Atpsfundaments

96 visualizações

Publicada em

jjj

Publicada em: Alimentos
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
96
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Atpsfundaments

  1. 1. Tutor a distância-Rita de Cassia Medeiros Gomes. ANA LAURA MEDINA NOGUEIRA SPONTON 2348459370 CINTIA LOURENÇO 2307352607 EDICLEIA BUENO BATISTA 2317374697 GERUSALDA EMILIO 7320542263 GISELE DE FÁTIMA PEREIRA MATULOVIC 2330444243 1 Centro de Educação a Distância Universidade Anhanguera – Uniderp Fundamentos Metodológicos de Matemática Piracicaba – São Paulo 2013
  2. 2. 2 Conceitos fundamentais da Matemática A ação docente educativa é de extrema importância, principalmente no conteúdo de matemática, que assusta muito os educandos, os alunos tem muita dificuldade em assimilar os raciocínios matemáticos, porém não porque a mesma realmente é difícil, mas sim porque a educação em nosso pais não estimula esse raciocínio desde a educação infantil, logo quando a criança é inserida no primeiro ano da segunda etapa da educação infantil, tenta de maneira imposta, quase que obrigatória a fazer com que a criança aprenda, decore, e faça. No entanto qualquer educador que busque em seu profissional estar sempre se qualificando, dentro do conceito de educação continuada, entende que a matemática deve ser apresentada a criança como um acontecimento natura, deixar claro que ela esta inserida em todos os momentos de nossa vida, e que em sua maioria nós nem percebemos, o que demonstra que o conteúdo não é tão complicado como o mito popular. A matemática é um conteúdo onde o educador” percorra o caminho do aprendizado junto com seu aluno, descobrindo o prazer de fazer matemática. Desenvolvendo no aluno a capacidade do raciocínio lógico de forma divertida, como brincadeira de criança. O terror da matemática é imposto no raciocínio do educando, dificultando o ensino aprendizage m desde muito cedo.
  3. 3. 3 Conceitos fundamentais da Matemática Falar em aprendizagem significativa e conceito matemático é assumir que aprender possui um caráter dinâmico, exigindo que as ações de ensino direcionem se para que os alunos aprofundem e ampliem os significados que elaboram mediante suas participações nas atividades de ensino aprendizagem. Nessa concepção o ensino é o conjunto de atividades sistemáticas cuidadosamente planejadas, nas quais professor e alunos compartilhem parcelas cada vez maiores de significados com relação aos conteúdos do currículo escolar, ou seja, o professor guia as ações para que o aluno em tarefas e atividades que o façam aproximar se cada vez mais dos conteúdos que a escola tem para lhe ensinar. Porém esse planejamento pode ser mutável de forma que sincronize com a evolução do educando, e facilite o ensino aprendizagem. Para que aconteça uma aprendizagem significativa existe inúmeros fatores que influencia o processo de raciocínio lógico, sendo eles:
  4. 4. 4 Conceitos fundamentais da Matemática A matemática estuda os números, e seus conceitos, desenvolvendo o raciocínio lógico e também o abstrato,estuda quantidades, medidas, espaços, estruturas e variações. Um trabalho matemático consiste em procurar por padrões, formular conjecturas e, por meio de deduções rigorosas para que se estabeleça os resultados. Os conceitos matemáticos estão constantemente em nossa volta desde nosso nascimento sendo eles:  Altura Largura Formas Tamanhos Adição Subtração Divisão Classificação: É a operação lógica, fundamental no desenvolvimento do pensamento, de forma que sua importância não se refere apenas a sua relação com o conceito de numero.  Seriação: É ordenar diferenças, estabelecer relações entre elementos que diferem em certos aspectos.  Correspondência: É a operação por meio da quase estabelece uma relação um a um entre elementos de dois ou mais conjunto com a intenção de compara – lós quantitativamente Multiplicação E outros inúmeros fatores que envolvem o mundo como um todo, a matemática se faz necessária desde os primórdios tempos.
  5. 5. 5 Ábaco O Ábaco é uma ferramenta matemático, com muita simplicidade, que foi utilizado por muito tempo para resolver operações que envolvem a matemática. Muitas civilizações utilizarão essa forma de calcular, uma diferente da outra porém com os mesmo princípios. O Ábaco foi criado na China, para utilizar contagens matemáticas para os negócios financeiros, porém existem outras regiões que também utilizaram por muito tempo, onde houve algumas modificações de região para região.
  6. 6. 6 Ábaco A história é cheia de inovações pois, o ser humano se adapta as suas condições, sendo assim a matemática sempre foi existente, porém não se haviam técnicas para o controle dessas modificações, sendo assim por volta de 2400 A.C, surge um método o qual é criado para contar as “coisas”. Esse método foi chamado de ábaco, que é vinculado ao conceito de contagem. O ábaco é um pedaço de madeira, retangular ou quadrada, na horizontal ou vertical com bastões, que representam as unidades, dezenas, centenas e milhares, nesse bastões são encaixados pequenos círculos, com a representação da dezena, ou seja, de dez em dez. Segue exemplo ao lado: Atualmente o ábaco é utilizado nas escolas, para auxilio da compreensão do sistema matemático, como memorização e contagem dos numerais, auxiliando nas situações problemas. Segue modelo de ábaco caseiro, ao lado:
  7. 7. A matemática e o cotidiano São inúmeras a situações da matemática em nosso cotidiano: Seguem exemplos Compras  Vendas  Parcelas  Receitas  Medidas  Formas  Medicação  Tamanho  Contagem  Representação numérica  Canais de televisão  Internet  Velocidade 7
