054 batista

959 visualizações

Publicada em

impacto de vizinhança

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
959
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
48
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

054 batista

  1. 1. ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA (EIV) ERELATÓRIO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA (SIMPLIFICADO) IMPLANTAÇÃO DE TEMPLO RELIGIOSOIGREJA BATISTA DE BRAGANÇA PAULISTA Junho/2009 1
  2. 2. ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA (EIV) 1. INFORMAÇÕES GERAIS IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDIMENTOTrata-se de um prédio destinado a Templo Religioso e ensino Bíblico, comparticipação de crianças, jovens, adolescentes e adultos. IDENTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DO EMPREENDEDORTipo de Empreendimento: Entidade (Templo Religioso, Igreja e/ou Associação)Razão social: IGREJA BATISTA DE BRAGANÇA PAULISTAEndereço: Rua Inocêncio de Oliveira, nº 45 – Bairro do Taboão – BragançaPaulistaHorário de Funcionamento:Escritório: de segunda a sexta-feira das 8:00 às 17:00 hs;Cultos: as quarta-feiras, sexta-feiras e sábados das 20:00 às 21:00 hs; aosdomingos das 10:00 às 12:00 hs e das 19:30 às 21:00 hs.Numero de Funcionários: 5 funcionáriosTelefone: 11-4034-2828 // 11-4032-8547Responsável legal: Pr. Jesse Larghi Campos (Presidente)Pessoa de contato: Ruth Daniel de Souza (Secretária Executiva) IDENTIFICAÇÃO DO PROFISSIONAL RESPONSÁVEL PELO EIV/RIVNome: Cássio Cristóvão Teixeira – Engenheiro CivilEndereço: Avenida dos Imigrantes, 777 – Jd. América IICREA: 060.505.670-6Telefone: 11-4033-5821End. eletrônico: cassio@terga.com.br 2
  3. 3. 2. CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO LOCALIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTOO empreendimento ocupa um terreno com área de 7.250,18 m² no qual estasendo edificado um prédio com área de 1.276,87 m², e esta localizado à RuaEunice Ferraz Fernandes n. 14, Bairro do Taboão, na cidade de BragançaPaulista SP – Região Sul.Com base em documentação existente, a Igreja Batista de Bragança Paulistapossui Alvará de Construção de nº 418/2001 emitido pela Secretaria Municipalde Obras da Prefeitura do Município de Bragança Paulista em 18 de setembrode 2001 para construção de edificio, com área a construir aprovada de1.088,35 m².O início das obras ocorreram no ano de 2002 e se estendem até a presentedata (25 de maio de 2009).A fim de proceder as adequações e ampliações necessárias noempreendimento, verificadas no decorrer da construção, a Igreja Batista deBragança Paulista, protocolou em 26 de fevereiro de 2009 junto a SecretariaMunicipal de Obras da Prefeitura do Município de Bragança Paulista processopara Conservação e Ampliação de Edificio para Templo Religioso, com áreatotal a construir de 1.276,87m².A Edificação segue atendendo às Leis Municipais, Código de Urbanismo deBragança Paulista (Lei Complementar nº 556/2007), Plano Diretor do Municipiode Bragaça Paulista (Lei Complementar nº 534/2007), Código Sanitário(Decreto nº 12.342/1978), Decreto nº 339/2007 que regulamenta a LeiComplementar nº 561/2007 e Decreto nº 46.076/2001.A construção encontra-se totalmente edificada, coberta, vidros e portasinstaladas, com acabamentos externos de revestimento e pintura concluídossendo procedidos as etapas dos acabamentos internos de revestimento epintura. 3
