes e mezes na capital andaluza. Concebida e levantada pelos úl- timos moldes da arte gothica, em chao que sustivera o templo moiro, enfeitou-a — exteriormente — a arte ita- liana. Da antiga mesquita só poupa- ram a torre c a tuniida ogiva que
  36. 36. 32 dá accesso ao «Pateo das larangei- ras». A conservação d'aquella velha torre, assim intacta nas suas arestas vivas, e ainda entalhada de geomé- tricos lavores surprehende; o «Pateo das larangeiras» é recompensa faliaz ao que a túmida ogiva promettia. Das numerosas portas da basilica somente quatro, as mais pequenas, exigem a nossa attenção e- isso gra- ças, principalmente, aos altos-relevos das arcliivoltas, obra exquisita, em barro cosido, de mestres florentinos e lombardos. Na «adoração dos pas- tores* da porta de S. Miguel, certa figura de turbante, rústica e risonha, que se adeanta para o presepio, en- tranha-se-nos obstinadamente na me- moria e ahi se fica a par das mais vibrantes creações da arte. Algumas
  37. 37. 33 imagens de santos, postas nas misu- !as lavradas, ao abrigo de rendados doceletes, embebem-se em profundas e pias meditações ou exprimem in- tensamente arroubos mysticos. Com t3o apurada arte lhes ' compuzeram as attitudes que o proprio scepticis- mo as reputaria verosímeis ou natu- res. Por essa mesma porta entrava- mos ao templo e o dia seria breve para lhe admirarmos, na magestosa vastidão, a harmonia das insólitas proporções e o milagre, mercê do Çua], as altíssimas abobadas se sus- tém na leve ramada que brota dos pilares, armando em feixes de lias- tes delicadas, de modo a deliciar a vista por engenhosas convergências e successivas eurhythmias.
  38. 38. 34 Ao simples relancear de olhos, no rápido exame de certos arranjos bem caracterisados, genuínos, da terra que pisamos, e embora o coração do tem- plo—a capeila-mÓr e o còro levanta- dos no centro do cruzeiro—não res- plandeça á similhança de chamma crepitante em vasta urna de crystal, como em «Leon»; ou pelo tumulto de figuras e ornatos, deslumbrante, estonteador, como em «Toledo»; ou jóia de primorosos lavores, comple- mentar do mais adoravel dos escrí- nios, como «Burgos»; ou jacente dia- dema recamado de esmaltes d'onde se erguem altivos e floridos thyrsos, como « Palencia»; ou circulo lanceo- lado de agudíssimas pontas guardan- do o mysterio de uma crypta sagra- da, como «Barcelona»;—ao simples
  39. 39. 35 relancear de olhos e rápido exame do interior do templo, bem veríamos t JUe este só poderia ser obra da de- voção hespanhola. ,. N'esse primeiro dia pois consen- tiríamos que a imaginação se pren- desse ou se dispersasse, absolutamen- te livre, nos contornos d'aquellas au- gustas naves, ao fundo das quaes a luz chega tremula e desfeita, coada na s cambiantes dos vitraes, como pe- las doiradas frondes de uma floresta roillenaria. Isssas mesmas vidraças proporcio- "ariam á nossa visita do dia seguin- te o gostoso thema para admiração e estudo de uma arte preciosa que, alcançado o ultimo grau de excellen- Cla i se perdeu. Permutaríamos as nos- Sas impressões na surpreza de vêr
  40. 40. 36 refulgir as prestigiosas scenas bíblicas em pompas veridícamente orientaes, mercê das gemmas com que se en- feitam aquelles faustuosissimos, trans- lúcidos, quadros. Então passaríamos revista ás gra- des que, obra de ferro batido, doira- do, esmaltado, são também obra da phantasia hespanhola, nunca attingi- da, nem por sombras, da arte dos outros paizes. E de taes prodígios é, por certo, esta egreja optima parada. Começaríamos no altar-mór, pela ces- ta de vergas de oiro que o envolve, armando no ar em teias onde se prendem, ao amparo dos arabescos, mil diversas figurinhas; depois iría- mos ás capeilas latcraes, e como o acaso o désse, á archivolta da «Ca- pella do Espirito Santo» com a in*
  41. 41. 37 florescência extravagante dos após- tolos sahindo, a meio corpo, dos cá- lices de fabulosos lirios; aos monstros mythologicos que emirtolduram certos medalhões nas grades que ladeiam a porta de S. Christovam; e á scena completa do enterro do Salvador, es- boçada com a amplidão do génio, que se move no arco da «capella do Mariscal », e, sem preferencia, ás for- mas caprichosas que guardam a en- trada de todas as demais capellas. Viríamos depois um dia todo só para examinar as cadeiras do coro— hoje quasi restituído da medonha, co- nhecida, catastrophe que por pouco o não pulverisa e que, eu, agora, para maior simplicidade darei já como aca- bado de restaurar — as cadeiras do coro onde um formigueiro de figuras
  42. 42. 38 miudinhas ri e vive em scenas sem- pre diversas, mas como que dispos- tas 11a mesma incendida realidade, por combinações ditadas ao sabor de uma arte imaginosa e superior, a qual, é certo, também arranca em vôos in- sensatos para o desvairamento mys* tico, e outros de nevrose, pelos do- mínios da magia, ou cruelmente sa- tyricos, e obscenos, assim aquella ex- cedente pagina da desgrenhada mu- lher nua, que uma descommunal ser- pente cerca e aperta em frenéticas roscas, ao passo que a vai sugando pelo, . , golpe sexual. .. E como palpita a carne por essas formas apenas esboçadas que se ani- nham ou, levissimamente, se encres- pam nas molduras do facistol, qual um sonho gracioso do Miguel Ange-
  43. 43. 39 1( V—se elle o tivesse que a dôr o não baldasse!. .. Logo acudiríamos ás pinturas, ao S'gante S. Christovam que as dimen- sões da parede onde o puzeram fa- Zeni aqui mais gigante do que em nenhuma outra parte e, a seus pés, aquelle retábulo — toscano mas já re- passado de funestas imaginações hes- Panholas —110 qual uma franzina prin- ceza i toda formosura e mimo, sorri disfarçadamente, por entre lagrimas, junto ao corpo, putrefacto mas ainda estrellado de chagas vivas, do Chris- morto. Sobre essas chagas levan- ta ella as mitos diaphanas, flores que germinaram na pompa das mangas enfunadas do seu roupão de brocado, a ° Premer dos fios de pérolas que as estrangulam; mãos torneadas no am-
  44. 44. 4o bar pállido que eu vejo, nem sei por- que, mais erguidas peia noite fóra ir seguindo a rotação tia lua, se um raio furtivo lhes vem afagar as doces pal- mas. Outros velhos pintores hespanhoes — aparte as «dolorosas» do Morales — tomam o colorido de Carpaccios em retábulos de madeira polilhada. Mas só aqui será possível ver quem foi o admirável flamengo, «Campana», na sua grande obra «o descimento da cruz», agora na sacristia nova, e nos retratos de do- natários d'esse fascinador retábulo da « Capella do Mariscal». Outro pintor raro, mas sevilhano, «Luis de Vargas», cujo temperamen- to reponta nas fórmulas clássicas que abraçou, tem aqui também a sua
  45. 45. 41 obra-prima, o quadro, celebrado, «del- ia gamba ». Do «Murillo» não direi hoje coisa alguma que a sua lembrança, agora, m e impacienta, mau grado o «Santo Antonio de Padua» e o «Anjo da Guarda »—tão graciosamente andaluz ■— e a «Immaculada» da Sala capi- tular, e tudo o mais que, d'elle, a cathedral encerra. Esse, por vezes de- licioso, mestre era captivo de um es- pirito plebeu e usando de grosseiros recursos, em mira a gabos gregários, usurpou a fama dos consummada- niente grandes; os Zurbaran, os Roe- las. .. Mas louvaremos os recreativos frescos do «Cepeda» e esse pequeno quadro da «sacristia dos cálices» com ° passamento de Nossa Senhora, cuja paternidade íluctua, ao sabor dos ex-
  46. 46. 42 pertos, dos píncaros do Durer para as cumiadas dos Van Eyck (!) e per- manece sempre, imperiosamente, abso- luta obra-prima. De caminho haveríamos de repa- rar nas esculpturas santas entre as quaes foi, pela injustiça, assignalada a primasia ao Crucificado — quasi de carne e osso — do «Montanezho- je na «sacristia dos cálices». Este mestre, no beneficio que soube tirar da sua arte equiparou-se ao Murillo, mas plagiário e intencionadamente, senSo fundamentalmente achavasca- do, procurou assombrar o publico soez por meio de transfusões d'uma realidade crua. N'cllas frisou as raias do génio e felicíssimo no êxito, du- rante vida e posthumo, até obscure- ceu a' gloria d'esse prodigioso «Pe-
  47. 47. 43 dro Roldan», cuja obra capitai res- plandece n'esta mesma basilica, mas a ° fundo da despropositada capeila do <Sagrario * onde architectura, or- namentação, tudo, emfim, se torna liostil a nervos que vibrem por sen- sações de arte. Como se tratasse de esculptu- ra passaríamos á «Sacristia nova» acaba concepção «piateresca» e á qual este rotulo, — t plateresco » — mais applicavel a trabalhos de ou- rivesaria, cabe com extrema proprie- dade, pois n'ella tudo lembra, guar- dadas as proporções necessárias, as harmonicas phantasias que, primeiro, os grandes cinzeladores italianos se compraziam em repuxar e lavrar nos metaes preciosos. A abobada é bem uma d'essas celebradas salvas da Re-
  48. 48. 44 nascença, invertida sobre columnelos que dividem as paredes em quadros graciosamente ornados e veem nas- cer aos lados das amplas commodas de cedro entalhado onde se arreca- da o melhor dos paramentos reli- giosos, mas tudo envolto em linhas e relevos que se completam e com- binam para alcançar um conjuncto de leveza, e suprema elegância, A «sacristia nova» serve de ar- ca ás preciosidades sem numero, e ao mesmo tempo raríssimas, que são o thesouro da cathedral, A um can- to o * Tenebrario» de «Bartolome * que é de bronze e deveria ser de oiro se outro metal não ha mais es- timado e digno das tão nobremente modeladas figuras que o enfeitam; cm armario especial a «Custodia &
  49. 49. 45 afamada de «JoSo de Arfe», nome consagrado, summidade, que levan- tou ao zenith a ourivesaria; e, de todos os lados, toneladas de prata, 01 as afeiçoada em gomis, bandejas, cálices, cruzes, castíçaes, turibulos, aavetas, lanternas, tudo lavrado e repuxado e burilado e cinzelado, para d'uma vez se fixar, até nas niniudencias que s3o do exclusivo domínio do microscópio, quanto a ^'lora e a Fauna da natureza, da "Paginação e do sonho, prestam ás transfigurações da arte. A collecção dos paramentos da- lia para mezes de serio estudo; ve- lhos brocados onde coalharam refie- xos de carne moça, ou que se en- crespam como a derme, ao estreme- CI niento do caiafrio, ou que se enru-
  50. 50. 46 gam em pregas hirtas sob a lepra d'oiro oculosa de infinitas gemmas; outros tecidos de incalculável vetus- tez, teias poidas onde mal se segu- ram miúdas flores naturaes tão vi- vas ainda como na propria hora em que mãos de princezas as bordaram, á sombra' de byzantinos claustros; uns veos de fio de prata estrellados de pepitas de oiro; entalhos de oiro massiço a guarnecer mantos de vel- ludo cada um dos quaes dava para vestir de gala a dez imperatrizes; theorias de ternos bordados á mão a froco, num mesmo estylo, com as imagens de todos os santos da corte do ceo, para arroupar centenas de padres em determinadas funeções, ca- sulas de torçal e pérolas, rigidas e tidas de pé, como cascas d'uma in-
  51. 51. 47 ventada especie de tartarugas; sen- daes multicores, de imponderável se- da, que um sopro de creauça agita e desfralda, desfranzindo-lhe no ar a su perficie illuminada a castellos e leões heráldicos, assim o guião, pe- ie grina relíquia, d'el-rei Fernando o Santo. Mas o extranho resplendor d'esse diesouro jaz sobre o altar da sacris- ti a, em um desvão que quasi toma a parede de lado a lado, e se paten- teia ao publico, diariamente, a hora llxa > como de costume nas cathe- draes hespanholas. Atravez dos límpi- dos crystaes vê-se então mexer e re- luzir todo um microcosmo de ouro, de esmaltes, de pedrarias. Muitas d'es- ias jóias consumiram a vida inteira d° artista de génio que as engen-
  52. 52. 48 drou; eu não tenho o génio neces- sário para as descrever. . . Registrados que fossem estes pri- mários retalhos e soltos nós, já, dos fitos obrigatórios, penetraríamos deli- ciosamente á intimidade do monu- mento por visitas que outra bússola não tivessem além do capricho e do acaso. São innumeras as capellas que, por não offerecerem particularidades tão principaes, nem por isso mere- cem menor attenção; acharíamos ma- ravilhas, ainda não maculadas pelo louvor de assalariados charlatães, ali, n'aqucllas pequeninas igrejas, redu- cções da grande basílica, em alvéo- los que á similhança d'ella, nas min- guadas proporções, encerram altares, tribunas, cryptas, sacristias e coros.
