Cenário econômico e
projeção do mercado
de cerveja
Brasil Kirin/PWC
14 de março de 2014
Projeto: “Proposta Apoio na revisã...
1. Cenário Doméstico
2. Tendências do mercado nas
categorias de interesse
Crescimento acumulado do PIB nos três primeiros anos de cada governo (%)
3
29.6
11.6
20.0
-3.8
10.3 10.3
5.9
-10.0
-5.0
0....
PIB mundo e Brasil — % da média de crescimento mundial dos últimos 4 anos
4
-20.0
0.0
20.0
40.0
60.0
80.0
100.0
120.0
140....
Contribuição para o crescimento acumulado nos governos – cada vez mais consumo
e menos investimento...
5
Em pontos percent...
A consequência foi diminuir a taxa de poupança e investimento
6
13.0%
14.0%
15.0%
16.0%
17.0%
18.0%
19.0%
20.0%
III/01
I/0...
Brasil só conseguiu aumentar produtividade com reformas econômicas em
dois momentos nas últimas décadas
7
90.0
100.0
110.0...
Exemplos de efeitos de reformas econômicas no PIB
(crescimento em 12 meses em %)
8
-10.0
-5.0
0.0
5.0
10.0
15.0
20.0
I/98
...
Fim de ciclo chega sem ajustes estruturais necessários
9
45
50
55
60
65
70
75
2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013
Arge...
0
10
20
30
40
50
60
70
80
90
set/07 set/09 set/11 set/13
Brasil Colômbia + Chile + México
Soma 12 meses - Em US$ Bi
Invest...
Indicadores de governança do Banco Mundial — América Latina
Quanto mais próximo de 100, melhor
11
1996
Voice and
accountab...
O Brasil regrediu em termos institucionais no governo Dilma
12
Fonte: Banco Mundial. Elaboração MB Associados
Representati...
Produtividade
(PIB PPP por unidade de trabalho crescimento em % de 1996 a 2011)
13
1.0
1.1
1.7
1.9
1.9
2.1
3.3
5.0
8.4
0.0...
Produção industrial
14
-20
-5
10
25
dez/09 dez/10 dez/11 dez/12 dez/13 dez/14
Mês contra mês do ano anterior Acumulado em ...
Nível de reservatórios já está com tendência 5% menor do que durante o apagão de
2001
15
25
35
45
55
65
75
85
95
Jan-00
Ju...
Salário mínimo (US$ PPC) – média móvel 12 meses
16
0
50
100
150
200
250
300
350
400
1941.06
1943.05
1945.04
1947.03
1949.0...
Quem pode compreender um texto básico? Cada vez menos pessoas...
17
% do total por faixa escolar
Fim de ciclo na economia brasileira em quase todos os segmentos
18
95.0
115.0
135.0
155.0
175.0
195.0
215.0
I II IIIIV I I...
Fim de ciclo na economia brasileira em quase todos os segmentos
19
90.0
110.0
130.0
150.0
170.0
190.0
210.0
I II IIIIV I I...
Quantum de exportação de produtos básico (2006=100) e tendência HP
(linha vermelha)
20
0.0
20.0
40.0
60.0
80.0
100.0
120.0...
O que também tem aumentando a insatisfação da população
21
95.0
97.0
99.0
101.0
103.0
105.0
107.0
109.0
mar/1999
jul/1999
...
PNAD contínua – taxa de desemprego em 2013 deve ter sido quase 2 pontos
percentuais a mais que a Pesquisa Mensal de Empreg...
Massa real de renda (crescimento anual - %)
23
1.6
4.2
5.9 5.8
6.9
3.9
7.4
4.8
6.3
2.6 2.8
1.5
2.8
3.5
0.0
1.0
2.0
3.0
4.0...
Evolução do índice de volume de vendas no varejo
24
3.6
4.3
0
4
8
12
16
Dec-07 Dec-09 Dec-11 Dec-13
Ampliado Restrito
Cres...
Taxa de investimento durante governo Dilma terá dificuldade de crescer
25
17,8
19,3
18,0
20,3
20,7
20,4
19,819,8
19,4
18,9...
Taxa real de juros maior também vai colaborar para crescimento mais fraco (%)
26
-4.00
-2.00
0.00
2.00
4.00
6.00
8.00
10.0...
Taxa real de câmbio e balança comercial – depreciação real foi muito pequena ainda
27
0.0
20.0
40.0
60.0
80.0
100.0
120.0
...
2,25
1,681,6
2,1
2,6
3,1
3,6
4,1
08/03/13 06/09/13 07/03/14
2013 2014
Consolidou-se a percepção comum de crescimento menor...
Desvalorização da taxa de câmbio ainda é uma realidade
29
2,34
1,90
2,00
2,10
2,20
2,30
2,40
2,50
07/03/13 07/06/13 07/09/...
Transações correntes e Balança Comercial
30
12
14 14
2
-28 -24
-47 -52 -54
-81 -85 -84
34
45 46
40
25 25 20
30
19
3
-5 -2
...
 Mercados emergentes em geral estão em pior situação agora com crescimento um
pouco menor da China e turbulência internas...
IPCA nos três primeiros anos dos últimos governos – sem ganhos adicionais
(acumulado em 12 meses em %)
32
Carga tributária % do PIB
33
20
22
24
26
28
30
32
34
36
38
1986
1987
1988
1989
1990
1991
1992
1993
1994
1995
1996
1997
199...
Decomposição do Resultado Fiscal Primário do Setor Público Consolidado
(% do PIB)
34
0.9
0.4 0.4
0.2 0.2
0.2 0.3
0.3
0.4
0...
Ibope: Avaliação da Presidente
16
55
39
-20
0
20
40
60
80
100
set-07 mar-09 jul-11 dez-12 nov-13
Saldo Aprova Desaprova
Fo...
43,7
17
9,9
Dilma Rouseff Aécio Neves Eduardo
Campos
CNT/MDA: Cenários para eleições de 2014 – 1º Turno
36
Fonte: CNT . El...
Há um descontentamento evidente, mas oposição não está conseguindo
captar esse sentimento
37
Confiança nas Instituições – nem em Brasília, nem na TV
38
8
25
45
44
34
33
46
45
55
70
5
17
31
31
33
35
41
43
56
72
0 20 ...
 O vice do PSDB (especulações sobre Joaquim Barbosa, Ellen
Grace, etc.);
 Como São Paulo votará? (primeira eleição que n...
Bancada na Câmara dos Deputados (novembro 2013)
40
Cenário atual é complicado, mas poucos países têm o potencial que o Brasil tem
41
Massa real de renda - mais 21 milhões de pessoas devem passar para a
classe média até 2020
42
Participação do número de fa...
São Paulo e Rio estão deixando de ter a concentração do passado
43
40.0
42.0
44.0
46.0
48.0
50.0
52.0
54.0
56.0
58.0
1995 ...
Estoque de trabalhadores formais também cada vez maior fora do
eixo Rio-SP
44
8,000,000
13,000,000
18,000,000
23,000,000
2...
45.4
21.4
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
20
25
30
35
40
45
50
Aug-07 Aug-10 Aug-13
Endividamento
Comprometimento
Endivid...
Pirâmide Etária Nacional
46
10.000.000 5.000.000 0 5.000.000 10.000.000
0 a 4 anos
5 a 9 anos
10 a 14 anos
15 a 19 anos
20...
Evolução das população brasileira (milhões de pessoas)
0
50
100
150
1980 1990 2000 2013 2020 (P)2030 (P)2040 (P)2050 (P)20...
Desenvolvimento humano em 20 anos cresceu muito...
1991 2000 2010
Índice de Desenvolvimento Humano
Índice de Desenvolvimento Humano - Dimensão Renda
49
1991 2000 2010
...E evolução mais forte se deu no Norte e Nordeste
50
Variação do IDH
(2010-1991) - %
Produção de grãos e cereais – expansão da fronteira agrícola para Centro-Oeste e
Mapito
51
1990 2011
Toneladas
1 - 23.799
...
