Estado do Rio Grande do Sul         Secretaria Estadual de Saúde     10ª Coordenadoria Regional de Saúde               Açõ...
Enfrentamento do Problema  Objetivo do Milênio (ONU) ODM 4: Reduzir a mortalidade na                           infânciaMet...
Gabinete de Situação para a Intensificação das Ações para a Redução daMortalidade Infantil no Rio Grande do Sul Instituído...
Objetivos de Desenvolvimento do Milênio
ATENÇÃO: PANORAMA DO ÓBITO INFANTIL NO                  RS-27% INF E C Ç Õ E S : 12% P E R I                       15% P Ó...
A Portaria nº 1.459 de 24/06/11 institui no âmbito do   Sistema Único de Saúde – SUS – a Rede Cegonha      “A Rede Cegonha...
A Rede Cegonha tem como princípios:I - o respeito, a proteção e a realização dos direitos humanos;II - o respeito à divers...
Objetivos da Rede Cegonha:I - fomentar a implementação de novo modelo de atenção àsaúde da mulher e à saúde da criança com...
Organização da Rede Cegonha•Organização visando o provimento contínuo de ações de atenção àsaúde materna e infantil;•Artic...
Diretrizes da Organização da Rede CegonhaI - garantia do acolhimento com avaliação e classificação derisco e vulnerabilida...
Importante!!!!            “Art. 5° A Rede Cegonha deve ser implementada,gradativamente, em todo território nacional respei...
Componentes da Rede CegonhaI - Pré-NatalII - Parto e NascimentoIII - Puerpério e Atenção Integral à Saúde da CriançaIV - S...
Componente I – Pré-Natala) realização de pré-natal na UBS com captação precoce da gestante e qualificação da atenção;b) ac...
Componente III – Puerpério e Atenção Integral           à Saúde da Criançaa) promoção do aleitamento materno e da alimenta...
Fases da Operacionalização da Rede                    CegonhaI – Adesão e diagnóstico;II - Desenho Regional da Rede Cegonh...
Importante!!!            “§ 3° A Contratualização dos Pontos de Atenção é o meiopelo qual o gestor, seja ele o Município, ...
Plano de Ação Municipal•Conforme Portaria nº 650/11, este deve ser elaborado em consonânciacomo Plano de Ação Regional;•De...
Operacionalização e Financiamento                    da Rede CegonhaCabe:I - à União, por intermédio do MS: apoio à implem...
Plano de ação dos Municípios – SINASC 2010 +10%                                       Residência                          ...
DadosImportantes!
Relatório Oficial 2011                                                                         Atualizado em: agosto/2012(...
Atualizado em:Relatório Oficial 2011                                                                                  agos...
Relatório Oficial 2011                                                                              Atualizado em: agosto/...
Relatório Oficial 2011                                                                                Atualizado em: agost...
Relatório Oficial 2011                                                                           Atualizado em: agosto/201...
Relatório Oficial 2011                                                                          Atualizado em: agosto/2012...
Relatório Oficial 2011                                                                Atualizado em: agosto/2012(Base de D...
Relatório Oficial 2011                                                                Atualizado em: agosto/2012(Base de D...
Relatório Oficial 2011                                                                                        Atualizado e...
Relatório Oficial 2011                                                                        Atualizado em: agosto/2012(B...
FORMAÇÃO DE REDE NA 10ª CRS   ARTICULAÇÃO DAS POLÍTICAS DE SAÚDE PÚBLICA NA TRANSVERSALIDADE DO CUIDADO
COEFICIENTE DE MORTALIDADE INFANTIL   CMI       2009         2010              2011   RS        11,67        11,40        ...
Rede de Atenção à Saúde -10ª CRS - 2010Município             Rede de Atenção à Saúde -10ª              Pop.          NV   ...
Obrigada pela atenção!        E-mails para contato:        esther-simoes@saude.rs.gov.br        carma-leiria@saude.rs.gov....