  53. 53. 49 E, já de vez para os passeios contemplativos, voltaríamos a miúdo errar , descançar, viver, na magestade da s assombrosas naves. Principiaria então o embeveci- oicnto. Tal recanto ignorado desper- tará inesperadamente, borbulhando fórmas desusadas, ao clarão de uma madrugada radeante que se filtrou nos cristaes matizados das jancllas; em certos dias e ainda ao sabor de determinadas claridades, o oiro, tão Prodigamente esparso, que envelhe- ceu nas trevas de uns altares cava- dos no coração dos muros, refulgirá a niodo de prodígio e povoará essas cavernas de sumptuosas chimeras; ncs immensos pannos das vidraças resurgirão' theorias de personagens magníficos, descollando se á introção
  54. 54. So de uma luz propicia: haverá n'ellas transparências astraes e horrores de poentes e uma vida mysteriosa que agite em cambiantes os protogonis- tas d'aquellas scenas... Recrudesce- rá o vigor — a leal firmeza — na dis- posição das grades, nos truculentos Ímpetos com que respondem ás in- vestidas dos crepúsculos nocturnos, arremettendo contra a sombra nas pontas triangulares, nos cardos de ferro, nas macetas ouriçadas de páas, aggressivos remates das suas lanças, congregando-se em cerradas fileiras, á entrada das capellas — alabardeiros gigantes, de guarda a thesouros de magos. , . Desfallecerão as cores, a certas horas de encantamento, ven- cidas pelo arrojo das linhas que se encurvam aereamente; a população
  55. 55. 5i microscópica, que gorgulha no córo, er >grossará e tomar nos ha posse da imaginação; pela «sacristia nova» acc ommetteremos a realidade do que era fabuloso nas ® mil e uma noi- tes» . ., Por fim estabeleceremos morada a 'i. n'aquella cathedral; fora d'ella, terra de extranhos, casas de vizinhos, ^al o palacio porque anceia a pom- posa loucura da nossa phantasial E eu sei o que vale viver assim, d'gno da inveja de príncipes e de r eis. .. Mas para integrar o gozo urgia v iver ali também de noite. O que Posará então o silencio d'aqucllas na* ve s, e a deslumbrante princeza da v elha «pietá» hespanhola, se estre- mecerá ella quando um raio furtivo
  56. 56. 52 da lua, decantado nos olhos de ame- thista d'algum Salomao fulvo que se estadeie nas vidraças, lhe vier afagar as palmas das mios ambarinas. . .
  57. 57. V Sevilha —Janeiro. Por pouco me não engasgo com a inchada exposição de bellezas atraz especificadas, no recheio da cathedral de Sevilha. Não confeiçoei ainda xa- r opada assini tão grossa e não era eu que engulia similhante medicina, quando fossem outras as mãos que, mesa do espirito— m'a propi- nassem .. , Ó supremo fastio de «descre- ver »[ Muito boa bocca terá V. se a
  58. 58. 54 droga lhe chegar ao estoniago sem nausea... Que, afinal, eu fui «descriptor» puxado pelas minhas excellentes in- tenções e relacionando quanto a mo- cidade portugueza perde em não vir aqui «tentear» o que seja arte, vis- to não ter havido em toda a penin- sula mais accendido centro artístico do que este, e á nossa nativa indi- gência bem conviria ver coisa cm termos de proporcionar formento á phantasia que se nos vae resequindo. Esses jovens íisbonenses, ou por- tuenses, ou bracarenses, ou o que se- jam, aqui veem nas «semanas san- tas » mas para dar ensanchas á pan- dega indígena, liando, no decorrer dos breves dias, os deleites dos gy- neceos áquelles igualmente acírrantes
  59. 59. 55 praça de toiros, e apenas conse- guem— na obra da civilisaçâo — ibe* risar a syphilis. Hem prevenido desejaria eu con- clamar o que aqui ha de sublime ou pittoresco a par dos regalos sensuaes — não para condemnaçSo d'estes — e no tentamen de caracterisar quasi encetei um «guia official* que me entenebreceria a existência, nos em* maranhados crepes do aborrecimen- to. se porventura profiasse em o le- var a cabo, correndo todas estas Igrejas e palacios. Mas sem refransear: á inexperta juventude portuguesa tflo bem como a prudente, sagaz, velhice luzitana,
  60. 60. 56 conviria servir-se d'esta vísinhança afagosa para efieituar sortidas contra a envolvente estupidez e, fora das suas redomas — os pequeninos aquá- rios onde luzem as suas gracinhas — dar realidade aos domínios, hoje ape- nas illusorios da esthetica cujas cul- turas, á mingua de adubo convenien- te, mal conseguem transformar em forragem vergonhosa. D'alu resulta a farta insipidez dos nossos predestinados mestres e cavillosos psychologos, em todos òs variadíssimos ramos da Arte, E para lamentar que tão estre- madas aptidões — assim as ha, sem duvida — andem ás marradas de en- contro a meras sombras. Cá fora, ao menos, os críticos sabem ao re- dondel para escoucinhar as corpo-
  61. 61. 57 1 e <is revelações plásticas e á força c 'c lhes assentarem nos peitos as 111 arcas das ferraduras conseguem por Vezes fazel-as verter sangue, provan- d ° 9lle esses productos da intelligen- Cla lambem podem encarnar. Na patria nossa parecem andar as coisas tâo torcidas que até se Commentam e falseiam obras littera- rias P°r glosas e deturpações de se- gunda e terceira m5o, como nesses dois espeques, o «Schiller» e o «Goe- the», indispensáveis ao acrobatismo prefaciai de livrinhos de versos, onde elles devem figurar com a opportu- 'hdade de Pilatos no Credo. O que admira entSo vêr a quem "em1 por photographias conhece a ^sacristia nova de S. Lourenço», ou d a hobada da «capella Xistina», an-
  62. 62. 58 dar aos boléos com o desgraçado Miguel Angelo, só porque certos phantasistas obnoxios abriram coróa nos phalus de cantaria, a que nós chamamos «frades de esquinas, e desrespeitosissimamente os trazem a publico, como características imagens de um «S. Gonçalo» ou de um «S. Gil»? Ha gravosa desproporção cm tu- do isto, pois nXo ha? peor ainda quando os críticos se pranteiam sobre as glorias pas- sadas ., . Pôde parallelamente vir aqui á bailia a menina que dizia: «Vae má mez pra nós, mana, morreu-nos o nosso pae e agora a mula não mi- ja.:.»