  4. 4. FIGURA 1 – Localização do empreendimentoConforme art. 141 da Lei Complementar nº 556 de 20 de julho de 2007, e art.156 da Lei Complementar nº 534 de 16 de abril de 2007 enquadra-se naRegião Administrativa V – R.A. do Lavapés, e quanto ao Macrozoneamentocomo I – MUR – Macrozona Urbana, localizado na Zona Especial nivel 8 (ZE8),definida quanto a Classificação das Permissões de uso para “Edificios eespaços públicos de esportes,..., cemitérios, igrejas, cinemas, teatros,entidades beneficenes, associações e similares”.O acesso principal será pelo terreno localizado à Rua Inocêncio de Oliveiranº 45, lote nº 07 da quadra G, ficando com acesso secundário pela Rua EuniceFerraz Fernandes n. 14 4
  5. 5. Figura 2 – Localização do empreendimento conforme Código de UrbanismoO empreendimento é servido por rede de água, energia elétrica e telefonia,possuindo disponibilidade para o atendimento sem qualquer implicação aosconsumidores na região do entorno.Esta área em especial, por se tratar de gleba remanescente, não possue redede esgoto, portanto, foi previsto em seu projeto a captação e tratamentoatravés de fossa septica e poço sumidouro com dimensões adequadas esuficientes para atender a demanda de uso.Há linha de Transporte Coletivo com ponto de ônibus na Rua Inocêncio deOliveira, em frente ao lote nº 06 da quadra G. DESCRIÇÃO DO EMPREENDIMENTO E SUA FINALIDADEO empreendimento tem como finalidade básica a utilização para o estudosistemático dos ensinamentos bíblicos e doutrinas cristã, bem como cultoscomunitários, promovendo o reino de Deus em todos os aspectos, por todos osmeios eticamente lícitos, declarando as Sagradas Escrituras como única regra 5
  6. 6. de fé e prática. Com fins não econômicos e associada a Convenção Batista doEstado de São Paulo.Um batista é um membro de uma denominação cristã protestantecaracterizada pela rejeição ao batismo infantil, optando em seu lugar pelobatismo mediante a confissão da fé, geralmente através da imersão. Por causadesta pratica o movimento recebeu o nome de Batista no sec. XVII. Seguindo acomissão dada por Cristo, bem como o modelo das Escrituras, os Batistaspraticam o batismo por imersão – como uma exposição pública de sua fé. Otermo “batista” tem suas origens com os anabatistas (re-batizadores) cristãosda chamada “ala radical” da Reforma Protestante na Inglaterra no sec. XVII,são assim chamados porque os convertidos, mesmo já batizados quandoinfantes, eram batizados em idade adulta depois da livre escolha da fé.No ano de 2007 existiam 37 milhões de membros e 170 mil igrejas espalhadaspelo mundo, sendo que cerca de 2 milhões de membros no Brasil.(Wikipedia,2009).As instalações do empreendimento foi projetado a fim de atender a todos osrequisitos para a atividade proposta, atendendo ainda aos requisitos de uso eocupação do solo, contando com: amplo estacionamento; no nível térreo estalocalizado o hall de entrada com área adequada a recepção, provido comsanitários masculino, sanintário feminino, livraria, uma sala para secretaria,uma sala de apoio e salão para culto. No nível inferior conta com 7 salas deaulas, sanitário masculino, sanitário feminino, área para circulação e espera,cozinha, dispensa e varanda. 3. IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS NA ÁREA DE VIZINHANÇADurante a fase de implantação - Impactos e medidas mitigadoras,compatibilizadora e compensatórias:Durante a primeira etapa, considerou-se a limpeza mecanizada do terreno, comremoção da camada superficial de solo (vegetação rasteira) sem supressão deespécies arbóreas (uma vez que não há espécie arbória na área doempreendimento). Como medida compensatória deverá ser realizado arevegetação, principalmente nas áreas não impermeabilizada, pois segundo o 6
