O Texto no Nível da Microestrutura (coesão) Lorena Brandli Zambon
“ UM TEXTO NÃO EXISTE, COMO TEXTO, A MENOS QUE  ALGUÉM O PROCESSE COMO TAL.”  Beaugrande (1997:13) O Texto no Nível da Mic...
Coesão <ul><li>A coesão é o critério mais importante da textualidade; sabe-se que ela não é necessária nem suficiente, ou ...
Circuito Fechado  <ul><li>Chinelo,  vaso, descarga. Pia, sabonete. Água. Escova, creme dental, água, espuma, creme de barb...
  À medida que o leitor vai construindo uma imagem mental desse texto, o conhecimento  armazenado ao longo de sua vivência...
C i r c u i t o  F e c h a d o   (Construção do Cenário) <ul><li>1)  Chinelos, vaso, descarga. Pia, sabonete. Água. Escova...
Por que  Circuito Fechado é um Texto? <ul><li>Parágrafo único; </li></ul><ul><li>Sem descrição dos personagens ou de seus ...
Circuito Fechado  (elos coesivos) <ul><li>(1) Levantou-se pela manhã ao despertar do relógio, colocou os  chinelos  que o ...
A Tarefa do Leitor na  Interpretação Textual <ul><li>Quais as palavras que mais lhe chamaram a atenção no texto? </li></ul...
<ul><li>Quantos parágrafos há no texto? </li></ul><ul><li>Em que período de tempo se passa o texto? </li></ul><ul><li>A pe...
Conclusão <ul><li>Através do estudo relatado, constata-se que a coesão do texto se realiza como forma de prover e indicar ...
Referências Bibliográficas ANTUNES, Irandé Costa.  Aspectos da coesão do texto:  uma análise em editoriais jornalísticos. ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Coesão e Coerência Textual

19.262 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
19.262
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
368
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Coesão e Coerência Textual

  1. 1. O Texto no Nível da Microestrutura (coesão) Lorena Brandli Zambon
  2. 2. “ UM TEXTO NÃO EXISTE, COMO TEXTO, A MENOS QUE ALGUÉM O PROCESSE COMO TAL.” Beaugrande (1997:13) O Texto no Nível da Microestrutura
  3. 3. Coesão <ul><li>A coesão é o critério mais importante da textualidade; sabe-se que ela não é necessária nem suficiente, ou seja, sua presença não garante a textualidade e sua ausência não a impede . </li></ul><ul><li>A coerência está diretamente ligada à possibilidade de se estabelecer um sentido para o texto. Portanto, ela deve ser entendida como um princípio de interpretabilidade , ligada a inteligibilidade numa situação de comunicação e à capacidade que o receptor tem para calcular o seu sentido. Este sentido deve ser do todo, pois a coerência é global. (koch, 2001 p.21) </li></ul>Coerência
  4. 4. Circuito Fechado <ul><li>Chinelo, vaso, descarga. Pia, sabonete. Água. Escova, creme dental, água, espuma, creme de barbear, pincel, espuma, gilete, água, cortina, sabonete, água fria, água quente, toalha. Creme para cabelo, pente. Cueca, camisa, abotoadura, calça, meias, sapatos, gravata, paletó. Carteira, níqueis, documentos, caneta, chaves, lenço, relógio. Jornal. Mesa, cadeiras, xícara e pires, prato, bule, talheres, guardanapo. Quadros. Pasta, carro. Mesa e poltrona, cadeira, papéis, telefone, agenda, copo com lápis, canetas, bloco de notas, espátula, pastas, caixas de entrada, de saída, vaso com plantas, quadros, papéis, telefone. Bandeja, xícara pequena. Papéis, telefone, relatórios, cartas, notas, vale, cheques, memorando, bilhetes, telefone, papéis. Relógio, mesa, cavalete, cadeiras, esboços de anúncios, fotos, bloco de papel, caneta, projetor de filmes, xícara, cartaz, lápis, cigarro, fósforo, quadro-negro, giz, papel. Mictório, pia, água. Táxi. Mesa, toalha, cadeira, copo, pratos, talheres, garrafa, guardanapo, xícara. Escova de dentes, pasta, água. Mesa e poltrona, papéis, telefone, revista, copo de papel, telefone interno, externo, papéis, prova de anúncio, caneta e papel, telefone, papéis, prova de anúncio, caneta e papel, relógio, papel, pasta, cigarro, fósforo, papel e caneta. Carro. Paletó, gravata. Poltrona, copo, revista. Quadros. Mesas, cadeiras, prato, talheres,copos, guardanapos. Xícaras. Poltrona, livro. Televisor, poltrona. Abotoaduras, camisa, sapatos, meias, calça, cueca, pijama, chinelos. Vaso, descarga , pia, água, escova, creme dental, espuma, água. Chinelos. Coberta, cama, travesseiro. </li></ul><ul><li>(Ricardo Ramos) Circuito fechado: contos, 1978 </li></ul>
  5. 5. À medida que o leitor vai construindo uma imagem mental desse texto, o conhecimento armazenado ao longo de sua vivência vai implicar a determinação do sentido, ou seja, ele encontrará o significado numa palavra que leva a outra, numa idéia que irá se encadear a outra e o sentido, então,se restabelecerá pela memória. . . . Como se processa a compreensão do texto Circuito Fechado na mente do leitor?
