SP 461 anos - Edição de aniversário

76 visualizações

Publicada em

Histórias de quem viu a cidade mudar

Publicada em: Notícias e política
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
76
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

SP 461 anos - Edição de aniversário

  1. 1. 461 cidade sp dequemviua AaberturadoIbirapuera,ofimdobonde, ainauguraçãodoprimeiroshopping.Muitacoisa Aconteceu Nosúltimos60anos,e os moradoresacompanharamtudo de perto. Elescontamoqueviramesentiram, e voltamaoslugaresqueosmarcaram,numaespéciede viagemsentimentalnotempo paracelebraraaniversariantedodia. históriaS MUDAR ::: Ediçãode >Acidade vistapornossos fotógrafos Pág.12 AniversárioAniversário a Drrr r %HermesFileInfo:H-1:20150125: H1 DOMINGO, 25 DE JANEIRO DE 2015 O ESTADO DE S. PAULO
  2. 2. COORDENAÇÃOEEDIÇÃO:ANACAROLINASACOMAN;PAUTAEREPORTAGEM:DANIELTRIELLI,EDISONVEIGAEJULIANARAVELLI;EDITORADEARTE:ANDREAPAHIM;EDITORES-ASSISTENTESDEARTE:ADRIANOARAUJOETHIAGOJARDIM,VivianeJorge; EDIÇÃODEFOTOGRAFIA:EDUARDONICOLAU;FOTÓGRAFOS:DANIELTEIXEIRA,EDUARDONICOLAU,JFDIORIO,HÉLVIOROMERO,MÔNICAZARATTINI,NILTONFUKUDA,SÉRGIONEVESETIAGOQUEIROZ;TRATAMENTODEIMAGENS:CARLAREJIANE MONFILIER;MULTIMÍDIANAWEB:JULIANARAVELLI,DANIELTRIELLIEEDGARMACIEL(TEXTO);VINICIUSSUEIRO,RENANKIKUCHEETIAGOHENRIQUE(DESIGN);ESTADÃOFAVORITOS:EDITOR-ASSISTENTE:DANIELTRIELLI;DESIGNER:AKIRAYAMAMOTO ibi r P ( a 1@ ª DACIDADE abredepoisda festa oparquemais qu rido& rrrr AediçãodeaniversáriodeSãoPaulocontinua naINTERNET.OESTADOcriouumsitecomos principaiseventosdacidadedesde1954, datadafestado4.ºCentenárioedainauguração doIbirapuera,asmemóriasmaisantigas publicadasnesteespecial. Nessalinhadotempo, oleitorvaipoder explorarfatosque mudaramacidadepara sempre,comoaabertura daAVENIDA23DEMAIO,em 1969,acriaçãodoRODÍZIO DEVEÍCULOS,em1995,ea aplicaçãodaLEICIDADE LIMPA,quetransformou radicalmenteapaisagem dacapital,em2007. TambémháumQUIZpara quemquisertestar osconhecimentos sobrecuriosidadesda históriapaulistana. Alémdisso,o ESTADÃOFAVORITOS, aplicativodo ESTADOparaTABLETS eCELULARES,lança oespecialSP461.Ele mostraaevolução dacidadedécada adécada,desde 1954,emMAISDECEM FOTOSdocotidiano paulistano.O aplicativopode serbaixado gratuitamente naAppStoreena GooglePlay,masCada especialécomprado separadamente.O SP461custaUS$2,99 (cercadeR$7,70). bienaldo LI V R O uera > }} ( Confira!www.estadao.com.br/e/sp461 o imponente Dodge verde dotio parou nafrente de casa. Era sempre uma festa quando ele e a tia chegavam. Aquele, en- tretanto, seria um dia diferente. A visita não fi- cariarestritaaoalmoçofar- toeaobompapocomafamí- lia. Em 21 de agosto de 1954, Cecilia Marisa Cifú, de 69 anos, entrou no carrocom“cheirinhobomdecouro” em direção àquela que se tornaria a sua melhor memória da infância: a inauguração do Parque do Ibirapue- ra, na zona sul da capital. “Meus tios haviam combinado commeuspais,maseunãosabiaaon- de iríamos. Foi surpresa chegar ao parque.” Na época, a dona de casa tinha 9 anos. Recorda o movimento, as pessoas “bonitas e arrumadas” e a gritaria. “Nunca tinha visto nada tão amplo, tão cheio de cor.” Naquele dia, ela recebeu aval dos pais para se fartar de algodão-doce, pipoca e sor- vete. Passou mal de tanto comer. ComprojetoarquitetônicodeOs- car Niemeyer e paisagístico de Otá- vio Augusto Teixeira Mendes, o Ibi- rapuera foi chamado de “o mais mo- derno logradouro público do mun- do”.Antesdenascer,existiaumpân- tano na região. O plantio de árvores – eucaliptos, principalmente – e a drenagemdaáguatornaramoproje- to possível. Aprevisão era inaugurá-lona festa dos 400 anos da cidade, em janeiro, mas as obras atrasaram. Quando abriu as portas, em agosto, o público também pôde conferir a Exposição do4.