PIB regional (1995=100): Existem forças diferenciadas nas regiões
52
100.0
110.0
120.0
130.0
140.0
150.0
160.0
170.0
180.0...
 Governo Dilma se transformou em risco Dilma: diferença com
2002 é que havia possibilidade do Lula seguir Carta ao Povo
B...
PIB – crescimento anual em %
54
-1.0%
0.0%
1.0%
2.0%
3.0%
4.0%
5.0%
6.0%
7.0%
8.0%
1997
1998
1999
2000
2001
2002
2003
2004...
1. Cenário Doméstico
2. Tendências do mercado nas
categorias de interesse
 A plataforma é uma forma organizada para
apresentar o cenário econômico e as
projeções para o setor. Nela, estão contida...
 Este trabalho objetiva traçar um cenário econômico e social
do Brasil e suas regiões, para os próximos 4 anos (até 2018)...
Construção de mapas sobre o gasto familiar com as categorias de
interesse (análise setorial e estadual) com projeções até ...
 As projeções foram realizadas baseadas nos seguintes dados:
• Nielsen: Foram utilizados os dados de consumo de cerveja. ...
Vendas no varejo por região (PMC)
(crescimento acumulado em 12 meses em %)
60
-10.0
-5.0
0.0
5.0
10.0
15.0
20.0
Sudeste No...
Regiões Nordeste e Norte tem alta dependência dos programas de renda: Bolsa
Família e Aposentadoria Rural
61
Fonte: Caixa ...
Principais mudanças no perfil e composição da população brasileira
62
Aumento da demanda por serviços nas áreas de saúde,...
Projeções foram feitas usando as estimativas de vendas do varejo
da PMC. Por quê?
 Praticamente não existem dados estadua...
PIB, indústria e varejo
(crescimento acumulado em 4 trimestres em %)
64
-10.00
-8.00
-6.00
-4.00
-2.00
0.00
2.00
4.00
6.00...
Projeções por canal
(crescimento acumulado em 12 meses em %)
65
0.0
5.0
10.0
15.0
20.0
25.0
Dec-12
Mar-13
Jun-13
Sep-13
De...
Crescimento real por canal – em %
66
8.3
2.2
6.2 6.1 5.9
10.0
4.9
8.6
8.3 8.4
10.7
4.1
8.7
7.8 7.9
9.7
4.0
8.0
7.6 7.6
0.0...
Crescimento real por segmento – em %
67
11,2
6,9
9,7 9,6 9,19,1
3,3
7,6 7,2 7,4
18,5
10,2
11,4
9,6
8,5
0,0
2,0
4,0
6,0
8,0...
Resultados – Por Região
(variação real do faturamento em %)
68
Discount
2014 2018
Resultados – Por Região
(variação real do faturamento em %)
69
Mainstream
2014 2018
Resultados – Por Região
(variação real do faturamento em %)
70
Premium
2014 2018
 Brasil dos próximos 5 anos será muito diferente dos 5 anos
anteriores. Crescimento médio entre 2009 e 2013 foi de 2,6%. ...
MB Associados
Rua Henrique Monteiro, 90 – Térreo/12° andar
Pinheiros
São Paulo SP – 05423-020
Telefone: (11) 3062 - 1085
w...
Anexo
1. Cenário Internacional
2. Cenário Doméstico
74
 Crescimento mundial voltará a se acelerar nos próximos anos,
retornando a patamares de expansão próximos de 4%,
especial...
China
 Reformas vão sustentar o
crescimento
 O pouso forçado da
economia deve ser evitado
76
O mundo começa a diferencia...
Crescimento mundial – emergentes seguirão crescendo mais
77
5.2
3.8
2.2
-6.0
-4.0
-2.0
0.0
2.0
4.0
6.0
8.0
10.0
1980198219...
Recuperação da recessão não tem sido tão diferente do passado para os EUA…
0.0
2.0
4.0
6.0
8.0
10.0
Jan/54 Jan/66 Jan/78 J...
EUA: revolução energética: preço
do gás natural (US$/MMBTU)
... e cenário de médio e longo prazo é positivo
79
EUA: evoluç...
Grécia é o maior exemplo de que a situação europeia pode piorar muito
80
70
75
80
85
90
95
100
105
1 2 3 4 5 6 7
Grécia EU...
China: ainda há muito que crescer, agora baseado em consumo, o que será essencial
para agricultura brasileira...
81
% do P...
...mas indústria chinesa já dá sinais de perda de competitividade
82
Fonte: BofA Merril Lynch.
Custo Unitário do Trabalho:...
Crescimento do PIB em US$ (PPP) - soma de 99/2000 e 2011/2012
83
522.7
1158.0
755.7
2277.3
1185.8
523.6
0.0
500.0
1000.0
1...
Chile, Colômbia e Peru têm crescimentos importantes, mas PIB ainda deverá ser
metade do PIB brasileiro
84
51.8
30.0
35.0
4...
% do PIB per capita chileno
85
50.0
70.0
90.0
110.0
130.0
150.0
170.0
190.0
210.0
1980
1982
1984
1986
1988
1990
1992
1994
...
1. Cenário Internacional
2. Cenário Doméstico
86
Custo Unitário do Trabalho (CUT): dólar ajudou, mas custo em reais segue
pressionado
87
95
105
115
125
135
145
155
165
175...
Quantidade de pessoas/instituição de ensino superior
88
-
10,000
20,000
30,000
40,000
50,000
60,000
1991 1993 1995 1997 19...
Custo do trabalho calculado pela FGV incorpora além dos
custos tributários, gastos da empresa com o empregado,
como treina...
Ocupação segue em desaceleração
90
91
35
208
426
-29
-200
0
200
400
600
800
1,000
Dec-10 Dec-11 Dec-12 Dec-13
Milhares
Ind...
Massa real de rendimento em desaceleração
-3
0
3
6
9
Dec-07 Dec-08 Dec-09 Dec-10 Dec-11 Dec-12 Dec-13 Dec-14
ocupados Rend...
Índice de Confiança do Consumidor
108.9
112.9
111.1
90
100
110
120
130
Jan-08 Jan-10 Jan-12 Jan-14
Índice de Confiança do ...
Investimento: recuperação em máquinas e equipamentos é sustentável?
93
11,2
2,2
8,5
-20,0
-5,0
10,0
25,0
jan/00 jan/04 jan...
Vulnerabilidade dos Emergentes segundo o FED
Fonte: FED. Elaboração: MB Associados. (*) Entre 06/04/13 e 06/02/14
-25
-20
...
Ibope: Avaliação do Governo Dilma
15
39
24
-5
15
35
55
75
95
set-07 mar-09 jul-11 dez-12 nov-13
Saldo Ótimo/bom Ruim/péssi...
Expectativa com relação aos próximos 6 meses
96
Fonte: CNT . Elaboração: MB Associados.
Emprego - % Renda Mensal - %
34,7
...
Expectativa com relação aos próximos 6 meses
97
Fonte: CNT . Elaboração: MB Associados.
Saúde - % Educação - %
34,7 35
26,...
Expectativa com relação aos próximos 6 meses
98
Fonte: CNT . Elaboração: MB Associados.
Segurança Pública - %
26,9
27,7
27...
Vendas de automóveis maiores fora do eixo Rio-SP
99
400,000
600,000
800,000
1,000,000
1,200,000
1,400,000
1,600,000
1,800,...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

14 03 14 brn (nova versao)

863 visualizações

Publicada em

Publicada em: Estilo de vida
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
863
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
10
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

14 03 14 brn (nova versao)

  1. 1. Cenário econômico e projeção do mercado de cerveja Brasil Kirin/PWC 14 de março de 2014 Projeto: “Proposta Apoio na revisão do modelo de segmentação e na otimização da estrutura de atendimento dos DPs”
  2. 2. 1. Cenário Doméstico 2. Tendências do mercado nas categorias de interesse
  3. 3. Crescimento acumulado do PIB nos três primeiros anos de cada governo (%) 3 29.6 11.6 20.0 -3.8 10.3 10.3 5.9 -10.0 -5.0 0.0 5.0 10.0 15.0 20.0 25.0 30.0 35.0 Fonte:Ipeadata.Elaboração:MB Associados.
