Palhaço DoçuraMarília Pinheiro– Tem palhaço na praça?– Tem, sim senhor.– E o palhaço, ele dança?– Dança, sim senhor.– E o ...
Balança a imaginação...Criançada ouriçadaDança à beça na calçadaE o moço caça a moçaAi que beijoca açucarada.E a lembrança...
Seu livro guardouLídia M. de MoraesA BAILARINAEsta meninatão pequeninaquer ser bailarina.Não conhece nem dó nem rémas sabe...
Mas depois esquece todas asdanças,e também quer dormir como asoutras crianças.(Cecília Meireles)A bicharada atrapalhadaNum...
Quem por ali passarVai ficar admiradoDe ver que numa florestaSó tem bicho atrapalhado.A ESTRELA DORMINHOCAUma estrela dorm...
Depois fica amarelada,Levanta, toda assanhada,Dourada estrela sol!(Sylvia Orthof)A minhocaA minhoca sai da tocae se estica...
A PulgaToquinhoUm, dois, três.Quatro, cinco, seis.Com mais um pulinhoEstou na perna do freguês.Um, dois, três.Quatro, cinc...
Gato da ChinaEra uma vez um gato amareloQue se chamava caramelo.Era legal e comia pau.Tinha 5 anosE morava numa casa feita...
(Elias José)As meninasArabela abria a janelaCarolina erguia a cortinaE Maria olhava e sorria: “Bom dia”Arabela foi sempre ...
BOLACHA DE ÁGUA E SALSandra Peres ePaulo TatitGosto quando vou brincar na ruaGosto quando encontro o meu amigoGosto quando...
Se um dia você for lá em casaPra brincar comigo no quintalVamos combinar um piqueniquePra comer muita bolacha ...De água e...
Esse mundo tá que não tem jeitoÉ tanto carro... poluição...Área verde, animais em extinção.O adulto que se acha inteligent...
Um livroParece mudoMas nele a genteDescobre tudoUm livroTem asas longas e levesQue, de repente,Levam a genteLonge, longe.u...
Que parece com a genteNo mundo é tudo forma e corE a vida só nasce do amorPor dentro da gente há uma cançãoNo coração.Cuid...
Tocar berimbau,Jogar capoeiraCoisa e tal.A preta das nevesLinda, cheirosaE toda na moda.Cabelo rastafariSandália no péVest...
No meu planeta Terra, meu planeta TerraNo meu planeta Terra, meu planeta TerraEu quero crescer e poder ver a luz do céuNão...
Você vive no planeta terraNós vivemos no planeta terraPlaneta TerraEu vivo no planeta terraVocê vive no planeta terraNós v...
Planeta TerraEu vivo no planeta terraVocê vive no planeta terraNós vivemos no planeta terraEu vivo no planeta terraVocê vi...
secossem um pingo dágua.quanto ao futuro inseguroserá assim de Norte a Sula Terra nua semelhante à LuaO que será desse pla...
60 minutos? / Tem uma hora24 horas? / Tem um diaE 7 dias? / Tem uma semana30 dias ? / Tem um mês12 meses? / Tem um ano100 ...
24 horas? / Tem um diaE 7 dias? / Tem uma semana30 dias ? / Tem um mês12 meses? / Tem um ano100 anos? / Tem um séculoE 1.0...
O aurélio diz que sou um inseto sugadorMais sinto muito amorPor cabelo de anjoSeja ele qual forCabelo loirinho, encaracola...
valadaresvaladares
A bandaChico Buarque/1966Estava à toa na vidaO meu amor me chamouPra ver a banda passarCantando coisas de amorA minha gent...
Bê-a-báQuando a gentecresce um poucoÉ coisa de louco oque fazem com agenteTem hora pra levantarHora pra se deitarPra visit...
A bandaChico Buarque/1966Estava à toa na vidaO meu amor me chamouPra ver a banda passarCantando coisas de amorA minha gent...
CANOAAlto mar uma canoasozinha navega.Alto mar uma canoasem remo nem vela.Alto mar uma canoacom toda coragem.Alto mar uma ...
(Henriqueta Lisboa)CANOAAlto mar uma canoasozinha navega.Alto mar uma canoasem remo nem vela.Alto mar uma canoacom toda co...
Era uma pulga suiCida.Aqui jaz um morcegoque morreu de amorpor outro morcego.Desse amor arrenego:amor cego, o demorcego!Ne...
OCADERNOSou eu que vou seguirvocêdo primeiro rabiscoaté o bê-a-báem todos os desenhoscoloridos vou estara casa, a montanha...
Não me esqueça numcanto qualquer.
DIREITOS EDEVERESCriançasIguais são seusdeveres e direitosCriançasViver sempreconceito é bemmelhorCriançasA infância nãode...
nem raçaChamem quem nãotem mamãeQue o papai tá lá nocéuE os que dormem lána praçaMeninos e meninasNão olhem religiãonem co...
Ter pernas tortasSer baixinhoOu grandalhãoNão, não é vergonha, nãoTodos sempre têm algumdefeitoNão existe a perfeiçãoErrar...
me leva em belas viagensem terras de formosuraSou cavaleiro e sou heróisou náufrago numa ilhasou caçador que constróipara ...
O meu amigo livroaldome ensina mil aventurasme leva em belas viagensem terras de formosuraSou cavaleiro e sou heróisou náu...
E o sol fica brilhandoCom o calor pra aquecerGira em torno de si mesmaCom o sol centralizadoRotação é o movimentoIluminand...
Ti voglio tanto beneMerci beaucoupI love you tooYo quiero decirAnche io ti voguo beneNão é incrívelO homem brigarPra poder...
Caderno de leitura poesias
Caderno de leitura poesias
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Caderno de leitura poesias

2.272 visualizações

Publicada em

1 comentário
4 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.272
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
1
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Caderno de leitura poesias

  1. 1. Palhaço DoçuraMarília Pinheiro– Tem palhaço na praça?– Tem, sim senhor.– E o palhaço, ele dança?– Dança, sim senhor.– E o palhaço tem força?– Tem, sim senhor.– Mas o palhaço caiu?– Caiu, sim senhor.– Como foi que caiu?– Pisou no laço do meu abraço.Caiu no chão do meu coração.Com açúcar e com maçãFiz um coraçãoE entrei nessa dançaLá na praça.Faço graça de graçaRa - ra - ra - ra - raComeçou a atração:Caçarola na cabeçaDescalçoDe braços abertosPaletó desengonçadoLaço azul dependurado no pescoçoSou palhaço desembara...Sou palhaço desemba...Sou palhaço desem...Sou palhaço de...de...de...Ah! Eu não sou palhaço de aço!Caí no laço...Me dá um abraçoBalança, balançaBalança a cançãoBalança o meu coraçãoBalança, balançaBalança a emoçãoBalança a imaginação...Criançada ouriçadaDança à beça na calçadaE o moço caça a moçaAi que beijoca açucarada.E a lembrança dá lição:– Ei vovó!– Dê cá o braço vovó...Palhaço DoçuraMarília Pinheiro– Tem palhaço na praça?– Tem, sim senhor.– E o palhaço, ele dança?– Dança, sim senhor.– E o palhaço tem força?– Tem, sim senhor.– Mas o palhaço caiu?– Caiu, sim senhor.– Como foi que caiu?– Pisou no laço do meu abraço.Caiu no chão do meu coração.Com açúcar e com maçãFiz um coraçãoE entrei nessa dançaLá na praça.Faço graça de graçaRa - ra - ra - ra - raComeçou a atração:Caçarola na cabeçaDescalçoDe braços abertosPaletó desengonçadoLaço azul dependurado no pescoçoSou palhaço desembara...Sou palhaço desemba...Sou palhaço desem...Sou palhaço de...de...de...Ah! Eu não sou palhaço de aço!Caí no laço...Me dá um abraçoBalança, balançaBalança a cançãoBalança o meu coraçãoBalança, balançaBalança a emoçãoBalança a imaginação...Criançada ouriçadaDança à beça na calçadaE o moço caça a moçaAi que beijoca açucarada.E a lembrança dá lição:– Ei vovó!– Dê cá o braço vovó...Palhaço DoçuraMarília Pinheiro– Tem palhaço na praça?– Tem, sim senhor.– E o palhaço, ele dança?– Dança, sim senhor.– E o palhaço tem força?– Tem, sim senhor.– Mas o palhaço caiu?– Caiu, sim senhor.– Como foi que caiu?– Pisou no laço do meu abraço.Caiu no chão do meu coração.Com açúcar e com maçãFiz um coraçãoE entrei nessa dançaLá na praça.Faço graça de graçaRa - ra - ra - ra - raComeçou a atração:Caçarola na cabeçaDescalçoDe braços abertosPaletó desengonçadoLaço azul dependurado no pescoçoSou palhaço desembara...Sou palhaço desemba...Sou palhaço desem...Sou palhaço de...de...de...Ah! Eu não sou palhaço de aço!Caí no laço...Me dá um abraçoBalança, balançaBalança a cançãoBalança o meu coraçãoBalança, balançaBalança a emoção