ºCentenário, comparque de di- versões,mostrasdeEstadosbrasilei- rosede28países,alémdeummuseu de cera. Para Cecilia, as figuras pare- ciam vivas, algumas tão terríveis que “causariampesadelosemmuitagen- te”. Após conferi-las, resolveu per- guntar a um guarda se ainda tinha muitacoisaparaver.Ospaiseostios começaramagargalhar.Sóaíelaper- cebeu:o guardatambém era decera. Ao longo da vida, Cecilia testemu- nhououtrosacontecimentoshistóri- cos da cidade. Chorou com o fim do bonde, em março de 1968 (leia mais na página 9). Em outubro do mesmo ano, sentiu pavor na Batalha da Ma- riaAntonia.Elaestavaemumaótica, no centro, quando o conflito entre alunosdaUniversidadedeSãoPaulo (USP) e do Mackenzie começou. Mas de tudo o que viu e viveu, a inauguraçãodoIbirapueraaindaocu- pa um canto especial no coração. O evento foi um alento para a menina que, um ano antes, havia enfrentado meses de choro e tristeza pela doen- ça e morte da avó. “Foi a primeira festa após um período triste.” Cecilia voltou ao parque várias ve- zes durante a juventude, depois de casada e com o filho. “É especial. Uma referência para o paulistano. O tempo passou e o Ibirapuera se tor- nou um dos ícones de São Paulo.” Emseisdécadas,oparque recebeu algunsdosmaisimportantesespetá- culos e exposições da capital. Hoje, abriga 494 espécies de plantas e 218 de animais. Até 90 mil pessoas visi- tamolocal pordia, nosfins desema- na e feriados. Em 2005, enfim ga- nhou o Auditório doIbirapuera, úni- ca obra de Niemeyer que ainda não haviasaídodopapel./JULIANARAVELLI m 1970, a produção edi- torial no Brasil engati- nhava.Naquelemomen- to, já circulavam pelo mundoteoriasqueanunciavam ofimdolivro.Desafiandoprevi- sões pessimistas, nasceu a 1.ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo. Alfredo Weis- zflog,de70anos,hojepresiden- te da Editora Melhoramentos, participou da feira, assim como de todas que se seguiram. “Na época, não havia profis- sionalismonenhum”,diz.“Brin- coqueaprimeiravezemquefui paraFrankfurt(sededamaiorfei- ra do setor no mundo), em 1969, senteinacalçada echoreiaover como era a produção de livros deles e a nossa.” Idealizada por Francisco Ma- tarazzoSobrinho,oCiccilloMa- tarazzo, a bienal paulistana foi realizada pela Câmara Brasilei- ra do Livro (CBL) entre 15 e 30 de agosto. Editoras do País e de outras 23 nações participaram da iniciativa, que atraiu 40 mil visitantes. Naquela edição, o eventorecebeuoescritorargen- tino Jorge Luis Borges. Minutos antes da abertura, instalações elétricas ainda eram concluídas, pregos eram batidos, escadas, arrastadas, e vassouras tentavam colocar al- guma ordem no edifício que também recebia a Bienal Inter- nacional de Arte, no Parque do Ibirapuera, na zona sul. “Os estandes eram de madei- ra.Sóem1984passamosateres- tandes-padrão”, diz Weiszflog. “Nocomeço,afeirasótinhauma entrada e uma saída. Era o que a gentechamavade‘caminhodera- to’. As pessoas tinham de passar portodososestandesatésair.” Com o tempo, tudo mudou. A bienalcresceueseprofissionali- zou. Em 1996, foi para o Expo Center Norte. Em 2002, para o Centro de Exposições Imigran- tes,e,em2006,paraoAnhembi. “Hoje, as bienais são grandes eventos.Nocomeço,eratãomo- desto,singelo,quehojenãofaria sucesso.” A última edição, em 2014,teve720milvisitantes./J.R. Cecilia Marisa Cifú. ‘Eu nunca tinha visto nada tão amplo, tão cheio de cor’ HÉLVIOROMERO/ESTADÃO e %HermesFileInfo:H-2:20150125: H2 Especial DOMINGO, 25 DE JANEIRO DE 2015 O ESTADO DE S. PAULO