  6. 6. C i r c u i t o F e c h a d o (Construção do Cenário) <ul><li>1) Chinelos, vaso, descarga. Pia, sabonete. Água. Escova, creme dental, água, espuma, creme de barbear, pincel, espuma, gilete, água, cortina, sabonete, água fria, água quente, toalha. (2) Creme para cabelo, pente. Cueca, camisa, abotoaduras, calça, meias, sapatos, gravata, paletó. Carteira, níqueis, documentos, caneta, chaves, lenço, relógio, maço de cigarros, caixa de fósforos. (3) Jornal. (4) Mesa, cadeiras, xícara e pires, prato, bule, talheres, guardanapo. (5) Quadros. (6) Pasta, carro. (7) Cigarro, fósforo. Mesa e poltrona, cadeira, cinzeiro, papéis, telefone, agenda, copo com lápis, canetas, bloco de notas, espátula, pastas, caixas de entrada, de saída, vaso com plantas, quadros, papéis, cigarro, fósforo. Bandeja, xícara pequena. Cigarro e fósforo. Papéis, telefone, relatórios, cartas, notas, vales, cheques, memorandos, bilhetes, telefone, papéis. Relógio. Mesa, cavalete, cinzeiros, cadeiras, esboços de anúncios, fotos, cigarro, fósforo, bloco de papel, caneta, projetor de filmes, xícara, cartaz, lápis, cigarro, fósforo, quadro-negro, giz, papel. (8) Mictório, pia, água. (9) Táxi. (10 ) Mesa, toalha, cadeiras, copos, pratos, talheres, garrafa, guardanapo, xícara. Maço de cigarros, caixa de fósforos. (11) Escova de dentes, pasta, água. (12) Mesa e poltrona, papéis, telefone, revista, copo de papel, cigarro, fósforo, telefone interno, externo, papéis, prova de anúncio, caneta e papel, relógio, papel, pasta, cigarro, fósforo, papel e caneta, telefone, caneta e papel, telefone, papéis, folheto, xícara, jornal, cigarro, fósforo, papel e caneta. ( 13) Carro. (14) Maço de cigarros, caixa de fósforos. Paletó, gravata. Poltrona, copo, revista. ( 15) Quadros. (16) Mesa, cadeiras, pratos, talheres, copos, guardanapos. Xícaras. Cigarro e fósforo. (17) Poltrona, livro. Cigarro e fósforo. Televisor, poltrona. Cigarro e fósforo. (18) Abotoaduras, camisa, sapatos, meias, calça, cueca, pijama, chinelos. (19) Vaso, descarga, pia, água, escova, creme dental, espuma, água. (20) Chinelos. Coberta, cama, travesseiro. </li></ul>
  7. 7. Por que Circuito Fechado é um Texto? <ul><li>Parágrafo único; </li></ul><ul><li>Sem descrição dos personagens ou de seus sentimentos; </li></ul><ul><li>dinâmico e rítmico; </li></ul><ul><li>linearidade entre os vocábulos; </li></ul><ul><li>palavras aparentemente aglomeradas (cueca, camisa, abotoaduras, calça...); </li></ul><ul><li>ausência dos elementos coesivos explícitos; </li></ul><ul><li>texto vai ser tecido; </li></ul><ul><li>texto visual e verbal; </li></ul><ul><li>possibilidade de elaboração de inferências; </li></ul><ul><li>reiteração do mesmo item lexical (cigarro e fósforo); </li></ul><ul><li>compreensão depende da recepção do leitor; </li></ul><ul><li>conectores marcados pela pontuação; </li></ul><ul><li>sintético e expressivo; </li></ul><ul><li>elipses recuperáveis pelo contexto (Táxi); </li></ul><ul><li>legibilidade; </li></ul>
  8. 8. Circuito Fechado (elos coesivos) <ul><li>(1) Levantou-se pela manhã ao despertar do relógio, colocou os chinelos que o esperavam ao pé da cama e se dirigiu ao banheiro. Sentou no vaso e esperou o tempo necessário para terminar suas necessidades fisiológicas e puxou a descarga . (2) Foi em direção à pia e começou a esfregar o sabonete nas mãos a fim de retirar qualquer cheiro. (3) Então , lentamente, abriu a torneira e deixou a água cair. (4) Passou a mão na escova , jogou um pouco de creme dental nas cerdas e se escovou. Abriu a torneira novamente e deixou um pequeno fio de água correndo, fez um pouco de espuma na mão com o creme de barbear e passou o pincel até a espuma ficar mais densa. Abriu a porta do armário, pegou uma gilete e a colocou embaixo da água para ajudar no corte da barba. Levantou a cortina do box, pegou o sabonete e no misturador deixou a temperatura certa com água fria e água... </li></ul>
