1
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
1
...
2
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
3
...
3
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
5
...
4
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
7
...
5
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
9
...
6
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
11...
7
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
13...
8
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
15...
9
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
17...
10
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
1...
11
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
2...
12
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
2...
13
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
2...
14
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
2...
15
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
2...
16
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
3...
17
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
3...
18
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
3...
19
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
3...
20
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
3...
21
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
4...
22
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
4...
23
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
4...
24
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
4...
25
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
4...
26
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
5...
27
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
5...
28
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
5...
29
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
5...
30
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
5...
31
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
6...
32
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
6...
33
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
6...
34
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
6...
35
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
6...
36
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
7...
37
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
7...
38
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
7...
39
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
7...
40
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
7...
41
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
8...
42
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
8...
43
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
8...
44
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
8...
45
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
8...
46
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
9...
47
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
9...
48
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
9...
49
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
9...
50
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
9...
51
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
1...
52
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
1...
53
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
1...
54
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
1...
55
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
1...
56
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
1...
57
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
1...
58
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
1...
59
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
1...
60
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
1...
61
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
1...
62
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
1...
63
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
1...
64
©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005
R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP
Fone:193739-6200-Fax193739-6215
1...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Modulo 3 aberturas

583 visualizações

Publicada em

Apostila

Publicada em: Engenharia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
583
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
107
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Modulo 3 aberturas

  1. 1. 1 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 1 Projeto deProjeto deProjeto deProjeto de Vasos de PressãoVasos de PressãoVasos de PressãoVasos de Pressão Projeto deProjeto deProjeto deProjeto de Vasos de PressãoVasos de PressãoVasos de PressãoVasos de Pressão Cérebro – Engenharia e Tecnologia da Informação S.A. Mixing - Engenharia & Software Ltda. R. José de Alencar, 293 – 9°Andar, Sala 91 Centro – Campinas – CEP 13013-040 – SP Fone: 19 3739-6200 Fax 19 3739-6215 www.cerebromix.com ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 2 Módulo III Aberturas e Bocais Flanges Módulo III Aberturas e Bocais Flanges ASME – Seção VIII – Divisão 1 Projeto de Vasos de PressãoProjeto de Vasos de Pressão
  2. 2. 2 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 3 Aberturas e Bocais Formas e Dimensões de Aberturas Espaçamento entre Aberturas Reforço de Aberturas Dimensionamento do Pescoço de Bocais Verificação da Resistência do Reforço Aberturas em Tampos Planos Flanges Flanges ANSI/ASME B16.47 e B16.5 Flanges Apêndice 2 Tampos Flangeados 1-6 Projeto de Vasos de PressãoProjeto de Vasos de Pressão Módulo IIIMódulo III ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 4 AberturasAberturasAberturasAberturasAberturasAberturasAberturasAberturas Finalidade das AberturasFinalidade das AberturasFinalidade das AberturasFinalidade das Aberturas em Vaso de Pressãoem Vaso de Pressãoem Vaso de Pressãoem Vaso de Pressão Finalidade das AberturasFinalidade das AberturasFinalidade das AberturasFinalidade das Aberturas em Vaso de Pressãoem Vaso de Pressãoem Vaso de Pressãoem Vaso de Pressão Bocais em Geral. Bocas de Inspeção. Bocas de Visita. Conexões Roscadas.
  3. 3. 3 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 5 Aberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para Inspeção Regra GeralRegra Geral Aberturas para Inspeção ou Visita são exigidas em: Vasos de Pressão para Ar Comprimido (com umidade*), e Aqueles sujeitos à Corrosão Interna, Erosão ou Abrasão Mecânica. *com ponto de orvalho à pressão atmosférica maior do que –50°F (-46°C) ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 6 Aberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para Inspeção Regra GeralRegra Geral *Somente quando impraticável o uso de Boca de Visita.*Somente quando impraticável o uso de Boca de Visita. 12” x 16” (300 x 400)Boca de Visita Elíptica/Oblonga1 36” (900) < D 12” x 16” (300 x 400)Boca de Visita Elíptica/Oblonga1 18”(450) ≤≤≤≤ D ≤ 36”(900) 4” x 6” (100 x 150) ou área equivalente Bocas de Inspeção2* 16” (400)Boca de Visita Circular1 NPS 2” (DN 50)Aberturas Roscadas2 2” x 3” (50 x 75)Bocas de Inspeção2 16” (400)Boca de Visita Circular1 NPS 1 1/2” (DN 40)Aberturas Roscadas2 2” x 3” (50 x 75)Bocas de Inspeção2 12”(300) < D < 18”(450) Tamanho MínimoTipoNoDiâmetro Interno
  4. 4. 4 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 7 Aberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para Inspeção DetalhesDetalhes Uso de 2 Bocas de Inspeção em Substituição de 1 Boca de Visita: • Uma em cada tampo, ou • No costado próximas a cada tampo. Aberturas com tampos ou placas de fechamento removível com outros propósitos podem ser usadas em substituição às aberturas para inspeção requeridas desde que tenham, no mínimo, o mesmo tamanho da abertura requerida. ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 8 DetalhesDetalhes Conexões Roscadas ou Flangeadas para Tubulações, Instrumentos ou outros equipamentos que possam ser removidos podem ser usados em substituição às aberturas de inspeção requeridas desde que: • As conexões tenham, no mínimo, igual diâmetro das aberturas requeridas, e • Tenham tamanho e localização que proporcione uma visão igual do interior do vaso àquela dada pelas aberturas de inspeção requeridas. Uma única abertura com tampo ou placa de fechamento removível pode ser usada em substituição a todas as aberturas pequenas para inspeção requeridas desde que proporcione, no mínimo, uma igual visão do interior. Aberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para Inspeção
  5. 5. 5 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 9 DetalhesDetalhes Em Bocas de Visita do tipo em que a pressão interna pressiona a placa de fechamento contra uma vedação plana, esta vedação deve ter uma largura mínima de 11/16” (17mm). Aberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para Inspeção ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 10 Podem ser OmitidasPodem ser Omitidas UG-46(a): No lado do casco de Trocadores de Calor de Espelhos Fixos. UG-46(b): Para vasos com diâmetro interno de até 36” (900) e sujeitos somente à corrosão (exceto ar comprimido), desde que: • Haja um visor para cada 10 ft² (0,9 m²) de superfície interna sujeita a corrosão. • Haja , no mínimo, quatro visores uniformemente espaçados pelo vaso. Aberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para Inspeção
  6. 6. 6 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 11 Podem ser OmitidasPodem ser Omitidas UG-46(c): Em vasos com diâmetro interno maior do que 12” (300) com ar comprimido que: • Também contenham, como um requisito inerente à sua operação, outras substâncias que previnam a corrosão, e • Tenham outras aberturas adequadas a realização de inspeções, e • Essas aberturas sejam equivalentes em número e tamanho àquelas requeridas por UG-46(f). Aberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para Inspeção ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 12 Podem ser OmitidasPodem ser Omitidas UG-46(d): Em vasos com diâmetro interno menor ou igual a 12” (300) que: • Tenham, no mínimo, duas conexões removíveis para tubos com NPS ¾”(DN 20) ou maiores. UG-46(e): Em vasos com diâmetro interno entre 12” (300) e 16”(400) em que: • A inspeção exija a remoção do vaso do conjunto em que esteja montado. • Haja, no mínimo, duas conexões removíveis de tubulação iguais ou maiores do que NPS 1 ½” (DN 40). Aberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para Inspeção
  7. 7. 7 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 13 Ao ser omitida a abertura para inspeção, deve ser incluída na folha de dados do fabricante a justificativa: • “UG-46(a)” • “UG-46(b)” • “UG-46(c)” • “UG-46(d)” • “UG-46(e)” • “Para serviço Não-corrosivo” Aberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para InspeçãoAberturas para Inspeção ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 14 AberturasAberturasAberturasAberturas ---- FormasFormasFormasFormasAberturasAberturasAberturasAberturas ---- FormasFormasFormasFormas • Aberturas Circulares • Aberturas Elípticas • Aberturas Oblongas • Outras Se D/d > 2, a dimensão menor deve ser reforçada. D d Reforço Raios
  8. 8. 8 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 15 D d Reforço Raios Se existir dúvidas quanto a segurança do vaso com a abertura especificada um teste hidrostático de prova deve ser realizado (UG-101) AberturasAberturasAberturasAberturas ---- FormasFormasFormasFormasAberturasAberturasAberturasAberturas ---- FormasFormasFormasFormas ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 16 AberturasAberturasAberturasAberturas ---- TamanhosTamanhosTamanhosTamanhosAberturasAberturasAberturasAberturas ---- TamanhosTamanhosTamanhosTamanhos Para aberturas em Cilindros não há limites desde que devidamente reforçadas: • Por UG-36 a UG-43 para: - Aberturas até D/2 ou 500 mm (20”) em cilindros com D≤≤≤≤1500 mm (60”). - Aberturas até D/3 ou 1000 mm (40”) em cilindros com D>1500 mm (60”). • Também por 1-7 para aberturas que excedam os limites acima. Para aberturas em Esferas e Tampos Conformados não há limites desde que devidamente reforçadas.