  7. 7. projeto a área impermeabilizada é de 13,51%, resultando em 86,49% de áreanão impermeabilizada.A movimentação de terra e escavações forão executados com cautela esegurança. O material proveniente da movimentação de terra (corte) eescavações forão reaproveitados no próprio terreno (aterro), evitando assim anecessidade do bota fora ser transportado e depositado em outra área,minimizando assim o impacto ambiental dessa ordem.A geração de entulhos e descartes provenientes da construção forãoacondicionados em containers adequados, utilizados quando posssivel naprópria obra e o excedente removidos para áreas adequadas e aprovadaspelos órgãos competentes.Durante a Operação ou funcionamento - Impactos e medidas mitigadoras,compatibilizadora e compensatórias:Na fase de funcionamento da Igreja Batista, não serão gerados impactossignificativos.Quanto a Infra-estrutura, o abastecimento de água, energia elétrica, serviçosde telecomunicações e coleta de lixo não sofrerão impactos, sendoclassificados como neutro, uma vez que compreenderá consumo normal paraempreendimento deste nível com capacidade de ser atendido pelasconcessionárias, devido a utilização em horários especificos.Com relação a drenagem de águas pluviais, na fase de execução doempreendimento, foi implantado sistema de captação a fim de atender ademanda de precipitação da área em estudo.O sistema de captação de águas pluviais é constituído de bocas de captação etubulações adequadas para o escoamento das águas pluviais, providas decaixas de retenção e dissipadores de energia, direcionando o excesso que nãofoi absorvido pelas áreas permeáveis para a rede de captação doempreendimento contíguo (Condomínio Empresarial Shopping Jaguari), a qual,pose-se verificar, tem capacidade para atender a demanda de escoamento. 7
  8. 8. Quanto aos níveis de ruídos provenientes da utilização e funcionamento doprédio, a fim de evitar impacto, deverão ser tomadas medidas mitigadoras deforma a manter os níveis de ruído e conforto acústico, como enclausuramentoda fonte com material absorvente na parte interna do edifíco, dentro dos limitesestabelecidos nas Normas NBR 10.151, NBR 10.152 e NBR 12.179.A NBR 10.151 estabelece para ambientes com áreas de utilização mistas(residencial e comercial) com vocação recreacional o valor de 65 dB(A) para operíodo diurno e de 55 dB(A) para o período noturno, sendo que o períodonoturno não deve começar depois das 22 horas e não deve terminar antes das7 horas do dia seguinte.Como a utilização do empreendimento se dará no periodo diurno, ou seja, das8 horas até as 22 horas, a Norma NBR 10.151 estabelece o limite em 65 dB(A),o qual deverá ser observado e mantido de forma a não caracterizar emimpacto negativo. Figura 3 – Vizinhança imediata composta por residências unifamilar. 8
  9. 9. Figura 4 – Vizinhança imediata e mediata composta por residências unifamilar.Figura 5 – Vizinhança imediata composta por residências unifamilar. 9
  10. 10. Figura 6 – Vizinhança mediata composta por prestação de serviços (fisioterapia)Figura 7 – Vizinhança mediata composta residência multi-familar. 10
  11. 11. 3. CONCLUSÕES E COMENTÁRIOS DE ORDEM GERALConcluimos através do Estudo de Impacto de Vizinhança e da avaliação dositens acima, que as atividades desenvolvidas e a serem desenvolvidas peloempreendimento são condizentes com a zona em que a mesma se localiza,não demandam alteração na infra-estrutura do loteamento e que as mesmasnão causam impacto significativo na vizinhança e seu entorno. Bragança Paulista, 05 de junho de 2009.__________________________________Igreja Batista de Bragança PaulistaPr. Jessé Larghi Campos – Presidente__________________________________Cássio Cristóvão TeixeiraEngenheiro Civil – CREA/SP: 060505670.6ART nº 92221220090404855 11
