RESPONSABILIDADE CIVIL E CRIMINAL DOSRESPONSABILIDADE CIVIL E CRIMINAL DOS
ACIDENTES DE TRABALHOACIDENTES DE TRABALHO
PERA...
ACIDENTEACIDENTE
NÃO ACONTECE POR ACONTECERNÃO ACONTECE POR ACONTECER
EXISTE UMA CAUSAEXISTE UMA CAUSA
EXISTEM RESPONSABIL...
O PRIMEIRO CASO NO PAÍSO PRIMEIRO CASO NO PAÍS
Morte de operário por descarga elétrica ocasionouMorte de operário por desc...
OBRIGAÇÕES DA EMPRESAOBRIGAÇÕES DA EMPRESA
LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIALEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA
LEI 8213 DE 240791LEI 8213 D...
CONCEITO DE CULPA:CONCEITO DE CULPA:
ALTERAÇÃO DA CONSTITUIÇÃOALTERAÇÃO DA CONSTITUIÇÃO
A CONSTITUIÇÃO PROMULGADA EM 05 DE...
TEXTO DA NOVA CONSTITUIÇÃOTEXTO DA NOVA CONSTITUIÇÃO
( 05.10.88 )( 05.10.88 )
ART. 7º XXVIII : SEGURO CONTRA ACIDENTES DO ...
CULPA GRAVE OU DOLO EVENTUALCULPA GRAVE OU DOLO EVENTUAL::
EMBORA NÃO EXISTA A INTENÇÃO DAEMBORA NÃO EXISTA A INTENÇÃO DA
...
CULPA SIMPLES:CULPA SIMPLES:
É TIPIFICADA POR TRÊS FATORES:É TIPIFICADA POR TRÊS FATORES:
NEGLIGÊNCIA,NEGLIGÊNCIA,
IMPRUDÊ...
CULPA SIMPLES:CULPA SIMPLES:
NEGLIGÊNCIA:NEGLIGÊNCIA:
• AUSÊNCIA DE PRECAUÇÃO OU INDIFERENÇAAUSÊNCIA DE PRECAUÇÃO OU INDIF...
CULPA SIMPLES:CULPA SIMPLES:
IMPRUDÊNCIA:IMPRUDÊNCIA:
• PRÁTICA DE UM ATO PERIGOSOPRÁTICA DE UM ATO PERIGOSO
EXEMPLOEXEMPL...
CULPA SIMPLES:CULPA SIMPLES:
IMPERÍCIA:IMPERÍCIA:
• FALTA DE APTIDÃO PARA O EXERCÍCIO DEFALTA DE APTIDÃO PARA O EXERCÍCIO ...
AÇÃO DE RESPONSABILIDADE CIVILAÇÃO DE RESPONSABILIDADE CIVIL
É UMA AÇÃO PRIVADA.É UMA AÇÃO PRIVADA.
DEVE SER PLEITEADA PEL...
AÇÃO DE RESPONSABILIDADE PENALAÇÃO DE RESPONSABILIDADE PENAL
É UMA AÇÃO PÚBLICA.É UMA AÇÃO PÚBLICA.
PROCURA RESPONSABILIZA...
SITUAÇÃO EM QUE GERENTES / SUPERVISORES /SITUAÇÃO EM QUE GERENTES / SUPERVISORES /
CHEFES / ENCARREGADOS PODEMCHEFES / ENC...
PROFISSIONAL DE SEGURANÇA DOPROFISSIONAL DE SEGURANÇA DO
TRABALHO - PRECAUÇÕES NASTRABALHO - PRECAUÇÕES NAS
ATIVIDADESATIV...
PROFISSIONAL DE SEGURANÇA DOPROFISSIONAL DE SEGURANÇA DO
TRABALHO - PRECAUÇÕES NASTRABALHO - PRECAUÇÕES NAS
ATIVIDADESATIV...
MORTE NA METALÚRGICAMORTE NA METALÚRGICA
Numa noite de fevereiro de 1992, um daqueles temporais típicosNuma noite de fever...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

responsabilidade civil e penas acidentes de trabalho

487 visualizações

Publicada em

normas juridicas acerca da responsabilidade civil e penal

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
487
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
24
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

responsabilidade civil e penas acidentes de trabalho

  1. 1. RESPONSABILIDADE CIVIL E CRIMINAL DOSRESPONSABILIDADE CIVIL E CRIMINAL DOS ACIDENTES DE TRABALHOACIDENTES DE TRABALHO PERANTE A NOVA CONSTITUIÇÃOPERANTE A NOVA CONSTITUIÇÃO RESPONSABILIDADE CIVIL E CRIMINAL DOSRESPONSABILIDADE CIVIL E CRIMINAL DOS ACIDENTES DE TRABALHOACIDENTES DE TRABALHO PERANTE A NOVA CONSTITUIÇÃOPERANTE A NOVA CONSTITUIÇÃO
  2. 2. ACIDENTEACIDENTE NÃO ACONTECE POR ACONTECERNÃO ACONTECE POR ACONTECER EXISTE UMA CAUSAEXISTE UMA CAUSA EXISTEM RESPONSABILIDADESEXISTEM RESPONSABILIDADES EXISTEM RESPONSÁVEISEXISTEM RESPONSÁVEIS ACIDENTEACIDENTE NÃO ACONTECE POR ACONTECERNÃO ACONTECE POR ACONTECER EXISTE UMA CAUSAEXISTE UMA CAUSA EXISTEM RESPONSABILIDADESEXISTEM RESPONSABILIDADES EXISTEM RESPONSÁVEISEXISTEM RESPONSÁVEIS
  3. 3. O PRIMEIRO CASO NO PAÍSO PRIMEIRO CASO NO PAÍS Morte de operário por descarga elétrica ocasionouMorte de operário por descarga elétrica ocasionou condenação dos responsáveiscondenação dos responsáveis O primeiro caso brasileiro de condenação penal na área de acidentesO primeiro caso brasileiro de condenação penal na área de acidentes de trabalho que envolveu o presidente de uma empresa, além de outrosde trabalho que envolveu o presidente de uma empresa, além de outros funcionários, ocorreu em 1987, na cidade de Restinga Seca, cidadefuncionários, ocorreu em 1987, na cidade de Restinga Seca, cidade localizada a cerca de 250 quilômetros da capital gaúcha. A