  9. 9. 9 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 17 Para aberturas em Tampos de Fechamento maiores do que metade do diâmetro do cilindro poderão ser usadas transições cônicas, com ou sem rebordeamento. AberturasAberturasAberturasAberturas ---- TamanhosTamanhosTamanhosTamanhosAberturasAberturasAberturasAberturas ---- TamanhosTamanhosTamanhosTamanhos ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 18 AberturasAberturasAberturasAberturas ---- TamanhosTamanhosTamanhosTamanhosAberturasAberturasAberturasAberturas ---- TamanhosTamanhosTamanhosTamanhos
  10. 10. 10 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 19 AberturasAberturasAberturasAberturas ---- EspaçamentoEspaçamentoEspaçamentoEspaçamentoAberturasAberturasAberturasAberturas ---- EspaçamentoEspaçamentoEspaçamentoEspaçamento d1 d2 >d1 + d2 Duas Aberturas Isoladas sem ReforçoDuas Aberturas Isoladas sem Reforço A distância entre os centros deve ser, no mínimo,A distância entre os centros deve ser, no mínimo, igual a soma dos seus diâmetros.igual a soma dos seus diâmetros. ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 20 Aberturas sem Reforço em Grupos de Três ou Mais em Cascas Cilíndrica. A distância entre os centros de duas aberturas deve ser, no mínimo, igual a: (1+1.5 cos qi-j)(di+dj) d1 d3 θθθθ2-3θθθθ1-2 θθθθ3-1 DireçãoDireção LongitudinalLongitudinal do Cilindrodo Cilindro d2 AberturasAberturasAberturasAberturas ---- EspaçamentoEspaçamentoEspaçamentoEspaçamentoAberturasAberturasAberturasAberturas ---- EspaçamentoEspaçamentoEspaçamentoEspaçamento
  11. 11. 11 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 21 Aberturas sem Reforço em Grupos de Três ou Mais em Cascas Duplamente Curvadas, Tampos Conformados ou Planos. d1 d3 d2 A distância entre os centros de duas aberturas deve ser, no mínimo, igual a: 2.5(di+dj) AberturasAberturasAberturasAberturas ---- EspaçamentoEspaçamentoEspaçamentoEspaçamentoAberturasAberturasAberturasAberturas ---- EspaçamentoEspaçamentoEspaçamentoEspaçamento ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 22 Se qualquer distância entre duasSe qualquer distância entre duas aberturas extrapolar os limitesaberturas extrapolar os limites anteriores , a necessidade de reforçoanteriores , a necessidade de reforço adicional deve ser verificada por UGadicional deve ser verificada por UG--37.37. AberturasAberturasAberturasAberturas ---- EspaçamentoEspaçamentoEspaçamentoEspaçamentoAberturasAberturasAberturasAberturas ---- EspaçamentoEspaçamentoEspaçamentoEspaçamento
  12. 12. 12 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 23 As aberturas que excedam as dimensões dadas em UG-36(c)(3) (veja o gráfico anterior) devem ser verificadas quanto à Área de Reforço em sua união com o Vaso. Essa verificação é descrita em UG-37. AberturasAberturasAberturasAberturas ---- EspaçamentoEspaçamentoEspaçamentoEspaçamentoAberturasAberturasAberturasAberturas ---- EspaçamentoEspaçamentoEspaçamentoEspaçamento ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 24 Considerando um bocal no costado de um vaso de pressão, para a verificação do reforço um plano que passa pela linha de centro do bocal deve seccioná-lo... AberturasAberturasAberturasAberturas ---- ReforçoReforçoReforçoReforçoAberturasAberturasAberturasAberturas ---- ReforçoReforçoReforçoReforço
  13. 13. 13 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 25 ...analisamos então a seção do bocal por onde passa este plano... AberturasAberturasAberturasAberturas ---- EspaçamentoEspaçamentoEspaçamentoEspaçamentoAberturasAberturasAberturasAberturas ---- EspaçamentoEspaçamentoEspaçamentoEspaçamento ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 26 ...analisamos então a seção do bocal por onde passa este plano... AberturasAberturasAberturasAberturas ---- EspaçamentoEspaçamentoEspaçamentoEspaçamentoAberturasAberturasAberturasAberturas ---- EspaçamentoEspaçamentoEspaçamentoEspaçamento
  14. 14. 14 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 27 AberturasAberturasAberturasAberturas ---- ReforçoReforçoReforçoReforçoAberturasAberturasAberturasAberturas ---- ReforçoReforçoReforçoReforço Linha de Centro Vaso Bocal Costado ...representando-a no plano... SobrespessuraSobrespessura p/ Corrosãop/ Corrosão A sobrespessura p/ corrosão não é considerada como material de reforço na análise! A sobrespessura p/ corrosão não é considerada como material de reforço na análise! ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 28 AberturasAberturasAberturasAberturas ---- ReforçoReforçoReforçoReforçoAberturasAberturasAberturasAberturas ---- ReforçoReforçoReforçoReforço Considerando um Costado de espessura t... tr t ...e espessura requerida tr. A área requerida de reforço será aquela retirada pelo furo do bocal. A área requerida de reforço será aquela retirada pelo furo do bocal.
  15. 15. 15 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 29 AberturasAberturasAberturasAberturas ---- ReforçoReforçoReforçoReforçoAberturasAberturasAberturasAberturas ---- ReforçoReforçoReforçoReforço Esta área deve ser compensada pela Área Efetiva de Reforço... tr t trn tn ...estabelecida dentro dos limites determinados pela norma. Não são consideradas efetivas as áreas correspondentes à espessura requerida e sobrespessura de corrosão do costado e do bocal. Não são consideradas efetivas as áreas correspondentes à espessura requerida e sobrespessura de corrosão do costado e do bocal. Rn d Maior de: d; Rn+tn+t Menor de: 2.5t; 2.5tn+te ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 30 AberturasAberturasAberturasAberturas ---- ReforçoReforçoReforçoReforçoAberturasAberturasAberturasAberturas ---- ReforçoReforçoReforçoReforço ... caso a Área Efetiva seja inferior à Área Requerida o bocal necessitará de Reforço Adicional. te Dp
  16. 16. 16 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 31 AberturasAberturasAberturasAberturas ---- ReforçoReforçoReforçoReforçoAberturasAberturasAberturasAberturas ---- ReforçoReforçoReforçoReforço A Área Requerida de Reforço é dada por: ( )11..2.. rrnr fFttFtdA −+= Sendo (d) o diâmetro acabado da abertura (ver figuras abaixo). d Sobrespessura A d Sobrespessura A ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 32 AberturasAberturasAberturasAberturas ---- ReforçoReforçoReforçoReforçoAberturasAberturasAberturasAberturas ---- ReforçoReforçoReforçoReforço A Área Requerida de Reforço é dada por: ( )11..2.. rrnr fFttFtdA −+= Sendo (tr) a espessura requerida do costado sem costura baseado na tensão circunferencial ou do tampo calculada com E=1. * (tr) poderá ser calculada como a espessura requerida de um casco esférico se: • Em tampos torisféricos, a abertura e seu reforço estiverem inteiramente na calota esférica. • Em tampos elípticos, a abertura e seu reforço estiverem inteiramente em um círculo concêntrico ao tampo com 80% de seu diâmetro. Neste caso, o casco esférico para cálculo deve ter um raio de K1D.
  17. 17. 17 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 33 AberturasAberturasAberturasAberturas ---- ReforçoReforçoReforçoReforçoAberturasAberturasAberturasAberturas ---- ReforçoReforçoReforçoReforço A Área Requerida de Reforço é dada por: ( )11..2.. rrnr fFttFtdA −+= Em tampos cônicos, (tr) será a espessura requerida do cone sem costura com o diâmetro medido no ponto onde a linha de centro do bocal cruza a superfície interna do tampo. D ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 34 AberturasAberturasAberturasAberturas ---- ReforçoReforçoReforçoReforçoAberturasAberturasAberturasAberturas ---- ReforçoReforçoReforçoReforço A Área Requerida de Reforço é dada por: ( )11..2.. rrnr fFttFtdA −+= (tn) é a espessura do bocal: • Para tubos é a espessura nominal. • Para o restante é a espessura da parede, excluindo a perda de espessura por conformação. (A sobrespessura para corrosão deve ser sempre excluída.)
