Triangulo vibracao

268 visualizações

Publicada em

Apostila

Publicada em: Engenharia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
268
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Triangulo vibracao

  1. 1. 1 TRIÂNGULO DA VIBRAÇÃO PONTO TÉCNICA DIREÇÃO
  2. 2. 2 TRIÂNGULO DA VIBRAÇÃO 1 PONTO PONTO -Ponto de Coleta -Mancal da máquina -Mais rígido possível -Elemento de transmissão da vibração - Evitar tampas - Ex: 1,2,3…n
  3. 3. 3 TRIÂNGULO DA VIBRAÇÃO DIREÇÃO DIREÇÃO -Mede os esforços em determinadas direções -Horizontal - H -Vertical - V -Axial – A ou X -Ex: 1H, 2X, 2A, 3V….. 1H
  4. 4. 4 TRIÂNGULO DA VIBRAÇÃO TÉCNICA TÉCNICA -São os parâmetros de medição -Velocidade (mm/s) -Aceleração (Gs) -Deslocamento (Micron) -Envelope de Aceleração (gE) -HFD, Kurtosys, Processo, Temp, Corrente, etc -Ex: 1HE, 2HV, 4VV….. 1HE
  5. 5. 5 COMO FUNCIONA NA PRÁTICA ??? PONTO TÉCNICA DIREÇÃO
  6. 6. 6 O Vértice - PONTO -É responsável pela identificação do Mancal que está sendo medido (Ex. Mancal 1 do motor) -Segue padronizações e orientações mundiais -Em geral a numeração se inicia pelo motor ou máquina motriz e segue em ordem crescente até o último mancal da máquina acionada. -Em geral a região de maior anormalidade na máquina tem maior expressão no mancal mais próximo.
  7. 7. 7 O Vértice – DIREÇÃO -É de extrema importância para análise inicial da máquina. -Certas anormalidades se destacam mais em determinadas direções. Exemplos: Vertical : Principalmente folgas nas bases Axial : Principalmente esforços axiais como desalinhamentos angulares Horizontal : Desbalanceamento, Defeitos em rolamentos, Folgas internas, Cavitações, Anormalidades elétricas.
  8. 8. 8 O Vértice - TÉCNICA -É responsável pela identificação do defeito ou anormalidade presente na máquina. Divide-se basicamente em dois grandes grupos : problemas rotacionas e problemas de impactos Problemas Rotacionais : Definidos como sendo relacionados as rotações de operação do equipamento, eixos, engrenagens, polias. Problemas de Impacto : Definidos como sendo problemas não relacionados com a rotação da máquina, em geral provocados por contatos e friccões metálicas entre componentes internos.
  9. 9. 9 O Vértice - TÉCNICA PROBLEMAS ROTACIONAIS MAIS COMUNS : -Desbalanceamento – 1X -Desalinhamento – 1X,2X -Folgas Base e Internas 1X,2X,3X…. -Engrenamentos – Z*rpm Técnicas Mais eficazes para detectar estes problemas : -Velocidade (mm/s) -Deslocamento (Micron) OBS: Problemas rotacionais geralmente ocorrem em baixas Frequências.
  10. 10. 10 O Vértice - TÉCNICA PROBLEMAS DE IMPACTO MAIS COMUNS : -Defeitos em rolamentos. -Defeitos em engrenagens. -Problemas de lubrificação. -Roçamentos. -Folgas Internas anormais nos mancais, eixos ou rolamentos. -Anormalidades Elétricas (Especial). Técnicas Mais eficazes para detectar estes problemas : -Aceleração (Gs) -Envelope de Aceleração (gE)
  11. 11. 11 Será que funciona ??????? Meu exaustor está com elevado nível de Envelope de Aceleração (gE), eu estou achando que ele está desbalanceado ……Será que estou certo ??????
  12. 12. 12 A sua resposta…….. NÃO ! ! ! ! ! ! ! Se falamos em Envelope de Aceleração, logo podemos associar a Rolamentos e vice versa…..Sem medo de errar.
  13. 13. 13 PRÁTICA Lista de possíveis anormalidades : -DESBALANCEAMENTO -DESALINHAMENTO -FOLGAS NA BASE -FOLGAS INTERNAS NOS MANCAIS -LUBRIFICAÇÃO INADEQUADA -CAVITAÇÃO -RESSONÂNCIAS -ANORMALIDADES ELÉTRICAS -DEFEITOS NOS ROLAMENTOS -PROBLEMAS DE PROCESSO -PROBLEMAS HIDRAULICOS
  14. 14. 14 RELAÇÃO DIREÇÃO E TÉCNICA ANORMALIDADES DIREÇÃO TÉCNICA H / V / A V / A / E / D / SEE / HFD DESBALANCEAMENTO HORIZONTAL VELOCIDADE / DESLOCAMENTO DESALINHAMENTO AXIAL VELOCIDADE / DESLOCAMENTO FOLGAS NA BASE VERTICAL VELOCIDADE / DESLOCAMENTO FOLGAS INTERNAS NOS MANCAIS HORIZONTAL ENVELOPE / VELOCIDADE LUBRIFICAÇÃO INADEQUADA HORIZONTAL ACELERAÇÃO / ENVELOPE CAVITAÇÃO HORIZONTAL / VERTICAL VELOCIDADE / ACELERAÇÃO RESSONÂNCIAS HORIZONTAL / VERTICAL VELOCIDADE / DESLOCAMENTO ANORMALIDADES ELÉTRICAS HORIZONTAL VELOCIDADE / ENVELOPE DEFEITOS NOS ROLAMENTOS HORIZONTAL ENVELOPE / ACELERAÇÃO PROBLEMAS DE PROCESSO HORIZONTAL / AXIAL VELOCIDADE PROBLEMAS HIDRÁULICOS HORIZONTAL / AXIAL VELOCIDADE
  15. 15. 15 SUBCONJUNTO MOTOR 2AV 1VV 2HV 2HE 2HA 1HV 1HE 1HA 2VV
  16. 16. 16 SUBCONJUNTO BOMBA 3AV 3VV 4HV 4HE 4HA 3HV 3HE 3HA 4VV
  17. 17. 17 07/04/04 – BOMBA CENTRÍFUGA ÓLEO 501-C 1HV 1HE 1HA 2HV 2HE 2HA 3HV 3HE 3HA 4HV 4HE 4HA 1VV 2VV 3VV 4VV 2XV 3XV 18 MEDIÇÕES MÍNIMAS NECESSÁRIAS
  18. 18. 18 03 direções 03 Parâmetros MEDIÇÕES DE VIBRAÇÃO 1HV MANCAL (1, 2, 3, ...) PARÂMETRO (V, A, E) DIREÇÃO (H, V, X)

×