Apresentação seminário
Apresentação seminário
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Apresentação seminário

686 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
686
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação seminário

  1. 1. Estado do Rio Grande do Sul Secretaria Estadual de Saúde 10ª Coordenadoria Regional de Saúde Ações em SaúdeSEMINÁRIO REDE CEGONHA Enfª Esther Simões Farm. Carma Leiria Farm. Noêmia Dode de Assis Brasil Fgª Flávia Leães de Almeida Uruguaiana, Setembro de 2012
  2. 2. Enfrentamento do Problema Objetivo do Milênio (ONU) ODM 4: Reduzir a mortalidade na infânciaMeta: Reduzir em dois terços, entre 1990 e 2015, a mortalidade de criançascom menos de 5 anos de idade. Objetivo do Milênio (ONU) ODM 5: Melhorar a saúde maternaMeta: Reduzir em três quartos, entre 1990 e 2015, a taxa de mortalidadematerna.
  3. 3. Gabinete de Situação para a Intensificação das Ações para a Redução daMortalidade Infantil no Rio Grande do Sul Instituído pela Portaria SES 991 de novembro de 2011 O Problema – Mortalidade Materna e Neonatal•Mortalidade materna por causas ligadas à gravidez, aborto, parto e puerpério;•Óbitos maternos evitáveis em 90% dos casos (OMS);•Mortalidade infantil por causas perinatais como principal contingente das mortes noprimeiro ano de vida;•Óbitos infantis evitáveis em 80% dos casos (OMS);•Estimativa de 2000 mortes maternas e 30.000 mortes de recém-nascidos porcomplicações na gravidez ou parto, no Brasil, em 2011;•Falhas identificadas nas ações no pré-natal, no acompanhamento durante o parto e naassistência adequada ao recém-nascido na sala de parto;•Reduzida qualidade nos serviços.
  4. 4. Objetivos de Desenvolvimento do Milênio
  5. 5. ATENÇÃO: PANORAMA DO ÓBITO INFANTIL NO RS-27% INF E C Ç Õ E S : 12% P E R I 15% P Ó S -NATAL (pré-natal e qualidade dasmaternidades )-24% MAL F O R MAÇ ÃO (pré-natal e planejamento familiar)-23% P R E MAT UR ID AD E (pré-natal e aces s o ao tratamento de altoris co)-12% INT R A-PAR T O (qualidade das maternidades )- 75% dos cas os clas s ificados como óbitos evitáveis
  6. 6. A Portaria nº 1.459 de 24/06/11 institui no âmbito do Sistema Único de Saúde – SUS – a Rede Cegonha “A Rede Cegonha consiste numa rede de cuidadosque visa assegurar à mulher o direito de planejamentoreprodutivo e à atenção humanizada à gravidez, ao parto eao puerpério, bem como à criança o direito ao nascimentoseguro e ao crescimento e ao desenvolvimento saudáveis”
  7. 7. A Rede Cegonha tem como princípios:I - o respeito, a proteção e a realização dos direitos humanos;II - o respeito à diversidade cultural, étnica e racial;III - a promoção da equidade;IV - o enfoque de gênero;V - a garantia dos direitos sexuais e dos direitos reprodutivosde mulheres, homens, jovens e adolescentes;VI - a participação e a mobilização social; eVII - a compatibilização com as atividades das redes deatenção à saúde materna e infantil em desenvolvimento nos Estados.
  8. 8. Objetivos da Rede Cegonha:I - fomentar a implementação de novo modelo de atenção àsaúde da mulher e à saúde da criança com foco na atenção ao parto,ao nascimento, ao crescimento e ao desenvolvimento da criança dezero aos vinte e quatro meses;II - organizar a Rede de Atenção à Saúde Materna e Infantilpara que esta garanta acesso, acolhimento e resolutividade; eIII - reduzir a mortalidade materna e infantil com ênfase nocomponente neonatal.
  9. 9. Organização da Rede Cegonha•Organização visando o provimento contínuo de ações de atenção àsaúde materna e infantil;•Articulação dos distintos pontos de atenção à saúde, do sistema deapoio, do sistema logístico e da governança da rede de atenção à saúdeem consonância com a Portaria nº 4.279/GM/MS, de 2010.
  10. 10. Diretrizes da Organização da Rede CegonhaI - garantia do acolhimento com avaliação e classificação derisco e vulnerabilidade, ampliação do acesso e melhoria da qualidadedo pré-natal;II - garantia de vinculação da gestante à unidade de referênciae ao transporte seguro. Medida Provisória nº557 extinta em 31 de maio de2012.III - garantia das boas práticas e segurança na atenção aoparto e nascimento;IV - garantia da atenção à saúde das crianças de 0 a 24 meses comqualidade e resolutividade; eV - garantia de acesso às ações do planejamento reprodutivo.