  12. 12. RELATÓRIO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA (RIV) IMPLANTAÇÃO DE TEMPLO RELIGIOSO IGREJA BATISTA DE BRAGANÇA PAULISTA Junho/2009 12
  13. 13. RELATÓRIO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA SIMPLIFICADOObjetivos e justificativas do projeto:Este Relatório de Impacto de Vizinhança foi desenvolvido para concessão delicença e autorizações de construção, regularização de ampliação e/oufuncionamento do empreendimento destinado ao uso da Igreja Batista deBragança Paulista.Visa adequar a atividade à qualidade de vida da população residente na áreaou nas proximidades, através de medidas preventivas evitando o desequilíbriono crescimento urbano e garantir condições mínimas de ocupação dos espaçoshabitáveis.Ressaltando o caráter preventivo do Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV), éum relatório técnico prévio, cujo conteúdo tem função de alertar e precaver osórgãos públicos quanto à repercussão do empreendimento no que se refere àsquestões ligadas a visibilidade, acesso, uso e estrutura do meio ambiente.  LEGENDA  VIZINHAÇA MEDIATA  VIZINHANÇA  IMEDIATA  ÁREA DO  EMPREENDIMENTO    VEGETAÇÃO  CURSO D’ÁGUA Figura 8 – Detalhe da vizinhança 13
  14. 14. 1. SÍNTESE DOS RESULTADOS DE DIAGNÓSTICO DE IMPACTONa infra-estrutura urbana:Este item está diretamente relacionado à provisão de equipamentos e serviçospúblicos e ao uso que deles faz a população. Há que se observar odimensionamento das redes e serviços, atentando-se a pouca ou a super-utilização, até mesmo sua insuficiência.Conforme observado no EIV o empreendimento não gerará impactos na infra-estrutura urbana local.Com relação ao abastecimento de água, estima-se 5 funcionários durante oexpediente comercial (das 8 às 17 horas), com consumo de aproximadamente30 litros de água por dia por usuário (uso comercial), determinamos o Consumomédio diário pela equação: Cm1 = hab x Cp x Du 7Onde:Cm1 = Consumo médio diário de todos os usuários (l/dia)Hab = número de usuários (5 usuários)CP = Consumo por usuário (30 l/dia)Du = Dias utilizados (5 dias)Substituindo temos: Cm1 = 5 x 30,0 x 5 Cm1 = 107,14 litros/dia 7Nos horários de culto, em 3 dias da semana com número máximo departicipantes na ordem de 500 pessoas e em horários pontuais de 3 horas deduração (das 19 às 22 horas) nos quais consideraremos como fator dedemanda 30% dos usuários, determinamos o Consumo médio diário pelaequação: Cm2 = hab x Cp x Du 7 14
  15. 15. Onde:Cm2 = Consumo médio diário nos cultos (l/dia)Hab = número de usuários (500x30%=150 usuários)CP = Consumo por usuário (30 l/dia)Du = Dias utilizados (3 horas em 3 dias equivalente 1,125 dia)Substituindo temos: Cm2 = 150 x 30,0 x 1,125 Cm2 = 723,21 litros/dia 7Somando Cm1 + Cm2 temos o total de 830,358 litros/diaTomando como base uma família com 5 membros, com consumo individualmédio de água na ordem de 200 litros/dia temos o total 1.000 litros/dia, comisso verificamos que mesmo se o empreendimento ampliar em 20,0% seuconsumo, a concessionária local responsável pelo abastecimento de águaconseguirá suprir tal demanda, pois corresponderá a uma residência.Portanto, com relação ao abastecimento de água, energia elétrica etelecomunicações, o empreendimento não fugirá dos padrões para esse tipo deatividade, havendo capacidade das concessionárias que atendem o municípiopara suprimento da demanda gerada.O local é atendido pelo serviço regular de coleta de lixo, não causandoqualquer tipo de impacto nesse serviço. O lixo gerado será basicamente do tipocomercial, resíduos sólidos como papel e embalagens, não gerando impacto aomeio ambiente, na coleta ou na destinação final.A drenagem das águas pluviais do empreendimento é ligada através decondutores e tubulações ligados à rede pública. Possuem ainda sistemas deretenção de areia e degraus dissipadores de energia de forma a não causarqualquer impacto nas redes públicas de drenagem ou qualquer tipo depoluição. 15