  8. 8. Jogos, Vivências e Dinâmicas Faixa etária: Maternal Material: Tangram – Figuras Geométricas e cores Descrição: As crianças deverão utilizar as peças do tangram e dar formas concretas as encaixando de forma que fique evidente o objeto a qual foi imaginado. 8
  9. 9. Jogos, Vivências e Dinâmicas Faixa etária: Jardim Material: Situação problema, material dourado Descrição: A professora, explica para as crianças como se utiliza o material dourado. Depois forma se grupos de cinco integrantes, fornecendo um conjunto de material dourado para cada grupo. Na lousa ela representa com a escrita de numerais, e as crianças deverão representar na mesa do grupo, ganha quem representar primeiro. Depois aplica a atividade inversa, sendo a mesma, impressa e os alunos representam os numerais escrito. 9
  10. 10. Jogos, Vivências e Dinâmicas Faixa etária: 1º ano Material: Domino da adição Descrição: Com a formação de grupos de cinco integrantes a professora deverá, fornecer a cada grupo, o dominó da adição, já previamente confeccionado pelos alunos. Os alunos deverão juntar as peças conforme a sequencia de encaixe indicada, pela soma da outra ponta. 10
  11. 11. Jogos, Vivências e Dinâmicas- Faixa etária: A partir do jardim Material: Twister - Um painel com numerais, dados com os símbolos de mãos e pés e outro com as palavras direita e esquerda. Descrição: Um tapete de numerais, para cada grupo de cinco integrantes, onde um deles jogara os dado e os demais deverão encaixar as mãos e os pés nos locais que os dados indicaram. 11
  12. 12. Jogos, Vivências e Dinâmicas- Faixa etária: 4ª ano do ensino fundamental Material: Jogo com o ábaco – um ábaco para cada criança, Descrição: Cada aluno irá confeccionar seu ábaco, e em conjunto alguns dados. Cada jogador de posse de seu ábaco e dado, combinam o número de rodadas que realizarão(por exemplo, cinco rodadas).Em seguida, iniciam o jogo jogando o dado, verificando o resultado e colocando o respectivo número de peças no ábaco.Após as cinco rodadas conferimos quem terá a maior representação no ábaco 12 6 5 4 2 1 3
  13. 13. As diferentes técnicas de registrar os cálculos e técnicas operatórias Existem inúmeros tipos de cálculos, para as mais diversas situações. E o maior conflito, é o qual usar e quando usar? Quatro tipos de cálculos que deveriam ser explorados na escola: cálculo escrito (algarismos) cálculo mental exato cálculo mental aproximado (estimativas) cálculo feito com ferramentas de apoio, das quais a mais comum é a calculadora. O professor tem que agir como o agente do ensino aprendizagem, desenvolvendo no educando a autonomia e o raciocínio lógico no aluno, criando atividades lúdicas que despertem o interesse do educando, de forma que eles aprendam brincando, e compreendam que a matemática esta inserida em todos os contexto de vivencia. O calculo mental deve ser estimulado, principalmente no que se refere a um mundo globalizado onde existem inúmeros meios de calcular sem raciocinar, com calculadoras, computadores, tablets, celulares, etc. E nada melhor que o a ferramenta lúdica, com jogos e projetos para desenvolver estas habilidades. 13
  14. 14. Considerações Finais Com o desenvolver desse trabalho foi possível para os envolvidos compreender a importância do lúdico no processo de ensino aprendizagem, como também a utilização dos recursos de jogos para maior compreensão e assimilação dos conteúdo aplicados. Como também a importância da socialização e do convívio e o trabalho em grupo, pois no decorrer das atividades, foi possível observar que as crianças quando competem em grupos, elas demonstram solidariedade e engajamento nos trabalhos desenvolvidos, para que sejam atingidos os objetivos da vitória. Claro que isso dentro de uma metodologia pacífica, onde o premio é o aprendizado dos educandos. Foi possível criar estratégias para compreender, cuidar e educar, contribuindo para o desenvolvimento das dimensões, de suas capacidades, sejam elas, física, psíquicas, intelectual ou social. Como também adquirir um conhecimento mais profundo das diretrizes de bases que envolvem, o aprendizado lúdico, e as metodologias dos jogos em sua suma importância. Sendo assim concluímos que através do desenvolvimento deste, pudemos nos aperfeiçoar como futuras educadoras, e compreender a importância da educação e formação continuada, tanto ao educando como ao educador. 14
  15. 15. Referências Bibliográficas ALSINA, C.; BURGUÊS, C.; FORTUNY, Coleção matemática – Sínteses 1995 ASIMOV, Isaac. No mundo dos números. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1995. BROICH; Josef. Jogos para crianças – Mais de cem brincadeiras como movimentos, tensão e ação – Loyola – 1995 DIENES, Z. P. As seis etapas do processo da aprendizagem em matemática. São Paulo: EPU - Editora Pedagógica Universitária, 2008. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil – Brasília 2010 (Versão Resumida) GUELLI, Oscar. A invenção dos números. São Paulo: Ática, 2000. http://www.anped.org.br/reunioes/30ra/trabalhos/GT07-3370--Int.pdf - acesso em out/2013 http://www.brasilescola.com/historiag/abaco.htm - acesso em out/2013 IFRAH, Georges. Os números: A história de uma grande invenção. São Paulo: Editora Globo, 2009. MACHADO, N.J. Matemática e língua materna: Uma impregnação essencial. São Paulo: Cortez – 1990 Pedagogia - 6ª Série – Fundamentos e Metodologia de Matemática Denise F. B. Marquesin Maria da Graça T. Bagne Pág. 6 de 7 15

×