Sistema imunologico

3.168 visualizações

Publicada em

SITE: www.tioronni.com.br
E-MAIL: tio_ronni@hotmail.com

0 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.168
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
169
Comentários
0
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sistema imunologico

  1. 1. Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados ©2013. www.tioronni.com.br
  2. 2. SISTEMA IMUNOLÓGICO Defesas do organismo
  3. 3. SISTEMA IMUNITÁRIO Nosso ambiente está repleto de agentes infecciosos como vírus, bactérias, fungos, protozoários, etc. o sistema imunológico trabalha combatendo estes invasores. O organismo possui vários tipos de barreiras contra os invasores. O tipo de resposta imune do organismo vai depender do patógeno e do local da infecção.
  4. 4. BARREIRAS EXTERNAS É o conjunto de barreiras físicas e bioquímicas que impedem que os microorganismos provoquem uma infecção. São também chamadas de mecanismos de defesa não específicos, pois defendem o organismo de qualquer tipo de invasor. Pele: a principal barreira contra os microorganismos é a pele devido a sua constituição de queratina, que impede a entrada deles. Muco: o muco reveste as mucosas e normalmente os invasores ficam aderidos nele.
  5. 5. BARREIRAS EXTERNAS Cílios: os cílios “varrem” os microorganismos para fora do órgão. Saliva, lágrimas e enzimas: as enzimas contidas na saliva e na lágrima possuem ação bactericida. Algumas enzimas possuem o pH muito ácido, que impede a proliferação de microorganismos na região, como é o caso do estômago e da vagina. Comensais: no intestino e na vagina há numerosos microorganismos da flora normal que impedem a proliferação de microorganismos externos, competindo por comida e espaço.
  6. 6. TIPOS DE RESPOSTAS A resposta imune: Para produzir a defesa, o organismo precisa primeiramente reconhecer o patógeno ou qualquer que seja este invasor. Existem dois tipos de resposta imune: inata e adaptativa. A resposta imune adaptativa é muito mais eficiente, pois ela é mais específica. Resposta AdaptativaInata
  7. 7. TIPOS DE RESPOSTAS Resposta imune inata Quando um microorganismo invade o organismo, um grupo de células fagocitárias vai tentar destruí-los através da fagocitose. Estas células são um grupo de leucócitos: monócitos, macrófagos e neutrófilos. Este tipo de reconhecimento é inespecífico, pois as células fagocitam vários tipos de microorganismos e compreendem a primeira linha de defesa. Monócito Macrófago Neutrófilo
  8. 8. TIPOS DE RESPOSTAS Resposta imune adaptativa A resposta imune adaptativa é específica e conta com os linfócitos, que reconhecem especificamente o patógeno invasor. Existem vários tipos de linfócitos que são agrupados em duas categorias: linfócitos B, que produzem anticorpos que se ligam ao antígeno e os linfócitos T, que estão envolvidos na produção de linfócitos B e auxiliam na fagocitose. Existem vários tipos de interação entre os linfócitos e fagócitos.
  9. 9. TIPOS DE CÉLULAS Macrófagos – são importantes na regulação da resposta imune. Estão presentes nos tecidos conjuntivos e no sangue (quando são chamados de monócitos) e, no sistema imune, possui a função de detectar e fagocitar (processo que engloba e digere substâncias no organismo) microrganismos invasores, células mortas e vários tipos de resíduos. Essas células são as primeiras a perceber a presença de agentes invasores. Linfócitos - essas células, presentes no sangue, são um tipo de leucócito (glóbulo branco) e podem ser de três tipos principais: Linfócitos B e LinfócitosT.
  10. 10. TIPOS DE CÉLULAS Linfócitos B – a principal função desse tipo celular é a produção de anticorpos, quando maduros e ativos. Nesta fase são denominados plasmócitos. Linfócitos T auxiliadores (CD4) – através de informações recebidas pelos macrófagos, são estimuladas a ativar outros tipos de linfócito T, os linfócitos T matadores (CD8) e os linfócitos B. São os linfócitos auxiliadores os responsáveis por comandar a defesa do organismo. Linfócitos T matadores (CD8) – recebem este nome por serem responsáveis pela destruição de células anormais, infectadas ou estranhas ao organismo.
  11. 11. TIPOS DE CÉLULAS Eosinófilos – São células com função de apreender e danificar os invasores, principalmente os parasitas extracelulares grandes. Quando estimulados, eles liberam seus grânulos, liberando toxinas, histaminas e arilsulfatase. Os eosinófilos combatem principalmente os vermes, pois não podem ser fagocitados. As substâncias produzidas também ajudam a diminuir a resposta inflamatória. Basófilos e mastócitos – Estas células estão em quantidades muito pequenas no sangue. Possuem grânulos no citoplasma que produzem inflamação no tecido circundante. Estão associados com as reações alérgicas. Plaquetas – As plaquetas estão envolvidas com a coagulação sanguínea e na liberação de mediadores inflamatórios, atraindo leucócitos para a região lesada.
