Farmacocinética – Distribuição,
biotransformação, excreção.
Profª Ms. Ana Carla Comune
UNIFIA
Ligação à proteínas plasmáticas
• Fármacos ⇒ circulação
sanguínea ⇒ ligam à proteínas
plasmáticas ⇒ afinidade ⇒
albumina e...
• Sítios receptores dos fármacos ⇒ receptores
silenciosos ⇒ não gera efeitos biológicos.
• Fração farmacológica ⇒ fração d...
• Interação fármaco e proteína ⇒ interação dinâmica
⇒ reversível ⇒ equilíbrio entre forma ligada e não
ligada.
• Complexo ...
• Sítios protéicos de ligação dos fármacos ⇒ saturação
⇒ ⇑ [ ] fármaco ⇒ ⇑ forma livre ⇒ ligação saturada
em [ ] muito alt...
• Interação fármacos ⇒ moléculas intra e
extracelulares – proteínas de membrana
celulares, ácidos nucléicos, polipeptídeos...
• Humanos ⇒ não consegue determinar a
quantidade de fármaco nos tecidos ⇒
acompanhar a [ ] fármaco no sg ou plasma ⇒
relaç...
• Compartimento ⇒ quantificação dos processos
farmacocinéticos ⇒ distribuição dos
medicamentos no organismo.
• Compartimen...
• Interpretação dos modelos farmacocinéticos ⇒
matemáticos.
• ⇒ Distribuição fármaco ⇒ volume de
distribuição ativa ⇒ Corp...
Compartimento Farmacocinético e
Volume de Distribuição
Concentração = Quantidade que se
torna Volume = Quantidade
Volume C...
• Constante de proporcionalidade fictícia ⇒ [ ]
medicamentos X quantidade de fármaco conhecida
no organismo.
• ⇒ Domingues...
• Tempo gasto para que a [ ] plasmática ou
quantidade original de um fármaco se
reduza a metade ⇒ observação da
concentraç...
• Css ⇒ concentração plasmática
média no estado de equilíbrio ⇒
posologia ⇒ administração de
medicamentos em doses repetid...
•Meia-vida de eliminação ⇒
velocidade do desaparecimento
do fármaco após a administração
de uma dose ou após o término da
...
• Biotransformação ⇒ reações químicas ⇒
enzimas ⇒ oxidação, redução hidrólise e
conjugação ou acetilação.
• Metabólito ⇒ b...
•Reações ⇒ retículo
endoplasmático do fígado e de
outros tecidos ⇒ homogeneização
desses tecidos ⇒ RE rompido ⇒
microssoma...
Biotransformação de FármacosBiotransformação de Fármacos
• Enzimas
microssomais ⇒
citocromo P450
⇒ catalisa
reações
oxidan...
Biotransformação de FármacosBiotransformação de Fármacos
• ⇒ Enzimas não
microssomais ⇒
diaminoxidase (DAO)
e monoaminoxid...
• Conseqüências ⇒ (xenobióticos);
consiste em carregar eletricamente o
fármaco para que, ao passar pelos
túbulos renais, n...
xenobióticos pelas hidroxilases da
família citocromo P-450
xenobióticos pelas hidroxilases da
família citocromo P-450
Biotransformação de FármacosBiotransformação de Fármacos
• Produção de compostos ativos.
• Influenciada pela via de
admini...
• Fármacos ⇒ aumentam síntese de
proteínas ⇒ maior velocidade de
biotransformações ⇒ reduz a
disponibilidade do próprio fá...
Inibição EnzimáticaInibição Enzimática
• Níveis levados
do fármaco
original ⇒ efeito
prolongado
maior ⇒
administração
crôn...
• Eliminação dos fármacos ⇒
biotransformação ou excreção.
• Excreção ⇒ passagem dos fármacos
da circulação sanguínea para ...
• Órgãos de excreção dos fármacos ⇒ rins,
pulmões, suor, glândulas lacrimais e
salivares, mama(leite materno) e tubo
diges...