  11. 11. Importante!!!! “Art. 5° A Rede Cegonha deve ser implementada,gradativamente, em todo território nacional respeitando-secritérios epidemiológicos, tais como taxa de mortalidadeinfantil, razão de mortalidade materna e densidadepopulacional.”
  12. 12. Componentes da Rede CegonhaI - Pré-NatalII - Parto e NascimentoIII - Puerpério e Atenção Integral à Saúde da CriançaIV - Sistema Logístico: Transporte Sanitário e Regulação *Realizamos, atualmente os componentes I e III*
  13. 13. Componente I – Pré-Natala) realização de pré-natal na UBS com captação precoce da gestante e qualificação da atenção;b) acolhimento às intercorrências na gestação com avaliação e classificação de risco evulnerabilidade;c) acesso ao pré-natal de alto de risco em tempo oportuno;d) realização dos exames de pré-natal de risco habitual e de alto risco e acesso aos resultados emtempo oportuno;e) vinculação da gestante desde o pré-natal ao local em que será realizado o parto;f) qualificação do sistema e da gestão da informação;g) implementação de estratégias de comunicação social e programas educativos relacionados àsaúde sexual e à saúde reprodutiva;h) prevenção e tratamento das DST/HIV/Aids e Hepatites;ei) apoio às gestantes nos deslocamentos para as consultas de pré-natal e para o local em que serárealizado o parto, os quais serão regulamentados em ato normativo específico.
  14. 14. Componente III – Puerpério e Atenção Integral à Saúde da Criançaa) promoção do aleitamento materno e da alimentação complementarsaudável;b) acompanhamento da puérpera e da criança na atenção básica com visitadomiciliar na 1ª semana após a realização do parto e nascimento;c) busca ativa de crianças vulneráveis;d) implementação de estratégias de comunicação social e programaseducativos relacionados à saúde sexual e à saúde reprodutiva;e) prevenção e tratamento das DST/HIV/Aids e Hepatites;ef) orientação e oferta de métodos contraceptivos.
  15. 15. Fases da Operacionalização da Rede CegonhaI – Adesão e diagnóstico;II - Desenho Regional da Rede Cegonha – fase de organização dos Planosde Ação Regional e Municipal  Repasses de Recursos;III - Contratualização dos Pontos de Atenção - Instituição dos GruposMunicipais  CGR com apoio da SES;IV - Qualificação dos componentes; eV – Certificação.
  16. 16. Importante!!! “§ 3° A Contratualização dos Pontos de Atenção é o meiopelo qual o gestor, seja ele o Município, o Estado, o Distrito Federalou a União, estabelece metas quantitativas e qualitativas do processode atenção à saúde, com o(s) ponto(s) de atenção à saúde da RedeCegonha sob sua gestão, de acordo com o Plano de Ação Regional eos Planos de Ação Municipais.” * A verificação do cumprimento das ações de atenção à saúde definidas para cada Componente daRede será realizada anualmente pelo MS de forma compartilhada com o CONASS e CONASEMS.*
  17. 17. Plano de Ação Municipal•Conforme Portaria nº 650/11, este deve ser elaborado em consonânciacomo Plano de Ação Regional;•Deve conter:  Identificação da população total do Município, nº de mulheres emIdade Fértil, nº de NV do ano anterior SUS dependentes, ou não;  Toda a programação (física e financeira) da atenção integral à saúdematerna e infantil; e  Especificar as atribuições e responsabilidades pactuadasrelacionadas ao aporte dos novos recursos disponibilizados pela União, Estados,DF e municípios.