  3. 3. VLADIMIR HER Z G S o a DIAS APÓSaMORTEDO eventoviraato DITADURA jornalista, CONTRA A HOMENAGEM FESTIV L A NACATEDRAL DA o MISSAEM A SÉ - - -- - - - -- -- - cDI RE tAS JÁ uma‘TORNEIRAaberta’ degentetomao PARAter odireito deescolhero QUEBRaDO,um ARTISTAempânico UMviolão oS GENERAIS presidente anhangabaú tenso emclima oo oo oo ****************************** DANIEL TEIXEIRA/ESTADÃO exta-feira, 31 de outubro de 1975. Em plena ditadura, oito mil pessoas se reuniramnaCa- tedral da Sé, centro de São Paulo, para um atoecumênicocomandadope- lo então cardeal-arcebispo de São Paulo, d. Paulo Evaristo Arns, pelo rabino da Confede- ração Israelita Paulista, Henry Isaac Sobel, e pelo reverendo Jaime Nelson Wright, pastor presbiteriano.Umasemanade- pois de o jornalista Vladimir Herzog, o Vlado, ter sido mor- tonosporõesdoExército,ace- lebraçãoeraumdesafioaoregi- me militar. “Eu era estudante (do 3.º ano deJornalismo,naEscoladeComu- nicação e Artes da Universidade de São Paulo), aluno do Vlado e foca (jornalista iniciante) dele naTVCultura”,recorda-seoho- je consultor de comunicação GabrielPriolli,naépocacom22 anos.“Fomosparalámorrendo de medo, achando que, no fim, todosseríamospresos.Erauma tensão muito grande, apesar de sabermosqueestávamoscalça- dos politicamente, graças ao apoiodocardeal,dorabinoedo reverendo. Os religiosos foram nosso escudo protetor.” Priolli lembra bem do temor quesentiaaoolharparaospré- dios ao redor da Praça da Sé e vê-los tomados por policiais, munidos de câmeras e, claro, armas. Entãoestudantede Letrasna FaculdadedeFilosofia,Letrase CiênciasHumanas (FFLCH), o hoje jornalista Dirceu Rodri- gues também tinha 22 anos na- quele dia e foi até a Praça da Sé com outros quatro estudantes. “Eu morava numa travessa da Brigadeiro Luís Antônio. Nos encontramos na minha re- pública e de lá partimos”, con- ta. “Nossa rua ficava próxima deumdepartamentodoExérci- to.Tinhaguardaarmadootem- po todo.” Rodrigueslembraque,aman- dodoExército,otrânsitodeveí- culosnaregiãocentralfoiinver- tidonaqueledia,paradificultar achegadaàPraçadaSédecarro ou de transporte público. Ele foiapécomosamigos.“Estáva- mos apreensivos, com medo mesmo,pois o clima era horro- roso”,contaojornalista.“Lem- bro da emoção que foi o culto. Quandoterminou,saímosrapi- dinho. Sabíamos apenas que acabávamos de testemunhar um momento bem negro da nossa história.” / EDISON VEIGA obre quebrar o violão e jogá-lo no público, Sér- gio Ricardo disse a um amigo: “Não podia ter feito outra coi- sa”. E completou: “Que estra- gou minha carreira, nada. Te- nho um lastro atrás de mim. E esse público que me vaiou?.” A conversa foi publicada pelo Estado, em 22 de outubro de 1967, um dia após a final do 3.