01/04/2015
R$ 124.500,00
Igreja Bom
Jesus de
Iguape
Iguape-SP
Antecedentes:
 Crise na colônia
e na metrópole.
 1603: Regimento
das Minas (permitia
a livre extração +
Quinto Real).
A Mineração do Ouro:
 Intendência das Minas (órgão que
controlava a extração do ouro e a
arrecadação dos impostos).
 Dat...
Ouro de
Aluvião
O ouro brasileiro era encontrado no barranco
das margens dos rios ou em seu leito. Recebe
essa denominação...
Os Diamantes:
 Arraial do Tijuco;
 Estanco Régio (monopólio
da Coroa na extração).
 Contratadores (particulares que
com...
Diamantina, o antigo Arraial do Tijuco, é o início da Estrada Real. O seu Centro
Histórico guarda os resquícios do tempo e...
Casa onde viveu Xica da Silva
Tijuco
Diamantina-MG
Diamantina-MG
Passadiço da Glória
Declínio da Atividade Mineradora.
 Causas:
- técnicas rudimentares de extração;
- esgotamento das jazidas.
 Consequência...
E Portugal?
 Crise:
- decadência da economia açucareira;
- reflexos da União Ibérica;
- dependência com a Inglaterra
atra...
Marquês de Pombal
Marquês de Pombal:
 Sebastião José Carvalho e Melo.
 Contexto: Despotismo Esclarecido.
 Reflexos no Brasil:
- extinguiu...
Consequências e Transformações
trazidas pela Mineração:
 interiorização e expansão territorial.
 enriquecimento da Colôn...
A mineração
promoveu a
urbanização
do interior
do Brasil.
Sociedade Mineradora:
V
V
V
Rebeliões coloniais ocorridas até a primeira
metade do século XVIII, marcadas por um
caráter local e parcial, atentando co...
Séculos XVII/XVIII
Movimentos Nativistas:
Aclamação de Amador Bueno (SP-1641);
Revolta de Beckman (MA-1684);
Guerra dos Em...
Aclamação de Amador Bueno (SP – 1641)
Aclamação de Amador Bueno (SP – 1641)
O Rei D. João IV (dinastia de Bragança)
assume o trono e se preocupa mais com o
nord...
Revolta de Beckman (MA – 1684)
Revolta de Beckman (MA – 1684)
O principal produto comercializado era o algodão com
a mão de obra escrava indígena. Mas at...
Guerra dos Emboabas (MG – 1708-1710)
Guerra dos Emboabas (MG – 1708-1710)
Os paulistas foram os pioneiros na descoberta das
jazidas de metais preciosos (em Min...
Guerra dos Mascates (PE – 1710)
Guerra dos Mascates (PE – 1710)
A Aristocracia Rural Olindense, produtora de
açúcar, vinha empobrecendo com a crescente
de...
Guerra dos Mascates (PE – 1710)
À medida que os mascates ganhavam importância
econômica, mais se incomodavam com a condiçã...
Revolta de Vila Rica ou
Filipe dos Santos (MG – 1720)
Revolta de Vila Rica ou
Filipe dos Santos (MG – 1720)
Revolta contra a rigorosa política fiscal e
opressiva tributação. A ...
Guerras Guaraníticas (RS... – 1750-1756)
Guerras Guaraníticas (RS... – 1750-1756)
Movimentos coloniais ocorridos já num quadro
de crise do Sistema Colonial, caracterizados
por um ideal de nação e por poss...
Fatores:
 crescimento interno da colônia;
 declínio português e aumento da exploração;
 Revolução Industrial;
 influên...
Conjuração Mineira (1789)
Causas
Econômicas:
Cobrança de impostos, principalmente com a
instituição da Derrama (medidas au...
Conjuração Mineira (1789)
Objetivos
 Sonhavam ver o Brasil independente, uma luta pela
independência local de Minas Gerai...
Conjuração Mineira (1789)
O Desfecho
 O primeiro movimento emancipacionista, mas não saiu do
papel. Joaquim Silvério trai...
Conjuração Mineira (1789)
O Desfecho (continuação)
... mas o único a assumir participação durante a devassa foi
o Alferes ...
Conjuração Mineira (1789)
Mais uma consideração
 Concluindo, é importante perceber que a Inconfidência
Mineira foi uma re...
Conjuração Baiana (1798) – “Revolta dos Alfaiates”
 Tem origem e liderança popular. Buscavam principalmente
mudanças soci...