  2. 2. Balança a imaginação...Criançada ouriçadaDança à beça na calçadaE o moço caça a moçaAi que beijoca açucarada.E a lembrança dá lição:– Ei vovó!– Dê cá o braço vovó...È tempo de Leitura ?A letra giganteDo livro saltou,Acordou a criançaQue à escola chegou.É tempo de leitura ?A letra indagou.E a criança curiosa,Logo o livro pegou.A linda históriaA criança encantou.Descobriu coisas novasNo livro que ganhou.É tempo de leitura !A criança aprendeu.E a letra giganteSeu nome escreveu.A letra gigantePro livro voltouE assim a criançaSeu livro guardouLídia M. de MoraesÈ tempo de Leitura ?A letra giganteDo livro saltou,Acordou a criançaQue à escola chegou.É tempo de leitura ?A letra indagou.E a criança curiosa,Logo o livro pegou.A linda históriaA criança encantou.Descobriu coisas novasNo livro que ganhou.É tempo de leitura !A criança aprendeu.E a letra giganteSeu nome escreveu.A letra gigantePro livro voltouE assim a criançaSeu livro guardouLídia M. de MoraesÈ tempo de Leitura ?A letra giganteDo livro saltou,Acordou a criançaQue à escola chegou.É tempo de leitura ?A letra indagou.E a criança curiosa,Logo o livro pegou.A linda históriaA criança encantou.Descobriu coisas novasNo livro que ganhou.É tempo de leitura !A criança aprendeu.E a letra giganteSeu nome escreveu.A letra gigantePro livro voltouE assim a criança
  3. 3. Seu livro guardouLídia M. de MoraesA BAILARINAEsta meninatão pequeninaquer ser bailarina.Não conhece nem dó nem rémas sabe ficar na ponta do pé.Não conhece nem mi nem fáMas inclina o corpo para cá e paracá e para lá.Não conhece nem lá nem simas fecha os olhos e sorri.Roda, roda, roda com os bracinhos no are não fica tonta nem sai do lugar.Põe no cabelo uma estrela e um véue diz que caiu do céu.Esta meninatão pequeninaquer ser bailarina.Mas depois esquece todas asdanças,e também quer dormir como asoutras crianças.(Cecília Meireles)A BAILARINAEsta meninatão pequeninaquer ser bailarina.Não conhece nem dó nem rémas sabe ficar na ponta do pé.Não conhece nem mi nem fáMas inclina o corpo para cá e paracá e para lá.Não conhece nem lá nem simas fecha os olhos e sorri.Roda, roda, roda com os bracinhos no are não fica tonta nem sai do lugar.Põe no cabelo uma estrela e um véue diz que caiu do céu.Esta meninatão pequeninaquer ser bailarina.Mas depois esquece todas asdanças,e também quer dormir como asoutras crianças.(Cecília Meireles)A BAILARINAEsta meninatão pequeninaquer ser bailarina.Não conhece nem dó nem rémas sabe ficar na ponta do pé.Não conhece nem mi nem fáMas inclina o corpo para cá e paracá e para lá.Não conhece nem lá nem simas fecha os olhos e sorri.Roda, roda, roda com os bracinhos no are não fica tonta nem sai do lugar.Põe no cabelo uma estrela e um véue diz que caiu do céu.Esta meninatão pequeninaquer ser bailarina.
  4. 4. Mas depois esquece todas asdanças,e também quer dormir como asoutras crianças.(Cecília Meireles)A bicharada atrapalhadaNum lugar muito distanteAtrás do morro molhadoExiste uma florestaOnde tudo é trocado.Os animais são diferentesNunca vi nenhum igualE todos vivem contentesPois acham tudo normal.A zebra é toda pintadaE a girafa listradaO macaco não tem caudaO elefante é bem magro.A onça anda bem devagarO hipopótamo corre sem pararO coelho anda se arrastandoE a tartaruga saltando.Papagaio não sabe falarE o pavão vive a tagarelarOs peixes sabem voarE os passarinhos a nadar.Avestruz não sabe correrA coruja pode morderO pato sabe cacarejarE a cigarra vive a piar.Quem por ali passarVai ficar admiradoDe ver que numa florestaSó tem bicho atrapalhado.A bicharada atrapalhadaNum lugar muito distanteAtrás do morro molhadoExiste uma florestaOnde tudo é trocado.Os animais são diferentesNunca vi nenhum igualE todos vivem contentesPois acham tudo normal.A zebra é toda pintadaE a girafa listradaO macaco não tem caudaO elefante é bem magro.A onça anda bem devagarO hipopótamo corre sem pararO coelho anda se arrastandoE a tartaruga saltando.Papagaio não sabe falarE o pavão vive a tagarelarOs peixes sabem voarE os passarinhos a nadar.Avestruz não sabe correrA coruja pode morderO pato sabe cacarejarE a cigarra vive a piar.Quem por ali passarVai ficar admiradoDe ver que numa florestaSó tem bicho atrapalhado.A bicharada atrapalhadaNum lugar muito distanteAtrás do morro molhadoExiste uma florestaOnde tudo é trocado.Os animais são diferentesNunca vi nenhum igualE todos vivem contentesPois acham tudo normal.A zebra é toda pintadaE a girafa listradaO macaco não tem caudaO elefante é bem magro.A onça anda bem devagarO hipopótamo corre sem pararO coelho anda se arrastandoE a tartaruga saltando.Papagaio não sabe falarE o pavão vive a tagarelarOs peixes sabem voarE os passarinhos a nadar.Avestruz não sabe correrA coruja pode morderO pato sabe cacarejarE a cigarra vive a piar.
  5. 5. Quem por ali passarVai ficar admiradoDe ver que numa florestaSó tem bicho atrapalhado.A ESTRELA DORMINHOCAUma estrela dorminhocaDorme e ronca a noite inteiraQue estrela de doideira,Que estrela preguiçosa!Todas, todas as estrelasDormem só durante o dia.De noite, elas acordam,Sacodem as cabeleirasFeitas só de diamantes.Mas a tal da dormideiraRonca, ronca numa nuvem,Debaixo do seu lençol.Acorda de madrugada,Esfrega os olhos, rosada,Dormiu a noite inteirinha.Depois fica amarelada,Levanta, toda assanhada,Dourada estrela sol!(Sylvia Orthof)A ESTRELA DORMINHOCAUma estrela dorminhocaDorme e ronca a noite inteiraQue estrela de doideira,Que estrela preguiçosa!Todas, todas as estrelasDormem só durante o dia.De noite, elas acordam,Sacodem as cabeleirasFeitas só de diamantes.Mas a tal da dormideiraRonca, ronca numa nuvem,Debaixo do seu lençol.Acorda de madrugada,Esfrega os olhos, rosada,Dormiu a noite inteirinha.Depois fica amarelada,Levanta, toda assanhada,Dourada estrela sol!(Sylvia Orthof)A ESTRELA DORMINHOCAUma estrela dorminhocaDorme e ronca a noite inteiraQue estrela de doideira,Que estrela preguiçosa!Todas, todas as estrelasDormem só durante o dia.De noite, elas acordam,Sacodem as cabeleirasFeitas só de diamantes.Mas a tal da dormideiraRonca, ronca numa nuvem,Debaixo do seu lençol.Acorda de madrugada,Esfrega os olhos, rosada,Dormiu a noite inteirinha.