  18. 18. Operacionalização e Financiamento da Rede CegonhaCabe:I - à União, por intermédio do MS: apoio à implementação, financiamento, nos termosdescritos nesta Portaria, monitoramento e avaliação da Rede Cegonha em todo territórionacional;II - ao Estado, por meio da SES: apoio à implementação, coordenação do GrupoCondutor Estadual da Rede Cegonha, financiamento, contratualização com os pontos deatenção à saúde sob sua gestão, monitoramento e avaliação da Rede Cegonha noterritório estadual de forma regionalizada; eIII - ao Município, por meio da SMS: implementação, coordenação do Grupo CondutorMunicipal da Rede Cegonha, financiamento, contratualização com os pontos de atençãoà saúde sob sua gestão, monitoramento e avaliação da Rede Cegonha no territóriomunicipal.Financiada (?): A Rede Cegonha será financiada com recursos da União, dos Estados, doDistrito Federal e dos Municípios, cabendo à União, por meio do MS, o Financiamentodos componentes I e II.
  19. 19. Plano de ação dos Municípios – SINASC 2010 +10% Residência (NV) 10%Alegrete 937 1031Barra do Quaraí 48 53Itaqui 611 673Maçambará 57 63Manoel Viana 94 104Quaraí 285 314Rosário do Sul 415 457Santa Margarida do Sul 17 19Santana do Livramento 1084 1193São Gabriel 747 822Uruguaiana 1974 2172
  20. 20. DadosImportantes!
  21. 21. Relatório Oficial 2011 Atualizado em: agosto/2012(Base de Dados com nascimentos de mães residentes no RS e ocorridos no RS) NASCIDOS VIVOS POR MUNICÍPIO DE RESIDÊNCIA POR CRS E MUNICÍPIO DE RESIDÊNCIA - SINASC RS, 2011 Municípios do RS 2011 RS 137.60510ª CRS 6.232 Alegrete (sede) 922 Barra do Quarai 32 Itaqui 600 Macambara 41 Manoel Viana 82 Quarai 265 Rosario do Sul 441 Santa Margarida do Sul 24 Santana do Livramento 1.084 Sao Gabriel 765 Uruguaiana 1.976
  22. 22. Atualizado em:Relatório Oficial 2011 agosto/2012(Base de Dados com nascimentos de mães residentes no RS e ocorridos no RS) NÚMERO E PERCENTUAL DE NASCIMENTOS COM 7 E MAIS CONSULTAS PRÉ-NATAL POR CRS E MUNICÍPIO DE RESIDÊNCIA - SINASC RS, 2011 2011 Municípios do RS % 7e+ RS 70,7% 97.23310ª CRS 60,2% 3.751 Alegrete (sede) 78,7% 726 Barra do Quarai 59,4% 19 Itaqui 48,8% 293 Macambara 22,0% 9 Manoel Viana 82,9% 68 Quarai 39,2% 104 Rosario do Sul 84,4% 372 Santa Margarida do Sul 54,2% 13 Santana do Livramento 51,0% 553 Sao Gabriel 64,7% 495 Uruguaiana 55,6% 1.099
  23. 23. Relatório Oficial 2011 Atualizado em: agosto/2012(Base de Dados com nascimentos de mães residentes no RS e ocorridos no RS) NÚMERO E PERCENTUAL DE NASCIMENTOS COM DURAÇÃO DA GESTAÇÃO ATÉ 36 SEMANAS POR CRS E MUNICÍPIO DE RESIDÊNCIA - SINASC RS, 2011 2011 Municípios do RS % Até 36 Semanas RS 11,7% 16.14410ª CRS 13,0% 811 Alegrete (sede) 20,7% 191 Barra do Quarai 9,4% 3 Itaqui 14,2% 85 Macambara 17,1% 7 Manoel Viana 11,0% 9 Quarai 12,1% 32 Rosario do Sul 6,6% 29 Santa Margarida do Sul 20,8% 5 Santana do Livramento 11,5% 125 Sao Gabriel 11,2% 86 Uruguaiana 12,1% 239
