UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA
CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E DA EDUCAÇÃO
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE U...
Essa comunicação pode ser formal ou informal. Ambas diferem pelo público
que alcançam, polarizado de grande para o primeir...
rede de conhecimento científico interligando a literatura científica por meio de
remissões a variados documentos.
A citaçã...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Resenha 2 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica

178 visualizações

Publicada em

Programa de Pós-Graduação em Gestão de Unidades de Informação - PPGinfo, Universidade do Estado de Santa Catarina.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
178
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Resenha 2 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica

  1. 1. UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE UNIDADES DE INFORMAÇÃO - PPGinfo Disciplina: Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica Profª: Lani Lucas Aluna: Juliana Aparecida Gulka Data: 09/03/2015 RESENHA TARGINO, Maria das Graças. Comunicação científica: uma revisão de seus elementos básicos. Informação & Sociedade: Estudos, v. 10, n. 2, 2000. ALVES, Letícia. Informação e os sistemas de comunicação científica na Ciência da Informação. DataGramaZero: Revista de Ciência da Informação, Rio de Janeiro, v. 12, n. 3, 2011. CARVALHO, Kátia de et al. Aspectos gerenciais da política científica brasileira: um olhar sobre a produção científica do campo da sociologia face aos critérios de avaliação do CNPq e da CAPES. Em Questão: Revista da Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação da UFRGS, v. 19, n. 1, 2013. SILVA, Edna Lúcia; PINHEIRO, Liliane Vieira; REINHEIMER, Frederico Maragno. Redes de conhecimento em artigos de comunicação científica: estudo baseado em citações bibliográficas de artigos de periódicos na área de Ciência da Informação no Brasil. Informação & Sociedade: Estudos, v. 23, n. 1, 2013. A ciência evolui à medida que constrói processos a fim de desvendar os fenômenos, levando em conta que verdades absolutas inexistem, e, por isso mesmo, estão sempre sendo buscadas. Targino (2000) afirma que a ciência está sempre trocando de paradigmas, de ideias, temas, hipóteses e visões, e que este pode ser considerado um ciclo inesgotável e permanente, interminável. É aí que entra o papel da comunidade científica, que analisa as teorias, os métodos e os resultados a fim de concordar ou não com o que foi exposto. A comunicação científica, por sua vez, vem registrando o crescimento da ciência e o papel crucial da informação. Os cientistas e pesquisadores não estão interessados na ampla gama de informações disponíveis atualmente, mas sim naquelas que são exclusivas de seu grupo, de seus pares e de sua área de pesquisa.
  2. 2. Essa comunicação pode ser formal ou informal. Ambas diferem pelo público que alcançam, polarizado de grande para o primeiro, e restrito para o segundo; do armazenamento e recuperação, e sua ausência; além do nível de atualidade da informação. Independente de suas características, o que se nota é que um pesquisador está sempre tanto adquirindo informações para as suas próprias produções, quanto às disseminando para os pares. Os autores dos textos estudados concordam que a comunicação científica, feita tanto pelos canais formais quanto informais, auxilia na legitimação do conhecimento gerado pelo pesquisador, pois este coloca sua produção para análise. No entanto, uma pesquisa passa a existir formalmente para a comunidade científica após a sua publicação, sobretudo se isso for feito por meio de artigo científico. Além disso, existe também a busca pela reputação científica, que, como afirma Carvalho et al. (2013) ao citar Bourdieu, trata-se do capital científico, um tipo de capital simbólico que pode promover o reconhecimento entre os pares e a instituição científica, promovendo inclusive o prestígio do pesquisador. Os sistemas de reputação também envolvem organizações que fazem o controle do trabalho científico, que ao estabelecerem normas e regras, acaba por definir formas de distribuição de prestígio. Duas agências de fomento a pesquisa do Brasil são citadas no trabalho de Carvalho et al. como provedoras de indicadores de avaliação, a CAPES e o CNPq, sendo que ambas são amplamente conhecidas no país. A produção científica, por sua vez, é um importante critério indicador de reputação, estando intrinsicamente ligado à escolha de bons títulos de periódicos para se publicar. Para Alves (2011), os periódicos são tão importantes porque registram oficialmente os conhecimentos gerados, desempenhando um papel crucial no âmbito da comunicação científica. É a partir da comunicação científica que se pode visualizar a evolução de uma determinada área, pois a medida que constroem comunicações de suas próprias pesquisas, os autores utilizam de outras que a precedem, fazendo assim uma interligação do conhecimento científico. Dessa forma, à medida que os pesquisadores e cientistas publicam o resultado de suas pesquisas em artigos, também utilizam materiais já publicados por outros pesquisadores para dar embasamento e conferir autoridade ao assunto trabalhado, o que culmina numa
  3. 3. rede de conhecimento científico interligando a literatura científica por meio de remissões a variados documentos. A citação também é considerada, portanto, um modo de obter reconhecimento no meio científico. A análise de citações dos artigos científicos, por sua vez, permite a identificação de redes e comunidades invisíveis formadas pelos pesquisadores. Técnicas bibliométricas ou cientométricas podem ser utilizadas para essa análise. Alves (2011), no entanto, chama atenção para as perspectivas no âmbito da comunicação científica, levando em conta a evolução dos meios de comunicação e facilitando a comunicação eletrônica, que de forma simples já apresenta a estrutura dos periódicos eletrônicos, mas que evolui para outras práticas. A autora comenta sobre os blogs de comunicação científica e seu papel na discussão de pre-prints, que a partir da colaboração dos pares pode ser republicado e assim, passar por um processo mais rápido do que a submissão aos tradicionais periódicos científicos. Caminha-se para uma comunicação científica em modelo aberto, seguindo a tendência da rápida propagação da informação por meio dos canais eletrônicos.

×