Borel, símbolo tijucano de natureza bela trilha virtual

190 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
190
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Borel, símbolo tijucano de natureza bela trilha virtual

  1. 1. 1/3/2014 Borel, símbolo tijucano de natureza bela - Trilha Virtual Borel, símbolo tijucano de natureza bela Trilha Virtual May 22, 2011 Trilhas pelo RJ Curtir Cadastre-se para ver do que seus amigos gostam. O matemático Émile Borel (1871-1956) proferiu conferência ”A Teoria da Relatividade e a Curvatura do Universo” (1922), no Rio. Na época, na Tijuca, os irmãos Edouard e Antoine Borel eram herdeiros da Fábrica de Rapé e Tabaco, que passou a se chamar Fumos e Rapé de Borel e Cia. ► Siga o blog no Facebook [googlemaps http://maps.google.com/maps? ie=UTF8&t=h&ll=-22.940729,-43.254762&spn=0.013832,0.021887&z=15&output=embed&w=910&h =350] A fábrica ficava no sopé de uma área montanhosa, cuja ocupação teve início em 1921, quando ocorreu a remoção dos morros do Castelo e de Santo Antonio. Primeiramente, era conhecida como Morro da Fábrica Borel, já que empregava grande parte dos seus moradores. Pouco tempo depois, o local passou a ser chamado de Morro do Borel. Em 1931, na subida da Rua São Miguel, foi fundado o G.R.E.S. Unidos da Tijuca. De acordo com uma das versões históricas, o pavão como símbolo e as cores azul e amarelo ouro foram adotados em referência ao logotipo desta fábrica que era estampado nas embalagens de produtos. Quanto ao rapé, era comercializado um pedaço de fumo inteiro ou já ralado e pronto para consumo. Cinco anos depois, o samba “Natureza Bela” consagrou pela primeira vez a escola de samba como campeã do carnaval carioca. Na ocasião, ela apresentou o melhor desempenho em harmonia. A agremiação, que surgiu a partir da fusão de blocos existentes nos morros das redondezas (Casa Branca, Formiga e Ilha dos Velhacos), foi a primeira a apresentar carros alegóricos alusivos ao enredo. Por falar em natureza bela, o Borel compreende cerca de 36 hectares do Maciço da Tijuca. http://trilhavirtual.com.br/borel-simbolo-tijucano-de-natureza-bela/ 1/4
  2. 2. 1/3/2014 Borel, símbolo tijucano de natureza bela - Trilha Virtual Do cruzeiro no alto do morro, a cerca de 320 metros de altitude, é possível ver a Grande Tijuca, picos de trilhas do Parque Nacional da Tijuca (PNT), a Ponte Rio-Niterói, o Maracanã, o Centro da cidade, a Ilha do Governador, a Baía de Guanabara, Niterói e a Serra dos Órgãos, esta última se o clima colaborar. Os moradores têm à disposição creche, posto de saúde, ginástica e atividades esportivas, como futebol, handebol e vôlei. Na quadra da Unidos da Tijuca ocorrem eventos sócios-culturais de incentivo à cidadania. http://trilhavirtual.com.br/borel-simbolo-tijucano-de-natureza-bela/ 2/4
  3. 3. 1/3/2014 Borel, símbolo tijucano de natureza bela - Trilha Virtual André Tsé M ay 22, 2011 at 12:30 pm Nobre, meus parabéns pela postagem. É um belo resgate da história Tijucana, Abraços! Saudações Tricolores! Reply Marilia Marx Jordan July 27, 2011 at 9:25 am Caro amigo, Pesquisando sobre os suíços que possuíram escravos no Brasil, me interessei por esta antiga fabrica de rapé situado aos pés do morro do Borel. A Fabrica do Borel era uma das 2 filiais da “Fabrica Imperial de rapé Area Preta” de Salvador, fundada em 1818 por um suíço, Auguste Frédéric de Meuron e que foi provavelmente a primeira fábrica de rapé do Brasil. A filial situada no Andarahí Pequeno, como chamavam na época esta parte da Tijuca, foi fundada em 1832. Em 1852, Meuron, seu fundador, faleceu sem deixar herdeiros e quem herdou a fabrica foram seus sobrinhos, os suíços Edouard e Antoine Borel, que já a administravam há vários anos. Sei que em 1900 a fabrica ainda pertencia a sociedade Meuron & CIa, e os donos da sociedade e da fabrica eram os Borel. Sei também que a esta época, os empregados da fabrica de Salvador se referiam a fabrica do Rio como “Fabrica do Andarahí”. Tempos depois a sociedade mudou de nome e passou a se chamar Borel & Cia e a fabrica então mudou de nome. Perdeu o nome Area Preta e passou a ser “Fabrica de Fumos e Rapé de Borel & Cia”. Creio que a chegada de Emile Borel ao Rio, em 1922 não teve nada que ver com a mudança do nome da fabrica, pois nem eram parentes, mas quem sabe? Você poderia me dizer onde descobriu esta informação? Li num livro suíço que durante um breve período o morro do Borel foi chamado de morro do Meuron, mas não tenho a menor prova disto e os geógrafos que consultei não conseguiram encontrar prova disto. Você possui algum detalhe de como terminou esta fabrica? Um abraço, Marilia http://trilhavirtual.com.br/borel-simbolo-tijucano-de-natureza-bela/ 4/4

×