  63. 63. 59 * * * Sevilha é um muito completo e bem commentado livro d'arte, lumi- noso em todas as suas paginas, de fácil comprehensâo e, por vezes, Profundamente sentido, a ponto de satisfazer as mais nobres exigências e stheticas em capitulos que n5o fo- ram reproduzidos ou arremedados: o austero, extático e expressivo «S. Je- ronynio do Torrijano» de onde se derivou toda uma levantada escola de esculptura; as pinturas do «Zur- baran > cuja especial eloquência se- greda maravilhas espírituaes, que silo ""cações de natureza divina; a por- tada de «Santa Paula», immorredoi- ra na fragilidade do barro, ornada
  64. 64. óo e esmaltada qual a ampliação de um amuleto- ritual dos sacerdotes de cKarnak»; e as rajadas de harmo- nias trazidas das tragedias cósmicas para encarecer a paixão do Christo com que o nosso «Padre Guerreiro», mestre de capella da cathedral, nas suas composições musicaes se ante- cipou quasi tres séculos aos desva- riados arrojos dos maestros actuaes. Para cortejo á cathedral pullu- iam n'esta cidade egrejas — muitas incondicionalmente merecedoras de admiração e exigindo minucioso es- tudo, taes a da «Universidade», de «Sant'Anna» da « Caridade» — onde sempre, algum surprehendente deta- lhe serve de preciosa lição artística. Não cansa ir em busca d'estas egrejas porque o aspecto das ruas
  65. 65. 6i c> aqui, iliinjitadaraente variado e attrahentc, emmaranhando-se ainda n as mesmas circumvoluções traçadas pelos moiros e que hoje apenas se reproduzem, assim empeçadas, em volta dos bazares naquellas já rarís- simas cidades levantiscas onde foi vedado ao europeu sapar á vontade. Ruas tortuosas e estreitas e que a nimdo mais se adelgaçam, entre pa- redes altas de prédios cujos telhados cabecearam até se juntarem para in- terceptar a luz do dia, a qual, por fim, sempre côa pelas portadas das casas, alumiando su/íicientemente do mterior dos pateos, vastos estes e cercados de galerias á moda arabe. Esses pateos que, scenarios en- cantadores, lindamente adornados de plantas verdes, desafogam da estrei-
  66. 66. 62 teza das ruas e dao ao transeunte o risonho espectáculo dos seus vistosos quadros, íacil é povoal*os convenien- temente, accommodando em redor do fio d'agua que repucha no tanque de mármore e cae sobre as lageas, familiar, esperto e sonoro, grupos de airosas raparigas e com ellas a ani- mação, a vida, o doído canto andaluz e os movimentos rhythmicos da or- chestics hespanhola. O canto é qualificadamente triste e parece detalhar as maguas de uma alma namorada ao despedir-se de tu- do quanto amou. O anhelo d'aquellas danças que attrahem, juntam, separam dois cor- pos, de leves alados quasi, na tan- gente infrangivel de um desejo nunca satisfeito, denuncia origens sagradas e
  67. 67. 63 lrn prime a dignidade propria do sa- cerdócio a quem as executa com pai- E uma arte capaz de ennobre- cer scenas triviaes de intimidade ca- seira. A par da arte que modula os movimentos do corpo humano, outra se aperfeiçoou aqui, vinda também d ° levante, de uma expressão admi- rável, rimando especialmente o ex- plcndor das côres em sumptuosas ymphonias muraes: a ceramica. A industria hespanhola- rival da Ita 'iana — robusteceu e fecundou os e 'e mentos arabes por livres amplia- cões < ás quaes o arrojo — o desacato
  68. 68. 64 — só accrescentou diversidade e bri- lho, sem prejuízo do mimo, de uma certa graça melindrosa que é pecu- liar a esta arte. Convém n3o perder em Sevilha o ensejo de observar a magnificência das antigas tapeçarias de azulejos, tao profusamente colgadas nas pare- des dos palacios, das igrejas, dos con- ventos. Por vezes de uma tonalidade amortecida, quando expostas á luz crua, 110 ar livre dos pateos e das varandas, sensibilisam-se de líquidos esmaltes no fausto das ante camaras e dos salões, scintillam na penumbra das alcovas e quasi crepitam, revo- gando as leis naturaes, para denun- ciar a sua presença nas trevas dos santuários e das cryptas.
  69. 69. 65 ^■r n pequenina e arruinada capei- la, agora ao abandono, da «Casa de las dueiias» o frontal do altar é de 0)ro fiavescente que se alaranja como 11111 c ^° d'aurora, no seio de topázios esvaídos; visto um pouco mais de lado craveja-se de esmeraldas reful- gindo no fundo das aguas puríssimas t,c uma gruta marinha; do ponto °Pposto veem-se-lhe os leves dese- 11 lios gris e symétricos avultar, como a Pplicações de velludò na superfície Selada e lisa de um setim acobreado. Coincidência milagrosa: por Hes- Panha abundam as ruínas romanas, tenip l°s . amphitheatres, aqueductos,
  70. 70. 66 necropoles; os supremos monumen- tos sarracenos ficaram encravados no seu solo. a par das graciosas cons- trucções bysantinas, de tão miúda estructura e tão cinzeladas, estas, que foram modelos consagrados para sa- crários; o período gothico petrificou a sua anciosa aspiração mystica, a poesia das suas crenças, o desvario das suas imaginações, a ingenuidade do seu sentir, em cem cathedraes gigantescas, rainhas do enxame de igrejas e capellas, floridas nas infini- tas variações do mesmo estylo, que illustram a nação inteira; ao remode- lar as formulas clássicas, os italianos mandaram para aqui do melhor e mais exquisito que inventaram, se- mentes para novas, muito mais li- vres, atrevidas, pujantes phantasias:
  71. 71. <5; a renascença hespanliola tomou cara- cter e moldes particulares, divulgan- do-se nos requintes dornamentação inconfundível com que todo o pair, ainda hoje se enfeita, A magestade augusta das múlti- plas arcadas sobrepostas do aquedu- cto de «Segovia», a obra de magia por onde se inflorou esse visionado paço de Sultanas, a «Alhambra»; os alvéolos arrendados do claustro de «Ripoll», o ideal dos palacios satis- feito em «Salamanca» para gloria dos «Montrey» de quem tomou o nome, exemplares de belleza peregri- na que baldam quantos esforços a imaginação ponha em os aperfeiçoar, estão longe de Sevilha, mas aqui, nas vastas ruínas da «Italica», nas Sl| mptuosidades orientaes do «Alca-
  72. 72. 68 zar», nos platerescos lavores do «pa- lácio municipal» e nas infinitas divi- sões d'esse inexploravel universo, a cathedral, fácil é topar com subsídios suficientes ao conhecimento acabado do que a arte produziu cm volta do «Mediterrâneo» ou seja no niundo civilisado, depois da vinda do Christo. Sevilha é dos mais bem ajusta- dos compêndios que existem da c Ar- te atravez as idades modernas». (Entre parenthesis obscrvar-lhe- hei sem exagerada modéstia "que os paragraphos findos, todos em cy- cloides de eloquência, bem pode- riam pertencer á mortalha do ilius-
  73. 73. 6g tre Dom Emilio; pois sejam elles mais uma «palma de homenagem s que a minha adiniraç3o depõe no pantheon das glorias hespanholas). Por tanto motivo ponderável é que me n3o canso de repetir; de- veria ser t Sevilha» o escopo das romarias estheticas dos nossos pa- trícios. Mas aproveitariam elles mais quando aqui viessem dispostos a * vêr» do que quando veem exclusi- vamente decididos a «gosar»? Aquelles que respiram e vivem Cm atmosphera assim carregada de tão suggestivos elementos, os mes-
  74. 74. 7° mos sevilhanos pouco lucram. Insen- síveis á ineítaçSo instante para in- vestigar de suas curiosidades histó- ricas nas próprias pedras que pisam; indiferentes á poesia de um ines- gotável manancial de lendas varonis e romances divinamente phantasia- dos, herança do seu passado he- róico e aventuroso; alheios á intrín- seca estimaçílo que requerem as ma- nifestações tilo patentes da solici- tude artística dos seus antepassados, mais parecem fructos peccos penden- tes por fios de guita de uma arvore que o seu peso esterilisa. Á sua lembrança occorre-me re- petir o dito de certos gaiatos que matraqueavam um pobre companhei- ro cujo pae morrera de mal-bruto: « de teu pae só herdaste o bruto».
  75. 75. 7' E porque os não havemos de considerar libertos da tradição im- portuna? Tal velhinho teso e secco como boneco de sabugo; o redenhoso, re* foucinhádo notário cujo vozeirão sôa fundíssimo e parece, * derivado dos calcanhares, arrastar para fóra as trovoadas intestínaes; o cavalheiro importante e pisamansinho, que passa colleando como um cysne; o sara- cotear das esculpturaes nadegas dos toureiros, quando não parece que as levam em andores — a vaidade da belleza plastica, no homem, é talvez ° único ridículo de que clle não conseguirá libertarse —; tudo reçu- pittoresco «natural * e esponta- »eo, não inspirado nos ancestraes e nsinamentos.
  76. 76. 73 As damas, em sua apregoada formosura, tão pouco plagiam os modelos que lhes legaram, á laia de figurinos, os mestres da pintu- ra. Deixam desenvolver livremente a ucharia das suas formas até ao acu- me da monstruosidade, perturbando e empecendo a circulação por estas ruasinhas estreitas. Assim aquella .senhora que, ha pouco, trancava a «calle Martin Villa s, obrigando a retroceder quem em sentido contra- rio vinha. Que mulher! que assombrosa mole! que roda de saia, que volu- me de ventre, que dimensões de pousadeiro, forte, circular, pomposo como a pôpa d'uma galeota hollan- deza! Um signal pardo que lhe cres- cia na face esquerda tinha traça de
  77. 77. 73 verruga ferrea, desvio de blindagem, ou quando menos insignia, distincti- ve de petrecho guerreiro. Era mu- lher apropriada a exercícios para manobras alpinas; de se lhe mari- nhar pelas obras da frente e des- cer pelas trazeiras com o auxilio de cordas de nós e escadas de incêndio. Para acudir a tudo isto, penso eu, exhibem os chupados indígenas do sexo forte, no sitio proprio, como em idoneo escaparate, volumes que, a não serem artefactos de embustei- ros, excedem o pão de trinta réis, torcido em forma de garrocho, com o qual certo pintor parisiense de gran- de fama augmentava a freguezia, en- feitando-se quando tinha de retratar, estando presente o modelo, alguma dama d'alta gerarchia.
  78. 78. 74 Verdadeiramente os nossos patrí- cios bem fazem em impregnar o sen- lido de volições didácticas, todas ade- quadas ao campo d essa sciencia es- pecial, se aqui vecm e n"estas ma- nhas são elles exccllentes mestres. E por vezes ainda mais industriosos quando inutilisados, tal um velho mendigo lá da minha terra que pu- nha toda a sua complacência em exhibir a enorme potra que o afíligia e assim invocava fructuosamente a caridade publica.
  79. 79. . ■ - . - • . - • . - - . ~ VI Cadix — Fevereiro. * Deixei me ficar, esquecido, todo o mez de janeiro em Sevilha níSo a passear utn gallo, como ha quem julgue ser occupação minha favorita, mas a' tomar sol, comquanto inve- joso d'aquelles que realmente vivem de passear gallos, chupando cigarri- nhos e repimpando se 110 sabor das fortunas e venturas que lhes hão de trazer as chimericas victorias d'essas aves, nas luctas t3o estimadas do publico sevilhano.