morte delocalizada a cerca de 250 quilômetros da capital gaúcha. A morte de um operário por descarga elétrica levou o Tribunal de Alçada aum operário por descarga elétrica levou o Tribunal de Alçada a condenar todos os responsáveis pela segurança da vítima. Foramcondenar todos os responsáveis pela segurança da vítima. Foram condenados o presidente da usina hidroelétrica, o gerente, o engenheirocondenados o presidente da usina hidroelétrica, o gerente, o engenheiro elétrico responsável e o eletrotécnico da empresa de energia elétrica local.elétrico responsável e o eletrotécnico da empresa de energia elétrica local. Todos foram enquadrados nas sanções do artigo 121 ( matar alguém ),Todos foram enquadrados nas sanções do artigo 121 ( matar alguém ), combinado com o artigo 29 do Código Penal. A condenação foi de umcombinado com o artigo 29 do Código Penal. A condenação foi de um Ano e quatro meses de detenção, por homicídio culposo. Como os réusAno e quatro meses de detenção, por homicídio culposo. Como os réus condenados eram todos primários, a pena privativa de liberdade foicondenados eram todos primários, a pena privativa de liberdade foi Substituída pela pena restritiva de direitos, que se deu através daSubstituída pela pena restritiva de direitos, que se deu através da prestação de serviços à comunidade. A critério do juiz de Execuções Penais,prestação de serviços à comunidade. A critério do juiz de Execuções Penais, Os condenados tiveram de ministrar aulas a professores e alunosOs condenados tiveram de ministrar aulas a professores e alunos Sobre como lidar com energia elétrica com absoluta segurança.Sobre como lidar com energia elétrica com absoluta segurança. O PRIMEIRO CASO NO PAÍSO PRIMEIRO CASO NO PAÍS Morte de operário por descarga elétrica ocasionouMorte de operário por descarga elétrica ocasionou condenação dos responsáveiscondenação dos responsáveis O primeiro caso brasileiro de condenação penal na área de acidentesO primeiro caso brasileiro de condenação penal na área de acidentes de trabalho que envolveu o presidente de uma empresa, além de outrosde trabalho que envolveu o presidente de uma empresa, além de outros funcionários, ocorreu em 1987, na cidade de Restinga Seca, cidadefuncionários, ocorreu em 1987, na cidade de Restinga Seca, cidade localizada a cerca de 250 quilômetros da capital gaúcha. A morte delocalizada a cerca de 250 quilômetros da capital gaúcha. A morte de um operário por descarga elétrica levou o Tribunal de Alçada aum operário por descarga elétrica levou o Tribunal de Alçada a condenar todos os responsáveis pela segurança da vítima. Foramcondenar todos os responsáveis pela segurança da vítima. Foram condenados o presidente da usina hidroelétrica, o gerente, o engenheirocondenados o presidente da usina hidroelétrica, o gerente, o engenheiro elétrico responsável e o eletrotécnico da empresa de energia elétrica local.elétrico responsável e o eletrotécnico da empresa de energia elétrica local. Todos foram enquadrados nas sanções do artigo 121 ( matar alguém ),Todos foram enquadrados nas sanções do artigo 121 ( matar alguém ), combinado com o artigo 29 do Código Penal. A condenação foi de umcombinado com o artigo 29 do Código Penal. A condenação foi de um Ano e quatro meses de detenção, por homicídio culposo. Como os réusAno e quatro meses de detenção, por homicídio culposo. Como os réus condenados eram todos primários, a pena privativa de liberdade foicondenados eram todos primários, a pena privativa de liberdade foi Substituída pela pena restritiva de direitos, que se deu através daSubstituída pela pena restritiva de direitos, que se deu através da prestação de serviços à comunidade. A critério do juiz de Execuções Penais,prestação de serviços à comunidade. A critério do juiz de Execuções Penais, Os condenados tiveram de ministrar aulas a professores e alunosOs condenados tiveram de ministrar aulas a professores e alunos Sobre como lidar com energia elétrica com absoluta segurança.Sobre como lidar com energia elétrica com absoluta segurança.
