DIARRÉIA E DISTÚRBIOS
HIDROELETROLÍTICOS
Dra Beatriz Soffe
Disciplina de Pediatria – UGF
Serviço de Pediatria - HMP
DEFINIÇÃO DE DIARRÉIA
 Caracteriza-se

pela perda anormal de
água e eletrólitos, com conseqüente ↑ do
volume e freqüência...
DIARRÉIA
→ Quadro auto-limitado com
duração máxima de até 14 dias, tendo
como
principais
complicações
a
desidratação e os ...
Fatores de Risco para o
Desenvolvimento da Diarréia Persistente
⇒Condições sócio-econômicas desfavoráveis
⇒Capacidade de c...
FISIOPATOLOGIA


Fatores de proteção:



Fatores de agressão:

⇒

Ph gástrico
Flora bacteriana normal
Mucinas
Movimentos...
ETIOLOGIA E CLASSIFICACÃO
VIRUS – 80 % ROTAVIRUS
VIBRIO COLERA
SECRETORAS
ENTEROTOXIGENICA
E.COLI
ENTEROPATOGENICA
INFECCI...
AVALIAÇÃO CLÍNICA


Anamnese

⇒

Caracterizar a diarréia
História alimentar
Episódios anteriores de
diarréia
Presença de ...
TRATAMENTO
Objetivos → manutenção do equilíbrio
hidroeletrolítico e aporte calórico protéico
adequado, pelos seguintes pla...
CRIANÇA SEM DESIDRATAÇÃO
Plano A
⇒↑ a ingesta hídrica com ingredientes domiciliares (soro
caseiro, chás, cozimento de cere...
Soro Caseiro
Preparo Correto do Soro Oral
CRIANÇA DESIDRATADA


Conceito de desidratação → Consiste na
diminuição de água e eletrólitos (sódio, cloro e
potássio) n...
DESIDRATAÇÃO
CLASSIFICAÇÃO
• QUANTO AO GRAU:
 LEVE - até 5 % do peso
 MODERADA - 5 a 10 % do peso
 GRAVE - acima de 10 ...
DESIDRATAÇÃO - TIPOS


ISOTÔNICA

IV + INT
EC

IC

300 mOsm



HIPOTÔNICA

MC
IV + INT
EC
240 mOsm
IV + INT
EC



HIPER...
MANIFESTAÇÕES CLINICAS CONFORME
O GRAU DE DESIDRATAÇÃO

SINAIS
Perda de Peso
Perda de Líquido
Tipo de Choque
Estado Geral
...
MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS CONFORME
O TIPO DE DESIDRATAÇÃO
ISOTÔNICA (75% dos casos)
Sódio entre 130 e 150 mEq independente do...
DESIDRATAÇÃO - TRATAMENTO
DESIDRATAÇÃO LEVE A MODERADA =
PLANO B → TRO
DESIDRATAÇÃO MODERADA A GRAVE
= PLANO C → HIDRATA...
TERAPIA DE REIDRATAÇÃO
ORAL (TRO) – PLANO B
TRO
Desidratação leve a moderada 50 a 100 ml/kg em
4 a 6 horas.
Solução de TR...
CONTRA-INDICAÇÕES AO USO DA TRO

• Vômitos incoercíveis
• Perdas continuadas muito intensas
• Íleo paralítico
• Alteração ...
HIDRATAÇÃO VENOSA
PLANO C
• TERAPIA DE REIDRATAÇÃO ENDOVENOSA Consiste em três fases com objetivos terapêuticos
distintos:...
ETAPA DE EXPANSÃO (ETAPA RÁPIDA)


Soluções usadas: SF 0,9%
Ringer Lactato



Vias de acesso: EV
IO



Volume: 20 a 40 ...
ESTA FASE TERMINA QUANDO HOUVER
1. Restabelecimento das condições normais de circulação
periférica
2. Desaparecimento dos ...
ETAPA DE MANUTENÇÃO (NHD)
 Usar a regra de Holliday & Segar

• Até 10 kg =100 ml/kg
•A
•TDe 10 a 20 kg = 1000 ml + 50 ml ...
TIPO DE SOLUÇÃO
Soro glicosado a 5%
+
NaCl 20 %
+
KCl 10%
NECESSIDADE DE SÓDIO E POTÁSSIO


