TV e DEMOCRACIA
Jonathan de Assis e Paulo Ricardo
O que diz a constituição?
O Art. 221 diz que a produção e a programação das emissoras de rádio e
televisão atenderão aos s...
Por que não acontece?
Briga pela audiência
P. Bourdieu enxerga no desenvolvimento da televisão condições ideais para uma
deturpação da prática j...
É difícil encontrar pessoas capazes de produzir todos os dias, durante vinte horas
consecutivas, emissões com qualidade.
É...
O que isso causa?
A “ditadura dos índices do Ibope” e a “guerra pela audiência” levam a um
autêntico marasmo do espírito criativo: tudo igua...
E o resultado disso:
A TV difunde uma visão estreita e distorcida do mundo;
anula o espírito crítico;
destrói a diversidad...
Legislação Jornalística
Profº Josenildo Soares Bezerra
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

TV e Democracia.

147 visualizações

Publicada em

Slide elaborado para a disciplina de Ética no Jornalismo, no ano de 2014.2.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
147
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

TV e Democracia.

  1. 1. TV e DEMOCRACIA Jonathan de Assis e Paulo Ricardo
  2. 2. O que diz a constituição? O Art. 221 diz que a produção e a programação das emissoras de rádio e televisão atenderão aos seguintes princípios: I- Preferência a finalidades educativas, artísticas, culturais e educativas; II- Produção da cultura nacional e regional e estímulo à produção independente que objetive sua divulgação; III- Regionalização da produção cultural, artística e jornalística, conforme percentuais estabelecidos em lei; IV- Respeito aos valores éticos e sociais da pessoa e da família.
  3. 3. Por que não acontece?
  4. 4. Briga pela audiência P. Bourdieu enxerga no desenvolvimento da televisão condições ideais para uma deturpação da prática jornalística, ao menos em sua qualidade de serviço público. A premência da informação, na TV, e o número extenso de telespectadores potenciais, motivaram a um (tele-)jornalismo de tipo “fast-food”, ao qual caracterizam um “mínimo denominador comum”, social e cultural e a rapidez da emissão, redundando em uma insustentável superficialidade das reportagens apresentadas. Para contrabalançá-la, nada como causar “impacto”.
  5. 5. É difícil encontrar pessoas capazes de produzir todos os dias, durante vinte horas consecutivas, emissões com qualidade. É muito mais fácil, em contra partida, encontrar pessoas capazes de produzir, por dia, vinte horas de emissões medíocres ou más, com eventualmente uma emissão de boa qualidade de uma ou duas horas.
  6. 6. O que isso causa?
  7. 7. A “ditadura dos índices do Ibope” e a “guerra pela audiência” levam a um autêntico marasmo do espírito criativo: tudo igual -o mesmo de sempre- em distintos canais de TV. É mais fácil e mais lucrativo fazer o que os outros fazem, desde que eles estejam obtendo sucesso comercial. Copiar é coisa bem mais simples do que propor algo novo.
  8. 8. E o resultado disso: A TV difunde uma visão estreita e distorcida do mundo; anula o espírito crítico; destrói a diversidade cultural; promove o gosto por ideias feitas; uniformiza todos os padrões de gosto; favorece o conformismo moral; induz a que se tenha uma visão trivial da vida; incentiva o consumo; contribui para o condicionamento social; e, por fim, mas não menos importante, produz o vazio político.
  9. 9. Legislação Jornalística Profº Josenildo Soares Bezerra

×