Fala Manguinhos - 10ª edição

138 visualizações

Publicada em

Jornal Fala Manguinhos

Publicada em: Notícias e política
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
138
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Fala Manguinhos - 10ª edição

  1. 1. Favela Gastrô: Especial Conselho combate evasão escolar DSUP: um condomínio popular Notícias e Serviços para o Complexo de Manguinhos Veja nesse número: Rio de Janeiro - Fevereiro/Março de 2015 - Distribuição Gratuita Favela Criativa: acontecendo ÁGUA A culpa é nossa? Fotos:EdilanoCavalcante Casa do trabalhador: feira de emprego Gabarito Alex. qxd 4/13/10 6:26 PM Page 3
  2. 2. Notícias e Serviços para o Complexo de Manguinhos 2 Rio de Janeiro - Fevereiro/Março de 2015 - 10 a Edição Os Grupos Temáticos (GT’s) do Conselho Comunitário de Manguinhos continuam se reunindo para debater suas pautas. Fique por dentro do que está rolando! O GT Educação, Cultura, Esporte e Lazer está debatendo o tema da evasão esco- lar, ou seja, as crianças e adolescentes que estão fora da escola. Para avançar na solução desse problema, o Grupo tem contado com o apoio do Projeto Aluno Presente, que está articulando os contatos com a rede municipal de educação no Complexo de Manguinhos. Ao longo destas conversas, surgiu a proposta de lançar uma campanha permanente sobre Juventude e Garantia de Direitos. Os próximos encontros serão dedicados a pensar a construção de uma agenda sociocultural para abordar a temática da evasão escolar e da juventude de forma intersetorial. OGT Assistência Social e Direitos Humanos se reuniu, no mês de março, para apresentar os dados da pesquisa sobre consumo e comércio de produtos hortifrutigranjeiros no Complexo de Manguinhos, do Projeto Sistema de Comercialização Direta e Solidária, realizada em 2014. Além disso, o Grupo debateu questões relacionadas ao nosso Mapeamento Participativo e informes gerais. OGT Comunicação vem se apresentando como o espaço privilegiado para debater a pauta do jornal Fala Manguinhos! e aprovar seu conteúdo. Além disso, mem- bros deste GT estão se dedi- cando a reconstruir o projeto de comunicação para apresen- tar para potenciais parceiros, tendo em vista potencializar as ações da nossa Agência de Comunicação Comunitária. Jorge Luis Conselho Comunitário de Manguinhos FotosdeJorgeLuis Gabarito Alex. qxd 4/13/10 6:26 PM Page 4
  3. 3. No dia 4 de março, moradores do Complexo de Manguinhos, que também fazem parte do curso de for- mação de Jovens Agentes de Cultura, do Programa Favela Criativa, come- çaram a praticar um pouco do que aprenderam. As ações de destaque, nesse dia, foram a recuperação de um canteiro na Praça do DESUP, a elabo- ração de telas com artes de grafite e, em seguida, a apresentação do filme Teto Verde Favela, do diretor Careca Arts. Por fim, músicos locais fizeram duelos de rimas criativas, retratando seus cotidi- anos. Foi uma tarde de muita arte, que deixou claro como esses jovens vêm aprendendo a trilhar suas escolhas, den- tro do que amam fazer. Notícias e Serviços para o Complexo de Manguinhos No dia 02 de março foi realiza- da, na Casa do Trabalhador, a Feira do Emprego. Várias parceri- as contribuíram para informação e encaminhamento para entrevis- tas de emprego, para jovens e adultos, principalmente na área do comércio. Em destaque, os novos par- ceiros da Casa do Trabalhador: a Universidade Veiga de Almeida, com bolsas de 15% a 25% para vários cursos e o Instituto Coca ODiscípulos de Oswaldo fez mais um belo desfile no carnaval 2015, na Comunidade do Amorim. Pelo 14º ano, o Bloco arrastou os foliões pelas ruas, integrando moradores da região e trabalhadores da Fiocruz. Com 100 ritmistas, a bateria deu um show à parte e colocou todos para sambar. Bloco Discípulos de Oswaldo Casa do Trabalhador Cola, com atividade para jovens. A Casa do Trabalhador está localiza- da na Av. Dom Hélder Câmara 1.180. O horário de atendimento é das 9h às 17h. Favela Criativa 3Rio de Janeiro - Fevereiro/Março de 2015 - 10 a Edição FotosdeTaynáQuintella Fotos: Edilano Cavalcante Gabarito Alex. qxd 4/13/10 6:27 PM Page 7