Sódio ⇒ 2 a 4 mEq/kg/dia ou 100 ml – 3 mEq
1 ml de NaCl 20% = 3,4 mEq



Potássio ⇒1 a...
ETAPA DE REPOSIÇÃO
 Reposição de perdas anormais

20 a 50 ml/kg/24 horas
CÁLCULO DA INFUSÃO
 BI = vol. total

nº de h
 Nº de gotas = vol. total
nº de h x 3
 Nº de microgotas = vol. total
nº de...
EXAMES LABORATORIAIS
⇒

somente após expansão:







Hemograma
Eletrólitos
Uréia, creatinina
Gasometria
EAS
Fezes (...
VALORES NORMAIS DO
EQUILÍBRIO ÁCIDO BÁSICO
Normal

Variação

Acidose

Alcalose

PH

7,4

7,35 - 7,45

< 7,35

> 7,45

pCO2...
ACIDOSE METABÓLICA
• Indicações de correção da acidose metabólica
( após expansão):
 PH < 7.1
 HCO3 < 10
• Fórmula para ...
ACIDOSE METABÓLICA
• NaHCO3 8,4% ⇒ 1 ml = 1 mEq
• Solução 5:1 em 1 a 2 horas
(1 ml de bicarbonato para cada 5 ml de SG 5% ...
REPOSIÇÃO DE CÁLCIO
• Lembrar de repor Cálcio na hidratação de:





Desnutridos
Lactentes
Na correção da acidose
Corr...
TERAPIA ANTIMICROBIANA
1- Cólera:
- > 8 anos - Tetraciclina 50mg/Kg/dia, 6/6 h, 3 dias
- < 8 anos - sulfametoxazol/trimetr...
MEDIDAS PREVENTIVAS
DE IMPACTO







Aleitamento materno
Práticas adequadas de
desmame
Imunizações básicas
recomenda...
“São rostos desiludidos
talhados pela fome dos vencidos
e pela angústia dos oprimidos
é a marcha dos excluídos”
Diarréia e distúrbios hidroeletrolíticos em pediatria
Diarréia e distúrbios hidroeletrolíticos em pediatria
Diarréia e distúrbios hidroeletrolíticos em pediatria
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Diarréia e distúrbios hidroeletrolíticos em pediatria

7.288 visualizações

Publicada em

Aula sobre Diarréia e Distúrbios Hidroeletrolíticos na infância. Serviço de Pediatria do Hospital Municipal da Piedade, UGF 2013

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
8 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.288
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
199
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
182
Comentários
0
Gostaram
8
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Diarréia e distúrbios hidroeletrolíticos em pediatria

