Video instalação

5.318 visualizações

Publicada em

1 comentário
2 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.318
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
114
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
55
Comentários
1
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Video instalação

  1. 1. Video instalação
  2. 2. O que é? A videoinstalação é uma das formas de expressão mais complexas da arte contemporânea. O termo videoinstalação já indica que para “videoinstalar” artistas devem integrar objetos de naturezas diversas: componentes eletroeletrônicos, imagens luminosas, sons (a parte vídeo) e o corpo do visitante em uma configuração arquitetônica, em um tempo e um contexto designados (a parte instalação).
  3. 3. “A videoinstalação compreende um momento da arte de expansão do plano da imagem para o plano do ambiente e da supressão do olho como único canal de apreensão sensória para a imagem em movimento. Nesse contexto, insere-se de modo radical a ideia do corpo em diálogo com a obra, a ideia da obra de arte como processo e do ato artístico como abandono do objeto.” Christine Mello, “ Extremidades do Vídeo”.
  4. 4. Como ela é feita? Uma das principais estratégias usadas pelos artistas de videoinstalação é a integração do espaço como peça chave da estrutura narrativa. Dessa forma, a tão conhecida narrativa cinemática linear é espalhada pelo espaço criando um ambiente imersivo, fazendo, assim, com que o espectador se torne parte da narrativa a partir de sua interação com o espaço, modificando de acordo com a técnica utilizada. Em alguns casos os telespectador pode se tornar parte da história como o personagem de um filme.
  5. 5.  O ambiente que cerca a obra faz parte do trabalho  Reconhecimento do ambiente externo ao monitor  Espaço escutural expandido  Diálogo com o espaço arquitetonico  Importância do contexto  Interatividade/ Participação do expectador  Aprimora a exploração do tempo, conceito central da video arte  Aapesar das raízes remontarem a uma atitude anti-museu, os trabalhos são exibidos principalmente em espaços institucionaisv(museus e galerias) Principais caracteristicas
  6. 6. A videoinstalação tem suas origens na vídeo arte, ela podendo ser classificada como uma forma da mesma. “Um dos precursores das instalações midiáticas foi Gil Wolman, com seu trabalho L’anticoncept, realizado em 1951, em que o artista expõe, de forma violenta, o efeito de abrir e fechar os olhos, por meio de imagens cinematográficas em preto-e-branco projetadas em uma estrutura circular. [...] Nesse acende-apaga de imagens, ‘não há mais a necessidade da tela, a experiência ocorre onde os sentidos são extravasados, e substituem a sacrossanta analogia da imagem animada’.” Christine Mello, “ Extremidades do Vídeo”. Origem
  7. 7. Influências FLUXUS Movimento internacional de artistas, escritores, cineastas e músicos, liderados por George Maciunas (1931-78), influenciado por Duchamp, Cage, poesia concreta, minimalismo e dadaísmo DUCHAMP Marcel Duchamp (1887-1968): Precursor na investigação de novos suportes e meios de expressão artística, que ao introduzir novos materiais e objetos prontos (readymade), extrapolou as noções de arte da época.
  8. 8. Wolf Vostell TV De-coll/ages 1958 A primeira instalação a utilizar o vídeo fora da infra-estrutura dos estúdios de televisão é a obra TV De-coll/ages, do artista alemão Wolf Vostell. Exibida em 1958 – na vitrine de uma loja de departamentos, em Paris , a obra consistia de um mobiliário de escritório, mesas e arquivos feitos de aparelhos de TV manipulados para mostrar imagens distorcidas.
  9. 9. Nam June Paik – Zen for TV , 1963 Uma especie de video escultura, em que os artistas utilizavam aparelhos de tv como objetos deslocados de seu uso habitual