  4. 4. Notícias e Serviços para o Complexo de Manguinhos 4 Rio de Janeiro - Fevereiro/Março de 2015 - 10 a Edição Favela Gastrô: De onde vem os alimentos da sua mesa? V ocê sabe qual trajeto o ali- mento percorre até chegar à sua casa? Você sabe porque paga tão caro para comprar frutas, legumes e verduras? Quanto do valor pago é recebido pelo agricul- tor e pelo comerciante onde você compra? Existem várias etapas, desde os produtores até os con- sumidores, e entender esse cami- nho é dar o primeiro passo para compreender os preços elevados dos alimentos. O sistema de produção e co- mercialização de frutas, legumes e verduras – os chamados hortifruti- granjeiros – é marcado pela pre- sença de inúmeros agentes, que atuam como intermediários entre os agricultores e os comerciantes. Apesar dos serviços de arma- zenagem, transporte e logística – que, geralmente, são desempe- nhados pelos intermediários gera- rem custos, não são eles os princi- pais responsáveis pelos altos preços. Ao exercerem a função de atravessadores, os intermediários acumulam informações e podem influenciar no aumento dos preços dos alimentos. Essa forma convencional dos produtos hortifrutigranjeiros che- garem até os estabelecimentos próximos à sua casa faz com que ocorra uma elevação do preço – o que não significa que esses ganhos estejam sendo repassados ao agricultor ou ao comerciante onde você compra. Os preços elevados tornam esses produtos cada vez menos acessíveis às famílias com baixa renda e afeta diretamente a chamada Segurança Alimentar Nutricional. Segundo a legislação, entende- se por Segurança Alimentar e Nutricional a realização do direito de todos ao acesso regular e per- manente a alimentos de qualidade, em quantidade suficiente, sem comprometer o acesso a outras necessidades essenciais, tendo como base práticas alimentares promotoras de saúde que respei- tem a diversidade cultural e que sejam ambiental, cultural, econô- mica e socialmente sustentáveis. Diante desse cenário, está sendo construído, nas reuniões do Conselho Comunitário de Mangui- nhos, um projeto que propõe reor- ganizar esse sistema de produção e comercialização dos produtos hortifrutigranjeiros. Considerando que as atividades de logística e transporte são fundamentais, este projeto propõe uma nova forma de Favela Gastrô: Fotos:EdilanoCavalcante Gabarito Alex. qxd 4/13/10 6:27 PM Page 8
  5. 5. Notícias e Serviços para o Complexo de Manguinhos 5 organização deste circuito, que precisa ter como marcas a comer- cialização direta e solidária. Na Comercialização Direta e Solidária, a distância entre agri- cultor e comerciante é diminuída. Com isso, a diferença entre o preço pago pelo consumidor, e o preço recebido pelo produtor agrí- cola, é muito menor do que aque- la que ocorre na comercialização convencional, gerando, assim, ganhos para o comerciante (au- mento de renda) e consumidor (diminuição do preço final). Essa proposta trata, além da redis- tribuição de renda, de reforçar ações de Segurança Alimentar e Nutricional no Complexo de Manguinhos. Com o objetivo de compreender o mercado desses produtos