  16. 16. No sistema viário (relativo às movimentações de ruas, avenidas, praças,pontos de estacionamento, mobilidade de pessoas, etc.):Do ponto de vista viário, quanto à acessibilidade ao empreendimento, às viasmais importantes são as Avenidas Antonio Pires Pimentel (considerada viaarterial no Plano Diretor), Avenida Dom Pedro I (via rápida), Avenida Norte-Sul(considerado aqui como acesso indireto), Rua Marcelo Stefani, Rua EuniceFerraz Fernandes e Rua Inocêncio de Oliveira (considerado aqui como acessodireto)Figura 9 – sistema viário com rota de acesso ao empreendimentoFigura 10 – sistema viário com rota de escape ao empreendimento 16
  17. 17. O fluxo de veículos nas vias de acesso relativo à Avenida Antonio PiresPimentel, Avenida Dom Pedro I e Avenida Norte-Sul não foram levadas emconsideração quanto às variações de fluxo de veículos na via que dá acesso aoempreendimento por serem consideradas acesso indireto, pois já são vias degrande fluxo de veículos, atingindo pico máximo no horário comercial e caóticonos horários matinais das 7:00 as 9:00 hs; das 11:00 as 13:00 hs e das 17:30as 19:00 hs.A fim de verificar o real impacto no sistema viário, entende-se que o acessodireto, Rua Marcelo Stefani, Rua Eunice Ferraz Fernandes e Rua Inocêncio deOliveira serão as vias mais afetadas, principalmente quanto ao intervalo doshorários das atividades de utilização (das 19:30 as 21:00 hs) onde terão omaior fluxo de veículos, pois no horário comercial das 8:00 as 17:00 hs apenas5 funcionários terão acesso ao empreendimento, sendo que 3 funcionários seutilizam de veículos, portanto nos horários das atividades compreendido entre19:30 e 21:00 horas não afetará o acesso indireto, compreendido pelasAvenidas Antonio Pires Pimentel, Avenida Dom Pedro I e Avenida Norte-Sul.Partindo da premissa de que a Igreja Batista de Bragança Paulista possui nadata atual, 409 membros inscritos e que através de amostragem, participam emmédia 500 pessoas em seus cultos (celebração) e eventos, observou-se:1.- Média de veículos que acessam a Igreja Batista de Bragança Paulista140 veículos;2.- Média de pessoas que demandam utilização de transporte coletivo 80pessoasFoi aferido o fluxo local de veículos através da elaboração de uma pesquisa inloco, com a finalidade de verificar e apurar as variações de fluxo de veículos navia que dá acesso direto ao empreendimento no decorrer do dia (Rua Inocênciode Oliveira). A pesquisa foi efetuada em 2 dias úteis, representativo dasatividades comerciais normais, em intervalo de horário equivalente ao dofuncionamento e utilização da futura Igreja Batista de Bragança Paulista. Osdados foram coletados nos dias 15/05/2009 (das 7 às 8 hs e das 11 as 12 hs) e25/05/2009 (das 18:15 às 19:15 hs). 17
  18. 18. LEGENDA Área investigada Área do EmpreendimentoFigura 11 – Local da aferição do fluxo de veículosPara registrar o número de veículos foram consideradas três categorias deveículos: leves (carros de passeio e comerciais leve), pesados (ônibus ecaminhões) e ciclo motores (motocicletas). A Tabela 1 apresenta os resultadosda pesquisa.Tabela 1. Numero de Veículos por Hora. Horário Categorias 7:00 às 8:00 11:00 às 12:00 18:15 às 19:15 Leves 61 53 62 Pesados 3 6 0 Ciclo Motores 14 12 13Avaliando-se o gráfico, ao final da medição verifica-se um fluxo médio deveículos leves de 58 veículos/hora.Tendo em vista a via de acesso direto (Rua Inocêncio de Oliveira) estarinserida em área residencial e que a utilização do empreendimento pela Igreja 18