  4. 4. PIB mundo e Brasil — % da média de crescimento mundial dos últimos 4 anos 4 -20.0 0.0 20.0 40.0 60.0 80.0 100.0 120.0 140.0 160.0 Fonte: IBGE, FMI, IPEA. Elaboração: MB Associados. Plano Cruzado Plano Real China e reformas estruturais
  5. 5. Contribuição para o crescimento acumulado nos governos – cada vez mais consumo e menos investimento... 5 Em pontos percentuais 89,6 21,9 2,0 -13,6 75,0 17,3 37,1 -29,4 34,7 17,6 -0,6 48,4 Consumo das famílias Consumo do governo Formação Bruta de Capital Fixo Exportações líquidas Dilma Lula FHC (a partir de 96) Fonte: IBGE, MB Associados.
  6. 6. A consequência foi diminuir a taxa de poupança e investimento 6 13.0% 14.0% 15.0% 16.0% 17.0% 18.0% 19.0% 20.0% III/01 I/02 III/02 I/03 III/03 I/04 III/04 I/05 III/05 I/06 III/06 I/07 III/07 I/08 III/08 I/09 III/09 I/10 III/10 I/11 III/11 I/12 III/12 I/13 III/13 Poupança Investimento Fonte:IBGE. Elaboração:MB Associados. % do PIB média móvel de 4 trimestres
  7. 7. Brasil só conseguiu aumentar produtividade com reformas econômicas em dois momentos nas últimas décadas 7 90.0 100.0 110.0 120.0 130.0 140.0 150.0 160.0 170.0 180.0 190.0 1950 1952 1954 1956 1958 1960 1962 1964 1966 1968 1970 1972 1974 1976 1978 1980 1982 1984 1986 1988 1990 1992 1994 1996 1998 2000 2002 2004 2006 2008 Fonte:Veloso, F.,Ferreira,P.Giambiagi,F.,Pessoa,S.(2013). DesenvolvimentoEconômico:umaperspectiva brasileira.EditoraCampus. Reformas Bulhões/Campos nos anos 60: mais intensivas (ditadura) Reformas Collor/FHC e Lula I: mais diluídas (democracia) Aumento da produtividade pós-reformas Produtividade Total dos Fatores (Índice 1950=100)
  8. 8. Exemplos de efeitos de reformas econômicas no PIB (crescimento em 12 meses em %) 8 -10.0 -5.0 0.0 5.0 10.0 15.0 20.0 I/98 III/98 I/99 III/99 I/00 III/00 I/01 III/01 I/02 III/02 I/03 III/03 I/04 III/04 I/05 III/05 I/06 III/06 I/07 III/07 I/08 III/08 I/09 III/09 I/10 III/10 I/11 III/11 I/12 III/12 I/13 III/13 Serviços de Informação Intermediação Financeira Efeito das privatizações Efeitodas reformas de crédito Fonte:IBGE. Elaboração:MB Associados.
  9. 9. Fim de ciclo chega sem ajustes estruturais necessários 9 45 50 55 60 65 70 75 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Argentina Brazil Chile Colombia Mexico Peru Fonte:Banco Mundial. Elaboração: MB Associados. Qualidade dos negócios (Doing Business) 100 = melhor possível
  10. 10. 0 10 20 30 40 50 60 70 80 90 set/07 set/09 set/11 set/13 Brasil Colômbia + Chile + México Soma 12 meses - Em US$ Bi Investimento Estrangeiro Direto Fonte: Bloomberg. Elaboração: MB Associados. O Brasil está perdendo espaço
  11. 11. Indicadores de governança do Banco Mundial — América Latina Quanto mais próximo de 100, melhor 11 1996 Voice and accountability Political Stability Government Effectiveness Regulatory Quality Rule of Law Control of Corruption Argentina 59.1 47.1 62.4 70.1 52.6 49.8 Brazil 53.8 38 50.7 65.2 41.6 56.1 Chile 68.3 63.9 87.8 96.6 84.2 89.8 Peru 33.1 15.9 49.3 68.7 29.2 51.7 Colombia 29.8 8.2 48.8 55.9 22.5 32.7 Mexico 49.5 18.3 59 64.7 27.3 37.6 2012 Voice and accountability Political Stability Government Effectiveness Regulatory Quality Rule of Law Control of Corruption Argentina 56.9 48.3 45.5 19.1 29.4 38.8 Brazil 60.7 47.9 50.2 54.6 51.7 54.5 Chile 80.1 59.2 86.6 93.3 88.2 91.4 Peru 53.6 19.9 48.8 67.9 32.7 43.1 Colombia 45.5 8.1 56.9 63.6 43.6 41.6 Mexico 55.0 24.2 63.2 67.0 36.0 42.6 Fonte: World Bank. Elaboração: MB Associados.
  12. 12. O Brasil regrediu em termos institucionais no governo Dilma 12 Fonte: Banco Mundial. Elaboração MB Associados Representatividade e Responsabilidade Controle da Corrupção Estado de Direito Qualidade Regulatória Efetividade do Governo Estabilidade Política e Ausência de Violência Índice de Governança do Banco Mundial (100=melhor)
  13. 13. Produtividade (PIB PPP por unidade de trabalho crescimento em % de 1996 a 2011) 13 1.0 1.1 1.7 1.9 1.9 2.1 3.3 5.0 8.4 0.0 1.0 2.0 3.0 4.0 5.0 6.0 7.0 8.0 9.0 Brasil União Europeia Tailândia EUA Indonesia Malásia Coréia do Sul Índia China Fonte:Frischtak,C.(2012). BrasileChina:perspectivas.Elaboração:MBAssociados.
  14. 14. Produção industrial 14 -20 -5 10 25 dez/09 dez/10 dez/11 dez/12 dez/13 dez/14 Mês contra mês do ano anterior Acumulado em 12 meses Fonte:IBGE. Elaboraçãoe projeção:MB Associados. 2013: 1,2% 2014: 0,4%
  15. 15. Nível de reservatórios já está com tendência 5% menor do que durante o apagão de 2001 15 25 35 45 55 65 75 85 95 Jan-00 Jul-00 Jan-01 Jul-01 Jan-02 Jul-02 Jan-03 Jul-03 Jan-04 Jul-04 Jan-05 Jul-05 Jan-06 Jul-06 Jan-07 Jul-07 Jan-08 Jul-08 Jan-09 Jul-09 Jan-10 Jul-10 Jan-11 Jul-11 Jan-12 Jul-12 Jan-13 Jul-13 Jan-14 Tendência Brasil Fonte:ONS,MB Associados.
