ESPIRITUALIDADE:
   ALGUMAS
  REFLEXÕES

       Jean Bartoli
   jeanbartoli@uol.com.br
O SER HUMANO ?

Natura

Cultura

Aventura
                     Carlos Josafá
PARADOXOS DA NOSSA REALIDADE

                         Controle     Autonomia
MATERIAL
 Tangível
              Posse      ...
SER HUMANO
Projeto de realização

Feixe de virtualidades

Possibilidade de fracasso, de fixação e de
desvios.
A CONSCIÊNCIA

      CRÍTICA




      SAPIENCIAL
VÁRIOS NÍVEIS DA
   EXPERIÊNCIA HUMANA
NÍVEIS DE    SENTIR      CONHECER AGIR
EXISTÊNCIA
FUNÇÕES      Perceber    Analisar...
EGO
Conhecimento : Verdade




                                 Socialização
   SER HUMANO




     Afetividade
          ...
HARMONIA PRIMITIVA
                Passado




  REAL                          APARÊNCIAS
  SER                           ...
RAZÕES DA ALIENAÇÃO
Nossa fuga de responsabilidade pessoal. Perdemos
o contato conosco mesmos porque permitimos que
outra ...
DESPERTAR ESPIRITUAL
       HOJE?
       HOJE?
Recurso ao ocultismo
Interesse pela meditação oriental
Movimentos religioso...
TRÊS INTERROGAÇÕES
   SOBRE O HOMEM
Sua unidade e sua unicidade
Sua margem de liberdade e
sua responsabilidade moral
Sua m...
O INDIVÍDUO NAS
    TRADIÇÕES
   RELIGIOSAS:
ALGUNS EXEMPLOS.
RELAÇÃO DE INCLUSÃO ENTRE TRÊS ESFERAS

               BIOSFERA


             ESFERA HUMANA




                ESFERA
  ...
HOMEM EGÍPCIO
       ROSTO:
  Sentimentos, Sombra


     CORAÇÃO:
      Consciência

       NOME
    Essência do ser
     ...
HOMEM BÍBLICO
    TERRA
    Adamah
    HOMEM:
     Bassar
     Nefesh

     DEUS
    NESHAMA
    Respiração
     RUAH
    ...
O HOMEM GREGO

        Soma
       Psyché:
   Percepção, razão,Intuição,
  pensamento (lógico e prático)


        Nous:
 ...
HOMEM MAYA
    CABEÇA:
 Consciência e razão


   CORAÇÃO:
  Estados da alma

     FÍGADO:
   Sentimentos e
 Paixões irraci...
O HOMEM AFRICANO
Multiplicidade dos elementos constitutivos de
nossa natureza.
Tendência à dispersão
Equilíbrio instável: ...
BUDISMO: QUATRO
  VERDADES NOBRES
Existência da dor
Sua causa
Os meios para eliminá-la
Sua extinção
Soma

Psyché

Thymos




         Modelo: Fukuyama
SOMA
  Corpo

  Alma            PSYCHÉ



Coração               THYMOS
  (Espírito            NOUS
Eu profundo)
Epithymia
 Parte cobiçosa
  Thymos
Parte emotiva

   Nous
Parte espiritual




                   Modelo: Evágrio Pôntico
O CORAÇÃO... INTELIGENTE
O coração significa na Bíblia e na tradição cristã,
principalmente oriental, o que o espírito ou ...
PENSAMENTOS QUE PODEM
     DOMINAR O HOMEM
   EPITHYMIA                      THYMOS                        NOUS
(PARTE COB...
GRANDES TEMAS
  PRESENTES NA
BUSCA ESPIRITUAL
   E RELIGIOSA
TRÊS GRANDES TEMAS
O mal, a morte e o sofrimento
A salvação, as libertação e a
felicidade
A ética, uma lei e alguns
mandam...
O MAL
Buda: tudo é dor porque tudo é
impermanente.
Gregos: o mal decorre essencialmente
da liberdade humana.
Judeo-cristia...
A SALVAÇÃO, A
LIBERTAÇÃO, A FELICIDADE
Buda: o nirvaná é a extinção da sede e do desejo,
atingida por uma tomada de consci...
OS CAMINHOS, A LEI, A
        ÉTICA
A ação ritual integra-se na concepção de uma
ordem do mundo ou das coisas garantida pe...
BIG BANG E CABALA