  1. 1. DIARRÉIA E DISTÚRBIOS HIDROELETROLÍTICOS Dra Beatriz Soffe Disciplina de Pediatria – UGF Serviço de Pediatria - HMP
  2. 2. DEFINIÇÃO DE DIARRÉIA  Caracteriza-se pela perda anormal de água e eletrólitos, com conseqüente ↑ do volume e freqüência das evacuações e ↓ da consistência das fezes.
  3. 3. DIARRÉIA → Quadro auto-limitado com duração máxima de até 14 dias, tendo como principais complicações a desidratação e os distúrbios eletrolíticos.  AGUDA → quadro diarréico que se prolonga por mais de 14 dias, podendo levar à desnutrição, com > risco de complicações e ↑ mortalidade.  PERSISTENTE
  4. 4. Fatores de Risco para o Desenvolvimento da Diarréia Persistente ⇒Condições sócio-econômicas desfavoráveis ⇒Capacidade de compreensão inadequada do responsável ⇒Diarréia aguda recente ⇒Diarréia persistente previa ⇒Desmame precoce ⇒Baixo peso ao nascer ⇒Desnutrição ⇒Baixa idade ⇒Estado imunológico deficiente ⇒Manejo dietético inadequado do episódio de diarréia aguda ⇒Agente etiológico
  5. 5. FISIOPATOLOGIA  Fatores de proteção:  Fatores de agressão: ⇒ Ph gástrico Flora bacteriana normal Mucinas Movimentos peristálticos Lisozimas e lactoferrina Tecido linfóide intestinal ⇒ Aderência à mucosa intestinal e lesão da borda em escova Adesão à mucosa intestinal e produção de enterotoxinas ⇒ ⇒ ⇒ ⇒ ⇒ ⇒ ⇒ ⇒ Invasão da mucosa Vírus (invasão das cels. do ápice das vilosidades levando a um desiquilíbrio entre absorção e secreção)
  6. 6. ETIOLOGIA E CLASSIFICACÃO VIRUS – 80 % ROTAVIRUS VIBRIO COLERA SECRETORAS ENTEROTOXIGENICA E.COLI ENTEROPATOGENICA INFECCIOSAS BACTERIAS INVASIVAS PROTOZOARIOS SALMONELA SHIGUELLA E.COLI INVASIVA YERSINIA ENTEROCOLITICA CAMPILOBACTER ENTAMOEBA HYSTOLITICA GIARDIA LAMBLIA CRYPTOSPORIDIUM SP
  7. 7. AVALIAÇÃO CLÍNICA  Anamnese ⇒ Caracterizar a diarréia História alimentar Episódios anteriores de diarréia Presença de outras doenças associadas ⇒ ⇒ ⇒  Exame Físico ⇒ Pesquisar sinais de desidratação Pesquisar sinais compatíveis c/ disseminação da infecção ⇒ (após expansão)
  8. 8. TRATAMENTO Objetivos → manutenção do equilíbrio hidroeletrolítico e aporte calórico protéico adequado, pelos seguintes planos de ação: ⇒ Diarréia sem desidratação – Plano A ⇒ Diarréia com desidratação – Plano B ⇒ Diarréia com desidratação grave - Plano C
  9. 9. CRIANÇA SEM DESIDRATAÇÃO Plano A ⇒↑ a ingesta hídrica com ingredientes domiciliares (soro caseiro, chás, cozimento de cereais como arroz e milho, sopas, sucos). Oferecer a intervalos freqüentes, principalmente após cada evacuação: - ate 12 meses – 50 a 100 ml (1/4 a 1/2 copo) - 1 a 10 anos – 100 a 200 ml (1/2 a 1 copo) - > 10 anos - livre demanda ⇒Orientar sobre os sinais de desidratação e explicar a evolução da doença
  10. 10. Soro Caseiro
  11. 11. Preparo Correto do Soro Oral
  12. 12. CRIANÇA DESIDRATADA  Conceito de desidratação → Consiste na diminuição de água e eletrólitos (sódio, cloro e potássio) no organismo  Causas de desidratação → • APORTE REDUZIDO • AUMENTO DAS PERDAS:  RENAIS  PELE OU TRATO RESPIRATÓRIO  GASTROINTESTINAIS
  13. 13. DESIDRATAÇÃO CLASSIFICAÇÃO • QUANTO AO GRAU:  LEVE - até 5 % do peso  MODERADA - 5 a 10 % do peso  GRAVE - acima de 10 % do peso • QUANTO AO TIPO:  ISOTÔNICA - Na 135 - 150 mEq/l  HIPOTÔNICA - Na < 130 mEq/l  HIPERTÔNICA - Na > 150 mEq/l