• Substâncias ativas excretadas nas
fezes ⇒ ingeridas via oral ⇒ não
absorvidos pelo TGI.
• Substâncias excretadas via bil...
• Excreção renal dos fármacos ⇒
formação da urina ⇒ função néfron
• filtração glomerular.
• secreção tubular ativa.
• reab...
• Fármaco filtrado luz tubular ⇒ eliminado com
urina ou reabsorvido pelo epitélio glandular.
• Quantidade e velocidade do ...
• Reabsorção tubular renal ⇒ de ácidos e bases fracas
em suas formas não ionizadas (lipossolúveis ) ⇒ difusão
passiva a ní...
• Fatores fisiológicos / patológicos ⇒
alteram a função renal ⇒
insuficiência renal, idade.
Excreção RenalExcreção Renal
• Indica a remoção completa de
determinada substância de um
volume específico de sangue na
unidade de tempo.
• Depuração ....
Aula 3.2 -_farmacocinetica_-_distribuicao_biotransformacao_excrecao
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Aula 3.2 -_farmacocinetica_-_distribuicao_biotransformacao_excrecao

1.365 visualizações

Publicada em

Aula de Farmacocinetica

Publicada em: Ciências
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.365
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
71
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula 3.2 -_farmacocinetica_-_distribuicao_biotransformacao_excrecao

  1. 1. Farmacocinética – Distribuição, biotransformação, excreção. Profª Ms. Ana Carla Comune UNIFIA
  2. 2. Ligação à proteínas plasmáticas • Fármacos ⇒ circulação sanguínea ⇒ ligam à proteínas plasmáticas ⇒ afinidade ⇒ albumina e alfa-1- glicoproteína ácida – ou – proteínas eritrócitos ⇒ lipoproteínas circulantes ⇒ leucócitos ⇒ plaquetas ⇒ transportadoras – globulina e transferrina. Albumina Glicoproteína
  3. 3. • Sítios receptores dos fármacos ⇒ receptores silenciosos ⇒ não gera efeitos biológicos. • Fração farmacológica ⇒ fração do fármaco não ligado que atravessa a membrana – disponível para interação com receptores. Fração ligada ⇒ farmacologicamente inerte. Ligação à proteínas plasmáticas
  4. 4. • Interação fármaco e proteína ⇒ interação dinâmica ⇒ reversível ⇒ equilíbrio entre forma ligada e não ligada. • Complexo fármaco – proteína ⇒ reservatório temporário ⇒ retarda chegada do fármaco aos órgãos alvo e sítios de eliminação. • Ligação proteína forte ⇒ ⇓ intensidade de ação do fármaco ⇓ concentração máxima ⇒ altera resposta clínica. • Ligação proteína fraca ⇒ ⇑ intensidade de ação do fármaco. Ligação à proteínas plasmáticas
  5. 5. • Sítios protéicos de ligação dos fármacos ⇒ saturação ⇒ ⇑ [ ] fármaco ⇒ ⇑ forma livre ⇒ ligação saturada em [ ] muito altas. • Relação fração livre / fração ligada ⇒ influenciada ⇒ [ ] proteínas plasmáticas ⇒ hipoalbunemia por cirrose, síndrome nefrótica, desnutrição grave, gestação, idosos, etc. • Competição dos fármacos ⇒ sítios de ligação protéica ⇒ fração livre no plasma ⇒ quando ligar a proteína alterar sua estrutura 3ª. • Fármacos ligantes e endógenos ⇒ competem ⇒ hormônios, bilirrubina. Ligação à proteínas plasmáticas
  6. 6. • Interação fármacos ⇒ moléculas intra e extracelulares – proteínas de membrana celulares, ácidos nucléicos, polipeptídeos ⇒ influenciar a distribuição. Ligação à proteínas plasmáticas