  24. 24. Relatório Oficial 2011 Atualizado em: agosto/2012(Base de Dados com nascimentos de mães residentes no RS e ocorridos no RS) NÚMERO E PERCENTUAL DE MUITO BAIXO PESO AO NASCER (< 1,5 Kg) POR CRS E MUNICÍPIO DE RESIDÊNCIA - SINASC RS, 2011 2011 Municípios do RS % < 1,5 Kg RS 1,4% 1.92110ª CRS 1,4% 88 Alegrete (sede) 1,4% 13 Barra do Quarai 3,1% 1 Itaqui 2,2% 13 Macambara 0,0% 0 Manoel Viana 1,2% 1 Quarai 0,4% 1 Rosário do Sul 1,4% 6 Santa Margarida do Sul 0,0% 0 Santana do Livramento 1,0% 11 São Gabriel 1,7% 13 Uruguaiana 1,5% 29
  25. 25. Relatório Oficial 2011 Atualizado em: agosto/2012(Base de Dados com nascimentos de mães residentes no RS e ocorridos no RS) NÚMERO E PERCENTUAL DE PARTOS EM MÃES ADOLESCENTES (< 20 ANOS) POR CRS E MUNICÍPIO DE RESIDÊNCIA - SINASC RS, 2011 2011 Municípios do RS % < 20 Anos RS 16,0% 21.98510ª CRS 21,3% 1.326 Alegrete (sede) 19,8% 183 Barra do Quarai 21,9% 7 Itaqui 19,3% 116 Macambara 24,4% 10 Manoel Viana 26,8% 22 Quarai 29,8% 79 Rosário do Sul 23,1% 102 Santa Margarida do Sul 16,7% 4 Santana do Livramento 20,2% 219 São Gabriel 22,0% 168 Uruguaiana 21,1% 416
  26. 26. Relatório Oficial 2011 Atualizado em: agosto/2012(Base de Dados com nascimentos de mães residentes no RS e ocorridos no RS) NÚMERO E PERCENTUAL DE PARTO CESÁREO POR CRS E MUNICÍPIO DE RESIDÊNCIA - SINASC RS, 2011 2011 Municípios do RS % Cesáreo RS 60,3% 82.908 10ª CRS 62,2% 3.877 Alegrete (sede) 79,9% 737 Barra do Quarai 40,6% 13 Itaqui 70,7% 424 Macambara 63,4% 26 Manoel Viana 74,4% 61 Quarai 56,2% 149 Rosario do Sul 54,4% 240 Santa Margarida do Sul 62,5% 15 Santana do Livramento 55,4% 601 Sao Gabriel 74,9% 573 Uruguaiana 52,5% 1.038
  27. 27. Relatório Oficial 2011 Atualizado em: agosto/2012(Base de Dados com óbitos de residentes no RS e ocorridos no RS) COEFICIENTE DE MORTALIDADE INFANTIL (0 DIAS A 1 ANO) POR 1.000 NASCIDOS VIVOS, POR CRS E MUNICÍPIO DE RESIDÊNCIA - SIM RS, 2011 2011 Municípios do RS Nº Coeficiente RS 1.574 11,4 10ª CRS 103 16,5 Alegrete (sede) 12 13,0 Barra do Quarai 2 62,5 Itaqui 7 11,7 Macambara 0 0,0 Manoel Viana 0 0,0 Quarai 3 11,3 Rosario do Sul 7 15,9 Santa Margarida do Sul 0 0,0 Santana do Livramento 16 14,8 Sao Gabriel 18 23,5 Uruguaiana 38 19,2
  28. 28. Relatório Oficial 2011 Atualizado em: agosto/2012(Base de Dados com óbitos de residentes no RS e ocorridos no RS) COEFICIENTE DE MORTALIDADE NEONATAL PRECOCE (0 A 7 DIAS) POR 1.000 NASCIDOS VIVOS, POR CRS E MUNICÍPIO DE RESIDÊNCIA - SIM RS, 2011 2011 CRS / Municípios Nº Coeficiente RS 764 5,6 10ª CRS 50 8,0 Alegrete (sede) 3 3,3 Barra do Quarai 2 62,5 Itaqui 3 5,0 Macambara 0 0,0 Manoel Viana 0 0,0 Quarai 2 7,5 Rosario do Sul 5 11,3 Santa Margarida do Sul 0 0,0 Santana do Livramento 7 6,5 Sao Gabriel 9 11,8 Uruguaiana 19 9,6
