PROJETO
JARI
Macapá-AP
COLÉGIO AMAPAENSE
CRISTHIAN PIRES DE OLIVEIRA
JANIRA CATELO ALHO
JOÃO PEDRO FURTADO CORRÊA
JOSÉ MARIA VALADARES DIAS FILHO
14/06
MACAPÁ/AP
O...
A construção da fábrica de celulose foi no Japão, onde utilizaram
tecnologias finlandesas. Foram feitas duas plataformas f...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Projeto jari

643 visualizações

Publicada em

Trabalho dos Alunos do Ensino Médio

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
643
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Projeto jari

  1. 1. PROJETO JARI Macapá-AP COLÉGIO AMAPAENSE
  2. 2. CRISTHIAN PIRES DE OLIVEIRA JANIRA CATELO ALHO JOÃO PEDRO FURTADO CORRÊA JOSÉ MARIA VALADARES DIAS FILHO 14/06 MACAPÁ/AP O projeto Jari celulose, criado por um empresário norte-americano Daniel Keith Ludwig, no ano de 1967, esse foi instalado entre as regiões do estado do Amapá e Pará com o intuito de exercer um desenvolvimento no polo agroindustrial na região, embora o resultado foi a produção de celulose e o desenvolvimento de uma sede com grandes estruturas, localizada na cidade de Monte Dourado, que identifica a fronteira entre o Amapá e Pará. Daniel Keith foi um dos primeiros burgueses a reconhecer que a Amazônia tinha grandes suportes para os projetos de grandes potências, isto é, de grande porte. Por conseguinte houve a necessidade de uma grande extensão de áreas rurais, aproximadamente dezesseis mil quilômetros quadrados seguindo dos estados participantes, até o percurso do rio Jari.
  3. 3. A construção da fábrica de celulose foi no Japão, onde utilizaram tecnologias finlandesas. Foram feitas duas plataformas flutuantes, uma para a produção de energia e a outra para a celulose. A estrutura para a fábrica que estava sendo construída no Japão, era toda feita por estacas, para que quando a mesma chegasse, fosse apenas assenta encima das estruturas, pois ela viria toda montada. Muitas medidas foram tomadas, já que na época àquela região não continha nenhum tipo de infraestrutura, onde pudesse sustentar os empreendimentos que a fábrica iria trazer, com isso houve a necessidade implantar várias estruturas, como: construção de portos, ferrovias e nove quilômetros de estrada, um projeto de reflorestamento, além de perspectivas de atividades com mineração, pecuária e agricultura, no entanto, a fábrica produziu apenas celulose. Essa implantação permitiu a construção de uma cidade para os trabalhadores, batizada de Beiradão. A área onde se localiza a sede da fábrica foi muito bem beneficiada pela mesma, pois receberam saneamentos básicos, e outros. Contudo, o projeto tinha de tudo para dar certo, se não fossem os inúmeros erros da equipe técnica, que ignoraram o solo da Amazônia, além de não pensarem no fluxo migratório. Essa aglomeração de pessoas transformou o Beiradão em grandes favelas sobre palafitas. No ano de 1982, depois de gastos absurdos na região, Ludwig, sentiu-se obrigado a vender a Jari Celulose. Macapá-AP http://planetasustentavel.abril.com.br/noticia/desenvolvimento/gringos-amazonia- 525438.shtml?func=2 http://andrealveslima.wordpress.com/2008/08/30/20080828-monte-dourado-para/ http://pt.wikipedia.org/wiki/Estados_Unidos_da_Am%C3%A9rica

×