  9. 9. A Tarefa do Leitor na Interpretação Textual <ul><li>Quais as palavras que mais lhe chamaram a atenção no texto? </li></ul><ul><li>Que tipo de imagem você construiu do personagem? Por quê? </li></ul><ul><li>O que você entendeu do texto lido? </li></ul>
  10. 10. <ul><li>Quantos parágrafos há no texto? </li></ul><ul><li>Em que período de tempo se passa o texto? </li></ul><ul><li>A personagem é homem ou mulher? Como se pode perceber isso? </li></ul><ul><li>A personagem tem algum vício? O que você falaria a ela a respeito disso? </li></ul><ul><li>Qual seria a atividade profissional da personagem? O que nos permite fazer tal observação? </li></ul><ul><li>O autor constrói um texto sintético, usando apenas substantivos. Que relação pode haver entre essa escolha do autor e o tema da crônica? </li></ul><ul><li>Qual é o substantivo que aparece no começo e no final do texto? Esse substantivo é importante para marcar o texto? Por quê? </li></ul><ul><li>Qual é a relação que existe entre o título e o mundo moderno? </li></ul><ul><li>Esse texto é da década de 1970. De que outros recursos esse profissional poderia dispor atualmente para realizar seu trabalho? Será que a rotina dele seria a mesma? </li></ul><ul><li>Escrever uma história, tendo por base o Circuito fechado , contando o seu cotidiano; </li></ul><ul><li>elaborar um outro texto em que os alunos descrevam a rotina de um profissional que eles conheçam, sem mencionar a profissão. Em seguida, eles terão que trocar os seus textos com os colegas da classe, para que estes descubram qual é a profissão da personagem do texto. </li></ul>Estratégias de Leitura e Escrita
  11. 11. Conclusão <ul><li>Através do estudo relatado, constata-se que a coesão do texto se realiza como forma de prover e indicar a continuidade e a unidade semântica do texto, pois é através da coesão, com ou sem os elos coesivos,que se articulam as ideias. . </li></ul><ul><li> Circuito Fechado é um texto rico pelo único elemento gramatical escolhido, os substantivos, que são significantes na composição do texto. Ele trabalha com a previsibilidade do leitor , com o tecer de hipóteses interpretativas que só irão ser satisfatórias dependendo do modo como ele organiza o percurso da leitura na sua mente. </li></ul>
  12. 12. Referências Bibliográficas ANTUNES, Irandé Costa. Aspectos da coesão do texto: uma análise em editoriais jornalísticos. Recife: Universitária da UFPE, 1996. CITELLI, Adilson. O texto argumentativo. São Paulo: Scipione, 1994. COESÃO e coerência dos textos descritivos Disponível em: < http:// acd.ufrj.br~pead/tema07/coerenciaecoesao.html>. Acesso em 2 ago,2005. FÁVERO, Leonor Lopes. Coesão e coerência textuais . 7.ed.São Paulo:Ática, 1999. KIRST, Marta; CLEMENTE, Elvo (orgs.) Lingüística aplicada ao ensino de português. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1987. KOCH, Ingedore Grunfeld Villaça; TRAVAGLIA Luiz Carlos. Texto e coerência . 3.ed.São Paulo: Cortez, 1993. KOCH, Ingedore Grunfeld Villaça. A coesão textual . 6.ed. São Paulo:Contexto, 1993. KOCH, Ingedore Grunfeld Villaça; TRAVAGLIA Luiz Carlos. A coerência textual . São Paulo: Contexto, 1993. MARCUSCHI,Luiz Antônio. Produção Textual, análise de gênero . Ed. Parábola, 2008. SCOTT, Michael. Lendo nas entrelinhas. Cadernos PUC, São Paulo n.16, p.101-123,1983. VAL, Maria da Graça Costa. Redação e textualidade . São Paulo: Martins Fontes 1991. VILELA, Mário. KOCH, Ingedore Grunfeld Villaça. Gramática da língua portuguesa . Coimbra: Ed. Almedina, 2001.  

×