  14. 14. DESIDRATAÇÃO - TIPOS  ISOTÔNICA IV + INT EC IC 300 mOsm  HIPOTÔNICA MC IV + INT EC 240 mOsm IV + INT EC  HIPERTÔNICA 300 mOsm IC 300 mOsm MC IC 380 mOsm 300 mOsm MC
  15. 15. MANIFESTAÇÕES CLINICAS CONFORME O GRAU DE DESIDRATAÇÃO SINAIS Perda de Peso Perda de Líquido Tipo de Choque Estado Geral Boca Turgor Cutâneo Cor da Pele Olhos Fontanela Lágrimas Diurese F.C. P.A. Pulsos Enchimento Capilar PH I GRAU (LEVE) Até 5 % 50 ml/ kg Sem Choque Irritada, com sede Seca Diminuído Palidez Leve Pouco Encovados Normal Presentes Diminuida Normal Normal Normal Normal < 3” 7,40 - 7,22 II GRAU (MODERADA) Até 10 % 50 - 100 ml/ kg Compensado Mais agitada, muita sede Muito Seca Pastoso Palidez Intensa Encovados Deprimida Ausentes Oligúria Aumentada Discreta Diminuição Discreta Diminuiçaõ Lentificado > 3” 7,30 - 6,92 III GRAU (GRAVE) Acima de 10 % 100 ml/ kg Descompensado Deprimida, comatosa Lábios cianóticos Pregas Persistentes Cianose / Moteada Muito Encovados Muito Deprimida Ausentes Oligoanúria Taquicardia / Bradicardia Hipotensão Débeis Muito Lentificado > 10” 7,10 - 6,8
  16. 16. MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS CONFORME O TIPO DE DESIDRATAÇÃO ISOTÔNICA (75% dos casos) Sódio entre 130 e 150 mEq independente do tipo de líquido perdido o organismo consegue ajustar e compensar estas perdas mantendo o sódio sérico próximo a normalidade Perda de peso Sinais clássicos de desidratação Mucosas secas Sede Oligúria Choque (casos graves) Osmolari/ entre 280 e 310 mOsm HIPERTÔNICA (5% dos casos) HIPOTÔNICA (20% dos casos) Sódio > 150 mEq - lactentes, < 6 meses, Sódio < 130 mEq - ocorre basicaeutróficos,, ou com diabetes insípidus, que mente em desnutridos. Desidratação tiveram introdução precoce de dietas sal- do extracelular, com sinais precoces gadas e/ou que vem fazendo uso errado e graves de hipovolemia do soro oral. Desidratação do intracelular Perda de peso Sinais clássicos de desidratação pouco evidentes Mucosas muito secas. Sede intensa Oligúria acentuada. Hipertermia Hipertonia. Hiperreflexia Iriitabilidade. Agitação psicomotora Choque tardio. Convulsão, coma, HC. Osmolaridade > 310 mOsm Perda de peso Sinais clássicos de desidratação muito acentuados Mucosas secas. Sede discreta/ausente Diurese presente Hipotonia/hiporreflexia/ letargia/coma Convulsões nos casos severos Choque precoce, frequente Osmolaridade < 280 mOsm
  17. 17. DESIDRATAÇÃO - TRATAMENTO DESIDRATAÇÃO LEVE A MODERADA = PLANO B → TRO DESIDRATAÇÃO MODERADA A GRAVE = PLANO C → HIDRATAÇÃO PARENTERAL
  18. 18. TERAPIA DE REIDRATAÇÃO ORAL (TRO) – PLANO B TRO Desidratação leve a moderada 50 a 100 ml/kg em 4 a 6 horas. Solução de TRO Recomendada pela OMS Grama/Envelope Cloreto de sódio 3,5 Citrato trissódico diidratado 2,9 Cloreto de potássio 1,5 Glicose 20,0 Milimoles/litro de água Sódio 90 Cloro 80 Citrato 10 Potássio 20 Glicose 111 Osmolaridade: 311mOsm.
  19. 19. CONTRA-INDICAÇÕES AO USO DA TRO • Vômitos incoercíveis • Perdas continuadas muito intensas • Íleo paralítico • Alteração de consciência (torpor ou coma)
  20. 20. HIDRATAÇÃO VENOSA PLANO C • TERAPIA DE REIDRATAÇÃO ENDOVENOSA Consiste em três fases com objetivos terapêuticos distintos: fase de expansão fase de manutenção fase de reposição