  6. 6. Depois fica amarelada,Levanta, toda assanhada,Dourada estrela sol!(Sylvia Orthof)A minhocaA minhoca sai da tocae se estica e se enrosca.O pescador quer pegara pobre minhoca.A galinha quer comera saborosa minhoca.O moleque quer espremerpra separar terra e minhoca.A minhoca, que não é tonta,logo se estica e se enrosca.A terra enterra a minhocae ninguém viu a sua toca.Lá de sua toca, toda torta,torce de rir a levada minhoca.Elias JoséA minhocaA minhoca sai da tocae se estica e se enrosca.O pescador quer pegara pobre minhoca.A galinha quer comera saborosa minhoca.O moleque quer espremerpra separar terra e minhoca.A minhoca, que não é tonta,logo se estica e se enrosca.A terra enterra a minhocae ninguém viu a sua toca.Lá de sua toca, toda torta,torce de rir a levada minhoca.Elias JoséSA minhocaA minhoca sai da tocae se estica e se enrosca.O pescador quer pegara pobre minhoca.A galinha quer comera saborosa minhoca.O moleque quer espremerpra separar terra e minhoca.A minhoca, que não é tonta,logo se estica e se enrosca.A terra enterra a minhocae ninguém viu a sua toca.Lá de sua toca, toda torta,torce de rir a levada minhoca.Elias JoséS
  7. 7. A PulgaToquinhoUm, dois, três.Quatro, cinco, seis.Com mais um pulinhoEstou na perna do freguês.Um, dois, três.Quatro, cinco, seis.Com mais uma mordidinhaCoitadinho do freguês.Um, dois, três.Quatro, cinco, seis.Tô de barriguinha cheia,Tchau, good bye, aufwiedersehen.A PulgaToquinhoUm, dois, três.Quatro, cinco, seis.Com mais um pulinhoEstou na perna do freguês.Um, dois, três.Quatro, cinco, seis.Com mais uma mordidinhaCoitadinho do freguês.Um, dois, três.Quatro, cinco, seis.Tô de barriguinha cheia,Tchau, good bye, aufwiedersehen.A PulgaToquinhoUm, dois, três.Quatro, cinco, seis.Com mais um pulinhoEstou na perna do freguês.Um, dois, três.Quatro, cinco, seis.Com mais uma mordidinhaCoitadinho do freguês.Um, dois, três.Quatro, cinco, seis.Tô de barriguinha cheia,Tchau, good bye, aufwiedersehen.
  8. 8. Gato da ChinaEra uma vez um gato amareloQue se chamava caramelo.Era legal e comia pau.Tinha 5 anosE morava numa casa feita decanos.Gostava de brincar com papelE adorava comer pastel.Vivia no céu com seu amigoDaniel.Brincava no computadorE de vez em quando sentiador.Ficava no telhado olhando prolado.Comia no prato,Vendo desenho de gato.Vivia mexendo no lixo,Claro, pois era um bicho!Tomava leite no copoE pra qualquer coisa dizia:“topo!”Era um gato estranho,Pois era fanho!(Elias José)Gato da ChinaEra uma vez um gato amareloQue se chamava caramelo.Era legal e comia pau.Tinha 5 anosE morava numa casa feita decanos.Gostava de brincar com papelE adorava comer pastel.Vivia no céu com seu amigoDaniel.Brincava no computadorE de vez em quando sentiador.Ficava no telhado olhando prolado.Comia no prato,Vendo desenho de gato.Vivia mexendo no lixo,Claro, pois era um bicho!Tomava leite no copoE pra qualquer coisa dizia:“topo!”Era um gato estranho,Pois era fanho!(Elias José)Gato da ChinaEra uma vez um gato amareloQue se chamava caramelo.Era legal e comia pau.Tinha 5 anosE morava numa casa feita decanos.Gostava de brincar com papelE adorava comer pastel.Vivia no céu com seu amigoDaniel.Brincava no computadorE de vez em quando sentiador.Ficava no telhado olhando prolado.Comia no prato,Vendo desenho de gato.Vivia mexendo no lixo,Claro, pois era um bicho!Tomava leite no copoE pra qualquer coisa dizia:“topo!”Era um gato estranho,Pois era fanho!
  9. 9. (Elias José)As meninasArabela abria a janelaCarolina erguia a cortinaE Maria olhava e sorria: “Bom dia”Arabela foi sempre a mais belaCarolina, a mais sábia meninaE Maria apenas sorria: "Bom dia!”Pensaremos em cada meninaque vivia naquela janelauma que se chamava Arabelaoutra que se chamou Carolina”Mas nossa profunda saudadeÉ Maria, Maria, Mariaque dizia com voz de amizade:"Bom dia!"Cecília MeirellesAs meninasArabela abria a janelaCarolina erguia a cortinaE Maria olhava e sorria: “Bom dia”Arabela foi sempre a mais belaCarolina, a mais sábia meninaE Maria apenas sorria: "Bom dia!”Pensaremos em cada meninaque vivia naquela janelauma que se chamava Arabelaoutra que se chamou Carolina”Mas nossa profunda saudadeÉ Maria, Maria, Mariaque dizia com voz de amizade:"Bom dia!"Cecília MeirellesAs meninasArabela abria a janelaCarolina erguia a cortinaE Maria olhava e sorria: “Bom dia”Arabela foi sempre a mais belaCarolina, a mais sábia meninaE Maria apenas sorria: "Bom dia!”Pensaremos em cada meninaque vivia naquela janelauma que se chamava Arabelaoutra que se chamou Carolina”Mas nossa profunda saudadeÉ Maria, Maria, Mariaque dizia com voz de amizade:"Bom dia!"Cecília Meirelles
  10. 10. BOLACHA DE ÁGUA E SALSandra Peres ePaulo TatitGosto quando vou brincar na ruaGosto quando encontro o meu amigoGosto quando a mãe do meu amigoMe oferece uma bolacha de água e salGosto de bolacha sem açúcarGosto de bolacha sem recheioGosto de bolacha sem perfumeGosto do que é normalUma bolacha de água e salÉ uma coisa naturalÉ barata e não faz malDe qualquer marca, é tudo igualQuando a gente tá meio enjoadoQuando a gente está passando malQuando a gente fica aperreadoBolacha de água e salQuando a minha avó era criançaQuando a vida era sempre igualLá na roça acordavam cedoPra comer bolacha de água e salQuando meu avô era criançaVeio num navio de PortugalA viagem ficou na lembrançaSó comiam bolacha de água e salO meu gosto é radicalGosto do que é fundamentalFarinha, fermento, água e salSimplicidade no trivialSe um dia você for lá em casaPra brincar comigo no quintalVamos combinar um piqueniquePra comer muita bolacha ...De água e salBOLACHA DE ÁGUA E SALSandra Peres ePaulo TatitGosto quando vou brincar na ruaGosto quando encontro o meu amigoGosto quando a mãe do meu amigoMe oferece uma bolacha de água e salGosto de bolacha sem açúcarGosto de bolacha sem recheioGosto de bolacha sem perfumeGosto do que é normalUma bolacha de água e salÉ uma coisa naturalÉ barata e não faz malDe qualquer marca, é tudo igualQuando a gente tá meio enjoadoQuando a gente está passando malQuando a gente fica aperreadoBolacha de água e salQuando a minha avó era criançaQuando a vida era sempre igualLá na roça acordavam cedoPra comer bolacha de água e salQuando meu avô era criançaVeio num navio de PortugalA viagem ficou na lembrançaSó comiam bolacha de água e salO meu gosto é radicalGosto do que é fundamentalFarinha, fermento, água e salSimplicidade no trivialSe um dia você for lá em casaPra brincar comigo no quintalVamos combinar um piqueniquePra comer muita bolacha ...De água e salBOLACHA DE ÁGUA E SALSandra Peres ePaulo TatitGosto quando vou brincar na ruaGosto quando encontro o meu amigoGosto quando a mãe do meu amigoMe oferece uma bolacha de água e salGosto de bolacha sem açúcarGosto de bolacha sem recheioGosto de bolacha sem perfumeGosto do que é normalUma bolacha de água e salÉ uma coisa naturalÉ barata e não faz malDe qualquer marca, é tudo igualQuando a gente tá meio enjoadoQuando a gente está passando malQuando a gente fica aperreadoBolacha de água e salQuando a minha avó era criançaQuando a vida era sempre igualLá na roça acordavam cedoPra comer bolacha de água e salQuando meu avô era criançaVeio num navio de PortugalA viagem ficou na lembrançaSó comiam bolacha de água e salO meu gosto é radicalGosto do que é fundamentalFarinha, fermento, água e salSimplicidade no trivial