º Festival de Música Popular Bra- sileira. Na noite anterior, em um teatro da Avenida Brigadei- ro Luís Antônio, na Bela Vista, jovens mudavam o rumo da mú- sica no País, entoavam canções que entrariam para a história e desafiavam a ditadura militar. O jornalista Zuza Homem de Mello, de 81 anos, era técnico de som da TV Record na época, emissora que exibia o evento. Conta que, naquele festival, a vaia ganhou tanta importância quanto os aplausos. “Lembro da luta que foi fazer com que os cantores fossem ouvidos.” Após a confusão com Sérgio Ricardo, Caetano Veloso anda- va de um lado para o outro, preocupado com o que aconte- ceria quando também subisse ao palco. Nada perto, porém, do pânico que tomou conta de Gilberto Gil em uma das elimi- natórias. Foi preciso buscá-lo no hotel para que cantasse. Segundo Zuza, as principais canções finalistas foram a gran- de marca do festival. “Eram qua- tro músicas de tal nível que qual- quer uma que vencesse não te- ria problema. A melhor grava- ção de Roda Viva é aquela.” Mas a noite de 21 de outubro de 1967 foi de Edu Lobo e Marí- lia Medalha. Ovacionados, fize- ram muita gente chorar com Ponteio, a campeã do festival. Zuza revela que esta era a sua preferida. “Era uma música que me tocava profundamente”, diz. “O júri preferia músicas com conteúdo político. Se o jú- ri preferia, imagina o público.” Domingo no Parque, com Gil e Os Mutantes, ficou em segundo lugar, seguida por Roda Viva, in- terpretada por Chico Buarque e o MPB-4, e Alegria, Alegria, com Caetano e os Beat Boys. O último festival da Record foi exibido em 1969. Chico, Gil, Caetano e Edu viraram ícones. E naquele teatro da Brigadeiro hoje fica o Teatro Renault, um dosprincipaispalcosparamusi- cais na cidade. / JULIANA RAVELLI oVale do Anhanga- baúpare- cia “uma torneira aberta” de tanta gente que chegava para a última e maior passeata das Di- retas Já na capital paulista, em 17 de abril de 1984. No meio da multidão, o físico e ativista cul- tural José Luiz Goldfarb, hoje com57anoseprofessordeHis- tóriadaCiência naPUC-SP,via comprazeromovimentohistó- rico do qual participava. “Era muitolindo.Agenteque estava nomovimento,erajovem,acre- ditava que ia ganhar”, lembra. “Sótinhavistoumacenadaque- la,doValedoAnhangabaúlota- dodaquelejeito,em1970,quan- do a seleção tricampeã chegou do México.” Goldfarb, que sete anos de- poissetornariacuradordoPrê- mioJabuti,eraumativomilitan- te a favor da aprovação da Pro- posta de Emenda Constitucio- nalDante de Oliveira na Câma- ra dos Deputados, que coloca- ria um fim efetivo na ditadura, ao exigir o fim do voto indireto para presidente. Esteve no mo- vimento em São Paulo desde o primeiro protesto, que juntou 15 milpessoas na Praça Charles Miller, em novembro de 1983. “Aindaerapequeno,masjásen- sibilizou.” Háexatos31anos,tambémno aniversário de São Paulo, cerca de 500 mil pessoas se reuniram na Praça da Sé para o primeiro grande comício das Diretas na cidade. Goldfarb, claro, estava lá. “Foi uma loucura, estava su- perespremido.Efoiummomen- to legal, porque juntou muitos artistas e políticos, como Ulys- ses Guimarães e Lula.” O maior comício, no entanto, seria o do Anhangabaú,quereu- niu 1,5 milhão de pes- soas. E poderia não ter acontecido. “Houve uma cer- ta vacilação, um certo receio se valeria a pena provocar o regi- me mais uma vez”, conta Gold- farb.Mas,nomeiodessaindefi- nição, ele se viu em uma posi- ção privilegiada para conseguir uma informação que poucos ti- nham. Na época, Goldfarb tra- balhavaemumlivrocomdepoi- mentosdepessoasqueconvive- ram com o físico Mário Schen- berg(1914-1990).