  7. 7. • Humanos ⇒ não consegue determinar a quantidade de fármaco nos tecidos ⇒ acompanhar a [ ] fármaco no sg ou plasma ⇒ relação qtde de fármaco no plasma e no restante do organismo. Compartimento Farmacocinético e Volume de Distribuição
  8. 8. • Compartimento ⇒ quantificação dos processos farmacocinéticos ⇒ distribuição dos medicamentos no organismo. • Compartimentos vascular e tecidual ⇒ atribuídos volumes ⇒ fictícios. Compartimento Farmacocinético e Volume de Distribuição
  9. 9. • Interpretação dos modelos farmacocinéticos ⇒ matemáticos. • ⇒ Distribuição fármaco ⇒ volume de distribuição ativa ⇒ Corpo ⇒ vários compartimentos ⇒ dose administrada ⇒ [ ] sanguínea ⇒ volume do compartimento ⇒ volume aparente da distribuição (Vd). Compartimento Farmacocinético e Volume de Distribuição
  10. 10. Compartimento Farmacocinético e Volume de Distribuição Concentração = Quantidade que se torna Volume = Quantidade Volume Concentração Assim, Vd = D onde: D = Dose e C = Concentração Concentração = Quantidade que se torna Volume = Quantidade Volume Concentração Assim, Vd = D onde: D = Dose e C = Concentração
  11. 11. • Constante de proporcionalidade fictícia ⇒ [ ] medicamentos X quantidade de fármaco conhecida no organismo. • ⇒ Domingues ⇒ concentração plasmática do fármaco é aquela observada após a absorção e distribuição e antes da eliminação. • ⇒ Vd pequeno ⇒ captação pelos tecidos limitada. • ⇒ Vd grande ⇒ ampla distribuição nos tecidos ⇒ fármacos lipofílicos ⇒ captação tecidual extensa. Compartimento Farmacocinético e Volume de Distribuição
  12. 12. • Tempo gasto para que a [ ] plasmática ou quantidade original de um fármaco se reduza a metade ⇒ observação da concentração no plasma ⇒ parâmetro farmacocinético ⇒ rapidez que o processo ocorre ⇒ interpretação efeitos terapêuticos / tóxicos do fármaco, duração efeito farmacológico e posologia. Meia-vida biológica (T 1/2)
  13. 13. • Css ⇒ concentração plasmática média no estado de equilíbrio ⇒ posologia ⇒ administração de medicamentos em doses repetidas, intervalos regulares ⇒ manutenção ⇒ reposição de parte do fármaco que está sendo eliminado. Meia-vida biológica (T 1/2)
  14. 14. •Meia-vida de eliminação ⇒ velocidade do desaparecimento do fármaco após a administração de uma dose ou após o término da terapia. Meia-vida biológica (T 1/2)
  15. 15. • Biotransformação ⇒ reações químicas ⇒ enzimas ⇒ oxidação, redução hidrólise e conjugação ou acetilação. • Metabólito ⇒ biotransformação de fase I (oxidação, redução e hidrólise) e de fase II (conjugação ou acetilação) • Fígado ⇒ sítio de biotransformação dos fármacos. • Outros tecidos ⇒ rins, pele, pulmão, sangue e TGI. Biotransformação de FármacosBiotransformação de Fármacos
  16. 16. •Reações ⇒ retículo endoplasmático do fígado e de outros tecidos ⇒ homogeneização desses tecidos ⇒ RE rompido ⇒ microssomas ⇒ enzimas microssomais. Biotransformação de FármacosBiotransformação de Fármacos
  17. 17. Biotransformação de FármacosBiotransformação de Fármacos • Enzimas microssomais ⇒ citocromo P450 ⇒ catalisa reações oxidantes e redutoras ⇒ lipossolúvel.
  18. 18. Biotransformação de FármacosBiotransformação de Fármacos • ⇒ Enzimas não microssomais ⇒ diaminoxidase (DAO) e monoaminoxidase (MAO) ⇒ origem mitocondrial ⇒ ligadas a membrana ⇒ desaminam aminas primárias, aldeídos e cetonas, catalisam reações hidrolíticas.