  11. 11. Se um dia você for lá em casaPra brincar comigo no quintalVamos combinar um piqueniquePra comer muita bolacha ...De água e salPelos meus direitosSou criança e tenho meus direitosEsse mundo tá que não tem jeitoÉ tanto carro... poluição...Área verde, animais em extinção.O adulto que se acha inteligenteFaz do mundo um mundo tãodoenteNós vamos reclamar...até gritar...Pois desse jeito não dá, não dá,não dáNós só pedimos (de coração)Um mundo novo (um mundo bom)Menos dinheiro (exploração)Mais amor (carinho e atenção)Ô seu adulto, nossa esperançaÉ um mundo novo como herançaOnde se canta, onde se dançaMundo feliz... mundo criança!Pelos meus direitosSou criança e tenho meus direitosEsse mundo tá que não tem jeitoÉ tanto carro... poluição...Área verde, animais em extinção.O adulto que se acha inteligenteFaz do mundo um mundo tãodoenteNós vamos reclamar...até gritar...Pois desse jeito não dá, não dá,não dáNós só pedimos (de coração)Um mundo novo (um mundo bom)Menos dinheiro (exploração)Mais amor (carinho e atenção)Ô seu adulto, nossa esperançaÉ um mundo novo como herançaOnde se canta, onde se dançaMundo feliz... mundo criança!Pelos meus direitosSou criança e tenho meus direitos
  12. 12. Esse mundo tá que não tem jeitoÉ tanto carro... poluição...Área verde, animais em extinção.O adulto que se acha inteligenteFaz do mundo um mundo tãodoenteNós vamos reclamar...até gritar...Pois desse jeito não dá, não dá,não dáNós só pedimos (de coração)Um mundo novo (um mundo bom)Menos dinheiro (exploração)Mais amor (carinho e atenção)Ô seu adulto, nossa esperançaÉ um mundo novo como herançaOnde se canta, onde se dançaMundo feliz... mundo criança!CAIXA MÁGICA DE SURPRESA.Um livroÉ uma beleza,É caixa mágicaSó de surpresa.Um livroParece mudoMas nele a genteDescobre tudoUm livroTem asas longas e levesQue, de repente,Levam a genteLonge, longe.um livroÉ parque de diversõesCheiao de sonhos coloridos,Cheio de doces sortidos,Cheio de luzes e balões.Um livroÉ uma florestaCom folhas e floresE bichos e cores.É mesmo uma festa,Um baú de feiticeiro,Um navio pirata no mar,Um foguete perdido no ar,É amigo e companheiro.CAIXA MÁGICA DE SURPRESA.Um livroÉ uma beleza,É caixa mágicaSó de surpresa.
  13. 13. Um livroParece mudoMas nele a genteDescobre tudoUm livroTem asas longas e levesQue, de repente,Levam a genteLonge, longe.um livroÉ parque de diversõesCheiao de sonhos coloridos,Cheio de doces sortidos,Cheio de luzes e balões.Um livroÉ uma florestaCom folhas e floresE bichos e cores.É mesmo uma festa,Um baú de feiticeiro,Um navio pirata no mar,Um foguete perdido no ar,É amigo e companheiro.CAIXA MÁGICA DE SURPRESA.Um livroÉ uma beleza,É caixa mágicaSó de surpresa.Um livroParece mudoMas nele a genteDescobre tudoUm livroTem asas longas e levesQue, de repente,Levam a genteLonge, longe.um livroÉ parque de diversõesCheiao de sonhos coloridos,Cheio de doces sortidos,Cheio de luzes e balões.Um livroÉ uma florestaCom folhas e floresE bichos e cores.É mesmo uma festa,Um baú de feiticeiro,Um navio pirata no mar,Um foguete perdido no ar,É amigo e companheiro.TUDO É VIDAQuando a gente vê o marQuer ser peixe pra nadarQuando a gente vê o céuQuer ser ave pra voarQuando a gente vê uma florSonha que é beija-florTudo é lindo, tudo é vidaSomos todos parentes.Pipoca é milho, trigo é pãoCada bichinho é nosso irmãoTem sempre um jeito de olhar
  14. 14. Que parece com a genteNo mundo é tudo forma e corE a vida só nasce do amorPor dentro da gente há uma cançãoNo coração.Cuide bem da naturezaEla é parte de vocêCuide bem da naturezaQue ela cuida de vocêTUDO É VIDAQuando a gente vê o marQuer ser peixe pra nadarQuando a gente vê o céuQuer ser ave pra voarQuando a gente vê uma florSonha que é beija-florTudo é lindo, tudo é vidaSomos todos parentes.Pipoca é milho, trigo é pãoCada bichinho é nosso irmãoTem sempre um jeito de olharQue parece com a genteNo mundo é tudo forma e corE a vida só nasce do amorPor dentro da gente há uma cançãoNo coração.Cuide bem da naturezaEla é parte de vocêCuide bem da naturezaQue ela cuida de vocêTUDO É VIDAQuando a gente vê o marQuer ser peixe pra nadarQuando a gente vê o céuQuer ser ave pra voarQuando a gente vê uma florSonha que é beija-florTudo é lindo, tudo é vidaSomos todos parentes.Pipoca é milho, trigo é pãoCada bichinho é nosso irmãoTem sempre um jeito de olharQue parece com a genteNo mundo é tudo forma e corE a vida só nasce do amorPor dentro da gente há uma cançãoNo coração.Cuide bem da naturezaEla é parte de vocêCuide bem da naturezaQue ela cuida de vocêPRETA DAS NEVESMinha gente, vou dizer:Encontrei lá na florestaUma linda preta das nevesBrincando e fazendo festaTocava com seus anõesViolão, atabaque e cavaquinho...Rodava feito piãoDe farra com os passarinhosA preta das nevesSabia cantar,
  15. 15. Tocar berimbau,Jogar capoeiraCoisa e tal.A preta das nevesLinda, cheirosaE toda na moda.Cabelo rastafariSandália no péVestido branco de rendaAcredite se quiser,Ela tem orgulho de serO que é ....Uma negra com samba no pé!!!PRETA DAS NEVESMinha gente, vou dizer:Encontrei lá na florestaUma linda preta das nevesBrincando e fazendo festaTocava com seus anõesViolão, atabaque e cavaquinho...Rodava feito piãoDe farra com os passarinhosA preta das nevesSabia cantar,Tocar berimbau,Jogar capoeiraCoisa e tal.A preta das nevesLinda, cheirosaE toda na moda.Cabelo rastafariSandália no péVestido branco de rendaAcredite se quiser,Ela tem orgulho de serO que é ....Uma negra com samba no pé!!!PRETA DAS NEVESMinha gente, vou dizer:Encontrei lá na florestaUma linda preta das nevesBrincando e fazendo festaTocava com seus anõesViolão, atabaque e cavaquinho...Rodava feito piãoDe farra com os passarinhosA preta das nevesSabia cantar,Tocar berimbau,Jogar capoeiraCoisa e tal.A preta das nevesLinda, cheirosaE toda na moda.Cabelo rastafariSandália no péVestido branco de rendaAcredite se quiser,Ela tem orgulho de serO que é ....Uma negra com samba no pé!!!Planeta TerraNo meu planeta Terra, meu planeta TerraNo meu planeta Terra, meu planeta TerraAbram os olhos, veja quanta indiferençaNosso planeta sofre com a inconseqüênciaPrecisamos mudar desse jeito não dáEu quero respirar
  16. 16. No meu planeta Terra, meu planeta TerraNo meu planeta Terra, meu planeta TerraEu quero crescer e poder ver a luz do céuNão quero ver florestas e riosRefletidos num papelEu quero acordar e ver ainda os passarinhosCantando tão lindo numa naturezaQue sofre sorrindo...No meu planeta Terra, meu planeta TerraNo meu Planeta Terra, meu planeta TerraEu quero crescer e poder ver a luz do céuPlaneta TerraNo meu planeta Terra, meu planeta TerraNo meu planeta Terra, meu planeta TerraAbram os olhos, veja quanta indiferençaNosso planeta sofre com a inconseqüênciaPrecisamos mudar desse jeito não dáEu quero respirarNo meu planeta Terra, meu planeta TerraNo meu planeta Terra, meu planeta TerraEu quero crescer e poder ver a luz do céuNão quero ver florestas e riosRefletidos num papelEu quero acordar e ver ainda os passarinhosCantando tão lindo numa naturezaQue sofre sorrindo...No meu planeta Terra, meu planeta TerraNo meu Planeta Terra, meu planeta TerraEu quero crescer e poder ver a luz do céuPlaneta TerraNo meu planeta Terra, meu planeta TerraNo meu planeta Terra, meu planeta TerraAbram os olhos, veja quanta indiferençaNosso planeta sofre com a inconseqüênciaPrecisamos mudar desse jeito não dáEu quero respirarNo meu planeta Terra, meu planeta TerraNo meu planeta Terra, meu planeta TerraEu quero crescer e poder ver a luz do céuNão quero ver florestas e riosRefletidos num papelEu quero acordar e ver ainda os passarinhosCantando tão lindo numa naturezaQue sofre sorrindo...No meu planeta Terra, meu planeta TerraNo meu Planeta Terra, meu planeta TerraEu quero crescer e poder ver a luz do céuPlaneta TerraEu vivo no planeta terraVocê vive no planeta terraNós vivemos no planeta terraEu vivo no planeta terra