  4. 4. OBRIGAÇÕES DA EMPRESAOBRIGAÇÕES DA EMPRESA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIALEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA LEI 8213 DE 240791LEI 8213 DE 240791 (REGULAMENTO DA PREVIDENCIA SOCIAL(REGULAMENTO DA PREVIDENCIA SOCIAL )) ARTIGO 120ARTIGO 120 : NOS CASOS DE NEGLIGÊNCIA DA EMPRESA: NOS CASOS DE NEGLIGÊNCIA DA EMPRESA QUANTO ÀS NORMAS PADRÃO DE SEGURANÇA E HIGIENEQUANTO ÀS NORMAS PADRÃO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO INDICADOS PARA A PROTEÇÃO INDIVIDUAL EDO TRABALHO INDICADOS PARA A PROTEÇÃO INDIVIDUAL E COLETIVA ACOLETIVA A PREVIDENCIA SOCIALPREVIDENCIA SOCIAL PROPORÁ AÇÃOPROPORÁ AÇÃO REGRESSIVA CONTRA OS RESPONSÁVIESREGRESSIVA CONTRA OS RESPONSÁVIES ARTIGO 121ARTIGO 121 : O PAGAMENTO PELA: O PAGAMENTO PELA PREVIDENCIA SOCIALPREVIDENCIA SOCIAL DASDAS PRESTAÇÕES POR ACIDENTE DO TRABALHO NÃO EXCLUEM APRESTAÇÕES POR ACIDENTE DO TRABALHO NÃO EXCLUEM A RESPONSABILIDADE CIVIL DA EMPRESA OU DE OUTREM.RESPONSABILIDADE CIVIL DA EMPRESA OU DE OUTREM. OBRIGAÇÕES DA EMPRESAOBRIGAÇÕES DA EMPRESA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIALEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA LEI 8213 DE 240791LEI 8213 DE 240791 (REGULAMENTO DA PREVIDENCIA SOCIAL(REGULAMENTO DA PREVIDENCIA SOCIAL )) ARTIGO 120ARTIGO 120 : NOS CASOS DE NEGLIGÊNCIA DA EMPRESA: NOS CASOS DE NEGLIGÊNCIA DA EMPRESA QUANTO ÀS NORMAS PADRÃO DE SEGURANÇA E HIGIENEQUANTO ÀS NORMAS PADRÃO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO INDICADOS PARA A PROTEÇÃO INDIVIDUAL EDO TRABALHO INDICADOS PARA A PROTEÇÃO INDIVIDUAL E COLETIVA ACOLETIVA A PREVIDENCIA SOCIALPREVIDENCIA SOCIAL PROPORÁ AÇÃOPROPORÁ AÇÃO REGRESSIVA CONTRA OS RESPONSÁVIESREGRESSIVA CONTRA OS RESPONSÁVIES ARTIGO 121ARTIGO 121 : O PAGAMENTO PELA: O PAGAMENTO PELA PREVIDENCIA SOCIALPREVIDENCIA SOCIAL DASDAS PRESTAÇÕES POR ACIDENTE DO TRABALHO NÃO EXCLUEM APRESTAÇÕES POR ACIDENTE DO TRABALHO NÃO EXCLUEM A RESPONSABILIDADE CIVIL DA EMPRESA OU DE OUTREM.RESPONSABILIDADE CIVIL DA EMPRESA OU DE OUTREM.
  5. 5. CONCEITO DE CULPA:CONCEITO DE CULPA: ALTERAÇÃO DA CONSTITUIÇÃOALTERAÇÃO DA CONSTITUIÇÃO A CONSTITUIÇÃO PROMULGADA EM 05 DE OUTUBRO DE 1988A CONSTITUIÇÃO PROMULGADA EM 05 DE OUTUBRO DE 1988 ESTENDEU AS AÇÕES DE RESPONSABILIDADES CONTRA ASESTENDEU AS AÇÕES DE RESPONSABILIDADES CONTRA AS EMPRESAS QUANDO HOUVER A COMPROVAÇÃO DA CULPAEMPRESAS QUANDO HOUVER A COMPROVAÇÃO DA CULPA (SIMPLES / GRAVE OU DOLO EVENBTUAL).(SIMPLES / GRAVE OU DOLO EVENBTUAL). A CONSTITUIÇÃO ANTERIOR SÓ PERMITIA AÇÕES DESSAA CONSTITUIÇÃO ANTERIOR SÓ PERMITIA AÇÕES DESSA NATUREZA QUANDO SE CONSEGUISSE COMPROVAR ANATUREZA QUANDO SE CONSEGUISSE COMPROVAR A CULPA GRAVE DA EMPRESA.CULPA GRAVE DA EMPRESA. CONCEITO DE CULPA:CONCEITO DE CULPA: ALTERAÇÃO DA CONSTITUIÇÃOALTERAÇÃO DA CONSTITUIÇÃO A CONSTITUIÇÃO PROMULGADA EM 05 DE OUTUBRO DE 1988A CONSTITUIÇÃO PROMULGADA EM 05 DE OUTUBRO DE 1988 ESTENDEU AS AÇÕES DE RESPONSABILIDADES CONTRA ASESTENDEU AS AÇÕES DE RESPONSABILIDADES CONTRA AS EMPRESAS QUANDO HOUVER A COMPROVAÇÃO DA CULPAEMPRESAS QUANDO HOUVER A COMPROVAÇÃO DA CULPA (SIMPLES / GRAVE OU DOLO EVENBTUAL).(SIMPLES / GRAVE OU DOLO EVENBTUAL). A CONSTITUIÇÃO ANTERIOR SÓ PERMITIA AÇÕES DESSAA CONSTITUIÇÃO ANTERIOR SÓ PERMITIA AÇÕES DESSA NATUREZA QUANDO SE CONSEGUISSE COMPROVAR ANATUREZA QUANDO SE CONSEGUISSE COMPROVAR A CULPA GRAVE DA EMPRESA.CULPA GRAVE DA EMPRESA.
  6. 6. TEXTO DA NOVA CONSTITUIÇÃOTEXTO DA NOVA CONSTITUIÇÃO ( 05.10.88 )( 05.10.88 ) ART. 7º XXVIII : SEGURO CONTRA ACIDENTES DO TRABALHO,ART. 7º XXVIII : SEGURO CONTRA ACIDENTES DO TRABALHO, A CARGO DO EMPREGADOR,A CARGO DO EMPREGADOR, SEM EXCLUIRSEM EXCLUIR AA QUE ESTE ESTÁ OBRIGADO, QUANDO INCORRERQUE ESTE ESTÁ OBRIGADO, QUANDO INCORRER EM DOLO OUEM DOLO OU CULPACULPA.. TEXTO DA NOVA CONSTITUIÇÃOTEXTO DA NOVA CONSTITUIÇÃO ( 05.10.88 )( 05.10.88 ) ART. 7º XXVIII : SEGURO CONTRA ACIDENTES DO TRABALHO,ART. 7º XXVIII : SEGURO CONTRA ACIDENTES DO TRABALHO, A CARGO DO EMPREGADOR,A CARGO DO EMPREGADOR, SEM EXCLUIRSEM EXCLUIR AA QUE ESTE ESTÁ OBRIGADO, QUANDO INCORRERQUE ESTE ESTÁ OBRIGADO, QUANDO INCORRER EM DOLO OUEM DOLO OU CULPACULPA..