  10. 10. Porta-Pak - 1965 Em 1965, a Sony introduziu o Porta-Pak, o primeiro gravador de videoteipe portátil Um exemplo precursor do uso desses sistemas é a instalação Slipcover, do artista canadense Les Levine. Exposta na Art Gallery de Toronto, em 1966 A obra exibia em diversos aparelhos de TV imagens dos espectadores que eram captadas por um circuito fechado de câmeras de VT em tempo real (o ineditismo dessa proposta produziu, na época, grande sucesso).
  11. 11. Bruce Nauman - 1969-70 Nauman construiu um espaço de 10 metros de comprimento por 75 centímetros de largura com duas paredes paralelas. No fiml dessa espécie de corredor claustrofóbico existiam dois monitores, um sobre o outro. O de baixo mostrava um videoteipe do corredor e o de cima exibia imagens captadas por uma câmera. Ao entrar no corredor, o observador era captado, mas ao se aproximar da imagem projetada ele se afastava da câmera. O resultado, é fácil concluir, era irritante. Quanto mais você se aproximava da TV menor você ficava. E, pior, o observador só podia se ver pelas costas. http://www.youtube.com/watch?v=9IrqXiqgQBo
  12. 12. Lynn Hershman – Lorna, 1979 e 1984 A primeira videoinstalação interativa, Lorna, foi realizada por Lynn Hershman, entre 1979 e 1984. Considerado um protótipo dos sistemas de narrativa fílmica não-linear, Lorna apresenta a história de uma mulher que vive trancada em seu apartamento. Sem nenhum contato externo, Lorna sofre de solidão e desespero. Seu único link para o mundo é a televisão. http://www.youtube.com/watch?v=erSDdku0edI
  13. 13. Jeffrey Shaw -- The Legible City 1989-91 O interator percorre de bicicleta três cidades virtuais: Manhattan, Amsterdã e Karlsruhe. Dispositivos eletrônicos conectados aos pedais da bicicleta medem a rotação das rodas e a velocidade dos pedais. Como resposta, um computador calcula e renderiza interativamente o agenciamento do interator. A saída do sinal de vídeo vai para um projetor, que apresenta a imagem em grande tela situada na frente do interator. A idéia surpreendente desse trabalho é que as cidades estão representadas por um sistema lógico conceitual, formado por tipos gráficos 3D, letras e textos, que substituem fachadas de prédios e outros signos da arquitetura urbana http://www.youtube.com/watch?v=s5wEuclfnN0
  14. 14. Gary Hill - Tall Ships 1992 O público entra em um corredor escuro, como o espaço onde as imagens fantasmagóricas de figuras sentadas são projetadas em uma parede. A abordagem de um visualizador provoca uma figura sentada a levantar-se e seguir em frente em direção ao espectador, criando um efeito assustador de mortos no submundo (e sugestivo de descida ao submundo de Ulisses na Odisséia).
  15. 15. A videoinstalação nos museus brasileiros.• Esfera Coletiva (Estádio Mineirão) A videoinstalação abaixo é assinada por André Amparo e Chico de Paula. Um sistema de visão computacional faz uma plateia reagir em forma de ola à presença de pessoas. O software também joga bolas de diversos pesos e tamanhos para que o público se divirta com embaixadas.
  16. 16. Desvantagem Um dos contras da videoinstalação é sua característica efêmera. Isso torna difícil o seu registro, já que seu conceito depende do que está acontecendo na hora do espetáculo. Isso também dificulta sua execução, já que ela requer muitas vezes recursos tecnológicos de difícil acesso e os recursos para tal ainda são escassos.
  17. 17.  http://www.itaucultural.org.br/educacao/download/video_instalacao.pdf  http://www.slideshare.net/carolinatoledo/videoarte-aula-lv-videoinstalao  http://en.wikipedia.org/wiki/Video_installation  http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1678-53202007000200009&script=sci_arttext&tlng=es  https://www.repositorioceme.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/4661/000503161.pdf?sequence=1  “Extremidades Do Vídeo” Por Christine Mello (http:// books.google.com.br/books?id=vgNyCPc2TkUC&printsec=frontcover&hl=pt-BR&source=gbs_ge_summa ) Referencias

×