  29. 29. Relatório Oficial 2011 Atualizado em: agosto/2012(Base de Dados com óbitos de residentes no RS e ocorridos no RS) COEFICIENTE DE MORTALIDADE NEONATAL (0 A 28 DIAS) POR 1.000 NASCIDOS VIVOS, POR CRS E MUNICÍPIO DE RESIDÊNCIA - SIM RS, 2011 2011 Municípios do RS Nº Coef. RS 1.073 7,8 10ª CRS 72 11,6 Alegrete (sede) 7 7,6 Barra do Quarai 2 62,5 Itaqui 4 6,7 Macambara 0 0,0 Manoel Viana 0 0,0 Quarai 2 7,5 Rosario do Sul 5 11,3 Santa Margarida do Sul 0 0,0 Santana do Livramento 12 11,1 Sao Gabriel 14 18,3 Uruguaiana 26 13,2
  30. 30. Relatório Oficial 2011 Atualizado em: agosto/2012(Base de Dados com óbitos de residentes no RS e ocorridos no RS) MORTALIDADE EM MENORES DE 1 ANO POR DURAÇÃO DA GESTAÇÃO (<37 SEMANAS) POR CRS E MUNICÍPIO DE RESIDÊNCIA - SIM RS, 2011 2011 Municípios do RS Nº % RS 1.003 63,7 10ª CRS 65 63,1 Alegrete (sede) 7 58,3 Barra do Quarai 1 0,0 Itaqui 3 42,9 Macambara 0 0,0 Manoel Viana 0 0,0 Quarai 0 0,0 Rosario do Sul 5 71,4 Santa Margarida do Sul 0 0,0 Santana do Livramento 10 62,5 Sao Gabriel 10 55,6 Uruguaiana 29 76,3
  31. 31. FORMAÇÃO DE REDE NA 10ª CRS ARTICULAÇÃO DAS POLÍTICAS DE SAÚDE PÚBLICA NA TRANSVERSALIDADE DO CUIDADO
  32. 32. COEFICIENTE DE MORTALIDADE INFANTIL CMI 2009 2010 2011 RS 11,67 11,40 11,66 10ªCRS 13,5 16,9 16,3 AL 18,7 13,9 13,01 BQ 0,0 0,0 62,5 (2 óbitos) IT 4,9 14,7 ( 9 óbitos) 11,68 MÇ 0,0 70,2 (4 óbitos) 0,0 MV 13,0 21,3 (2) 0,0 Q 6,9 14,0 (4) 11,32 ROSUL 4,2 9,6 15,87 Sta Marg 0,0 0,0 0,0Stana LIVR 10,9 20,3 13,83 SG 14,7 9,4 25,82 URG 18,6 20,8 18,72
  33. 33. Rede de Atenção à Saúde -10ª CRS - 2010Município Rede de Atenção à Saúde -10ª Pop. NV Residênci a NV Ocorrênci a Hospital Casa Gestant e Mãe Cangur u UTI NEO UTI PED UTI Adult o Leitos S. Mental AD/PSIQ SAMU SALVAR Gest. Alto Risco CRS - 2010Uruguaiana 127.043 1.974 2.167 H. Geral SIM SIM SIM SIM 4 AD SIM Santa Casa Tipo II: 8 Psiq. de Urug. 6 LeitosSantana do 84.079 1.084 1.159 Santa Casa SIM SIM SIM 10 AD SIMLivramento de 4 Psiq. Misericordia Alegrete 78.984 937 1.103 Santa Casa SIM SIM SIM SIM SIM 4 AD SIM 4 Leitos de Alegrete Tipo II: 13 Psiq. Em PH 6 Leitos 10 Leitos São 59.339 747 719 Santa Casa SIM SIM SIM 6 AD SIM Gabriel de São 6 Psiq. GabrielRosário do 41.746 415 526 Hospital SIM SIM SIM 4 Psiq. Sul Auxiliadora Itaqui 36.558 611 512 Hospital São SIM SIM 5 AD SIM Patricio de 4 Psiq. Itaqui Quarai 22.883 285 281 Fund. Hosp. SIM 4 Psiq. de Caridade de Quarai Manoel 6.952 94 2 VianaMaçambar 4.375 57 0 á Barra do 3.867 48 0 Quarai Santa 2.229 17 0Margarida do Sul Total: 468.055 6.269 6.469 7 6 1 1 1 5 7
  34. 34. Obrigada pela atenção! E-mails para contato: esther-simoes@saude.rs.gov.br carma-leiria@saude.rs.gov.br flavia-almeida@saude.rs.gov.br

×