  7. 7. CULPA GRAVE OU DOLO EVENTUALCULPA GRAVE OU DOLO EVENTUAL:: EMBORA NÃO EXISTA A INTENÇÃO DAEMBORA NÃO EXISTA A INTENÇÃO DA AÇÃO O RESULTADO É PREVISTO.AÇÃO O RESULTADO É PREVISTO. EXEMPLO: PEDIR AO OPERÁRIO QUE UTILIZE O ELEVADOREXEMPLO: PEDIR AO OPERÁRIO QUE UTILIZE O ELEVADOR DE CARGA, EM MÁS CONDIÇÕES DE USO, CUJADE CARGA, EM MÁS CONDIÇÕES DE USO, CUJA MANUTENÇÃO JÁ FOI PEDIDAMANUTENÇÃO JÁ FOI PEDIDA ( A FAMOSA ¨ESTA É A ULTIMA VEZ¨).( A FAMOSA ¨ESTA É A ULTIMA VEZ¨). O ELEVADOR DESPENCA E O OPERÁRIO SE ACIDENTA.O ELEVADOR DESPENCA E O OPERÁRIO SE ACIDENTA. CULPA GRAVE OU DOLO EVENTUALCULPA GRAVE OU DOLO EVENTUAL:: EMBORA NÃO EXISTA A INTENÇÃO DAEMBORA NÃO EXISTA A INTENÇÃO DA AÇÃO O RESULTADO É PREVISTO.AÇÃO O RESULTADO É PREVISTO. EXEMPLO: PEDIR AO OPERÁRIO QUE UTILIZE O ELEVADOREXEMPLO: PEDIR AO OPERÁRIO QUE UTILIZE O ELEVADOR DE CARGA, EM MÁS CONDIÇÕES DE USO, CUJADE CARGA, EM MÁS CONDIÇÕES DE USO, CUJA MANUTENÇÃO JÁ FOI PEDIDAMANUTENÇÃO JÁ FOI PEDIDA ( A FAMOSA ¨ESTA É A ULTIMA VEZ¨).( A FAMOSA ¨ESTA É A ULTIMA VEZ¨). O ELEVADOR DESPENCA E O OPERÁRIO SE ACIDENTA.O ELEVADOR DESPENCA E O OPERÁRIO SE ACIDENTA.
  8. 8. CULPA SIMPLES:CULPA SIMPLES: É TIPIFICADA POR TRÊS FATORES:É TIPIFICADA POR TRÊS FATORES: NEGLIGÊNCIA,NEGLIGÊNCIA, IMPRUDÊNCIA,IMPRUDÊNCIA, IMPERÍCIA,IMPERÍCIA, CULPA SIMPLES:CULPA SIMPLES: É TIPIFICADA POR TRÊS FATORES:É TIPIFICADA POR TRÊS FATORES: NEGLIGÊNCIA,NEGLIGÊNCIA, IMPRUDÊNCIA,IMPRUDÊNCIA, IMPERÍCIA,IMPERÍCIA,
  9. 9. CULPA SIMPLES:CULPA SIMPLES: NEGLIGÊNCIA:NEGLIGÊNCIA: • AUSÊNCIA DE PRECAUÇÃO OU INDIFERENÇAAUSÊNCIA DE PRECAUÇÃO OU INDIFERENÇA EM RELAÇÃO AO ATO REALIZADOEM RELAÇÃO AO ATO REALIZADO EXEMPLO: FÁBRICA SUJA / MAL ILUMINADA /EXEMPLO: FÁBRICA SUJA / MAL ILUMINADA / MAL VENTILADA, QWUE PROPORCIONEMAL VENTILADA, QWUE PROPORCIONE CONDIÇÕES DE UMA SITUAÇÃO OUCONDIÇÕES DE UMA SITUAÇÃO OU AMBIENTE INSEGUROAMBIENTE INSEGURO CULPA SIMPLES:CULPA SIMPLES: NEGLIGÊNCIA:NEGLIGÊNCIA: • AUSÊNCIA DE PRECAUÇÃO OU INDIFERENÇAAUSÊNCIA DE PRECAUÇÃO OU INDIFERENÇA EM RELAÇÃO AO ATO REALIZADOEM RELAÇÃO AO ATO REALIZADO EXEMPLO: FÁBRICA SUJA / MAL ILUMINADA /EXEMPLO: FÁBRICA SUJA / MAL ILUMINADA / MAL VENTILADA, QWUE PROPORCIONEMAL VENTILADA, QWUE PROPORCIONE CONDIÇÕES DE UMA SITUAÇÃO OUCONDIÇÕES DE UMA SITUAÇÃO OU AMBIENTE INSEGUROAMBIENTE INSEGURO
  10. 10. CULPA SIMPLES:CULPA SIMPLES: IMPRUDÊNCIA:IMPRUDÊNCIA: • PRÁTICA DE UM ATO PERIGOSOPRÁTICA DE UM ATO PERIGOSO EXEMPLOEXEMPLO:: OPERÁRIO QUE RETIRA A PROTEÇÃO DAOPERÁRIO QUE RETIRA A PROTEÇÃO DA MÁQUINA COM O INTUITO DE AUMENTARMÁQUINA COM O INTUITO DE AUMENTAR A PRODUÇÃO.A PRODUÇÃO. BREVE COMENTÁRIOBREVE COMENTÁRIO: Essa atitude reponsabiliza a chefia: Essa atitude reponsabiliza a chefia do trabalhador por esta se constituirdo trabalhador por esta se constituir em elo de ligação ( preposto )em elo de ligação ( preposto ) trabalhador / empresa. É crime atrabalhador / empresa. É crime a conivência ou omissão.conivência ou omissão. CULPA SIMPLES:CULPA SIMPLES: IMPRUDÊNCIA:IMPRUDÊNCIA: • PRÁTICA DE UM ATO PERIGOSOPRÁTICA DE UM ATO PERIGOSO EXEMPLOEXEMPLO:: OPERÁRIO QUE RETIRA A PROTEÇÃO DAOPERÁRIO QUE RETIRA A PROTEÇÃO DA MÁQUINA COM O INTUITO DE AUMENTARMÁQUINA COM O INTUITO DE AUMENTAR A PRODUÇÃO.A PRODUÇÃO. BREVE COMENTÁRIOBREVE COMENTÁRIO: Essa atitude reponsabiliza a chefia: Essa atitude reponsabiliza a chefia do trabalhador por esta se constituirdo trabalhador por esta se constituir em elo de ligação ( preposto )em elo de ligação ( preposto ) trabalhador / empresa. É crime atrabalhador / empresa. É crime a conivência ou omissão.conivência ou omissão.