O universo teve início com uma explosão e algum
resíduo do tremendo calor desprendido seria uma
radiaçã...
PARALELOS ENTRE FÍSICA
MODERNA E MISTICISMO ORIENTAL
A unidade de todas as coisas
Além do mundo dos opostos
Espaço-tempo
O...
Fonte: Márcio Fabri dos Anjos

ALGUNS ASPECTOS DA
TEOLOGIA BÍBLICA
OS CÓDIGOS BÍBLICOS

CÓDIGO DE PUREZA       CÓDIGO DE ALIANÇA
 Experiência forte      Experiência fundante
 Israel estabel...
PERDÃO DOS PECADOS
   PROXIMIDADE DE DEUS
PUREZA                    ALIANÇA
  Ritual, culto            Justiça, Amor, Alia...
INCIDÊNCIA DOS CÓDIGOS
   NA CONCEPÇÃO DE DEUS
PUREZA                      ALIANÇA
  Santidade de Deus          Misericord...
A VIA DO AMOR
Cristianismo: no sentido de acolhida do outrro e
de doação, é o único caminho proposto pelo
Cristo.
Cabala: ...
FATORES CONSTITUTIVOS DA
 CONSCIÊNCIA OCIDENTAL
O conhecimento da morte : revelado no
Antigo Testamento.
O conhecimento da...
CONSEQÜÊNCIAS
O homem aceitou a realidade de sua morte e
construiu o sentido da sua vida física.
O homem aceitou a verdade...
ALGUNS
DESAFIOS
CONHECIMENTO
 Símbolo



Conhecimento
 Científico



 Símbolo


               Fonte: Eduardo Cruz
LINGUAGEM SIMBÓLICA
Existem duas espécies de sinais:
  Sinais arbitrários: puramente indicativos,
  remetem a uma realidad...
O SÍMBOLO

Lalande (Vocabulário técnico e crítico da
filosofia, editora Martins Fontes) define o
símbolo como “todo sinal ...
OS DOIS LADOS DO
        SÍMBOLO (Ricoeur)
A parte visível de todo símbolo autêntico possui três
  dimensões concretas:
 ...
ESPIRITUALIDADE E
         CULTURA
Uma sociedade possui uma cultura, no sentido
  profundo da palavra, somente quando é ca...
UMA ESPIRITUALIDADE
  CONTEMPORÂNEA?
Espiritualidade como opção fundamental e
horizonte significativo da existência.
Espir...
PROVÉRBIO ÁRABE
          Plante uma idéia
          e colherás um
          hábito
          Plante um hábito
          e...
UPANISHAD IV, 4.5
O que for a profundeza do teu ser,
assim será teu desejo.
O que for o teu desejo, assism será tua
vontad...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Espiritualidade

1.340 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo, Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.340
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
28
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Espiritualidade