  18. 18. 18 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 35 AberturasAberturasAberturasAberturas ---- ReforçoReforçoReforçoReforçoAberturasAberturasAberturasAberturas ---- ReforçoReforçoReforçoReforço A Área Requerida de Reforço é dada por: ( )11..2.. rrnr fFttFtdA −+= fr1 é um fator de redução de resistência nunca maior do que 1: • fr1=Sn/Sv para bocais inseridos na parede do vaso. • fr1=1 para bocais faceando a parede do vaso. θθθθ F é um fator de correção, função do ângulo θθθθ entre a linha longitudinal do costado cilíndrico e o plano analisado. ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 36 AberturasAberturasAberturasAberturas ---- ReforçoReforçoReforçoReforçoAberturasAberturasAberturasAberturas ---- ReforçoReforçoReforçoReforço A Área Efetiva de Reforço é dada pela soma de várias áreas dadas por: ( ) ( )( )1111 1...2.. rrnr ftFtEttFtEdA −−−−= A1: Área disponível no casco. É o MAIOR dos seguintes valores: ( )( ) ( )( )1111 1...2..2 rrnrn ftFtEttFtEttA −−−−+= Onde: E1 é 1 se a abertura estiver em uma chapa oou cruzar uma solda de categoria B ou a eficiência de solda por UW-12 se a abertura cruzar uma solda de categoria A. t é a espessura do casco descontadas a sobrespessura de corrosão e perda de espessura. Para tubos é a espessura nominal menos a tolerância de fabricação (12,5%).
  19. 19. 19 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 37 AberturasAberturasAberturasAberturas ---- ReforçoReforçoReforçoReforçoAberturasAberturasAberturasAberturas ---- ReforçoReforçoReforçoReforço A Área Efetiva de Reforço é dada pela soma de várias áreas dadas por: ( ) tfttA rrnn .5 22 −= A2: Área disponível na projeção externa do bocal. É o MENOR dos seguintes valores: ( ) nrrnn tfttA .5 22 −= Onde: trn é a espessura requerida da projeção externa do bocal sem costura. fr2 é um fator de redução de resistência igual a Sn/Sv e nunca maior do que 1. ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 38 AberturasAberturasAberturasAberturas ---- ReforçoReforçoReforçoReforçoAberturasAberturasAberturasAberturas ---- ReforçoReforçoReforçoReforço A Área Efetiva de Reforço é dada pela soma de várias áreas dadas por: 23 ...5 rj fttA = A3: Área disponível na projeção interna do bocal. É o MENOR dos seguintes valores: 23 ...5 rjj fttA = 23 ...2 rj fthA = Onde: tj é a espessura da projeção interna do bocal. h é o comprimento da projeção interna do bocal.
  20. 20. 20 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 39 AberturasAberturasAberturasAberturas ---- ReforçoReforçoReforçoReforçoAberturasAberturasAberturasAberturas ---- ReforçoReforçoReforçoReforço A Área Efetiva de Reforço é dada pela soma de várias áreas dadas por: ( ) 2 2 41 . rflegA = A4: Área disponível nos cordões de solda. Onde: leg é a perna do cordão de solda em questão. ( ) 2 2 43 . rflegA = 41 43 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 40 AberturasAberturasAberturasAberturas ---- ReforçoReforçoReforçoReforçoAberturasAberturasAberturasAberturas ---- ReforçoReforçoReforçoReforço Se houver a necessidade de Reforço Adicional a Área A2 será: ( ) tfttA rrnn .5 22 −= A2: Área disponível na projeção externa do bocal. É o MENOR dos seguintes valores: ( )( ) nrenrnn tfttttA ..5,22 22 +−= Onde: te é a espessura do elemento de reforço.
  21. 21. 21 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 41 AberturasAberturasAberturasAberturas ---- ReforçoReforçoReforçoReforçoAberturasAberturasAberturasAberturas ---- ReforçoReforçoReforçoReforço Se houver a necessidade de Reforço Adicional a Área A4 será: A4: Área disponível nos cordões de solda. Onde: fr3 é um fator de redução de resistência igual a (menor de Sn ou Sp)/Sv. fr4 é um fator de redução de resistência igual a Sp/Sv. ( ) 3 2 41 . rflegA = ( ) 2 2 43 . rflegA = 41 43 ( ) 4 2 42 . rflegA = 42 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 42 AberturasAberturasAberturasAberturas ---- ReforçoReforçoReforçoReforçoAberturasAberturasAberturasAberturas ---- ReforçoReforçoReforçoReforço Se houver a necessidade de Reforço Adicional a Área A5 será: A5: Área disponível no Elemento de Reforço Adicional. Onde: Dp é o diâmetro externo do elemento de reforço. ( ) 45 ..2 renp fttdDA −−=
  22. 22. 22 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 43 AberturasAberturasAberturasAberturas ---- ReforçoReforçoReforçoReforçoAberturasAberturasAberturasAberturas ---- ReforçoReforçoReforçoReforço Se a soma das áreas disponíveis de reforço, ou seja, a Área Efetiva de Reforço for maior do que a Área Requerida de Reforço o bocal estará aprovado por UG- 37. Caso contrário deverá ser adicionada maior Área de Reforço pelo: • Aumento das espessuras do bocal e/ou do casco, • Aumento da projeção interna do bocal, ou • Adição/aumento da chapa de reforço. ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 44 AberturasAberturasAberturasAberturas ---- ReforçoReforçoReforçoReforçoAberturasAberturasAberturasAberturas ---- ReforçoReforçoReforçoReforço Uma área de no mínimo metade da Área Requerida de Reforço deve ser provida de cada lado da linha de centro de cada abertura. Para aberturas sujeitas somente à pressão externa a Área Requerida é 50% de (A) apresentada anteriormente, com (tr) calculada para pressão externa e F=1. Para aberturas sujeitas à pressão externa e interna o reforço deve atender às duas condições descritas.
  23. 23. 23 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 45 AberturasAberturasAberturasAberturas ---- ReforçoReforçoReforçoReforçoAberturasAberturasAberturasAberturas ---- ReforçoReforçoReforçoReforço As definições de d, t, te, tn são dadas, para cada geometria de bocal, na figura UG-40. ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 46 AberturasAberturasAberturasAberturas ---- ReforçoReforçoReforçoReforçoAberturasAberturasAberturasAberturas ---- ReforçoReforçoReforçoReforço As definições de d, t, te, tn são dadas, para cada geometria de bocal, na figura UG-40.
  24. 24. 24 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 47 AberturasAberturasAberturasAberturas ---- SoldasSoldasSoldasSoldasAberturasAberturasAberturasAberturas ---- SoldasSoldasSoldasSoldas O dimensionamento das soldas é feito por UW-16, resumida na fig. UW-16.1. ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 48 AberturasAberturasAberturasAberturas ---- SoldasSoldasSoldasSoldasAberturasAberturasAberturasAberturas ---- SoldasSoldasSoldasSoldas O dimensionamento das soldas é feito por UW-16, resumida na fig. UW-16.1.
  25. 25. 25 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 49 AberturasAberturasAberturasAberturas ---- SoldasSoldasSoldasSoldasAberturasAberturasAberturasAberturas ---- SoldasSoldasSoldasSoldas O dimensionamento das soldas é feito por UW-16, resumida na fig. UW-16.1. ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 50 AberturasAberturasAberturasAberturas ---- SoldasSoldasSoldasSoldasAberturasAberturasAberturasAberturas ---- SoldasSoldasSoldasSoldas O dimensionamento das soldas é feito por UW-16, resumida na fig. UW-16.1.
  26. 26. 26 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 51 AberturasAberturasAberturasAberturas ---- SoldasSoldasSoldasSoldasAberturasAberturasAberturasAberturas ---- SoldasSoldasSoldasSoldas O dimensionamento das soldas é feito por UW-16, resumida na fig. UW-16.1. ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 52 AberturasAberturasAberturasAberturas ---- ResistênciaResistênciaResistênciaResistênciaAberturasAberturasAberturasAberturas ---- ResistênciaResistênciaResistênciaResistência Além da verificação da Área de Reforço é necessária também a verificação da Resistência desse reforço por UG-41. As descrições e figuras apresentadas em UG-41 não são muito esclarecedoras, porém alguma informação pode ser extraídas dos exemplos em L-7. As descrições e figuras apresentadas em UG-41 não são muito esclarecedoras, porém alguma informação pode ser extraídas dos exemplos em L-7.