2
3
4
www.historiasdomedeiros.blogspot.com
Mineração e Crise do Sistema Colonial
Mineração e Crise do Sistema Colonial
Mineração e Crise do Sistema Colonial
Mineração e Crise do Sistema Colonial
Mineração e Crise do Sistema Colonial
Mineração e Crise do Sistema Colonial
Mineração e Crise do Sistema Colonial
Mineração e Crise do Sistema Colonial
Mineração e Crise do Sistema Colonial
Mineração e Crise do Sistema Colonial
Mineração e Crise do Sistema Colonial
Mineração e Crise do Sistema Colonial
Mineração e Crise do Sistema Colonial
Mineração e Crise do Sistema Colonial
Mineração e Crise do Sistema Colonial
Mineração e Crise do Sistema Colonial
Mineração e Crise do Sistema Colonial
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Mineração e Crise do Sistema Colonial

13.050 visualizações

Publicada em

Mineração e Crise do Sistema Colonial - Professor Medeiros - www.historiasdomedeiros.blogspot.com - CSSG - E. E. Presidente Médici - Cuiabá-MT - História do Brasil - Período Colonial

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
13.050
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4.273
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
375
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Mineração e Crise do Sistema Colonial

  1. 1. 01/04/2015
  2. 2. R$ 124.500,00
  3. 3. Igreja Bom Jesus de Iguape Iguape-SP
  4. 4. Antecedentes:  Crise na colônia e na metrópole.  1603: Regimento das Minas (permitia a livre extração + Quinto Real).
  5. 5. A Mineração do Ouro:  Intendência das Minas (órgão que controlava a extração do ouro e a arrecadação dos impostos).  Datas: lotes das minas.  Impostos: Quinto Real, Capitação e ... Derrama.  Local: MG/BA/GO/MT.  Casas de Fundição: local o qual o ouro era fundido e quintado.
  6. 6. Ouro de Aluvião O ouro brasileiro era encontrado no barranco das margens dos rios ou em seu leito. Recebe essa denominação porque se misturava a outras substancias, argila, areia; acumuladas pela erosão. A exploração do ouro de aluvião dispensava o trabalho de prospecção, sondagem profunda. Empregava técnicas rudimentares, usando-se apenas alguns equipamentos.
  7. 7. Os Diamantes:  Arraial do Tijuco;  Estanco Régio (monopólio da Coroa na extração).  Contratadores (particulares que compravam a concessão, isto é, pelo direito de explorar as minas de diamantes).  Pagavam-se à Coroa: - valor da concessão; - a capitação; - 50% da extração.
  8. 8. Diamantina, o antigo Arraial do Tijuco, é o início da Estrada Real. O seu Centro Histórico guarda os resquícios do tempo em que a economia se baseava na extração de diamantes, riqueza que percorria um grande caminho, em lombo de burro e carroças, até o porto de Paraty, no Rio de Janeiro, onde era embarcada para Portugal.
  9. 9. Casa onde viveu Xica da Silva
  10. 10. Tijuco
  11. 11. Diamantina-MG
  12. 12. Diamantina-MG
  13. 13. Passadiço da Glória
  14. 14. Declínio da Atividade Mineradora.  Causas: - técnicas rudimentares de extração; - esgotamento das jazidas.  Consequências: - um maior fiscalismo português; - desenvolvimento do sentimento antimetropolitano.
  15. 15. E Portugal?  Crise: - decadência da economia açucareira; - reflexos da União Ibérica; - dependência com a Inglaterra através do Tratado de Methuen (dos panos e vinhos).  D. José I (1750-1777) e Marquês de Pombal.
  16. 16. Marquês de Pombal
  17. 17. Marquês de Pombal:  Sebastião José Carvalho e Melo.  Contexto: Despotismo Esclarecido.  Reflexos no Brasil: - extinguiu as Capitanias Hereditárias; - centralizou a administração; - reunificou o Brasil; - transferiu a capital para o Rio de Janeiro; - extinguiu a escravidão indígena; - instituiu a Derrama; - expulsou os Jesuítas.
  18. 18. Consequências e Transformações trazidas pela Mineração:  interiorização e expansão territorial.  enriquecimento da Colônia.  ampliação do mercado interno.  surgimento de novas cidades.  maior circulação de pessoas e ideias.  recrudescimento do sentimento antimetropolitano.  ampliação da atividade cultural.
  19. 19. A mineração promoveu a urbanização do interior do Brasil.
  20. 20. Sociedade Mineradora:
  21. 21. V V V
  22. 22. Rebeliões coloniais ocorridas até a primeira metade do século XVIII, marcadas por um caráter local e parcial, atentando contra aspectos isolados da colonização, sem questionar o Pacto Colonial como um todo.