  19. 19. Batista de Bragança Paulista se dará após as 19 horas nos dias úteis e finaisde semana, conclui-se que o sistema viário não será afetado, portanto, nãocausando impacto significativo. Os 140 veículos no intervalo de utilização numavia de 9,00 metros de largura não acarretarão sobrecarga ao sistema viáriolocal.Quanto a área de estacionamento, de acordo com o anexo VIII, do PlanoDiretor, para as atividades a serem realizadas e localizadas fora do CentroTradicional, é exigida uma vaga para cada 50,00 m²., portanto para oempreendimento serão exigidas 25 vagas. O numero de vagas previstasconforme projeto de regularização e ampliação a ser aprovado pela Prefeituracontempla 86 vagas mais 2 vagas para portadores de necessidades especiaise pelo menos 10 vagas para ciclo motores.Tomando-se com premissa de que 140 veículos utilizarão do sistema viário eque o empreendimento comporta 86 veículos devidamente estacionados, osexcedentes equivalentes a 54 veículos ocuparão vagas de estacionamento noentorno mediato e imediato ao empreendimento, compreendendo as RuasInocêncio de Oliveira, Rua Prof. Maria Elisa Quadros Câmara e Rua EuniceFerraz FernandesVerifica-se que não há impacto significativo quanto à área de estacionamentodo excedente de veículos no entorno mediato e imediato ao empreendimento,devido a existência de locais vagos para demanda de estacionamento, noentanto, como medidas mitigadoras, o empreendedor disponibilizara pessoalparticular a fim de supervisionar, orientar, apoiar e realizar a segurança dosusuários e veículos no entorno, de forma a evitar o impacto a vizinhançaquanto aos locais de estacionamento não permitidos e/ou vagas de garagem eobstrução das vias públicas.Impacto ambiental (relativo a modificação da paisagem urbana, áreas verdes,áreas de preservação ambiental, cursos d’água, emissão de ruídos, etc.):Geração de Resíduos Sólidos:Dada a natureza da atividade a ser desenvolvida no local (Templo Religioso) eos insumos utilizados, prevê-se a geração de resíduos constituídosmajoritariamente por papel e plástico. Também serão geradas pequenas 19
  20. 20. quantidades de resíduos orgânicos, associados principalmente à alimentaçãodos funcionários, absorvido pela empresa de coleta municipal.Quanto ao Meio Físico:Ao analisar a compatibilidade entre a legislação aplicada ao uso e ocupação dosolo e a natureza da atividade a ser desenvolvida no local, verifica se que nãohá restrições legais a elas, bem como não haverá nenhum tipo de impactoassociado à atividade ao meio físico.A área situa-se em zona urbana (conforme EIV) com relevo plano a onduladolevemente acentuado, com boa capacidade de infiltração sem processoserosivos.O empreendimento a ser utilizado pela Igreja Batista de Bragança Paulistacompreende a edificação com 1.276,87 m² em terreno com área de 7.250,18m² com isso temos a taxa de ocupação de 13,51%, índice de aproveitamentode 0,17 e taxa de impermeabilização de 13,51% resultando em uma áreapermeável de 86,49%.A área compreende uma gleba de terras remanescente de desmembramento edesdobro.Quanto a ventilação e insolação, os estudos de sombras e alterações daventilação que podem ser gerados pela edificação indicam que em razão dalocalização do mesmo e devido aos recuos laterais, os principais efeitos serãoem áreas do próprio empreendimento. Quanto a legislação, não há restriçõesespecificas nesta área quanto ao gabarito de altura, observando a altura degabarito em 7,53 metros de acordo com o projeto arquitetônico.O entorno da área de interesse possui harmoniosa morfologia urbana combaixo