Adjunto adnominal e adverbial

4.698 visualizações

Publicada em

Aula Ensino Médio Professora Fernanda

1 comentário
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.698
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3.698
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
22
Comentários
1
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Adjunto adnominal e adverbial

  1. 1. Adjunto adnominal O adjunto adnominal pode ser representado por palavras ou locuções de valoradjetivo e sempre acompanhem um núcleo substantivo em qualquer função sintática. Osadjuntos adnominais podem ser representados por várias classes gramaticais: artigos,pronomes adjetivos, adjetivos, locução ou expressão adjetiva, numeral: 1. O lápis é do meu amigo. (artigo definido) (pronome adjetivo) 2. Paulo é um garoto inteligente. (adjetivo) 3. A professora defendeu os direitos dos alunos e também dos professores. (locução adjetiva) 4. Ela providenciou um prêmio justo. (artigo indefinido) 5. Tinha olhos azuis, pele aveludada e cabelos escuros. (adjetivo)(Todas as palavras grifadas são Adjuntos Adnominais e estão representados pelasclasses gramaticais indicadas dentro dos parênteses.) Adjunto adverbial O adjunto adverbial é um termo acessório da oração que obrigatoriamente exprimevalor circunstancial, podendo modificar um verbo, um adjetivo, ou um advérbio. Podevir preposicionado ou não. Exemplo 1: Choverá amanhã - Adjunto Adverbial de tempo. O termo grifado, no caso, sob uma análise sintática, é um adjunto adverbial,modificando um verbo, de sentido pleno, que no caso é o verbo "chover".Exemplo 2: Divórcio tão profundo - Adjunto Adverbial de intensidade.intimidadeconstante. O termo grifado, neste caso, modifica o adjetivo profundo.Exemplo 3: Planejamento tão satisfatoriamente estabelecido - Adjunto Adverbial deintensidade. O termo grifado, neste caso, modifica o advérbio satisfatoriamenteClassificação dos adjuntos adverbiais: • Assunto; Ex.(O jornal trazia os gols do grêmio); • Meio (por, a, entre, etc.; Ex. Conseguiremos fugir pelos túneis); • Lugar (aqui, ali, lá, acolá, acima, abaixo, dentro, fora, longe, perto, em casa, no cinema; Ex: Fomos ao cinema); • Tempo (ontem, hoje, amanhã, cedo, tarde, ainda, agora; Ex: Amanhã, sairemos cedo.); • Modo (bem, mal, melhor, pior, assim, velozmente e quase todos terminados em mente; Ex: Ela não está bem); • Intensidade (muito, pouco, mais, menos, bastante, intensamente; Ex: Ele estudou muito); • Dúvida (talvez, acaso, provavelmente; Ex: Talvez eu vá com você);
  2. 2. • Causa (Ex: As pessoas não saíram de casa, porque estava frio); • Finalidade (Ex: Estudava para a prova); • Instrumento (Ex: Feriu-se com a faca); • Afirmação (Sim, certamente, realmente; Ex: Certamente sairemos hoje); • Negação (não, nunca, jamais; Ex: Nunca menospreze seus amigos); LINGUAGEM CONOTATIVA E DENOTATIVA Quando a palavra é utilizada com seu sentido comum (o que aparece nodicionário) dizemos que foi empregada denotativamente. (real) Quando é utilizada com um sentido diferente daquele que lhe é comum, dizemosque foi empregada conotativamente. (figurado) Este recurso é muito explorado naLiteratura. A linguagem conotativa não é exclusiva da literatura, ela é empregada em letrasde música, anúncios publicitários, conversas do dia a dia, etc.Observe um trecho da canção “Dois rios”, de Samuel Rosa, Lô Borges e Nando Reis.Note a caracterização do sol: ele foi empregado conotativamente.O sol é o pé e a mãoO sol é a mãe e o paiDissolve a escuridão.... Exercícios1. A nota jornalística a seguir relata a polêmica em relação aos alimentos transgênicos. Leia otexto. Tem comida estranha na geladeira Apesar dos inegáveis benefícios à produtividade das lavouras, brasileiros europeus eamericanos ainda não sabem quais os riscos, se é que existem, dos alimentos transgênicos. A onda é irreversível. Por mais forte que seja a desconfiança em relação aos produtosgeneticamente modificados, não há mais como fugir deles. O primeiro passo foi a criação desoja resistente a herbicidas, tomates longa vida e milho imune a insetos. Depois vieram grãosmais nutritivos, sementes estéreis que não se produzem no segundo plantio, alimentosrecheados com remédios. As invenções saltaram dos laboratórios para as prateleiras dossupermercados com muito mais rapidez que a perplexidade humana é capaz de digeri-las. Abiotecnologia rompe a barreira entre as espécies e provoca discussões ambientais, éticas ereligiosas, que prosseguem sempre polêmicas, enquanto as sementes se espalham. [...]
  3. 3. Época, São Paulo, n.41,p. 57-61, mar. 1999. (Fragmento).a) No início da nota, há um trecho sobre o assunto, publicado em 1999. Ainda hoje, asdúvidas quanto à qualidade dos alimentos transgênicos persistem. Por que esse tipode alimento desperta tanta discussão?b) Apesar de preocupadas com os transgênicos, muitas pessoas continuam a comprá-lo, mas algumas com certo receio. Na sua opinião, por que o consumo dessesalimentos vem aumentando?c) Na sua opinião, seria melhor que se proibisse a produção de alimentostransgênicos? Esclareça sua resposta.d) Releia esta frase:”...a desconfiança em relação aos produtos geneticamentemodificados...”*Qual é o advérbio presente nessa frase? Que sentido ele expressa?*Imagine essa frase sem esse advérbio. Que sentido ela passaria a ter?