Esterioscopia e linhas de vôo

1.057 visualizações

Publicada em

Fotogeologia - Aula 02

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.057
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
40
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Esterioscopia e linhas de vôo

  1. 1. 30/01/15 FAGEO/Marabá 1 DISCIPLINA: FOTOGEOLOGIA E SENSORIAMENTO REMOTO Prof: LEONARDO BRASIL
  2. 2. Fotogeologia Estuda as imagens da superfície terrestre (PRODUTOS DE SENSORIAMENTO REMOTO) obtidas por câmaras fotográficas ou outros dispositivos instalados em aviões ou satélites. Constituem uma das mais poderosas ferramentas da cartografia geológica Por meio de imagens pode-se fotointerpretar as feições geológicas, identificando feições de RELEVO (verifica o tipo e estrutura da rocha) e DRENAGEM (segundo o padrão e a densidade dos rios, interpretando o tipo e estrutura da rocha, etc). Introdução 30/01/15 FAGEO/Marabá 2
  3. 3. 30/01/15 FAGEO/Marabá 3 Visão cercana Fotos Aéreas A Estereoscopia É uma visão de três dimensões, obtidas pela observação de duas fotos aéreas simultanêas.
  4. 4. Sensações de Profundidade 30/01/15 FAGEO/Marabá 4 • Efeitos Ativos – Visão Estereoscópica • Efeitos Passivos – Perspectiva – Iluminação – Sombras
  5. 5. Câmaras Aéreas 30/01/15 FAGEO/Marabá 5 A fotografia aérea é uma projeção central da superfície terrestre em um plano. A câmara com o seu sistema de lentes é a responsável pela captação do terreno e a fixação em um filme. Fonte: Prof. Edson F. Mello - UFRJ
  6. 6. 30/01/15 FAGEO/Marabá 6 A abertura relativa ou abertura da lente é denominada F/número ou F/STOP, definida como F/número = f/d, onde f = distância focal e d = diâmetro efetivo das lentes.
  7. 7. Câmeras Aéreas 30/01/15 FAGEO/Marabá 7 Fonte: Prof. Edson F. Mello - UFRJ
  8. 8. Câmeras Aéreas 30/01/15 FAGEO/Marabá 8 Fonte: Prof. Edson F. Mello - UFRJ
  9. 9. 30/01/15 FAGEO/Marabá 9 Preto & branco O filme aéreo Preto & Branco (P&B) é mais usado nas fotografias aéreas pelo seu custo relativamente baixo e pela sua resposta espectral ser bem próxima do espectro visível pelo olho humano. Tipos de Filme Fonte: Prof. Edson F. Mello - UFRJ
  10. 10. 30/01/15 FAGEO/Marabá 10 Tipos de Filme COLORIDOS Riqueza de detalhes devido à apresentação de elementos em sua cor real. Entretanto, possuem muito mais sensibilidade aos fenômenos atmosféricos como bruma, névoa, poluição do que o filme P&B. Fonte: Prof. Edson F. Mello - UFRJ
  11. 11. 30/01/15 FAGEO/Marabá 11 Tipos de Filme Os filmes infra-vermelho coloridos possuem três camadas de emulsão com sensibilidade aos seguintes comprimentos de onda : verde, vermelho e próximo do infra- vermelho. Como estas camadas tem sensibilidade para a luz azul, o filme infra- vermelho requer o uso de filtro amarelo. Após revelado, a camada sensível ao verde é representada como azul, a sensível ao vermelho como verde e a próximo do infra-vermelho como vermelho.Fonte: Prof. Edson F. Mello - UFRJ
  12. 12. +TIPOS DE FOTOGRAFIAS AÉREAS -Oblíquas baixas -Oblíquas altas -Verticais Inclinação do eixo da câmara 30/01/15 FAGEO/Marabá 12
  13. 13. 30/01/15 FAGEO/Marabá 13
  14. 14. 30/01/15 FAGEO/Marabá 14