  11. 11. CULPA SIMPLES:CULPA SIMPLES: IMPERÍCIA:IMPERÍCIA: • FALTA DE APTIDÃO PARA O EXERCÍCIO DEFALTA DE APTIDÃO PARA O EXERCÍCIO DE DETERMINADA PROFISSÃO OU ARTEDETERMINADA PROFISSÃO OU ARTE EXEMPLO: SUBMETER TRABALHADOR NÃO HABILITADOEXEMPLO: SUBMETER TRABALHADOR NÃO HABILITADO A SUBSTITUIR – EM CARÁTER EVENTUIAL –A SUBSTITUIR – EM CARÁTER EVENTUIAL – TRABALHADOR TITULAR NA FUNÇÃO.TRABALHADOR TITULAR NA FUNÇÃO. BREVE COMENTÁRIOBREVE COMENTÁRIO:: SUSTITUIR OPERADOR DE EMPILHADEIRASUSTITUIR OPERADOR DE EMPILHADEIRA APTO PARA A FUNÇÃO POR MOTORISTA COMEM, SOFRENDO ESTEAPTO PARA A FUNÇÃO POR MOTORISTA COMEM, SOFRENDO ESTE ÚLTIMO GRAVE ACIDENTE POR FALTA DE PREPARO ESPECÍFICO.ÚLTIMO GRAVE ACIDENTE POR FALTA DE PREPARO ESPECÍFICO. CULPA SIMPLES:CULPA SIMPLES: IMPERÍCIA:IMPERÍCIA: • FALTA DE APTIDÃO PARA O EXERCÍCIO DEFALTA DE APTIDÃO PARA O EXERCÍCIO DE DETERMINADA PROFISSÃO OU ARTEDETERMINADA PROFISSÃO OU ARTE EXEMPLO: SUBMETER TRABALHADOR NÃO HABILITADOEXEMPLO: SUBMETER TRABALHADOR NÃO HABILITADO A SUBSTITUIR – EM CARÁTER EVENTUIAL –A SUBSTITUIR – EM CARÁTER EVENTUIAL – TRABALHADOR TITULAR NA FUNÇÃO.TRABALHADOR TITULAR NA FUNÇÃO. BREVE COMENTÁRIOBREVE COMENTÁRIO:: SUSTITUIR OPERADOR DE EMPILHADEIRASUSTITUIR OPERADOR DE EMPILHADEIRA APTO PARA A FUNÇÃO POR MOTORISTA COMEM, SOFRENDO ESTEAPTO PARA A FUNÇÃO POR MOTORISTA COMEM, SOFRENDO ESTE ÚLTIMO GRAVE ACIDENTE POR FALTA DE PREPARO ESPECÍFICO.ÚLTIMO GRAVE ACIDENTE POR FALTA DE PREPARO ESPECÍFICO.
  12. 12. AÇÃO DE RESPONSABILIDADE CIVILAÇÃO DE RESPONSABILIDADE CIVIL É UMA AÇÃO PRIVADA.É UMA AÇÃO PRIVADA. DEVE SER PLEITEADA PELOS HERDEIROS DODEVE SER PLEITEADA PELOS HERDEIROS DO TRABALHADOR ACIDENTADO.TRABALHADOR ACIDENTADO. COMPROVANDO-SE A RESPONSABILIDADE DACOMPROVANDO-SE A RESPONSABILIDADE DA EMPRESA, ESTA É OBRIGADA A REPARAR O DANOEMPRESA, ESTA É OBRIGADA A REPARAR O DANO PAGANDO INDENIZAÇÃO ARBITRADA PELO JUÍZPAGANDO INDENIZAÇÃO ARBITRADA PELO JUÍZ CONSIDERANDO AS LESÕES OU MORTE DOCONSIDERANDO AS LESÕES OU MORTE DO TRABALHADOR.TRABALHADOR. AÇÃO DE RESPONSABILIDADE CIVILAÇÃO DE RESPONSABILIDADE CIVIL É UMA AÇÃO PRIVADA.É UMA AÇÃO PRIVADA. DEVE SER PLEITEADA PELOS HERDEIROS DODEVE SER PLEITEADA PELOS HERDEIROS DO TRABALHADOR ACIDENTADO.TRABALHADOR ACIDENTADO. COMPROVANDO-SE A RESPONSABILIDADE DACOMPROVANDO-SE A RESPONSABILIDADE DA EMPRESA, ESTA É OBRIGADA A REPARAR O DANOEMPRESA, ESTA É OBRIGADA A REPARAR O DANO PAGANDO INDENIZAÇÃO ARBITRADA PELO JUÍZPAGANDO INDENIZAÇÃO ARBITRADA PELO JUÍZ CONSIDERANDO AS LESÕES OU MORTE DOCONSIDERANDO AS LESÕES OU MORTE DO TRABALHADOR.TRABALHADOR.