  27. 27. 27 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 53 AberturasAberturasAberturasAberturas ---- ResistênciaResistênciaResistênciaResistênciaAberturasAberturasAberturasAberturas ---- ResistênciaResistênciaResistênciaResistência Supondo um bocal sujeito a pressão interna... ...Seccionado por um plano passando pelo seu centro... ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 54 AberturasAberturasAberturasAberturas ---- ResistênciaResistênciaResistênciaResistênciaAberturasAberturasAberturasAberturas ---- ResistênciaResistênciaResistênciaResistência A força exercida pela pressão tende a separar as duas metades do bocal... Esta força deve ser suportada pelas áreas de reforço... ...e pelas ligações entre essas áreas (cordões de solda, p.e.)...
  28. 28. 28 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 55 AberturasAberturasAberturasAberturas ---- ResistênciaResistênciaResistênciaResistênciaAberturasAberturasAberturasAberturas ---- ResistênciaResistênciaResistênciaResistência A norma estabelece que a força máxima suportada por determinada área no plano de análise deve também ser suportada pelos elementos de união desta área e o restante do conjunto do bocal. Cada região analisada e os seus elementos de união considerados são definidos pelos Caminhos (Path) que podem ser substituídos na análise por W, se este for menor : 11 11 22 22 22 22 33 33 33 33 ( )( ) vrrn SFttEftAAW −+−= 111 2 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 56 AberturasAberturasAberturasAberturas ---- ResistênciaResistênciaResistênciaResistênciaAberturasAberturasAberturasAberturas ---- ResistênciaResistênciaResistênciaResistência Para o caminho 1-1 a máxima força suportada será: ( ) vSAAAAW 42415211 +++=− 11 11
  29. 29. 29 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 57 AberturasAberturasAberturasAberturas ---- ResistênciaResistênciaResistênciaResistênciaAberturasAberturasAberturasAberturas ---- ResistênciaResistênciaResistênciaResistência Para o caminho 1-1 a máxima força suportada será: ( ) vSAAAAW 42415211 +++=− 11 11 Que deverá ser igual ou menor àquela suportada pelo cordão de solda externo e pela parede do bocal por cisalhamento. ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 58 AberturasAberturasAberturasAberturas ---- ResistênciaResistênciaResistênciaResistênciaAberturasAberturasAberturasAberturas ---- ResistênciaResistênciaResistênciaResistência Considerando as tensões admissíveis dadas em UW-15(c): aweldshear SS 49,0_ = anozzleshear SS 70,0_ = As forças suportadas por cada elemento de ligação serão: weldshearpweldshear SlegDF __ )..(. 2 π = nozzleshearnmnozzleshear StdF __ ... 2 π = Cuja soma deve ser maior do que o menor entre W e W1-1.
  30. 30. 30 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 59 AberturasAberturasAberturasAberturas ---- ResistênciaResistênciaResistênciaResistênciaAberturasAberturasAberturasAberturas ---- ResistênciaResistênciaResistênciaResistência Para o caminho 2-2 a máxima força suportada será: ( ) vrn StftAAAAW 143413222 2++++=− 22 22 22 22 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 60 AberturasAberturasAberturasAberturas ---- ResistênciaResistênciaResistênciaResistênciaAberturasAberturasAberturasAberturas ---- ResistênciaResistênciaResistênciaResistência Que deverá ser igual ou menor àquela suportada pelos cordões de solda interno e inferior por cisalhamento. 22 22 22 22 Para o caminho 2-2 a máxima força suportada será: ( ) vrn StftAAAAW 143413222 2++++=−
  31. 31. 31 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 61 AberturasAberturasAberturasAberturas ---- ResistênciaResistênciaResistênciaResistênciaAberturasAberturasAberturasAberturas ---- ResistênciaResistênciaResistênciaResistência Considerando as tensões admissíveis dadas em UW-15(c): A força suportada por cada cordão de solda será: ( ) weldshearnweldshear SlegtdF __ )..(2. 2 += π A soma das forças suportadas pelos dois cordões de solda deve ser maior do que o menor entre W e W2-2. aweldshear SS 49,0_ = ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 62 AberturasAberturasAberturasAberturas ---- ResistênciaResistênciaResistênciaResistênciaAberturasAberturasAberturasAberturas ---- ResistênciaResistênciaResistênciaResistência Para o caminho 3-3 a máxima força suportada será: ( ) vrn StftAAAAAAW 143424153233 2++++++=− 33 33 33 33
  32. 32. 32 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 63 AberturasAberturasAberturasAberturas ---- ResistênciaResistênciaResistênciaResistênciaAberturasAberturasAberturasAberturas ---- ResistênciaResistênciaResistênciaResistência 33 33 33 33 Para o caminho 3-3 a máxima força suportada será: ( ) vrn StftAAAAAAW 143424153233 2++++++=− Que deverá ser igual ou menor àquela suportada pelos cordões de solda externo e inferior por cisalhamento. ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 64 AberturasAberturasAberturasAberturas ---- ResistênciaResistênciaResistênciaResistênciaAberturasAberturasAberturasAberturas ---- ResistênciaResistênciaResistênciaResistência Considerando as tensões admissíveis dadas em UW-15(c): aweldshear SS 49,0_ = As forças suportadas por cada elemento de ligação serão: weldshearpweldshear SlegDF __ )..(. 2 π = Cuja soma deve ser maior do que o menor entre W e W3-3. ( ) weldshearnweldshear SlegtdF __ )..(2. 2 += π
  33. 33. 33 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 65 AberturasAberturasAberturasAberturas ---- ResistênciaResistênciaResistênciaResistênciaAberturasAberturasAberturasAberturas ---- ResistênciaResistênciaResistênciaResistência Se houver uma solda de chanfro entre o pescoço e o vaso, a tensão admissível de tração será: agroovetension SS 74,0_ = E a força suportada por essa solda de chanfro será: ( ) groovetensionngroovetension SttdF __ ...2. 2 += π Que, somada às forças suportadas pelas soldas de filete já calculadas, deverá ser maior do que o menor entre W e W3-3. ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 66 AberturasAberturasAberturasAberturas ---- ResistênciaResistênciaResistênciaResistênciaAberturasAberturasAberturasAberturas ---- ResistênciaResistênciaResistênciaResistência Não precisam ser verificados por UG-41: • UW-15(b)(1) Fig. UW-16.1, croquis (a), (b), (c), (d), (e), (f-1), (f- 2), (f-3), (f-4), (g), (x-1), (y-1) e (z-1). • UW-15(b)(1) Todos os croquis das Figuras UHT-18.1 e UHT- 18.2. • UW-15(b)(2) Aberturas que não precisam de verificação de reforço por UG-36(c)(3).