  16. 16. Salário mínimo (US$ PPC) – média móvel 12 meses 16 0 50 100 150 200 250 300 350 400 1941.06 1943.05 1945.04 1947.03 1949.02 1951.01 1952.12 1954.11 1956.10 1958.09 1960.08 1962.07 1964.06 1966.05 1968.04 1970.03 1972.02 1974.01 1975.12 1977.11 1979.10 1981.09 1983.08 1985.07 1987.06 1989.05 1991.04 1993.03 1995.02 1997.01 1998.12 2000.11 2002.10 2004.09 2006.08 2008.07 2010.06 2012.05 Fonte:Ipeadata.Elaboração:MB Associados. 273%
  17. 17. Quem pode compreender um texto básico? Cada vez menos pessoas... 17 % do total por faixa escolar
  18. 18. Fim de ciclo na economia brasileira em quase todos os segmentos 18 95.0 115.0 135.0 155.0 175.0 195.0 215.0 I II IIIIV I II IIIIV I II IIIIV I II IIIIV I II IIIIV I II IIIIV I II IIIIV I II IIIIV I II IIIIV I II IIIIV I II IIIIV I II IIIIV I II IIIIV I II IIIIV I II IIIIV I II IIIIV I II IIIIV I II III 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Comércio Interm. finaceira e seguros Fonte:IBGE. Elaboração:MB Associados. PIB — intermediação financeira e comércio —dados dessazonalizados
  19. 19. Fim de ciclo na economia brasileira em quase todos os segmentos 19 90.0 110.0 130.0 150.0 170.0 190.0 210.0 I II IIIIV I II IIIIV I II IIIIV I II IIIIV I II IIIIV I II IIIIV I II IIIIV I II IIIIV I II IIIIV I II IIIIV I II IIIIV I II IIIIV I II IIIIV I II IIIIV I II IIIIV I II IIIIV I II IIIIV I II III 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Formação Bruta de capital Fixo Construção Fonte:IBGE. Elaboração:MB Associados. PIB — Formação Bruta de Capital Fixo e construção — dados dessazonalizados
  20. 20. Quantum de exportação de produtos básico (2006=100) e tendência HP (linha vermelha) 20 0.0 20.0 40.0 60.0 80.0 100.0 120.0 140.0 160.0 180.0 Jan-77 Jan-78 Jan-79 Jan-80 Jan-81 Jan-82 Jan-83 Jan-84 Jan-85 Jan-86 Jan-87 Jan-88 Jan-89 Jan-90 Jan-91 Jan-92 Jan-93 Jan-94 Jan-95 Jan-96 Jan-97 Jan-98 Jan-99 Jan-00 Jan-01 Jan-02 Jan-03 Jan-04 Jan-05 Jan-06 Jan-07 Jan-08 Jan-09 Jan-10 Jan-11 Jan-12 Jan-13 Fonte:Funcex,MBAssociados.Elaboração:MB Associados. Fim de ciclo na economia brasileira em quase todos os segmentos
  21. 21. O que também tem aumentando a insatisfação da população 21 95.0 97.0 99.0 101.0 103.0 105.0 107.0 109.0 mar/1999 jul/1999 nov/1999 mai/2000 nov/2000 jun/2001 nov/2001 jun/2002 nov/2002 jun/2003 dez/2003 jun/2004 nov/2004 jun/2005 dez/2005 jun/2006 dez/2006 jun/2007 nov/2007 jun/2008 dez/2008 mai/2009 nov/2009 jun/2010 dez/2010 jul/2011 dez/2011 Jun/2012 Dec/2012 Jun-13 Índice de Satisfação com a Vida Tendência (Filtro HP) Fonte:CNI.Elaboração: MB Associados. Índice de Satisfação com a Vida - CNI
  22. 22. PNAD contínua – taxa de desemprego em 2013 deve ter sido quase 2 pontos percentuais a mais que a Pesquisa Mensal de Emprego 22 6.2 4.6 4 4.5 5 5.5 6 6.5 7 7.5 8 8.5 I/12 II/12 III/12 IV/12 I/13 II/13 III/13 IV/13 PNAD Contínua PME Fonte:IBGE. Elaboraçãoe projeção: MB Associados. 9.5 9.8 9.9 7.2 7.1 7.1 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0 10.5 IV/12 I/13 II/13 Nordeste Sudeste Fonte:IBGE. Elaboração:MB Associados. Taxas de desemprego - % Taxas de desemprego regional - % IBGE divulgou nova taxa de desemprego, muito mais completa por considerar todo o país. Resultado aponta taxa de desemprego maior, condizente com cenário de crescimento baixo recente... ...Mas mesmo assim, ainda é uma taxa relativamente baixa, que mostra sinais de queda ainda em 2014, mas com algumas disparidades regionais. Nordeste apresenta uma taxa ainda elevada em torno de 10%.
  23. 23. Massa real de renda (crescimento anual - %) 23 1.6 4.2 5.9 5.8 6.9 3.9 7.4 4.8 6.3 2.6 2.8 1.5 2.8 3.5 0.0 1.0 2.0 3.0 4.0 5.0 6.0 7.0 8.0 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 P 2014 P 2015 P 2016 P 2017 P Fonte:IBGE. Elaboraçãoe projeção:MB Associados. Massa real de renda deve crescer próximo de 3% ao ano até 2017, com recuperação se iniciando após o ano de ajuste que será em 2015.
  24. 24. Evolução do índice de volume de vendas no varejo 24 3.6 4.3 0 4 8 12 16 Dec-07 Dec-09 Dec-11 Dec-13 Ampliado Restrito Cresc. acumulado em 12 meses - % Fonte: IBGE. Elaboração: MB Associados. Nota: Restrito não considera a venda de materiais de construção e veículos.
  25. 25. Taxa de investimento durante governo Dilma terá dificuldade de crescer 25 17,8 19,3 18,0 20,3 20,7 20,4 19,819,8 19,4 18,918,718,7 18,318,518,8 19,2 19,7 15,0 16,0 17,0 18,0 19,0 20,0 21,0 22,0 Fonte: IBGE. Elaboração: MB Associados. Taxa de investimento - % do PIB a preços de 1995
  26. 26. Taxa real de juros maior também vai colaborar para crescimento mais fraco (%) 26 -4.00 -2.00 0.00 2.00 4.00 6.00 8.00 10.00 12.00 14.00 16.00 Dec-04 May-05 Oct-05 Mar-06 Aug-06 Jan-07 Jun-07 Nov-07 Apr-08 Sep-08 Feb-09 Jul-09 Dec-09 May-10 Oct-10 Mar-11 Aug-11 Jan-12 Jun-12 Nov-12 Apr-13 Sep-13 Feb-14 Jul-14 Dec-14 Taxa real de juros (ex-post) PIB mensal Bacen Fonte:Bacen,IBGE. Elaboraçãoe projeção:MB Associados.
  27. 27. Taxa real de câmbio e balança comercial – depreciação real foi muito pequena ainda 27 0.0 20.0 40.0 60.0 80.0 100.0 120.0 -10000 0 10000 20000 30000 40000 50000 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Balança comercial (US$ bilhões) Taxa real de câmbio (R$/cesta de 13 moedas) Fonte: Mdic, Bacen. Elaboração:MB Associados.
  28. 28. 2,25 1,681,6 2,1 2,6 3,1 3,6 4,1 08/03/13 06/09/13 07/03/14 2013 2014 Consolidou-se a percepção comum de crescimento menor para 2014 28 PIB - Mediana do mercado (anual - %) Projeção MB Associados (anual - %) Fonte: Banco Central . Elaboração MB Associados PIB a preços de mercado 2,3 1,6 Oferta Agropecuária 7,0 3,0 Indústria 1,3 0,7 Mineração -2,8 2,2 Transformação 1,9 -0,8 Construção Civil 1,9 1,8 Serviços 2,0 1,7 Demanda Consumo do Governo 1,9 1,9 Consumo das Famílias 2,3 1,9 Formação Bruta de Capital 6,3 1,5 Exportação 2,5 8,0 Importação 8,4 2,6 Fonte: IBGE. Elaboração e Projeção: MB Associados (05/02/14). 2013 2014 P
  29. 29. Desvalorização da taxa de câmbio ainda é uma realidade 29 2,34 1,90 2,00 2,10 2,20 2,30 2,40 2,50 07/03/13 07/06/13 07/09/13 07/12/13 07/03/14 Source:Bloomberg.PreparedbyMBAssociados R$/Dólar Risco de rebaixamento do rating no primeiro semestre de 2015 Deverá ocorrer nova rodada de desvalorização da taxa de câmbio em virtude da política monetária norte-americana, do risco do rebaixamento do rating e do risco Dilma
  30. 30. Transações correntes e Balança Comercial 30 12 14 14 2 -28 -24 -47 -52 -54 -81 -85 -84 34 45 46 40 25 25 20 30 19 3 -5 -2 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 P 2015 PFonte:Bacen.Projeções:MBAssociados. Transações Correntes Balança Comercial Bilhões - US$
  31. 31.  Mercados emergentes em geral estão em pior situação agora com crescimento um pouco menor da China e turbulência internas, especialmente na Turquia, Tailândia, Índia e Argentina. A palavra contágio volta a aparecer, como ocorreu nos anos 90 na crise da Tailândia, mesmo que a situação brasileira não esteja tão complicada quanto esses países;  Por nossa situação ser um pouco melhor (déficit em conta corrente em torno de 3,5% do PIB, investimento direto estrangeiro elevado, baixo endividamento externo), a depreciação cambial não é tão intensa;  Entretanto, a situação dos emergentes se junta à mudança de política monetária americana, que vai durar muito tempo ainda. Processo apenas se iniciou e elevação da taxa básica americana deve ficar para 2015. Volatilidade, por conta disso, vai continuar;  Cenário doméstico ainda causa incertezas, especialmente sobre como será a política econômica a partir de 2015. Isso tende a gerar volatilidade ao longo deste ano. A partir de 2015, devem haver algumas mudanças, mas nada radical, e isso pode ainda trazer insegurança para os mercados.  Conclusão: tendência é de taxa de câmbio continuar depreciada nos próximos anos, ficando acima de R$/US$ 2,5. Por que a taxa de câmbio deverá continuar a depreciar? 31
  32. 32. IPCA nos três primeiros anos dos últimos governos – sem ganhos adicionais (acumulado em 12 meses em %) 32
  33. 33. Carga tributária % do PIB 33 20 22 24 26 28 30 32 34 36 38 1986 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Fonte:IBPT.
