Érico 
Veríssimo 
Vida e Obra
A vida do autor 
• Erico Lopes Verissimo nasceu em Cruz 
Alta (RS) no dia 17 de dezembro de 
1905, filho de Sebastião Veri...
• Seus pais separam-se em 1922 e sua mãe, o 
irmão e a irmã foram morar na casa da avó 
materna. Para ajudar no orçamento,...
• Diante das dificuldades, a família retornou 
a Cruz Alta. Érico voltou a trabalhar no 
Banco do Comércio em 1925, mas ac...
• Em 1929 Érico publicou "Chico: um conto de Natal", no"Cruz Alta 
em Revista" e os contos "Ladrão de gado" e "A tragédia ...
• Em 1931 casa-se, em Cruz Alta, com Mafalda Halfen 
Volpe.
• Em 1933, seu primeiro romance, "Clarissa" foi 
lançado e fez sucesso. Teve tiragem de 7.000 
exemplares.
• Nesse ano, nasce seu segundo filho, Luis Fernando, 
que, mais tarde, seguiria seus passos na Literatura.
• Em 1941 faz uma viagem de três meses aos Estados 
Unidos a convite do Departamento de Estado norte-americano. 
A estada ...
• Em 1947 Érico começa a escrever a trilogia “O 
Tempo e o Vento”, cuja publicação só termina em 
1962.
• Érico tornou-se um dos raros escritores a viver 
somente da literatura que produzia. Morreu, de 
enfarto, em 1975.
A Obra 
• Costuma-se dividir a obra de Érico Veríssimo em três 
grupos: Romance urbano, romance histórico e romance 
polít...
Romance Urbano 
Clarissa - (1933); 
Caminhos cruzados – (1935); 
Um lugar ao sol – (1936); 
Olhai os lírios do campo – (19...
Romance Urbano 
O tempo e o vento. 
A trilogia de Érico Veríssimo procura abrange a história do Rio Grande do Sul, 
de 174...
Romance Político 
O senhor embaixador – (1965); 
O prisioneiro – (1967); 
Incidente em Antares – (1971). 
Escrito durante ...
O Tempo e o Vento 
• Foi publicada em três romances: O Continente, O Retrato e O Arquipélago 
os dois primeiros possuem do...
Personagens 
Ana Terra 
Ana é filha de Henriqueta e Maneco Terra, pioneiro dono de uma estância no 
ermo dos pampas gaúcho...
Capitão Rodrigo Cambará 
Rodrigo Cambará representa o "herói dos pampas", mas com traços mais 
humanos e diverso da ideali...
Curiosidades 
• Após a morte de Erico, Carlos Drummond de Andrade publicou um poema 
nomeado “A Falta” em sua homenagem. 
...
“Em geral quando termino um livro encontro-me numa confusão de 
sentimentos, um misto de alegria, alívio e vaga tristeza. ...
Érico Veríssimo Vida e Obra
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Érico Veríssimo Vida e Obra

1.156 visualizações

Publicada em

trabalho sobre o érico veríssimo

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.156
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
63
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Érico Veríssimo Vida e Obra