  1. 1. ESPIRITUALIDADE: ALGUMAS REFLEXÕES Jean Bartoli jeanbartoli@uol.com.br
  2. 2. O SER HUMANO ? Natura Cultura Aventura Carlos Josafá
  3. 3. PARADOXOS DA NOSSA REALIDADE Controle Autonomia MATERIAL Tangível Posse Previsão Pertença Gratuidade ESPIRITUAL Seguimento Intangível Heteronomia Fonte: Eduardo Cruz
  4. 4. SER HUMANO Projeto de realização Feixe de virtualidades Possibilidade de fracasso, de fixação e de desvios.
  5. 5. A CONSCIÊNCIA CRÍTICA SAPIENCIAL
  6. 6. VÁRIOS NÍVEIS DA EXPERIÊNCIA HUMANA NÍVEIS DE SENTIR CONHECER AGIR EXISTÊNCIA FUNÇÕES Perceber Analisar Julgar TEÓRICAS FUNÇÕES Consentir Discernir/ Fazer PRÁTICAS Decidir PROJEÇÃO Sentir Desejar Realizar DE VIDA CULTURAS Associar Interpretar Transformar Márcio Fabri
  7. 7. EGO Conhecimento : Verdade Socialização SER HUMANO Afetividade Carlos Josafá
  8. 8. HARMONIA PRIMITIVA Passado REAL APARÊNCIAS SER ESTAR ESSÊNCIA EXISTÊNCIA RECONCILIAÇÃO Futuro Fonte: Eduardo Cruz
  9. 9. RAZÕES DA ALIENAÇÃO Nossa fuga de responsabilidade pessoal. Perdemos o contato conosco mesmos porque permitimos que outra pessoa ou outra influência qualquer tomam decisões pessoais em nosso lugar. Somos treinados e estimulados para distribuir nossa vida rigidamente em compartimentos. Disto resulta a perda do senso da nossa própria inteireza e de nossa integridade. Segue a impressão de confusão, de fragmentação da vida e de destruição da própria personalidade. Segue a pergunta: "De que modo podemos voltar a manter contato conosco mesmos?"
  10. 10. DESPERTAR ESPIRITUAL HOJE? HOJE? Recurso ao ocultismo Interesse pela meditação oriental Movimentos religiosos comunitários Sensibilidade diante da dimensão transcendente da experiência.
  11. 11. TRÊS INTERROGAÇÕES SOBRE O HOMEM Sua unidade e sua unicidade Sua margem de liberdade e sua responsabilidade moral Sua mortalidade.
  12. 12. O INDIVÍDUO NAS TRADIÇÕES RELIGIOSAS: ALGUNS EXEMPLOS.
  13. 13. RELAÇÃO DE INCLUSÃO ENTRE TRÊS ESFERAS BIOSFERA ESFERA HUMANA ESFERA ECONÔMICA René Passet
  14. 14. HOMEM EGÍPCIO ROSTO: Sentimentos, Sombra CORAÇÃO: Consciência NOME Essência do ser SOPRO Dom divino
  15. 15. HOMEM BÍBLICO TERRA Adamah HOMEM: Bassar Nefesh DEUS NESHAMA Respiração RUAH Sopro Genese
  16. 16. O HOMEM GREGO Soma Psyché: Percepção, razão,Intuição, pensamento (lógico e prático) Nous: Parte divina, Visão direta do Ser
  17. 17. HOMEM MAYA CABEÇA: Consciência e razão CORAÇÃO: Estados da alma FÍGADO: Sentimentos e Paixões irracionais
  18. 18. O HOMEM AFRICANO Multiplicidade dos elementos constitutivos de nossa natureza. Tendência à dispersão Equilíbrio instável: pode ser destruída por inimigos ocultos Busca de uma proteção oculta Primazia do invisível Dupla rede de dependências: – Vertical: ancestrais, gênios e deuses – Horizontal: ascendentes e colaterais do mesmo sangue.
  19. 19. BUDISMO: QUATRO VERDADES NOBRES Existência da dor Sua causa Os meios para eliminá-la Sua extinção
  20. 20. Soma Psyché Thymos Modelo: Fukuyama
  21. 21. SOMA Corpo Alma PSYCHÉ Coração THYMOS (Espírito NOUS Eu profundo)
  22. 22. Epithymia Parte cobiçosa Thymos Parte emotiva Nous Parte espiritual Modelo: Evágrio Pôntico
  23. 23. O CORAÇÃO... INTELIGENTE O coração significa na Bíblia e na tradição cristã, principalmente oriental, o que o espírito ou o “eu profundo” representam em outras tradições: o lugar não só da afetividade mas também da inteligência, do conhecimento, da escolha e da decisão. Seria, por assim dizer, o centro o mais central do ser humano, a interioridade mais interior onde o homem todo é chamado a se recolher e a superar-se. Poderia ser designado, também, como o “supra-consciente” onde domina não o princípio de prazer mas o desejo de significado, onde o homem se acha religado ao Absoluto pela sua irredutível liberdade.