  34. 34. Decomposição do Resultado Fiscal Primário do Setor Público Consolidado (% do PIB) 34 0.9 0.4 0.4 0.2 0.2 0.2 0.3 0.3 0.4 0.7 0.8 1 2.1 2.8 2.8 3.1 3.2 3.6 3.7 3.1 3.2 3.2 1.7 1.5 2.4 1.6 0.8 0.6 0.6 0.9 0.5 0 0.5 1 1.5 2 2.5 3 3.5 4 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Receitas não correntes, extraordinárias Esforço fiscal Abatimento da Meta Fonte:IBRE/FGV.Elaboração:MB Associados.
  35. 35. Ibope: Avaliação da Presidente 16 55 39 -20 0 20 40 60 80 100 set-07 mar-09 jul-11 dez-12 nov-13 Saldo Aprova Desaprova Fonte:Ibope.Elaboração:MB Associados.(*) Saldo=Aprova- Desaprova. % Dilma<---- Lula 35
  36. 36. 43,7 17 9,9 Dilma Rouseff Aécio Neves Eduardo Campos CNT/MDA: Cenários para eleições de 2014 – 1º Turno 36 Fonte: CNT . Elaboração: MB Associados. Cenário A - % Cenário B - % 40,7 15,1 20,6 Dilma Rouseff Aécio Neves Marina Silva Fev/14
  37. 37. Há um descontentamento evidente, mas oposição não está conseguindo captar esse sentimento 37
  38. 38. Confiança nas Instituições – nem em Brasília, nem na TV 38 8 25 45 44 34 33 46 45 55 70 5 17 31 31 33 35 41 43 56 72 0 20 40 60 80 Partidos Políticos Congresso Nacional Emissoras de TV Governo Federal Judiciário Polícia Grandes empresas Imprensa escrita Igreja Católica Forças Armadas III/13 I/11 Fonte:FGV.Elaboração:MB Associados.
  39. 39.  O vice do PSDB (especulações sobre Joaquim Barbosa, Ellen Grace, etc.);  Como São Paulo votará? (primeira eleição que não terá candidato paulista);  O crescimento de candidatos de esquerda: PSOL e semelhantes podem lançar candidaturas que atraiam uma minoria importante para 2º Turno;  Quem conseguirá obter apoio dos eleitores mais pobres? Fatores que podem afetar as eleições em 2014 39
  40. 40. Bancada na Câmara dos Deputados (novembro 2013) 40
  41. 41. Cenário atual é complicado, mas poucos países têm o potencial que o Brasil tem 41
  42. 42. Massa real de renda - mais 21 milhões de pessoas devem passar para a classe média até 2020 42 Participação do número de famílias, por classe de renda Participação da renda real, por classe Fonte: IBGE (PNAD). Elaboração: MB Associados. Nota: a preços de 2011. Classe social da família (renda mensal): Classe A: acima de R$ 10,900 Classe B: de R$ 5,450 a R$ 10,900 Classe C: de R$ 1,635 a R$ 5,450 Classe DE: abaixo de R$ 1,635 Massa total de renda (em R$ bilhões) 10% 20% 30% 40% 50% Projeção 0 300 600 900 1,200 1,500 1,800 Bilhões Projeção 0% 20% 40% 60% 80% Projeção
  43. 43. São Paulo e Rio estão deixando de ter a concentração do passado 43 40.0 42.0 44.0 46.0 48.0 50.0 52.0 54.0 56.0 58.0 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 São Paulo + Rio de Janeiro Restante do país 4 pontos percentuais de diferença 12 pontos percentuais de diferença Fonte: IBGE. Elaboração: MB Associados. Participação do PIB (%)
  44. 44. Estoque de trabalhadores formais também cada vez maior fora do eixo Rio-SP 44 8,000,000 13,000,000 18,000,000 23,000,000 28,000,000 33,000,000 1985 1989(*) 1993 1997 2001 2005 2009 São Paulo + Rio de Janeiro Restante do Brasil Restante do Brasil tinha 12% a mais de empregos que SP e Rio em 1985 Diferença fora do eixo Rio-SP é de 60%! Fonte:MinistériodoTrabalho.Elaboração:MB Associados.
  45. 45. 45.4 21.4 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 20 25 30 35 40 45 50 Aug-07 Aug-10 Aug-13 Endividamento Comprometimento Endividamento das famílias e nível de comprometimento da renda em % do total da renda Endividamento das famílias % do total da renda Fonte: Banco Central. Elaboração: MB Associados 171 148 126 107 104 99 88 45,4 Reino Unido Canadá Japão França EUA Alemanha Itália Brasil Ago/13 Endividamento das famílias e nível de comprometimento da renda (em % do total da renda)
  46. 46. Pirâmide Etária Nacional 46 10.000.000 5.000.000 0 5.000.000 10.000.000 0 a 4 anos 5 a 9 anos 10 a 14 anos 15 a 19 anos 20 a 24 anos 25 a 29 anos 30 a 34 anos 35 a 39 anos 40 a 44 anos 45 a 49 anos 50 a 54 anos 55 a 59 anos 60 a 64 anos 65 a 69 anos 70 a 74 anos 75 a 79 anos 80 anos e mais 10.000.000 5.000.000 0 5.000.000 10.000.000 0 a 4 anos 5 a 9 anos 10 a 14 anos 15 a 19 anos 20 a 24 anos 25 a 29 anos 30 a 34 anos 35 a 39 anos 40 a 44 anos 45 a 49 anos 50 a 54 anos 55 a 59 anos 60 a 64 anos 65 a 69 anos 70 a 74 anos 75 a 79 anos 80 anos e mais 1991 2010 Homens Mulheres Homens Mulheres Fonte: Censo 2010 Elaboração: MB Associados.
  47. 47. Evolução das população brasileira (milhões de pessoas) 0 50 100 150 1980 1990 2000 2013 2020 (P)2030 (P)2040 (P)2050 (P)2060 (P) 0-14 15-59 acima de 60 milhõesde pessoas Fonte: IBGE. Elaboração:MB Associados.2008* - últimarevisãodosdadospeloIBGE.
  48. 48. Desenvolvimento humano em 20 anos cresceu muito... 1991 2000 2010 Índice de Desenvolvimento Humano
  49. 49. Índice de Desenvolvimento Humano - Dimensão Renda 49 1991 2000 2010
  50. 50. ...E evolução mais forte se deu no Norte e Nordeste 50 Variação do IDH (2010-1991) - %
  51. 51. Produção de grãos e cereais – expansão da fronteira agrícola para Centro-Oeste e Mapito 51 1990 2011 Toneladas 1 - 23.799 23.800 - 77.202 77.203 - 160.511 160.512 - 315.035 315.036 - 560.443 560.444 - 1.004.810 1.004.811 - 1.581.005 1.581.006 - 3.100.401
  52. 52. PIB regional (1995=100): Existem forças diferenciadas nas regiões 52 100.0 110.0 120.0 130.0 140.0 150.0 160.0 170.0 180.0 190.0 200.0 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 NORTE: INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E CONSTRUÇÃO CENTRO-OESTE: INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO, AGROPECUÁRIA E SERVIÇOS NORDESTE: CONSTRUÇÃO E SERVIÇOS DE UTILIDADE PÚBLICA BRASIL SUL: AGROPECUÁRIA SUDESTE: EXTRATIVA MINERAL Fonte:IBGE. Elaboração:MB Associados.