  1. 1. Érico Veríssimo Vida e Obra
  2. 2. A vida do autor • Erico Lopes Verissimo nasceu em Cruz Alta (RS) no dia 17 de dezembro de 1905, filho de Sebastião Verissimo da Fonseca e Abegahy Lopes Verissimo. • Aos 13 anos, Érico já lia autores nacionais como Aluísio Azevedo e Joaquim Manoel de Macedo; e autores estrangeiros como Walter Scott, Émile Zola e Dostoievski. Em 1920 foi estudar em Porto Alegre, no Colégio Cruzeiro do Sul, de orientação protestante.
  3. 3. • Seus pais separam-se em 1922 e sua mãe, o irmão e a irmã foram morar na casa da avó materna. Para ajudar no orçamento, Érico tornou-se balconista no armazém do tio, até que conseguiu uma vaga no Banco Nacional do Comércio. Nessa época começou a escrever seus primeiros textos. • Sua mãe decidiu que a família mudaria para Porto Alegre, a fim de que seu irmão, Ênio, fizesse o ginásio no mesmo colégio onde Érico havia estudado. Na capital, Érico, transferido para a matriz do Banco do Comércio, teve problemas de saúde e perdeu o emprego. Recuperado, empregou-se numa seguradora, mas não se adaptou aos superiores. Érico com 15 anos
  4. 4. • Diante das dificuldades, a família retornou a Cruz Alta. Érico voltou a trabalhar no Banco do Comércio em 1925, mas acabou aceitando a proposta de Lotário Muller, amigo de seu pai, para tornar-se sócio da "Pharmacia Central". Em 1927, além das obrigações da farmácia, dava aulas de literatura e inglês.
  5. 5. • Em 1929 Érico publicou "Chico: um conto de Natal", no"Cruz Alta em Revista" e os contos "Ladrão de gado" e "A tragédia dum homem gordo", na "Revista do Globo". O conto "A lâmpada mágica" foi publicado no "Correio do Povo" • Com a falência da farmácia em 1930, o autor mudou-se para Porto Alegre. Passou a conviver com escritores renomados, como Mario Quintana, Augusto Meyer, Guilhermino César e foi contratado para o cargo de secretário de redação da "Revista do Globo".
  6. 6. • Em 1931 casa-se, em Cruz Alta, com Mafalda Halfen Volpe.
  7. 7. • Em 1933, seu primeiro romance, "Clarissa" foi lançado e fez sucesso. Teve tiragem de 7.000 exemplares.
  8. 8. • Nesse ano, nasce seu segundo filho, Luis Fernando, que, mais tarde, seguiria seus passos na Literatura.
  9. 9. • Em 1941 faz uma viagem de três meses aos Estados Unidos a convite do Departamento de Estado norte-americano. A estada resulta na obra “Gato preto em campo de neve”, primeira de uma série de livros de viagens.
  10. 10. • Em 1947 Érico começa a escrever a trilogia “O Tempo e o Vento”, cuja publicação só termina em 1962.
  11. 11. • Érico tornou-se um dos raros escritores a viver somente da literatura que produzia. Morreu, de enfarto, em 1975.
  12. 12. A Obra • Costuma-se dividir a obra de Érico Veríssimo em três grupos: Romance urbano, romance histórico e romance político.
  13. 13. Romance Urbano Clarissa - (1933); Caminhos cruzados – (1935); Um lugar ao sol – (1936); Olhai os lírios do campo – (1938); Saga – (1940); O Resto é silêncio – (1942);. As obras desta fase registram a vida da pequena burguesia porto-alegrense, com uma visão otimista, às vezes lírica, às vezes crítica, e com uma linguagem tradicional, sem maiores inovações estilísticas.
  14. 14. Romance Urbano O tempo e o vento. A trilogia de Érico Veríssimo procura abrange a história do Rio Grande do Sul, de 1745 a 1945. O primeiro volume (O continente) é considerado o ponto mais alto de sua obra.
  15. 15. Romance Político O senhor embaixador – (1965); O prisioneiro – (1967); Incidente em Antares – (1971). Escrito durante o período da ditadura militar, iniciada em 1964, denunciam os males do autoritarismo e as violações dos direitos humanos. Desta série destaca-se Incidente em Antares.
  16. 16. O Tempo e o Vento • Foi publicada em três romances: O Continente, O Retrato e O Arquipélago os dois primeiros possuem dois volumes, enquanto o terceiro foi dividido em três. • A trilogia narra o processo de formação do estado do Rio Grande do Sul, misturando ao elemento ficcional, preponderante em toda a obra, dados e personalidades históricos. Os romances acabam por recriar 200 anos da história gaúcha, de 1745 a 1945, tempos marcados pelo poder das oligarquias, por guerras internas e guerras de fronteira.
  17. 17. Personagens Ana Terra Ana é filha de Henriqueta e Maneco Terra, pioneiro dono de uma estância no ermo dos pampas gaúchos. Eram moradores da cidade paulista de Sorocaba, que migraram para o Rio Grande - chamado de "Continente" - quando os estancieiros foram conquistando as terras aos índios e espanhóis. Sempre que me acontece alguma coisa importante, está ventando. —Ana Terra
  18. 18. Capitão Rodrigo Cambará Rodrigo Cambará representa o "herói dos pampas", mas com traços mais humanos e diverso da idealização romântica: não a figura idílica do gaúcho, mas uma "pessoa de carne e osso", com seus humores e fraquezas. Buenas e me espalho! Nos pequenos dou de prancha e nos grandes dou de talho! —Capitão Rodrigo Cambará
  19. 19. Curiosidades • Após a morte de Erico, Carlos Drummond de Andrade publicou um poema nomeado “A Falta” em sua homenagem. • Tibicuera, herói de um de seus livros infantis, é o apelido pelo qual sua mãe o chamava. • Quando tinha 4 anos, quase morreu ao pegar uma meningite, que se agravou com uma broncopneumonia. • Considerava a si mesmo o "melhor escritor da rua Filipe de Oliveira" da cidade de Porto Alegre, onde morava no número 1415. O escritor morou no mesmo endereço por 35 anos
  20. 20. “Em geral quando termino um livro encontro-me numa confusão de sentimentos, um misto de alegria, alívio e vaga tristeza. Relendo a obra mais tarde, quase sempre penso ‘Não era bem isto o que queria dizer’.” O escritor diante do espelho

×