  17. 17. Você vive no planeta terraNós vivemos no planeta terraPlaneta TerraEu vivo no planeta terraVocê vive no planeta terraNós vivemos no planeta terraEu vivo no planeta terraVocê vive no planeta terraNós vivemos no planeta terraTurma da MônicaPlaneta TerraEu vivo no planeta terraVocê vive no planeta terraNós vivemos no planeta terraEu vivo no planeta terraVocê vive no planeta terraNós vivemos no planeta terraPlaneta TerraEu vivo no planeta terraVocê vive no planeta terraNós vivemos no planeta terraEu vivo no planeta terraVocê vive no planeta terraNós vivemos no planeta terraTurma da MônicaPlaneta TerraEu vivo no planeta terraVocê vive no planeta terraNós vivemos no planeta terraEu vivo no planeta terraVocê vive no planeta terraNós vivemos no planeta terra
  18. 18. Planeta TerraEu vivo no planeta terraVocê vive no planeta terraNós vivemos no planeta terraEu vivo no planeta terraVocê vive no planeta terraNós vivemos no planeta terraTurma da MônicaPlaneta AzulA vida e a natureza sempre à mercê dapoluiçãose invertem as estações do anofaz calor no inverno e frio no verãoos peixes morrendo nos riosestão se extinguindo espécies animaise tudo que se planta, colheo tempo retribui o mal que a gente fazOnde a chuva caía quase todo diajá não chove nadao sol abrasador rachando o leito dos riossecossem um pingo dágua.quanto ao futuro inseguroserá assim de Norte a Sula Terra nua semelhante à LuaO que será desse planeta azul?O que será desse planeta azul?o rio que desse as encostas já quase semvidaparece que chora um triste lamento daságuasao ver devastada , a fauna e a floraé tempo de pensar no verderegar a semente que ainda não nasceudeixar em paz a Amazônia, preservar avidaestar de bem com Deus.Chitãozinho e XororóPlaneta AzulA vida e a natureza sempre à mercê dapoluiçãose invertem as estações do anofaz calor no inverno e frio no verãoos peixes morrendo nos riosestão se extinguindo espécies animaise tudo que se planta, colheo tempo retribui o mal que a gente fazOnde a chuva caía quase todo diajá não chove nadao sol abrasador rachando o leito dos rios
  19. 19. secossem um pingo dágua.quanto ao futuro inseguroserá assim de Norte a Sula Terra nua semelhante à LuaO que será desse planeta azul?O que será desse planeta azul?o rio que desse as encostas já quase semvidaparece que chora um triste lamento daságuasao ver devastada , a fauna e a floraé tempo de pensar no verderegar a semente que ainda não nasceudeixar em paz a Amazônia, preservar avidaestar de bem com Deus.Chitãozinho e XororóPlaneta AzulA vida e a natureza sempre à mercê dapoluiçãose invertem as estações do anofaz calor no inverno e frio no verãoos peixes morrendo nos riosestão se extinguindo espécies animaise tudo que se planta, colheo tempo retribui o mal que a gente fazOnde a chuva caía quase todo diajá não chove nadao sol abrasador rachando o leito dos riossecossem um pingo dágua.quanto ao futuro inseguroserá assim de Norte a Sula Terra nua semelhante à LuaO que será desse planeta azul?O que será desse planeta azul?o rio que desse as encostas já quase semvidaparece que chora um triste lamento daságuasao ver devastada , a fauna e a floraé tempo de pensar no verderegar a semente que ainda não nasceudeixar em paz a Amazônia, preservar avidaestar de bem com Deus.Chitãozinho e XororóO TEMPOO tempo passa/ E o tic, tac do relógioMarcando o tempo/ Tic, tac sem pararPassando o tempo/ Passa tudo, passa jáÉ hora de estudar/ É hora de trabalhar60 segundos? / Tem um minuto
  20. 20. 60 minutos? / Tem uma hora24 horas? / Tem um diaE 7 dias? / Tem uma semana30 dias ? / Tem um mês12 meses? / Tem um ano100 anos? / Tem um séculoE 1.000 anos? / Tem um milênioJoão CollaresO TEMPOO tempo passa/ E o tic, tac do relógioMarcando o tempo/ Tic, tac sem pararPassando o tempo/ Passa tudo, passa jáÉ hora de estudar/ É hora de trabalhar60 segundos? / Tem um minuto60 minutos? / Tem uma hora24 horas? / Tem um diaE 7 dias? / Tem uma semana30 dias ? / Tem um mês12 meses? / Tem um ano100 anos? / Tem um séculoE 1.000 anos? / Tem um milênioJoão CollaresO TEMPOO tempo passa/ E o tic, tac do relógioMarcando o tempo/ Tic, tac sem pararPassando o tempo/ Passa tudo, passa jáÉ hora de estudar/ É hora de trabalhar60 segundos? / Tem um minuto60 minutos? / Tem uma hora
  21. 21. 24 horas? / Tem um diaE 7 dias? / Tem uma semana30 dias ? / Tem um mês12 meses? / Tem um ano100 anos? / Tem um séculoE 1.000 anos? / Tem um milênioJoão CollaresOPiolhoEu tenho os pés na sua cabeçaEu quero que você não me esqueçaNunca mais (refrão)O aurélio diz que sou um inseto sugadorMais sinto muito amorPor cabelo de anjoSeja ele qual forCabelo loirinho, encaracoladinhoMas também pode ser muito lisinho...Moreno comprido escorridoE também pode ser, muito curto ecrespinho,Pode ruivo, castanho, bem duro,Qualquer tipo de cabelo me satisfaz(refrão)Sou muito insistente,Sou conquistador.Pois fico resistente aos venenos com que,você me viciou...Shampu, sabonete, vinagre, perfume,creme, neocid, tudo eu acho normal.Pela homeopatia tenho até simpatiaPorque ela é muito mais naturalSó tem duas coisas que vão me matandoÉ passar pente fino e mão me catando(refrão)Quando eu dou criançaO meu nome é lêndiaMais a minha infânciaDura pouco demais...Logo, logo eu cresço,Pra infernizar tudo,E faço minha casaNo teu coro cabeludo.Não escolho cabeça nem classe social,Pra mim rico ou podre,É tudo igual!(Bia Decran)OPiolhoEu tenho os pés na sua cabeçaEu quero que você não me esqueçaNunca mais (refrão)O aurélio diz que sou um inseto sugadorMais sinto muito amorPor cabelo de anjoSeja ele qual forCabelo loirinho, encaracoladinhoMas também pode ser muito lisinho...Moreno comprido escorridoE também pode ser, muito curto ecrespinho,Pode ruivo, castanho, bem duro,Qualquer tipo de cabelo me satisfaz(refrão)Sou muito insistente,Sou conquistador.Pois fico resistente aos venenos com que,você me viciou...Shampu, sabonete, vinagre, perfume,creme, neocid, tudo eu acho normal.Pela homeopatia tenho até simpatiaPorque ela é muito mais naturalSó tem duas coisas que vão me matandoÉ passar pente fino e mão me catando(refrão)Quando eu dou criançaO meu nome é lêndiaMais a minha infânciaDura pouco demais...Logo, logo eu cresço,Pra infernizar tudo,E faço minha casaNo teu coro cabeludo.Não escolho cabeça nem classe social,Pra mim rico ou podre,É tudo igual!(Bia Decran)OPiolhoEu tenho os pés na sua cabeçaEu quero que você não me esqueçaNunca mais (refrão)