  34. 34. 34 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 67 Espessura do PescoçoEspessura do PescoçoEspessura do PescoçoEspessura do PescoçoEspessura do PescoçoEspessura do PescoçoEspessura do PescoçoEspessura do Pescoço (2) Para Pressão Externa: Usar a pressão externa como uma pressão interna equivalente, com E=1, respeitando UG-16(b) e somando a sobrespessura. (3) Para Pressão Interna e Externa: A maior das calculadas em (1) e (2) acima. (1) Para Pressão Interna: Com E=1, respeitando UG-16(b) e somando a sobrespessura. (4) A mínima espessura do tubo standard* mais a sobrespessura de corrosão. *A espessura standard para cada NPS é listada na norma ANSI/ASME B36.10M. Subtrair 12,5% (tolerância de fabricação). Para outros diâmetros selecionar o NPS imediatamente acima ou o maior diâmetro disponível. Mínima Espessura da PARTE onde está o bocal, calculada como segue: UG-45(b) Exceto para Bocas de Visita ou Inspeção, a MENOR espessura entre: UG-45(a) A mínima espessura requerida do cilindro calculada pela norma considerando os esforços (UG-22) e sobrespessuras aplicáveis (corrosão, roscas, etc). A espessura do Pescoço será a MAIOR de: ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 68 Grandes AberturasGrandes AberturasGrandes AberturasGrandes AberturasGrandes AberturasGrandes AberturasGrandes AberturasGrandes Aberturas São aquelas que excedem os valores de UGSão aquelas que excedem os valores de UG--36(b)(1)36(b)(1)
  35. 35. 35 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 69 Aberturas em Tampos PlanosAberturas em Tampos PlanosAberturas em Tampos PlanosAberturas em Tampos PlanosAberturas em Tampos PlanosAberturas em Tampos PlanosAberturas em Tampos PlanosAberturas em Tampos Planos O ASME VIII-1 trata do reforço de aberturas em tampos planos no parágrafo UG-39. Contudo, muitos dos conceitos, métodos e limites apresentados a partir de UG-36 são válidos ou aplicáveis. ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 70 Aberturas em Tampos PlanosAberturas em Tampos PlanosAberturas em Tampos PlanosAberturas em Tampos PlanosAberturas em Tampos PlanosAberturas em Tampos PlanosAberturas em Tampos PlanosAberturas em Tampos Planos Para 1 Única Abertura: A distância entre a borda da abertura e a borda do tampo deve ser > 1/4d U-2(g) d > 1/2D Fora de Centro Calculado conforme Apêndice 14 (Grandes Aberturas em Tampos Planos) d > 1/2D Centralizada no Tampo A=0,5dt+ttn(1-fr1)1/4D < d < 1/2D Área Requerida de ReforçoLimites d >1/4d
  36. 36. 36 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 71 Aberturas em Tampos PlanosAberturas em Tampos PlanosAberturas em Tampos PlanosAberturas em Tampos PlanosAberturas em Tampos PlanosAberturas em Tampos PlanosAberturas em Tampos PlanosAberturas em Tampos Planos Para Múltiplas Aberturas, devem ser analisadas em pares. Para cada par (i,j), o diâmetro médio será dm = (di+dj)/2: Em todos os casos: U1 > 1/4[menor de(di;dj)] U-2(g)U1 < 1,25dm 1/4D < di e dj < 1/2D e dm < 1/4D 1,25dm < U1 < 2dm U1 > 2dm Distância entre Aberturas (U1) A=0,5dt+ttn(1-fr1) com 50% da soma Ai + Aj localizado entre as 2 aberturas A=0,5dt+ttn(1-fr1) A distância entre a borda da abertura e a borda do tampo deve ser > 1/4d Área Requerida de Reforço para cada Abertura Limites de Diâmetro di >1/4d djU1 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 72 Aberturas em Tampos PlanosAberturas em Tampos PlanosAberturas em Tampos PlanosAberturas em Tampos PlanosAberturas em Tampos PlanosAberturas em Tampos PlanosAberturas em Tampos PlanosAberturas em Tampos Planos Caso a Área de Reforço Efetiva seja menor do que a Área de Reforço Requerida, mais área de reforço deve ser adicionada pelo aumento da espessura do tampo plano ou pela adoção de uma chapa de reforço. O cálculo da área efetiva ou disponível segue os mesmos moldes apresentados em UG-37. Em UG-39 são apresentadas algumas alternativas para a análise do reforço de aberturas em tampos planos que não serão tratadas aqui.
  37. 37. 37 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 73 FlangesFlangesFlangesFlangesFlangesFlangesFlangesFlanges Flanges PadronizadasFlanges Padronizadas (ASME B16.5 e ASME B16.47)(ASME B16.5 e ASME B16.47) Flanges DimensionadosFlanges Dimensionados ASME VIIIASME VIII--1, Apêndice 21, Apêndice 2 Tampos FlangeadosTampos Flangeados ASME VIIIASME VIII--1, Apêndice 11, Apêndice 1--66 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 74 Flanges Padronizados B16.5/47Flanges Padronizados B16.5/47Flanges Padronizados B16.5/47Flanges Padronizados B16.5/47Flanges Padronizados B16.5/47Flanges Padronizados B16.5/47Flanges Padronizados B16.5/47Flanges Padronizados B16.5/47 Os flanges padronizados conforme a normasOs flanges padronizados conforme a normas ASME B16.5(NPS 1/2 a 24) e ASME B16.47(NPS 26ASME B16.5(NPS 1/2 a 24) e ASME B16.47(NPS 26 a 60) são selecionados baseados nos seguintesa 60) são selecionados baseados nos seguintes dados:dados: •• Diâmetro Nominal (NPS)Diâmetro Nominal (NPS) •• Geometria do FlangeGeometria do Flange •• Pressão de ProjetoPressão de Projeto •• Temperatura de ProjetoTemperatura de Projeto •• MaterialMaterial
  38. 38. 38 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 75 Flanges Padronizados B16.5/47Flanges Padronizados B16.5/47Flanges Padronizados B16.5/47Flanges Padronizados B16.5/47Flanges Padronizados B16.5/47Flanges Padronizados B16.5/47Flanges Padronizados B16.5/47Flanges Padronizados B16.5/47 Inicialmente, com base noInicialmente, com base no materialmaterial, na, na pressãopressão ee nana temperaturatemperatura de projeto, deve ser definida ade projeto, deve ser definida a CLASSECLASSE do flange a ser usado.do flange a ser usado. Os materiais estão agrupados segundo a tabela 1A dasOs materiais estão agrupados segundo a tabela 1A das normas. Por exemplo:normas. Por exemplo: OO grupo 1.1grupo 1.1 (da norma B16.5) engloba os materiais:(da norma B16.5) engloba os materiais: •• Forjados: A 105, A 350Forjados: A 105, A 350 GrGr. LF2 e A 350. LF2 e A 350 GrGr. LF6. LF6 ClCl. 1. 1 •• Fundido: A 216Fundido: A 216 GrGr. WCB. WCB •• Placas: A 515Placas: A 515 GrGr. 70, A 516. 70, A 516 GrGr. 70 e A 537. 70 e A 537 ClCl. 1. 1 A determinação da CLASSE para os materiaisA determinação da CLASSE para os materiais dodo grupo 1.1grupo 1.1 é feita pelaé feita pela tabela 2tabela 2--1.11.1 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 76 Flanges Padronizados B16.5/47Flanges Padronizados B16.5/47Flanges Padronizados B16.5/47Flanges Padronizados B16.5/47Flanges Padronizados B16.5/47Flanges Padronizados B16.5/47Flanges Padronizados B16.5/47Flanges Padronizados B16.5/47 Na tabela 2Na tabela 2--1.1 entre1.1 entre com a temperaturacom a temperatura (na coluna da(na coluna da esquerda) e siga aesquerda) e siga a linha até encontrarlinha até encontrar uma pressão maioruma pressão maior ou igual à de projeto.ou igual à de projeto. Siga então paraSiga então para cima, lendo qualcima, lendo qual classe de flangeclasse de flange deve ser usada.deve ser usada. 4302601551057050201000 86051531020514010535950 143086051534523017050900 2230134080553535527065850 34302060123582555041080800 420025201510101067050595750 4440266516001065710535110700 4475268516101075715535125650 4560273516401095730550140600 4990299517951200800600170500 5280317019001270845635200400 5470328019701315875655230300 5625337520251350900675260200 6170370522201480990740285-20 a 100 25001500900600400300150Temperatura (°F) Tabela 2-1.1 - Pressões de Trabalho por Classes (psi)
  39. 39. 39 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 77 Flanges Padronizados B16.5/47Flanges Padronizados B16.5/47Flanges Padronizados B16.5/47Flanges Padronizados B16.5/47Flanges Padronizados B16.5/47Flanges Padronizados B16.5/47Flanges Padronizados B16.5/47Flanges Padronizados B16.5/47 Definida a Classe, determine o Diâmetro Nominal (NPS) do bocal eDefinida a Classe, determine o Diâmetro Nominal (NPS) do bocal e o tipo desejado. O tipo é a geometria do Bocal:o tipo desejado. O tipo é a geometria do Bocal: ThreadedThreaded SlipSlip--OnOn SocketSocket Welding NeckWelding Neck BlindBlind LappedLapped ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 78 Flanges Padronizados B16.5/47Flanges Padronizados B16.5/47Flanges Padronizados B16.5/47Flanges Padronizados B16.5/47Flanges Padronizados B16.5/47Flanges Padronizados B16.5/47Flanges Padronizados B16.5/47Flanges Padronizados B16.5/47 AA Pressão Máxima de Trabalho Admissível (PMTA)Pressão Máxima de Trabalho Admissível (PMTA) de um flange éde um flange é aquela indicada na tabela 2aquela indicada na tabela 2--x.y para a temperatura de projeto ex.y para a temperatura de projeto e classe selecionadas. (se necessário deve ser feita interpolação)classe selecionadas. (se necessário deve ser feita interpolação).. AA MáximaMáxima Pressão de Teste HidrostáticoPressão de Teste Hidrostático admitida por um flange éadmitida por um flange é dada por 1,5 vezes a pressão especificada na tabela para adada por 1,5 vezes a pressão especificada na tabela para a temperatura de 100°F arredondada para cima a cada 25temperatura de 100°F arredondada para cima a cada 25 psipsi.. Por exemplo: Para um flange do grupo 1.1 de classe 300 a pressão à 100°F (na tabela) é 740 psi. Multiplicando por 1,5 temos 1110 psi. Arredondando para múltiplos de 25 temos 1125 psi, que será a máxima pressão de teste admitida pelo flange. Por exemplo: Para um flange do grupo 1.1 de classe 300 a pressão à 100°F (na tabela) é 740 psi. Multiplicando por 1,5 temos 1110 psi. Arredondando para múltiplos de 25 temos 1125 psi, que será a máxima pressão de teste admitida pelo flange.