*Copie do texto outros advérbios que modificam o sentido de um adjetivo.e) Copie do texto uma locução adverbial que expresse a mesma circunstância daquelaencontrada no título.f) Leia o texto a seguir: “As invenções saltaram dos laboratórios para as prateleiras dossupermercados com muito mais rapidez que a perplexidade humana é capaz de digeri-las”. Transcreva a locução adverbial e classifique a circunstância que o verbo expressa.2. Leia estes versos de Adélia Prado.ImpressionistaUma ocasião,Meu pai pintou a casa todaDe alaranjado brilhante.Por muito tempo moramos numa casa,Como ele mesmo dizia,Constantemente amanhecendo. PRADO. Adélia. Bagagem. São Paulo: Siciliano, s. d. p. 36.@by Adélia Prado.a) Nesse poema, o eu lírico revive uma época de sua vida familiar. Por esse fatosimples permaneceu tão forte na lembrança?b) Por que o eu lírico empregou, no primeiro verso, somente esta locução adverbial:“Uma ocasião”, e separou-a por vírgula? Que circunstância ela expressa?d) Em que verso há uma locução adverbial ou advérbio, no poema, também modificamações verbais? Copie a circunstância expressa.
  4. 4. e) Que outras locuções adverbiais ou advérbio, no poema, também modificam açõesverbais? Copie no caderno a circunstância expressa.3. Leia as falas dos personagens a seguir de Bill Watterson.Calvin: A vida é cheia de possibilidades.Calvin: Por exemplo, eu podia agora, em vez de esperar o ônibus da escola, levantar opolegar, pegar uma carona e passar o resto da vida na savana, migrando com osanimais selvagens!Tigre: A savana fica na África. Você nunca iria arranjar uma carona até lá.Calvin: A vida é cheia de possibilidades impossíveis.a) O personagem Calvin está sempre com ideias diferentes. O que ele diz e que produzconotação humorística no texto?b) Há palavras e expressões que, às vezes, são chamadas de advérbios, mas recebem onome de “palavras denotativas”, como você já pode ver. No diálogo, que locuçãorepresenta uma palavra denotativa? Por que ela funciona como elemento coesivo notexto?c) Releia esta frase: “ Eu podia, agora, em vez de esperar o ônibus da escola um poucoatrasado.*Em que frase o termo destacado é uma locução adverbial? Explique por quê.d) Em qual fala se empregou uma locução adverbial de companhia?e) Observe o advérbio destacado nessa frase: “Você nunca iria arranjar uma carona atélá”. Esse advérbio expressa negação ou tempo?4. O trecho a seguir pertence a um conto de Heloisa Prieto, autora de várias obras deliteratura infanto-juvenil. Nessa narrativa, ela conta sua experiência como contadorade histórias, quando estagiou em uma escola alternativa. No final desse relato, suacolega de trabalho chamada Vânia orientava as crianças, enquanto ela já pensava emser escritora um dia. Leia o trecho.[...] Olhei comovida para Vânia, que nem chegou a perceber minha emoção,ocupada em acompanhar o trabalho de pintura, ciente de que as crianças, em suasabedoria infantil, conviviam bem melhor com os mistérios do que nós.
  5. 5. Depois daquela tarde, quem perdeu o medo de contar histórias fui eu. Aospoucos fui acrescentando aos contos de fadas minhas próprias histórias, inventadas ali,na hora, coisa que as crianças apreciaram. E, das rodas de conversa, meus casosfantásticos sempre meio amalucados passaram para o papel, depois para os livros, quefelizmente me colocaram em contato com outras crianças, que até hoje continuam mefazendo as mesmas perguntas que nunca serei capaz de responder. PRIETO, Heloisa. De primeira viagem: antologia de contos. São Paulo: Cia das letras, 2004.p.64-65.(fragmento)a) De acordo com o texto, por que a narradora tinha medo de contar histórias para ascrianças?b) No primeiro parágrafo, a palavra melhor é um adjetivo ou um advérbio? Expliquepor quê.c) Observe a locução adverbial destacada nesta frase: “Aos poucos fui acrescentandoaos contos de fadas minhas próprias histórias”. Reescreva a frase, substituindo alocução pelo advérbio equivalente.5. Leia o Poema:Poema XXVINoite está bonitaParece envidraçadaDormem sororoquinhas na beira do rioÁrvores nuas tomam banhoJacarés em fériasMastigam estrelas que se derretem dentro d’águaEntre toiceiras de macegasPassa uma suçuarana com sapatos de seda.Ventinho penteia as folhas de embaúbaA paisagem se desfia num pano de fundoCunhado Jabuti torceu caminho- Dê lembranças à dona JabotaEnquanto é noite é noiteCom todo esse céu espaçoso e tanta estrelaVamos andando machucando estradas mais pra diante
  6. 6. BOPP.Raul. Cobra Norato. Rio de Janeiro: José Olympio,1998.p.39.a) Observe que, ao descrever as árvores o eu lírico emprega uma linguagem figurada.* Na primeira estrofe ele diz: “Árvores nuas tomam banho”. Que significado novo esseadjetivo adquire no poema?* Leia esta frase: A luz do sol banhava os corpos nus. Observe que nela, o mesmoadjetivo, aqui no masculino, foi empregado em linguagem denotativa. Explique porquê.b) Pode-se dizer que em todas as estrofes ocorre o emprego de conotação, ou seja,está presente a linguagem figurada.*Explique o sentido conotativo que pode ser identificado nos versos da primeiraestrofe.*Releia a terceira estrofe e observe o emprego das imagens. Na sua opinião, qual é oobjetivo do eu lírico, ao utilizar a linguagem figurada?c) Interprete a linguagem figurada destes versos:*”passa uma suçuarana com sapatos de seda”;*”vamos andando machucando estradas...”.

×