  12. 12. TIPOS DE CÉLULAS Citocinas – São proteínas ou peptídeos que permitem que as células comuniquem entre si e com outros órgãos durante as respostas imunes. Principais grupos: Interleucinas – São produzidas principalmente pelas células T e estão relacionadas com a multiplicação dos linfócitos B. Existem vários tipos de interleucinas. Interferons – Estão relacionados com a produção de defesa contra os vírus, mantendo as células em estado de “alerta viral”. Sistema complemento – É um grupo de proteínas com a função de controlar o processo inflamatório. São produzidas pelo sangue e estão presentes no fígado. Pode ser ativado por anticorpos presentes nas paredes das bactérias (via clássica) ou por moléculas que estão presentes nas bactérias (via alternativa). Esta bactéria é revestida por moléculas do complemento, facilitando a fagocitose.
  13. 13. ÓRGÃOS RELACIONADOS O sistema imunitário é composto por dois grupos de órgãos, os órgãos imunitários primários e os órgãos imunitários secundários. Os primeiros são assim denominados por serem os principais locais de formação e amadurecimento dos linfócitos. Já os segundos, são secundários por atuarem no sistema imunológico após a produção e amadurecimento dos linfócitos. Veja quais são os órgãos que compõem esses dois grupos:
  14. 14. ÓRGÃOS RELACIONADOS Órgãos imunitários primários Medula óssea – além da produção de células sanguíneas e plaquetas, a medula produz linfócitos B, linfócitos matadores. É nesse órgão que ocorre o processo de amadurecimento dos linfócitos B. Timo – o timo é responsável por produzir linfócitos T maduros.
  15. 15. ÓRGÃOS RELACIONADOS Órgãos imunitários secundários Linfonodos – estão presentes nos vasos linfáticos; neles a linfa é filtrada, permitindo que partículas invasoras sejam fagocitadas pelos linfócitos ali presentes. Tonsilas – possuem função semelhante aos linfonodos. Estão localizadas na parte posterior da boca e acima da garganta. Baço – o baço filtra o sangue para remover microrganismos, substâncias estranhas e resíduos celulares, além de produzir linfócitos.
  16. 16. ÓRGÃOS RELACIONADOS Órgãos imunitários secundários Adenoides – constituem de uma massa de tecidos linfoides protetores localizados no fundo da cavidade nasal. Têm como função ajudar a proteger o organismo de bactérias e vírus causadores de doenças transmitidas pelo ar. Apêndice cecal – é uma pequena extensão tubular localizada no ceco, primeira porção do intestino grosso. Através da atuação das bactérias presentes nessa estrutura, microrganismos invasores são combatidos.
  17. 17. PRINCIPAIS TERMOS Anticorpos - Também chamados de imunoglobulinas, são proteínas produzidas pelos linfócitos B que reconhecem antígenos e se ligam especificamente com eles e interagindo com outras células do sistema imune, servindo como um adaptador. Existem cinco classes de anticorpos: IgG, IgA, IgM, IgD e IgE. Antígenos - Qualquer organismo que é reconhecido pelo sistema imune. Resposta inflamatória - Ocorre quando há uma concentração de células de defesa no local da infecção. Há uma vasodilatação e aumento do suprimento sanguíneo, migração de células de defesa para o local e aumento da permeabilidade das células. Células Assassinas Naturais – Reconhece células infectadas ou tumorais realizando a lise destas (ação inespecífica).
  18. 18. II. Mecanismos de defesa não específicos: . 1ª Linha – Pele Mucosas: . vias respiratórias – muco . gástrica – HCl . vaginal – meio ácido . 2ª Linha – Células: . Neutrófilos . Macrófagos fagócitos Macrófago lançando pseudópode para fagocitar uma bactéria. . Eosinófilos: ataque a vermes.
  19. 19. IV. Tipos de imunização: 1. Ativa: Duradoura e lenta. . Produção de anticorpos – células de memória. . Natural: doença. . Artificial: vacina – antígenos atenuados. 2. Passiva: Rápida e passageira. . Inoculação dos anticorpos prontos. . Natural: pela placenta e amamentação. . Artificial: soro – anticorpos.
  20. 20. Vacina: . Jenner (1798) observou que havia 2 tipos de varíola: - varíola bovina: tipo brando (poucas pústulas). - varíola humana: tipo maligno (muitas pústulas). material de pústulas de material de pústulas de vaca com varíola bovina pessoas com varíola malígna Pessoas Não adquiriram a varíola maligna injetou injetou Vacinação (vaccinia = de vaca)
  21. 21. Varíola – doença infecto-contagiosa erradicada no mundo através da vacinação. Vírus Orthopoxvírus variolae – formação de pústulas de difícil cicatrização quando não matava. Vacina:
  22. 22. Vacina:
  23. 23. V. Desordens do sistema imune: 1. Doenças auto-imunes: sistema imune atacando o próprio corpo. . Lúpus eritematoso: contra componentes das próprias células, especialmente o ácido nucléico eliminado no processo natural de reposição das células da pele e de outros tecidos.
  24. 24. . Artrite reumática: Leva à inflamação das articulações e destruição das cartilagens e dos ossos dos locais afetados.

×