  24. 24. PENSAMENTOS QUE PODEM DOMINAR O HOMEM EPITHYMIA THYMOS NOUS (PARTE COBIÇOSA) (PARTE EMOTIVA) (PARTE ESPIRITUAL) GULA TRISTEZA AMBIÇÃO (medo de morrer de (ser visto pelos outros) fome) LUXÚRIA CÓLERA INVEJA (refugiar-se num mundo (comparação de si de aparências) mesmo com os outros) COBIÇA ACÍDIA HYBRIS (ânsia por tranquilidade) (incapacidade de fazer-se (identificação com a presente no momento atual) imagem ideal) Evágrio Pôntico
  25. 25. GRANDES TEMAS PRESENTES NA BUSCA ESPIRITUAL E RELIGIOSA
  26. 26. TRÊS GRANDES TEMAS O mal, a morte e o sofrimento A salvação, as libertação e a felicidade A ética, uma lei e alguns mandamentos, alguns caminhos de libertação.
  27. 27. O MAL Buda: tudo é dor porque tudo é impermanente. Gregos: o mal decorre essencialmente da liberdade humana. Judeo-cristianismo: o mal decorre de um pecado voluntário, da ruptura da ordem querida por Deus.
  28. 28. A SALVAÇÃO, A LIBERTAÇÃO, A FELICIDADE Buda: o nirvaná é a extinção da sede e do desejo, atingida por uma tomada de consciência radical que conduz o homem num longo caminho ascético e cognitivo. Para os gregos, o ser humano é o único responsável pela busca da própria felicidade. O Islã concebe o acesso ao paraíso como pura concessão da vontade divina. O judeo-cristianismo promete uma salvação que é dom de Deus e participação do homem.
  29. 29. OS CAMINHOS, A LEI, A ÉTICA A ação ritual integra-se na concepção de uma ordem do mundo ou das coisas garantida pelos deuses. A noção de lei divina aparece nas religiões monoteístas. A lei remete a uma ética, reflexão sobre o ethos (conjunto de comportamentos que cria uma segunda natureza). Esta segunda natureza é adquirida pela prática de atos virtuosos.
  30. 30. BIG BANG E CABALA O universo teve início com uma explosão e algum resíduo do tremendo calor desprendido seria uma radiação cósmica de fundo que perpassaria todo o universo. Segundo a Cabala, antes da criação a divindade se concentrou num ponto que pertence à esfera do infinito, Ein Sof, a partir do qual o universo se expande. Algum resíduo da luz divina que explodiu naquele momento de expansão ainda persiste. Fonte: Friedman
  31. 31. PARALELOS ENTRE FÍSICA MODERNA E MISTICISMO ORIENTAL A unidade de todas as coisas Além do mundo dos opostos Espaço-tempo O universo dinâmico Vazio e forma A dança cósmica Simetrias Quark: um novo Koan? Padrões de mudança Interpenetração Fonte: Capra
  32. 32. Fonte: Márcio Fabri dos Anjos ALGUNS ASPECTOS DA TEOLOGIA BÍBLICA
  33. 33. OS CÓDIGOS BÍBLICOS CÓDIGO DE PUREZA CÓDIGO DE ALIANÇA Experiência forte Experiência fundante Israel estabelecido Exodo, libertação Templo Sair : busca do caminho Capital Jerusalém da vida Sacerdócio real Profetas e Juízes tentando Matriz Social reunir o povo em vista da vida.
  34. 34. PERDÃO DOS PECADOS PROXIMIDADE DE DEUS PUREZA ALIANÇA Ritual, culto Justiça, Amor, Aliança e Solidariedade Purificação, Denúnica profética da sacrifícios, ofertas atitude cultualista e para superar a proposta de atitudes impureza do pecado existenciais Pecado é violação da Abominação da injustiça e Lei, das prescrições. do descompromisso entre as pessoas.
  35. 35. INCIDÊNCIA DOS CÓDIGOS NA CONCEPÇÃO DE DEUS PUREZA ALIANÇA Santidade de Deus Misericordioso Teofanias Libertador Deus terrível, Se comove com quem vingativo, ciumento. sofre Deus causa morte Vingador do Deus gera privilégios : injustiçado alguns são escolhidos Proximidade com ele e privilegiados. gera vida Cria igualdades.