  53. 53.  Governo Dilma se transformou em risco Dilma: diferença com 2002 é que havia possibilidade do Lula seguir Carta ao Povo Brasileiro, como seguiu no começo. Agora não há nada parecido com isso;  Ou seja, Presidente Dilma ganhando em 2014, cenário mais provável, serão 4 anos bastante difíceis, com piora adicional do quadro político (PT mais fraco e presidente mais isolada);  Perfil dual da Presidente Dilma - que quer ser Argentina e Chile ao mesmo tempo - é de difícil sustentação. Tendência é cada vez mais sermos comparados com Argentina e menos com Chile;  Mas mercado é grande, institucionalidade ainda é melhor que vários países e tem espaço de crescimento em setores baseados na demanda doméstica e na agropecuária. Conclusão 53
  54. 54. PIB – crescimento anual em % 54 -1.0% 0.0% 1.0% 2.0% 3.0% 4.0% 5.0% 6.0% 7.0% 8.0% 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 Fonte:IBGE. Elaboraçãoe projeção:MB Associados.
  55. 55. 1. Cenário Doméstico 2. Tendências do mercado nas categorias de interesse
  56. 56.  A plataforma é uma forma organizada para apresentar o cenário econômico e as projeções para o setor. Nela, estão contidas o Power Point com a apresentação, o banco de dados das projeções macroeconômicas e dos setores aqui estudados e os mapas de crescimento para cada segmento discutido;  Os mapas são interativos, onde o usuário pode escolher a categoria e o ano que pretende analisar. Bem como o valor do crescimento para cada estado;  A plataforma ficará disponível na internet, protegida por login e senha, podendo ser acessada facilmente de qualquer lugar;  Além destas funcionalidades, a mesma contem a “consulta avançada”, uma ferramenta de pesquisa aos dados de faturamento real; Apresentação da plataforma web 56  Esta ferramenta facilita a tomada de decisão, pois cada usuário consegue filtrar as projeções de acordo com sua área e seu interesse. Nela podemos responder questões como: 1. Por qual canal será mais consumida cerveja no estado de São Paulo?; 2. Qual o estado que mais irá consumir água?; 3. Qual tipo de cerveja será mais vendida em 2016?; 4. Qual melhor canal de distribuição para suco?; 5. Qual o faturamento real de refrigerante nos próximos 5 anos?; 6. Qual o crescimento do mercado de cerveja Premium no Brasil?
  57. 57.  Este trabalho objetiva traçar um cenário econômico e social do Brasil e suas regiões, para os próximos 4 anos (até 2018), que sirva de suporte ao projeto “Proposta Apoio Na Revisão Do Modelo de Segmentação E Na Otimização Da Estrutura De Atendimento Dos DPs” elaborado pela PWC.  O cenário elaborado pela MB Associados tratou dos segmentos de cervejas, refrigerantes, sucos e águas, por Estado brasileiro e Canal de Distribuição. Objetivo do estudo de projeções do mercado de cerveja 57
  58. 58. Construção de mapas sobre o gasto familiar com as categorias de interesse (análise setorial e estadual) com projeções até 2018: ‒ Quebra do Brasil em Estados, pois é o grau de divisão possível da POF (Pesquisa de Orçamento Familiar) do IBGE; ‒ Categorias de consumo de interesse primário, passíveis de categorização na POF: cerveja (premium, discount, mainstream), refrigerante, água e suco; ‒ Canais de distribuição: será feito um retrato dos canais de distribuição como existem para esses produtos. Conseguimos identificar diversas categorias via POF onde esses produtos são consumidos. Não serão feitas considerações qualitativas sobre esses canais dado o prazo curto de 2 meses para realização do estudo. Estrutura do trabalho 58
  59. 59.  As projeções foram realizadas baseadas nos seguintes dados: • Nielsen: Foram utilizados os dados de consumo de cerveja. Estes são dados amostrais e divulgados por regiões definidas. • POF (pesquisa de orçamento familiar – IBGE): Divulgados a cada 5 anos, foram utilizados os dados de 2008/2009. Utilizamos o consumo anual familiar de cerveja para calcular o peso do consumo de cerveja por estado.  Crescimento do consumo de cerveja: Foi calculado o consumo de cerveja com os dados amostrais da Nielsen, ponderados com os pesos calculados pelos dados da POF para os estados. Como os dados eram amostrais, calculamos o crescimento percentual do mesmo.  As projeções serão apresentadas nas seguintes formas: • Variação anual real: esta variável levará em conta a projeção do IPCA por estado; • Estimativa do faturamento real, por ano: Esta variável foi construída baseada na estimativa de mercado no período de dez/12 a nov/13, calculada pela PWC; Construção das variáveis 59
  60. 60. Vendas no varejo por região (PMC) (crescimento acumulado em 12 meses em %) 60 -10.0 -5.0 0.0 5.0 10.0 15.0 20.0 Sudeste Norte Nordeste Sudeste Sul Centro Oeste Fonte:IBGE. Elaboração:MB Associados. Efeito Bolsa Família e salário mínimo não ocorrerá mais como no passado por restrição fiscal
  61. 61. Regiões Nordeste e Norte tem alta dependência dos programas de renda: Bolsa Família e Aposentadoria Rural 61 Fonte: Caixa Econômica Federal e IBGE. Elaboração: MB Associados. Nota: O número de famílias em 2013 foi calculado com base no número divulgado pelo Censo em 2010 e aplicada a média anual de crescimento da população. 36% 40% 41% 28% 37% 23% 20% 19% 12% 13% 7% 10% 19% 17% 34% 42% 17% 16% 54% 51% 44% 37% 45% 44% 48% 44% Percentual das famílias que recebem benefícios do Bolsa família (2013)
  62. 62. Principais mudanças no perfil e composição da população brasileira 62 Aumento da demanda por serviços nas áreas de saúde, lazer, turismo para a terceira idade; As decisões de compra nas famílias estão cada vez mais concentradas nas mulheres; Isto tem levado, por exemplo, a um aumento do consumo de alimentos fora de casa e preparados, maior demanda por produtos de limpeza mais eficientes; Envelhecime nto da população Pessoas acima de 60 anos* (milhões): Aumento da participação das mulheres na força de trabalho Part. das mulheres na PEA (%) Aumento do número de casais sem filhos e sozinhos Número de domicílios com uma só pessoa (% de domicilios) Famílias chefiadas por mulheres (%) Mudanças no comportamento dos consumidores: consomem mais e não têm gastos com dependentes. Portanto, gastam mais com bens de consumo e lazer; Ademais, esse novo tipo de consumidor requer adequação do tamanho das embalagens (supermercados já estão se ajustando); Fonte: Ibge, PNAD. Elaboração: MB Associados. 7,0% 10,4% 12,7% 1991 2004 2011 15 24 2001 2011 41,9% 43,3% 2001 2011 27,3% 30,5% 38,1% 2001 2005 2012
  63. 63. Projeções foram feitas usando as estimativas de vendas do varejo da PMC. Por quê?  Praticamente não existem dados estaduais extensos e confiáveis. Além do varejo há apenas indústria, mas que não consegue captar a evolução da economia como um todo: indústria é muito mais volátil que consumo (gráfico);  Projeções de vendas no varejo foram feitas com diversas variáveis macroeconômicas, ficando apenas as que tinham correlação significativa com os dados de varejo (modelo ARIMAX);  Em econometria, as estimativas de uma variável já filtram as informações que vem de PIB, inflação, etc, por isso não se pode usar PIB e varejo, por exemplo, numa mesma regressão para estimar os dados de cerveja. Há endogeneidade entre PIB e varejo, ou PIB e inflação, etc, que impede que essas variáveis sejam utilizadas nessa modelagem escolhida. Varejo já capta tudo que é necessário;  Alternativa? VAR (Vetor Autoregressivo), mas que vários estudos mostram que projeções não são diferentes do que as feitas aqui. Projeções de cerveja 63
  64. 64. PIB, indústria e varejo (crescimento acumulado em 4 trimestres em %) 64 -10.00 -8.00 -6.00 -4.00 -2.00 0.00 2.00 4.00 6.00 8.00 10.00 12.00 PIB Indústria Consumo Fonte:IBGE. Elaboração:MB Associados.