  22. 22. O aurélio diz que sou um inseto sugadorMais sinto muito amorPor cabelo de anjoSeja ele qual forCabelo loirinho, encaracoladinhoMas também pode ser muito lisinho...Moreno comprido escorridoE também pode ser, muito curto ecrespinho,Pode ruivo, castanho, bem duro,Qualquer tipo de cabelo me satisfaz(refrão)Sou muito insistente,Sou conquistador.Pois fico resistente aos venenos com que,você me viciou...Shampu, sabonete, vinagre, perfume,creme, neocid, tudo eu acho normal.Pela homeopatia tenho até simpatiaPorque ela é muito mais naturalSó tem duas coisas que vão me matandoÉ passar pente fino e mão me catando(refrão)Quando eu dou criançaO meu nome é lêndiaMais a minha infânciaDura pouco demais...Logo, logo eu cresço,Pra infernizar tudo,E faço minha casaNo teu coro cabeludo.Não escolho cabeça nem classe social,Pra mim rico ou podre,É tudo igual!(Bia Decran)LaLaNvaladare
  23. 23. valadaresvaladares
  24. 24. A bandaChico Buarque/1966Estava à toa na vidaO meu amor me chamouPra ver a banda passarCantando coisas de amorA minha gente sofridaDespediu-se da dorPra ver a banda passarCantando coisas de amorO homem sério que contava dinheiro parouO faroleiro que contava vantagem parouA namorada que contava as estrelas parouPara ver, ouvir e dar passagemA moça triste que vivia calada sorriuA rosa triste que vivia fechada se abriuE a meninada toda se assanhouPra ver a banda passarCantando coisas de amorO velho fraco se esqueceu do cansaço epensouQue ainda era moço pra sair no terraço edançouA moça feia debruçou na janelaPensando que a banda tocava pra elaA marcha alegre se espalhou na avenida einsistiuA lua cheia que vivia escondida surgiuMinha cidade toda se enfeitouPra ver a banda passar cantando coisas deamorMas para meu desencantoO que era doce acabouTudo tomou seu lugarDepois que a banda passouE cada qual no seu cantoEm cada canto uma dorDepois da banda passarCantando coisas de amorA bandaChico Buarque/1966Estava à toa na vidaO meu amor me chamouPra ver a banda passarCantando coisas de amorA minha gente sofridaDespediu-se da dorPra ver a banda passarCantando coisas de amorO homem sério que contava dinheiro parouO faroleiro que contava vantagem parouA namorada que contava as estrelas parouPara ver, ouvir e dar passagemA moça triste que vivia calada sorriuA rosa triste que vivia fechada se abriuE a meninada toda se assanhouPra ver a banda passarCantando coisas de amorO velho fraco se esqueceu do cansaço epensouQue ainda era moço pra sair no terraço edançouA moça feia debruçou na janelaPensando que a banda tocava pra elaA marcha alegre se espalhou na avenida einsistiuA lua cheia que vivia escondida surgiuMinha cidade toda se enfeitouPra ver a banda passar cantando coisas deamorMas para meu desencantoO que era doce acabouTudo tomou seu lugarDepois que a banda passouE cada qual no seu cantoEm cada canto uma dorDepois da banda passarCantando coisas de amor
  25. 25. Bê-a-báQuando a gentecresce um poucoÉ coisa de louco oque fazem com agenteTem hora pra levantarHora pra se deitarPra visitar parenteQuando se aprende afalarSe começa a estudarIsso não acaba nuncaE só vai saber ler, sóvai saber escreverquem aprender o bê-a-báE além do abecedárioUm grande dicionáriovamos todos precisarCom "A" escrevoamorCom "B", bola de corCom "C" eu tenhocorpo, cara ecoraçãoCom "D", ao meudispor, escrevo dadoe dorCom "E" eu sintoemoçãoCom "F" falo florCom "G" eu grito golE com "H" de havereu posso harmonizarCom "I" desejo irCom "J" volto jáCom "L eu tenho luarCom "M" escrevomão, mamãe,manjericãoCom "N" digo não eo verbo nascerCom "O" eu possoolharCom "P", papai e páCom "Q" eu queroquererCom "R" posso rirCom "S", sapotiCom "T", tamanduáCom "U",UrubupungáCom "V" juro que viCom "X" faço xixiNo fim o "Z" da zebraToquinho,Be-a-báQuando a gentecresce um poucoÉ coisa de louco oque fazem com agenteTem hora pra levantarHora pra se deitarPra visitar parenteQuando se aprende afalarSe começa a estudarIsso não acaba nuncaE só vai saber ler, sóvai saber escreverquem aprender o bê-a-báE além do abecedárioUm grande dicionáriovamos todos precisarCom "A" escrevoamorCom "B", bola de corCom "C" eu tenhocorpo, cara ecoraçãoCom "D", ao meudispor, escrevo dadoe dorCom "E" eu sintoemoçãoCom "F" falo florCom "G" eu grito golE com "H" de havereu posso harmonizarCom "I" desejo irCom "J" volto jáCom "L eu tenho luarCom "M" escrevomão, mamãe,manjericãoCom "N" digo não eo verbo nascerCom "O" eu possoolharCom "P", papai e páCom "Q" eu queroquererCom "R" posso rirCom "S", sapotiCom "T", tamanduáCom "U",UrubupungáCom "V" juro que viCom "X" faço xixiNo fim o "Z" da zebraToquinho,
  26. 26. A bandaChico Buarque/1966Estava à toa na vidaO meu amor me chamouPra ver a banda passarCantando coisas de amorA minha gente sofridaDespediu-se da dorPra ver a banda passarCantando coisas de amorO homem sério quecontava dinheiro parouO faroleiro que contavavantagem parouA namorada que contavaas estrelas parouPara ver, ouvir e darpassagemA moça triste que viviacalada sorriuA rosa triste que viviafechada se abriuE a meninada toda seassanhouPra ver a banda passarCantando coisas de amorO velho fraco se esqueceudo cansaço e pensouQue ainda era moço prasair no terraço e dançouA moça feia debruçou najanelaPensando que a bandatocava pra elaA marcha alegre seespalhou na avenida einsistiuA lua cheia que viviaescondida surgiuMinha cidade toda seenfeitouPra ver a banda passarcantando coisas de amorMas para meu desencantoO que era doce acabouTudo tomou seu lugarDepois que a bandapassouE cada qual no seu cantoEm cada canto uma dorDepois da banda passarCantando coisas de amorA bandaChico Buarque/1966Estava à toa na vidaO meu amor me chamouPra ver a banda passarCantando coisas de amorA minha gente sofridaDespediu-se da dorPra ver a banda passarCantando coisas de amorO homem sério quecontava dinheiro parouO faroleiro que contavavantagem parouA namorada que contavaas estrelas parouPara ver, ouvir e darpassagemA moça triste que viviacalada sorriuA rosa triste que viviafechada se abriuE a meninada toda seassanhouPra ver a banda passarCantando coisas de amorO velho fraco se esqueceudo cansaço e pensouQue ainda era moço prasair no terraço e dançouA moça feia debruçou najanelaPensando que a bandatocava pra elaA marcha alegre seespalhou na avenida einsistiuA lua cheia que viviaescondida surgiuMinha cidade toda seenfeitouPra ver a banda passarcantando coisas de amorMas para meu desencantoO que era doce acabouTudo tomou seu lugarDepois que a bandapassouE cada qual no seu cantoEm cada canto uma dorDepois da banda passarCantando coisas de amor
  27. 27. CANOAAlto mar uma canoasozinha navega.Alto mar uma canoasem remo nem vela.Alto mar uma canoacom toda coragem.Alto mar uma canoana primeira viagem.Alto mar uma canoaprocurando estrela.Alto mar uma canoanão sabe o que aespera.(Henriqueta Lisboa)CANOAAlto mar uma canoasozinha navega.Alto mar uma canoasem remo nem vela.Alto mar uma canoacom toda coragem.Alto mar uma canoana primeira viagem.Alto mar uma canoaprocurando estrela.Alto mar uma canoanão sabe o que aespera.(Henriqueta Lisboa)CANOAAlto mar uma canoasozinha navega.Alto mar uma canoasem remo nem vela.Alto mar uma canoacom toda coragem.Alto mar uma canoana primeira viagem.Alto mar uma canoaprocurando estrela.Alto mar uma canoanão sabe o que aespera.