hor- tifrutigranjeiros, do ponto de vista do consumo e do comércio, foi realizada uma pesquisa com 265 moradoras, para descobrir os prin- cipais hábitos alimentares desta população. Quando perguntados sobre a frequência com que com- pravam frutas, legumes e verduras, 62% respondeu uma vez por sem- ana; 22% disse fazer essas com- pras duas vezes por semana; 8% compra uma vez por mês e 8% respondeu que compra raramente. As pessoas que responderam ‘rara- mente’ falaram que o princi- pal motivo para esse consumo ser tão baixo é o preço alto desses produtos. Outro aspecto investi- gado na pesquisa era os locais de compra. A maior parte respondeu que prefere comprar na feira e no sacolão/hor- tifrúti, dizendo que a preferência se dá por conta da proximidade desses estabelecimen- tos aos seus locais de residência. E no que diz respeito ao uso de agrotóxicos nos alimentos, 89% respondeu que já ouviu falar de seus efeitos na saúde e 92% disse que teria interesse em comprar frutas, legumes e verduras sem agrotóxicos e a um preço acessível. Essa mesma pesquisa também entrevistou os estabelecimentos que vendem esses alimentos no Complexo de Manguinhos, onde foram identificados 29 comer- ciantes. Os dados revelam que a maior parte - 92% - possui mais de um ano de existência, sendo que 46% dos entrevistados já atuam há mais de oito anos, o que de- monstra que já é um mercado consolidado no território. Além disso, quando pergun- tados sobre o suporte que tive- ram acesso para construir seu negócio, 81% respondeu que nunca teve acesso a crédito, 92% nunca fez nenhum curso relacionada à gestão e 69% não faz nenhum tipo de divul- gação do seu estabeleci- mento. Sobre as dificul- dades enfrentadas para comprar frutas, legumes e verduras, 38% aponta o preço como problema, 27% cita a qualidade dos produtos e 27% se queixou da dificuldade para entrega. Quando o assunto era o uso de agrotóxicos na produção de frutas, legumes e verduras, 85% disse já ter ouvido falar sobre seus efeitos na saúde e 77% teria interesse em comercializar esses produtos sem agrotóxicos. Diante de tudo isso, é impor- tante considerar que existem ou- tras formas de comercialização de produtos hortifrutigranjeiros, que privilegiem as relações de soli- dariedade e de trabalho em rede. Articular a proposta de geração de renda à oferta de uma alimentação saudável é o desafio desse projeto e a participação dos moradores tem se revelado, mais uma vez, indispensável para avançar nessa construção. Rodrigo Lopes e Jorge Luis Rio de Janeiro - Fevereiro/Março de 2015 - 10 a Edição Os preços elevados tornam esses produtos cada vez menos acessíveis às famílias com baixa renda Os preços elevados tornam esses produtos cada vez menos acessíveis às famílias com baixa renda Gabarito Alex. qxd 4/13/10 6:27 PM Page 9
  6. 6. Notícias e Serviços para o Complexo de Manguinhos Rio de Janeiro - Fevereiro/Março de 2015 - 10 a Edição GraciaraSilva(foto) 6 Em dias de ‘escassez’ de água potável no Brasil, onde os governos desenvolvem campanhas para a população reduzir o consumo, algumas questões devem ser pensadas. Segundo a ONU (Organização das Nações Unidas) 97,5% do volume de toda água em nosso planeta é salgada e 2,5% é doce. Porém, do total da água doce, 70% está em forma de gelo e 29,7% está no subsolo. Portanto, sobra 0,3% em acessos mais fáceis, como lagos e rios. Quem gasta mais água no Brasil? Gabarito Alex. qxd 4/13/10 6:27 PM Page 6