  40. 40. 40 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 79 Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2 EscopoEscopo As regras do apêndice 2 da norma ASME VIII-1 são específicas para o projeto de conexões por flanges aparafusados com vedações inteiramente dentro do círculo definido pelos furos dos parafusos e sem contato fora deste círculo. NÃO podem ser projetados por estas regras: • Espelhos de trocadores de calor integrados com o flange. • Tampos flangeados conforme 1-6. • Flanges de Face Plana com vedação FF (Full-Facet). • Flanges montados por outros meios que não parafusos. ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 80 Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2 MateriaisMateriais Em Aços Ferríticos com espessura superior a 3”: Devem ser Normalizados e Totalmente Recozidos. Quando soldados devem ter boa soldabilidade e teor de carbono máximo de 0,35%. Devem ainda atender a todos os requisitos de tratamento térmico pós-solda da norma.
  41. 41. 41 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 81 Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2 MateriaisMateriais Flanges com pescoço, quando fabricados de barras forjados, tarugos forjados ou barras laminadas, devem ter o seu eixo longitudinal final alinhado com o eixo original da barra ou tarugo. Eixos Paralelos ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 82 Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2 MateriaisMateriais Flanges com pescoço não devem ser usinadas a partir de placas, a menos que o material seja conformado em um anel com a superfície original da placa paralela ao eixo do flange, as soldas de topo atendam aos requisitos da norma, a parte posterior do flange e outras superfícies do pescoço sejam inspecionadas com partículas magnéticas ou líquido penetrante e a necessidade de tratamento térmico e radiografia seja determinada pela menor das espessuras t ou (A-B)/2
  42. 42. 42 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 83 Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2 Dimensionamento 1. Selecionar Modelo de Flange (figura 2-4). 2. Especificar Tipo de Vedação (tabela 2-5.1). 3. Especificar Assentamento (tabela 2-5.2). 4. Definir Dimensões Complementares (pescoço). 5. Calcular a Força nos Parafusos. 6. Selecionar as Dimensões e Material dos Parafusos. 7. Calcular Forças e Momentos atuantes no Flange. 8. Calcular a Espessura do Flange. 9. Verificar o Espaçamento Máximo entre os Parafusos. 10. Recalcular o Número de Parafusos e seu Diâmetro. 1. Selecionar Modelo de Flange (figura 2-4). 2. Especificar Tipo de Vedação (tabela 2-5.1). 3. Especificar Assentamento (tabela 2-5.2). 4. Definir Dimensões Complementares (pescoço). 5. Calcular a Força nos Parafusos. 6. Selecionar as Dimensões e Material dos Parafusos. 7. Calcular Forças e Momentos atuantes no Flange. 8. Calcular a Espessura do Flange. 9. Verificar o Espaçamento Máximo entre os Parafusos. 10. Recalcular o Número de Parafusos e seu Diâmetro. ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 84 Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2 TiposTipos Para efeito de Cálculo são considerados três tipos de flange: • Flanges Soltos: São aqueles que não estão diretamente ligados ao pescoço, vaso ou tubo ou o método de fixação não é considerado no projeto como tendo a mesma resistência mecânica de uma junta integral. • Flanges Integrais: São aqueles forjados ou fundidos integramente ao pescoço, vaso ou tubo ou fixo por outro método que garanta que o flange e o pescoço possam ser considerados uma estrutura integral
  43. 43. 43 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 85 Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2 TiposTipos Para efeito de Cálculo são considerados três tipos de flange: • Flanges Opcionais: Podem ser calculados como soltos ou integrais. Se considerados soltos os seguintes limites não podem ser excedidos: - g0 = 5/8”(16 mm) - B/g0 = 300 - P = 300 psi (2 MPa) - T = 700 °F (370 °C) ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 86 Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2----Fig.2Fig.2Fig.2Fig.2----4444Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2----Fig.2Fig.2Fig.2Fig.2----4444
  44. 44. 44 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 87 Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2----Fig. 2Fig. 2Fig. 2Fig. 2----4444Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2----Fig. 2Fig. 2Fig. 2Fig. 2----4444 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 88 Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2----Fig. 2Fig. 2Fig. 2Fig. 2----4444Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2----Fig. 2Fig. 2Fig. 2Fig. 2----4444
  45. 45. 45 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 89 Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2----TabTabTabTab. 2. 2. 2. 2----5.15.15.15.1Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2----TabTabTabTab. 2. 2. 2. 2----5.15.15.15.1 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 90 Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2----TabTabTabTab. 2. 2. 2. 2----5.15.15.15.1Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2----TabTabTabTab. 2. 2. 2. 2----5.15.15.15.1
  46. 46. 46 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 91 Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2----TabTabTabTab. 2. 2. 2. 2----5.15.15.15.1Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2----TabTabTabTab. 2. 2. 2. 2----5.15.15.15.1 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 92 Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2----TabTabTabTab. 2. 2. 2. 2----5.15.15.15.1Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2----TabTabTabTab. 2. 2. 2. 2----5.15.15.15.1
  47. 47. 47 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 93 Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2----TabTabTabTab. 2. 2. 2. 2----5.25.25.25.2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2----TabTabTabTab. 2. 2. 2. 2----5.25.25.25.2 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 94 Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2----TabTabTabTab. 2. 2. 2. 2----5.25.25.25.2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2----TabTabTabTab. 2. 2. 2. 2----5.25.25.25.2
  48. 48. 48 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 95 Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2----TabTabTabTab. 2. 2. 2. 2----5.25.25.25.2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2----TabTabTabTab. 2. 2. 2. 2----5.25.25.25.2 Definindo o valor da Largura Efetiva de Esmagamento (b) e o Diâmetro de Reação da Vedação (G): Se b0 ≤≤≤≤ 1/4” (6mm) então b=b0 e o diâmetro de reação da vedação (G) será no centro da largura da vedação. Se b0 > 1/4” (6mm) então b=Cb(b0)1/2.e o diâmetro de reação da vedação (G) será o diâmetro externo de contato da vedação com o flange menos 2b. Cb = 0,5 para unidades Inglesas Cb = 2,5 para unidades no SI ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 96 Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2 Dimensões do PescoçoDimensões do Pescoço Se o flange possuir um pescoço, o usuário deve informar as suas dimensões: • Comprimento (h). • Espessura Maior (g1). • Espessura Menor (g0). g0 g1 h
  49. 49. 49 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 97 Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2 Cálculo das Forças Requeridas (em Operação eCálculo das Forças Requeridas (em Operação e para Esmagamento da Junta)para Esmagamento da Junta) Para as condições de Operação a força requerida dos parafusos será: Para o esmagamento da junta a força requerida dos parafusos será: PmGbPGWm ...14,3..2..785,0 2 1 += yGbWm ...14,32 = Onde: G é o diâmetro de reação da vedação. P é a pressão no flange. m é o fator de esmagamento. y é a pressão mínima de esmagamento. b é a largura efetiva de esmagamento. ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 98 Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2 Para JuntasPara Juntas AutovedantesAutovedantes...... Para as condições de Operação a força requerida dos parafusos será: Para o esmagamento da junta a força requerida dos parafusos será: PDW outm ..785,0 2 1 = 02 =mW Onde: Dout é o diâmetro externo da vedação. P é a pressão no flange. m é o fator de esmagamento. y é a pressão mínima de esmagamento. b é a largura efetiva de esmagamento.