  15. 15. 30/01/15 FAGEO/Marabá 15 Disposição das linhas de vôo Cobertura fotográfica
  16. 16. 30/01/15 FAGEO/Marabá 16
  17. 17. 30/01/15 FAGEO/Marabá 17 Fonte:Santos & Carnevale, 2002. Figura1: modelo representativo de um sobrevoô para captura de foto aérea. Longitudinal Lateral
  18. 18. 30/01/15 FAGEO/Marabá 18 Cobertura fotográfica Estereopar ou estéreo-modelo. Área de recobrimento longitudinal em um triplet
  19. 19. 30/01/15 FAGEO/Marabá 19 Tipo de voô com recobrimento Fonte:Santos & Carnevale, 2002. Figura2: exemplos de tomadas de fotos com recobrimento Fonte:Santos & Carnevale, 2002. Figura3: exemplos de sequecias de foto aerea sopreposta logitudinalmente
  20. 20. 30/01/15 FAGEO/Marabá 20 Cobertura fotográfica Fotomosaico ou fotoíndice Fonte: Prof. Edson F. Mello - UFRJ
  21. 21. Estereoscópios Como de olhos nus não é possível visualisar as fotos aéreas de forma em 3D, utilizamos o equipamento chamado ESTEREOSCÓPIO DE ESPELHO. E s p e lh o s E s p e lh o s O c u la r Esquema do estereoscópio de espelho 30/01/15 FAGEO/Marabá 21
  22. 22. OBSERVAÇÃO DE FOTOS AÉREAS SOB ESTEROSCÓPIO DE ESPELHO Fonte: Avery, Berlin (1985) Bibliografia: Avery, T. E.: Berlin, G. L. Pentice - Hall, 1985 472 p. Fundamentals of remote sensity and airphoto interpretation. 30/01/15 FAGEO/Marabá 22
  23. 23. OBSERVAÇÃO DE UM PAR DE FOTOS ATRAVÉS DE ESTEREOSCÓPIO DE BOLSO Fonte; Busch & Tasa, 1993 p. 117 30/01/15 FAGEO/Marabá 23
  24. 24. 30/01/15 FAGEO/Marabá 24
  25. 25. FATORES QUE PREJUDICAM A ESTEREOVISÃO Mudanças bruscas na elevação do terreno Diferença de escala entre duas fotos: alteração na altura de vôo Mudança de posição dos objetos entre as tomadas das fotos Tonalidade monótona e contínua acapacidade de visão do fotointérprete ou fotogrametrista  iluminação do ambiente 30/01/15 FAGEO/Marabá 25
  26. 26. Escala: Varia dentro da relevo •Como obter a escala Medir distância entre d Medir a distância entre Através da relação: 30/01/15 FAGEO/Marabá 26
  27. 27. +DIFERENÇAS FOTO AÉREA – MAPA Tipos de projeção: central : foto ortogonal : mapa Deslocamentos devido ao relevo em fotos aéreas Necessidade de restituição adequação da escala (escalas diferentes) adequação da projeção (central X ortogonal) 30/01/15 FAGEO/Marabá 27
  28. 28. 30/01/15 FAGEO/Marabá 28 Marcas Fiduciais Informações Marginais 1.Marcas fiduciais 2.Número da foto: número da foto no projeto de vôo (faixa e foto); 3. Órgão executor; 4.Número do rolo do filme; 5. Projeto de vinculação; 6.Data de realização do vôo; 7.Altura do vôo; 8. Distância focal da câmara; 9.Latitude e longitude do início e fim da faixa; 10.Nível de bolha com inclinação
  29. 29. A ÁREA ÚTIL É DETERMINADA POR : CENTRO DA FOTO CENTRO TRANSFERIDO E PONTOS LATERAIS PODE SER DETERMINADA DA SEGUINTE MANEIRA: 30/01/15 FAGEO/Marabá 29
  30. 30. 30/01/15 FAGEO/Marabá 30 Delimitar a área com recobrimento e centros transferidos como sendo área útil. CENTRO TRANSFERIDO RECOBRIMENTO CENTRO PONTOS LATERAIS
  31. 31. 30/01/15 FAGEO/Marabá 31 Delimitar a área com recobrimento e centros transferidos como sendo área útil. CENTRO TRANSFERIDO RECOBRIMENTO
  32. 32. 30/01/15 FAGEO/Marabá 32 A Área Útil da Foto Aérea Centro da Foto

×