GNDA

4.680 visualizações

Publicada em

Aula de glomerulonefrite difusa aguda (GNDA) ou glomerulonefrite pós-estreptocócica (GNPE) pelo serviço de pediatria do Hospital Municipal da Piedade - UGF

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.680
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
60
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

GNDA

  1. 1. Hospital Municipal da Piedade Serviço de Pediatria Dra. Maria do Socorro
  2. 2. Glomérulos com GNDA Glomérulos Normais Folheto parietal da cápsula de Bowman Espaço de Bowman Comparando-se as duas colunas, nota-se que os glomérulos com GNDA são maiores e mais celulares que os correspondentes normais. O espaço de Bowman é comprimido pelo maior volume dos tufos capilares. O aumento da celularidade se deve não só à proliferação das células glomerulares, mas também à infiltração por neutrófilos, atraídos pela fixação do complemento, conseqüente à deposição de imunocomplexos. Tufos capilares
  3. 3. DEFINIÇÃO  É um processo inflamatório de origem imunológica que acomete todos os glomérulos devido a uma estreptococcia de pele ou V.A.S.
  4. 4. ETIOLOGIA É a forma mais comum de glomerulonefrite na criança. ESTREPTOCOCO β - HEMOLÍTICO DO GRUPO A. Os tipos nefritogênicos mais comuns são: VAS M 12-4-1 PELE M 2-49-56-57-58-60-61
  5. 5. INFECÇÕES ESTREPTOCÓCICAS www.notiun.com/2010/05dor-de-gargantafaringe
  6. 6. INFECÇÃO ESTREPTOCÓCICA PERÍODO DE LATÊNCIA ENTRE A INFECÇÃO E A NEFRITE: Para infecção de pele – 14 a 21 dias IVAS – 8 a 14 dias OBS: Quando não há período de latência deve-se ter cautela no diagnóstico!!!
  7. 7. INCIDÊNCIA Os episódios subclínicos são 4 vezes mais freqüentes que a enfermidade clínica facilmente reconhecida. IDADE- ocorre com mais freqüência acima de 3 anos (pré-escolar/ escolar). SEXO- A análise de pacientes afetados durante epidemias de glomerulonefrite pós-estreptocócica mostra uma proporção masculino/feminina de 1:1.
  8. 8. PATOGENIA A lesão glomerular resulta da deposição(ao nível da membrana basal do glomérulo) do imunocomplexo circulante constituído de AGAC. Este imunocomplexo deposita-se no glomérulo (região subendotelial) onde ativa o complemento e determina as lesões na membrana basal.
  9. 9. FISIOPATOLOGIA DEPOSIÇÃO DO IMUNOCOMPLEXO REDUÇÃO DO RITMO DE FILTRAÇÃO GLOMERULAR RETENÇÃO DE SÓDIO E ÁGUA HIPERVOLEMIA CONGESTÃO CIRCULATÓRIA
  10. 10. DIAGNÓSTICO ANAMNESE: História de infecção prévia de pele ou VAS. Edema Hematúria Oligúria (oligo-anúria) QUADRO CLÍNICO: Edema - Hipertensão Congestão circulatória Hematúria macroscópica ou microscópica
  11. 11. Hipertensão Arterial na Criança Diagnóstico ☻Hipertensão - PA acima do percentil 95 ☻Pré-hipertensão - PA entre percentil 90 e 95 4º National High Blood Pressure Education Program (NHBPEP) Pediatrics 11; (2): 555-576,2004.
  12. 12. Hipertensão Arterial na Criança Idade anos PA Perc. PAS (mmHg) PAD (mmHg) Percentil da altura Percentil da altura 10 25 50 75 90 95 10 25 50 75 90 95 1 90 95 99 94 98 105 95 99 106 99 103 110 100 104 112 102 106 113 103 106 114 50 54 62 51 55 63 52 56 64 53 57 65 53 58 66 54 58 66 2 90 95 99 97 101 109 99 102 110 103 106 113 104 108 115 105 109 117 106 110 117 55 59 67 56 60 68 57 61 69 58 62 70 58 63 71 59 63 71 3 90 95 99 100 104 111 101 105 112 105 109 116 107 110 118 108 112 119 109 113 120 59 63 71 60 64 72 61 65 73 62 66 74 63 67 75 63 67 75