  80. 80. 7ô As manhas na cathedral ou no museu; as tardes nas «Delicias» — jardim rescendente, paraizo de ma- foma que a tarde povoa de huris obesas—e dois passeios fora de por- tas: Alcalá e Carmona. «Alcala» é o rebanho do casa- rio caiado andaluz a trepar na en- costa íngreme de uma alta collina; guardam-no as ruínas do formidável castello cujos torreões espreitam to- do o horisonte em volta; uma ri- beira melancólica, o «Guadairai, ser- penteia ao fundo do valle, por can- tos mimosos de paysagem que os pintores de Sevilha celebram. A cidade acastellada de «Car- mona» coroa outra collina mais le- vantada que a de «Alcala» e serve de peanha ao alcaçar ainda orgulho-
  81. 81. 77 so na desformidade das suas ruínas, cuja grandeza se abalou, por certo, n'algum estremecimento da terra. É uma povoação silenciosa, habitada por lavradores e beatas, onde super- % abundam as igrejas faustuosas. As ruas animam um quasi nada ao cahir da tarde, quando os lavradores vol- tam do campo e o estrupido dos ca- vallos chama ás janellas as meninas curiosas ou namoradas. Lindos são os ginetes que elles montam com as pernas encolhidas nos estribos cur- tos á maneira arabe. Depois ouvem- se as fontes a cantar, abundantes e solitárias, junto das portas monu- nientaes que defendem a cidade con- tra todas as turbulências do pro- gresso. A tarde da minha sabida de Se-
  82. 82. 7» vilha era tépida que nem de prima- vera; perto da estação cantava-se e bailava-se. O comboio silvou, festivo, e metteu por entre pomares de la- ranjeiras em fiôr que tapavam o ho- risonte; só a cathedral apparecía, ar- mando longe, no esmalte do céo, os cardos dos seus corucheos. Mas de- pressa a paysagem se limpou do ar- voredo e, suavemente, por collinas abatidas e varzeas infinitas ondulou até «Jerez », A cidade do bom vinho não en- cerra maravilhas. Algumas igrejas pequenas, de escrupuloso gothico. Mas a fachada do * Cabildo Viejo» e os seus truculentos grupos, — de inspiração naturalista pelos moldes da renascença allemS — accendem 110 espirito uma desacostumada sur-
  83. 83. 79 preza que se raciocina gostosa- mente. Fóra de portas as ruínas da «Cartuxa s vastíssimas e confusas. Todo o claustro grande desfeito, gasto; pulverisado em parte, ou me- ro esboço do que foi. O refeitório ainda intacto nas suas linhas do mais nu ogival, tem a desacatar-lhe o as- pecto austero a estouvada ornamen- tação dum púlpito plateresco, e o claustro pequeno, de architectura flo- rente e gracil como a ampliação de um canteiro de lyrios desabrochados, por tal modo o roeu a carcoma, sem lhe tocar nas tenuíssimas nervuras, que a sua existência parece prodígio de scenographia. De «Jerez» a «Cadix» vai uma hora de caminho, passando ao lado
  84. 84. So das extensas salinas de «Puerto de Santa Maria», especie de Memphis com as pyramides caiadas, e «Puerto Real», povoação risonha onde se pre- sente que as ruas vão dar alegre- mente ao mar, o que deve ser a su- prema consolação d'uma rua. . . A vaporosa «Cadix» das manhãs ciaras, cuja mancha rosada fascina o viajante na derrota do «Estreito» é uma cidade horrorosamente triste. Cercada de muralhas ás quaes o mar arremette raivoso e lamentoso, açoi- tada dos ventos, imniove) na perpe- tua agitação da agua, atulhada de al- tissimos prédios inexpressivos e mor- tas alvenarias de casernas, tudo a ageita para encerro de degredados. Ao forasteiro anonymo ou impu- dico— feliz em summa — resta no em-
  85. 85. Si tanto o apreciável recurso de explo- rar dia e noite as ruas tortuosas que se enredam ao redor da cathedral: o bairro dos pescadores e das mere- trizes. A mesa do hotel — recurso dos tí- midos— pompeiam tres proeminentes figuras: o coronel inglez, o tenor e a dama deste, que chupa pelos dedos afuzados quantos molhos lhe cahem no prato, quando não ejacula tril- los ferinos, remexendo circularmente dois olhos como dois busios, á som- bra do seu chapéu de palha, onde esfuziam mais pennas de capão do que nas barretinas de todo uni re- gimento de «bersaglieri». .. O tenor é tenor italiano typíco, do fortíssima grenha luzente, satis- feitio de si só e triste da pobre gen-
  86. 86. 82 te que ri3o é elle, o burro, sempre a benzer o ar com as mSosinhas gor- das, faiscantes de joalheria falsa e a ajuntar o sebo da barba rosquilha numa faustuosa gravata cor de fer- rejo. Vivem os dois em santa harmo- nia com o coronel inglez o qual, no regresso da índia, aqui arribou por lhe ter peorado a mulher, senhora invisível mas canora também, tanto quanto lh'o exigem os intestinos mortificados. É minha visinha de quarto. Baixinho, cheio, reforçado, ex- pressão de supremo espanto nos olhos redondos, nada inglez, nada guerreiro, o coronel tem muito de velha judia barbada e é fóra de duvida que hon- tem á tarde, á mingua de leite, a
  87. 87. S3 cujo regimen está condemnada a do- lorida esposa, elle a consolou met- tendo-lhe nos lábios o bico hirsuto duma têta escorrida, generosamente exhumada da sua, d'ellc proprio, ca- misa de flanela. . . Os demais hospedes são de so- menos importância, muitos d'elles em- barcarão comigo amanhã 110 «Mont- serrat» que vae para a cHavana» com escala nas c Canarias».
  88. 88. 1 VII A BORDO DO «MONTSEKRAT» f JHrr -, Fevereiro, 8, Merecerá a pena de narrar a pe- quenina aventura, legitimamente hes- panhola, que insufílou certa alegria ao episodio do meu embarque, esta manha ? Foi o caso que, seguindo á risca as prescripções da «Compafiía trans- atlântica j, tomei ás dez horas o re- bocador atracado ao caes para ser- viço dos passageiros do «Moutserrat».
  89. 89. 86 — «A las diez en punto, Caballe- ro, e sepa v. que el vaporcillo es gratis»_ dissera-me ao escriptorio da companhia um senhor de mais bar- bas do que a mythologia punha nos queixos de Neptuno, Mas a meio caminho de bordo surgem das carvoeiras tres figurões de zarzuella—andrajosos, para real- çar os galões doirados dos bonés — e começam a cobrar tantas pccetas por cabeça e mais tantas pccetas por volume de bagagem. Um d'elles requisitava, mellifluo, a espórtula; o segundo, diligente, ministrava bilhe- tinhos impressos; o terceiro, desa- vergonhado, recolhia a paga n um mialhciro de igreja e assim a coisa quasi que revestia cores honestas. Quando chegou a minha vez re-
  90. 90. «7 cusei-me ao pagamento e com tanta pachorra o fiz e em tão acertados termos, protestando voltar a terra para averiguar da justiça d'aqueile inesperado imposto, que alguns pas- sageiros exigiam já a restituição das quantias pagas. A repentina apparição de outro comico — quasi nada menos esfranga- lhado e muitíssimo mais agaloado — que, por dulcíssimos modos e capti- vantes falias deixava ao meu alve- drio decidir a contenda a bordo pe- rante o agente da companhia, con- seguiu calar-me, permittindo seguir na cobrança e leval-a a cabo sem °utro incidente. Chegados ao «Montserrat» não somente ninguém insistiu pelo paga- mento a que me recusara, mas, ven-
  91. 91. 88 do-me ficar no rebocador com geito de querer voltar a Cadíx, o quarto comparsa veiu para mim, tio insi- nuante como affectuoso, a sorrir, todo finorio, assim a modo de collega ou de quem me cobiçava para o seu elenco: — «Suba v., caballero, que no nos debe v. ni un centimito. , . Todo esto no fue mas que una equivocacion. ..» E foi elle quem auxiliou os gal- legos na conducção das minhas ma- las até á camara do vapor, não lhes consentindo acceitar gorgeta alguma. — i Repito, caballero, no nos debe v. nada. Todo esto no fue mas que pura equivocacion. . .» Mas um quarto d'hora depois já o velhaco me «apresentava» ao com-
  92. 92. 8g missario da polícia gaditana o qual carrancudissimamente exigia provas certas da minha identidade. —«Pues tiene v., caballero, to- das las serias de un capitan crimi- nal que buscamos...» Por milagre levava comigo papeis bastantes a suffocar as argucias poli- ciaes de um Pina Manique. Satisfei- ta a quadrilha não me contive que não dissesse alto c bom som o bem que d'ella pensava e o bonito, então, foi vêl-os, atrapalhados, para masca- rar a patifaria irem dar com um gi- gantesco biscainho ruivo, o qual tam- bém «tenia todas las sefias dei capi- tan criminal» —os mesmos signaes que em mim correspondiam a uma estatura mediana e barba preta. , .