  50. 50. 50 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 99 Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2 Cálculo da Área Requerida de ParafusosCálculo da Área Requerida de Parafusos A área total requerida de parafusos para as condições de operação é: Onde: Wm1 é a força nos parafusos em operação. Wm2 é a força nos parafusos para esmagamento. Sa é a tensão admissível dos parafusos à temperatura ambiente. Sb é a tensão admissível dos parafusos na temperatura de operação. bmm SWA 11 = A área total requerida de parafusos para esmagamento da junta é: amm SWA 22 = A área total requerida de parafusos (AA área total requerida de parafusos (Amm) é a maior entre (A) é a maior entre (Am1m1) e (A) e (Am2m2).). ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 100 Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2 Entre na tabela de parafusos e selecione um par diâmetro – número de parafusos que resulte em uma área maior do que as requeridas (Am1) ou (Am2). Seleção do Número e Diâmetro dos ParafusosSeleção do Número e Diâmetro dos Parafusos pol. mm pol.2 mm2 pol. mm pol. mm pol. mm 3 76,20 5,621 3626,44 6 1/4 158,75 3 5/8 92,08 2 7/8 73,03 2 3/4 69,85 4,618 2979,35 5 3/4 146,05 3 3/8 85,73 2 5/8 66,68 2 1/2 63,50 3,715 2396,77 5 1/4 133,35 3 1/16 77,79 2 3/8 60,33 2 1/4 57,15 3,020 1948,38 4 3/4 120,65 2 3/4 69,85 2 1/4 57,15 2 50,80 2,300 1483,87 4 1/4 107,95 2 1/2 63,50 2 50,80 1 7/8 47,63 2,049 1321,93 4 101,60 2 3/8 60,33 1 7/8 47,63 1 3/4 44,45 1,744 1125,16 3 3/4 95,25 2 1/4 57,15 1 3/4 44,45 1 5/8 41,28 1,515 977,42 3 1/2 88,90 2 1/8 53,98 1 5/8 41,28 1 1/2 38,10 1,294 834,84 3 1/4 82,55 2 50,80 1 1/2 38,10 1 3/8 34,93 1,054 680,00 3 1/16 77,79 1 7/8 47,63 1 3/8 34,93 1 1/4 31,75 0,890 574,19 2 13/16 71,44 1 3/4 44,45 1 1/4 31,75 1 1/8 28,58 0,693 447,10 2 1/2 63,50 1 1/2 38,10 1 1/8 28,58 1 25,40 0,551 355,48 2 1/4 57,15 1 3/8 34,93 1 1/16 26,99 7/8 22,23 0,419 270,32 2 1/16 52,39 1 1/4 31,75 15/16 23,81 3/4 19,05 0,302 194,84 1 3/4 44,45 1 1/8 28,58 13/16 20,64 5/8 15,88 0,202 130,32 1 1/2 38,10 15/16 23,81 3/4 19,05 1/2 12,70 0,126 81,29 1 1/4 31,75 13/16 20,64 5/8 15,88 Aba ExternaDiâmetro do Área Unitária Espaço entre Distância Radial
  51. 51. 51 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 101 Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2 Cálculo da Força Requerida de ParafusosCálculo da Força Requerida de Parafusos A Força requerida de parafusos, usada no projeto, será para as condições de operação: Onde: Wm1 é a força nos parafusos em operação. Am é a área requerida de parafusos. Ab é a área disponível de parafusos. Sa é a tensão admissível dos parafusos à temperatura ambiente. 1mWW = E para esmagamento da junta será: ( ) 2 abm SAA W + = ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 102 Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2 Outros DadosOutros Dados Defina o diâmetro de centro dos parafusos (C) e o diâmetro externo do flange (A). O diâmetro (C) deve ser suficiente para alojar o número total de parafusos, mantendo uma distância mínima entre eles (ver tabela) e a vedação em seu interior. O diâmetro interno do flange (B) é determinado pelo diâmetro do pescoço.
  52. 52. 52 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 103 Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2 Cálculo dos Esforços AtuantesCálculo dos Esforços Atuantes As forças atuantes são dadas por: Força hidrostática total (H) Força hidrostática na área interna do flange (HD) Força da Junta (HG) Força total de compressão na superfície de contato da junta (Hp) Diferença entre a força hidrostática total e a força hidrostática na área interna do flange (HT) PGH ..785,0 2 = PBHD ..785,0 2 = HWHG −= PmGbHp ...14,3..2= DT HHH −= ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 104 Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2 Cálculo dos Braços dos MomentosCálculo dos Braços dos Momentos Lap-type Solto (exceto Lap) e Opcional calculado como solto Integral e Opcional calculado como integral hGhThDTipo de Flange 15,0 gR + 2 BC − 2 BC − 2 GC − 2 GC − 2 GC − 2 GC − 2 GD hh − 2 1 GhgR −+ Onde: R = (C-B)/2-g1
  53. 53. 53 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 105 Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2 Cálculo dos MomentosCálculo dos Momentos DDD hHM .= TTT hHM .= GGG hHM .= GTDo MMMM ++= 2 GC WMo − = Os momentos serão: O momento total atuante no flange nas condições de operação será: O momento total atuante no flange para o esmagamento da junta será: Sendo W para a estanqueidade. ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 106 Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2 Cálculo das Tensões Atuantes (Constantes)Cálculo das Tensões Atuantes (Constantes) Para o calculo das tensões nos flanges inicialmente devem ser definidas as constantes T, U, Y, Z, F ou FL, V ou VL e f baseadas em K = A/B e g1/g0. Para isso utilize as figuras 2-7.
  54. 54. 54 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 107 Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2 Cálculo das Tensões Atuantes (Constantes)Cálculo das Tensões Atuantes (Constantes) ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 108 Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2 Cálculo das Tensões Atuantes (Constantes)Cálculo das Tensões Atuantes (Constantes)
  55. 55. 55 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 109 Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2 Cálculo das Tensões Atuantes (Constantes)Cálculo das Tensões Atuantes (Constantes) ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 110 Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2 Cálculo das Tensões Atuantes (Constantes)Cálculo das Tensões Atuantes (Constantes)
  56. 56. 56 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 111 Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2 Cálculo das Tensões AtuantesCálculo das Tensões Atuantes Devem ainda ser calculados os seguintes fatores: 0.gBho = 2 0.gho V U d = 2 0.gho V U d L = ho F e = ho F e L = e para flanges integrais. e para flanges soltos. ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 112 Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2 Cálculo das Tensões AtuantesCálculo das Tensões Atuantes Tensão Tangencial (ST) Solto Integral Tensão Longitudinal (SH) Tensão Radial (SR) Flange BgL Mof SH .. . 2 1 =RT ZS Bt MoY S −= 2 .( ) BLt Moet SR 2 1.33,1 + = 0=RS 0=HS Bt MoY ST 2 . =
  57. 57. 57 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 113 Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2 Verificação das Tensões AtuantesVerificação das Tensões Atuantes fH SS ≤ fR SS ≤ fT SS ≤ fH SS .5,1≤ f RH S SS ≤ + 2 f TH S SS ≤ + 2 ( )nfH SSdemenorS .5,1;.5,1_≤ ( )nfH SSdemenorS .5,2;.5,1_≤ para ferro fundido. Exceto que: para outros materiais. para croquis (8), (8a), (9), (9a), (10), (10a), (11) calculados como integral e (7) onde o material do bocal constitui o cubo: para croquis (6), (6a) e (6b: ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 114 Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2Flanges Apêndice 2 Verificar Espaçamento Máximo entre ParafusosVerificar Espaçamento Máximo entre Parafusos O espaçamento máximo entre os parafusos é dado por (Brownell & Young) : 5,0 6 2max_ + += m t aBs Onde: a é o diâmetro dos parafusos. t é a espessura do flange. m é o fator de esmagamento (tab. 2-5.1).