  28. 28. (Henriqueta Lisboa)CANOAAlto mar uma canoasozinha navega.Alto mar uma canoasem remo nem vela.Alto mar uma canoacom toda coragem.Alto mar uma canoana primeira viagem.Alto mar uma canoaprocurando estrela.Alto mar uma canoanão sabe o que aespera.(Henriqueta Lisboa)CemitérioCemitérioAqui jaz um leãochamado Augusto.Deu um urro tão forte,mas um urro tão forte,que morreu de susto.Aqui jaz uma pulgachamada Cida.Desgostosa da vida,tomou inseticida:Era uma pulga suiCida.Aqui jaz um morcegoque morreu de amorpor outro morcego.Desse amor arrenego:amor cego, o demorcego!Neste túmulo vaziojaz um bicho semnome.Bicho mais impróprio!tinha tanta fome,que comeu-se a sipróprio.José Paulo PaesCemitérioAqui jaz um leãochamado Augusto.Deu um urro tão forte,mas um urro tão forte,que morreu de susto.Aqui jaz uma pulgachamada Cida.Desgostosa da vida,tomou inseticida:
  29. 29. Era uma pulga suiCida.Aqui jaz um morcegoque morreu de amorpor outro morcego.Desse amor arrenego:amor cego, o demorcego!Neste túmulo vaziojaz um bicho semnome.Bicho mais impróprio!tinha tanta fome,que comeu-se a sipróprio.José Paulo PaesCemitérioAqui jaz um leãochamado Augusto.Deu um urro tão forte,mas um urro tão forte,que morreu de susto.Aqui jaz uma pulgachamada Cida.Desgostosa da vida,tomou inseticida:Era uma pulga suiCida.Aqui jaz um morcegoque morreu de amorpor outro morcego.Desse amor arrenego:amor cego, o demorcego!Neste túmulo vaziojaz um bicho semnome.Bicho mais impróprio!tinha tanta fome,que comeu-se a sipróprio.José Paulo PaesCemitérioAqui jaz um leãochamado Augusto.Deu um urro tão forte,mas um urro tão forte,que morreu de susto.Aqui jaz uma pulgachamada Cida.Desgostosa da vida,tomou inseticida:Era uma pulga suiCida.Aqui jaz um morcegoque morreu de amorpor outro morcego.Desse amor arrenego:amor cego, o demorcego!Neste túmulo vaziojaz um bicho semnome.Bicho mais impróprio!tinha tanta fome,que comeu-se a sipróprio.José Paulo Paes
  30. 30. OCADERNOSou eu que vou seguirvocêdo primeiro rabiscoaté o bê-a-báem todos os desenhoscoloridos vou estara casa, a montanha, duasnuvens no céue um sol a sorrir no papelSou eu que vou ser seucolega,seus problemas ajudar aresolverte acompanhar nas provasbimestrais, você vai verSerei de você confidentefiel,se seu pranto molhar meupapel.Sou eu que vou ser seuamigo,Vou lhe dar abrigo, sevocê quiserQuando surgirem seusprimeiros raios de mulherA vida se abrirá num ferozcarrosselE você vai rasgar meupapel.O que está escrito em mimcomigoFicará guardado, se lhe dáprazerA vida segue sempre, oque se há de fazerSó peço a você um favor,se puderNão me esqueça numcanto qualquer.OCADERNOSou eu que vou seguirvocêdo primeiro rabiscoaté o bê-a-báem todos os desenhoscoloridos vou estara casa, a montanha, duasnuvens no céue um sol a sorrir no papelSou eu que vou ser seucolega,seus problemas ajudar aresolverte acompanhar nas provasbimestrais, você vai verSerei de você confidentefiel,se seu pranto molhar meupapel.Sou eu que vou ser seuamigo,Vou lhe dar abrigo, sevocê quiserQuando surgirem seusprimeiros raios de mulherA vida se abrirá num ferozcarrosselE você vai rasgar meupapel.O que está escrito em mimcomigoFicará guardado, se lhe dáprazerA vida segue sempre, oque se há de fazerSó peço a você um favor,se puderTOQUINHOTOQUINHO
  31. 31. Não me esqueça numcanto qualquer.
  32. 32. DIREITOS EDEVERESCriançasIguais são seusdeveres e direitosCriançasViver sempreconceito é bemmelhorCriançasA infância nãodemora, logo, logovai passarVamos todos juntosbrincarMeninos e meninasNão olhem religião,nem raçaChamem quem nãotem mamãeQue o papai tá lá nocéuE os que dormem lána praçaMeninos e meninasNão olhem religiãonem corChamem os filhos dobombeiroOs dois gêmeos dopadeiroE a filhinha do doutorMeninos e meninasO futuro ninguémadivinhaChamem quem nãotem ninguémPois criança étambémO meninotrombadinhaMeninos e meninasNão olhem cor nemreligiãoBons amigos valemouroAmizade é umtesouroGuardado no coraçãoDIREITOS EDEVERESCriançasIguais são seusdeveres e direitosCriançasViver sempreconceito é bemmelhorCriançasA infância nãodemora, logo, logovai passarVamos todos juntosbrincarMeninos e meninasNão olhem religião,
  33. 33. nem raçaChamem quem nãotem mamãeQue o papai tá lá nocéuE os que dormem lána praçaMeninos e meninasNão olhem religiãonem corChamem os filhos dobombeiroOs dois gêmeos dopadeiroE a filhinha do doutorMeninos e meninasO futuro ninguémadivinhaChamem quem nãotem ninguémPois criança étambémO meninotrombadinhaMeninos e meninasNão olhem cor nemreligiãoBons amigos valemouroAmizade é umtesouroGuardado no coraçãoErrar é humanoNão, não é vergonha, nãoVocê não ser o melhor daescolaO bom de skateO bom de bolaOu de nataçãoNão, não é vergonha, nãoAprender a andar debicicletaSe escorando em outra mãoNão, não é vergonha, nãoVocê não saber a tabuadaPegar uma ondaContar piadaRodar piãoNão, não é vergonha, nãoPrecisar de alguém queajudeA fazer sua liçãoA vida irá, você vai verAos poucos te ensinandoQue o certo é você aprenderErrando, errando, errando,errandoNão, não é vergonha, nãoVocê ser da turma o maisgordinho
  34. 34. Ter pernas tortasSer baixinhoOu grandalhãoNão, não é vergonha, nãoTodos sempre têm algumdefeitoNão existe a perfeiçãoErrar é humanoNão, não é vergonha, nãoVocê não ser o melhor daescolaO bom de skateO bom de bolaOu de nataçãoNão, não é vergonha, nãoAprender a andar debicicletaSe escorando em outra mãoNão, não é vergonha, nãoVocê não saber a tabuadaPegar uma ondaContar piadaRodar piãoNão, não é vergonha, nãoPrecisar de alguém queajudeA fazer sua liçãoA vida irá, você vai verAos poucos te ensinandoQue o certo é você aprenderErrando, errando, errando,errandoNão, não é vergonha, nãoVocê ser da turma o maisgordinhoTer pernas tortasSer baixinhoOu grandalhãoNão, não é vergonha, nãoTodos sempre têm algumdefeitoNão existe a perfeiçãoO meu amigo livroaldome ensina mil aventurasToquinhoToquinho
  35. 35. me leva em belas viagensem terras de formosuraSou cavaleiro e sou heróisou náufrago numa ilhasou caçador que constróipara os monstrosarmadilhasSou menina, sou princesa,sou bruxa ou fadatambém,converso com bonecas emesasviajo nos trilhos do tremNas páginas de meuamigo,mil mundos já fui visitar,já enfrentei mil e umperigos,sem sair do mesmo lugar.O meu amigo livroaldome ensina mil aventurasme leva em belas viagensem terras de formosuraSou cavaleiro e sou heróisou náufrago numa ilhasou caçador que constróipara os monstrosarmadilhasSou menina, sou princesa,sou bruxa ou fadatambém,converso com bonecas emesasviajo nos trilhos do tremNas páginas de meuamigo,mil mundos já fui visitar,já enfrentei mil e umperigos,sem sair do mesmo lugar.O meu amigo livroaldome ensina mil aventurasme leva em belas viagensem terras de formosuraSou cavaleiro e sou heróisou náufrago numa ilhasou caçador que constróipara os monstrosarmadilhasSou menina, sou princesa,sou bruxa ou fadatambém,converso com bonecas emesasviajo nos trilhos do tremNas páginas de meuamigo,mil mundos já fui visitar,já enfrentei mil e umperigos,sem sair do mesmo lugar.