“Umadaspes- soas que queria entrevistar era um senador chamado Fernan- doHenriqueCardoso”,lembra. Ele foi até a casa de FHC em Ibiúna,nointeriorpaulista,con- seguiu a entrevista e um pouco mais. “Tive de interromper 500 vezesaconversaporquetodaho- ratelefonavaJorgedaCunhaLi- ma (então secretário de Cultura e representante do governador Franco Montoro no Comitê Pró- Diretas) para falar com o FHC sobreanecessidadedosegundo comício.Foiengraçado,porque ele pedia para eu desligar o gra- vadortodavezqueprecisavadis- cutir com o Jorge. No fim, saí feliz,porquepercebiqueiater.” Depois do 17 de abril históri- co, era hora de acompanhar a votaçãodaemenda,nodia25do mesmomês.Foram298votosa favor, mas a proposta não che- gouaosdoisterçosnecessários. GoldfarbviuoresultadodoIbi- rapuera, onde uma multidão acompanhava a votação. “Aca- bou ali aquele movimento, mas foi muito importante para o País.Nãotinhamaisvolta.”Cin- co anos depois, após a eleição e morte de Tancredo Neves e o mandatodeJoséSarney,osbra- sileirosfinalmentevotariampa- ra presidente. Hoje, o Anhangabaú ainda é palco dahistória de São Paulo e do País. Lá ocorrem manifesta- ções, como os atos contra o au- mentoda tarifa de ônibus orga- nizados pelo Movimento Passe Livre (MPL). E também é um local de festas: hoje mesmo vai passarporaliaPedaladadeAni- versáriodeSãoPaulo,promovi- dapelaPrefeitura,apartirdas8 horas. / DANIEL TRIELLI Dirceu Rodrigues. ‘Estávamos apreensivos, com medo’ s %HermesFileInfo:H-6:20150125: H6 Especial DOMINGO, 25 DE JANEIRO DE 2015 O ESTADO DE S. PAULO
  4. 4. ESTRELAS EL MiUMAPASSARELAE spGANHA AFESTAPODE, ENFIM,CRESCER b JACKSON^ cHA ROLOU OMUNDON N 1valsambódromodo anhembi JNO carna fLAB ESTAVAM ENTRE NÓS. ALINO MORUMBI; ias ; ;; SE ENCONTROUAQUIA u o ^ ^ OPRIMEIROJOGODA ACOPADOMUNDO NOVINHOEMFOLHA. DEIXASAUDADE SELEÇÃONO ESTÁDIO t n n o início dos anos 1990,aaidsassom- brava o mundo. A ParadaGaydemo- raria alguns anos até ganhar as ruas da capital. E, ape- sar das conquis- tas desde 1960, a mulher brasileira ainda lutava para se desvenci- lhar da visão tradicional de seu papel na sociedade. Quando chegou para seu primeiro show no Brasil, em 1993, a já supers- tar Madonna era uma das pou- casquecolocavamodedonafe- rida. Falava sobre sexo, aids e homofobia nas apresentações. Foiassim,comaudácia,quea turnê The Girlie Show tomou o Estádio do Morumbi, na zona sul, em 3 de novembro. Rachel Perez,de42anos,tinha20quan- dofoiassistir à cantora, da qual era fã desde 1984. “Era uma quarta-feira.Chegueidemadru- gada, às4 horas. Fiqueio dia in- teironafila.Nemfuitrabalhar.” Semanas antes de Madonna, nos dias 15 e 17 de outubro, o Morumbi recebeu outro supe- rastro. Michael Jackson apre- sentou ali a turnê Dangerous World Tour para 200 mil pes- soas.Foisuasegundapassagem peloPaís;aprimeirahaviaacon- tecidoem1974,comoJackson5. Aexpectativa paraaapresen- tação de Madonna era grande. Naquela época, os shows eram umaincógnita.Seminternetpa- ra pesquisar, era preciso vascu- lhar jornais e revistas – muitas eve atraso de até quatro horas. Cho- veutantoqueacon- centração ficou inundada. As arqui- bancadasde alvena- ria não puderam ser construí- das, e o jeito foi montar as de madeira.Ailuminaçãotambém nãoestavapronta.Masossuces- sivos problemas não importa- vam,afinal,acasaeranova,per- manente. Em fevereiro de 1991, ocarnavalpaulistanofinalmen- teganhouasuapassareladefini- tiva, o Polo Cultural e Esporti- voGrandeOtelo,maisconheci- do como Sambódromo do Anhembi, na zona norte. O analista contábil Luiz Car- los da Silva, de 54 anos, estava lá. Desfilou em uma ala da Ro- sas de Ouro, campeã naquele ano, ao lado da Camisa Verde e Branco. “A gente já imaginava que seria maravilhoso, como a Sapucaí,noRio.Foiumchoque. Osambódromoeramuitogran- de, bonito e cheio de TV.” Integrante da Rosas desde 1979,Silvaestavahabituadoaos desfilesna Avenida Tiradentes, tambémnazonanorte.