  58. 58. 58 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 115 Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1----6666Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1----6666 Tampos Circulares com Calotas Esféricas e flanges aparafusados podem ser dimensionados pelo apêndice 1-6 conforme segue: ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 116 Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1----6666Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1----6666 Tipo (a): Tampos torisféricos com flange soldado na parte reta Espessura do Tampo (t) calculada conforme UG-32 para pressão interna e UG-33(a)(1) para pressão externa. Todas as limitações de UG-32 devem ser atendidas, ou seja, é um tampo normal. Espessura do Flange (T) calculada conforme apêndice 2 Espessura do Tampo (t) calculada conforme UG-32 para pressão interna e UG-33(a)(1) para pressão externa. Todas as limitações de UG-32 devem ser atendidas, ou seja, é um tampo normal. Espessura do Flange (T) calculada conforme apêndice 2
  59. 59. 59 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 117 Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1----6666Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1----6666 Tipo (b): Tampos esfericamente conformados com flange soldado sobre uma aba externa Espessura do Tampo (t) é dada por: • Para Pressão Interna • Para Pressão Externa: UG-33(c) usando o raio externo da seção esférica do tampo. Espessura do Tampo (t) é dada por: • Para Pressão Interna • Para Pressão Externa: UG-33(c) usando o raio externo da seção esférica do tampo. S PL t 6 5 = Onde: P é a pressão interna L é o raio da calota esférica S é a tensão admissível do material ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 118 Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1----6666Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1----6666 Tipo (b): Tampos esfericamente conformados com flange soldado sobre uma aba externa Espessura do Flange (T) é dada por: • Vedação Tipo Anel • Vedação Full-Facet Espessura do Flange (T) é dada por: • Vedação Tipo Anel • Vedação Full-Facet Onde: P é a pressão interna A é o diâmetro externo do flange B é o diâmetro interno do flange C é o diâmetro de centro dos parafusos S é a tensão admissível do material       − + = BA BA SB M T 0 ( )( )       − −+ = BA BCBAB S P T 6,0
  60. 60. 60 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 119 Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1----6666Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1----6666 Tipo (c): Tampos esfericamente conformados com uma aba externa como flange Espessura do Tampo (t) é dada por: • Para Pressão Interna • Para Pressão Externa: UG-33(c) usando o raio externo da seção esférica do tampo. Espessura do Tampo (t) é dada por: • Para Pressão Interna • Para Pressão Externa: UG-33(c) usando o raio externo da seção esférica do tampo. S PL t 6 5 = Onde: P é a pressão interna L é o raio da calota esférica S é a tensão admissível do material ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 120 Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1----6666Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1----6666 Tipo (c): Tampos esfericamente conformados com uma aba externa como flange Espessura do Flange (T) é dada por: • Vedação Tipo Anel com furos redondos para os parafusos Onde: Espessura do Flange (T) é dada por: • Vedação Tipo Anel com furos redondos para os parafusos Onde: Onde: P é a pressão interna B é o diâmetro interno do flange C é o diâmetro de centro dos parafusos L é o raio da calota esférica S é a tensão admissível do material ( ) ( )BCSB BCM QT 57 875,1 0 − + +=       − + = BC BC S PL Q 574
  61. 61. 61 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 121 Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1----6666Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1----6666 Tipo (c): Tampos esfericamente conformados com uma aba externa como flange Espessura do Flange (T) é dada por: • Vedação Tipo Anel com rasgos para os parafusos Onde: Espessura do Flange (T) é dada por: • Vedação Tipo Anel com rasgos para os parafusos Onde: Onde: P é a pressão interna B é o diâmetro interno do flange C é o diâmetro de centro dos parafusos L é o raio da calota esférica S é a tensão admissível do material ( ) ( )BCSB BCM QT − + += 3 875,1 0       − + = BC BC S PL Q 34 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 122 Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1----6666Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1----6666 Tipo (c): Tampos esfericamente conformados com uma aba externa como flange Espessura do Flange (T) é dada por: • Vedação Tipo Full-Facet com furos redondos para os parafusos Onde: Espessura do Flange (T) é dada por: • Vedação Tipo Full-Facet com furos redondos para os parafusos Onde: Onde: P é a pressão interna B é o diâmetro interno do flange C é o diâmetro de centro dos parafusos L é o raio da calota esférica S é a tensão admissível do material ( ) L BCBQ QQT − ++= 32       − + = BC BC S PL Q 574
  62. 62. 62 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 123 Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1----6666Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1----6666 Tipo (c): Tampos esfericamente conformados com uma aba externa como flange Espessura do Flange (T) é dada por: • Vedação Tipo Full-Facet com rasgos para os parafusos Onde: Espessura do Flange (T) é dada por: • Vedação Tipo Full-Facet com rasgos para os parafusos Onde: Onde: P é a pressão interna B é o diâmetro interno do flange C é o diâmetro de centro dos parafusos L é o raio da calota esférica S é a tensão admissível do material ( ) L BCBQ QQT − ++= 32       − + = BC BC S PL Q 34 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 124 Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1----6666Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1----6666 Tipo (c): Tampos esfericamente conformados com uma aba externa como flange Em nenhum caso (T) pode ser menor do que (t). Caso isso ocorra adote T = t, no mínimo. Em nenhum caso (T) pode ser menor do que (t). Caso isso ocorra adote T = t, no mínimo.
  63. 63. 63 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 125 Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1----6666Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1----6666 Tipo (d): Tampos esfericamente conformados com flange soldado diretamente na calota Espessura do Tampo (t) é dada por: • Para Pressão Interna • Para Pressão Externa: UG-33(c) usando o raio externo da seção esférica do tampo. Espessura do Tampo (t) é dada por: • Para Pressão Interna • Para Pressão Externa: UG-33(c) usando o raio externo da seção esférica do tampo. S PL t 6 5 = Onde: P é a pressão interna L é o raio da calota esférica S é a tensão admissível do material ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 126 Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1----6666Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1----6666 Tipo (d): Tampos esfericamente conformados com flange soldado diretamente na calota Espessura do Flange (T) é dada por: Onde: E: Espessura do Flange (T) é dada por: Onde: E: JFFT ++= 2 ( )BAS BLPB F − − = 8 4 22       − +       = BA BA SB M J 0 Onde: P é a pressão interna A é o diâmetro externo do flange B é o diâmetro interno do flange L é o raio da calota esférica S é a tensão admissível do material
  64. 64. 64 ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 127 Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1----6666Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1Tampos Flangeados 1----6666 O Momento Total M0 é dado por: • Para Pressão Interna: Calculado conforme 2-6 (ver slide 103). • Para Pressão Externa: Calculado conforme 2-11 Exceto para tipo (d) onde HD = 0,785B2P, hD é a distância radial do círculo dos parafusos até o diâmetro interno do flange e é adicionado ou subtraído uma nova componente de momento: Hrhr, onde Hr = HDcotββββ1 (ver figura) e hr é o braço de momento no centróide do flange (ver figura) Exceto para tipo (d) onde HD = 0,785B2P, hD é a distância radial do círculo dos parafusos até o diâmetro interno do flange e é adicionado ou subtraído uma nova componente de momento: Hrhr, onde Hr = HDcotββββ1 (ver figura) e hr é o braço de momento no centróide do flange (ver figura) ©2005-Cérebro S.A. - Julho/2005 R.JosédeAlencar,293–9°Andar,Sala91,Centro,Campinas–SP Fone:193739-6200-Fax193739-6215 128 1. ASME Seção VIII – Divisão I “Rules for construction of pressure vessels” – The American Society of Mechanical Engineers, 2004 Edition (Atualizada sempre pela última edição). Dimensionamento de vasos de pressão. 2. ASME Seção II – Parte D “Materials – Properties” – The American Society of Mechanical Engineers, 2004 Edition. Propriedades dos materais aprovados pela ASME – VIII 3. Bednar, H. “Pressure Vessel Design Handbook" - Second Edition - Krieger Publishing Company – 1991. 4. Brownell, L. E. & Young, E. H. "Equipment Design" - First Edition - John Wiley & Sons, Inc. 5. Moss, Dennis R. - “Pressure Vessel Design Manual” Second Edition – Butterworth Heinemann – 1997 6. Jawad, Maan F. “Guidebook for the Design of ASME VIII Pressure Vessels”- ASME Press - 1998 1. ASME Seção VIII – Divisão I “Rules for construction of pressure vessels” – The American Society of Mechanical Engineers, 2004 Edition (Atualizada sempre pela última edição). Dimensionamento de vasos de pressão. 2. ASME Seção II – Parte D “Materials – Properties” – The American Society of Mechanical Engineers, 2004 Edition. Propriedades dos materais aprovados pela ASME – VIII 3. Bednar, H. “Pressure Vessel Design Handbook" - Second Edition - Krieger Publishing Company – 1991. 4. Brownell, L. E. & Young, E. H. "Equipment Design" - First Edition - John Wiley & Sons, Inc. 5. Moss, Dennis R. - “Pressure Vessel Design Manual” Second Edition – Butterworth Heinemann – 1997 6. Jawad, Maan F. “Guidebook for the Design of ASME VIII Pressure Vessels”- ASME Press - 1998 Bibliografia BásicaBibliografia BásicaBibliografia BásicaBibliografia Básica----Módulo 2Módulo 2Módulo 2Módulo 2Bibliografia BásicaBibliografia BásicaBibliografia BásicaBibliografia Básica----Módulo 2Módulo 2Módulo 2Módulo 2

×