  13. 13. AÇÃO DE RESPONSABILIDADE PENALAÇÃO DE RESPONSABILIDADE PENAL É UMA AÇÃO PÚBLICA.É UMA AÇÃO PÚBLICA. PROCURA RESPONSABILIZAR PELA MORTE OU DANO ÀPROCURA RESPONSABILIZAR PELA MORTE OU DANO À SAÚDE DO TRABALHADOR OS PREPOSTOS DA EMPRESASAÚDE DO TRABALHADOR OS PREPOSTOS DA EMPRESA QUE TÊM COMO FUNÇÃO CARGOS DE CHEFIA E COMOQUE TÊM COMO FUNÇÃO CARGOS DE CHEFIA E COMO CONSEQUÊNCIA SEREM DIVULGADORES E CUMPRIDORESCONSEQUÊNCIA SEREM DIVULGADORES E CUMPRIDORES DAS NORMAS DE SEGURANÇA. ESTÃO NESSA CONDIÇÃO:DAS NORMAS DE SEGURANÇA. ESTÃO NESSA CONDIÇÃO: • ENGENHEIROS DO TRABALHOENGENHEIROS DO TRABALHO • MÉDICOS DO TRABALHOMÉDICOS DO TRABALHO • TÉCNICOS DE SEGURANÇATÉCNICOS DE SEGURANÇA • CIPEIROSCIPEIROS • GERENTESGERENTES • SUPERVISORESSUPERVISORES • CHEFES / MESTRES / ENCARREGADOSCHEFES / MESTRES / ENCARREGADOS AÇÃO DE RESPONSABILIDADE PENALAÇÃO DE RESPONSABILIDADE PENAL É UMA AÇÃO PÚBLICA.É UMA AÇÃO PÚBLICA. PROCURA RESPONSABILIZAR PELA MORTE OU DANO ÀPROCURA RESPONSABILIZAR PELA MORTE OU DANO À SAÚDE DO TRABALHADOR OS PREPOSTOS DA EMPRESASAÚDE DO TRABALHADOR OS PREPOSTOS DA EMPRESA QUE TÊM COMO FUNÇÃO CARGOS DE CHEFIA E COMOQUE TÊM COMO FUNÇÃO CARGOS DE CHEFIA E COMO CONSEQUÊNCIA SEREM DIVULGADORES E CUMPRIDORESCONSEQUÊNCIA SEREM DIVULGADORES E CUMPRIDORES DAS NORMAS DE SEGURANÇA. ESTÃO NESSA CONDIÇÃO:DAS NORMAS DE SEGURANÇA. ESTÃO NESSA CONDIÇÃO: • ENGENHEIROS DO TRABALHOENGENHEIROS DO TRABALHO • MÉDICOS DO TRABALHOMÉDICOS DO TRABALHO • TÉCNICOS DE SEGURANÇATÉCNICOS DE SEGURANÇA • CIPEIROSCIPEIROS • GERENTESGERENTES • SUPERVISORESSUPERVISORES • CHEFES / MESTRES / ENCARREGADOSCHEFES / MESTRES / ENCARREGADOS
  14. 14. SITUAÇÃO EM QUE GERENTES / SUPERVISORES /SITUAÇÃO EM QUE GERENTES / SUPERVISORES / CHEFES / ENCARREGADOS PODEMCHEFES / ENCARREGADOS PODEM RESPONDER POR CRIME DE RESPONSABILIDADE PENALRESPONDER POR CRIME DE RESPONSABILIDADE PENAL::  QUANDO FOR NOTIFICADO – POR ESCRITO – DE UMA SITUAÇÃOQUANDO FOR NOTIFICADO – POR ESCRITO – DE UMA SITUAÇÃO DE CONDIÇÃO OU AÇÃO INSEGURA NO SEU SETOR. NESTASDE CONDIÇÃO OU AÇÃO INSEGURA NO SEU SETOR. NESTAS CIRCUNSTÂNCIAS OCORRE UM ACIDENTE CAUSANDO MORTE,CIRCUNSTÂNCIAS OCORRE UM ACIDENTE CAUSANDO MORTE, LESÃO GRAVE OU DOENÇA PROFISSIONAL. COMO PREPOSTOLESÃO GRAVE OU DOENÇA PROFISSIONAL. COMO PREPOSTO DA EMPRESA E SEM HAVER TOMADO PROVIDÊNCIAS QUANTODA EMPRESA E SEM HAVER TOMADO PROVIDÊNCIAS QUANTO À NOTIFICAÇÃO RECEBIDA, RESPONDERÁ CRIMINALMENTE.À NOTIFICAÇÃO RECEBIDA, RESPONDERÁ CRIMINALMENTE. PENA PREVISTAPENA PREVISTA: 7 MESES A 2 ANOS DE DETENÇÃO.: 7 MESES A 2 ANOS DE DETENÇÃO. BREVE COMENTÁRIOBREVE COMENTÁRIO:: Em caso de condenação, o individuo nãoEm caso de condenação, o individuo não cumprirá pena se for réu primário.cumprirá pena se for réu primário. Porém ficará o registro na folha de antecedentePorém ficará o registro na folha de antecedente SITUAÇÃO EM QUE GERENTES / SUPERVISORES /SITUAÇÃO EM QUE GERENTES / SUPERVISORES / CHEFES / ENCARREGADOS PODEMCHEFES / ENCARREGADOS PODEM RESPONDER POR CRIME DE RESPONSABILIDADE PENALRESPONDER POR CRIME DE RESPONSABILIDADE PENAL::  QUANDO FOR NOTIFICADO – POR ESCRITO – DE UMA SITUAÇÃOQUANDO FOR NOTIFICADO – POR ESCRITO – DE UMA SITUAÇÃO DE CONDIÇÃO OU AÇÃO INSEGURA NO SEU SETOR. NESTASDE CONDIÇÃO OU AÇÃO INSEGURA NO SEU SETOR. NESTAS CIRCUNSTÂNCIAS OCORRE UM ACIDENTE CAUSANDO MORTE,CIRCUNSTÂNCIAS OCORRE UM ACIDENTE CAUSANDO MORTE, LESÃO GRAVE OU DOENÇA PROFISSIONAL. COMO PREPOSTOLESÃO GRAVE OU DOENÇA PROFISSIONAL. COMO PREPOSTO DA EMPRESA E SEM HAVER TOMADO PROVIDÊNCIAS QUANTODA EMPRESA E SEM HAVER TOMADO PROVIDÊNCIAS QUANTO À NOTIFICAÇÃO RECEBIDA, RESPONDERÁ CRIMINALMENTE.À NOTIFICAÇÃO RECEBIDA, RESPONDERÁ CRIMINALMENTE. PENA PREVISTAPENA PREVISTA: 7 MESES A 2 ANOS DE DETENÇÃO.: 7 MESES A 2 ANOS DE DETENÇÃO. BREVE COMENTÁRIOBREVE COMENTÁRIO:: Em caso de condenação, o individuo nãoEm caso de condenação, o individuo não cumprirá pena se for réu primário.cumprirá pena se for réu primário. Porém ficará o registro na folha de antecedentePorém ficará o registro na folha de antecedente