“Naque- la época, era mais folia. A gente passavamandandobeijinhopa- ra as arquibancadas. Não paga- va (entrada). O povão mesmo era quem desfilava e, depois, voltava para ver o resto.” Com projeto inicial de Oscar Niemeyer – que também havia criado a Marquês de Sapucaí, no Rio –, o Anhembi era o que faltava para a profissionaliza- ção do carnaval paulistano, se- gundodirigentesdafolianaépo- ca. “As mudanças foram com o decorrerdotempo.Hoje,temo desfile técnico. Naquela época nãotinhaisso.Agenteensaiava naquadra,narua.Agora,émui- taregraparaseguir.Éumnegó- cio bem profissional.” Em1991,aRosas levouo títu- locomoenredosobreasmulhe- res.“Agentefezumafestadana- da”,dizSilva,quehá 21anosto- ca surdo de primeira na bateria daagremiação.Em1992,aesco- la foi bicampeã com samba em homenagem a São Paulo. No primeiro carnaval, as ar- quibancadastinhamespaçopa- ra25milpessoas.Hoje,acapaci- dade total é de 29.199, contan- docamarotes, mesas e cadeiras depista.Com530metrosdeex- tensãoe14delargura,apassare- la do Anhembi não é só o palco das escolas. Recebe shows, fei- ras e até mesmo eventos auto- mobilísticos, como a Fórmula Indy, realizada no local entre 2010 e 2013. / JULIANA RAVELLI aquele já histórico 12 dejunhode2014,pou- cos conheciam tão bem a Arena Corin- thians,popularmentechamada de Itaquerão, quanto Severino Santos da Silva, o Barba, per- nambucanode44anos,corintia- no desde criança, morador de São Miguel Paulista, extremo leste paulistano. EraaesperadaaberturadaCo- padoMundoe,emcampo,ase- leçãobrasileirainauguravaotor- neio enfrentando o time da Croácia.Namodernaarquiban- cada,entreos62.103torcedores estavaBarba–umdoscercade2 mil operários que construíram o estádio do Corinthians. “Tra- balheiaquidesdeoprimeirodia das obras, em 2011”, conta ele, que ganhou o ingresso para ver ojogo,assimcomotodososope- rários das arenas – as partidas foram sorteadas entre eles. “Eu nunca tinha visto um jo- godoBrasilemumestádio.Cho- rei muito quando a bola come- çouarolar”,admite.“Veracasa cheia deu um gostinho especial paramim.Afinal,euvioestádio nascer,agramaserplantada,tu- do ser construído.” Antes, Bar- basó tinhaidoaoPacaembu– e em jogos do seu Corinthians. “A primeira vez que pisei lá eu tinha 12 anos e fui com minha mãe, Maria Virgínia, também corintiana,edoisdosmeusoito irmãos”, lembra. Tirando a parte futebolística – porque ninguém aqui quer fi- carlembrandodaquelesfamige- rados7a1–,oMundialnoBrasil foi um sucesso, muito superior às previsões pessimistas do ti- po“imaginanaCopa”quecircu- lavamantes de o torneio come- çar.ESãoPaulo,depatinhofeio entreascidades-sedeacabouse revelandoumbadaladodestino turístico. A Vila Madalena, tradicional bairroboêmiodazonaoeste,se tornou ponto de encontro de torcedores brasileiroseestran- geirosacadajogo–e,principal- mente, após as partidas. Pare- ciaumcarnavalnomeiodoano. Carros nem sequer conse- guiamtransitarpelasprincipais ruas da região, e as festas inva- diam a madrugada. O pico de gente no bairro foi no dia 4 de julho,quando70milpessoasas- sistiramdeláàpartidadasquar- tasdefinalentreBrasileColôm- bia.Nocentro,oValedoAnhan- gabaú