  93. 93. 90 Fevereiro, 9. O tempo que vinha calmo mu- dou de tarde e embora o ceo sere- no, apenas muito esgaseado para o lado do norte, nSo indicasse a olhos de profano indícios de tormenta, a agitação do mar sobre ser grande crescia gradualmente. Era convite indeclinável para a cama onde me fui metter ainda sem excessivo esforço acrobático. Mas lo- go principiou o magnifico bailado, por balanços rythmicos e espaçados, do impulso da vaga dando paralela- mente ao eixo do barco, que depres- sa se alteraram com alternativas sur- prehendentes, tomando o navio 11'uma arredouça entre oscillações leves e
  94. 94. 91 arremettidas impetuosas, de lhe pôr a quilha ao ar. . . Refiectía-se o movimento dentro do barco. No meu camarote mexe- ram-se as malas, chocaram os fras- cos no lavatório, resvalaram as almo- fadas do sofá e a mais e mais a es- curidão se povoou de formas move- diças que se buscavam e se encon- travam com baques amortecidos, e se dispersavam, deslisando silenciosa- mente. Malas, bancos, sapatos, al- mofadas, em preparativos d'investir as paredes hesitavam, á sirnilhança de entes autonomos, parando, receo- sos, em volta dos pés fixos do lei- to e do sofá. Pelo cristal redondo da clarabóia "coava uma amarellenta reverberação de luz mortiça c lon- gínqua a afírouxar e a alterar as li*
  95. 95. 92 nhãs e os contornos de tudo quan- to me cercava. De repente o barco teve um es- tremecimento convulsivo, obrigando o lavatório a cuspir todos os seus frascos e juntamente o estojo de viagem cujo recheio de vidro e aço se espalhou no tapete. Eu via agora juntarem-se as for- mas volumosas—mais volumosas, pe- sadas, e por assim dizer brutaes — das malas, dos bancos, das almofa- das, as espertas facetas dos frascos de toucador que retiniam e rolavam miudamente pelo chao, e, mercê da pontinha de febre que entrara co- migo, cada vez mais me ennovelava nos cobertores, espavorido com a ideia de pousar os pés no tapete, preferindo a conjectura de me se-
  96. 96. 93 pultar, inteiro, nas ondas, a ex- pôr-me, nu, ás gélidas punções de uma tesoura aberta, ou das puas do cristal estalado das caixas dc sabo- nete .. , O vento, no emtanto, assobiava com sibilos de respiração cançada, mas fazia-o ás vezes discretamente, amimando-me por clareiras de re- pouso, a suggerir-me afifoitesas de peixe, como se tudo isto se pas- sasse, normalmente, no seio de uma baleia adormecida... Passageiras acal* mias no horror do medo, pois eu ia pouco a pouco desviando a atten- çâo do risco proprio para me en- volver 11a calamidade commum, e todo ouvidos para os retumbantes cataclismos que occorriam pelo na- vio fóra e m'os trazia, diabólica-
  97. 97. 94 mente orchestrados, a musica da de- vastação e da ruína. . . Na sala de jantar desabavam ri- mas, torres, de pratos sobre par- ques de copos e logo adeante sol- tavam-se camadas de bandejas, dis- persando se com um som que pare- cia abrir em fórma de leque, e arre- banhava outros sons bruxoleantes, mas humanos, assim de imprecações e de risos quasi extinctos. . . Um episodio novo conccntrou-me outra vez os sentidos nos limites do meu beliche, O cubo de zinco onde se baba a clarabóia quando lhe bate o mar, saltou do alvéolo e cahíu es- trondosamante no chão, despedindo um jacto de agua que veiu molhar- me o travesseiro; durante alguns instantes tudo parou e cmmudeccu
  98. 98. 95 corno que escutando o vascolejar da agua que ainda lhe ficara dentro... Então duas portas bateram ao mes- mo tempo, no corredor; bateram ri- jo, trincolejando ferragens mal pre- gadas, com o ruído relasso de mui- tas tijellas a desfazerem-se em cacos. Foi signal este para a continuação da batalha entre os meus moveis, os quaes, de concerto, se atiraram ao cubo de zinco, levando-o repeti- das vezes ao ar, forçando-o a verter todo o seu liquido até que, vazio e sonoro, o arremessaram para debai- xo do lavatório onde permaneceu o resto da noite em sobresaltos e tre- mores. . . Quando acordei da passagem bre- ve pelos sonhos quasi delirantes de um somno febril, mudara completa-
  99. 99. 96 mente o regimen que regulava os movimentos do barco, cujo eixo, ago- ra, cortava perpendicularmente o eixo das vagas, E com que esforço o fa- zial Como se não desconjuntava todo, ou como se não afundia de vez, n'es- ses momentos de angustiosa suspen- são, de arquejante paragem, em equi- líbrio sobre a aresta da onda ou, inerte, 110 seio da montanha fluida! O navio tremia todo, revolvendo os intestinos de ferro, rangendo as articulações, arrastando cadeias, jo- gando-se ao mar, ficando perdido, a popa toda fora da agua, exasperado pelo giro solto dos helices inúteis, . Mas de envolta com tanto ruido proprio da lucta pavorosa que se travava, o quer que fosse gemia a espaços, chorando lagrimas sentidas,
  100. 100. 97 no referver d'aquelle embate de ele- mentos insensíveis. O que era que assim se lamentava tão doridamen- te?. . , Ao atropello dos arrancos violen- tos que me exacerbavam as sensa- ções pavidas, toda a minha angustia ora buscar nos meandros tenebrosos de uma anatomia phantastica, á qual a hallucinação sujeitava o interior do monstro onde eu jazia, a origem, a razão dessas lamentações tão fundas, e tão breves que se furtavam ás agu- díssimas espias dos meus sentidos, para os inquietar de novo se por acaso outro fito os absorvia um mo- mento , , ■ . . mas essas lamentações perse- guem-me e, evidentemente, nascem do mar, e cercam o navio, e são-me T
  101. 101. 98 segredadas á cabeceira do meu lei- to. . . E, se realmente existem se- reias, mulheres cruzadas de peixes, folgando cm grutas de coral, á luz lunar das pérolas, sobre o velludo verde das algas flacidas, quanto lhes nao custará a passagem do immun- dissimo monstro que é um vapor, sempre a conspurcar o seio immacu- lado das aguas!,.. Ah! eu compa- deço a dôr das sereias!...
  102. 102. 99 Feverfiro, IO. — f Amphitrite, és tu?. . .> — mur- murava eu, no desfecho de um delei- toso sonho submarino, para o creado que vinha prevenir da proximidade do jantar e me annunciava também a volta do bom tempo. Comi pantagruelicamente e fui di- gerir a copiosa refeição sobre o tom- badilho, recostado em preguiçosa ca- deira articulada, banhando-me de luar branco e a vista entretida a seguir- ihe as esteiras da tremulina accesas pelo mar fóra. Sentia-se o ar morno o embebido d'aromas das noites de setembro no Algarve e a memoria pesquisava pelo passado themas apra-
  103. 103. IOO ziveis que viessem completar a feli- cidade da hora presente. Toda uma riquíssima série deri- vou da palavra «Montserrat» lida ao luar sobre as taboas d'um bote de bordo e ao luar surgiu ali logo, da superfície rasa do mar, tal como nas planícies da Catalunha, o barbara, golpeado, contorno da mole abrupta onde o convento d'aquelle nome está. V. conhece descripções do mos- teiro e também, decerto, estampas que reproduzem a agglomeração das cilíndricas pedras perpendiculares, al- tas de quinhentos metros e mais, que caractcrisa essa estranha serra de <t Montseri at» e lhe dá aspectos de orgão no qual reboassem os con- certos cosmogonicos. . .
  104. 104. 101 Muitos outros mosteiros da Cata- lunha vieram apoz este expôr ali os seus melhores trechos: grutas circula- res em que se ageitam as perspecti- vas darcos miudamente lavrados nos porticos românicos; as projecções ca- prichosas de que a lua reveste as sepulturas históricas nos claustros go- thicos; a magnificência geométrica das salas capitulares, com o echo lamentoso dos refeitórios vazios; as meias trevas que empapam, desfigu- ram, dilatam, as naves dos templos abandonados; as cicloides aereas onde poisam, leves, os lanços d'escadaria aos pateos abbaciaes e as ruínas gar- ridas occultando as suas lepras nos largos pannos das trepadeiras gulo- sas e espessas, nas cercas hortadas d esses mosteiros que, a exemplo de
  105. 105. 102 «Poblet# e «Santas Creus», foram também fortalezas, pantheons e alca- çares reaes, por onde eu peregrinei toda uma lua propicia de maio... Mas singrando assim, feliz, a phantasia aproou direito a outras terras preferidas, para chamar outra impressão mais completa, mais for- te, mais definitiva. Sítios são esses por onde se co- mia ainda ha bem poucos annos o pão de trigo rústico, perfumado, tri- gueiro e levemente glutínoso, de quando a industria das farinhas bal- buciava as suas primeiras trapaças. Comi d'esse pão com surpreza e de- licia, pensando ser do mesmo que a «Sulamitis» mastigava nas pérolas dos seus dentes. Pão trigueiro, ma- cio, á imagem do ventre d'ella:
  106. 106. 103 «monte de trigo cercado de açuce- nas»; ventre morno, minheiro, com efifluencias de pão quente, para ser beijado c mordido. . . Não julgue que eu viajava en- tão na Palestina mas em Portugal e se me soccorria de comparações taes — favoritas na prosperidade da mi- nha vida imaginativa—era para me- lhorar o sabor ao pão e n'elle ta- lhar formas mimosas e vivas, como as devia ter a gracil donzella, e por essas formas haurir os balsamos de que se ungiam e, assim, levado pelo guia minucioso e indulgente da Bí- blia, transportar me aos frescos hor- tos da Siria de Salomão, quando na realidade eu ia, suffocado pela calma de um dia de julho, atraves- sando os pinhaes de Aljubarrota, a
  107. 107. 104 caminho do mosteiro de «Santa Ma- ria da Victoria». Comecei a divisar por entre os alamos da estrada as agulhas da «Batalha» ao cahir da tarde, já quando o sol arrefecido pouco mais era do que uma braza a extinguir- se em tenuc poeira de cinzas aver- melhadas. Pouco depois, alumiado por esta claridade prestigiosa que lhe deixava a base envolta em ful- vas penumbras, !evantava-sc o mo- numento no mais encantador dos seus aspectos, soltas pelas abobadas, prezas nos cardos dos espigões, cin- gidas ás arestas dos muros, as ren- das de pedra que o enfeitam. A luz do sol poente inflammava essas ren- das, recortando-lhes os desenhos em fundos esmaltados: matiz d'oiro so-
  108. 108. 10 5 bre oiro, frágeis relevos preciosos subtilisados por mudanças successi- vas de effeítos fulgurantes.., Não me puz a desembainhar es- toques de critico para retalhar con- venientemente a sensação recebida: contemplei emquanto durou o cre- púsculo e depois sopeei a impaciên- cia na leitura dos «Luziadas», espe- rando a hora em que, alta já a lua, o sacristão iria mostrar-me os claus- tros. Levantou-se a lua pelas transpa- rências esverdeadas do horisonte que parecia recuar lentamente, já cerca da meia noite, 110 absoluto silencio onde tudo cahira em redor do po- voado. Aguardara a apparição da luz phantasmatíca no alto de uma colli- na que melhor vista dá sobre o mo"
  109. 109. io6 numento: sombra mossiça ouriçada de sombras agudas, tomando á clari- dade incerta das estrellas relevos de um instante, logo absorvidos por ou- tras sombras mais vagas. O luar ba- fejou o grande corocheu de poeira alvacenta, como o primeiro, frio, re- flexo da aurora, mas promptamente se fez opalino e mais penetrante, in- sinuando-se nos lavores das agulhas, nos liríos de pedra que anieiam as cornijas, nas teias de frisos que arri- piam a superfície das paredes e mer- gulhando, por fim, na tinta opaca em que se condensava o interior dos claustros, libertou das trevas toda aquelta maravilha e como que a re- fundiu em espumas de prata fina. . . Em noites taes a vista nilo se detem na rude fórma natural das
  110. 110. io; coisas, nias passa-as á alma que as transfigura e, luar ainda mais doce,, mais fecundo, mais intimo, as devol- ve, repassadas de poesia, puras subje- ctivações, enlevo da imaginação, or- gulho do pensamento,Essa noite foi juntar-se áqucllas — numerosas, inol- vidáveis— passadas a reconstituir len- das do alto das varandas da «Alham- bra», que dominam quasi a pique, de bem alto, a cidade, branca de cal, derramada na veiga fragrante; essa noite ficou a par d'aquella em que, na ilha «Caprea» visitei a «gruta azul»; e as noites contemplativas por entre os cyprestes de «Scutari»; e as noi- tes d'apaziguamento no immutavcl scenario do «Nilo»; e, as mais ra- ras de todas, as noites de «Veneza» de luar venenoso, 110 ataúde das
  111. 111. ioS gondolas que vSo mollemente direi- to ao Lido, ao agasalho das quaes a luxuria se exacerba divinamente. . . Mas essa noite antecipou-se erra- damente a outra, absoluta, que para mim só o meu querido amigo, Frank Holman, o pintor, fixou em moldura de oiro, n aquclle quadro que eu res- guardo das polluções dos philisteus, onde a sua alma deu realidade á vi- sito fluctuante, desfallecente, incerta, das apparições ephemeras, as formas silenciosas que a noite cria e que mal, a custo, se reflectem, ou morrem, ou repousam na laguna, como sombras coadas de outras sombras. , .