  7. 7. Notícias e Serviços para o Complexo de Manguinhos Rio de Janeiro - Fevereiro/Março de 2015 - 10 a Edição 7 Um dado interessante, nesse cenário da situação da água, é que os maiores consumidores no mundo não são as pessoas. Em primeiro lugar encontra-se a agri- cultura, que gasta 70% de toda água potá-vel do planeta para a irrigação. Em segundo lugar está a indústria, que gasta 20% da água. E, por fim, em terceiro lugar, o uso doméstico, que utiliza 10% desse total. Ficou surpreso? Pois vai ficar mais ainda. Os números no Brasil revelam que a agricultura chega a consumir 72% da água potável e a indústria 22%. O uso doméstico não passa de 6%. Mas quando se fala em desperdício, geralmente o responsável é o consumidor, que nada mais é que todos nós, em nossas casas. Acusam e condenam as comunidades, a dona de casa e até o banho um pouco mais demorado. É claro que devemos pensar sobre a educação e relação que todos devemos ter com os recursos naturais, como a água, evitando gasto desnecessário. Porém, o que podemos observar é que o maior desperdício se dá pela falta de planejamento da gestão dos recursos hídricos do nosso país e do nosso Estado. Atribuir essa crise ao consumo doméstico, ou fazer com que a po- pulação pague essa conta, é desconsiderar que a agricultura de irrigação e a indústria nacional gastam, juntas, 94% da água con- sumida no país. Com o detalhe que o setor agrícola tem forte influên- cia politica e econômica e não é taxado por captar água para as suas atividades. Logo, os investi- mentos tecnológicos, a fim de reduzirem esse desperdício, não ocorrem. Há que se investir de modo responsável em despoluição de rios e proteção de áreas de man- anciais, impedindo a ocupação irregular. O saneamento básico é outro ponto de combate ao des- perdício de água. A captação do esgoto é caótica, tanto nas favelas quanto em luxuosos condomínios, que poluem devido à fiscalização falha do poder público. As cidades saneadas captariam mais esgoto e, assim, a água de reuso serviria para determinadas atividades. O Estado do Rio de Janeiro é o que mais desperdiça água. A sua capital, onde moramos, encontra- se em 37º lugar no ranking do Instituto Trata Brasil, em relação à eficiência na prestação de serviço de saneamento à popu- lação. Segundo o Ministério das Cidades, a água já é desperdiçada, em cerca de 40%, antes mesmo de chegar às torneiras da população. O que observamos é a falta de investimento nas favelas para evi- tar a perda, pelos constantes vaza- mentos nas tubulações, sejam por furto ou falta de manutenção. Estamos em um momento crítico, sim. Porém, mais crítica é a forma com que nos apresentam o proble- ma, não abrindo-se o debate sobre as questões ambientais relacio- nadas à poluição, desmatamento e planejamento equivocado. Estamos todos sofrendo as con- sequências das gestões falhas que, durante vários anos, ignoraram a responsabilidade que traz o crescimento populacional e o crescimento econômico, deixando em segundo plano o debate ambi- ental. O Brasil é um país com mui- tos recursos naturais e não faz sentido essa crise de abastecimen- to d’água. Robson Viana Segundo o Ministério das Cidades, a água já é desperdiçada, em cerca de 40%, antes mesmo de chegar às torneiras da população. FotodeGraciaraSilva Gabarito Alex. qxd 4/13/10 6:26 PM Page 5