também lotou todos os dias, com o palco oficial da Fifa – a chamada Fan Fest. Deacordocombalançodivul- gado pela São Paulo Turismo (SPTuris),495.859turistaspas- saram pela capital durante os 30dias do evento futebolístico. Dessetotal,299.322erambrasi- leiros e 196.547, estrangeiros – umterçooriundodaArgentina. Obrasileirogastouemmédia R$ 2,2 mil, enquanto o estran- geiro desembolsou R$ 4,8 mil. APrefeitura estima ter gastado de R$ 30 milhões a R$ 40 mi- lhõescomoperaçõesrelaciona- dasao evento– sem considerar osinvestimentoseminfraestru- tura. Ao mesmo tempo, a arre- cadação foi de R$ 1 bilhão, de acordo com a administração municipal. / EDISON VEIGA Luiz Carlos da Silva. ‘Foi um choque’ %HermesFileInfo:H-10:20150125: H10 Especial DOMINGO, 25 DE JANEIRO DE 2015 O ESTADO DE S. PAULO
  5. 5. r r r . . nna $ $$$$ MaDOf Prrr r rr r raDa a GA Y #1 ^ ^ IR hcom apenas ^oarco-íris^ 500pessoas, SETORNAVISÍVEL NUNCAMAIS ! SERÁIGUAL r COMPRAS O jÀS [^ [^ F oengenheiro e indus- trial Herminio Marsi- cano era um desses sujeitos vi- sionários,queenxergamofutu- ro nas obras do presente. Pelo menos é assim que dele se lem- brasuanetaMariaTerezaRodri- gues, hoje advogada e diretora de Relações Institucionais de uma empresa energética. “MinhafamíliamoravanoJar- dimEuropae,quandoelesoube que estavam para construir um shoppingcenteraliperto,come- çouadiscursarparatodos:aqui- loiriamudarobairro,ocompor- tamento do paulistano, seria um marco”, diz. Marsicano decidiu investir no empreendimento. Com- proudezcotase,nodiadainau- guração,em28denovembrode 1966, convidou Maria Tereza, entãocom13anos,paraafesta– que teve show de Chico Buar- que, Nara Leão, Eliana Pittman e Chico Anysio, para mais de 5 milpessoas.“Todasaslojaschi- quesda(Rua)Augustasemuda- ram para o shopping.” OavôdeMariaTerezamorre- ria dois anos depois. Não veria SãoPaulosetransformarnater- ra dos shoppings – hoje são maisde50espalhadospelacida- de. As cotas da família foram vendidas em seguida. “Mas o Iguatemi segue sendo o ‘nosso shopping’”, diz ela. Antes dele, a cidade experi- mentouoconceitomultifuncio- naldoConjuntoNacional,aber- to na Avenida Paulista em 1956. O arquiteto David Libeskind (1928-2014) projetou o prédio de modo que o térreo fosse in- terligado com o espaço público externo. / E.V. importadas–paraobteralguma informação.“Sabíamossóarou- pa principal que ela iria usar, que estava de cabelo curtinho e os adereços de Vogue.” Àtarde,quandoRacheljáesta- va no estádio, uma surpresa. “Entrou no palco uma mulher encapuzada,pequena,dandoor- dem para todo lado. Na hora, coloquei o binóculo e vi aquela mulher maravilhosa. Chorei do começoaofim”,dizRachel,que hoje integra o fã-clube e portal brasileiro Estilo Madonna. O show começou às 21 horas; 86milpessoasviram,eufóricas, a apresentação que evocava os cabarés eos anos 1970.Madon- na falou palavrões em portu- guês, cantou Garota de Ipanema em inglês e dedicou In This Life para dois amigos que haviam morrido de aids. Paty Prudente, de 42 anos, saiusozinhadeMaceióparaver a estrela. “Cheguei um dia an- tes.Meutiomelevouaoestádio e esperou até do fim do lado de fora.” Para Paty, que coordena ofã-clubeMinsane,entreosmo- mentosmaismarcantes estão a música Everybody, a última da apresentação,eahoraemquea cantora levantou sobre os om- bros a camisa da seleção brasi- leira. “Chorei muito.” Além de Madonna e