  21. 21. ETAPA DE EXPANSÃO (ETAPA RÁPIDA)  Soluções usadas: SF 0,9% Ringer Lactato  Vias de acesso: EV IO  Volume: 20 a 40 ml/kg em 1 hora. Repetir até 3 vezes, se necessário, para restabelecer o meio intravascular. Reavaliar a criança ao final de cada etapa e medir diurese
  22. 22. ESTA FASE TERMINA QUANDO HOUVER 1. Restabelecimento das condições normais de circulação periférica 2. Desaparecimento dos sinais de retração do espaço extracelular 3. Restabelecimento da função renal com níveis normais de filtração glomerular e fluxo plasmático satisfatórios para que a função reguladora renal possa se exercer
  23. 23. ETAPA DE MANUTENÇÃO (NHD)  Usar a regra de Holliday & Segar • Até 10 kg =100 ml/kg •A •TDe 10 a 20 kg = 1000 ml + 50 ml /kg para cada kg acima de 10 kg • Acima de 20 kg = 1500 ml + 20 ml/kg para cada kg acima de 20 kg
  24. 24. TIPO DE SOLUÇÃO Soro glicosado a 5% + NaCl 20 % + KCl 10%
  25. 25. NECESSIDADE DE SÓDIO E POTÁSSIO  Sódio ⇒ 2 a 4 mEq/kg/dia ou 100 ml – 3 mEq 1 ml de NaCl 20% = 3,4 mEq  Potássio ⇒1 a 3 mEq/kg/dia ou 100 ml – 2 mEq 1 ml de KCl 10% = 1,3 mEq (máx: 100 ml - 4 mEq)
  26. 26. ETAPA DE REPOSIÇÃO  Reposição de perdas anormais 20 a 50 ml/kg/24 horas
  27. 27. CÁLCULO DA INFUSÃO  BI = vol. total nº de h  Nº de gotas = vol. total nº de h x 3  Nº de microgotas = vol. total nº de h ⇒ ml/hora = microgotas/minuto ⇒ 1 gota = 3 microgotas ⇒ 1 ml = 20 gotas = 60 microgotas
  28. 28. EXAMES LABORATORIAIS ⇒ somente após expansão:       Hemograma Eletrólitos Uréia, creatinina Gasometria EAS Fezes (coprocultura, EAF, EPF, pesquisa de rotavirus)
  29. 29. VALORES NORMAIS DO EQUILÍBRIO ÁCIDO BÁSICO Normal Variação Acidose Alcalose PH 7,4 7,35 - 7,45 < 7,35 > 7,45 pCO2 40 35 - 45 > 45 < 35 HCO3 24 20 - 24 < 20 > 24
  30. 30. ACIDOSE METABÓLICA • Indicações de correção da acidose metabólica ( após expansão):  PH < 7.1  HCO3 < 10 • Fórmula para correção da acidose: NaHCO3 = peso x 0,3 x BE
  31. 31. ACIDOSE METABÓLICA • NaHCO3 8,4% ⇒ 1 ml = 1 mEq • Solução 5:1 em 1 a 2 horas (1 ml de bicarbonato para cada 5 ml de SG 5% ou água destilada) • Repor o déficit de bicarbonato com a metade do volume encontrado, corrigido para zero.  Aguardar pelo menos 4 horas para colher nova gasometria
  32. 32. REPOSIÇÃO DE CÁLCIO • Lembrar de repor Cálcio na hidratação de:     Desnutridos Lactentes Na correção da acidose Corrigir com gluconato de cálcio 10% (0,5 mEq/kg/dia)
  33. 33. TERAPIA ANTIMICROBIANA 1- Cólera: - > 8 anos - Tetraciclina 50mg/Kg/dia, 6/6 h, 3 dias - < 8 anos - sulfametoxazol/trimetroprim 50mg/Kg/dia, 12/12 h, 3 dias 2- Diarreia com sangue associada a queda do estado geral após reidratação: - Sulfametoxazol/trimetroprim 40mg/Kg/dia, 12/12 h, 5 dias OU - Ácido Nalidíxico 55mg/Kg/dia, 6/6 h, 5 dias OU - Ceftriaxone 75mg/Kg/dia, 12/12 h EV ou IM, 7 a 10 dias nos casos graves 3- Clostridium difficile - Vancomicina 60mg/Kg/dia, 6/6 h, 7 dias OU - Metronidazol 30 a 40mg/Kg/dia EV, 6/6 ou 8/8 h, 7 dias 4- Amebíase - Metronidazol 40mg/Kg/diaVO, 8/8 h, 10 dias 5- Giardíase - Metronidazol 20mg/Kg/dia, VO, 8/8 h, 7 dias
  34. 34. MEDIDAS PREVENTIVAS DE IMPACTO      Aleitamento materno Práticas adequadas de desmame Imunizações básicas recomendadas pelo Ministério da Saúde Saneamento básico Orientação quanto à higiene, principalmente a lavagem das mãos
  35. 35. “São rostos desiludidos talhados pela fome dos vencidos e pela angústia dos oprimidos é a marcha dos excluídos”

×