  8. 8. Notícias e Serviços para o Complexo de Manguinhos • O Jornal Fala Manguinhos e o Blog Fala Manguinhos são projetos da Agência de Comunicação Comunitária. • Apoio Institucional: Conselho Comunitário de Manguinhos + Coordenadoria de Cooperação Social da Fundação Oswaldo Cruz + Laboratório de Comunicação Dialógica / Faculdade de Comunicação Social / Universidade do Estado do Rio de Janeiro + Instituto Pereira Passos / Diretoria de Desenvolvimento Econômico Estratégico + Produtora Outra Coisa / ONG Gestão e Participação Social (GPS) e Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (IF Campus Nilópolis). • Para participar ou anunciar nos projetos Fala Manguinhos! entre em contato com a gente pelo telefone 982332037 ou pelo e.mail fala manguinhos@gmail.com • Distribuição Gratuita – Tiragem 10.000 • Participaram desta edição: • Agência de Comunicação Comunitária: Anastácia dos Santos; Edilano Cavalcante; Graciara Silva; Robson Viana; Rodrigo Lopes; Simone Quintella; Tayná Q. Assis; Leo Sobral; Wanderson Costa Cruz; GPS e IF: Pâmella Nunes • Laboratório de Comunicação Dialógica – Marcelo Ernandez Macedo e Gabriel Diniz • Fundação Oswaldo Cruz – Alex Vargas • Conselho Comunitário de Manguinhos: Grupo de Comunicação / Secretaria Administrativa / Jorge Luiz Expediente 8 Rio de Janeiro - Fevereiro/Março de 2015 - 10 a Edição O terreno do antigo Departamento de Suprimentos do Exército (DSUP), às mar- gens da Avenida Dom Hélder Câmara, hoje deu lugar ao Condomínio DSUP, com 7 blocos de 4 andares, financiado com recursos do PAC. No mesmo espaço, o Complexo de Manguinhos rece- beu a primeira Biblioteca Parque do Brasil, que permite a comunidade e visitantes - sem pagar nada - acessar à internet, ouvir músicas, partici- par de atividades culturais e fazer empréstimos de livros e filmes. O cinema custa R$4,00 (meia) e R$8,00 (inteira). A Bibllioteca possui um acervo com cerca de 27 mil livros, à disposição dos moradores. Também existe, na Praça do DSUP, um Centro de Referência da Juventude (CRJ), com atividades para crianças e jovens. E, no meio da Praça, encontramos a Casa da Mulher, especial- izada no atendimento de assuntos femininos – violência, qualificação profissional etc. Fechando o conjunto dos prédios públicos, podemos citar o Posto de Orientação Urbanística e Social e o Colégio Estadual Compositor Luiz Carlos da Vila. Para o lazer, ciclovia, quadras de futebol e pista de skate. Nesta edição, Fala Manguinhos! conversou com Maicon Justino de Jesus, de 23 anos, morador do DSUP: "Cresci na "Coreia", como é conhecida a comunidade CHP2. Assim que o Condomínio ficou pronto me mudei para lá. Fui síndico, fiz parte de uma composição de mo- radores que concorreram à associação de moradores. Fui auxiliar na associação. Me con- sidero um morador da Zona Sul de Manguinhos. Fui privilegiado com um apartamento próximo da escola onde concluí o ensino médio." Sobre a mudança de vida após o apartamento novo, Maicon diz:"Hoje não tenho mais vergonha de convidar um amigo para vir na minha casa. Acho que as 570 famílias que vivem aqui, mesmo com algumas dificuldades, estão bem melhor do que onde viviam antes. Temos no quintal de nos- sas casas a UPA de Manguinhos, a Clínica da Família, o CRJ, Casa do Trabalhador, escola, bi- blioteca, academia ao ar livre. Porém, enfrenta- mos, diariamente, problemas causados pelo des- perdício da água, além da falta de conscientiza- ção dos moradores com o descarte do lixo e da economia de energia elétrica. O correio tem difi- culdade na entrega de cartas e temos entupimen- tos de bueiros." O Complexo de Manguinhos é composto por, aproximadamente, 15 comunidades. E a cada edição, Fala Manguinhos! contará um pouco sobre elas. Neste número foi a vez do DSUP, ou "Predinhos", como é conhecido. Mas na próxima edição, pode ser a sua comunidade. Fique atento! (Leo Sobral) "O primeiro Condomínio popular do Complexo de Manguinhos." Condomínio DSUP Errata: Na edição passada, a foto da capa é de autoria de Anastacia dos Santos. Gabarito Alex. qxd 4/13/10 6:26 PM Page 2

×