Fatores evolutivos

5.209 visualizações

Publicada em

SITE: www.tioronni.com.br
E-MAIL: tio_ronni@hotmail.com

2 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.209
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
124
Comentários
2
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Fatores evolutivos

  1. 1. Prof.: Tio Ronni ACESSE: www.tioronni.com.br
  2. 2. FATORES EVOLUTIVOS Algumas evidências servem como base para fundamentar as teorias evolucionistas. Entre elas, podemos citar, por exemplo, a existência de registros fósseis, além dos órgãos homólogos, análogos e vestigiais: fósseis, órgãos homólogos, análogos e vestigiais.
  3. 3. Mutação Gênica Mutações génicas são alterações bruscas e imprevistas que ocorrem no material genético, e os indivíduos que as manifestam dizem-se mutantes. As mutações foram estudadas primeiro pelo botânico holandês de Vries e sobretudo pelo geneticista americano Thomas Morgan,. Essas alterações são mais frequentes durante a replicação semiconservativa do ADN. Esses erros na replicação do DNA devem-se à troca de nucleotídeos, à sua adição ou à sua subtração.
  4. 4. Mutação Gênica
  5. 5. Mutação Gênica
  6. 6. Mutação Gênica
  7. 7. Mutação Gênica
  8. 8. Mutação Gênica
  9. 9. Mutação Gênica
  10. 10. Mutação Gênica
  11. 11. Mutação Gênica Um garoto deixou estupefata a comunidade médica chinesa: o pequeno, que nasceu com os olhos azuis, tem a faculdade de enxergar no escuro, assim como um gato. Nong Youhui, oriundo da cidade de Dahua, ao sul da China, padeceria de uma estranha doença chamada leukodermia. Tudo começou com uma visita do pai do garoto ao médico dizendo que os olhos de seu filho brilhavam na escuridão como se fossem lanternas. Depois de fazer alguns exames de rotina, os médicos descobriram que Nong Youhui pode ler sem dificuldade em completa escuridão e sem a ajuda de nenhuma luz. E mais, pode ver com tanta clareza como se fosse dia. Estudiosos sobre o assunto afirmam que o menor nasceu com uma rara condição, que deixa seus olhos com menos proteção tornando os mais sensíveis à luz. Por outro lado, o pai do garoto apelidado de "Cat-Boy" (menino gato) advertiu que há tempos atrás os médicos disseram que os olhos de seu filho deixariam de brilhar, para se converter em negros, como a maioria dos chineses. Mas isso nunca ocorreu.
  12. 12. Mutação Gênica
  13. 13. Recobinação Gênica Outra fonte de variabilidade genética que se obtém através da reprodução sexuada: ao nível da meiose (fenómeno de crossing-over, e separação aleatória dos cromossomas homólogos) e da fecundação (fusão aleatória dos gametas).
  14. 14. Migração As migrações podem alterar a constituição gênica de uma população. Por exemplo, se uma população constituída apenas por pessoas de olhos azuis migrar para uma região onde a maioria das pessoas tenham olhos castanhos, haverá aumento da frequência do alelo que condiciona olhos azuis e diminuição correspondente na frequência do alelo que condiciona olhos castanhos.
  15. 15. Derivação Genética A deriva genética, também conhecida como derivação genética, é a variação do fundo genético existente nas populações, que se encontra em harmonia com a seleção natural e é resultante do acaso. Este é um processo estocástico (aleatório), que desempenha seu papel sobre as populações, levando à modificação alélica (gene pool) desta e a predominância de determinadas características na população. Embora este seja um mecanismo de evolução, não produz adaptação.
  16. 16. Princípio do Fundador Um caso extremo de deriva gênica é o chamado principio do fundador: uma nova população é “fundada” por um ou poucos indivíduos, seja porque a população ancestral sofreu uma diminuição drástica, seja porque um pequeno número de indivíduos de uma população migrou para outra região, onde deu origem a uma nova população.
  17. 17. Seleção Normal A seleção natural é o fenômeno biológico que favorece a sobrevivência de parte da população, ou seja, aqueles seres que, graças à variabilidade genética, herdaram combinações gênicas mais adaptativas a uma determinada condição ecológica. 0 1 2 3 4 5 AA Aa aa
  18. 18. Seleção Direcional A seleção direcional favorece um único fenótipo e nesse tipo de seleção o alelo mais vantajoso aumenta de frequência, ao longo das gerações a seleção direcional age sobre fenótipos homozigotos. O alelo não tem que ser necessariamente dominante, o alelo recessivo também poderá ser fixado na população. 0 1 2 3 4 5 AA Aa aa
  19. 19. Seleção Direcional Resistência de bactérias à antibióticos Resistência de insetos a inseticidas
  20. 20. Seleção Direcional Algumas plantas se tornaram resistentes a metais pesados e tóxicos e espécies de ervas daninhas desenvolveram resistência à herbicidas Uso de redes para apanhar apenas salmões grandes selecionado assim apenas os genes dos salmões pequenos.
  21. 21. Seleção Direcional Caracóis chilenos de jardins com metabolismo 20% desacelerado sobrevivem mais que aqueles com genes normais.
  22. 22. Seleção Estabilizadora Seleção estabilizadora, normalizadora ou purificante, é a diversidade genética que diminui quando a população estabiliza num valor de determinada característica em particular, ou seja, valores extremos da característica são selecionados contra. 0 1 2 3 4 5 6 AA Aa aa
  23. 23. Seleção Estabilizadora bom exemplo de seleção estabilizadora é a anemia falciforme em algumas regiões da África. Essa doença é determinada por um alelo recessivo s. Em regiões africanas onde há muitos casos de malária, foi verificada uma frequência acima do esperado para o alelo s na população. Ele deveria ser raro porque provoca uma doença grave que é a anemia falciforme. As pesquisas demonstraram que o heterozigoto Ss é mais resistente à malária que o homozigoto SS. A malária, portanto, nessa região, fornece uma pressão seletiva para a permanência do alelo s em altas taxas, portanto favorecendo o caráter intermediário (Ss). Seleção Estabilizadora - Aumenta a frequência do fenótipo intermediário.
  24. 24. Seleção Disruptiva Seleção disruptiva ou diversificadora, é um termo usado para descrever mudanças genéticas da população que favorecem simultaneamente indivíduos em ambos os extremos da distribuição. Quando a seleção disruptiva se opera, os indivíduos nos extremos contribuem com mais prole (filhos) do que aqueles com características intermediárias, produzindo dois picos na distribuição em um gráfico. 0 1 2 3 4 5 AA Aa aa
  25. 25. Seleção Disruptiva

×