  15. 15. PROFISSIONAL DE SEGURANÇA DOPROFISSIONAL DE SEGURANÇA DO TRABALHO - PRECAUÇÕES NASTRABALHO - PRECAUÇÕES NAS ATIVIDADESATIVIDADES • TEM SIDO VISADO COMO PREPOSTO ESPECÍFICO,TEM SIDO VISADO COMO PREPOSTO ESPECÍFICO, CONFORME O GRAU DE DOLO OU CULPA EM VIRTUDECONFORME O GRAU DE DOLO OU CULPA EM VIRTUDE DO ACIDENTE OCORRIDO.DO ACIDENTE OCORRIDO. • PENAS - SERVIÇO COMUNITÁRIO E CASSAÇÃO DO REGISTROPENAS - SERVIÇO COMUNITÁRIO E CASSAÇÃO DO REGISTRO PROFISSIONAL.PROFISSIONAL. PROFISSIONAL DE SEGURANÇA DOPROFISSIONAL DE SEGURANÇA DO TRABALHO - PRECAUÇÕES NASTRABALHO - PRECAUÇÕES NAS ATIVIDADESATIVIDADES • TEM SIDO VISADO COMO PREPOSTO ESPECÍFICO,TEM SIDO VISADO COMO PREPOSTO ESPECÍFICO, CONFORME O GRAU DE DOLO OU CULPA EM VIRTUDECONFORME O GRAU DE DOLO OU CULPA EM VIRTUDE DO ACIDENTE OCORRIDO.DO ACIDENTE OCORRIDO. • PENAS - SERVIÇO COMUNITÁRIO E CASSAÇÃO DO REGISTROPENAS - SERVIÇO COMUNITÁRIO E CASSAÇÃO DO REGISTRO PROFISSIONAL.PROFISSIONAL.
  16. 16. PROFISSIONAL DE SEGURANÇA DOPROFISSIONAL DE SEGURANÇA DO TRABALHO - PRECAUÇÕES NASTRABALHO - PRECAUÇÕES NAS ATIVIDADESATIVIDADES  EM 1992, NUMA METALÚRGICA DE OSASCO,EM 1992, NUMA METALÚRGICA DE OSASCO, O ENGENHEIRO DE SEGURANÇA FOI DENUNCIADOO ENGENHEIRO DE SEGURANÇA FOI DENUNCIADO CRIMINALMENTE POR ACIDENTE FATAL OCORRIDOCRIMINALMENTE POR ACIDENTE FATAL OCORRIDO NA EMPRESA, MAS FOI ABSOLVIDO POIS COMPROVOUNA EMPRESA, MAS FOI ABSOLVIDO POIS COMPROVOU QUE TINHA ELABORADO ANÁLISE DE RISCOS PARA OQUE TINHA ELABORADO ANÁLISE DE RISCOS PARA O SETOR ONDE OCORREU O ACIDENTE E HAVIA SIDO UMSETOR ONDE OCORREU O ACIDENTE E HAVIA SIDO UM DOS AUTORES DA POLÍTICA DE SEGURANÇA DA EMPRESADOS AUTORES DA POLÍTICA DE SEGURANÇA DA EMPRESA REVISTA PROTEÇÃO - JUNHO DE 2000REVISTA PROTEÇÃO - JUNHO DE 2000 PROFISSIONAL DE SEGURANÇA DOPROFISSIONAL DE SEGURANÇA DO TRABALHO - PRECAUÇÕES NASTRABALHO - PRECAUÇÕES NAS ATIVIDADESATIVIDADES  EM 1992, NUMA METALÚRGICA DE OSASCO,EM 1992, NUMA METALÚRGICA DE OSASCO, O ENGENHEIRO DE SEGURANÇA FOI DENUNCIADOO ENGENHEIRO DE SEGURANÇA FOI DENUNCIADO CRIMINALMENTE POR ACIDENTE FATAL OCORRIDOCRIMINALMENTE POR ACIDENTE FATAL OCORRIDO NA EMPRESA, MAS FOI ABSOLVIDO POIS COMPROVOUNA EMPRESA, MAS FOI ABSOLVIDO POIS COMPROVOU QUE TINHA ELABORADO ANÁLISE DE RISCOS PARA OQUE TINHA ELABORADO ANÁLISE DE RISCOS PARA O SETOR ONDE OCORREU O ACIDENTE E HAVIA SIDO UMSETOR ONDE OCORREU O ACIDENTE E HAVIA SIDO UM DOS AUTORES DA POLÍTICA DE SEGURANÇA DA EMPRESADOS AUTORES DA POLÍTICA DE SEGURANÇA DA EMPRESA REVISTA PROTEÇÃO - JUNHO DE 2000REVISTA PROTEÇÃO - JUNHO DE 2000
  17. 17. MORTE NA METALÚRGICAMORTE NA METALÚRGICA Numa noite de fevereiro de 1992, um daqueles temporais típicosNuma noite de fevereiro de 1992, um daqueles temporais típicos de verão atingiu o interior de São Paulo, arrancando telhados ede verão atingiu o interior de São Paulo, arrancando telhados e provocando estragos por toda parte. Numa metalúrgica de umaprovocando estragos por toda parte. Numa metalúrgica de uma cidade próxima à capital paulista, a cobertura de um dos galpõescidade próxima à capital paulista, a cobertura de um dos galpões foi danificada. Seu Adair, 56 anos, acompanhado por dois colegasfoi danificada. Seu Adair, 56 anos, acompanhado por dois colegas de trabalho foi escalado