  112. 112. VIII Santa Cruz de Tenerife Março. Cheguei a amimar o projecto de vêr miudamente todas quantas ilhas ha n'este archipelago das Canarias, que são muitas, e, segundo contam, todas egualmente dignas de estudo, mas o clima, a brandura do clima tão bafejado de aragens mornas, tào preguiçoso, minou-me a energia e porque as communicações não apre- sentem aqui facilidades extremas só
  113. 113. I IO vou aonde forem carruagens e d'este modo limito as minhas digressões á «Grande Canaria» e a «Tenerife». Eu nSo sou d'aquclles que figu- ram de antemão a paysagcm das re- giões que visitam; a realidade des- mancha acintosamente os quadros da phantasia e assim a decepção ou, pelo menos, a contrariedade tornam? se frequentes e perturbam o goso de ver. Mas a ideia bem arreigada que me suggeriam umas ilhas já do tem- po dos romanos sujeitas ao rotulo de «afortunadas» e, depois, civiltsa- das ao calor da «renascença», orgu- lhosas do seu «Pico»—o seu «Tei- de» — visinhas dos tropicos, era qua- si paradisíaca e quaesquer serras pel- ladaa, ou áreas áridas, ou de cara- cter menos assignalado, com que a
  114. 114. I [ I principio deparava, tinha-as quasi na conta de offensas pcssoaes. .. O clima foi-me d'csta vez bafo * lustral nos meus resentimentos, res- tituindo-mc a paz confortativa ao es- pirito alvoroçado e balouçando-me na vida suave de uns dias inintcrrompi- damente aprazíveis . . Deixeí-me de lançar em rosto ao «Pico» —ao «Teíde»—as intangíveis bellezas do «Etna», e conformei-me na supposta indigência pittoresca d'estas ilhas a ponto que tudo agora me é surpre- za e delicia. . . Nào lhe encareço os meus últi- mos dias, passados em «Orotava»; o magnifico vaile deslumbra 110 seu revestimento de opulenta verdura vi- çosa, mas povoado de condemnados que ali esperam allivio a insanáveis
  115. 115. 112 softrimentos e, á custa de penosos, mal encobertos esforços, alardeiam sorrisos de felicidade, entristece o fo- rasteiro são a quem repugnam paro- dias dos « Campos-EIyseos ». , , E tão flagrante o contraste da natureza a ferver de seiva crassa em volta dos seres definhados, cuja vida se esvae no doloroso dessorar lento, que a ideia de um «Ser Superior» infinitamente poderoso e bom, ganha ali foros de abominável escarneo., . Busquemos diversão á molesta lembrança e busquemol-a aqui, em «Santa Cruz», no hotel do nosso patrício, se bem que internacional Camacho, onde se hospeda o ma- gnetisador «O.» com a mulher e a filhinha. Que extravagantes olhos são os dessa gentel
  116. 116. ii3 Comem á meza na minha frente e eu não me canço de perscrutar os olhos da creança, que teem as íris de aventurina c scintillam, meio Cerrados, no rosto esmaecido, como ° brilho de certas estrellas rompe ã alvura leitosa de um ceo satura- do de luar. Devo soccorrer-me de dulcíssimo lyrismo para alludir á mi- sericordiosa ternura que parecem de- cantar os olhos, húmidos de inefla- v el luz, da mãe; e o geito das niãos, todas caricias de arminhos, polvilhando perfumes! .. ltsta gente estraga-me o esto- mago, onde os remoinhos de tanta poesia encruam as chorudas igua- nas do Camacho. . . Sem embargo suspeito que le- garei da «Grau Casaria» melhores
  117. 117. 114 recordaçOes, . . Ali não ha «Pico» nem «Valle d'Orotava» mas sítios como «San Mateo», serra armada em pequenos calvários de presepio, que são outros tantos cestos de ver- dura a coar fontes cristallinas em alvéolos de rochas cinzentas. Depois, em «Tenerife» não ha mais do que uma única estrada, a de «Orotava», via sagrada por on- de só transitam landós pomposos, aos tirões intermittentes de umas pilecas vacillantes e estafadas, em- quanto que a «Gran Canaria» é sul- cada de estradas e existe n'ella uma raça de cavailos pequenos, fogosos e infatigáveis, excedentes para sella, os quaes também tiram as leves s tartanas» da ilha tão lestos que vôam e essa febre dc movimento
  118. 118. US ao ar livre encanta, quando não é indispensável, á mingua de melhor excitante, na vida acanhada das ilhas pequenas. . , De duas relativamente largas jor- nadas, aos pontos extremos de «Agiiimes # e « Agaete», conservo lembranças vivas, que reproduzem pannos de paysagem muito diversa em serie apressada de mutações. Ambas as estradas serpenteiam á beira-mar mas aquelta, de «Agiii- mes», passa primeiro ao travez da rocha viva, por elevadíssimos arcos, sobe, depois, a excessivas alturas, junto de um abysmo onde o mar vae aguçando os gumes de muitos leixões retalhados e dispostos cm cir- culo, sobre os quaes pairam bandos de abutres, e entra, em seguida, pela
  119. 119. 116 terra dentro cortando o mais tene- broso vaile que os meus olhos vi- ram. É uma região formada de es* coreas mineraes sem outra vegetação a empecer-lhe a cor ferrugenta, além dos fartos molhos de cactos gigan- teos que a largos espaços crescem, e cujas delgadas ramificações cylin- dricas se extorcem, cmmaranhadas, e agitam no ar as extremidades sol- tas, de verdosas serpentes iradas... Na igreja de «Telde», povoação situada a meio caminho de «Agiii- mes», vcem-se pinturas «desculpá- veis » e um retábulo de esculptura delicada; são, julgo eu, os únicos vestígios d'arte que as «Canarias» encerram. . . Perto de « Aguimes» um leito sécco de ribeira, semeado de pedre-
  120. 120. i'7 gulho negro, amplo bastante a per- mittir passagem ao Amazonas, aguar- da os enxurros que as serras lhe en- viam com frequência. Entre «Las Palmas» e «Agaete» ha tres léguas dc estrada quasi toda no littoral. Alguns lanços imitam ar- redoiças com as pontas presas em duas eminências nivelladas e a cur- va a roçar na babugem do mar; outros foram abertos, a meia altu- ra, nas paredes lisas de fundíssimas, assombrosas, exeavações que sobem do mar a pique; outros estiram se ao lado de extensas varzeas planta- das de bananeiras, resguardando-as da areia da praia. Convém passear sósinho no «valle de Agaete» que é magestoso e* pro- picio a evocações sobrenaturaes, fe*
  121. 121. nS chado, como a arena de um circo, em serras sobrepostas cujos cimos as nuvens occultam. Lembrar-Me-hei também, decerto, de «Las Palmas» a capital da «Gran Canaria» que uma ribeira polluida divide em duas encostas accidenta- das e pittorescas, d'onde reluz o mar por todas as perspectivas, e dos vi- rentes jardins em socalcos sobem as palmeiras a espanejar o ceo; lem- brar-me-hei, saudoso, das suas airo- sas mulheres, indolentes e morenas, cujo olhar, dardejado sob a alvíssima mantilha de 13, desassocega e pertur- ba o forasteiro desvalido; e lembrar- me-hei, sorrindo, da hospedaria de «Dona Pino» aviario exotico, ruidoso, tumultuado caravançará, onde entra e sáe quem quer, e come e bebe
  122. 122. 119 quem quer, e paga quem quer por- que ali — embora s Doria Pino» pros- pere— ninguém pede ou presta con- tas; e lembrar me-hei, eternamente, mesmo nos ceiestiacs saraus, das fei- ções, do sorriso, dos olhos leaes d'cssa menina que cm noite de tbea* tro eu contemplei durante os tres actos da peor ganida das zarzuellas; não era um lypo liespanhol mas um rosto amoravel de portugueza quasi envergonhada de ser tão linda. . ,
  123. 123. IX Funchal — Abril. O «Aline Woermann», o sujo • vapor que me trouxe das Cariarias á Madeira, approximou-se de terra emquanto eu dormia; foi já quasi no ancoradoiro que eu vi, do tom- badilho, a ilha toda estofada em ve- getação de um profundo verde-gar- rafa, subir como um panno de vel- ludo esticado, que as nuvens esti- vessem puxando do mar.. . Cortina espessa, húmida e fera- cissima, sem delineamentos nem con-
  124. 124. 122 tornos, absorvendo tudo no seu ni- velado plano ascendente, appareceu- me tal a convencionada antithese das ilhas clássicas do Mediterrâneo, descarnadas, sinuosas de recortes ca- prichosos, cujo effeito é meramente ornamental e repugna a qualquer suggestão utilitária como abundancia, riqueza, fertilidade... N'estes enfei- tes do mar c do ceo, peanhas pro- picias a obra d'arte humana, onde uma columna truncada ainda realça tão bem como o cabuxão no en- gaste de oiro, apurou a nossa raça os modelos definitivos da paysagem espiritual e poética, escravisada á architectura. A primeira impressão da «ilha da Madeira» — tenebrosa e farta — é flagrante desacato a esses modelos
  125. 125. 123 respeitáveis c vem trilhar nos, a des- peito de tudo, a esthesia que hon- ramos. . , Mas como chega depressa a re- conciliação e como esmaece a appa- rente hostilidade suavisada cm tre- chos surprehendentes, infinitamente diversos c de engenhoso arranjo... Pois haverá no mundo paysagem mais alliciadora do que esta que eu disfructo agora mesmo, do jardim embalsamado e silencioso da «Quin- ta Vigia»? Tudo é immobilidade e soccgo no panorama em gris que a minha vjsta abrange: mar de calmaria, adamascado, com a sua orla borda- da de barcos em relevo—cascos de seda frouxa e mastreações de retroz — á luz egual, branca, branda, que
  126. 126. 124 o alto ceo leitoso côa do sol que se não vê; as verduras mossiças da serra alliviando-sc da espessura em verduras mais tenras, ao contraste dos casaes caiados e longe, sombre- jando o horisonte, uns arremedos de Capri, ilhas perdidas cujas cor- covas montam por sobre a ultima linha do mar. . . Os jardins aereos da «Quinta Vi- gia » são refugio inviolável a quem busca isolamento durante o dia, e o predilecto logar de reunião, du- rante a noite, para quem não pres- cinde de diversões mundanas — com paradas á roleta. — «Faraizo com sol e inferno com lua» — sentenciará, talvez, o moralista minaz e impor- tuno. Eu não tnoraliso, amigo, bem sabe e venho aqui de dia, quan-