  23. 23. Séculos XVII/XVIII Movimentos Nativistas: Aclamação de Amador Bueno (SP-1641); Revolta de Beckman (MA-1684); Guerra dos Emboabas (MG-1709/1710); Guerra dos Mascates (PE-1710); Revolta de Vila Rica (MG-1720); Guerras Guaraníticas (RS...-1750/1756).
  24. 24. Aclamação de Amador Bueno (SP – 1641)
  25. 25. Aclamação de Amador Bueno (SP – 1641) O Rei D. João IV (dinastia de Bragança) assume o trono e se preocupa mais com o nordeste. Os Paulistas estavam insatisfeitos com os Jesuítas e, como o rei não se pronunciava, os paulistas resolvem protestar e aclamar Amador Bueno (comerciante local) como Rei, mas Bueno não aceita ser coroado temendo retaliações violentas de Portugal. Esse movimento entra para a história pelo fato de ser a primeira tentativa de se contestar a autoridade portuguesa.
  26. 26. Revolta de Beckman (MA – 1684)
  27. 27. Revolta de Beckman (MA – 1684) O principal produto comercializado era o algodão com a mão de obra escrava indígena. Mas atendendo os Jesuítas, em 1680 a coroa proíbe a escravidão de índios (só no Maranhão) e isto desagrada os proprietários de terras, onde se cultiva o algodão. A proibição gera a revolta dos proprietários e dos comerciantes, que, insatisfeitos com a Companhia de comércio portuguesa, se aliam à revolta. Liderados pelos irmãos Beckman, os revoltosos pegam em armas e dominam o Maranhão, mas a revolta é abafada pela coroa e seus líderes executados. Mesmo com a revolta controlada o problema continua, mas de acordo com a coroa, o índio poderia ser escravizado se fosse pego em "Guerra Justa“. Como não se estipulava o que seria guerra justa, o índio continuava sendo escravizado. A lei só funcionava nos papéis para Jesuítas verem.
  28. 28. Guerra dos Emboabas (MG – 1708-1710)
  29. 29. Guerra dos Emboabas (MG – 1708-1710) Os paulistas foram os pioneiros na descoberta das jazidas de metais preciosos (em Minas Gerais). Julgavam- se no direito de possuir a exclusividade de extração destes, não aceitando que forasteiros, em sua maioria baianos e portugueses, também se beneficiassem da atividade. Estas discrepâncias entre bandeirantes, colonos da Bahia e portugueses acabaram desencadeando um conflito armado. Neste, os emboabas saíram vitoriosos, visto que estavam em maior número, possuíam mais e melhores armamentos e tinham o apoio do Estado português, para o qual interessava que um maior número possível de mineradores explorasse a região. Afinal, quanto maior fosse a mineração, mais ouro seria extraído e conseqüentemente mais lucro teria a metrópole.
  30. 30. Guerra dos Mascates (PE – 1710)
  31. 31. Guerra dos Mascates (PE – 1710) A Aristocracia Rural Olindense, produtora de açúcar, vinha empobrecendo com a crescente desvalorização deste produto devido à crise açucareira. X Os Comerciantes Recifenses (mascates) estavam prosperando com o intenso comércio que se praticava na região e com os empréstimos que faziam a altos juros aos olindenses falidos.
  32. 32. Guerra dos Mascates (PE – 1710) À medida que os mascates ganhavam importância econômica, mais se incomodavam com a condição de subordinação política a Olinda, estabelecida pelo fato de ser apenas da segunda o título de Município, implicando que se localizasse e fosse comandada por esta Câmara Municipal, força política de ambas as regiões. Muito insatisfeito com a condição de freguesia de Olinda e com as decisões políticas que barganhavam as crescentes dívidas da elite rural, Recife busca a autonomia junto a Portugal. Inicialmente a Coroa pendeu para o lado dos proprietários de terra, mas não deixando de ignorar a importância cada vez maior dos comerciantes, o governo luso acabou por, em 1709, privilegiá-los, elevando a fre- guesia à categoria de município, com sua própria Câmara Municipal. Os olindenses, inconformados, invadem e dominam os reci- fenses, nomeando um governador. A reação local gera um conflito armado que prossegue até a chegada de um novo governador enviado pelo Reino. Este prende os principais envolvidos na revolta e mantém a autonomia de Recife, que no ano seguinte viria a ser elevado a categoria de sede administrativa de Pernambuco.