para proceder a troca de telhas. Durantede trabalho foi escalado para proceder a troca de telhas. Durante o conserto, ele desequilibrou-se, caiu no piso da fábrica e morreu.o conserto, ele desequilibrou-se, caiu no piso da fábrica e morreu. O laudo técnico realizado pelo auditor fiscal da Delegacia RegionalO laudo técnico realizado pelo auditor fiscal da Delegacia Regional do Trabalho de São Paulo constatou que no local não havia qualquerdo Trabalho de São Paulo constatou que no local não havia qualquer tipo de proteção coletiva que tornasse os serviços de manutençãotipo de proteção coletiva que tornasse os serviços de manutenção da cobertura seguros ao trabalhador, que também não estava usandoda cobertura seguros ao trabalhador, que também não estava usando cinto de segurança.cinto de segurança. Com a pressão do sindicato da categoria foi aberto inquérito policial.Com a pressão do sindicato da categoria foi aberto inquérito policial. Ao chegar ao Judiciário foi transformado em processo e o promotorAo chegar ao Judiciário foi transformado em processo e o promotor público denunciou o diretor da empresa e o supervisor de produçãopúblico denunciou o diretor da empresa e o supervisor de produção por homicídio culposo. Em menos de um ano o juiz deu setença:por homicídio culposo. Em menos de um ano o juiz deu setença: condenou os réus a cumprir pena de um ano de detenção, em regimecondenou os réus a cumprir pena de um ano de detenção, em regime aberto .aberto . MORTE NA METALÚRGICAMORTE NA METALÚRGICA Numa noite de fevereiro de 1992, um daqueles temporais típicosNuma noite de fevereiro de 1992, um daqueles temporais típicos de verão atingiu o interior de São Paulo, arrancando telhados ede verão atingiu o interior de São Paulo, arrancando telhados e provocando estragos por toda parte. Numa metalúrgica de umaprovocando estragos por toda parte. Numa metalúrgica de uma cidade próxima à capital paulista, a cobertura de um dos galpõescidade próxima à capital paulista, a cobertura de um dos galpões foi danificada. Seu Adair, 56 anos, acompanhado por dois colegasfoi danificada. Seu Adair, 56 anos, acompanhado por dois colegas de trabalho foi escalado para proceder a troca de telhas. Durantede trabalho foi escalado para proceder a troca de telhas. Durante o conserto, ele desequilibrou-se, caiu no piso da fábrica e morreu.o conserto, ele desequilibrou-se, caiu no piso da fábrica e morreu. O laudo técnico realizado pelo auditor fiscal da Delegacia RegionalO laudo técnico realizado pelo auditor fiscal da Delegacia Regional do Trabalho de São Paulo constatou que no local não havia qualquerdo Trabalho de São Paulo constatou que no local não havia qualquer tipo de proteção coletiva que tornasse os serviços de manutençãotipo de proteção coletiva que tornasse os serviços de manutenção da cobertura seguros ao trabalhador, que também não estava usandoda cobertura seguros ao trabalhador, que também não estava usando cinto de segurança.cinto de segurança. Com a pressão do sindicato da categoria foi aberto inquérito policial.Com a pressão do sindicato da categoria foi aberto inquérito policial. Ao chegar ao Judiciário foi transformado em processo e o promotorAo chegar ao Judiciário foi transformado em processo e o promotor público denunciou o diretor da empresa e o supervisor de produçãopúblico denunciou o diretor da empresa e o supervisor de produção por homicídio culposo. Em menos de um ano o juiz deu setença:por homicídio culposo. Em menos de um ano o juiz deu setença: condenou os réus a cumprir pena de um ano de detenção, em regimecondenou os réus a cumprir pena de um ano de detenção, em regime aberto .aberto .

×