  65. 65. Projeções por canal (crescimento acumulado em 12 meses em %) 65 0.0 5.0 10.0 15.0 20.0 25.0 Dec-12 Mar-13 Jun-13 Sep-13 Dec-13 Mar-14 Jun-14 Sep-14 Dec-14 Mar-15 Jun-15 Sep-15 Dec-15 Mar-16 Jun-16 Sep-16 Dec-16 Mar-17 Jun-17 Sep-17 Dec-17 Mar-18 Jun-18 Sep-18 Dec-18 Autosserviço Bar Tradicional INC/Total Projeções Fonte:Nielsen,PWC,IBGE.Elaboraçãoeprojeção:MB Associados.  Projeções seguem tendência observada nos dados: crescimento de autosserviço tem sido muito menor do que nos outros segmentos.  Crescimento maior em 2014 e 2016 segue tendência observada por efeito Copa e Olímpiadas, com impacto maior por conta da Copa;  Inflação média do Brasil nesse período ficará próxima de 6,5%, o que significa crescimento real em torno de 7% ao ano no total Brasil.
  66. 66. Crescimento real por canal – em % 66 8.3 2.2 6.2 6.1 5.9 10.0 4.9 8.6 8.3 8.4 10.7 4.1 8.7 7.8 7.9 9.7 4.0 8.0 7.6 7.6 0.0 2.0 4.0 6.0 8.0 10.0 12.0 2014 2015 2016 2017 2018 Autosserviço Bar Tradicional INC/Total Fonte: Nielsen, MB Associados.
  67. 67. Crescimento real por segmento – em % 67 11,2 6,9 9,7 9,6 9,19,1 3,3 7,6 7,2 7,4 18,5 10,2 11,4 9,6 8,5 0,0 2,0 4,0 6,0 8,0 10,0 12,0 14,0 16,0 18,0 20,0 2014 2015 2016 2017 2018 Discount Mainstream Premium Fonte: Nielsen, MB Associados.
  68. 68. Resultados – Por Região (variação real do faturamento em %) 68 Discount 2014 2018
  69. 69. Resultados – Por Região (variação real do faturamento em %) 69 Mainstream 2014 2018
  70. 70. Resultados – Por Região (variação real do faturamento em %) 70 Premium 2014 2018
  71. 71.  Brasil dos próximos 5 anos será muito diferente dos 5 anos anteriores. Crescimento médio entre 2009 e 2013 foi de 2,6%. Entre 2014 e 2018 deverá ser de 1,2%. 2015 será ano de crise por conta de necessário ajuste fiscal e monetário e último ano da presidente Dilma, caso reeleita, deverá ser completa paralisia. Segue caminho de Sarney em final de mandato;  Neste cenário, não há mais espaço para crescimento forte de renda via política fiscal, o que significa que não teremos mais ampliações significativas de Bolsa Família e salário mínimo. Por isso Nordeste cresce mais nas cervejas mais baratas. Nordeste relevante não será o do litoral, mas o que está no MAPITOBA;  Região que se destaca em todos os cenários é Centro-Oeste, onde não apenas agronegócio cresce, mas também onde está havendo concentração de negócio de infraestrutura, com concentração de saída de escoamento na região Norte e Nordeste Conclusões - Cerveja 71
  72. 72. MB Associados Rua Henrique Monteiro, 90 – Térreo/12° andar Pinheiros São Paulo SP – 05423-020 Telefone: (11) 3062 - 1085 www.mbassociados.com.br
  73. 73. Anexo
  74. 74. 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 74
  75. 75.  Crescimento mundial voltará a se acelerar nos próximos anos, retornando a patamares de expansão próximos de 4%, especialmente por conta dos países desenvolvidos, que retomam crescimento maior depois da crise de 2008;  Mercados emergentes continuarão crescendo, mas em ritmo menor que no passado. China não terá impacto de crescimento em commodities tão intenso como foi entre 2003 e 2008;  Para o Brasil, significa que o mercado doméstico será o carro chefe do crescimento. Ainda há muito a se explorar de consumo na classe média, especialmente em bens duráveis e imóveis. Aumento de renda e emprego deve seguir, o que será essencial para manter padrão de consumo relativamente bom;  A perspectiva de renda crescente também continuará impactando positivamente em demanda por serviços. Sumário Executivo 75
  76. 76. China  Reformas vão sustentar o crescimento  O pouso forçado da economia deve ser evitado 76 O mundo começa a diferenciar os emergentes entre si Argentina  Crise cambial  Má gestão macro econômica Rússia  Crescimento baixo  Corrupção afasta o investimento privado Índia  Reformas na direção do aumento do crescimento  Instabilidade política Turquia  Crise política  Desvalorização cambial  Forte aumento de juros  Elevado déficit em conta corrente e poucas reservas África do Sul  Inflação alta  Aumento de juros  Deficiências na infraestrutura Brasil  Esgotamento do modelo de crescimento  Dificuldade em fazer reformas Ucrânia  Crise política  Desequilíbrios macroeconômicos internos e externos Tailândia  Crise política  Desequilíbrio externo
  77. 77. Crescimento mundial – emergentes seguirão crescendo mais 77 5.2 3.8 2.2 -6.0 -4.0 -2.0 0.0 2.0 4.0 6.0 8.0 10.0 19801982198419861988199019921994199619982000200220042006200820102012201420162018 Mundo Desenvolvidos Emergentes Fonte:FMI. Elaboração:MB Associados. Média 2013/2018
  78. 78. Recuperação da recessão não tem sido tão diferente do passado para os EUA… 0.0 2.0 4.0 6.0 8.0 10.0 Jan/54 Jan/66 Jan/78 Jan/90 Jan/02 Jan/14 Fonte:BLS. Elaboração:MB Associados.*Dadosdessazonalizados % EUA: taxa de desemprego (%) 78
  79. 79. EUA: revolução energética: preço do gás natural (US$/MMBTU) ... e cenário de médio e longo prazo é positivo 79 EUA: evolução produtividade mão-de-obra (índice 2005=100) Crescimento da população (em milhões de pessoas) 8.8 3.9 4.2 4.0 2.8 2008 2009 2010 2011 2012 Fonte: Bloomberg, UN population division. Elaboração: MB Associados. 478 675 941 1,551 0 500 1,000 1,500 2,000 1950 2000 2050 2100 EUA Europa China Índia 96 97 100 103 104 105 106 2007 2009 2011 2013
  80. 80. Grécia é o maior exemplo de que a situação europeia pode piorar muito 80 70 75 80 85 90 95 100 105 1 2 3 4 5 6 7 Grécia EUA Fonte:BEA,UBS. Elaboração: MB Associados. 2013 -24,8% 1933 -26,7% PIB - Grécia (2008=100) e EUA (1930=100)
  81. 81. China: ainda há muito que crescer, agora baseado em consumo, o que será essencial para agricultura brasileira... 81 % do PIB per capita americano
  82. 82. ...mas indústria chinesa já dá sinais de perda de competitividade 82 Fonte: BofA Merril Lynch. Custo Unitário do Trabalho: México e China
  83. 83. Crescimento do PIB em US$ (PPP) - soma de 99/2000 e 2011/2012 83 522.7 1158.0 755.7 2277.3 1185.8 523.6 0.0 500.0 1000.0 1500.0 2000.0 2500.0 China EUA Área do Euro 1999/2000 2011/2012 Fonte:FMI. Elaboração:MB Associados. 95.7 169.0 24.7 161.4 129.0 192.6 0.0 50.0 100.0 150.0 200.0 250.0 1999/2000 2011/2012 Brasil Chile/Colombia/Peru México Fonte:FMI. Elaboração:MB Associados. Crescimento chinês em percentual será menor nos próximos anos, mas adicionará mais do que o dobro que o PIB americano, a exemplo da soma 2011/2012... ...enquanto Brasil adicionou quase o mesmo que Chile, Colômbia e Peru e menos que o México. Mercado brasileiro é grande mas a continuar baixo crescimento adicionará cada vez menos PIB comparado com outros emergentes da América Latina.