índice de verticalização nas imediações considerada mediata, pois nasimediações considerada imediata, cerca de 200 metros o abairramento permiteedificações com até 4 pavimentos, fato que pode ser verificado através dasfiguras de 3 a 7 nas páginas 8, 9 e 10 do RIV.Quanto ao Meio Biótico:Ao examinar a área verifica-se que a mesma esta cercada e possui vizinhosnas laterais e entorno. Com relação à vegetação pode-se classificá-la comovegetação secundária em estágio pioneiro de regeneração (capim e mamona)não ocorrendo indivíduos arbustivos e ou arbóreo. 20
  21. 21. Com isso a modificação da paisagem urbana e com relação a áreas verdes eáreas de preservação ambiental não serão alteradas sem caracterização deimpacto.Com relação ao uso do solo, o impacto potencial negativo se dá com relaçãoàs áreas permeáveis decorrentes da supressão da vegetação rasteira (capim),podendo ocasionar erosões; como medidas mitigadoras foram verificadas apreocupação na captação das águas pluviais, com execução de caixas decaptação e retenção de areia, degraus dissipadores de energia e a vegetaçãoda área de entorno.Emissão de ruído:Devido ao tipo de utilização (Templo Religioso), na qual a atividadedesenvolvida pode interferir quanto aos níveis de ruído e conforto acústico,buscou se parâmetros através de aferição e avaliação no local, tendo comofinalidade constatar e relatar informações sobre as condições de ruídoambiental no entorno.O laudo técnico desta avaliação de ruído foi balizado pelas Normas pertinentes,NBR-10251 – Acústica – Avaliação do ruído em áreas habitadas, visando oconforto da comunidade – Procedimento e NBR-10152 – Níveis de ruído paraconforto acústico.Como metodologia verificou-se as constantes na NBR-10151.O equipamento utilizado foi um decibelímetro – medidor de pressão sonora,modelo DEC-460, tipo 2 – IEC60651, marca Instrutherm, nº de série 05043285,com calibrador interno eletrônico a 94 dB – 1kHz, com protetor de vento, modSB-01 da Instrutherm.As medições foram realizadas junto ao alambrado que cerca a área existenteno dia 12 de abril de 2009. O horário foi escolhido de forma a coincidir com ohorário de utilização (cultos), ou seja, às 19 horas e 30 minutos, sendorelevante que as medições deram-se no momento em que havia um conjuntomusical e um coral ensaiando com a participação de presentes, especialmenteconvidadas para a realização do laudo. 21
  22. 22. A seguir a figura 12 com o croqui do local com os pontos de medição.Figura 12 – Croqui do local e pontos de mediçãoA medição 1, realizada na lateral do prédio, foi feita na direção das portas desaída existentes abertas e com os vitrôs existentes abertos.Nas medições de referência, sem som interno, as janelas foram fechadas para,minimizar interferências no ambiente.Na medição 4 de referencia, foi notado o aumento do ruído ambiental, devidoao ruído proveniente da direção da avenida do Lago do Taboão.Set up do equipamento: Curva de compensação – “A” ; tempo de resposta –“Slow”; escala 35~100dB, chave de função de máxima “MAX-HOLD” – ativada.Foi verificada a calibração antes da medição.A seguir a Tabela 2 com fonte proveniente do conjunto musical e coral com asportas e janelas abertas. 22
