Coeficiente de
Inteligência




        José Antonio Simas
        Sonia Maria Tridento
        Tupi Rodrigues
O psicólogo francês Alfred Binet (1857-1911) idealizou o
primeiro teste de Q.I. em 1905. O objetivo inicial era
descobrir ...
o desempenho médio nos testes de QI tem aumentado até 20
pontos por geração no mundo todo.
Esse tipo de paradoxo está leva...
Flynn acredita que muitos problemas requerem uma combinação
de filosofia e ciência social, e que isso é especialmente verd...
quot;The Bell Curvequot; (A Curva do Sino), de Richard Herrnstein e
Charles Murray, em 1994 (atraso dos negros nos testes ...
Q.E. - Uma questão de emoções

A autocrítica, a crítica dos outros, a capacidade de
compreensão, a tolerância e o quot;fai...
Emoção representa tudo o que é contrário à razão
- uma pessoa racional não cede aos seus impulsos
emotivos
- a emotividade...
Controlar as emoções é crucial para ter sucesso na
carreira. Conhecendo os seus sentimentos e as suas
emoções mais facilme...
Otimismo: jamais permita que sentimentos
negativos perturbem o seu desempenho;
Compreenda os outros: seja uma pessoa
dispo...
Na verdade,
emotividade e
racionalidade
completam-se e é dessa
forma que nos tornamos
seres humanos melhores
com capacidad...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A ApresentaçãO QI X QE

6.145 visualizações

Publicada em

Apresentação à disciplina Psicologia da Aprendizagem, Curso de Licenciatura "Esquema 1", Centro Paula Souza

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.145
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
31
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
77
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A ApresentaçãO QI X QE