  84. 84. Chile, Colômbia e Peru têm crescimentos importantes, mas PIB ainda deverá ser metade do PIB brasileiro 84 51.8 30.0 35.0 40.0 45.0 50.0 55.0 1980 1982 1984 1986 1988 1990 1992 1994 1996 1998 2000 2002 2004 2006 2008 2010 2012 2014 2016 2018 Fonte:FMI. Elaboração: MB Associados. % do PIB brasileiro (Paridade do Poder de Compra)
  85. 85. % do PIB per capita chileno 85 50.0 70.0 90.0 110.0 130.0 150.0 170.0 190.0 210.0 1980 1982 1984 1986 1988 1990 1992 1994 1996 1998 2000 2002 2004 2006 2008 2010 2012 2014 2016 2018 Brazil Colombia Mexico Peru Fonte:FMI. Elaboração: MB Associados.
  86. 86. 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 86
  87. 87. Custo Unitário do Trabalho (CUT): dólar ajudou, mas custo em reais segue pressionado 87 95 105 115 125 135 145 155 165 175 185 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Custo Unitário do trabalho (real) Custo Unitário do trabalho em US$ (taxa de câmbio REAL) Fonte:IBGE, Bacen.Elaboração:MB Associados.
  88. 88. Quantidade de pessoas/instituição de ensino superior 88 - 10,000 20,000 30,000 40,000 50,000 60,000 1991 1993 1995 1997 1999 2001 2003 2005 2007 2009 Norte Nordeste Sudeste Sul Centro-Oeste Fonte:INEP,IBGE. Elaboração:MB Associados. Há mais ensino superior no país, especialmente no Norte e Nordeste
  89. 89. Custo do trabalho calculado pela FGV incorpora além dos custos tributários, gastos da empresa com o empregado, como treinamento e despesas administrativas. Dado que a educação não tem conseguido aumentar o nível de produtividade do trabalhador, exigindo treinamento extra na empresa, esse custo se tornou um dos mais importantes, correspondente a quase 20% do salário bruto. A complexidade de administração dessa legislação também exige custos administrativos elevados, que chegam a quase 45%. Assim, o custo trabalhista calculado por José Pastore em 1996 e que considerava que esse custo chegava a 102% do salário é, na verdade, muito maior, chegando a 191,2% nos cálculos de 2012 da FGV. Diminuir o custo trabalhista assim tem um efeito direto e indireto. Ao diminuir a complexidade dos impostos pode haver diminuição dos custos gerenciais e do custo direto via impostos. Isso exigiria também que o padrão educacional melhorasse, via aumento das escolas técnicas, por exemplo, que permitiria a diminuição do custo de treinamento. Custo do Trabalho Ampliado (% sobre o salário mensal em carteira) 89
  90. 90. Ocupação segue em desaceleração 90 91 35 208 426 -29 -200 0 200 400 600 800 1,000 Dec-10 Dec-11 Dec-12 Dec-13 Milhares Indústria ConstruçãoCivil Comércio Serviços Agropecuária Fonte:Caged.Elaboração:MB Associados. Soma em 12 meses- milhares PME – crescimento acumulado em 12 meses em % CAGED – soma em 12 meses em milhares 1.2 2.1 0.0 2.0 4.0 6.0 Dec-07 Dec-10 Dec-13 Privado Público
  91. 91. Massa real de rendimento em desaceleração -3 0 3 6 9 Dec-07 Dec-08 Dec-09 Dec-10 Dec-11 Dec-12 Dec-13 Dec-14 ocupados Rendimento médio real Massa real 2012 2013 2014 ocupados 2.2 1.1 1.5 rendimento 4.1 1.5 0.8 massa 6.3 2.7 2.3 Fonte:IBGE. Elaboração:MB Associados. Crescimento acumulado em 12 meses - %
  92. 92. Índice de Confiança do Consumidor 108.9 112.9 111.1 90 100 110 120 130 Jan-08 Jan-10 Jan-12 Jan-14 Índice de Confiança do Consumidor Média (2006- 2012) Média Móvel Trimestral Fonte: FGV.Elaboração: MB Associados. Índice (base: set.05=100) com ajuste sazonal
  93. 93. Investimento: recuperação em máquinas e equipamentos é sustentável? 93 11,2 2,2 8,5 -20,0 -5,0 10,0 25,0 jan/00 jan/04 jan/08 jan/12 Absorção de máquinas e equipamentos Construção Formação Bruta de Capital Fixo Fonte:IBGE. Elaboração:MB Associados. Crescimento acumulado em 12 meses - %
  94. 94. Vulnerabilidade dos Emergentes segundo o FED Fonte: FED. Elaboração: MB Associados. (*) Entre 06/04/13 e 06/02/14 -25 -20 -15 -10 -5 0 5 2,5 3,5 4,5 5,5 6,5 7,5 8,5 9,5 10,5 11,5 12,5 13,5 Apreciação cambial* - % Índice de Vulnerabilidade Coreia do Sul Tailândia México Colômbia Chile África do Sul Indonésia Índia Brasil Turquia China Rússia Malásia Taiwan Filipinas 94
  95. 95. Ibope: Avaliação do Governo Dilma 15 39 24 -5 15 35 55 75 95 set-07 mar-09 jul-11 dez-12 nov-13 Saldo Ótimo/bom Ruim/péssimo % Fonte:CNI-Ibope.Elaboração:MBAssociados.(*) Saldo= Ótimo/Bom- Ruim/Péssimo Dilma<---- Lula 95
  96. 96. Expectativa com relação aos próximos 6 meses 96 Fonte: CNT . Elaboração: MB Associados. Emprego - % Renda Mensal - % 34,7 38,3 36,7 16 17,6 20,7 set/13 nov/13 fev/14 Vai melhorar Vai piorar 36 35,4 32,2 7,8 9,6 12,2 set/13 nov/13 fev/14 Vai aumentar Vai diminuir
  97. 97. Expectativa com relação aos próximos 6 meses 97 Fonte: CNT . Elaboração: MB Associados. Saúde - % Educação - % 34,7 35 26,5 21,1 23,5 30,8 set/13 nov/13 fev/14 Vai melhorar Vai piorar 33,1 35,3 33,3 16,2 19,3 21,2 set/13 nov/13 fev/14 Vai melhorar Vai piorar
  98. 98. Expectativa com relação aos próximos 6 meses 98 Fonte: CNT . Elaboração: MB Associados. Segurança Pública - % 26,9 27,7 27 23,8 29,3 33,7 set/13 nov/13 fev/14 Vai melhorar Vai piorar
  99. 99. Vendas de automóveis maiores fora do eixo Rio-SP 99 400,000 600,000 800,000 1,000,000 1,200,000 1,400,000 1,600,000 1,800,000 2,000,000 Dec-00 May-01 Oct-01 Mar-02 Aug-02 Jan-03 Jun-03 Nov-03 Apr-04 Sep-04 Feb-05 Jul-05 Dec-05 May-06 Oct-06 Mar-07 Aug-07 Jan-08 Jun-08 Nov-08 Apr-09 Sep-09 Feb-10 Jul-10 Dec-10 May-11 Oct-11 Mar-12 Aug-12 Jan-13 Jun-13 Restante do Brasil Rio de Janeiro + São Paulo Fonte:Fenabrave.Elaboração:MBAssociados.

×