  33. 33. Revolta de Vila Rica ou Filipe dos Santos (MG – 1720)
  34. 34. Revolta de Vila Rica ou Filipe dos Santos (MG – 1720) Revolta contra a rigorosa política fiscal e opressiva tributação. A causa imediata foi a criação das Casas de Fundição, onde 20% do ouro extraído era confiscado como imposto à Portugal. Rebeldes fazem suas exigências ao governador, que fingiu aceitá-las até que conseguisse organizar uma ofensiva, reunindo forças militares necessárias. Os rebeldes foram aprisionados e alguns mandados para o exílio. Filipe dos Santos foi enforcado, as Casas de Fundição mantidas e ocorreu a separação das capitanias de São Paulo e Minas Gerais, aumentando a autoridade real sobre ambas.
  35. 35. Guerras Guaraníticas (RS... – 1750-1756)
  36. 36. Guerras Guaraníticas (RS... – 1750-1756)
  37. 37. Movimentos coloniais ocorridos já num quadro de crise do Sistema Colonial, caracterizados por um ideal de nação e por possuírem a consciência de que a solução para os problemas coloniais só poderia vir com a independência.
  38. 38. Fatores:  crescimento interno da colônia;  declínio português e aumento da exploração;  Revolução Industrial;  influência das idéias iluministas;  o exemplo do EUA (independência).
  39. 39. Conjuração Mineira (1789) Causas Econômicas: Cobrança de impostos, principalmente com a instituição da Derrama (medidas autoritárias que provocaram descontentamento e revoltou os proprietários mineiros). Ideológicas: O Iluminismo e a Independência dos EUA em 1776 ou Revolução Americana.
  40. 40. Conjuração Mineira (1789) Objetivos  Sonhavam ver o Brasil independente, uma luta pela independência local de Minas Gerais e a capital seria São João Del Rey.  Implantar uma República Presidencialista (1787 - Constituição de George Washington).  Pretendiam implantar universidades que ainda não existia no Brasil, o fato deve-se a alguns líderes serem intelectuais.  Modernização com indústrias, a preocupação era consequência do documento Alvará (proíbe a instalação de indústrias no Brasil), de 1785, assinado pela Rainha D. Maria I (a louca).
  41. 41. Conjuração Mineira (1789) O Desfecho  O primeiro movimento emancipacionista, mas não saiu do papel. Joaquim Silvério traiu o movimento com medo de dar errado e futuras repressões de Portugal, delatou a revolta que ocorreria na cobrança da derrama ao governador Visconde de Barbacena em troca de favores pessoais.  A derrama foi cancelada e todos os envolvidos foram presos, e assim começa a devassa que seria o julgamento para descobrir o líder. O processo se arrastou por 2 anos, um dos principais líderes Cláudio Manoel da Costa morre torturado, mas na versão oficial se suicidou, mesmo com as torturas todos negaram participação, ...
  42. 42. Conjuração Mineira (1789) O Desfecho (continuação) ... mas o único a assumir participação durante a devassa foi o Alferes (aspirante a militar) Joaquim da Silva Xavier (Tiradentes) que seria o mais humilde e apaixonado pela revolta. O governo concluiu a devassa e condenou todos a pena de morte, mas a sentença não foi executada. Provavelmente a rainha D. Maria foi pressionada pela maçonaria portuguesa e, com isto, a pena foi substituída pelo degredo perpétuo de trabalho forçado na África.  A rainha não altera a sentença de Tiradentes (foi enforcado no dia 21/04/1792 no Rio de Janeiro) porque alguém teria que pagar e servir de exemplo para que novas rebeliões não ocorressem.
  43. 43. Conjuração Mineira (1789) Mais uma consideração  Concluindo, é importante perceber que a Inconfidência Mineira foi uma revolta típica de proprietários, extremamente elitista nos seus objetivos, pois não apresenta proposta para mudar a estrutura social do Brasil, em nenhum momento atacou a escravidão.
  44. 44. Conjuração Baiana (1798) – “Revolta dos Alfaiates”  Tem origem e liderança popular. Buscavam principalmente mudanças sociais e foi o primeiro movimento no Brasil a se posicionar contra a escravidão.  1797 - Abre a primeira loja maçônica do Brasil "Cavaleiros da Luz" de Cipriano Barata, médico dos pobres que procurava divulgar em Salvador as ideias da Revolução Francesa que estava acontecendo na época. A maçonaria divulga as ideias, mas não participa da conjuração.  Líderes: todos mulatos de classe baixa que viviam na periferia de Salvador. Influenciados pelas ideias da Revolução, começam a planejar a revolta, mas ingênuos espalham cartazes chamando as pessoas para a luta. Com isso o governo vê e descobre tudo, enforca os alfaiates João de Deus e Manoel Faustino e os soldados Lucas Dantas e Luiz Gonzaga. O movimento fracassou por ser popular demais.
  45. 45. 2 3 4
  46. 46. www.historiasdomedeiros.blogspot.com

×