Uma Gota Milagrosa Para As Empresas - A Psicologia Organizacional

197 visualizações

Publicada em

Publicada em: Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
197
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Uma Gota Milagrosa Para As Empresas - A Psicologia Organizacional

  1. 1. UMA “GOTA MILAGROSA” PARA AS EMPRESAS – A PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL Acredito que a maioria dos dirigentes antenados ouviram falar da inteligência emocional e os ainda mais antenados devem ter lido acerca das sete inteligências, descritas no livro “Estruturas da mente”, de Howard Gardner, da Universidade de Harvard. Das 7 inteligências, infelizmente, na cultura ocidental nós só aprendemos a usar a inteligência racional que, segundo diz o neurocientista PHD Antonio Damasio, da UCLA dos EUA: “Os frágeis instrumentos da racionalidade precisam realmente de cuidados especiais” e, mais adiante, “Se sua mente dispuser apenas do cálculo racional puro, vai acabar por escolher mal...”. Se os dirigentes ouviram ou leram a respeito, não entenderam ou não souberam aproveitar o riquíssimo material disponível para aplicação em benefício de suas empresas. Isto, acima dito, se refere apenas aos antenados; mas a maioria dos dirigentes não é antenada em assuntos fora de suas áreas de especialização, deixam para depois ou até jogam fora tais assuntos. E quando se trata de psicologia, mesmo que o nome seja mais atraente como “psicologia organizacional”, eles dizem que não estão doentes... e que suas empresas também não estão! Na realidade eles pensam que elas não estão, mas certamente elas estão, e eles têm medo de saber isso porque seriam os responsáveis por não terem aplicado as medidas “terapêuticas” disponíveis, no tempo e na dose adequada. Aí surge uma pergunta: como eles aplicariam as medidas terapêuticas se não tinham consciência nem da “doença” nem do remédio? Com essa pergunta conseguimos atingir o âmago do problema: os dirigentes tem que sair da sua zona de conforto e, com coragem, fazer um diagnóstico “psico-organizacional” que revelará as “doenças” que existem dentro de suas empresas, “doenças” estas que devem ser tratadas. Na minha experiência (www.embrascon.com) a cúpula tem 90% de chance de ser a responsável pela “doença” da empresa. Bem, então está tudo resolvido: despede-se toda a cúpula. Não, não é por aí. O diagnóstico, se feito por psicólogos experientes dá a receita de como fazer o tratamento, isto se o “doente” não estiver em estado terminal. Neste caso, só existe a solução radical dita acima. Em todos os outros casos,
  2. 2. também na minha experiência, praticamente em 100% deles existe terapêutica adequada para a sua recuperação com sucesso. A segunda etapa é a mais dramática: feito o diagnóstico, apontados os problemas e dadas as recomendações para a sua implantação, o que fazer? Como implantar? Esta etapa só é implantada, com toda a certeza, se o dirigente principal e a cúpula da empresa se entregarem de corpo e alma ao processo “terapêutico” já que este vai atingir, provavelmente, seus egos e seus orgulhos terão que ser esvaziados em prol da “cura”. A psicologia organizacional tem todas as ferramentas da área sentimento- afetiva para resolver conflitos interpessoais e intergrupais, e demais entraves que aparecerão, sem que após permaneçam ressentimentos, alias muito pelo contrário, fica a saúde recuperada e formada uma equipe sinérgica. Todos tem que ganhar, as pessoas e a empresa. Encontrei na prática duas situações bastante comuns. Na primeira situação, o presidente que me contratou acreditava muito nas teorias e práticas da psicologia organizacional. Sua intuição tinha lhe enviado um recado que a empresa estava precisando de uma mudança profunda. Apesar de se tratar de um planejamento estratégico, propus inicialmente um diagnóstico “psico-organizacional”. A reação da cúpula foi enorme, nenhum deles queria se expor. Diziam, “se vamos fazer um planejamento estratégico não há necessidade de psicólogas por aqui, para que complicar?”. O presidente assumiu os riscos. Com uma equipe de psicólogas experientes formamos uma equipe unida na cúpula da empresa, cerca de 20 altos executivos, com um tremendo potencial sentimento-afetivo (comumente chamado emocional) para implantar, sem conflitos, ações estratégicas que, sem os benefícios da psicologia organizacional não seriam possíveis, tendo em vista o clima reativo inicial. Os resultados foram excelentes para a empresa, não só no que se refere à eficácia das estratégias, como também pela reformulação do modelo mental de cada integrante da equipe da cúpula da empresa. No novo modelo valores como respeito, cooperação, atenção, flexibilidade, entre outros, são considerados prioritários em relação ao compromisso com o método. Ou seja, “O homem certo com o método errado dá certo, o homem errado com o método certo dá errado” (TAO). Na segunda situação, todos eram contrários ao diagnóstico “psico-organizacional”, tanto o presidente como os diretores. Como a empresa estava mal das finanças, e o planejamento estratégico era uma real necessidade para sua recuperação, consegui, com muito trabalho de convencimento, fazer o diagnóstico “psico-organizacional” nas áreas das diretorias, com seus
  3. 3. diretores presentes, o que minimizou a perda de qualidade final. Mas o diagnóstico do presidente junto com diretores, nem pensar. Entre eles seus sentimentos eram fechados a cadeado. Bem, quando estamos diante destas situações o melhor é rezar. Foi o que eu fiz e “aceitei as coisas que eu não podia mudar; coragem para mudar aquelas que eu podia; e, sabedoria para eu distinguir umas das outras”. Tenho empregado os princípios da psicologia organizacional em praticamente todas as áreas das empresas, como no aumento da produtividade, na melhoria dos processos decisórios, nos grupos do programa de qualidade total, na redução dos custos organizacionais e de seus projetos, na criatividade para inovação, na redução do prazo do cronograma em obras de engenharia, etc., ou seja, a psicologia organizacional traz benefícios onde houver pessoas trabalhando de forma sistêmica com outras pessoas, quaisquer que sejam suas tarefas. Ela sempre otimiza os resultados! Após trabalharem com as praticas da psicologia organizacional as pessoas tem uma mudança interior, visível pelas suas atitudes na empresa assim como junto à sua família. Em meu site tenho declaração desta verdade: “O que você está fazendo lá na Companhia que está tão amoroso, solícito, como não era antes?” (pergunta da esposa de um superintendente). Os dirigentes precisam saber que isto existe e é bom para as suas empresas. José Affonso

×