  36. 36. O meu amigo livroaldome ensina mil aventurasme leva em belas viagensem terras de formosuraSou cavaleiro e sou heróisou náufrago numa ilhasou caçador que constróipara os monstrosarmadilhasSou menina, sou princesa,sou bruxa ou fadatambém,converso com bonecas emesasviajo nos trilhos do tremNas páginas de meuamigo,mil mundos já fui visitar,já enfrentei mil e umperigos,sem sair do mesmo lugar.PLANETA TERRA( João collares)Terra! Planeta Terra!Planeta Terra!/ É o nossoplaneta azul!Gira Terra, gira mundoNoite e dia sem pararGira em torno de si mesmaCom o sol a clarearGira Terra, gira mundoFaz o dia amanhecerE o sol fica brilhandoCom o calor pra aquecerGira em torno de si mesmaCom o sol centralizadoRotação é o movimentoIluminando só de um ladoPara dar a volta inteiraVinte e quatro horas levaDe um lado é dia claroE do outro é noite e trevaGira em torno do astro solE o movimento é translaçãoLeva sempre um ano inteiroNesse mundo de amplidãoNossa Terra ´e redondaE nos pólos achatadaDilatada no EquadorA nossa Terra é abençoada!PLANETA TERRA( João collares)Terra! Planeta Terra!Planeta Terra!/ É o nossoplaneta azul!Gira Terra, gira mundoNoite e dia sem pararGira em torno de si mesmaCom o sol a clarearGira Terra, gira mundoFaz o dia amanhecerE o sol fica brilhandoCom o calor pra aquecerGira em torno de si mesmaCom o sol centralizadoRotação é o movimentoIluminando só de um ladoPara dar a volta inteiraVinte e quatro horas levaDe um lado é dia claroE do outro é noite e trevaGira em torno do astro solE o movimento é translaçãoLeva sempre um ano inteiroNesse mundo de amplidãoNossa Terra ´e redondaE nos pólos achatadaDilatada no EquadorA nossa Terra é abençoada!PLANETA TERRA( João collares)Terra! Planeta Terra!Planeta Terra!/ É o nossoplaneta azul!Gira Terra, gira mundoNoite e dia sem pararGira em torno de si mesmaCom o sol a clarearGira Terra, gira mundoFaz o dia amanhecer
  37. 37. E o sol fica brilhandoCom o calor pra aquecerGira em torno de si mesmaCom o sol centralizadoRotação é o movimentoIluminando só de um ladoPara dar a volta inteiraVinte e quatro horas levaDe um lado é dia claroE do outro é noite e trevaGira em torno do astro solE o movimento é translaçãoLeva sempre um ano inteiroNesse mundo de amplidãoNossa Terra ´e redondaE nos pólos achatadaDilatada no EquadorA nossa Terra é abençoada!PLANETA TERRA( João collares)Terra! Planeta Terra!Planeta Terra!/ É o nossoplaneta azul!Gira Terra, gira mundoNoite e dia sem pararGira em torno de si mesmaCom o sol a clarearGira Terra, gira mundoFaz o dia amanhecerE o sol fica brilhandoCom o calor pra aquecerGira em torno de si mesmaCom o sol centralizadoRotação é o movimentoIluminando só de um ladoPara dar a volta inteiraVinte e quatro horas levaDe um lado é dia claroE do outro é noite e trevaGira em torno do astro solE o movimento é translaçãoLeva sempre um ano inteiroNesse mundo de amplidãoNossa Terra ´e redondaE nos pólos achatadaDilatada no EquadorA nossa Terra é abençoada!Planeta TerraTem um lugarPra gente viverPra gente morarMas tem que cuidar deleUm paraísoLindo demaisTão cheio de pazMas tem que cuidar deleNão é possívelA gente crescerTendo que aturarPoluição e guerraEsse é o lugarDa gente morarEle é o nosso larNosso planeta TerraVamos dizer pra eleHow do you do?Comment allez-vousYo quiero decirTi voglio tanto beneMerci beaucoupI love you tooYo quiero decirAnche io ti voguo beneNão é incrívelO homem brigarPra poder rezarPro mesmo Deus da genteSó porque ele fala outra línguaÉ de outro lugarTem nome diferenteVamos dizer pra todos(Xuxa)Planeta TerraTem um lugarPra gente viverPra gente morarMas tem que cuidar deleUm paraísoLindo demaisTão cheio de pazMas tem que cuidar deleNão é possívelA gente crescerTendo que aturarPoluição e guerraEsse é o lugarDa gente morarEle é o nosso larNosso planeta TerraVamos dizer pra eleHow do you do?Comment allez-vousYo quiero decir
  38. 38. Ti voglio tanto beneMerci beaucoupI love you tooYo quiero decirAnche io ti voguo beneNão é incrívelO homem brigarPra poder rezarPro mesmo Deus da genteSó porque ele fala outra línguaÉ de outro lugarTem nome diferenteVamos dizer pra todos(Xuxa)Planeta TerraTem um lugarPra gente viverPra gente morarMas tem que cuidar deleUm paraísoLindo demaisTão cheio de pazMas tem que cuidar deleNão é possívelA gente crescerTendo que aturarPoluição e guerraEsse é o lugarDa gente morarEle é o nosso larNosso planeta TerraVamos dizer pra eleHow do you do?Comment allez-vousYo quiero decirTi voglio tanto beneMerci beaucoupI love you tooYo quiero decirAnche io ti voguo beneNão é incrívelO homem brigarPra poder rezarPro mesmo Deus da genteSó porque ele fala outra línguaÉ de outro lugarTem nome diferenteVamos dizer pra todos(Xuxa)Planeta TerraTem um lugarPra gente viverPra gente morarMas tem que cuidar deleUm paraísoLindo demaisTão cheio de pazMas tem que cuidar deleNão é possívelA gente crescerTendo que aturarPoluição e guerraEsse é o lugarDa gente morarEle é o nosso larNosso planeta TerraVamos dizer pra eleHow do you do?Comment allez-vousYo quiero decirTi voglio tanto beneMerci beaucoupI love you tooYo quiero decirAnche io ti voguo beneNão é incrívelO homem brigarPra poder rezarPro mesmo Deus da genteSó porque ele fala outra línguaÉ de outro lugarTem nome diferenteVamos dizer pra todos(Xuxa)

×