  13. 13. ... QUADRO CLÍNICO DA GNDA Congestão Sistêmica ICC . Edema . Derrame pleural . Distensão jugular . Ascite SAUDE-ACUMPUCTURA.BLOGSPOT.COM/2009
  14. 14. DIAGNÓSTICO LABORATORIAL  URINA(EAS):  Hematúria macro ou microscópica - em quase todos os pacientes  Leucocitúria - presente ou não  Cilindúria - cilindros hemáticos  Proteinúria - não seletiva  SANGUE:  Complemento sérico – C3 (80-90% dos casos)  ASLO aumentada  Hemograma –hematócrito  Uréia  Creatinina  Eletrólitos/Colesterol/Proteinas Totais e Frações  RX DE TÓRAX
  15. 15. Radiografia em PA e perfil de uma criança com aumento da área cardíaca e congestão pulmonar por sobrecarga de volume GNDA ANTES
  16. 16. DEPOIS
  17. 17. DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL Outras causas de hematúria:  ITU  Tuberculose renal  Traumas –calculose renal  Corpo estranho  Neoplasias  Discrasias sangüíneas Outras glomerulopatias:  GNMP  Púrpura de Henoch- Schoenlein  Doença de Berger
  18. 18. PROGNÓSTICO A imunidade da proteína M estreptocócica é específica do tipo duradoura e protetora. Isto, aliado ao número limitado de sorotipos nefritogênicos, explicam a raridade de um segundo episódio após a cura da lesão renal. Um dos parâmetros mais usados na investigação e prognóstico dos pacientes com GNDA é o complemento sérico.
  19. 19. PROGNÓSTICO Somente 2% a 5% dos pacientes não têm recuperação completa. Acompanhamento ambulatorial após a alta. BIÓPSIA RENAL: Apresentações atípicas Resoluções retardadas
  20. 20. COMPLICAÇÕES ICC- é a complicação mais freqüente Encefalopatia hipertensiva- deve-se essencialmente à hipertensão:  Cefaléia/vômitos  Convulsões/ perturbações visuais  Sonolência/ coma  FO normal e em alguns casos vasoespasmo na retina IRA- é rara, porém quando presente pode causar uma hiperpotassemia com sobrecarga hídrica potencialmente letais.
  21. 21. TRATAMENTO  DIETA:  HIPOSSÓDICA  HIPOPROTEICA- quando a uréia estiver acima de 60mg e/ou associada a evolução clínica(IRA).  RESTRIÇÃO HÍDRICA – 20 ml/kg/dia. Sendo aumentada conforme a diurese.  REPOUSO NO LEITO – relativo conforme a gravidade do caso.  ATBTERAPIA- não será feita de rotina,deixandose para os casos em que haja infecção em atividade.
  22. 22. TRATAMENTO  DIURÉTICO- Furosemida 1 a 2 mg/kg/dose a cada 6/8 ou 12 horas, podendo ser IV ou VO, dependendo do quadro clínico, sendo diminuída a dose gradativamente conforme a evolução.ATENÇÃO!!  ANTI-HIPERTENSIVOS- nos casos que apresentam níveis pressóricos altos apesar da resposta ao diurético:  Drogas de ação rápida: Nos casos de níveis pressóricos (PD>100mmHg/PS>150mmHg)  Drogas de ação lenta:Hipertensão mantida, apesar do diurético Quando internar???
  23. 23. TRATAMENTO CRISE AGUDA: DIAZÓXIDO- 3 a 5 mg/kg por IV lento NIFEDIPINA- 0,25 a 0,5 mg/kg/dose VO CAPTOPRIL- 0,25 mg/kg/dose MANUTENÇÃO: ALFA-METILDOPA- 10 a 40 mg/kg/dia VO de 8 em 8 horas. HIDRALAZINA- 1 mg/kg /dia VO de 6 em 6 horas.
  24. 24. INDICAÇÃO DE BIÓPSIA HEMATÚRIA MACRO POR MAIS 04SEM. COMPLEMENTO BAIXO POR MAIS DE 08 SEM. ASSOCIAÇÃO COM SD. NEFRÓTICA FUNÇÃO RENAL ALTERADA POR MAIS DE 04 SEM. HIPERTENSÃO MANTIDA
  25. 25. Fragmento renal representado pela cortical com cinco glomérulos. Observam-se depósitos granulares de IgG e fator C3 do complemento (3+/3+) na região mesangial e sobre capilares glomerulares.
  26. 26. BIBLIOGRAFIA TR ATADO DE PEDIATRIA -WALDO E. NELSON, MD- 15ª EDIÇÃO NEFROLOGIA PEDIÁTRICA -PROFº JULIO TOPOROVSKI
  27. 27. FIM

×