  127. 127. do fico no «Funchal» a descançar dos meus continuados passeios pela serra. Dentro da cidade não lia local mais adequado a retiros intellectuaes e, decerto, merecem preferencia a quaesquer outras as horas de calor, comtanto que se aviste e oiça o mar, para, socegado o corpo, abrir ensanchas á imaginação e sentil-a então largar panno, pouco a pouco, buscando rumo, e hesitar na derrota até que, ao leve sopro do mais for- tuito indicio, se faça de vela direito a remotas, desconhecidas, almejadas plagas. . . Hoje vim aqui mais porque o desejava chamar á minha presença e lhe queria dar participação e di- zer-lhe muito bem da vida sã e
  128. 128. 126 feliz que levo n'esta ilha selvagem: o local é egualmente propicio para fugazes devaneios c evocações affe- ctuosas. Eis a fornia como emprego o meu tempo. Subo á serra logo de manhã cedo e é já noite cerrada quando volto ao hotel, moido como um sal, bem disposto a entrar de surpreza no plenissimo remanso do sonmo solto. ., Trinta kilometros d'exerci- cio na livre amplidão do ar impol- luto e dez horas forras ás prodiga- lidades da vida, dez horas de cris- talina insensibilidade, limpas de reali- dades e de sonhos. , . em cama fófa. O meu creado, que é também o meu guia, espera-me á primeira ascensão do elevador junto á igreja
  129. 129. do í Monte», obrigado ponto de partida para quasi todas as excur- sões na serra. É já unia elevação grande, o «Montei, e o seu accesso, ao tirar da locomotiva arquejante, pela Ín- greme pendente acima, remette-nos á phantasia de certos contos diabó- licos onde se violam sem escrúpulo as leis naturaes. A paysagem tor- na*se ludibrio da vista, invertendo perspectivas, deturpando curvas, ma- chucando casas, bandeando rochas, cavando abysmos infernaes sob a gaze esverdinhada das trepadeiras em flôr, desencantando valles idytli- cos a meio de ravinas lobregas e re- voltas, arrancando os pinhaes á sua perpendicularidade magestosa para os arrojar como feixes de lanças
  130. 130. 128 d'encontro aos broqueis espelhados dos tanques d'agua... Todos estes elementos de discór- dia, aquietados á paragem do eleva- dor, tecem, sumptuosamente, a dal- matica, a capa de asperges, admira- çSo e enlevo dos olhos, sob a qual o «Monte» avoluma desde a roda do mar ao adro da igreja. Os pi- nhaes fazem-lhe o fundo de vellu- do escuro, cercados e lavrados da doirada ramagem das carvalheiras, por onde reluz a pedraria das fon- tes. ,. K dentro de uma canastra de verga, assente em duas tiras de ma- deira ensebada —trenó rústico —que eu desço, á tarde, do «Monte» á cidade, resvalando vertiginosamente pelos declives arrebatados da cal-
  131. 131. I2Ç) çacia estreita, onde ha traços quasi vertícaes cuja passagem provoca an- gustias de queda mortal... Os meus primeiros passeios fo- ram pelos pinhaes que se alastram por cima do «Monte» á cata de novas perspectivas, com mira nos cabeços de granito quasi inaccessi- veis que a miúdo calvejam na den- síssima vegetação das mattas, em- prezas por vezes temerárias mas ge- nerosamente recompensadas na exul- tarão dos horisontes larguíssimos, a mais e mais despejados ao successi- vo desdobrar de ondulações monta- nhosas. Adeantei-me depois para léste, dando volta á escavação fragosa do «Curral pequeno», descançando na passagem da «Choupana»—trecho o
  132. 132. de composição alpestre — ate aos prados da «Camacha», campina, em planos curtos de relva, quebrada por sebes de vimeiros. A poente visitei «Camara de Lobos» que é um porto de pes- cadores fechado em rochas de ba- salto, crespas como ficam as gottas de chumbo derretido que as crean- ças deitam na agua fria, para tirar sortes, em vespera de S. João. Ahi perto levanta-se do oceano uma des- propositada mole, de temeroso es- boço elephantino, aguentando a en- costa risonha do vastíssimo valle que deu entrada aos descobridores da ilha. A estrada que liga «Camara de Lobos» ao «Funchal», nos lanços arrojados, no modo de galgar as
  133. 133. I3i agrestes, apertadas ravinas, nos en- curvamentos pittorescos por onde se esquiva, plagia agradavelmente a es- trada de «Posilipo».. , Mas se as paysagens observadas até aqui embora preciosas não esca- pam á humilhação das analogias de- primentes, urge notar-lhe que divisei aspectos de irrefutável originalidade na minha recente jornada ao «Curral grande» ou «Curral das freiras». Esta pavorosa depressão geoló- gica encerra 110 circulo das suas muralhas de granito negro, á pro- fundidade de mil metros, um vastís- simo e deslumbrante tapete de tin- tas fundidas a primor em culturas variadas e prosperas. Tal é a sur- preza de encontrar assim entregue á monstruosa agglomcraçSo de ro-
  134. 134. r32 chas bravias, a guarda d'aquella ma- ravilhosa alfaia, cujo desenho e co- lorido somente se explicariam nas combinações de uma arte reflectida e consummada, que não sopeamos a phantasia e, á incitação do conjun- ct© fabuloso, para ali trasladamos instinctivamente quadros mythologi- cos, imaginando que ali mesmo se congregaram os exércitos de titans para occultar o seu palladio, antes de accomnictter o ceo.. . Prcstava-se a luz á visão per- feita, exaltada na transparência do ar que accendia as côres como cris- tal puríssimo, das alturas onde me assomei. Tudo ali era pintura; ne- nhum relevo perceptível destrinçava as arvores da outra vegetação mais chã; as casas denunciavam-se no ri-
  135. 135. 133 gor geométrico das .suas manchas e movimento algum traduzia o gorgu- ihar do homem n'aquelle fundo ma- tizado onde a impressão de isola- mento absoluto, de alheamento ex- piatório, de natureza enclaustrada, sobrepujava a qualquer outra. . . O meu guia, a quem não foi indifferente o assombro que se me transluzia no rosto, prometteu-me passagens ainda mais portentosas n'esta ilha desconhecida. Fallou-me do sitio de « Sant'Anna» como se pintasse a thebaida dos poetas; er- gueu a mão, lentamente, sobre os abysmos e aguçou no espaço uma ponta diabólica: o «Pico ruivo»; os seus grandes olhos reflectiram cam- biantes infinitas: eram as cascatas do «Rabaçal».
  136. 136. 134 Calculo que um niez chegará, escassamente, para tudo isto, pois a ilha é extensa, eu ando a pc e os caminhos sSo de cabras. . . No regresso, voltando do «Curral grande», entrei para descançar n'uma especie de boceta oval, toda alcati- fada a musgo rôxo, genuina gruta de poema pastoril, a cuja entrada rectangular pendia uma cortina de agua desfiada, e os fios tSo juntos e distinctos como nos reposteiros de missanga japonesa. * ♦ * A approximaçâo de um grande vapor branco, ha meia hora já aproado ao «Funchal», que deve
  137. 137. 135 ser um a Castle» conduzindo tropas frescas para o iCabo», vein ata* lhar-me a febre epistolar. Vou deixal-o, por agora, amigo. Não quero perder o ensejo de admirar ainda uma vez o aprumo, a elegância, o asseio dos nossos cruéis alliados. Os mesmos soldados rasos, apoz travessias medonhas na promiscuidade das casernas fluctuan- tes, desembarcam limpos, garridos quasi, empertigados nos seus mo- destos uniformes de kaki engomina- do, c mais guapos do que os aju- dantes de campo da Magestade portugueza em dias de parada. . . Também os desejo ver duas horas depois, na occasião de re- gressar a bordo, amarfanhados, mas não combalidos, pelos efteitos das
  138. 138. •3^ beberageus venenosas—que sob o rotulo de «Madeira genuíno velho» os taberneiros lhes ministraram — distribuindo pontapés e soccos, em guisa de paga, aos assassinos que os perseguem, . . Vem a pello notar-lhe que a guerra do «Transvaal» ateou na po- pulação madeirense o fogo da dis- córdia. Por serem de diversa ten- dência partidaria muitos namorados retractaram as promessas matrimo- niaes, muitos amigos se esbofetearam publicamente, e muitos co herdeiros, embora de maioridade, exigiram par- tilhas judiciaes. Ou elles não fossem, os dignos filhos da briosa raça por- tuguesa, capazes de affrontar as maxímas catastrophes para que «Ro- berts» ou «Kruger» levem virtual-
  139. 139. 137 mente a melhor nas suas conten- das, n'esse empenho tao accesos como indiferentes a tudo quanto lhes vae por casa e sem animo para — ao menos — metter facas aos cevados nacionaes que lhes trans- formaram a patria em pocilga. . Este bonito — ardente — periodo deve ser relido ao som da «Portu- gueza» assobiada, ou do «Hymno da Restauração > na guitarra con- soante, caro amigo, a musica das suas actuaes disposições patrióti- cas. ., Aproveitarei a tarde para dar uma volta pela cidade que ainda não vi; nem sequer entrei á Sé. Contento-me, quando vou a caminho do «Monte», em parar um momen- to deante da torre quadrada que
  140. 140. US se ergue das abobadas do abside. É um arranjo de linhas e de eôr altamente pittoresco. A construcçfto ampara-se a gi- gantes toscos — rematados por agu- díssimos fusos de pedra torcida en- tre os quaes corre uma renda ma- nuelina—para formar terraço. Apoia- do em parte n'este, e sustido late- ralmente por gigantes mais solidos, outro terraço mais elevado cerca-se de balaustres, donde se levanta o carnpanario de pedra negra faustuo- samente mitrado d'azulejos claros. A ramagem de duas viçosas palmeiras, que repuxam dos alicerces, espaneja- lhes as pedras carcomidas.