  36. 36. A VIA DO AMOR Cristianismo: no sentido de acolhida do outrro e de doação, é o único caminho proposto pelo Cristo. Cabala: Deus tem dois braços, o do rigor e o da graça. Budismo: a compaixão ativa para todos os seres vivos é uma intensificação da benevolência universal. Hinduismo: a bakhti significa instaurar uma relação amorosa com a divindade que permite uma união total com ela.
  37. 37. FATORES CONSTITUTIVOS DA CONSCIÊNCIA OCIDENTAL O conhecimento da morte : revelado no Antigo Testamento. O conhecimento da liberdade : revelada pela unicidade da pessoa nos ensinamentos de Jesus Cristo. O conhecimento da sociedade : revelada pelo fato que vivemos numa sociedade industrial. fonte : Karl Polanyi
  38. 38. CONSEQÜÊNCIAS O homem aceitou a realidade de sua morte e construiu o sentido da sua vida física. O homem aceitou a verdade de que pode perder a própria alma e que isto é pior do que a morte : nesta consciência fundamentou a própria liberdade. Aceitando sem se queixar a realidade da sociedade, acha coragem e força para tentar suprimir toda injustiça e todo atentado à liberdade. fonte : Karl Polanyi
  39. 39. ALGUNS DESAFIOS
  40. 40. CONHECIMENTO Símbolo Conhecimento Científico Símbolo Fonte: Eduardo Cruz
  41. 41. LINGUAGEM SIMBÓLICA Existem duas espécies de sinais: Sinais arbitrários: puramente indicativos, remetem a uma realidade significada, presente ou apresentável. Sinais alegóricos que remetem a uma realidade significada difícil de ser representada. Figuram concretamente uma parte da realidade por eles significada.
  42. 42. O SÍMBOLO Lalande (Vocabulário técnico e crítico da filosofia, editora Martins Fontes) define o símbolo como “todo sinal concreto que evoca, por uma relação natural, algo ausente ou impossível de ser percebido”. O símbolo vale por si e é a transfiguração de uma representação concreta, fazendo aparecer um sentido secreto: é a revelação de um mistério.
  43. 43. OS DOIS LADOS DO SÍMBOLO (Ricoeur) A parte visível de todo símbolo autêntico possui três dimensões concretas:  Cósmica: encontra sua figuração no mundo concreto  Onírica: encontra suas raízes nas lembranças, nos gestos que emergem dos nossos sonhos, parte muito concreta da nossa vida íntima.  Poética: jorra da linguagem mais viva e mais concreta. A parte invisível, de representações indiretas, de sinais alegóricos inadequados, constitui uma lógica a parte.
  44. 44. ESPIRITUALIDADE E CULTURA Uma sociedade possui uma cultura, no sentido profundo da palavra, somente quando é capaz de engajar-se a serviço de certos ideais, de certos mitos, de certas crenças. Ter uma cultura é saber situar-se em relação ao universo e aos outros homens, ao passado e ao futuro, ao prazer e ao sofrimento, à vida e à morte. Pierre Thuillier
  45. 45. UMA ESPIRITUALIDADE CONTEMPORÂNEA? Espiritualidade como opção fundamental e horizonte significativo da existência. Espiritualidade como experiência de Deus. Espiritualidade como compromisso com o mundo. Espiritualidade libertadora. Espiritualidade comunitária.
  46. 46. PROVÉRBIO ÁRABE Plante uma idéia e colherás um hábito Plante um hábito e colherás um caráter Plante um caráter e colherás um destino.
  47. 47. UPANISHAD IV, 4.5 O que for a profundeza do teu ser, assim será teu desejo. O que for o teu desejo, assism será tua vontade. O que for a tua vontade, assim serão teus atos. O que forem os teus atos, assim será teu destino.

×