Repensando A Textualidade

12.044 visualizações

Publicada em

Text Linguistics- Introduction.

Publicada em: Educação, Tecnologia
1 comentário
4 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
12.044
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
201
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
171
Comentários
1
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Repensando A Textualidade

  1. 1. Repensando a Textualidade: caminhos da Lingüística Textual<br />Prof. Luiz Fernando Gomes<br />Baseado no trabalho de Maria da Graça Costa Val – UFMG (1999)- IV Fórum de Estudos Lingüísticos - UREJ<br />
  2. 2. Introdução<br />Conceito de textualidade:<br />Conjunto de características que fazem com que um texto seja um texto, e não apenas uma seqüência de frases. <br />
  3. 3. Introdução<br />A LT começou a se desenvolver na Europa a partir do final do anos 60, sobretudo entre os anglo-germânicos, e tem se dedicado a estudar os princípios constitutivos do texto e os fatores envolvidos em sua produção e recepção.<br />
  4. 4. A partir do final dos anos 60<br />estudos voltados para fenômenos que ultrapassam os limites da frase:<br />interessados menos nos produtos e mais nos processos – a enunciação, a interlocução e suas condições de produção. <br />o texto e o discurso<br />
  5. 5. 3 Vertentes da LT: 1ª. Análise Transfrástica<br />Há fenômenos sintáticos que não podem ser suficientemente entendidos quando se toma a frase como unidade máxima de análise.<br />Ex. artigo definido x indefinido, ordem dos sintagmas, tempos e modos verbais. <br />análise “transfrástica”, focaliza as relações entre os enunciados de uma seqüência, interessando-se por questões como a: correferência, o emprego do artigo, a correlação entre os tempos e modos verbais, que hoje identificamos como atinentes à coesão textual. <br />
  6. 6. Análise Transfrástica<br />É necessário considerar a seqüência de enunciados que compõe o contexto lingüístico em que esses fenômenos ocorrem. <br />Existem de regras sintáticas que extrapolam a frase.<br />Ex. The boy went to themovies. Someonegavehimthemoney.<br />
  7. 7. Isenberg<br />Isenberg (1968): relações não expressas por marcas lingüísticas de superfície = procedimentos de textualização.<br />12 procedimentos<br />pressuposição<br />
  8. 8. 2ª. Vertente: texto como unidade lógico-semântica<br />Amplia-se o conceito chomskyano de competência lingüística para o de<br />capacidade que habilitaria os falantes a:<br />produzir, <br />interpretar e reconhecer textos coerentes,<br />resumir e parafrasear textos,<br />competência textual:<br />
  9. 9. Competência textual<br />perceber os limites e a completude ou incompletude de um texto,<br />atribuir título a um texto<br />identificando seu tópico central, <br />produzir textos a partir de um título ou tema dado.<br />
  10. 10. Gramática Textual<br />A tarefa da gramática seria descrever e explicar a competência textual, estabelecendo os princípios constitutivos do texto, explicitando os critérios de sua delimitação e completude, determinando uma tipologia de textos.<br />
  11. 11. Texto é muito mais<br />Texto como unidade lógico-semântica. O texto é mais que uma seqüência de enunciados concatenados; <br />sua significação é um todo resultante de operações lógicas, semânticas e pragmáticas.<br />
  12. 12. Van Dijk (1973)<br />Questões de macroestrutura e microestrutura semânticas: vínculos inter e intrafrasais (recorrência de morfemas, pronominalizações, conjunções, verbos, etc.).<br />O texto é pensado não como a seqüência ou a soma dos significados localizados, mas como um todo estruturado, cuja significação, cuja coerência, se faz no plano global. <br />Significados locais dependem do significado global.<br />
  13. 13. 3ª. Vertente: ênfase nos aspectos pragmáticos<br />a significação de um texto não se encerra nem se resolve nele mesmo, mas se produz na relação desse texto com o contexto em que ele ocorre, nas ações que, por ele, com ele ou nele, os falantes realizam.<br />
  14. 14. Aspectos Pragmáticos<br />a textualidade inclui tanto o aspecto lingüístico (sintático e semântico) quanto o aspecto social.<br />a dimensão sociocomunicativa tem primazia sobre as dimensões semântica e sintática. <br />
  15. 15. Teoria do texto<br />A coerência: identificação, pelos parceiros, da função ilocutória intencionada pelo locutor. <br />Teoria do texto busca a competência comunicativa, que diz respeito à capacidade de atuar com eficiência e eficácia em situações sociais de comunicação.<br />Coerência não está no texto propriamente dito.<br />

×