  19. 19. • Conseqüências ⇒ (xenobióticos); consiste em carregar eletricamente o fármaco para que, ao passar pelos túbulos renais, não seja reabsorvido, ou ainda torná-lo polar, hidrossolúvel, capaz de ser excretado, inativa o fármaco, modifica pontos fundamentais de sua estrutura, diminui a possibilidade de que chegue aos tecidos susceptíveis. Biotransformação de FármacosBiotransformação de Fármacos
  20. 20. xenobióticos pelas hidroxilases da família citocromo P-450 xenobióticos pelas hidroxilases da família citocromo P-450
  21. 21. Biotransformação de FármacosBiotransformação de Fármacos • Produção de compostos ativos. • Influenciada pela via de administração. • Via oral ⇒ circulação sistêmica ⇒ sistema porta hepático ⇒ absorção fígado. • Capacidade de biotransformação pode ser alterada ⇒ fatores fisiológicos, patológico, genéticos, ambientais e interação entre fármacos.
  22. 22. • Fármacos ⇒ aumentam síntese de proteínas ⇒ maior velocidade de biotransformações ⇒ reduz a disponibilidade do próprio fármaco. Ex: glicocorticóides e anticonvulsivantes. Indução EnzimáticaIndução Enzimática
  23. 23. Inibição EnzimáticaInibição Enzimática • Níveis levados do fármaco original ⇒ efeito prolongado maior ⇒ administração crônica. Ex: cimetidina e cetoconazol.
  24. 24. • Eliminação dos fármacos ⇒ biotransformação ou excreção. • Excreção ⇒ passagem dos fármacos da circulação sanguínea para o meio externo ⇒ removidos do organismo. Excreção de FármacosExcreção de Fármacos
  25. 25. • Órgãos de excreção dos fármacos ⇒ rins, pulmões, suor, glândulas lacrimais e salivares, mama(leite materno) e tubo digestivo (fezes e secreção biliar); destes o rim se destaca nesta função e, os demais, afora os pulmões para as substâncias voláteis, são quantitativamente menos importantes. Excreção de FármacosExcreção de Fármacos
  26. 26. • Substâncias ativas excretadas nas fezes ⇒ ingeridas via oral ⇒ não absorvidos pelo TGI. • Substâncias excretadas via biliar ⇒ alto peso molecular, polares. Excreção de FármacosExcreção de Fármacos
  27. 27. • Excreção renal dos fármacos ⇒ formação da urina ⇒ função néfron • filtração glomerular. • secreção tubular ativa. • reabsorção tubular passiva. Excreção RenalExcreção Renal
  28. 28. • Fármaco filtrado luz tubular ⇒ eliminado com urina ou reabsorvido pelo epitélio glandular. • Quantidade e velocidade do fármaco que entra na luz tubular ⇒ fração ligada à proteína plasmática, taxa glomerular e fluxo plasmático renal. • Substâncias de caráter ácido ⇒ ácido úrico. • Substâncias de caráter básico ⇒ sistema que secreta bases endógenas. Excreção RenalExcreção Renal
  29. 29. • Reabsorção tubular renal ⇒ de ácidos e bases fracas em suas formas não ionizadas (lipossolúveis ) ⇒ difusão passiva a nível dos túbulos proximal e distal, ⇒ bidirecional ⇒ água é progressivamente abstraída do lúmen tubular ao longo do néfron, o aumento da concentração intralumial do fármaco cria um gradiente de concentração para retrodifusão ⇒ mecanismo é influenciado pelas propriedades físico-químicas do fármaco e pH urinário. Ácidos orgânicos fracos⇒ não se dissociam em pH ácido ⇒ reabsorvidos ⇒ acelerar sua excreção alcalinizando a urina ⇒ formas ionizadas não livremente difusíveis. Excreção RenalExcreção Renal
  30. 30. • Fatores fisiológicos / patológicos ⇒ alteram a função renal ⇒ insuficiência renal, idade. Excreção RenalExcreção Renal
  31. 31. • Indica a remoção completa de determinada substância de um volume específico de sangue na unidade de tempo. • Depuração . ClearanceClearance

×