  23. 23. Tabela 2 – Avaliação de Ruído Ambiental Nível de ruído Ruído sem Ruído comPONTO Observações ambiente (Lra) fonte fonte fonte = conjunto e coral - porta e 1 65 dB 48,3 dB 83,1 dB janelas abertas fonte = conjunto e coral - porta e 2 65 dB 47,0 dB 80,2 dB janelas abertas fonte = conjunto e coral - porta e 3 65 dB 48,0 dB 51,8 dB janelas abertas fonte = conjunto e coral - porta e 4 65 dB 49,1 dB 49,5 dB janelas abertasA seguir a Tabela 3 com fonte proveniente do conjunto musical e coral com asporta e janelas fechadas.Tabela 3 – Avaliação de Ruído Ambiental Nível de ruído Ruído sem Ruído comPONTO Observações ambiente (Lra) fonte fonte fonte = conjunto e coral - porta e 1 65 dB 48,3 dB 69,1 dB janelas fechadas fonte = conjunto e coral - porta e 2 65 dB 47,0 dB 66,7 dB janelas fechadas fonte = conjunto e coral - porta e 3 65 dB 48,0 dB 50,8 dB janelas fechadas fonte = conjunto e coral - porta e 4 65 dB 52,0 dB 55,6 dB janelas fechadasA NBR 10.151 estabelece para ambientes com áreas de utilização mista(residencial e comercial) com vocação recreacional o nivel de ruido ambiente(Lra) o valor de 65 dB(A) para o período diurno e de 55 dB(A) para o períodonoturno, sendo que o período noturno não deve começar depois das 22 horas enão deve terminar antes das 7 horas do dia seguinte. Fato observado emfunção da localização quanto Zona Especial nivel 8 (ZE8), definida quanto aClassificação das Permissões de uso para “Edificios e espaços públicos de 23
  24. 24. esportes, [...], cemitérios, igrejas, cinemas, teatros, entidades beneficenes,associações e similares”.Como a utilização do empreendimento se dará no periodo diurno, ou seja, das8 horas até as 21 horas, a Norma NBR 10.151 estabelece o limite em 65 dB(A).Através da análise da respectiva Tabela 2 e Tabela 3 podemos concluir que ospontos apresentam-se dentro do prescrito pela NBR-10151, por ocasião damedição, desde que se mantenham as portas e janelas (vitrôs) fechados noshorários de culto. Como os pontos 1 e 2 apresentem índice acima da Norma,como medida mitigadora será necessário isolamento acústico adequado a fimde minimizar esta situação, o qual deverá ser observado e mantido de forma anão caracterizar em impacto negativo.2. PROPOSTA DE MEDIDAS MITIGATORIAS EM RELAÇÃO AOS IMPACTOS NEGATIVOS.As medidas mitigatorias adotadas pelo empreendedor estão dispostas naprópria descrição de avaliação de possiveis aspectos e impactos ambientaisnegativos acima.3. CONCLUSÕES E COMENTÁRIOS DE ORDEM GERALAtravés da analise dos itens do presente relatório, na vizinhança não haveráimpactos negativos consideráveis com a instalação e utilização doempreendimento pela Igreja Batista de Bragança Paulista, quer sejamambientais, sociais, econômicas ou na paisagem urbana.Todas as variáveis que poderiam ser afetadas foram devidamenteconsideradas e as análises concluem pela inexistência de grandes impactos,uma vez que serão atendidas todas as exigências legais para a instalação,utilização e funcionamento do empreendimento.Pelo exposto, considerados os impactos e as devidas medidas mitigadorasdescritas no Estudo de Impacto de Vizinhança e presente Relatório de Impacto 24
  25. 25. de Vizinhança, o empreendimento poderá funcionar sem que a vizinhança sofraqualquer prejuízo em sua qualidade de vida.4. REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS NBR 10.151:2000 Acústica – Avaliação de ruído em áreas habitadas, visando o conforto da comunidade; Lei Complementar n°561 de 26 de setembro de 2007 e Decreto n°339 de 01 de outubro de 2007 – Estudo Prévio de Impacto de Vizinhança e respectivo Relatório de Impacto de Vizinhança; Lei Complementar nº534 de 16 de Abril de 2007 – Plano Diretor; Lei Complementar n°556 de 20 de junho de 2007 – Código de Urbanismo;5. ANEXOS ART Atestado de Responsabilidade Técnica; Croqui das instalações. Bragança Paulista, 05 de junho de 2009._________________________________Igreja Batista de Bragança PaulistaPr. Jessé Larghi Campos – Presidente_________________________________Cássio Cristóvão TeixeiraEngenheiro Civil – CREA/SP: 060505670.6ART nº 92221220090404855 25
  26. 26. ANEXOS 26

×