A MISSÃO DOS PROFISSIONAIS DA ÁREA HUMANA
“A empresa é a cara de seu presidente”- frase que poderia ser
adaptada para qual...
comportam: não podem aceitar o programa dizendo “vocês vão
fazendo aí que nós damos todo o apoio”. Sem apoio nem começa; c...
A Visão é altamente meritória. É difícil, mas não impossível.
Mais difícil é continuar vendo profissionais da área humana
...
Por último, mas igualmente importante, preciso registrar que existem
muitas empresas, algumas das quais tive participação,...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A Missão dos Profissionais da Área Humana

155 visualizações

Publicada em

Publicada em: Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
155
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
0
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A Missão dos Profissionais da Área Humana

  1. 1. A MISSÃO DOS PROFISSIONAIS DA ÁREA HUMANA “A empresa é a cara de seu presidente”- frase que poderia ser adaptada para qualquer nível organizacional: o setor é a cara do seu chefe, o projeto é a cara de seu gerente, etc. Por isso, nenhuma empresa poderá (e me parece que nunca pôde) ser diferente da maneira que a sua cúpula transmite ser, consciente ou inconscientemente. Algumas empresas, a título de estarem na moda, implantam programas “participativos” sem que o presidente e os diretores tenham noção da importância daquilo que estão iniciando. Mexer com os valores humanos desta forma é manipulação e é o que se faz na maioria das empresas. Prejudica as pessoas que nelas trabalham e prejudica a própria empresa, já que a sua produtividade e a sua lucratividade com estes programas estão muito aquém das que poderiam ser alcançadas com programas nos quais houvesse a consciência, por parte dos dirigentes, do embasamento filosófico de um programa humano e participassem dele. Disse que é manipulação porque se a diretoria não se envolve no programa de desenvolvimento humano, dificilmente as ações estratégicas, dele resultantes, serão incorporadas nas ações estratégicas da empresa. Muito provavelmente não serão. Antes de expor toda a empresa a estes programas que, segundo a maioria dos dirigentes, “não vão dar em nada”, torna-se indispensável à realização de um programa de imersão total da diretoria acerca do que é desenvolvimento humano no trabalho e quais seus benefícios para, então, se entendido por todos, decidirem se querem ou não iniciar algo no qual eles são os primeiros a ter que mudar atitudes e comportamentos. Este assunto tem sido pesquisado e debatido pelos teóricos do mundo ocidental. O resultado mostra que o sucesso destes programas depende fundamentalmente da maneira como os dirigentes se
  2. 2. comportam: não podem aceitar o programa dizendo “vocês vão fazendo aí que nós damos todo o apoio”. Sem apoio nem começa; com apoio, mas sem o engajamento dos dirigentes, paralisa no meio. Geralmente se pensa que o motivo é outro: falha de coordenação do programa, falta de tempo, falta de verba, falta de qualidade do programa, etc. Mas a literatura a respeito já descobriu que não é nada disso: é só, e unicamente, o não engajamento no programa por parte dos dirigentes. Neste caso, há um claro abismo entre o setor que cuida das Pessoas e a direção, no que se refere às ações estratégicas deste setor. Mesmo que o setor de Pessoas seja competente, como alias acontece na grande maioria das empresas, e desenvolva seu próprio planejamento estratégico, as ações dele decorrente “morrerão na praia” devido ao abismo citado. Os dois modelos mentais são incompatíveis: um mecanicista, dos dirigentes, e outro humano, do setor das Pessoas. O modelo mecanicista não estabelece estratégia de ascendência do pessoal porque “é demorado, é caro, é mais fácil procurarmos no mercado”, etc., e, achando que o humano é um recurso, procede mecanicamente, troca a peça. A atitude dos dirigentes para aceitarem programas participativos é, em princípio, de negação. Além dos motivos já citados, existe precondicionamento deles, revelado por declarações do tipo “os empregados não podem decidir o futuro da empresa”, ou,” vai virar um caos todo mundo dando ordem”. Essa é uma interpretação errônea, pois que, em programas participativos, o nível mais elevado de cada setor ou departamento não perde o poder decisório, apenas participa com seus subordinados do processo decisório. Esse fato demonstra o desconhecimento, por parte da maioria dos dirigentes, de teorias e práticas acerca das organizações democraticamente constituídas.
  3. 3. A Visão é altamente meritória. É difícil, mas não impossível. Mais difícil é continuar vendo profissionais da área humana tendo suas vidas nas empresas sem esperança de alcançar seus sonhos de realização. Por tudo acima dito, há urgente necessidade da mudança de paradigma do modelo mental da maioria dos dirigentes, especificamente aqueles que relutam em dar o devido valor às necessidades, anseios e desejos de seus subordinados, e que não acreditam em que, isto fazendo, trarão maiores benefícios para as suas empresas. Não há mais espaço para dirigente que não privilegie o seu pessoal, que é o maior ativo da empresa. Os demais ativos, de menor valor, são na realidade inativos, pois dependem do ser humano para serem ativados e terem valor. A Missão da área humana das empresas é: “Ter pessoal capacitado ética e intelectualmente”. A Missão da área humana, na grande maioria das empresas, já é realizada pelo seu pessoal especializado, na medida das suas possibilidades. A Visão dos profissionais da área humana é agir para mudar o modelo mental dos dirigentes de suas empresas, para isso empregando suas “armas”, que são a sua competência e sua ética humanista. Estarão realizando algo que não é em curto prazo, em seu benefício, mas algo para benefício futuro, de pessoas e da empresa.
  4. 4. Por último, mas igualmente importante, preciso registrar que existem muitas empresas, algumas das quais tive participação, que tem em sua Missão prestigiar e desenvolver seu pessoal. E priorizou ações estratégicas para que isso viesse a acontecer. José Affonso

×