  1. 1. Coeficiente de Inteligência José Antonio Simas Sonia Maria Tridento Tupi Rodrigues
  2. 2. O psicólogo francês Alfred Binet (1857-1911) idealizou o primeiro teste de Q.I. em 1905. O objetivo inicial era descobrir quais crianças tinham capacidades mentais abaixo do normal e precisariam de educação especial. Com o passar do tempo, foi definida uma escala comparativa de desempenho, que sempre leva em conta a faixa etária de quem faz os testes. O desempenho médio de um grupo da mesma idade é sempre 100, enquanto um desempenho igual ou menor a 70 pontos indicaria deficiência mental. A Suprema Corte dos Estados Unidos proíbe a execução dos condenados à morte que fizerem 70 ou menos pontos no teste, valor considerado diagnóstico de retardo mental.
  3. 3. o desempenho médio nos testes de QI tem aumentado até 20 pontos por geração no mundo todo. Esse tipo de paradoxo está levando psicólogos, educadores e cientistas sociais a questionar cada vez mais o que o tal quociente de inteligência é realmente capaz de medir e sua relação com o conceito (cada vez mais fugidio) de inteligência. Muitos psicólogos postulam que, a partir dos testes, é possível chegar ao chamado quot;fator gquot;, uma medida de inteligência pura que não dependeria do grau de treinamento ou da escolaridade da pessoa testada, mas representaria a faculdade mental responsável pela maior parte de um bom desempenho no teste ou em outras atividades. James Flynn, 69, do Departamento de Estudos Políticos da Universidade de Otago. Ele é o descobridor do bizarro aumento nas pontuações de QI, batizado de quot;efeito Flynnquot;.
  4. 4. Flynn acredita que muitos problemas requerem uma combinação de filosofia e ciência social, e que isso é especialmente verdadeiro na relação entre QI e raça. Diversos estudos nos EUA mostravam uma diferença média de 15 pontos entre o QI de brancos e o de negros americanos, e isso motivou Flynn a tentar achar buracos nesses dados, que pareciam condenar os cidadãos de origem africana a um status geneticamente subalterno. Flynn não achou o que procurava, mas acabou tropeçando num dado ainda mais precioso: pessoas que passavam raspando na média (100 pontos) nos anos 70 faziam 108 pontos nos testes mais antigos. O pesquisador neozelandês foi em busca dos dados em diversos países e revelou uma surpresa ainda maior: um aumento por volta de 20 pontos em cada geração de 30 anos em 20 países da Europa, Ásia e América Latina. Para Flynn, as implicações da maleabilidade do QI levam a repensar o tal quot;fator gquot; e o próprio conceito de inteligência.
  5. 5. quot;The Bell Curvequot; (A Curva do Sino), de Richard Herrnstein e Charles Murray, em 1994 (atraso dos negros nos testes de QI, o livro classificava de inútil toda a política de cotas educacionais ). O fator por trás do desempenho ascendente pode estar relacionado ao aumento de ocupações que exigem mais iniciativa, a famílias menores que dão mais atenção e incentivo aos questionamentos infantis e ao aumento do lazer. quot;As várias avaliações são usadas dependendo do que você quer medir. Nem todos os pesquisadores acham o teste útilquot;, diz Celso Goyos, do Departamento de Psicologia da UFSCAR, que trabalha com crianças que têm dificuldades de aprendizado. A influência do ambiente nos resultados é uma tese com a qual a maioria dos especialistas concorda. O neurocirurgião do Hospital das Clínicas da USP Joel Augusto Ribeiro Teixeira, 35, presidente da Mensa Brasil (sociedade internacional que reúne pessoas de QI alto), concorda que a escolaridade e outros fatores externos podem tornar o índice maleável, mas defende a validade dos testes. quot;É o único instrumento de medição que nós temos. Todo o resto é subjetivo“. . quot;A sociedade, inclusive os psicólogos, não quer comparar as pessoas. No fundo, todos querem ser considerados inteligentesquot;
  6. 6. Q.E. - Uma questão de emoções A autocrítica, a crítica dos outros, a capacidade de compreensão, a tolerância e o quot;fair playquot; são características fundamentais para se ser bem sucedido no local de trabalho. O coeficiente emocional passa exatamente por isso: “A capacidade de avaliar a sua capacidade de usar as suas emoções. E é cada vez mais indispensável para o bom desempenho profissional.”
  7. 7. Emoção representa tudo o que é contrário à razão - uma pessoa racional não cede aos seus impulsos emotivos - a emotividade nos obriga a não responder às diretivas racionais. A verdade é que estas duas componentes complementam-se e é na sua fusão que se alcança a quase totalidade da essência humana. O homem é razão e emoção e é bastante difícil, senão mesmo impossível, conseguir distanciar as duas sem que uma delas não saia prejudicada.
  8. 8. Controlar as emoções é crucial para ter sucesso na carreira. Conhecendo os seus sentimentos e as suas emoções mais facilmente perceberá como aquilo que sente pode afectar aquilo que você faz. A autoconsciência emocional é indispensável para nos aperfeiçoarmos constantemente. Auto-avaliação: pare e pense com franqueza e honestidade em relação aos seus pontos fracos; Confie nas suas capacidades: sem autoconfiança nunca vai conseguir ultrapassar os desafios diários; Controle-se: não exploda, o que se diz não há como retirar... Seja de confiança: valores como a integridade, honestidade ou coerência distinguem os profissionais; Melhorar: sempre. Procure sempre fazer melhor;
  9. 9. Otimismo: jamais permita que sentimentos negativos perturbem o seu desempenho; Compreenda os outros: seja uma pessoa disponível e sempre disposta a ajudar; Saiba comunicar: ser extrovertido não significa necessariamente que se seja um comunicador; Conflitos: a melhor maneira de sobreviver a um conflito é detectando-o antes de ele aparecer;
  10. 10. Na verdade, emotividade e racionalidade completam-se e é dessa forma que nos tornamos seres humanos melhores com capacidade para nos melhorarmos constantemente sabendo definir objetivos e estratégias. Valorize as suas emoções e melhore a sua carreira.

×