Orações subordinadas que

468 visualizações

Publicada em

orações, gramática

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
468
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
23
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Orações subordinadas que

  1. 1. FUNCIONAMENTO DA LÍNGUA Orações Subordinadas Introduzidas pela Conjunção “QUE” Introduz uma oração:  Substantiva completiva (ou integrante) – completa o sentido da oração subordinante. É introduzida por uma conjunção subordinativa completiva (ou integrante) Exs.: É possível que amanhã não chova. O juiz lamentou que a verdade não fosse dita.  Adjetiva relativa explicativa – acrescenta uma informação em relação ao antecedente e pode ser suprimida sem que haja modificação no sentido fundamental da frase. Esta oração surge precedida e seguida de pausa. Ex.: Sem ouvir o polícia, que gritava, o homem desapareceu.  Adjetiva relativa restritiva (com antecedente) – precisa a ideia contida no antecedente. Não pode ser suprimida sem que o sentido da oração subordinante fique alterado. Ex.: Dá-me aquele livro que está sobre a mesa.  Adverbial causal – exprime a causa/ o motivo do acontecimento expresso na oração subordinante. Professora Sofia Tavares
  2. 2. FUNCIONAMENTO DA LÍNGUA Ex.: Leva o casaco, que (porque) está frio.  Adverbial consecutiva – exprime a consequência de um facto apresentado na oração subordinante. Frequentemente a oração consecutiva é anunciada na subordinante pelos elementos tão, tal, tanto, tamanho… Ex.: Foi tal o barulho que todos se assustaram. Nota: As orações subordinadas podem ser substantivas, adjetivas ou adverbiais, dependendo da função sintática que desempenham em relação à oração subordinante. Assim: Substantivas > Quando a subordinada desempenha a função de sujeito, complemento direto, predicativo do sujeito. Adjetivas > Quando a subordinada desempenha a função de atributo. Adverbiais > Quando a subordinada desempenha a função de um complemento circunstancial. Exercícios: Professora Sofia Tavares
  3. 3. FUNCIONAMENTO DA LÍNGUA Sublinha e classifica as orações subordinadas das frases que se seguem, tendo em conta que, apesar de todas serem introduzidas por um “que”, se tratam de diferentes conjunções. 1- Era capaz de jurar que te vi. 2- O frio é tanto que tenho os ossos regelados. 3- Despacha-te, que escurece. 4- O anel, que eu perdi, era da minha avó. 5- Toma lá o anel que era da tua avó. 6- Tenho a certeza que gosta de mim. 7- Chovia tanto que ela chegou a casa encharcada. 8- Faz agora o trabalho, que logo estás cheio de sono. 9- Ela garantiu que voltava. 10- Antes de pegar no livro, que andava a ler, olhou-a profundamente. CORRECÇÃO: C.D. 1. Era capaz de jurar que te vi. – oração subordinada substantiva completiva (ou integrante) C. Circ. 2- O frio é tanto que tenho os ossos regelados. – oração subordinada adverbial consecutiva C. Circ. 3- Despacha-te, que escurece. – oração subordinada adverbial causal atributo 4- O anel, que eu perdi, era da minha avó. – oração subordinada adjetiva explicativa atributo 5- Toma lá o anel que era da tua avó. – oração subordinada adjetiva restritiva C.D. 6- Tenho a certeza que gosta de mim. – oração subordinada substantiva completiva (ou integrante) C. Circ. Professora Sofia Tavares
  4. 4. FUNCIONAMENTO DA LÍNGUA 7- Chovia tanto que ela chegou a casa encharcada. – oração subordinada adverbial consecutiva C. Circ. 8- Faz agora o trabalho, que logo estás cheio de sono. – oração subordinada adverbial causal C.D. 9- Ela garantiu que voltava. – oração subordinada substantiva completiva (ou integrante) atributo 10- Antes de pegar no livro, que andava a ler, olhou-a profundamente. oração subordinada adjetiva explicativa Professora Sofia Tavares

×