  141. 141. Funchal — Abml- Não eram fallazes as promessas do meu creado e guia Gregorio e pela primeira vez tias minhas pere- grinações senti a realidade, logo de chofre, sanar as desconfianças gera- das no encarecimento prévio. Verdade seja que o rapaz não especificara taes ou taes caracteres de encanto — impertinentes croques da esthetica official a que a repulsa acode instinctivamente — mas gene- ralisando, evocara com ingenuidade uma região sublime.
  142. 142. 140 Levei quinze dias dineffavel rego- sijo contemplativo ena «Sant'Anna» a filtrar a alma por sitios. tão altos, tão luminosos, tão desafogados, que m'a restituíam límpida, serena, per- meável ás mínimas irradiações de belleza exterior. Movimentos, formas, cores, reverberavam-se-nie no cére- bro por clarões iriados da alegria de viver. Durante essas duas semanas ali- jei saudades, raciocínios, concupiscên- cias, philosopliias. . . Eu sorvia o mundo pelos senti- dos, abrindo os olhos ás perspecti- vas infinitas, aos ceos ampliados na circuinferência do mar que a eleva- ção das montanhas dilata, as prodi- giosas transfigurações da paysagem, ora apparecendo em miniaturas es-
  143. 143. i4t maltadas, nas profundíssimas cavida- des dos valles, pelo rasgSo de uma nuvem opaca, ou, deslocada no cai- xilho movei do arco-iris, esbatendo- se sob a musselina fluGtuánte das neblinas leves, ou sepultando-se nos nevoeiros crassos, que a abafam por fim em borrões quasi líquidos — re- domas de vidro cheias de fumo ne- gro... E, logo, á súbita rajada do vento a resurreiçâo das mattas cer- radas que sobem pelas encostas ar- rebatadamente, como exércitos, le- vando, a modo de guiões, nas pon- tas mais altas dos pinheiros farra- pos de névoa doirada; e na volta do atalho, a terra a resvalar por vinte espinhaços, varetas de um le- que meio aberto cujo panno mati- zado o mar arredonda.
  144. 144. 14~ Ao cahir da tarde o sol obliquo ardia nas poças dc agua tão violen- tamente que encandeava c mais in- tensa do que á excitação do álcool a vida accelerava-se na embriaguez das excessivas altitudes. . . O meu somno era suave e continuava du- rante a noite o embevecimento dos dias generosos, em sonhos cujas ima- gens buscavam o meu travesseiro, bailando como pérolas brancas nas resteas de luar. . . A travessia do «Funchal» a «Sant'Anna» foi trabalhosa, com chuva e cerração, por caminhos suspensos á laia de escadas de corda sobre despenhadeiros apoca- lypticos. Apoz cinco léguas de marcha, quando luzia a redempçilo na fór*
  145. 145. 143 ma já perceptível do campanario de «Sant'Anna» obscureceu-se es- pantosamente o ceo e despejou agua a cantaros. Para me animar o meu guia observou, no tom so- cegado que lhe é peculiar: — «D'aqui á hospedaria pouco mais ha de meia légua... mas não tarda que seja noite e bem pôde succedcr que não encontremos lá ninguém. , . Na verdade com o tempo assim quem espera hospe- des?. . . A mais. d'isso deve haver transtorno nos arames e talvez o despacho desta manha não che- gasse. , . s * Sant'Anna» é uma larga dis- persão de cabanas de colmo, arre- dada das quaes, na pendente da riba-mar, sobre um grande terraço
  146. 146. 144 ajardinado, está a construcçSo in- gleza que recebe os forasteiros por favor especial e ajuste c aviso an- tecipados. A tal meia légua durou duas horas sempre com agua por cima do artelho e a perspectiva de en- contrar a hospedaria fechada . . Mas esperavam-me. . . Despi-me; confiei o fato enchar- cado a uma das duas bruxas sa- turninas a cujo cuidado fôra com* mettido o trato da minha pessoa. Jantei na cama e adormeci ao som da tempestade que durou pela noite fóra e era deliciosa de ouvir nos interludios do somno, . . Amanheceu o dia seguinte ines- peradamente formoso e a chuva náo incommodou mais durante a minha
  147. 147. 145 permanência ali; tempos vários, fres- cos, de ventos e nevoeiros e muita nuvem a empannar o ceo de for- nias em perpetua evolução, como estudos para ornamentações cada vez mais faustuosas. . . O tempo, emfim, que melhor convém a di- gressões alpestres. Fui ao «Santo da Serra» e ao «Pico ruivo», custosas jornadas que alternavam em dias de mais ener- gia com as visitas aos povoados visinhos e ás fragas da costa. Em volta de «Sant'Anna» o campo bem cultivado e fértil, repar- te*se infinitamente em pequenos re- talhos por sebes tecidas de roseiras, hortênsias e lírios. A industria tem chegado ali ao extremo de prender ao flanco das rochas aprumadas no to
  148. 148. 146 mar, pequenos canteiros de verdura, sobrepostos em cadeia d'alcatruzes, por sitios cujo accesso se deve re- putar empreza para loucos. Certo dia, buscando passagem de um para outro d'esses graciosos alegretes aereos, vi-me nos braços da morte aventurado por uma çimalha que não tinha dois palmos de largo; á direita alisava-se a rocha como pa- rede betumada de cisterna, e ao la- do esquerdo a aresta d'outra parede egualmente lisa que profundava du- zentos metros até ao mar. Parei e disse para o meu crea- do: — 1 Não imaginava que o cora- ção pezasse tanto,.,; se não volta- mos para traz perco o equilíbrio. . .» Muito serenamente, — a julgar
  149. 149. 147 pela firmeza da voz — o Gregorio replicou: — * Voltar aqui não se pode.,. Isso que o senhor sente é falta de costume, mas eu o amparo se fôr preciso. . . » Não foi preciso porque bastou para me suster a confiança 110 seu auxilio. Livre de perigo reparei que o rapaz estava livido. — >0 que tens tu?...» — i O senhor dizia aquillo para me metter medo não c verdade?. . . Como é que eu o havia de am- parar?. .. j E o caso fez-Ihe decerto abalo porque á noite tinha febre. Mas as bruxas saturninas á força de escaida- pés e lambedores deram-no por bom ao dia seguinte,
  150. 150. 14-S Algo socarrão o Gregorio com* mentava: — * São muito caridosas aquellas senhoras... qual d'ellas a melhor!.., A desdentada disse logo que me não deixava passar a noite sósinho e mandou deitar a outra. . . que não quiz ir... e ficaram ambas á minha cabeceira... Davam cada suspiro que mettia dó...» O Gregorio ainda não tem vinte annos: é alto, forte, bem feito. A cabeça de construcção latina, a testa lisa e breve, o cabello frisado, quasi ruivo, os olhos côr de avelã verde e um pouco apartados do nariz. Nem um pêllo de barba a pungir-ihe a tez peceguenta; as commissuras dos lá- bios abertas em cheio na carne e reviradas como pequeninas pétalas
  151. 151. 149 de rosa. Uma cara que sorri, intrin- secamente luminosa, mas de expres- são ambígua, inquietadora ate. Ves- tido com a tunica de setim, curta, quinhentista, estaria bem no séquito d'algum rei mago dos frescos do Lui- ni. Eu recordo-me de lhe ter manda- do photographias de «Saronno»; re- pare o meu amigo no pagem que leva a espada e a coroa d'el rei Bal- thazar: é o meu Gregorio. Mas bem mais curiosa ainda do que a expressão da sua physionomia c a extravagância dos seus conceitos. Duma vez que cu lhe observava a respeito d um grupo d'estrangeiros: — * Teem ar de se aborrecer va- lentemente. . ,» — tTeem.—respondeu — É de- certo gente muito capaz...»
  152. 152. ISO — i EntSo ?!» — i Pois en penso que esta gen- te enfastiada que se põe a correr mundo corn tanta fadiga e tanta des- peza é só por amor á verdade, para ter o direito de dizer «já vi», quan- do se fosse mentirosa podia do mes- mo modo dizer «já vi» e ficar-se muito bem repimpada em casa.» Em cSant'Anna» encontrando-nos á porta do telegrapho com uma chus- ma de creancinhas, disse eu: — «Talvez sejam todas do tele- graphista. . .» — k Com certeza...» — «Pois tu conhecel-of. ,» — «Nilo senhor, mas os telegra- phistas sâo todos assim . é do officio. . .» E, esclarecendo, acerescentou que
  153. 153. i5i o telegraphista é prolifico, o phar- maceutic© irrascivel, o confeiteiro desdenhoso, o sapateiro brigão, o latoeiro politico... O Gregorio traz o casamento justo com uma rapariga do «Mon- te» que é deveras mimosa e linda, mas em «Sant'Anna» descobriu lá para as húmidas profundezas do «Calhau de S. Jorge» uma especie de prima, assim como elle de olhos verdes e cabellos côr de cannella, e mal soavam Ave-Marias sumia-se. Porque me andasse sempre a fallar na «sua grande amizade» á noiva pareceu-me bem reprehendelo: — «Pois tu níio tens vergonha ff.. Olha que isso é uma traição que estás armando á tua moça...» —«Deixe o senhor lá que nao

×