Michael, Queen, Kiss e Menudos já ha- viam passado pelo Morumbi. E a vocação para grandes shows continua.Oúltimoaseapresen- tar no estádio foi o Foo Figh- ters, na sexta-feira. / J.R. FOTOS: HÉLVIO ROMERO/ESTADÃO oramapenas500partici- pantes, conforme algu- mas estimativas. Ou 2 mil, de acordo com ou- tras. Apesar dos núme- rosmodestos,aprimeira edição da Parada Gay de São Paulo foi um marco. “Ocupa- mos as ruas durante o dia e nos tornamos visíveis”, recorda-se o ativista Roberto de Jesus, mais conhecido como Beto de Jesus,hojecom52anos,umdos organizadores daquele evento. “Nofinal,euchoravamuito.De felicidade.” A marcha que nos anos se- guintes ocuparia a Avenida Paulista – com término naPra- ça Roosevelt – teve, em 1997, um trajeto do Estádio do Pa- caembuatéaBarraFunda.For- mado em Filosofia e Teologia, Beto acumulara experiência no movimento operário da zo- nalestenosanos1980e,naépo- ca, coordenava um programa social para crianças na então SecretariadoMenordoEstado de São Paulo. “A Parada foi organizada por sete grupos de ativistas gays e dois núcleos de partidos políti- cos, um do PT (Partido dos Tra- balhadores), outro do PSTU (PartidoSocialistadosTrabalha- dores Unificado)”, lembra Beto, atualmenteconsultornasáreas de HIV, diversidade e combate àhomofobianoambientedetra- balho, além de ocupar o posto desecretárioparaAméricaLati- naeCaribedaAssociaçãoInter- nacionaldeGayseLésbicas(IL- GA, na sigla em inglês). “Foi mambembe, mas comu- nitário.Demoramosseismeses para organizar tudo, em diver- sasreuniões,nasquaispintáva- mos os convites à mão, um a um”, conta. “No diada marcha, nossocarrode somera umave- lha Kombi, com um microfone que tinha apenas 2 metros de fio.Masaspessoasestavamfeli- zes e, no fundo, era isso o que mais importava.” Dissidente do grupo que atualmenteorganizaoevento– agorachamadodeParadadoOr- gulhoLGBT–,Betodedicou-se, apartirde2002,acriarmarchas semelhantes em outros locais do País. “Mas nunca deixei de estarpresentenaParadadeSão Paulo. Embora discorde do atualformato,vouatodasasedi- ções. Não mais pela festa, mas por dever cívico.” De1997paracá,aParadacres- ceu.Osnúmerossãodiscrepan- tes, mas considerando as esti- mativasdaorganização,orecor- de teria sido em 2012, com 4,5 milhões de participantes. / E.V. Rachel Perez. ‘Chorei do começo ao fim’ Beto de Jesus. ‘As pessoas estavam felizes’ APEOESPparabenizaSãoPaulopelosseus461anos!Nós, professores, sabemos que a educação é o passaporte para o futuro. Sabemos também que uma nação constrói seu futuro cotidianamente. Edu- cação pública, gratuita, de qualidade para todos os paulistanos é, portanto, fundamental para que a capital do nosso estado seja cada vez mais justa e ofereça mais qualidade de vida à sua população. Para tanto, Estado e Município precisam valorizar seus professores. Esta- mos em luta por essa valorização. Entre todas as categorias profissionais com formação de nível superior, temos os menores salários. Para alcançarmos a equiparação com as demais categorias, como prevê a meta 17 do Plano Nacio- nal de Educação, os professores estaduais precisam de 75,33% de aumento. Mas a previsão do Governo Estadual é zero de reajuste. Não vamos aceitar. Se não houver negociação, as escolas estaduais vão parar! Maria Izabel Azevedo Noronha Presidenta da APEOESP Informe Publicitário %HermesFileInfo:H-11:20150125: O ESTADO DE S. PAULO DOMINGO, 25 DE JANEIRO DE 2015 Especial H11

×