Arte e pensamento 1

310 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
310
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Arte e pensamento 1

  1. 1. NOVAS ABORDAGENS DIDÁCTICAS NO ENSINO DA HISTÓRIA E NA DISCIPLINA DE HISTÓRIA DA CULTURA E DAS ARTES  A rte P ensamento
  2. 2. P onto de P artida
  3. 5. Visual Thinking Strategies ( VTS )
  4. 7. <ul><li>Visual Thinking Strategies (VTS) é um método de ensino baseado em pesquisa que melhora o pensamento crítico e as competências linguísticas através de discussões de imagens visuais. A VTS incentiva a participação e auto-confiança. A VTS é fácil de aprender e oferece uma estratégia comprovada para os educadores para atender aos actuais objectivos de aprendizagem. </li></ul>
  5. 8. Os professores são convidados a usar três perguntas abertas : O que está a acontecer nesta foto? O que vês que te faz dizer isso? O que mais podemos encontrar? Três técnicas de facilitação : Paráfrase e comentários neutros. Foco na área que está sendo discutida. Ligar comentários contrastantes e complementares. Os alunos são convidados a: Olhar atentamente para as obras de arte. Falar sobre o que estão a observar. Repensar nas suas ideias quando confrontados com outras soluções. Ouvir e considerar as opiniões dos outros. Discutir muitas interpretações possíveis.
  6. 10. Modelo Múltiplas Perspectivas
  7. 13. <ul><li>Por flexibilidade cognitiva , queremos dizer capacidade para reestruturar o conhecimento de alguém, de muitas maneiras, numa resposta adaptável para mudar radicalmente as exigências situacionais... Esta é uma função do modo pelo qual o conhecimento é representado (por exemplo, dimensões múltiplas, em vez de unicamente conceituais) e dos processos que operam estas representações mentais (por exemplo, processos de montagem de esquemas, em vez de recuperação intacta dos esquemas). </li></ul><ul><li>Spiro & Jehng </li></ul>
  8. 14. Inteligências Múltiplas
  9. 16. <ul><li>Lógico-matemática  - a capacidade de confrontar e avaliar objectos e abstracções , discernindo as suas relações e princípios subjacentes. Possuem esta característica matemáticos, cientistas e filósofos como Stanislaw Ulam, Alfred North Whitehead, Henri Poincaré, Albert Einstein, Marie Curie, entre outros. </li></ul><ul><li>Linguística  - caracteriza-se por um domínio e gosto especial pelos idiomas e pelas palavras e por um desejo em os explorar. É predominante em poetas, escritores, e linguistas, como T. S. Eliot, Noam Chomsky, e W. H. Auden. </li></ul><ul><li>Musical  - identificável pela habilidade para compor e executar padrões musicais , executando pedaços de ouvido, em termos de ritmo e timbre, mas também escutando-os e discernindo-os. Pode estar associada a outras inteligências, como a linguística, espacial ou corporal-cinestésica. É predominante em compositores, maestros, músicos, críticos de música como por exemplo, Ludwig van Beethoven, Leonard Bernstein, Midori, John Coltrane. </li></ul>
  10. 17. <ul><li>Espacial  - expressa-se pela capacidade de compreender o mundo visual com precisão , permitindo transformar, modificar percepções e recriar experiências visuais até mesmo sem estímulos físicos. É predominante em arquitectos, artistas, escultores, cartógrafos, navegadores e jogadores de xadrez, como por exemplo Michelangelo, Frank Lloyd Wright, Garry Kasparov, Louise Nevelson, Helen Frankenthaler. </li></ul><ul><li>Corporal-Cinestésica  - traduz-se na maior capacidade de controlar e orquestrar movimentos do corpo . É predominante entre actores e aqueles que praticam a dança ou desportos, como por exemplo Marcel Marceau, Martha Graham, Michael Jordan, Pelé. </li></ul><ul><li>Intrapessoal  - expressa na capacidade de se conhecer , estando mais desenvolvida em escritores, psicoterapeutas e conselheiros, como por exemplo, Sigmund Freud. </li></ul>
  11. 18. <ul><li>Interpessoal  - expressa pela habilidade de entender as intenções, motivações e desejos dos outros . Encontra-se mais desenvolvida em políticos, religiosos e professores, como por exemplo o Mahatma Gandhi. </li></ul><ul><li>Naturalista  - traduz-se na sensibilidade para compreender e organizar os objectos, fenómenos e padrões da natureza , como reconhecer e classificar plantas, animais, minerais, incluindo rochas e gramíneas e toda a variedade de fauna, flora, meio ambiente e seus componentes. É característica de paisagistas e arquitectos, por exemplo. São exemplos deste tipo de inteligência Charles Darwin, Rachel Carson, John James Audubon, Thomas Henry Huxley. </li></ul><ul><li>Existencial  - investigada no terreno ainda do &quot;possível&quot;, carece de maiores evidências. Abrange a capacidade de reflectir e ponderar sobre questões fundamentais da existência . Seria característica de líderes espirituais e de pensadores filosóficos como por exemplo Jean-Paul Sartre, Søren A. Kierkegaard, Maya Angelou, Paul Erdös, Frida Kahlo, Alvin Ailey, Margaret Mead, o Dalai Lama, Charles Darwin ou Joni Mitchell.» </li></ul>
  12. 19. Conectivismo
  13. 21. <ul><li>  - A competência de analisar e avaliar a credibilidade das informações obtidas nas redes de comunicação, seja esta baseada em computadores, comunidades de prática ou em diversas formas de contacto – A competência de criar ambientes que facilitem a aprendizagem informal que é mais corrente que a aprendizagem formal – A competência de formar redes pessoais para fazer com que a experiência individual total seja a soma de experiência individual propriamente dita com a experiência daqueles com os quais o indivíduo está conectado – A competência de aproveitar com o facto de que a aprendizagem é um processo contínuo que se estende por toda a vida – A competência de estabelecer conexões entre ideias, conceitos e campos do conhecimento de forma tal que a informação obtida num nó da rede possa ser aplicada em outro contexto (transferência de conhecimento) – A competência de escolher o que aprender. </li></ul>
  14. 22. D esafio ?
  15. 23. ! Criar uma apresentação integrando uma estratégia de exploração de uma obra de arte tendo em conta uma lógica criativa e colaborativa de aprendizagem em contexto.

×